SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
clima




11:24
 A tropicalidade
  As principais características, em virtude de sua posição
   geográfica, são determinadas pela tropicalidade.
  Entre elas: as diferenças de isolação recebida pelas
   varias regiões do país, as elevadas temperaturas na
   maior parte do território, os regimes pluviométricos
   (chuvas de verão) e o mecanismo das massas de ar
   em nosso país (domínio de massas de ar quente e
   úmido).



11:24
 As diferenças de insolação
  A quantidade de luz solar (insolação) recebida pelas
   várias regiões do país durante o ano não é uniforme.
   Essa é uma das explicações para o fato de o horário de
   verão,cuja aplicações tem como objetivo a economia de
   energia elétrica no Brasil, não ser adotado na região
   Norte, pois não teria resultados práticos.
  O que explica essa diferente insolação recebida por
   todo o território brasileiro é o movimento de
   translação e suas consequências: estações do ano,
   equinócios e solstícios.

11:24
 A diferenças de insolação
  Nas regiões mais próximas do Equador, essa incidência
   de luz solar é mais ou menos constante durante todo o
   ano, por isso há poucas diferenças na duração dos dias
   e noites nas quatro estações do ano.
  Porém, à medida que nos aproximamos das regiões
   subtropicais e temperadas, essas diferenças vão
   ficando cada vez maiores: no inverno, as noites são
   mais longas; no verão, os dias duram mais.



11:24
→ Movimento de translação
  O movimento de translação é o que a Terra realiza ao redor
   do Sol juntamente com os outros planetas. O tempo que a
   terra demora para dar uma volta completa em redor do Sol
   é chamado de ano. O ano civil tem 365 dias, já o ano sideral
   tem 365 dias, 6 horas, e a cada quatro anos temos um ano
   com 366 dias, o chamado ano bissexto.
  Uma das principais consequências do movimento de
   translação da Terra é a existência das estações do ano, que
   são opostas nos dois hemisférios em virtude da inclinação
   do eixo terrestre. É o dia mais longo e a noite mais curta do
   ano que marcam o inicio do verão nesse hemisfério.

11:24
 Os elementos do clima no Brasil
  Os tipos de clima dependem do comporta-mento de
   diferentes elementos e fatores. Os elementos atuam
   diretamente no clima; e os fatores indiretamente.
  Entre os principais elementos que, combinados,
   determinam os climas brasileiros estão a pressão
   atmosférica (ventos e massas de ar), a umidade
   (chuvas) e as temperaturas.




11:24
 O mecanismo das massas de ar
no Brasil
  As massas de ar constituem o principal elemento
   determinante dos climas brasileiros, porque podem
   mudar bruscamente o tempo nas áreas onde atuam.
  Em virtude de sua posição geográfica o território
   brasileiro esta sob a influencia da ZCIT, com exceção
   da parte localizada ao sul do trópico de
   Capricórnio, onde a massa polar atlântica tem papel de
   destaque nos meses mais frios.
  O mecanismo das massas de ar no Brasil depende da
   circulação geral da atmosfera na Terra.

11:24
ZCIT
  Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) é a área que
   circunda a Terra, próxima ao equador, onde os ventos
   originários dos hemisférios norte e sul se encontram.
  A ZCIT se apresenta como uma faixa de nuvens com grande
   desenvolvimento vertical (Cb – Cumulonimbus), de 3 a 5
   graus de largura, frequentemente de tempestades, que
   circunda o globo próximo ao equador.
  A ZCIT é formada pelo movimento vertical em grande parte
   derivado da atividade convectiva de tempestades provoca-
   das pelo aquecimento solar, as quais efetivamente sugam o
   ar; esses são os ventos alísios.

11:24
→ As massas de ar que interferem
nos climas do Brasil
  Por ter 92% de seu território na zona tropical e estar
   localizado no hemisfério sul, onde as massas líquidas
   (oceanos e mares) ocupam maior espaço do que as
   massas sólidas (terras), o Brasil é influenciado
   predominantemente pelas massas de ar quente e
   úmido.
  As massas de ar que atuam no Brasil são: massa
   equatorial continental (mEc); massa equatorial
   atlântica (mEa); massa tropical continental (mTc);
   massa tropical atlântica (mTa); e massa polar
   atlântica (mPa).

11:24
1. Massa equatorial continental
(mEc)
  Originária da Amazônia ocidental - área de baixa
   latitude e muitos rios -, a mEc é uma massa de ar
   quente, úmido e instável. É a que exerce maior
   influência no Brasil: atinge praticamente todas as
   regiões durante o verão no hemisfério sul, provocando
   chuvas.
  Na Amazônia, as elevadas temperaturas e as altas taxas
   de umidade, decorrentes da atuação dessa massa de ar,
   são responsáveis pelos elevados índices pluviométricos
   da região. No inverno, a mEc recua e sua ação fica
   restrita à Amazônia ocidental.

11:24
2. Massa tropical atlântica (mTa)
  De ar quente e úmido, mTa origina-se no Atlântico sul.
   Formadora dos ventos alísios de sudeste, atua na faixa
   litorânea brasileira, que se estende da região Sul à região
   Nordeste, e é praticamente constante no decorrer do ano.
   Durante o inverno, a mTa encontra a única massa de ar frio
   e úmido que atua no Brasil, a massa polar atlântica (mPa).
  Esse encontro provoca chuvas frontais no litoral
   nordestino. Por isso é comum ouvirmos notícias sobre
   chuvas que castigam Maceió, Salvador e Recife no mês de
   Julho, principalmente.
  No litoral das regiões Sul e Sudeste, e o encontro da mTa
   com as áreas elevadas da serra do Mar provoca as chuvas
   orográficas ou de montanha.
11:24
3. Massa polar atlântica (mpa)
  Por se originar no oceano Atlântico, ao sul da Argentina,
   em zona de média latitude (de 30° a 60°), a mPa tem ar frio
   e úmido. Atua principalmente no inverno, dividindo-se em
   três ramos separados pela orientação do relevo brasileiro.
   Os dois primeiros ramos refere-se ao corredor de planícies
   interiores brasileiras, que estão cercadas por áreas de
   maiores altitudes, como os Andes (no oeste) e as serras
   brasileiras (no leste), permitindo o avanço da mPa sobre
   essas áreas mais baixas do nosso relevo.
  O primeiro ramo sobe pelo vale do rio Paraná, atingindo a
   região Sul, e traz ventos frios, como o minuano e o
   pampeiro, causando a formação de granizo, geada e até
   neve nas serras catarinenses e gaúchas.


11:24
3. Massa polar atlântica (mpa)
  O morro da Igreja (1828 m), localizado no município de Urubici,
   em Santa Catarina, apresenta, as menores temperaturas
   brasileiras por reunir os fatores altitude e latitude, e o elemento
   climático, no caso a massa polar atlântica. A temperatura mais
   baixa registrada no Brasil até 2008 ocorreu em Urubici: - 17,8°C.
  O segundo ramo, também conseqüência das baixas altitudes da
   área central do território brasileiro, permite o avanço dessa
   massa de ar frio e úmido que chega a atingir a Amazônia
   ocidental e provoca queda brusca da temperatura, por alguns
   dias, em Matogrosso, Rondônia e Acre. É o fenômeno da
   "friagem".
  O terceiro ramo refere-se ao avanço da massa polar atlântica pelo
   litoral brasileiro, do Sul ao Nordeste. No Nordeste oriental
   (litoral), como já vimos, o encontro da mPa (de ar frio e úmido)
   com a mTa (de ar quente e úmido) provoca as chuvas frontais
   durante o inverno.
11:24
4. Massa equatorial atlântica (mEa)
  Massa de ar quente e úmido, a mEa origina-se próximo
   do arquipélago português dos Açores, na África.
  Formadora dos ventos alísios de nordeste, atua,
   principalmente, durante a primavera e o verão no
   litoral das regiões Norte e Nordeste.
  Conforme avança pelo interior do país, essa massa de
   ar vai perdendo a umidade, por isso não causa chuvas
   significativas na porção norte do litoral nordestino.



11:24
5. Massa tropical continental (mTc)
  Por ter origem na depressão do Chaco (Paraguai), isto
   é, em uma zona de altas temperaturas e pouca
   umidade, é uma massa de ar quente e seco.
  No Brasil, atua no sul da região Centro-Oeste e no
   oeste das regiões Sul e Sudeste, onde ocorrem longos
   períodos de tempo quente e seco.
  Também provoca um bloqueio atmosférico que
   impede a chegada das massas de ar frio, quase sempre
   nos meses de maio e junho, quando ocorrem dias com
   temperaturas mais altas, chamados de "veranico".

11:24
 Chuvas
  Apesar de nosso país apresentar médias anuais pluviométricas em torno de
        1.000 mm, as chuvas não se distribuem de modo uniforme por toda sua
        extensão.
       Algumas áreas, como trechos da Amazônia, o litoral sul da Bahia e o trecho
        paulista da Serra do Mar, recebem mais de 2.000 mm de chuvas por ano. Como
        exemplos podemos citar, na Amazônia, a localidade de Belém (PA), com 2.204
        mm anuais, e, em São Paulo, a área banhada pelo rio Itapanhaú, em Bertioga,
        com mais de 4.000 mm.
       No extremo oposto está o Sertão do Nordeste, com totais bem abaixo da média
        do país, como as localidades de Cabaceiras (PB), com 331 mm anuais, e Areia
        Branca (RN), com 588 mm.
       O restante, ou seja, a maior parte do território brasileiro, está na faixa entre
        1.000 e 2.000 mm de chuvas por ano.
       A porção situada abaixo do paralelo de 20°LS, onde predomina o clima
        subtropical, tem como característica a relativa uniformidade das chuvas ao
        longo do ano.
11:24
 Chuvas
 A chuva pode se formar de três maneiras:
  A chuva de montanha ou orográfica ocorre com a
   ascensão e o resfriamento do ar, quando este tem de
   ultrapassar barreiras montanhosas.
  A chuva convectiva ou de convecção ocorre quando o
   ar, em ascensão vertical, entra em contato com
   camadas mais frias, se condensa e se precipita sob a
   forma de chuva.
  A chuva frontal resulta do choque de uma massa de ar
   mais frio com uma massa de ar mais quente.
11:24
 Temperaturas
  Em quase 95% de nosso território, temos médias
   térmicas superiores a 18 °C, como decorrência da
   tropicalidade.
  Entretanto, o comportamento das temperaturas está
   sujeito à influência de outros fatores além da latitude:
   a altitude, a continentalidade e as correntes
   marítimas.




11:24
 Os fatores do clima no Brasil
      Diversos fatores podem modificar os elementos
    que compõem o clima. No caso brasileiro,
    destacaremos      a  altitude,  a   latitude,    a
    continentalidade, a maritimidade e as correntes
    marítimas, que podem ter maior ou menor influência
    no clima brasileiro.




11:24
 Altitude
       Quanto maior a atitude, mais frio será. Mas
    somente a influência da altitude, isolada de outros
    fatores, não é muito marcante no Brasil, porque mais
    de 95% do relevo brasileiro está a menos de 1200 m de
    altitude.
       Campos do Jordão, em São Paulo, e as serras
    gaúchas e catarinenses, com altitudes acima de 1200
    m, são exceções.



11:24
 Latitude
       Esse fator influencia os climas no Brasil porque o
    território brasileiro apresenta quase 40° de variação
    latitudinal.
       Nas altas latitudes, as temperaturas são mais baixas e
    as amplitudes térmicas são maiores. Portanto, as
    cidades mais próximas à linha do Equador têm
    amplitudes térmicas menores e temperaturas mais altas
    do que as cidades do Sul e Sudeste em virtude das
    diferenças de latitudes existente entre elas.


11:24
 Continentalidade e maritimidade
       Quanto menor a distância em relação ao mar, isto
    é, a maritimidade, menor a amplitude térmica de
    uma cidade, porque a proximidade do mar torna as
    temperaturas mais estáveis.
       Isso ocorre em consequência do “efeito regulador
    de caráter térmico” que as águas dos oceanos exercem
    sobre as terras mais próximas.




11:24
 Correntes marítimas
      O Brasil sofre a influência de duas correntes
    marítimas quentes: a corrente do Brasil (no sentido
    sul) e a corrente das Guianas (no sentido norte),
    que contribuem para a existência de climas quente.




11:24
 A classificação climática brasileira
  Optamos pela classificação climática do cientista
   norte-americano Arthur Strähler, por estar baseada na
   circulação e na atuação das massas de ar que
   determinam os climas no Brasil.
  Considerando a dinâmica das massas de ar que atuam
   no Brasil, encontramos os tipos de clima descritos nos
   slides a seguir.
  O mapa abaixo apresenta os climas brasileiros: 1.
   Equatorial Úmido; 2.Tropical Continental; 3. Tropical
   Semiárido; 4.Litorâneo Úmido; 5. Subtropical;
   6.Tropical de Altitude.

11:24
 A classificação climática brasileira




11:24
 Climas controlados por massas
          de ar equatoriais e tropicais




11:24
1. Clima equatorial úmido
  Esse tipo de clima é determinado pela massa equatorial
   continental (mEc), e sua principal área de ocorrência é a
   Amazônia.
  Tem como características elevada taxa de umidade, em
   virtude da presença dos rios e da vegetação na região, e
   altas temperaturas, por encontrar-se em baixa latitude.
  As chuvas são constantes e abundantes (chegam a
   ultrapassar 2.500 mm anuais), resultado da convecção ou
   ascensão vertical do ar e conseqüente resfriamento e
   condensação.
  Apresenta também baixa amplitude térmica anual (a
   menor do Brasil), inferior a 4°C, e médias térmicas anuais
   elevadas, que variam pouco, de 25 a 28°C.
11:24
Clima equatorial
   úmido
    Este tipo de clima apre-
    senta temperaturas altas
    o ano todo. As médias
    pluviométricas são altas,
    sendo as chuvas bem
    distribuídas nos 12 me-
    ses, e a estação seca é
    curta. Aliando esses fa-
    tores ao fenômeno da
    evapotranspiração, ga-
    rante-se a umidade
    constante na região. É o
    clima predominante no
    complexo regional Ama-
    zônico.


11:24
2. Clima litorâneo úmido
  Abrange a faixa da costa do Nordeste e do Sudeste e sofre
   influência da massa tropical atlântica (mTa).
  Apresenta como características chuvas concentradas no
   inverno, que variam de 1.500 a 2.000 mm durante o ano, e
   médias térmicas elevadas.
  Como vimos anteriormente, nessa estação, no litoral
   nordestino, o encontro da mTa (de ar quente e úmido) com
   a mPa (de ar frio e úmido), provoca chuvas frontais.
  Durante o verão tanto no Sudeste como no Nordeste, o
   encontro da mTa com as mais elevadas, como o planalto da
   Borborema (no Nordeste) e as serras do Mar e da
   Mantiqueira (no Sudeste), provoca as chuvas orográficas.

11:24
Clima litorâneo
 úmido
  É quente e chove bastante o
  ano todo. Existem meses
  mais frios (geralmente no
  meio do ano) e meses bem
  mais quentes (geralmente
  início     e     final     de
  ano). A vegetação do clima
  tropical litorâneo (ou lito-
  râneo úmido) é a mata
  atlântica. As chuvas nestes
  dois trechos do litoral estão
  concentradas também em
  estações distintas: no nor-
  deste ocorrem principal-
  mente no outono e inverno
  e no sudeste são mais inten-
  sas na primavera e verão.

11:24
3. Clima tropical continental
       É o clima mais representativo do Brasil, por isso chamado de
   tropical     típico.    Abrange     área    das    regiões      Centro-
   Oeste, Nordeste, Norte e Sudeste. Apresenta duas características
   marcantes:
       I. A presença de duas estações bem definidas:
           Verão: estação chuvosa, provocada pela massa de ar
            equatorial continental (mEc) e pela massa tropical atlântica
            (mTa);
           Inverno: estação seca. Nessa época, a mEc se retrai, deixando
            espaço para a atuação de outras massas de ar: a polar atlântica
            (mPa) e a tropical continental (mTc). A mPa aproveita o
            corredor formado pelas terras mais baixas da região Centro-
            Oeste e atinge a porção sul da Amazônia, quando a
            temperatura pode chegar a 10°C (fenômeno da friagem).
       II. Amplitudes térmicas anuais elevadas devido à influência da
    continentalidade.

11:24
Clima tropical
   continental
    Este tipo de clima ocorre no
    região central do Brasil.

    As médias de temperatura
    variam de 20° a 28°C.

    Chove por volta de 1500mm
    por ano.

    É um tipo de clima quente e
    semi-úmido, com chuvas no
    verão e seco no inverno.

    O clima tropical típico
    também é conhecido como
    semi-úmido.


11:24
4. Clima tropical semi-árido
  Característica do Sertão nordestino e do norte de Minas
   Gerais. As massas que atuam para a ocorrência desse tipo
   de clima são a tropical atlântica (mTa) e a equatorial
   continental (mEc).
  Quando chega ao interior do Nordeste, a mTa já perdeu a
   umidade, pois barreiras montanhosas impedem a
   passagem das chuvas que caem no litoral. É o clima
   brasileiro com menor índice pluviométrico anual.
  O que causa o problema da estiagem é a má distribuição
   das chuvas, concentradas em alguns meses do ano. O
   índice de chuvas anuais chega, às vezes, a ser inferior a 500
   mm. As médias térmicas anuais e as temperaturas são
   elevadas.

11:24
Clima tropical semi-
   árido
    Típico do interior do Nordeste,
    região conhecida como o Polí-
    gono das Secas, que corresponde
    a quase todo o sertão nordestino
    e aos vales médio e inferior do
    rio São Francisco. Sofre a in-
    fluência da massa tropical atlân-
    tica que, ao chegar à região, já se
    apresenta com pouca umidade.
    Caracteriza-se por elevadas tem-
    peraturas (média de 27ºC) e chu-
    vas escassas (em torno de 750
    mm/ano), irregulares e mal dis-
    tribuídas durante o ano. Há pe-
    ríodos em que a massa equa-
    torial atlântica (super úmida)
    chega no litoral norte de Região
    Nordeste e atinge o sertão, cau-
    sando chuva intensa nos meses
    de fevereiro, março e abril.

11:24
 Climas controlados por massas
             de ar tropicais e polares




11:24
1. Clima tropical de altitude
  Localiza-se nas áreas de maior altitude da região
   Sudeste. Sofre grande influência anual da massa
   tropical atlântica (mTa), que é úmida.
  No inverno, a massa polar atlântica (mPa) é res-
   ponsável pelas baixas temperaturas e pelas geadas que
   costumam ocorrer nessa época.
  Diferencia-se do clima tropical típico ou continental
   por abranger maio índice pluviométrico anual (acima
   de 1.700 mm), verões menos quentes e invernos mais
   frios.

11:24
Clima tropical
   altitude
    Apresenta       médias       de
    temperaturas mais baixas
    que o clima tropical, ficando
    entre 15º e 22º C. Este clima é
    predominante nas partes
    altas do Planalto Atlântico
    do Sudeste, estendendo-se
    pelo     centro      de     São
    Paulo, centro-sul de Minas
    Gerais e pelas regiões
    serranas do Rio de Janeiro e
    Espírito Santo. As chuvas se
    concentram no verão, sendo
    o índice de pluviosidade
    influenciado               pela
    proximidade do oceano.



11:24
2. Clima subtropical úmido
  Representativo do Sul do Brasil, é dominado pela
   massa tropical atlântica (mTa), mas sofre grande
   influência da massa polar atlântica (mPa) no inverno.
  Apresenta o segundo maior índice pluviométrico anual
   (em torno de 2.500 mm), só perdendo para o clima
   equatorial úmido.
  Tem as estações do ano bem definidas e chuvas bem
   distribuídas durante o ano. No inverno são constantes
   as ondas de frio, a formação de geada e chuvas de
   granizo. Pode ocorrer neve nas áreas de maior altitude,
   como na região de São Joaquim, em Santa Catarina.

11:24
Clima subtropical
   úmido
    -Nas áreas de clima subtropical o
    verão costuma ser curto, porém
    com temperaturas elevadas. Já o
    in-verno é bastante rigoroso com
    baixas temperaturas.
    - No inverno a temperatura
    média anual fica em torno de -
    5°C, enquanto que no verão fica
    em torno de 23°C.
    - A umidade relativa do ar anual
    fica entre 60% e 85%.
    - Com relação ao índice pluvio-
    métrico      (chuvas)      anual,
    podemos verificar que fica entre
    500 e 1000 mm. É um índice
    considerado      moderado      de
    chuvas.
    - Podem ocorrer geadas nestas
    regiões durante o inverno, prin-
    cipalmente em áreas mais altas.


11:24
GLOSSÁRIO
                                    Médias térmicas ou tempera-
        Amplitudes térmicas
                                            turas médias

       Diferença entre a tempera-       Representadas pela média
    tura máxima (diária, mensal      aritmética das temperaturas
    ou anual) e a mínima             registradas em um local.
    (diária, mensal ou anual)        Podem ser diárias, mensais ou
    registrada em uma região.        anuais.




11:24
OBRIGADO!

11:24
Resolvidos




11:24
(SANTA CASA) Para apoiar a regra de que “a temperatura diminui
 com o aumento da latitude”, deveríamos tomar como exemplo os
 dados referentes às cidades de:

 a) Manaus, Cuiabá e Porto Alegre.
 b) Recife, Cuiabá e Rio de Janeiro.
 c) Recife, Rio de Janeiro e Porto Alegre.
 d) Manaus, Recife e Cuiabá.
 e) Manaus, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

 Resposta: Letra e




11:24
(FUVEST) Explique as características e as causas da ocorrência do
 clima subtropical no Brasil.

 Resposta: As características do clima subtropical no Brasil são:
     1. Temperatura média anual baixa, entre 16°C e 20°C.
     2. Amplitude térmica relativamente acentuada.
     3. Chuvas regularmente distribuídas nas quatro estações.
     4. Índices pluviométricos entre 1000 - 1500 mm / anuais. A
 existência desse clima no sul do país está ligada à posição
 geográfica (região situada abaixo do Trópico de Capricórnio) e à
 maior penetração da massa de ar Polar Atlântica (mPa).




11:24
(PUC) As porções orientais do território brasileiro, em termos de
 clima, sofrem maior intervenção da massa de ar:

 a) Equatorial Continental (Ec)
 b) Equatorial Atlântica (Ea)
 c) Tropical Continental (Tc)
 d) Tropical Atlântica (Ta)
 e) Polar Atlântica (Pa)

 Resposta: Letra d




11:24
(MACK) Dominam no inverno austral as massas de ar procedentes
 de áreas anticicloniais localizadas no Atlântico Sul e na
 Argentina, as quais invadem o Planalto Brasileiro e implicam na
 formação:

 a) das brisas
 b) dos ventos contra-alísios do Nordeste
 c) do terral
 d) dos ventos alísios do Sudeste
 e) dos ventos do Noroeste

 Resposta: Letra d




11:24
(OSEC) O deslocamento das massas de ar, que dão origem aos
 ventos, se fazem sempre:

 a) das áreas mais elevadas para as mais baixas;
 b) das áreas de temperaturas mais altas para as de temperatura
 mais baixa;
 c) das áreas de alta pressão para as de baixa pressão;
 d) das áreas mais úmidas para as mais secas;
 e) de oeste para leste.

 Resposta: Letra c




11:24
(OSEC) (...) "Ventos periódicos beneficiam toda a extensa orla
 litorânea: são... que, como alhures se apresentam sob a forma da
 "viração" ... e do "terral"... (Areldo de Azevedo)

 a) os ventos alísios do Sudeste;
 b) os ventos alísios do Nordeste;
 c) os ventos variáveis, "Pampeiro e Noroeste";
 d) as brisas marítimas e terrestres;
 e) as frentes frias do Sul.

 Resposta: Letra d




11:24
(OSEC) A "friagem" consiste na queda brusca da temperatura, na
    região amazônica. Sobre ela pode-se afirmar que:
    I. O relevo baixo, de planície, facilita a incursão de massas de ar frio
    que atingem a Amazônia.
    II. A massa de ar responsável pela ocorrência de friagem é a Tropical
    Atlântica.
    III. A friagem ocorre no inverno.
    De acordo com as afirmativas acima, assinale:

    a) se apenas I estiver correta;
    b) se I e II estiverem corretas;
    c) se II e III estiverem corretas;
    d) se I e III estiverem corretas;
    e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

    Resposta: Letra d

11:24
OBRIGADO NOVAMENTE!



11:24

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasilmoajr2
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaBruna M
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Saulo Lucena
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoJones Godinho
 
O sertão e o meio norte
O sertão e o meio norteO sertão e o meio norte
O sertão e o meio norteflaviocosac
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil AulaLuciano Pessanha
 
Cap. 6 - O espaço agrário brasileiro
Cap. 6 - O espaço agrário brasileiroCap. 6 - O espaço agrário brasileiro
Cap. 6 - O espaço agrário brasileiroAcácio Netto
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticosCarolina Corrêa
 
Estados unidos sociedade e economia
Estados unidos   sociedade e economiaEstados unidos   sociedade e economia
Estados unidos sociedade e economiaProfessor
 

Mais procurados (20)

Climas do Brasil
Climas do BrasilClimas do Brasil
Climas do Brasil
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
 
Aspectos físicos da América
Aspectos físicos da AméricaAspectos físicos da América
Aspectos físicos da América
 
Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
Climatologia - fatores e elementos do clima, fenômenos climáticos e classific...
 
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizadoEstrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
Estrutura geológica e formas de relevo terrestre - atualizado
 
O sertão e o meio norte
O sertão e o meio norteO sertão e o meio norte
O sertão e o meio norte
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
Continente americano
Continente americanoContinente americano
Continente americano
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Cap. 6 - O espaço agrário brasileiro
Cap. 6 - O espaço agrário brasileiroCap. 6 - O espaço agrário brasileiro
Cap. 6 - O espaço agrário brasileiro
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
8º Ano - Módulo 04 - Continente Americano
 
Estados unidos sociedade e economia
Estados unidos   sociedade e economiaEstados unidos   sociedade e economia
Estados unidos sociedade e economia
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 

Semelhante a O espaço natural brasileiro - Clima

O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.Dênis Almeida
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário climaLUIS ABREU
 
Clima da Região Norte
Clima da Região NorteClima da Região Norte
Clima da Região Nortevictorosa
 
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundaçãoAdversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundaçãoBraian Konzgen Maciel
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasilJonatas Carlos
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoDébora Sales
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilCarson Souza
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasilgeochp
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalCatarina Castro
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarcaduisolada
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climáticaRenato Brasil
 

Semelhante a O espaço natural brasileiro - Clima (20)

O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
 
Clima Brasileiro
Clima BrasileiroClima Brasileiro
Clima Brasileiro
 
Clima da Região Norte
Clima da Região NorteClima da Região Norte
Clima da Região Norte
 
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundaçãoAdversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasil
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasil
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Clima brasileiro
Clima brasileiroClima brasileiro
Clima brasileiro
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (20)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauienses
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Engenharia civil
Engenharia civilEngenharia civil
Engenharia civil
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 

O espaço natural brasileiro - Clima

  • 2.  A tropicalidade  As principais características, em virtude de sua posição geográfica, são determinadas pela tropicalidade.  Entre elas: as diferenças de isolação recebida pelas varias regiões do país, as elevadas temperaturas na maior parte do território, os regimes pluviométricos (chuvas de verão) e o mecanismo das massas de ar em nosso país (domínio de massas de ar quente e úmido). 11:24
  • 3.  As diferenças de insolação  A quantidade de luz solar (insolação) recebida pelas várias regiões do país durante o ano não é uniforme. Essa é uma das explicações para o fato de o horário de verão,cuja aplicações tem como objetivo a economia de energia elétrica no Brasil, não ser adotado na região Norte, pois não teria resultados práticos.  O que explica essa diferente insolação recebida por todo o território brasileiro é o movimento de translação e suas consequências: estações do ano, equinócios e solstícios. 11:24
  • 4.  A diferenças de insolação  Nas regiões mais próximas do Equador, essa incidência de luz solar é mais ou menos constante durante todo o ano, por isso há poucas diferenças na duração dos dias e noites nas quatro estações do ano.  Porém, à medida que nos aproximamos das regiões subtropicais e temperadas, essas diferenças vão ficando cada vez maiores: no inverno, as noites são mais longas; no verão, os dias duram mais. 11:24
  • 5. → Movimento de translação  O movimento de translação é o que a Terra realiza ao redor do Sol juntamente com os outros planetas. O tempo que a terra demora para dar uma volta completa em redor do Sol é chamado de ano. O ano civil tem 365 dias, já o ano sideral tem 365 dias, 6 horas, e a cada quatro anos temos um ano com 366 dias, o chamado ano bissexto.  Uma das principais consequências do movimento de translação da Terra é a existência das estações do ano, que são opostas nos dois hemisférios em virtude da inclinação do eixo terrestre. É o dia mais longo e a noite mais curta do ano que marcam o inicio do verão nesse hemisfério. 11:24
  • 6.  Os elementos do clima no Brasil  Os tipos de clima dependem do comporta-mento de diferentes elementos e fatores. Os elementos atuam diretamente no clima; e os fatores indiretamente.  Entre os principais elementos que, combinados, determinam os climas brasileiros estão a pressão atmosférica (ventos e massas de ar), a umidade (chuvas) e as temperaturas. 11:24
  • 7.  O mecanismo das massas de ar no Brasil  As massas de ar constituem o principal elemento determinante dos climas brasileiros, porque podem mudar bruscamente o tempo nas áreas onde atuam.  Em virtude de sua posição geográfica o território brasileiro esta sob a influencia da ZCIT, com exceção da parte localizada ao sul do trópico de Capricórnio, onde a massa polar atlântica tem papel de destaque nos meses mais frios.  O mecanismo das massas de ar no Brasil depende da circulação geral da atmosfera na Terra. 11:24
  • 8. ZCIT  Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) é a área que circunda a Terra, próxima ao equador, onde os ventos originários dos hemisférios norte e sul se encontram.  A ZCIT se apresenta como uma faixa de nuvens com grande desenvolvimento vertical (Cb – Cumulonimbus), de 3 a 5 graus de largura, frequentemente de tempestades, que circunda o globo próximo ao equador.  A ZCIT é formada pelo movimento vertical em grande parte derivado da atividade convectiva de tempestades provoca- das pelo aquecimento solar, as quais efetivamente sugam o ar; esses são os ventos alísios. 11:24
  • 9. → As massas de ar que interferem nos climas do Brasil  Por ter 92% de seu território na zona tropical e estar localizado no hemisfério sul, onde as massas líquidas (oceanos e mares) ocupam maior espaço do que as massas sólidas (terras), o Brasil é influenciado predominantemente pelas massas de ar quente e úmido.  As massas de ar que atuam no Brasil são: massa equatorial continental (mEc); massa equatorial atlântica (mEa); massa tropical continental (mTc); massa tropical atlântica (mTa); e massa polar atlântica (mPa). 11:24
  • 10. 1. Massa equatorial continental (mEc)  Originária da Amazônia ocidental - área de baixa latitude e muitos rios -, a mEc é uma massa de ar quente, úmido e instável. É a que exerce maior influência no Brasil: atinge praticamente todas as regiões durante o verão no hemisfério sul, provocando chuvas.  Na Amazônia, as elevadas temperaturas e as altas taxas de umidade, decorrentes da atuação dessa massa de ar, são responsáveis pelos elevados índices pluviométricos da região. No inverno, a mEc recua e sua ação fica restrita à Amazônia ocidental. 11:24
  • 11. 2. Massa tropical atlântica (mTa)  De ar quente e úmido, mTa origina-se no Atlântico sul. Formadora dos ventos alísios de sudeste, atua na faixa litorânea brasileira, que se estende da região Sul à região Nordeste, e é praticamente constante no decorrer do ano. Durante o inverno, a mTa encontra a única massa de ar frio e úmido que atua no Brasil, a massa polar atlântica (mPa).  Esse encontro provoca chuvas frontais no litoral nordestino. Por isso é comum ouvirmos notícias sobre chuvas que castigam Maceió, Salvador e Recife no mês de Julho, principalmente.  No litoral das regiões Sul e Sudeste, e o encontro da mTa com as áreas elevadas da serra do Mar provoca as chuvas orográficas ou de montanha. 11:24
  • 12. 3. Massa polar atlântica (mpa)  Por se originar no oceano Atlântico, ao sul da Argentina, em zona de média latitude (de 30° a 60°), a mPa tem ar frio e úmido. Atua principalmente no inverno, dividindo-se em três ramos separados pela orientação do relevo brasileiro. Os dois primeiros ramos refere-se ao corredor de planícies interiores brasileiras, que estão cercadas por áreas de maiores altitudes, como os Andes (no oeste) e as serras brasileiras (no leste), permitindo o avanço da mPa sobre essas áreas mais baixas do nosso relevo.  O primeiro ramo sobe pelo vale do rio Paraná, atingindo a região Sul, e traz ventos frios, como o minuano e o pampeiro, causando a formação de granizo, geada e até neve nas serras catarinenses e gaúchas. 11:24
  • 13. 3. Massa polar atlântica (mpa)  O morro da Igreja (1828 m), localizado no município de Urubici, em Santa Catarina, apresenta, as menores temperaturas brasileiras por reunir os fatores altitude e latitude, e o elemento climático, no caso a massa polar atlântica. A temperatura mais baixa registrada no Brasil até 2008 ocorreu em Urubici: - 17,8°C.  O segundo ramo, também conseqüência das baixas altitudes da área central do território brasileiro, permite o avanço dessa massa de ar frio e úmido que chega a atingir a Amazônia ocidental e provoca queda brusca da temperatura, por alguns dias, em Matogrosso, Rondônia e Acre. É o fenômeno da "friagem".  O terceiro ramo refere-se ao avanço da massa polar atlântica pelo litoral brasileiro, do Sul ao Nordeste. No Nordeste oriental (litoral), como já vimos, o encontro da mPa (de ar frio e úmido) com a mTa (de ar quente e úmido) provoca as chuvas frontais durante o inverno. 11:24
  • 14. 4. Massa equatorial atlântica (mEa)  Massa de ar quente e úmido, a mEa origina-se próximo do arquipélago português dos Açores, na África.  Formadora dos ventos alísios de nordeste, atua, principalmente, durante a primavera e o verão no litoral das regiões Norte e Nordeste.  Conforme avança pelo interior do país, essa massa de ar vai perdendo a umidade, por isso não causa chuvas significativas na porção norte do litoral nordestino. 11:24
  • 15. 5. Massa tropical continental (mTc)  Por ter origem na depressão do Chaco (Paraguai), isto é, em uma zona de altas temperaturas e pouca umidade, é uma massa de ar quente e seco.  No Brasil, atua no sul da região Centro-Oeste e no oeste das regiões Sul e Sudeste, onde ocorrem longos períodos de tempo quente e seco.  Também provoca um bloqueio atmosférico que impede a chegada das massas de ar frio, quase sempre nos meses de maio e junho, quando ocorrem dias com temperaturas mais altas, chamados de "veranico". 11:24
  • 16.  Chuvas  Apesar de nosso país apresentar médias anuais pluviométricas em torno de 1.000 mm, as chuvas não se distribuem de modo uniforme por toda sua extensão.  Algumas áreas, como trechos da Amazônia, o litoral sul da Bahia e o trecho paulista da Serra do Mar, recebem mais de 2.000 mm de chuvas por ano. Como exemplos podemos citar, na Amazônia, a localidade de Belém (PA), com 2.204 mm anuais, e, em São Paulo, a área banhada pelo rio Itapanhaú, em Bertioga, com mais de 4.000 mm.  No extremo oposto está o Sertão do Nordeste, com totais bem abaixo da média do país, como as localidades de Cabaceiras (PB), com 331 mm anuais, e Areia Branca (RN), com 588 mm.  O restante, ou seja, a maior parte do território brasileiro, está na faixa entre 1.000 e 2.000 mm de chuvas por ano.  A porção situada abaixo do paralelo de 20°LS, onde predomina o clima subtropical, tem como característica a relativa uniformidade das chuvas ao longo do ano. 11:24
  • 17.  Chuvas A chuva pode se formar de três maneiras:  A chuva de montanha ou orográfica ocorre com a ascensão e o resfriamento do ar, quando este tem de ultrapassar barreiras montanhosas.  A chuva convectiva ou de convecção ocorre quando o ar, em ascensão vertical, entra em contato com camadas mais frias, se condensa e se precipita sob a forma de chuva.  A chuva frontal resulta do choque de uma massa de ar mais frio com uma massa de ar mais quente. 11:24
  • 18.  Temperaturas  Em quase 95% de nosso território, temos médias térmicas superiores a 18 °C, como decorrência da tropicalidade.  Entretanto, o comportamento das temperaturas está sujeito à influência de outros fatores além da latitude: a altitude, a continentalidade e as correntes marítimas. 11:24
  • 19.  Os fatores do clima no Brasil Diversos fatores podem modificar os elementos que compõem o clima. No caso brasileiro, destacaremos a altitude, a latitude, a continentalidade, a maritimidade e as correntes marítimas, que podem ter maior ou menor influência no clima brasileiro. 11:24
  • 20.  Altitude Quanto maior a atitude, mais frio será. Mas somente a influência da altitude, isolada de outros fatores, não é muito marcante no Brasil, porque mais de 95% do relevo brasileiro está a menos de 1200 m de altitude. Campos do Jordão, em São Paulo, e as serras gaúchas e catarinenses, com altitudes acima de 1200 m, são exceções. 11:24
  • 21.  Latitude Esse fator influencia os climas no Brasil porque o território brasileiro apresenta quase 40° de variação latitudinal. Nas altas latitudes, as temperaturas são mais baixas e as amplitudes térmicas são maiores. Portanto, as cidades mais próximas à linha do Equador têm amplitudes térmicas menores e temperaturas mais altas do que as cidades do Sul e Sudeste em virtude das diferenças de latitudes existente entre elas. 11:24
  • 22.  Continentalidade e maritimidade Quanto menor a distância em relação ao mar, isto é, a maritimidade, menor a amplitude térmica de uma cidade, porque a proximidade do mar torna as temperaturas mais estáveis. Isso ocorre em consequência do “efeito regulador de caráter térmico” que as águas dos oceanos exercem sobre as terras mais próximas. 11:24
  • 23.  Correntes marítimas O Brasil sofre a influência de duas correntes marítimas quentes: a corrente do Brasil (no sentido sul) e a corrente das Guianas (no sentido norte), que contribuem para a existência de climas quente. 11:24
  • 24.  A classificação climática brasileira  Optamos pela classificação climática do cientista norte-americano Arthur Strähler, por estar baseada na circulação e na atuação das massas de ar que determinam os climas no Brasil.  Considerando a dinâmica das massas de ar que atuam no Brasil, encontramos os tipos de clima descritos nos slides a seguir.  O mapa abaixo apresenta os climas brasileiros: 1. Equatorial Úmido; 2.Tropical Continental; 3. Tropical Semiárido; 4.Litorâneo Úmido; 5. Subtropical; 6.Tropical de Altitude. 11:24
  • 25.  A classificação climática brasileira 11:24
  • 26.  Climas controlados por massas de ar equatoriais e tropicais 11:24
  • 27. 1. Clima equatorial úmido  Esse tipo de clima é determinado pela massa equatorial continental (mEc), e sua principal área de ocorrência é a Amazônia.  Tem como características elevada taxa de umidade, em virtude da presença dos rios e da vegetação na região, e altas temperaturas, por encontrar-se em baixa latitude.  As chuvas são constantes e abundantes (chegam a ultrapassar 2.500 mm anuais), resultado da convecção ou ascensão vertical do ar e conseqüente resfriamento e condensação.  Apresenta também baixa amplitude térmica anual (a menor do Brasil), inferior a 4°C, e médias térmicas anuais elevadas, que variam pouco, de 25 a 28°C. 11:24
  • 28. Clima equatorial úmido Este tipo de clima apre- senta temperaturas altas o ano todo. As médias pluviométricas são altas, sendo as chuvas bem distribuídas nos 12 me- ses, e a estação seca é curta. Aliando esses fa- tores ao fenômeno da evapotranspiração, ga- rante-se a umidade constante na região. É o clima predominante no complexo regional Ama- zônico. 11:24
  • 29. 2. Clima litorâneo úmido  Abrange a faixa da costa do Nordeste e do Sudeste e sofre influência da massa tropical atlântica (mTa).  Apresenta como características chuvas concentradas no inverno, que variam de 1.500 a 2.000 mm durante o ano, e médias térmicas elevadas.  Como vimos anteriormente, nessa estação, no litoral nordestino, o encontro da mTa (de ar quente e úmido) com a mPa (de ar frio e úmido), provoca chuvas frontais.  Durante o verão tanto no Sudeste como no Nordeste, o encontro da mTa com as mais elevadas, como o planalto da Borborema (no Nordeste) e as serras do Mar e da Mantiqueira (no Sudeste), provoca as chuvas orográficas. 11:24
  • 30. Clima litorâneo úmido É quente e chove bastante o ano todo. Existem meses mais frios (geralmente no meio do ano) e meses bem mais quentes (geralmente início e final de ano). A vegetação do clima tropical litorâneo (ou lito- râneo úmido) é a mata atlântica. As chuvas nestes dois trechos do litoral estão concentradas também em estações distintas: no nor- deste ocorrem principal- mente no outono e inverno e no sudeste são mais inten- sas na primavera e verão. 11:24
  • 31. 3. Clima tropical continental É o clima mais representativo do Brasil, por isso chamado de tropical típico. Abrange área das regiões Centro- Oeste, Nordeste, Norte e Sudeste. Apresenta duas características marcantes: I. A presença de duas estações bem definidas:  Verão: estação chuvosa, provocada pela massa de ar equatorial continental (mEc) e pela massa tropical atlântica (mTa);  Inverno: estação seca. Nessa época, a mEc se retrai, deixando espaço para a atuação de outras massas de ar: a polar atlântica (mPa) e a tropical continental (mTc). A mPa aproveita o corredor formado pelas terras mais baixas da região Centro- Oeste e atinge a porção sul da Amazônia, quando a temperatura pode chegar a 10°C (fenômeno da friagem). II. Amplitudes térmicas anuais elevadas devido à influência da continentalidade. 11:24
  • 32. Clima tropical continental Este tipo de clima ocorre no região central do Brasil. As médias de temperatura variam de 20° a 28°C. Chove por volta de 1500mm por ano. É um tipo de clima quente e semi-úmido, com chuvas no verão e seco no inverno. O clima tropical típico também é conhecido como semi-úmido. 11:24
  • 33. 4. Clima tropical semi-árido  Característica do Sertão nordestino e do norte de Minas Gerais. As massas que atuam para a ocorrência desse tipo de clima são a tropical atlântica (mTa) e a equatorial continental (mEc).  Quando chega ao interior do Nordeste, a mTa já perdeu a umidade, pois barreiras montanhosas impedem a passagem das chuvas que caem no litoral. É o clima brasileiro com menor índice pluviométrico anual.  O que causa o problema da estiagem é a má distribuição das chuvas, concentradas em alguns meses do ano. O índice de chuvas anuais chega, às vezes, a ser inferior a 500 mm. As médias térmicas anuais e as temperaturas são elevadas. 11:24
  • 34. Clima tropical semi- árido Típico do interior do Nordeste, região conhecida como o Polí- gono das Secas, que corresponde a quase todo o sertão nordestino e aos vales médio e inferior do rio São Francisco. Sofre a in- fluência da massa tropical atlân- tica que, ao chegar à região, já se apresenta com pouca umidade. Caracteriza-se por elevadas tem- peraturas (média de 27ºC) e chu- vas escassas (em torno de 750 mm/ano), irregulares e mal dis- tribuídas durante o ano. Há pe- ríodos em que a massa equa- torial atlântica (super úmida) chega no litoral norte de Região Nordeste e atinge o sertão, cau- sando chuva intensa nos meses de fevereiro, março e abril. 11:24
  • 35.  Climas controlados por massas de ar tropicais e polares 11:24
  • 36. 1. Clima tropical de altitude  Localiza-se nas áreas de maior altitude da região Sudeste. Sofre grande influência anual da massa tropical atlântica (mTa), que é úmida.  No inverno, a massa polar atlântica (mPa) é res- ponsável pelas baixas temperaturas e pelas geadas que costumam ocorrer nessa época.  Diferencia-se do clima tropical típico ou continental por abranger maio índice pluviométrico anual (acima de 1.700 mm), verões menos quentes e invernos mais frios. 11:24
  • 37. Clima tropical altitude Apresenta médias de temperaturas mais baixas que o clima tropical, ficando entre 15º e 22º C. Este clima é predominante nas partes altas do Planalto Atlântico do Sudeste, estendendo-se pelo centro de São Paulo, centro-sul de Minas Gerais e pelas regiões serranas do Rio de Janeiro e Espírito Santo. As chuvas se concentram no verão, sendo o índice de pluviosidade influenciado pela proximidade do oceano. 11:24
  • 38. 2. Clima subtropical úmido  Representativo do Sul do Brasil, é dominado pela massa tropical atlântica (mTa), mas sofre grande influência da massa polar atlântica (mPa) no inverno.  Apresenta o segundo maior índice pluviométrico anual (em torno de 2.500 mm), só perdendo para o clima equatorial úmido.  Tem as estações do ano bem definidas e chuvas bem distribuídas durante o ano. No inverno são constantes as ondas de frio, a formação de geada e chuvas de granizo. Pode ocorrer neve nas áreas de maior altitude, como na região de São Joaquim, em Santa Catarina. 11:24
  • 39. Clima subtropical úmido -Nas áreas de clima subtropical o verão costuma ser curto, porém com temperaturas elevadas. Já o in-verno é bastante rigoroso com baixas temperaturas. - No inverno a temperatura média anual fica em torno de - 5°C, enquanto que no verão fica em torno de 23°C. - A umidade relativa do ar anual fica entre 60% e 85%. - Com relação ao índice pluvio- métrico (chuvas) anual, podemos verificar que fica entre 500 e 1000 mm. É um índice considerado moderado de chuvas. - Podem ocorrer geadas nestas regiões durante o inverno, prin- cipalmente em áreas mais altas. 11:24
  • 40. GLOSSÁRIO Médias térmicas ou tempera- Amplitudes térmicas turas médias Diferença entre a tempera- Representadas pela média tura máxima (diária, mensal aritmética das temperaturas ou anual) e a mínima registradas em um local. (diária, mensal ou anual) Podem ser diárias, mensais ou registrada em uma região. anuais. 11:24
  • 43. (SANTA CASA) Para apoiar a regra de que “a temperatura diminui com o aumento da latitude”, deveríamos tomar como exemplo os dados referentes às cidades de: a) Manaus, Cuiabá e Porto Alegre. b) Recife, Cuiabá e Rio de Janeiro. c) Recife, Rio de Janeiro e Porto Alegre. d) Manaus, Recife e Cuiabá. e) Manaus, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Resposta: Letra e 11:24
  • 44. (FUVEST) Explique as características e as causas da ocorrência do clima subtropical no Brasil. Resposta: As características do clima subtropical no Brasil são: 1. Temperatura média anual baixa, entre 16°C e 20°C. 2. Amplitude térmica relativamente acentuada. 3. Chuvas regularmente distribuídas nas quatro estações. 4. Índices pluviométricos entre 1000 - 1500 mm / anuais. A existência desse clima no sul do país está ligada à posição geográfica (região situada abaixo do Trópico de Capricórnio) e à maior penetração da massa de ar Polar Atlântica (mPa). 11:24
  • 45. (PUC) As porções orientais do território brasileiro, em termos de clima, sofrem maior intervenção da massa de ar: a) Equatorial Continental (Ec) b) Equatorial Atlântica (Ea) c) Tropical Continental (Tc) d) Tropical Atlântica (Ta) e) Polar Atlântica (Pa) Resposta: Letra d 11:24
  • 46. (MACK) Dominam no inverno austral as massas de ar procedentes de áreas anticicloniais localizadas no Atlântico Sul e na Argentina, as quais invadem o Planalto Brasileiro e implicam na formação: a) das brisas b) dos ventos contra-alísios do Nordeste c) do terral d) dos ventos alísios do Sudeste e) dos ventos do Noroeste Resposta: Letra d 11:24
  • 47. (OSEC) O deslocamento das massas de ar, que dão origem aos ventos, se fazem sempre: a) das áreas mais elevadas para as mais baixas; b) das áreas de temperaturas mais altas para as de temperatura mais baixa; c) das áreas de alta pressão para as de baixa pressão; d) das áreas mais úmidas para as mais secas; e) de oeste para leste. Resposta: Letra c 11:24
  • 48. (OSEC) (...) "Ventos periódicos beneficiam toda a extensa orla litorânea: são... que, como alhures se apresentam sob a forma da "viração" ... e do "terral"... (Areldo de Azevedo) a) os ventos alísios do Sudeste; b) os ventos alísios do Nordeste; c) os ventos variáveis, "Pampeiro e Noroeste"; d) as brisas marítimas e terrestres; e) as frentes frias do Sul. Resposta: Letra d 11:24
  • 49. (OSEC) A "friagem" consiste na queda brusca da temperatura, na região amazônica. Sobre ela pode-se afirmar que: I. O relevo baixo, de planície, facilita a incursão de massas de ar frio que atingem a Amazônia. II. A massa de ar responsável pela ocorrência de friagem é a Tropical Atlântica. III. A friagem ocorre no inverno. De acordo com as afirmativas acima, assinale: a) se apenas I estiver correta; b) se I e II estiverem corretas; c) se II e III estiverem corretas; d) se I e III estiverem corretas; e) se todas as afirmativas estiverem corretas. Resposta: Letra d 11:24