SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ – UESPI
PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À
DOCÊNCIA – PIBID
ESCOLA MUNICIPAL EURÍPIDES DE AGUIAR
DISCIPLINA: HISTÓRIA
O escravo negro no Brasil Colonial: tráfi-
co e cotidiano
Ensino Fundamental
BOLSISTAS:
Lucas Ramyro Gomes de Brito
Márcia Suely Santiago de Lira Araújo
PROFESSOR-SUPERVISOR:
Evandro Dantas Lélis
O escravo negro no Brasil Colonial
A História em debate
Hoje, podemos encontrar no
rosto dos brasileiros traços fi-
sionômicos característicos dos
povos africanos, europeus ou
asiáticos. Todos esses povos
contribuíram para a formação
na América de uma cultura
original: a brasileira. Dentre
eles, merece destaque os afri-
canos. Nos primeiros séculos de
nossa história, eles eram nume-
rosos.
Converse com seus colegas e
procurem saber: Algum de vo-
cês tem ascendência africana?
Pensando nisso, pergunte
aos seus pais a origem de seus
antepassados. De onde vieram?
Qual a história desses antepas-
sados? Eles enfrentaram confli-
tos?
Gravura publicada na obra The
Voyage of Abel Dupetit Thouars,
representando escravo carregan-
do feixe de cana-de-açúcar, sécu-
lo XIX
LINHADOTEMPO
Brasil-colônia:períodosdeextraçãoecultura
UmasériedehistoriadoresanalisouahistóriaeconômicadoBrasilColôniapormeiodosprodutosquepredominavam
nocomérciointernacionaldaquelaépoca.Primeirofoiopau-brasil,depoisoaçúcare,emseguida,amineração,for-
mandooquealgunshistoriadoreseeconomistaschamavamdecicloseconômicoscoloniais.Essetipode“modelo
simplificado”explica,principalmente,osinteresseseconômicosdametrópoleedaeliteexploradora.
Página 01 Página 02
História em contexto
Fonte: ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. (1711) Disponível em
<http://www.dominiopublico.gov.br/>. Acesso em 08 de maio de 2015.
1. Da África para a América
Negros no porão do navio, gravura de Rugendas do século XIX, que
mostra as condições em que os africanos eram trazidos à América para
serem vendidos como escravos: amontoados nos porões dos navios
negreiros, também chamados tumbeiros. A falta de alimentação e as
condições precárias levavam muitos à morte.
A partir de 1550 os colonos, pressio-
nados pela expansão da produção açucareira,
passaram a recorrer cada vez mais à mão de
obra africana, oferecida nos portos brasileiros
pelos traficantes. Os africanos, ao serem des-
locados para um lugar estranho, tinham mais
dificuldades do que os indígenas de resistir à
escravidão ou de fugir dos engenhos.
Nos tumbeiros ou ainda nas feitorias africanas, os negros cati-
vos eram batizados e recebiam um nome cristão, que era registrado pelo
traficante. Desembarcavam nos portos brasileiros (Recife, Salvador e
Rio de Janeiro) e ficavam em armazéns à espera de compradores Eram
examinados como de fossem bichos, contados por “peça” e identifica-
dos como “macho”, “fêmea”, “filhote” ou “cria”. A maioria era ho-
mens, sendo que os jovens alcançavam maior preço.
Página 03 Página 04
“Não castigar os excessos que eles cometem seria culpa não leve,
porém, estes se hão de averiguar antes, para não castigar inocen-
tes, e se hão de ouvir os delatados e convencidos, castigar-se-ão
com açoites moderados ou com os meter em corrente de ferro, por
algum tempo, ou tronco.”
“No Brasil, costumam dizer que para o escravo são necessários
três PPP, a saber, pau, pão e pano. Quisera Deus que tão abundan-
te fosse o comer e o vestir como muitas vezes é o castigo, dado
por qualquer causa pouco provada e levantada, com instrumentos
de muito rigor. Alguns senhores fazem mais caso de um cavalo
que de meia dúzia de escravos, pois o cavalo é servido, e tem
quem lhe busque capim, tem pano para o suor e sela e freio dou-
rado.”
“Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque
sem eles, no Brasil, não é possível fazer, conservar e aumentar
fazenda, nem ter engenho corrente. E do modo com que se há com
eles depende tê-los bons ou maus para o serviço. Por isso, é neces-
sário comprar cada ano algumas peças e reparti-las pelos partidos,
roças, serrarias e barcas.”
De cada três africa-
nos desembarcados
nas Américas, dois
eram homens. De-
pois dos 35 anos, um
cativo era conside-
rado velho.
Debret – Retorno de um proprietário à sua chácara – Século XIX
Mulheres negras lavando roupa. (Debret – Interior de uma casa de ciga-
nos – Século XIX)
Vendedora ambulante
carregando criança
branca. (Em Joaquim
Cândido Guillobel - Figu-
ras populares do Rio de
Janeiro. Coleção Particu-
lar, RJ)
Os recém-chegados, que não conheciam a língua, eram cha-
mados boçais. Quando se adaptavam aos costumes dos colonos e
aprendiam a língua, passavam a ser denominados ladinos e custa-
vam mais caro. Os nascidos no Brasil eram chamados crioulos.
Por quase quatrocentos anos, o Bra-
sil foi um país escravista. Eram eles
que realizavam quase todo o traba-
lho: na lavoura, nas casas, na explo-
ração mineira, nos serviços urbanos,
no transporte de pessoas e mercado-
rias. Trabalhava até o limite máximo
de suas forças. Nos engenhos, por
exemplo, a jornada diária de trabalho
durava de 14 a 17 horas, sob a vigilân-
cia dos feitores, que tinham ordens de
castigar os “preguiçosos”.
Página 05 Página 06
Os escravos morriam,
em média, após 15 anos
de trabalho. Um negro
que chegasse ao Brasil
como escravo, com a
idade que você tem ho-
je, viveria até completar
quantos anos?
Feitores castigando negros, gravura de Jean-Baptiste Debret, do i-
nício do século XIX. Em primeiro plano, um escravo é castigado pelo
próprio feitor. Ao fundo, outro exemplo de castigo, aplicado por
um dos escravos mais antigos. Atrás dele, um segundo escravo fis-
caliza o castigo, armado de chicote, para agir quando necessário.
Em terceiro lugar, coloca-se o feitor para castigar o fiscal, caso ele
não cumpra o seu dever. O tratamento do branco colonizador dado
aos escravos não estava limitado pela lei ou pela moral. Os senho-
res justificavam sua atitude considerando que os escravos não e-
ram “humanos”.
Escravas castigadas com palmatória. (Rugendas – Castigos domésticos. Sé-
culo XIX)
Escravo castigado no pelourinho. (Rugendas – Punições públicas na praça de
Santana. Século XIX)
Página 07 Página 08
Escravo com máscara de zinco. (Debret. Sécu-
lo XIX)
Os castigos, aplicados em públi-
co para servir de exemplo aos demais,
eram cruéis: açoite, amputações, palma-
tória, tronco, máscara e coleira de ferro,
correntes com peso. Considerava-se o
castigo físico um direito e um dever dos
senhores.
Os escravos das cidades tinham
uma vida diferente dos que traba-
lhavam nas fazendas e nos enge-
nhos. Eles não apenas realizavam
todos os trabalhos manuais e ser-
viam de besta de carga para seus
senhores, como também uma fonte
de riqueza importante, pois exerci-
am ofícios recebendo uma remu-
neração que revertia para seus
donos.
Os escravos de ganho conseguiam às vezes guardar parte dos
rendimentos que recebiam e assim, após décadas de poupança, foi pos-
sível a alguns comprar a sua liberdade. Houve cativos que adquiriram
escravos que, com seu trabalho, auxiliavam seus donos a alcançar a
alforria.
Detalhe de desenho representando um engenho em Pernambuco,
de Gaspar Barleus, retirado da obra Rerum per octennium in Brasi-
lia, 1647. Fundação Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro.
Na maioria das senzalas havia pouca privacidade; em geral os escravos vivi-
am juntos. Em algumas senzalas havia lugares reservados para os casais. Não
era incomum as fazendas destinarem pequenas casas aos escravos casados,
como uma forma de incentivo para terem filhos.
Página 09 Página 10
O Código Criminal de 1830 restringia a cin-
quenta açoites por dia, mas não limitava o
número de dias para se aplicar o castigo.
Eram os escravos de ganho, que
vendiam todo tipo de mercadori-
as e trabalhavam como artesãos
especializados, operários ou ser-
vidores públicos, exercendo car-
gos como os de acendedores de
lampiões e varredores de ruas,
por exemplo. Muitas vezes com-
petiam com os trabalhadores
livres.
Observação:Páginadobrávelnolivreto(Páginadupla)
O processo de produção açucareira
A produção de açúcar era bastante complexa e
volvia muitas etapas. Em todas elas, a principal mão
de obra utilizada era a escrava, geralmente supervi-
sionada por trabalhadores especializados.
Página 11
1. Inicialmente derrubava-se a mata e o
terreno era limpo.
2. Covas eram abertas para
enterrar pedaços de cana. 3. Cerca de 12 meses depois, a
cana crescida era cortada e a-
marrada em feixes, que eram
transportados em barcas ou
carros de boi até as moendas.
4. Grandes cilindros de madeira
moíam a cana para extrair o caldo.
Os engenhos que utilizavam força
animal eram chamados trapiches e
os acionados pela força da água
eram denominados reais.
5. Esse caldo era cozido durante
horas sob a supervisão do mestre
de açúcar, auxiliado por outros
trabalhadores especializados.
6. Quando atingia o ponto certo, o mela-
ço era purgado (purificado) em fôrmas
de barro e nelas permanecia até que os
diferentes tipos de açúcar estivessem
separados.
7. Depois desse período, o açúcar
era retirado da fôrma. Como o pro-
cesso de branqueamento não agia
por igual nas fôrmas, o açúcar era
separado por tipo (claro, mascavo e
escuro) e ficava exposto ao sol por
até vinte dias.
8. Em seguida, o açúcar era pesado, empacotado e
transportado até o porto, de onde seguia em navios
até a Europa.
Os escravos reagiram
de diversas formas à escravi-
dão: com vinganças contra os
feitores, sabotagens, revoltas
e fugas. Mas havia também os
que conseguiam fugir e for-
mar quilombos. O maior deles
foi o Quilombo dos Palmares
(na região dos atuais estados
de Alagoas e Pernambuco),
que conseguiu reunir cerca de
50 mil quilombolas entre
1630 e 1695.
Vista do quilombo São José, no município de Valença, Rio de Janeiro,
2011. Segundo dados do Instituto Nacional da Reforma Agrária (Incra),
existem mais de três mil comunidades quilombolas no país.
Habitação de negros, Rugendas, século XIX
Gravura O batuque em São Paulo, de J. B. Spix e K. F. Von Martius, 1817. Ape-
sar do duro cotidiano, os negros vivenciavam sua cultura. Um sinal da resis-
tência às condições impostas pela escravidão é mostrado nesta reprodução
Página 12 Página 13
O escravo capturado era
marcado com ferro em
brasa, no peito ou na testa,
com a letra F (fujão); ou,
então, amputava-se alguma
parte do seu corpo – a ore-
lha ou o pé, por exemplo.
História Hoje
Boias-frias – O que são, modo de vida e condições de trabalho
“Alguma vez você já ouviu alguém falar o termo boia-fria? Provavel-
mente você já deve ter escutado em casa ou em algum noticiário, não é
mesmo? Mas você sabe o que isso significa? Boias-frias são trabalhado-
res que geralmente não possuem boas condições de trabalho, que saem
muito cedo de casa e já levam seu almoço. Vamos conhecer um pouco
mais sobre essas pessoas agora.
Ao pesquisar no dicionário o termo boia-fria, encontramos o signifi-
cado de que é o ‘trabalhador agrícola que se desloca diariamente para
propriedade rural, geralmente para executar tarefas sob empreitada.’
Mas essa explicação é muito superficial.
As pessoas que recebem esse nome geralmente não possuem muito
conhecimento, são analfabetos ou semianalfabetos que vivem ou já vi-
veram no campo. Esses trabalhadores acordam muito cedo e levam uma
marmita e na hora do almoço comem a comida fria. Foi por isso que
surgiu esse termo, pois boia é uma gíria para comida.
O modo de vida dessas pessoas é bem precário, normalmente o boia-
fria é uma pessoa que não teve oportunidade de estudar, que passa por
situações difíceis e que vivem no campo.
Existem muitos casos de boias-frias no Brasil, essas pessoas se sujei-
tam ao trabalho no campo, muitas vezes nos períodos de colheitas, suas
condições de trabalho e seu salário raramente são bons. Esses trabalhos
que ocorrem na zona rural são sem vínculo empregatício, as pessoas
são contratadas para trabalhar durante um período.
Por não possuírem condições, levam suas marmitas ao saírem de ca-
sa na madrugada e como no local onde estão trabalhando não há como
esquentar a comida eles a comem fria.
O principal problema desse tipo de profissão é a condição de traba-
lho a que são submetidos. Geralmente a maioria desses casos chegam a
ser comparados ao trabalho escravo.
Aqui no Brasil esses casos de trabalho excessivo acontecem com fre-
quência, o trabalho é muito pesado e o salário muito baixo. A carga ho-
rária varia entre 10 e 11 horas por dia, com apenas um pequeno interva-
lo de 30 minutos para o almoço e descanso.
O valor é pago de acordo com o que cada trabalhador produz, ou seja,
eles recebem de acordo com a quantidade de toneladas ou arrobas colhi-
das. Desta forma, para obter um ganho maior, muitos deles acabam se
sujeitando a grandes esforços físicos e alguns chegam a morrer por conta
disso. Entre uma safra e outra os trabalhadores ficam sem trabalho e
procuram serviço em outras regiões e com isso acabam migrando sempre
de uma região para outra.”
Fonte: MELO, Priscila. Boias-frias: o que são, modo de vida e condições de trabalho. Disponível em
<www.estudokids.com.br/boias-frias-o-que-sao-modo-de-vida-e-condicoes-de-trabalho/>. Acesso
em 08 de maio de 2015.
Para cortar 12,9 toneladas de cana, o cortador realiza, em média, 3.080 flexões na
coluna, mais de 11 por minuto. Foto: Eliária Andrade
Fonte: CARVALHO, Cleide. O fim dos boias-frias (2013). Disponível em
<http://oglobo.globo.com/economia/o-fim-dos-boias-frias-9595711>. Acesso em 08 de maio de
2015.
AGORA RESPONDA:
A partir do que foi estudado sobre a escravidão de negros no Brasil
Colonial, a leitura do texto e imagem sobre cortadores de cana-de-açúcar
no Brasil atual, responda os seguintes questionamentos:
Ainda existe “escravidão” no Brasil?
Como são essas novas formas de exploração?
Você saberia citar algum exemplo de exploração atualmente?
Explique sua resposta.
Página 14 Página 15
VOCABULÁRIO
Elite Grupo privilegiado, minoritário, composto por aque-
les que são vistos por alguns como superiores por
possuírem algum poder econômico e/ou domínio
social.
Ascendência Constituída por todos os seus antepassados, come-
çando por seus pais.
Colono Aquele que é inserido em uma área juntamente com
outros com a finalidade de povoar e explorar, assim
como conviver e ser membro da colônia.
Tumbeiro De tumba, apelido dado aos navios negreiros pelo
grande número de negros que morriam nas viagens.
Traficante Comerciante que realizava o tráfico negreiro.
Açoite Golpe com instrumento de tiras de couro geralmente
aplicado sobre as costas e as nádegas.
Palmatória Peça circular de madeira com um cabo, usada para
bater nas palmas das mãos.
Tronco Peça de madeira onde se prendiam os pés, o pescoço
ou as mãos dos escravos.
Quilombo Do quimbundo, língua africana, povoação, união; no
Brasil, passou a significar refúgio de escravos fugi-
dos.
Quilombola Morador dos quilombos.
Senzala Espécie de habitação ou alojamento dos escravos
brasileiros
Casa-Grande Moradia do senhor de engenho.
Engenho Engenho de açúcar, muitas vezes abreviado para
engenho, é o nome dado a uma unidade industrial
especializada na transformação da cana-sacarina em
açúcar ou outros derivados, como o melaço ou a
aguardente de cana.
REFERÊNCIAS
ALVES, Kátia Corrêa Peixoto; BELISÁRIO, Regina Célia de Moura Gomide.
Diálogos com a história, 6ª série: manual do professor. Volume 2. Curitiba:
Nova Didática, 2004. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do
Ensino Fundamental.
APOLINÁRIO, Maria Raquel (editora). Projeto araribá: história. Obra coleti-
va concebida, desenvolvida e produzida pela Editora Moderna. 3ª edição.
Volume 2. São Paulo: Moderna, 2010. Obra em 4 volumes para alunos do 6º
ao 9º ano do Ensino Fundamental.
BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História do Brasil: colônia. Edição renovada. Vo-
lume 1. São Paulo: FTD, 1997. Ensino Médio.
COTRIM, Gilberto. Saber e fazer história, 6ª série. 2ª edição reformulada. 2ª
impressão. Volume 2. São Paulo: Saraiva, 2002. Obra em 4 volumes para
alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental.
PILETTI, Nelson; PILETTI, Claudino. História e vida integrada. Nova edição
reformulada e atualizada. 3ª edição. 1ª impressão. Volume 2. São Paulo:
Ática, 2005. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino
Fundamental.
RODRIGUE, Joelza Ester. História em documento: imagem e texto. 2ª edição.
Volume 2. São Paulo: FTD, 2002. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª
séries do Ensino Fundamental.
SCHMIDT, Mario Furley. Nova história crítica. Volume 2. São Paulo; Nova
Geração, 1999. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino
Fundamental.
VICENTINO, Cláudio. Viver a história: ensino fundamental: 6ª série. 1ª edi-
ção. Volume 2. São Paulo: Scipione, 2002. Obra em 4 volumes para alunos
de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental.
Página 16 Página 17
ANOTAÇÕES
________________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.pptAulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.ppt
Deisy Bezerra
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
Rodrigo
 
Escravidão moderna
Escravidão modernaEscravidão moderna
Escravidão moderna
Andre Lucas
 
Projeto 200 anos
Projeto 200 anosProjeto 200 anos
Projeto 200 anos
sandrabio
 
Capoeira
CapoeiraCapoeira
Apresentacao anuncios fugas
Apresentacao anuncios fugasApresentacao anuncios fugas
Apresentacao anuncios fugas
Jana Bento
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
araujombarbara
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Professor: Ellington Alexandre
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
Luís Emílio Racional
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
Icobashi
 
Quilombo dos Palmares
Quilombo dos PalmaresQuilombo dos Palmares
Quilombo dos Palmares
Lourdes Grasel
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
Lane94
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
Rodrigo F Menegatti
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
Escravidão indígena
Escravidão indígenaEscravidão indígena
Escravidão indígena
Nara Oliveira
 
Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1
Vagner Lin
 
Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1
Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (18)

Aulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.pptAulão HISTÓRIA.ppt
Aulão HISTÓRIA.ppt
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Escravidão moderna
Escravidão modernaEscravidão moderna
Escravidão moderna
 
Projeto 200 anos
Projeto 200 anosProjeto 200 anos
Projeto 200 anos
 
Capoeira
CapoeiraCapoeira
Capoeira
 
Apresentacao anuncios fugas
Apresentacao anuncios fugasApresentacao anuncios fugas
Apresentacao anuncios fugas
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
Brasil: Economia colonial, mão de obra indígena e africana e o Quilombo dos P...
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013H7 4 bim_aluno_2013
H7 4 bim_aluno_2013
 
Quilombo dos Palmares
Quilombo dos PalmaresQuilombo dos Palmares
Quilombo dos Palmares
 
Escravos
EscravosEscravos
Escravos
 
Igreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no BrasilIgreja e Escravidão no Brasil
Igreja e Escravidão no Brasil
 
ESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃOESCRAVIDÃO
ESCRAVIDÃO
 
Escravidão indígena
Escravidão indígenaEscravidão indígena
Escravidão indígena
 
Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1Escravatura no seculo xvIII1
Escravatura no seculo xvIII1
 
Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1Diagnostica historia 7ano1
Diagnostica historia 7ano1
 

Destaque

Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
Marcio Cicchelli
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Sistema Colonial
Sistema ColonialSistema Colonial
Sistema Colonial
mdaltmann
 
Engenho De AçúCar
Engenho De AçúCarEngenho De AçúCar
Engenho De AçúCar
guestda9e9c
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
André Moraes
 
Aula 2 ufes
Aula 2   ufesAula 2   ufes
Aula 2 ufes
Peres Marcos
 
Caderno de exercícios de ciências humanas
Caderno de exercícios de ciências humanasCaderno de exercícios de ciências humanas
Caderno de exercícios de ciências humanas
Homero Alves de Lima
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasilantonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Itinerários da Memória
Itinerários da MemóriaItinerários da Memória
Itinerários da Memória
Isabel DA COSTA
 
Herança escravista
Herança escravistaHerança escravista
Herança escravista
level2012
 
8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra
Renato Coutinho
 
Atividades sobre Meio Ambiente e Reflorestamento
Atividades sobre Meio Ambiente e ReflorestamentoAtividades sobre Meio Ambiente e Reflorestamento
Atividades sobre Meio Ambiente e Reflorestamento
Letras Mágicas
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
Lucas Reis
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Karina Miranda
 
Engenho de Açúcar
Engenho de AçúcarEngenho de Açúcar
Engenho de Açúcar
QUEDMA SILVA
 
Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01
dmflores21
 

Destaque (20)

Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Sistema Colonial
Sistema ColonialSistema Colonial
Sistema Colonial
 
Engenho De AçúCar
Engenho De AçúCarEngenho De AçúCar
Engenho De AçúCar
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
 
Aula 2 ufes
Aula 2   ufesAula 2   ufes
Aula 2 ufes
 
Caderno de exercícios de ciências humanas
Caderno de exercícios de ciências humanasCaderno de exercícios de ciências humanas
Caderno de exercícios de ciências humanas
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasilantonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
antonio inacio ferraz, técnico erm agropecuária-cana-de-açúcar no Brasil
 
Itinerários da Memória
Itinerários da MemóriaItinerários da Memória
Itinerários da Memória
 
Herança escravista
Herança escravistaHerança escravista
Herança escravista
 
8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra8 Escravidão Negra
8 Escravidão Negra
 
Atividades sobre Meio Ambiente e Reflorestamento
Atividades sobre Meio Ambiente e ReflorestamentoAtividades sobre Meio Ambiente e Reflorestamento
Atividades sobre Meio Ambiente e Reflorestamento
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
 
O trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasilO trabalho escravo no brasil
O trabalho escravo no brasil
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
 
Engenho de Açúcar
Engenho de AçúcarEngenho de Açúcar
Engenho de Açúcar
 
Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01Brasil Colonial 01
Brasil Colonial 01
 

Semelhante a Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano

Escravatura
EscravaturaEscravatura
Slide Escravidão.pptx
Slide Escravidão.pptxSlide Escravidão.pptx
Slide Escravidão.pptx
Érica Nalitta Costa
 
O Negro ApóS A AboliçãO
O Negro ApóS A AboliçãOO Negro ApóS A AboliçãO
O Negro ApóS A AboliçãO
ecsette
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
PIBIDSolondeLucena
 
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfA escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
GabrielaDuarte699486
 
Homens livres pobres e libertos
Homens livres pobres e libertosHomens livres pobres e libertos
Homens livres pobres e libertos
Atividades Diversas Cláudia
 
História Africanidade - Profª Me Katia Geni Lopes
História Africanidade - Profª Me Katia Geni LopesHistória Africanidade - Profª Me Katia Geni Lopes
História Africanidade - Profª Me Katia Geni Lopes
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
historiando
 
Os negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colôniaOs negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
Dandara Lima
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
Brasil negros no sistema colonial 2020
Brasil negros no sistema colonial 2020Brasil negros no sistema colonial 2020
Brasil negros no sistema colonial 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
Kingston8GB
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
A senzala - Prof. Altair Aguilar
A  senzala - Prof. Altair AguilarA  senzala - Prof. Altair Aguilar
A senzala - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Aula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América PortuguesaAula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América Portuguesa
LuannaGentil
 
Trabalho dos escravos
Trabalho dos escravosTrabalho dos escravos
Trabalho dos escravos
Matheus Glicério
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
ecsette
 

Semelhante a Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano (20)

Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
Slide Escravidão.pptx
Slide Escravidão.pptxSlide Escravidão.pptx
Slide Escravidão.pptx
 
O Negro ApóS A AboliçãO
O Negro ApóS A AboliçãOO Negro ApóS A AboliçãO
O Negro ApóS A AboliçãO
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
Slides 10 curiosidades (Diego e Rhuama) 10.05
 
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdfA escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
A escravidão e formas de resistência indígena e africana na América.pdf
 
Homens livres pobres e libertos
Homens livres pobres e libertosHomens livres pobres e libertos
Homens livres pobres e libertos
 
História Africanidade - Profª Me Katia Geni Lopes
História Africanidade - Profª Me Katia Geni LopesHistória Africanidade - Profª Me Katia Geni Lopes
História Africanidade - Profª Me Katia Geni Lopes
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
 
Os negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colôniaOs negros no Brasil colônia
Os negros no Brasil colônia
 
O negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileiraO negro na formação da sociedade brasileira
O negro na formação da sociedade brasileira
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
 
Brasil negros no sistema colonial 2020
Brasil negros no sistema colonial 2020Brasil negros no sistema colonial 2020
Brasil negros no sistema colonial 2020
 
Escravidão no brasil
Escravidão no brasilEscravidão no brasil
Escravidão no brasil
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
Os negros no brasil colônia
Os negros no brasil colôniaOs negros no brasil colônia
Os negros no brasil colônia
 
A senzala - Prof. Altair Aguilar
A  senzala - Prof. Altair AguilarA  senzala - Prof. Altair Aguilar
A senzala - Prof. Altair Aguilar
 
Aula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América PortuguesaAula - Colonização América Portuguesa
Aula - Colonização América Portuguesa
 
Trabalho dos escravos
Trabalho dos escravosTrabalho dos escravos
Trabalho dos escravos
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Natação
NataçãoNatação
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (16)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauienses
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 

Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ – UESPI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – PIBID ESCOLA MUNICIPAL EURÍPIDES DE AGUIAR DISCIPLINA: HISTÓRIA O escravo negro no Brasil Colonial: tráfi- co e cotidiano Ensino Fundamental BOLSISTAS: Lucas Ramyro Gomes de Brito Márcia Suely Santiago de Lira Araújo PROFESSOR-SUPERVISOR: Evandro Dantas Lélis
  • 2. O escravo negro no Brasil Colonial A História em debate Hoje, podemos encontrar no rosto dos brasileiros traços fi- sionômicos característicos dos povos africanos, europeus ou asiáticos. Todos esses povos contribuíram para a formação na América de uma cultura original: a brasileira. Dentre eles, merece destaque os afri- canos. Nos primeiros séculos de nossa história, eles eram nume- rosos. Converse com seus colegas e procurem saber: Algum de vo- cês tem ascendência africana? Pensando nisso, pergunte aos seus pais a origem de seus antepassados. De onde vieram? Qual a história desses antepas- sados? Eles enfrentaram confli- tos? Gravura publicada na obra The Voyage of Abel Dupetit Thouars, representando escravo carregan- do feixe de cana-de-açúcar, sécu- lo XIX LINHADOTEMPO Brasil-colônia:períodosdeextraçãoecultura UmasériedehistoriadoresanalisouahistóriaeconômicadoBrasilColôniapormeiodosprodutosquepredominavam nocomérciointernacionaldaquelaépoca.Primeirofoiopau-brasil,depoisoaçúcare,emseguida,amineração,for- mandooquealgunshistoriadoreseeconomistaschamavamdecicloseconômicoscoloniais.Essetipode“modelo simplificado”explica,principalmente,osinteresseseconômicosdametrópoleedaeliteexploradora. Página 01 Página 02
  • 3. História em contexto Fonte: ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. (1711) Disponível em <http://www.dominiopublico.gov.br/>. Acesso em 08 de maio de 2015. 1. Da África para a América Negros no porão do navio, gravura de Rugendas do século XIX, que mostra as condições em que os africanos eram trazidos à América para serem vendidos como escravos: amontoados nos porões dos navios negreiros, também chamados tumbeiros. A falta de alimentação e as condições precárias levavam muitos à morte. A partir de 1550 os colonos, pressio- nados pela expansão da produção açucareira, passaram a recorrer cada vez mais à mão de obra africana, oferecida nos portos brasileiros pelos traficantes. Os africanos, ao serem des- locados para um lugar estranho, tinham mais dificuldades do que os indígenas de resistir à escravidão ou de fugir dos engenhos. Nos tumbeiros ou ainda nas feitorias africanas, os negros cati- vos eram batizados e recebiam um nome cristão, que era registrado pelo traficante. Desembarcavam nos portos brasileiros (Recife, Salvador e Rio de Janeiro) e ficavam em armazéns à espera de compradores Eram examinados como de fossem bichos, contados por “peça” e identifica- dos como “macho”, “fêmea”, “filhote” ou “cria”. A maioria era ho- mens, sendo que os jovens alcançavam maior preço. Página 03 Página 04 “Não castigar os excessos que eles cometem seria culpa não leve, porém, estes se hão de averiguar antes, para não castigar inocen- tes, e se hão de ouvir os delatados e convencidos, castigar-se-ão com açoites moderados ou com os meter em corrente de ferro, por algum tempo, ou tronco.” “No Brasil, costumam dizer que para o escravo são necessários três PPP, a saber, pau, pão e pano. Quisera Deus que tão abundan- te fosse o comer e o vestir como muitas vezes é o castigo, dado por qualquer causa pouco provada e levantada, com instrumentos de muito rigor. Alguns senhores fazem mais caso de um cavalo que de meia dúzia de escravos, pois o cavalo é servido, e tem quem lhe busque capim, tem pano para o suor e sela e freio dou- rado.” “Os escravos são as mãos e os pés do senhor de engenho, porque sem eles, no Brasil, não é possível fazer, conservar e aumentar fazenda, nem ter engenho corrente. E do modo com que se há com eles depende tê-los bons ou maus para o serviço. Por isso, é neces- sário comprar cada ano algumas peças e reparti-las pelos partidos, roças, serrarias e barcas.” De cada três africa- nos desembarcados nas Américas, dois eram homens. De- pois dos 35 anos, um cativo era conside- rado velho.
  • 4. Debret – Retorno de um proprietário à sua chácara – Século XIX Mulheres negras lavando roupa. (Debret – Interior de uma casa de ciga- nos – Século XIX) Vendedora ambulante carregando criança branca. (Em Joaquim Cândido Guillobel - Figu- ras populares do Rio de Janeiro. Coleção Particu- lar, RJ) Os recém-chegados, que não conheciam a língua, eram cha- mados boçais. Quando se adaptavam aos costumes dos colonos e aprendiam a língua, passavam a ser denominados ladinos e custa- vam mais caro. Os nascidos no Brasil eram chamados crioulos. Por quase quatrocentos anos, o Bra- sil foi um país escravista. Eram eles que realizavam quase todo o traba- lho: na lavoura, nas casas, na explo- ração mineira, nos serviços urbanos, no transporte de pessoas e mercado- rias. Trabalhava até o limite máximo de suas forças. Nos engenhos, por exemplo, a jornada diária de trabalho durava de 14 a 17 horas, sob a vigilân- cia dos feitores, que tinham ordens de castigar os “preguiçosos”. Página 05 Página 06 Os escravos morriam, em média, após 15 anos de trabalho. Um negro que chegasse ao Brasil como escravo, com a idade que você tem ho- je, viveria até completar quantos anos?
  • 5. Feitores castigando negros, gravura de Jean-Baptiste Debret, do i- nício do século XIX. Em primeiro plano, um escravo é castigado pelo próprio feitor. Ao fundo, outro exemplo de castigo, aplicado por um dos escravos mais antigos. Atrás dele, um segundo escravo fis- caliza o castigo, armado de chicote, para agir quando necessário. Em terceiro lugar, coloca-se o feitor para castigar o fiscal, caso ele não cumpra o seu dever. O tratamento do branco colonizador dado aos escravos não estava limitado pela lei ou pela moral. Os senho- res justificavam sua atitude considerando que os escravos não e- ram “humanos”. Escravas castigadas com palmatória. (Rugendas – Castigos domésticos. Sé- culo XIX) Escravo castigado no pelourinho. (Rugendas – Punições públicas na praça de Santana. Século XIX) Página 07 Página 08
  • 6. Escravo com máscara de zinco. (Debret. Sécu- lo XIX) Os castigos, aplicados em públi- co para servir de exemplo aos demais, eram cruéis: açoite, amputações, palma- tória, tronco, máscara e coleira de ferro, correntes com peso. Considerava-se o castigo físico um direito e um dever dos senhores. Os escravos das cidades tinham uma vida diferente dos que traba- lhavam nas fazendas e nos enge- nhos. Eles não apenas realizavam todos os trabalhos manuais e ser- viam de besta de carga para seus senhores, como também uma fonte de riqueza importante, pois exerci- am ofícios recebendo uma remu- neração que revertia para seus donos. Os escravos de ganho conseguiam às vezes guardar parte dos rendimentos que recebiam e assim, após décadas de poupança, foi pos- sível a alguns comprar a sua liberdade. Houve cativos que adquiriram escravos que, com seu trabalho, auxiliavam seus donos a alcançar a alforria. Detalhe de desenho representando um engenho em Pernambuco, de Gaspar Barleus, retirado da obra Rerum per octennium in Brasi- lia, 1647. Fundação Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro. Na maioria das senzalas havia pouca privacidade; em geral os escravos vivi- am juntos. Em algumas senzalas havia lugares reservados para os casais. Não era incomum as fazendas destinarem pequenas casas aos escravos casados, como uma forma de incentivo para terem filhos. Página 09 Página 10 O Código Criminal de 1830 restringia a cin- quenta açoites por dia, mas não limitava o número de dias para se aplicar o castigo. Eram os escravos de ganho, que vendiam todo tipo de mercadori- as e trabalhavam como artesãos especializados, operários ou ser- vidores públicos, exercendo car- gos como os de acendedores de lampiões e varredores de ruas, por exemplo. Muitas vezes com- petiam com os trabalhadores livres.
  • 7. Observação:Páginadobrávelnolivreto(Páginadupla) O processo de produção açucareira A produção de açúcar era bastante complexa e volvia muitas etapas. Em todas elas, a principal mão de obra utilizada era a escrava, geralmente supervi- sionada por trabalhadores especializados. Página 11 1. Inicialmente derrubava-se a mata e o terreno era limpo. 2. Covas eram abertas para enterrar pedaços de cana. 3. Cerca de 12 meses depois, a cana crescida era cortada e a- marrada em feixes, que eram transportados em barcas ou carros de boi até as moendas. 4. Grandes cilindros de madeira moíam a cana para extrair o caldo. Os engenhos que utilizavam força animal eram chamados trapiches e os acionados pela força da água eram denominados reais. 5. Esse caldo era cozido durante horas sob a supervisão do mestre de açúcar, auxiliado por outros trabalhadores especializados. 6. Quando atingia o ponto certo, o mela- ço era purgado (purificado) em fôrmas de barro e nelas permanecia até que os diferentes tipos de açúcar estivessem separados. 7. Depois desse período, o açúcar era retirado da fôrma. Como o pro- cesso de branqueamento não agia por igual nas fôrmas, o açúcar era separado por tipo (claro, mascavo e escuro) e ficava exposto ao sol por até vinte dias. 8. Em seguida, o açúcar era pesado, empacotado e transportado até o porto, de onde seguia em navios até a Europa.
  • 8. Os escravos reagiram de diversas formas à escravi- dão: com vinganças contra os feitores, sabotagens, revoltas e fugas. Mas havia também os que conseguiam fugir e for- mar quilombos. O maior deles foi o Quilombo dos Palmares (na região dos atuais estados de Alagoas e Pernambuco), que conseguiu reunir cerca de 50 mil quilombolas entre 1630 e 1695. Vista do quilombo São José, no município de Valença, Rio de Janeiro, 2011. Segundo dados do Instituto Nacional da Reforma Agrária (Incra), existem mais de três mil comunidades quilombolas no país. Habitação de negros, Rugendas, século XIX Gravura O batuque em São Paulo, de J. B. Spix e K. F. Von Martius, 1817. Ape- sar do duro cotidiano, os negros vivenciavam sua cultura. Um sinal da resis- tência às condições impostas pela escravidão é mostrado nesta reprodução Página 12 Página 13 O escravo capturado era marcado com ferro em brasa, no peito ou na testa, com a letra F (fujão); ou, então, amputava-se alguma parte do seu corpo – a ore- lha ou o pé, por exemplo.
  • 9. História Hoje Boias-frias – O que são, modo de vida e condições de trabalho “Alguma vez você já ouviu alguém falar o termo boia-fria? Provavel- mente você já deve ter escutado em casa ou em algum noticiário, não é mesmo? Mas você sabe o que isso significa? Boias-frias são trabalhado- res que geralmente não possuem boas condições de trabalho, que saem muito cedo de casa e já levam seu almoço. Vamos conhecer um pouco mais sobre essas pessoas agora. Ao pesquisar no dicionário o termo boia-fria, encontramos o signifi- cado de que é o ‘trabalhador agrícola que se desloca diariamente para propriedade rural, geralmente para executar tarefas sob empreitada.’ Mas essa explicação é muito superficial. As pessoas que recebem esse nome geralmente não possuem muito conhecimento, são analfabetos ou semianalfabetos que vivem ou já vi- veram no campo. Esses trabalhadores acordam muito cedo e levam uma marmita e na hora do almoço comem a comida fria. Foi por isso que surgiu esse termo, pois boia é uma gíria para comida. O modo de vida dessas pessoas é bem precário, normalmente o boia- fria é uma pessoa que não teve oportunidade de estudar, que passa por situações difíceis e que vivem no campo. Existem muitos casos de boias-frias no Brasil, essas pessoas se sujei- tam ao trabalho no campo, muitas vezes nos períodos de colheitas, suas condições de trabalho e seu salário raramente são bons. Esses trabalhos que ocorrem na zona rural são sem vínculo empregatício, as pessoas são contratadas para trabalhar durante um período. Por não possuírem condições, levam suas marmitas ao saírem de ca- sa na madrugada e como no local onde estão trabalhando não há como esquentar a comida eles a comem fria. O principal problema desse tipo de profissão é a condição de traba- lho a que são submetidos. Geralmente a maioria desses casos chegam a ser comparados ao trabalho escravo. Aqui no Brasil esses casos de trabalho excessivo acontecem com fre- quência, o trabalho é muito pesado e o salário muito baixo. A carga ho- rária varia entre 10 e 11 horas por dia, com apenas um pequeno interva- lo de 30 minutos para o almoço e descanso. O valor é pago de acordo com o que cada trabalhador produz, ou seja, eles recebem de acordo com a quantidade de toneladas ou arrobas colhi- das. Desta forma, para obter um ganho maior, muitos deles acabam se sujeitando a grandes esforços físicos e alguns chegam a morrer por conta disso. Entre uma safra e outra os trabalhadores ficam sem trabalho e procuram serviço em outras regiões e com isso acabam migrando sempre de uma região para outra.” Fonte: MELO, Priscila. Boias-frias: o que são, modo de vida e condições de trabalho. Disponível em <www.estudokids.com.br/boias-frias-o-que-sao-modo-de-vida-e-condicoes-de-trabalho/>. Acesso em 08 de maio de 2015. Para cortar 12,9 toneladas de cana, o cortador realiza, em média, 3.080 flexões na coluna, mais de 11 por minuto. Foto: Eliária Andrade Fonte: CARVALHO, Cleide. O fim dos boias-frias (2013). Disponível em <http://oglobo.globo.com/economia/o-fim-dos-boias-frias-9595711>. Acesso em 08 de maio de 2015. AGORA RESPONDA: A partir do que foi estudado sobre a escravidão de negros no Brasil Colonial, a leitura do texto e imagem sobre cortadores de cana-de-açúcar no Brasil atual, responda os seguintes questionamentos: Ainda existe “escravidão” no Brasil? Como são essas novas formas de exploração? Você saberia citar algum exemplo de exploração atualmente? Explique sua resposta. Página 14 Página 15
  • 10. VOCABULÁRIO Elite Grupo privilegiado, minoritário, composto por aque- les que são vistos por alguns como superiores por possuírem algum poder econômico e/ou domínio social. Ascendência Constituída por todos os seus antepassados, come- çando por seus pais. Colono Aquele que é inserido em uma área juntamente com outros com a finalidade de povoar e explorar, assim como conviver e ser membro da colônia. Tumbeiro De tumba, apelido dado aos navios negreiros pelo grande número de negros que morriam nas viagens. Traficante Comerciante que realizava o tráfico negreiro. Açoite Golpe com instrumento de tiras de couro geralmente aplicado sobre as costas e as nádegas. Palmatória Peça circular de madeira com um cabo, usada para bater nas palmas das mãos. Tronco Peça de madeira onde se prendiam os pés, o pescoço ou as mãos dos escravos. Quilombo Do quimbundo, língua africana, povoação, união; no Brasil, passou a significar refúgio de escravos fugi- dos. Quilombola Morador dos quilombos. Senzala Espécie de habitação ou alojamento dos escravos brasileiros Casa-Grande Moradia do senhor de engenho. Engenho Engenho de açúcar, muitas vezes abreviado para engenho, é o nome dado a uma unidade industrial especializada na transformação da cana-sacarina em açúcar ou outros derivados, como o melaço ou a aguardente de cana. REFERÊNCIAS ALVES, Kátia Corrêa Peixoto; BELISÁRIO, Regina Célia de Moura Gomide. Diálogos com a história, 6ª série: manual do professor. Volume 2. Curitiba: Nova Didática, 2004. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. APOLINÁRIO, Maria Raquel (editora). Projeto araribá: história. Obra coleti- va concebida, desenvolvida e produzida pela Editora Moderna. 3ª edição. Volume 2. São Paulo: Moderna, 2010. Obra em 4 volumes para alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. BOULOS JÚNIOR, Alfredo. História do Brasil: colônia. Edição renovada. Vo- lume 1. São Paulo: FTD, 1997. Ensino Médio. COTRIM, Gilberto. Saber e fazer história, 6ª série. 2ª edição reformulada. 2ª impressão. Volume 2. São Paulo: Saraiva, 2002. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. PILETTI, Nelson; PILETTI, Claudino. História e vida integrada. Nova edição reformulada e atualizada. 3ª edição. 1ª impressão. Volume 2. São Paulo: Ática, 2005. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. RODRIGUE, Joelza Ester. História em documento: imagem e texto. 2ª edição. Volume 2. São Paulo: FTD, 2002. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. SCHMIDT, Mario Furley. Nova história crítica. Volume 2. São Paulo; Nova Geração, 1999. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. VICENTINO, Cláudio. Viver a história: ensino fundamental: 6ª série. 1ª edi- ção. Volume 2. São Paulo: Scipione, 2002. Obra em 4 volumes para alunos de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental. Página 16 Página 17
  • 11. ANOTAÇÕES ________________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________ _________________________________________________