SlideShare uma empresa Scribd logo
 Portugal e Mensagem têm 8 letras.
 O oito é um número de harmonia, mas também um
  número ligado aos templários, mais precisamente à
  cruz Templária que tem 8 pontas.
 É a mesma cruz que depois vai nas caravelas, já cruz
  da Ordem de Cristo, seguimento natural dos
  Templários depois da extinção destes por ordem Papal.
  Assim, Pessoa num primeiro sentido diz-nos que a
  "Mensagem" é "Portugal" e que "Portugal" é a
  realização da missão da Ordem de Cristo e - por
  descendência - da Ordem do Templo.
 "Mensagem" é ainda dividida por Pessoa em 3 partes:
          MENS/AG(ITAT MOL)EM.

 "Mens Agitat Molem" é uma citação tirada de Virgílio,
 na Eneida, que significa que a mente move a matéria.
 O objetivo da "Mensagem" seria mover as massas pela
 poesia.
 Da palavra "Mensagem" Pessoa tira ainda outro
 significado, sublinhando ENS e GEMMA, para formar
 a expressão ENS GEMMA. Ou seja, ente em gema, ou
 ovo. É Portugal em essência, em gema.
 Significado também potencialmente mágico,
 encantatório: para os alquimistas o ovo filosófico é
 germe de vida espiritual, do qual deverá eclodir o ouro
 da sabedoria.
 No ovo, concentram-se todas as possibilidades de
 criar, recriar, renovar e ressurgir. Ele é a prova e o
 recetáculo de todas as transmutações e metamorfoses.
 Noutra última hipótese, Pessoa escreve: MENSA
 GEMMARUM: ou mesa das gemas.

 Altar ou mesa onde repousam as gemas Portuguesas –
 Portugal, e onde se procede ao sacrifício para a
 realização do sagrado superior. Neste significado,
 Portugal seria o altar onde os sacrifícios foram
 realizados em nome do divino.
Finalmente Pessoa pega na palavra “Mensagem” e
    corta-a para fazer MEA GENS ou GENS MEA: ou seja,
    minha gente ou gente minha, minha
    família.
    É a raça de heróis com que Pessoa se identifica e que
    nomeia ao longo do texto da “Mensagem”.

.
MENSAGEM
                                              44 Poemas




       1.ª Parte                       2.ª parte
                                                                    3.ª Parte
       Brasão                             Mar                     O Encoberto
                                      Português


       Origem da nossa            Apogeu dos Portugueses
                                  •                        •Fim das energias, simbolizado pelo
nacionalidade, destacando-se      conseguido pelas         nevoeiro que envolve Portugal.
 figuras míticas (“Ulisses” ) e   descobertas:             •Vinca-se o mito sebastianista com a
  históricas (“ D. Dinis” , “D.                            figura do Encoberto.
Sebastião, Rei de Portugal”, o    – “ O Infante ”
                                                           •Esperança e impaciência do poeta na
     sonhador, o lutador)
                                  – “ O Mostrengo ”        vinda do Messias, para a construção
                                                           do Quinto Império (“Quando é o Rei?
                                  – “ Mar Português ”      Quando é a Hora?” – “Screvo meu
                                                           libro à beira-mágoa” )
   1.ª Parte
 1.ª Parte               
                              – Brasão –
                              I – Os campos
                                 1. O dos Castelos
    – Brasão – 5 PARTES   
                          
                                  2. O das Quinas
                              II – Os Castelos
                                 1. Ulisses
   I – Os campos 2       
                          
                                  2. Viriato
                                  3. O Conde D. Henrique
                                 4. D. Tareja
   II – Os Castelos 7    
                          
                                  5. D. Afonso Henriques
                                  6. D. Dinis
                                 7(I). D. João o Primeiro
   III – Quinas 5        
                          
                                  7(II). D. Filipa de Lencastre
                              III – Quinas
                                 1. D. Duarte, Rei de Portugal

   IV – A Coroa 1        
                          
                                  2. D. Fernando, Inf. de Portugal
                                  3. D. Pedro, Reg. de Portugal
                                 4. D. João, Infante de Portugal

   V – O Timbre 3        
                          
                                  5. D. Sebastião, Rei de Portugal
                              IV – A Coroa
                                 Nuno Álvares Pereira
                             V – O Timbre
                                 A Cabeça do grifo: O Infante D. Henrique
                                 Uma Asa do Grifo: D. João o Segundo
                                 A Outra Asa do Grifo: Afonso de Albuquerque
2.ª parte
                                – Mar Português –
                               I – O Infante
                               II – Horizonte
2.ª parte                      III – Padrão
                               IV – O Mostrengo
                               V – Epitafio de
                                Bartolomeu Dias
Mar Português – 12 partes      VI – Os Colombos
                               VII – Ocidente
                               VIII – Fernão de
                                Magalhães
                               IX – Ascensão de Vasco
                                da Gama
                               X – Mar Português
                               XI - A Ultima Nau
                               XII: Prece
 3.ª Parte
                                – O Encoberto –
                               I – Os Símbolos
                                  1. D. Sebastião
                                  2. O Quinto Império
                                  3. O Desejado
3.ª parte                         4. As Ilhas Afortunadas
                                  5. O Encoberto
                               II – Os Avisos
                                  1. O Bandarra
I – Os Símbolos – 5 poemas        2. António Vieira
II – Os Avisos – 3 poemas         3. 'Screvo meu livro à beira-
                                mágoa.
 III – Os Tempos – 5 poemas    III – Os Tempos
                                  1. Noite
                                  2. Tormenta
                                  3. Calma
                                  4. Antemanhã
                                  5. Nevoeiro
                              
SER
EXCELÊNCIA
A REVELAÇÃO
CÉU
TOTALIDADE

HARMONIA
 CONSCIENTE / INCONSCIENTE
Símbolo da divisão entre criador e o ente
criado

    DUALIDADE

    VIDA / MORTE

    TERRA
O três é um número que exprime a ordem
  intelectual e espiritual (o cosmos no
  homem).
   O 3 é a soma do um (céu) e do dois (a
  Terra). Trata-se da manifestação da
  divindade, é a manifestação da perfeição,
  da totalidade.
 FASES DA EXISTÊNCIA
 NASCIMENTO, CRESCIMENTO,
  MORTE
 MENSAGEM liga-se simbolicamente ao
 ciclo da vida:


 BRASÃO:
   nascimento da nação
 MAR PORTUGUÊS:
   crescimento e apogeu
 ENCOBERTO:
   morte, à qual se seguirá o ressurgimento
 MENSAGEM liga-se simbolicamente ao
 ciclo da vida:


 BRASÃO:
   nascimento da nação
 MAR PORTUGUÊS:
   crescimento e apogeu
 ENCOBERTO:
   morte, à qual se seguirá o ressurgimento
 Ordem, equilíbrio, harmonia
 N’Os Lusíadas as quinas representam os cinco
  reis vencidos por D. Afonso Henriques na
  Batalha de Ourique.
 Pessoa escolheu cinco mártires da nação para
  corresponderem às cinco quinas (D.Duarte, D.
  Pedro, D. Fernando, D. João e D.
  Sebastião).
 O Brasão está dividido em 5 partes, tantas
  quantas as partes do nosso símbolo heráldico –
  Campos, Castelos, Quinas, Coroa e Grifo).
 O sete é o número da perfeição dinâmica.
 É o número de um ciclo completo.
  O sete articula-se com o quatro.
 Note-se que cada período lunar tem 7 dias e
  existem 4 fases que fecham o ciclo. Perpassa a ideia
  de algo que se completa, de um ciclo que se fecha.
 Os 7 protagonistas de Os Castelos vêm dos 4
  cantos do mundo (França, Inglaterra, Ibéria e
  Grécia).
        França- Conde D. Henrique
        Inglaterra – D. Filipa de Lencastre
        Ibéria - Viriato
        Grácia: Ulisses
 7 foram os Castelos que D. Afonso III
  conquistou aos mouros,
 7 são os poemas de Os Castelos .
 O sete corresponde aos 7 dias da criação, assim
  como as 7 figuras evocadas são também as
  fundadoras da nacionalidade (Ulisses fundou
  Lisboa, Viriato uma nação, Conde D. Henrique
  um Condado, D. Dinis uma cultura, D. João
  uma dinastia, D. Tareja e D. Filipa fundaram
  duas dinastias). Pessoa manteve na sua obra
  a ideia do número sete como número da
  criação.
 O sete é um símbolo de totalidade, de união do
  feminino com o masculino. Consciente dessa
  tradição, Pessoa divide o 7 em duas partes – D.
  João, o primeiro e D. Filipa de Lencastre, ou
  seja, o animus e a anima, o yin e o yang, o Adão
  e Eva, o Sol e a Lua.

 Número ligado à criação: ao sétimo dia Deus
  descansou.
 Oito letras tem Portugal e oito letras tem
  Mensagem.

 oito é um número de harmonia, mas também
  um número ligado aos templários, mais
  precisamente à cruz Templária que tem 8
  pontas. É a mesma cruz que depois vai nas
  caravelas, já enquanto Cruz da Ordem de
  Cristo
 O 12 assume relevância na segunda parte da
  Mensagem - Mar Português.
 Doze são os poemas de Mar Português
   12 eram os discípulos de Cristo
   12 os Cavaleiros da Távola Redonda
   12 os meses do ano
   12 os signos do zoodíaco.
   O número 12 é o número da ação.
 Nesta parte da Mensagem, Portugal está
 fundado na vida activa (a posse dos mares).
 12 marca o final de um ciclo, ao qual sucede a
  morte, que dará lugar a um renascimento.

 As referências do segunda parte ao período
  aúreo da nossa história fecham um ciclo, ao
  qual se seguem as trevas – O ENCOBERTO.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
Maria João Oliveira
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
VniaRodrigues30
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
Bruno Freitas
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
Rui Couto
 
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando PessoaEstrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Ricardo Santos
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique"
CatarinaSilva1000
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem
Isabel Costa
 
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
Ana Beatriz
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
JulianaCarvalho265
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
CecliaGomes25
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
António Vieira
António VieiraAntónio Vieira
António Vieira
Ana Cruz
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 

Mais procurados (20)

ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Simbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do ConventoSimbologia de Memorial do Convento
Simbologia de Memorial do Convento
 
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando PessoaEstrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
Estrutura Tripartida da Mensagem - Fernando Pessoa
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique""Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique"
"Mensagem" de Fernando Pessoa: "O Infante D. Henrique"
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem"Fernão de Magalhães", a Mensagem
"Fernão de Magalhães", a Mensagem
 
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
“Eu nunca guardei rebanhos”-Alberto Caeiro
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
António Vieira
António VieiraAntónio Vieira
António Vieira
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 

Semelhante a Mensagem elementos simbólicos

Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'
12_A
 
A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa
Pedro Rodrigues
 
mensagem (1).pptx
mensagem (1).pptxmensagem (1).pptx
mensagem (1).pptx
CecliaGomes25
 
MensagemFP
MensagemFP MensagemFP
MensagemFP
Ana Martins
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Mensagem
MensagemMensagem
Reflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em PessoaReflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em Pessoa
complementoindirecto
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
António Teixeira
 
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolverOs Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
complementoindirecto
 
Ft20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa LusiadasFt20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa Lusiadas
Fernanda Soares
 
pdf_mensagem.pptx
pdf_mensagem.pptxpdf_mensagem.pptx
pdf_mensagem.pptx
Colégio Waldorf Micael
 
Dom sebastião final_extracto
Dom sebastião final_extractoDom sebastião final_extracto
Dom sebastião final_extracto
Dulce Abalada
 
História de portugal 1
História de portugal 1História de portugal 1
História de portugal 1
bibbaixo
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
EL Chenko
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 
Centenário da República
Centenário da RepúblicaCentenário da República
Centenário da República
Jacket25
 
Centenário da República
Centenário da RepúblicaCentenário da República
Centenário da República
Jacket25
 
Centenário da república
Centenário da repúblicaCentenário da república
Centenário da república
Jacket25
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
AlexandreRodrigues232310
 

Semelhante a Mensagem elementos simbólicos (20)

Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'
 
A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa A mensagem fernado pessoa
A mensagem fernado pessoa
 
mensagem (1).pptx
mensagem (1).pptxmensagem (1).pptx
mensagem (1).pptx
 
MensagemFP
MensagemFP MensagemFP
MensagemFP
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Reflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em PessoaReflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em Pessoa
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolverOs Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Ft20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa LusiadasFt20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa Lusiadas
 
pdf_mensagem.pptx
pdf_mensagem.pptxpdf_mensagem.pptx
pdf_mensagem.pptx
 
Dom sebastião final_extracto
Dom sebastião final_extractoDom sebastião final_extracto
Dom sebastião final_extracto
 
História de portugal 1
História de portugal 1História de portugal 1
História de portugal 1
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Centenário da República
Centenário da RepúblicaCentenário da República
Centenário da República
 
Centenário da República
Centenário da RepúblicaCentenário da República
Centenário da República
 
Centenário da república
Centenário da repúblicaCentenário da república
Centenário da república
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
 

Mais de Paula Oliveira Cruz

Friso cronológico literário
Friso cronológico literárioFriso cronológico literário
Friso cronológico literário
Paula Oliveira Cruz
 
géneros da poesia_trovadoresca
  géneros da poesia_trovadoresca  géneros da poesia_trovadoresca
géneros da poesia_trovadoresca
Paula Oliveira Cruz
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
Paula Oliveira Cruz
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
Paula Oliveira Cruz
 
o paralelismo
 o paralelismo o paralelismo
o paralelismo
Paula Oliveira Cruz
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Paula Oliveira Cruz
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
Paula Oliveira Cruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
Paula Oliveira Cruz
 
História da língua
História da línguaHistória da língua
História da língua
Paula Oliveira Cruz
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
Paula Oliveira Cruz
 
Sedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermidaSedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermida
Paula Oliveira Cruz
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
Paula Oliveira Cruz
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)
Paula Oliveira Cruz
 
Adilia Lopes - autobiografia
Adilia Lopes -  autobiografiaAdilia Lopes -  autobiografia
Adilia Lopes - autobiografia
Paula Oliveira Cruz
 
Autorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neillAutorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neill
Paula Oliveira Cruz
 
Adjetivo lp
Adjetivo lpAdjetivo lp
Adjetivo lp
Paula Oliveira Cruz
 

Mais de Paula Oliveira Cruz (20)

Friso cronológico literário
Friso cronológico literárioFriso cronológico literário
Friso cronológico literário
 
géneros da poesia_trovadoresca
  géneros da poesia_trovadoresca  géneros da poesia_trovadoresca
géneros da poesia_trovadoresca
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
o paralelismo
 o paralelismo o paralelismo
o paralelismo
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
História da língua
História da línguaHistória da língua
História da língua
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Sedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermidaSedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermida
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)
 
Adilia Lopes - autobiografia
Adilia Lopes -  autobiografiaAdilia Lopes -  autobiografia
Adilia Lopes - autobiografia
 
Autorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neillAutorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neill
 
Adjetivo lp
Adjetivo lpAdjetivo lp
Adjetivo lp
 

Mensagem elementos simbólicos

  • 1.
  • 2.  Portugal e Mensagem têm 8 letras.  O oito é um número de harmonia, mas também um número ligado aos templários, mais precisamente à cruz Templária que tem 8 pontas.  É a mesma cruz que depois vai nas caravelas, já cruz da Ordem de Cristo, seguimento natural dos Templários depois da extinção destes por ordem Papal. Assim, Pessoa num primeiro sentido diz-nos que a "Mensagem" é "Portugal" e que "Portugal" é a realização da missão da Ordem de Cristo e - por descendência - da Ordem do Templo.
  • 3.  "Mensagem" é ainda dividida por Pessoa em 3 partes: MENS/AG(ITAT MOL)EM. "Mens Agitat Molem" é uma citação tirada de Virgílio, na Eneida, que significa que a mente move a matéria. O objetivo da "Mensagem" seria mover as massas pela poesia.
  • 4.  Da palavra "Mensagem" Pessoa tira ainda outro significado, sublinhando ENS e GEMMA, para formar a expressão ENS GEMMA. Ou seja, ente em gema, ou ovo. É Portugal em essência, em gema. Significado também potencialmente mágico, encantatório: para os alquimistas o ovo filosófico é germe de vida espiritual, do qual deverá eclodir o ouro da sabedoria. No ovo, concentram-se todas as possibilidades de criar, recriar, renovar e ressurgir. Ele é a prova e o recetáculo de todas as transmutações e metamorfoses.
  • 5.  Noutra última hipótese, Pessoa escreve: MENSA GEMMARUM: ou mesa das gemas.  Altar ou mesa onde repousam as gemas Portuguesas – Portugal, e onde se procede ao sacrifício para a realização do sagrado superior. Neste significado, Portugal seria o altar onde os sacrifícios foram realizados em nome do divino.
  • 6. Finalmente Pessoa pega na palavra “Mensagem” e corta-a para fazer MEA GENS ou GENS MEA: ou seja, minha gente ou gente minha, minha família. É a raça de heróis com que Pessoa se identifica e que nomeia ao longo do texto da “Mensagem”. .
  • 7. MENSAGEM 44 Poemas 1.ª Parte 2.ª parte 3.ª Parte Brasão Mar O Encoberto Português Origem da nossa Apogeu dos Portugueses • •Fim das energias, simbolizado pelo nacionalidade, destacando-se conseguido pelas nevoeiro que envolve Portugal. figuras míticas (“Ulisses” ) e descobertas: •Vinca-se o mito sebastianista com a históricas (“ D. Dinis” , “D. figura do Encoberto. Sebastião, Rei de Portugal”, o – “ O Infante ” •Esperança e impaciência do poeta na sonhador, o lutador) – “ O Mostrengo ” vinda do Messias, para a construção do Quinto Império (“Quando é o Rei? – “ Mar Português ” Quando é a Hora?” – “Screvo meu libro à beira-mágoa” )
  • 8. 1.ª Parte  1.ª Parte  – Brasão – I – Os campos  1. O dos Castelos – Brasão – 5 PARTES   2. O das Quinas II – Os Castelos  1. Ulisses  I – Os campos 2   2. Viriato 3. O Conde D. Henrique  4. D. Tareja  II – Os Castelos 7   5. D. Afonso Henriques 6. D. Dinis  7(I). D. João o Primeiro  III – Quinas 5   7(II). D. Filipa de Lencastre III – Quinas  1. D. Duarte, Rei de Portugal  IV – A Coroa 1   2. D. Fernando, Inf. de Portugal 3. D. Pedro, Reg. de Portugal  4. D. João, Infante de Portugal  V – O Timbre 3   5. D. Sebastião, Rei de Portugal IV – A Coroa  Nuno Álvares Pereira  V – O Timbre  A Cabeça do grifo: O Infante D. Henrique  Uma Asa do Grifo: D. João o Segundo  A Outra Asa do Grifo: Afonso de Albuquerque
  • 9. 2.ª parte – Mar Português –  I – O Infante  II – Horizonte 2.ª parte  III – Padrão  IV – O Mostrengo  V – Epitafio de Bartolomeu Dias Mar Português – 12 partes  VI – Os Colombos  VII – Ocidente  VIII – Fernão de Magalhães  IX – Ascensão de Vasco da Gama  X – Mar Português  XI - A Ultima Nau  XII: Prece
  • 10.  3.ª Parte – O Encoberto –  I – Os Símbolos  1. D. Sebastião  2. O Quinto Império  3. O Desejado 3.ª parte  4. As Ilhas Afortunadas  5. O Encoberto  II – Os Avisos  1. O Bandarra I – Os Símbolos – 5 poemas  2. António Vieira II – Os Avisos – 3 poemas  3. 'Screvo meu livro à beira- mágoa. III – Os Tempos – 5 poemas  III – Os Tempos  1. Noite  2. Tormenta  3. Calma  4. Antemanhã  5. Nevoeiro 
  • 12. Símbolo da divisão entre criador e o ente criado DUALIDADE VIDA / MORTE TERRA
  • 13. O três é um número que exprime a ordem intelectual e espiritual (o cosmos no homem). O 3 é a soma do um (céu) e do dois (a Terra). Trata-se da manifestação da divindade, é a manifestação da perfeição, da totalidade.  FASES DA EXISTÊNCIA  NASCIMENTO, CRESCIMENTO, MORTE
  • 14.  MENSAGEM liga-se simbolicamente ao ciclo da vida:  BRASÃO:  nascimento da nação  MAR PORTUGUÊS:  crescimento e apogeu  ENCOBERTO:  morte, à qual se seguirá o ressurgimento
  • 15.  MENSAGEM liga-se simbolicamente ao ciclo da vida:  BRASÃO:  nascimento da nação  MAR PORTUGUÊS:  crescimento e apogeu  ENCOBERTO:  morte, à qual se seguirá o ressurgimento
  • 16.  Ordem, equilíbrio, harmonia  N’Os Lusíadas as quinas representam os cinco reis vencidos por D. Afonso Henriques na Batalha de Ourique.  Pessoa escolheu cinco mártires da nação para corresponderem às cinco quinas (D.Duarte, D. Pedro, D. Fernando, D. João e D. Sebastião).  O Brasão está dividido em 5 partes, tantas quantas as partes do nosso símbolo heráldico – Campos, Castelos, Quinas, Coroa e Grifo).
  • 17.  O sete é o número da perfeição dinâmica.  É o número de um ciclo completo. O sete articula-se com o quatro.  Note-se que cada período lunar tem 7 dias e existem 4 fases que fecham o ciclo. Perpassa a ideia de algo que se completa, de um ciclo que se fecha.  Os 7 protagonistas de Os Castelos vêm dos 4 cantos do mundo (França, Inglaterra, Ibéria e Grécia).  França- Conde D. Henrique  Inglaterra – D. Filipa de Lencastre  Ibéria - Viriato  Grácia: Ulisses
  • 18.  7 foram os Castelos que D. Afonso III conquistou aos mouros,  7 são os poemas de Os Castelos .  O sete corresponde aos 7 dias da criação, assim como as 7 figuras evocadas são também as fundadoras da nacionalidade (Ulisses fundou Lisboa, Viriato uma nação, Conde D. Henrique um Condado, D. Dinis uma cultura, D. João uma dinastia, D. Tareja e D. Filipa fundaram duas dinastias). Pessoa manteve na sua obra a ideia do número sete como número da criação.
  • 19.  O sete é um símbolo de totalidade, de união do feminino com o masculino. Consciente dessa tradição, Pessoa divide o 7 em duas partes – D. João, o primeiro e D. Filipa de Lencastre, ou seja, o animus e a anima, o yin e o yang, o Adão e Eva, o Sol e a Lua.  Número ligado à criação: ao sétimo dia Deus descansou.
  • 20.  Oito letras tem Portugal e oito letras tem Mensagem.  oito é um número de harmonia, mas também um número ligado aos templários, mais precisamente à cruz Templária que tem 8 pontas. É a mesma cruz que depois vai nas caravelas, já enquanto Cruz da Ordem de Cristo
  • 21.  O 12 assume relevância na segunda parte da Mensagem - Mar Português.  Doze são os poemas de Mar Português  12 eram os discípulos de Cristo  12 os Cavaleiros da Távola Redonda  12 os meses do ano  12 os signos do zoodíaco.  O número 12 é o número da ação.  Nesta parte da Mensagem, Portugal está fundado na vida activa (a posse dos mares).
  • 22.  12 marca o final de um ciclo, ao qual sucede a morte, que dará lugar a um renascimento.  As referências do segunda parte ao período aúreo da nossa história fecham um ciclo, ao qual se seguem as trevas – O ENCOBERTO.