SlideShare uma empresa Scribd logo
Área exige interesse por trabalho em grupo




11:31                                                1
11:31   2
O que é a Engenharia Civil
    É o ramo da engenharia que projeta, gerencia e executa obras
 como casas, edifícios, pontes, viadutos, estradas, barragens, canais
 e portos.
    O engenheiro civil projeta, gerencia e acompanha todas as
 etapas de uma construção ou reforma. Sua atuação inclui a análise
 das características do solo, o estudo da insolação e da ventilação do
 local e a definição dos tipos de fundação. Com base nesses dados, o
 profissional desenvolve o projeto, especificando as redes de
 instalações elétricas, hidráulicas e de saneamento do edifício e
 definindo o material que será usado.
    No canteiro de obras, chefia as equipes de trabalho,
 supervisionando prazos, custos, padrões de qualidade e de
 segurança. Cabe a ele garantir a estabilidade e a segurança da
 edificação, calculando os efeitos dos ventos e das mudanças de
 temperatura na resistência dos materiais usados na construção.
    Esse profissional também pode dedicar-se à administração de
 recursos prediais, gerenciando a infraestrutura e a ocupação de um
 edifício.
11:31                                                                    3
11:31   4
Atuação e atividades
    O engenheiro civil tem à seu favor um vasto mercado
 de atuação, pois poderá participar, da pesquisa, criação e
 desenvolvimento de novos produtos, ou mesmo os já
 existentes com novas criações, porém sempre faz-se
 necessário lembrar que ele terá a responsabilidade,
 inclusive jurídica de qualquer projeto do qual fizer parte,
 desde o seu início até a sua conclusão! De acordo com a
 necessidade ou complexidade do projeto, poderão fazer
 parte do mesmo, equipes de engenheiros, cada qual
 desenvolvendo-se no que lhe compete.

11:31                                                          5
O engenheiro civil desenvolve atividades relacionadas
 com: análise e localização de terrenos, análise do solo e
 hídrica, determina o projeto de construção e
 cronograma, estudo de materiais, inclusive reutilização e
 custos, determinar o uso de equipamentos, e veículos,
 avaliar através de cálculos a resistência do material
 empregado, condições climáticas da região, normas e
 medidas de segurança em relação à vida em geral, ao
 meio ambiente e ao solo utilizado.




11:31                                                        6
Esquematicamente são:

  analisar o terreno e escolher o local das futuras instalações;
  estudar a mecânica dos solos, para identificar movimentos
        de terra;
       estudar a circulação das águas subterrâneas ou de
        superfície e a incidência da luz solar;
       determinar o projeto de construção e fazer a previsão da
        execução dos trabalhos no tempo - o cronograma -
        definindo detalhes da obra;
       estudar materiais que serão utilizados em construções e
        suas possibilidades de adaptação;
       determinar equipamentos a serem usados como
        escavadeiras e elevadores;
       fazer cálculos capazes de indicar quanto de material será
        preciso para suportar determinada estrutura.
11:31                                                               7
Áreas de atuação e especialidade
  Construção Urbana: Projeta, constrói e reforma edifícios residenciais,
        comerciais e industriais.
       Estruturas e Fundações: Projeto e construção de estrutura (madeira,
        concreto e aço) e de fundações que apóiam as edificações. É
        responsável pelos cálculos sobre o material a ser utilizado e pelas
        dimensões da obra.
       Saneamento: Planejamento e construção de redes de captação e
        distribuição de águas e estações para tratamento de água e de esgotos.
       Transportes ou Infraestrutura: Planejamento e coordenação de
        obras como ferrovias, rodovias, hidrovias, pontes, viadutos, portos e
        aeroportos.
       Gerência de recursos prediais: Manter em ordem a infraestrutura de
        prédios e estabelecer padrões de qualidade, ocupação e uso do espaço.
       Hidráulica e recursos hídricos: Projetar, gerenciar e executar obras
        de barragens, canais, reservatórios, sistemas de irrigação, drenagem ou
        obras costeiras.

11:31                                                                             8
Áreas de Engenharia civil
  Estruturas
      No campo das estruturas, a engenharia civil abraça um
 vasto campo de matérias como a física, a matemática
 aplicada, resistência dos materiais e mesmo a computação.
      A análise de estruturas abrange estudos do
 comportamento de edifícios, pontes, casas, barragens, entre
 outros. A sua análise pressupõe basicamente o estudo das
 forças resultantes nos elementos, como o esforço axial, os
 momentos fletores e o esforço de corte, com base nas forças
 atuantes.
      Com estes resultados é possível otimizar as seções dos
 elementos, obtendo-se assim uma relação material /
 resistência mais rentável.

11:31                                                          9
 Vias de comunicação
     A área das vias de comunicação é amplamente
 multidisciplinar em áreas fora e dentro da engenharia civil.
 Disciplinas como a mecânica dos solos, a matemática,
 sociologia, hidráulica, estatística, métodos numéricos entre
 muitos outros poderão ser incluídos no estudo,
 dimensionamento e exploração de vias de comunicação,
 nomeadamente:
  Desenho urbano
  Estradas
  Autoestradas
  Caminhos de ferro
  Aeroportos e Aeródromos
  Portos
  Viadutos

11:31                                                       10
O profissional de Engenharia Civil pode exercer suas
 atividades em:
  Área técnica, como na elaboração de projetos;
  Área gerencial, como execução de obra, gestão de
   empresas ou departamentos de grandes empresas
   voltadas à construção civil, ou não;
  Área financeira, como gestão de carteiras de clientes
   corporativos (empresas) em bancos ou instituições
   financeiras.




11:31                                                   11
O curso de Engenharia Civil
  Profissão:       Engenheiro
        Civil
       Cor: Cor de tijolo
       Duração Média: 5 anos
       O estágio é obrigatório
        para a conclusão do
        curso.
       Símbolo:


11:31                                  12
Características desejáveis
  agilidade                          flexibilidade
  atenção a detalhes                 gosto pela pesquisa e pelos
  capacidade de adaptação a novas       estudos
        situações                       habilidade para trabalhar em
       capacidade de comunicação        equipe
       capacidade de concentração      interesse em construir coisas
       capacidade de decisão           interesse pelas ciências
       capacidade de organização       interesse pelo funcionamento
       capacidade de resolver           das coisas
        problemas práticos              interesse por computadores
       criatividade                    interesse por novas técnicas e
       curiosidade                      tecnologias
                                        raciocínio abstrato desenvolvido
       facilidade para matemática
                                        raciocínio espacial desenvolvido
                                        e senso prático

11:31                                                                       13
Características profissionais
 importantes (aptidões, habilidades
         e competências)
     Sólidos conhecimentos na área de exatas
 (matemática, física e química), bons conhecimentos de
 informática, capacidade de planejamento, facilidade
 para    trabalhar    em    equipe,    responsabilidade,
 concentração e atenção.




11:31                                                  14
Algumas disciplinas do Curso de
              Engenharia Civil
  Laboratório de Física    Estatística
  Física, Química          Construção Civil
  Desenho                  Circuitos Elétricos
  Geometria Analítica      Estática
  Cálculo                  Mecânica dos Solos
  Álgebra Linear e         Hidráulica dos Condutos
   Equações Diferenciais     Forçados
  Linguagens de            Estruturas de Materiais
   Programação               Diversos
  Métodos Numéricos

11:31                                                  15
Grade Básica do Curso de
                 Engenharia Civil
       Cálculo
       Construção Civil
       Transportes
       Teoria das Estruturas
       Hidrologia Aplicada
       Saneamento Básico
       Sistemas Estruturais
       Hidráulica
       Mecânica dos Solos
       Topografia
11:31                                   16
Para atuar neste mercado, é preciso saber trabalhar
 em grupo. O engenheiro civil não pode ser
 individualista, ele tem que saber trabalhar em equipe.
 Ele pode trabalhar tanto internamente em escritórios,
 com projetos, como também em campo.
     O curso de graduação em engenharia civil tem a
 duração de cinco anos. Os dois primeiros são dedicados à
 construção de uma formação mais sólida nas áreas de
 matemática e física, que são a base do conhecimento do
 engenheiro e ajudam a melhorar o raciocínio lógico que
 será utilizado pelos profissionais em campo. Nos outros
 três, os alunos passam para a parte profissional e
 estudam os segmentos específicos da carreira, como as
 áreas hidráulica, estrutural e de geotecnia.

11:31                                                   17
O trabalho em laboratórios realizado durante o
 período na universidade pode dar uma noção de como
 será a vida do engenheiro e auxiliar o estudante a optar
 por um segmento de preferência dentro da engenharia
 civil.
     Após a graduação, caso deseje voltar a carreira para
 as aulas em universidades e a realização de
 experimentos, o engenheiro pode optar por um
 mestrado e, se ainda quiser continuar o estudos, um
 doutorado.




11:31                                                   18
Formação
     Para desenvolver-se na profissão, o profissional que almeja
tornar-se um engenheiro civil deverá formar-se primeiramente em
um curso de graduação superior de Engenharia Civil com duração
média de cinco anos. Atualmente as empresas em geral exigem o
domínio da língua inglesa e em informática, sendo imprescindível
qualificação técnica de qualidade, conhecimentos gerais, e como é de
praxe em todas as profissões, a atualização constante na área, através
de cursos, palestras, jornais revistas e livros especializados. Quanto à
grade curricular podemos destacar que a mesma modifica-se
sensivelmente de acordo com a escola que se cursa, salientando-se
que, todas mantém as matérias básicas e importantes de formação,
porém algumas incluem em seu programa matérias também
relacionadas com ciências humanas e trabalhos multidisciplinares.
Outro ponto importante que conta muito também na escolha da
instituição onde se vai estudar, é sem dúvida o nível dos laboratórios e
aulas práticas, que contarão muito para a ambientalização e
aprendizado do futuro engenheiro.

11:31                                                                 19
Dia-a-dia do profissional da área
     Sua rotina inclui o corre-corre diário entre a obra e o
 escritório, horas de desenho sobre a prancheta ou na tela
 do computador. Além dos cálculos, ele também deve
 dominar o universo de materiais, produtos,
 equipamentos e técnicas usadas em obras civis.
 Conhecido       por    atuar     em     construções,      o
 engenheiro civil tem espaço, ainda, nos setores
 auxiliares: drenagem, concretagem, pintura, topografia,
 dragagem e montagens industriais – construções para
 equipamentos industriais.


11:31                                                      20
Área de Especialização
       Construção Civil
       Estruturas e Fundações
       Hidráulicas e Recursos Hídricos
       Saneamento
       Geotecnia ou
       Transportes.




11:31                                     21
Principais especializações e funções
        que podem ser exercidas no decorrer da carreira
     O aluno deve ter noções de marketing, sociologia e
 comunicação, para atender às exigências do mercado, o
 engenheiro civil precisa também de conhecimentos
 técnicos de hidráulica, eletricidade, telefonia,
 transporte, entre outros, além de habilidade para
 administração e gerenciamento.




11:31                                                     22
Cursos que dão formação semelhante ou que
 preparam você para atuar na mesma área

     Engenharia de Produção Civil: Há muita
 proximidade entre as duas carreiras. De forma geral, os
 cursos de Engenharia de Produção (existentes para
 quase todas as modalidades de Engenharia) surgiram
 como complementos à formação do engenheiro, com
 conhecimentos de administração e de economia. Nesse
 sentido, dirigem-se para a formação do gestor de
 processos tecnológicos.

11:31                                                  23
Oferta de trabalho
     Na década de 1980 a oferta de vagas era tão baixa que
 os recém-formados preferiam migrar para o setor
 financeiro, onde eram mais bem remunerados, hoje o
 aquecimento da Construção gera tanta demanda por
 profissionais qualificados que os alunos já são
 contratados antes mesmo de se formar. No entanto, mais
 do que engenheiros "genéricos", as empresas precisam
 de especialistas – em gestão, produção, orçamento,
 coordenação de obras, entre outros. E, com falta de
 "material humano" de qualidade no mercado, as
 empresas estão apostando cada vez mais na formação de
 seus próprios quadros internos.

11:31                                                    24
Especialistas mais valorizados
  Sustentabilidade é cada vez mais valorizada na
 construção civil.
  Entre outros.




11:31                                           25
Quem emprega
     Os profissionais podem trabalhar tanto no setor
 público, com obras públicas nas esferas municipais,
 estaduais e federais, como no privado, além da
 possibilidade de seguir a carreira militar. Dentro das
 Forças Armadas, a maioria das vagas se localiza no
 Exército, mas também há oportunidades na Marinha e
 na Aeronáutica.




11:31                                                 26
Onde estão as melhores
        oportunidades de emprego
  Porto Velho/RONDÔNIA


     Um engenheiro civil em Porto Velho tem salário de
 até 6000 reais mais benefícios. A média nacional é de
 4500 reais.




11:31                                                27
Salário médio inicial (remuneração
     média do recém-formado)
  Salário inicial: R$ 1.900,00




11:31                             28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIAII HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
Thays J. Perassoli Boiko
 
84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015
84  slides  gestão  logística  no  canteiro  de  obra  nov 201584  slides  gestão  logística  no  canteiro  de  obra  nov 2015
84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015
delano chaves gurgel do amaral
 
Desenho projetivo
Desenho projetivoDesenho projetivo
Desenho projetivo
Mara Pedroso
 
Construção civil
Construção civilConstrução civil
Construção civil
jonathas Silva
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
Thalles Barbosa
 
Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)
Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)
Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)
Gutierry Prates
 
Apresentação do professor e disciplina de segurança da Informação
Apresentação do professor e disciplina de segurança da InformaçãoApresentação do professor e disciplina de segurança da Informação
Apresentação do professor e disciplina de segurança da Informação
Cleber Fonseca
 
Planejamento de obra aula 41 e 42
Planejamento de obra   aula 41 e 42Planejamento de obra   aula 41 e 42
Planejamento de obra aula 41 e 42
Aline Cristina Souza dos Santos
 
Introdução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civilIntrodução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civil
Marcelo Auler
 
Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02
Aline Cristina Souza dos Santos
 
AutoCAD
AutoCADAutoCAD
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
Willian De Sá
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
Taiane Arruda
 
Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.
Jean Paulo Mendes Alves
 
Locação de obras
Locação de obrasLocação de obras
Locação de obras
Otavio Patricio
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
Giovanna Ortiz
 
Aula 2 noções de orçamentos
Aula 2   noções de orçamentosAula 2   noções de orçamentos
Aula 2 noções de orçamentos
ISMENIA10
 
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de ObrasAula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
Gabriel Do Nascimento Pereira
 
Estradas aula 03
Estradas aula 03Estradas aula 03
Estradas aula 03
Marinaldo Junior
 

Mais procurados (20)

II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIAII HISTÓRIA DA ENGENHARIA
II HISTÓRIA DA ENGENHARIA
 
84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015
84  slides  gestão  logística  no  canteiro  de  obra  nov 201584  slides  gestão  logística  no  canteiro  de  obra  nov 2015
84 slides gestão logística no canteiro de obra nov 2015
 
Desenho projetivo
Desenho projetivoDesenho projetivo
Desenho projetivo
 
Construção civil
Construção civilConstrução civil
Construção civil
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
 
Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)
Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)
Introdução ao Desenho Técnico (Apostila)
 
Apresentação do professor e disciplina de segurança da Informação
Apresentação do professor e disciplina de segurança da InformaçãoApresentação do professor e disciplina de segurança da Informação
Apresentação do professor e disciplina de segurança da Informação
 
Planejamento de obra aula 41 e 42
Planejamento de obra   aula 41 e 42Planejamento de obra   aula 41 e 42
Planejamento de obra aula 41 e 42
 
Introdução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civilIntrodução à engenharia_civil
Introdução à engenharia_civil
 
Planejamento de obra aula 01 e 02
Planejamento de obra   aula 01 e 02Planejamento de obra   aula 01 e 02
Planejamento de obra aula 01 e 02
 
AutoCAD
AutoCADAutoCAD
AutoCAD
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.Desenho Arquitetônico.
Desenho Arquitetônico.
 
Locação de obras
Locação de obrasLocação de obras
Locação de obras
 
Introdução aula 2
Introdução   aula 2Introdução   aula 2
Introdução aula 2
 
Aula 2 noções de orçamentos
Aula 2   noções de orçamentosAula 2   noções de orçamentos
Aula 2 noções de orçamentos
 
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de ObrasAula 05 Planejamento e Controle de Obras
Aula 05 Planejamento e Controle de Obras
 
Estradas aula 03
Estradas aula 03Estradas aula 03
Estradas aula 03
 

Destaque

Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
Augusto Magalhães
 
ApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVIApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVI
Jary Maciel
 
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MGPavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
ALX Terraplenagem Locação de Maquinas Pavimentação
 
Capilaridade nos solos
Capilaridade nos solosCapilaridade nos solos
Capilaridade nos solos
cristiansorianoc
 
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
Fellipe Prado
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Elvio Giasson
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
As fundações em são paulo
As fundações em são pauloAs fundações em são paulo
As fundações em são paulo
apfbr
 
ECOLOPAVI
ECOLOPAVIECOLOPAVI
ECOLOPAVI
Jary Maciel
 
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientaisOcupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Rodrigo Duarte
 
Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012
Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012
Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012
Wagner Ramalho
 
Apostila de fundações poli
Apostila de fundações  poliApostila de fundações  poli
Apostila de fundações poli
Matheus Adam da Silva
 
Parcelamento do solo
Parcelamento do soloParcelamento do solo
Parcelamento do solo
Flavio Meireles
 
Mec solos-i-x
Mec solos-i-xMec solos-i-x
Mec solos-i-x
Adriana Inokuma
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
BRL Engenharia e Pavimentação
BRL Engenharia e PavimentaçãoBRL Engenharia e Pavimentação
BRL Engenharia e Pavimentação
Guto Leon
 
O presente e o futuro da Engenharia Civil
O presente e o futuro da Engenharia CivilO presente e o futuro da Engenharia Civil
O presente e o futuro da Engenharia Civil
Bento Aires
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
engenhar
 
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
ProfMario De Mori
 
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliariosEngenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Unichristus Centro Universitário
 

Destaque (20)

Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
 
ApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVIApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVI
 
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MGPavimentação asfáltica ES BA RJ MG
Pavimentação asfáltica ES BA RJ MG
 
Capilaridade nos solos
Capilaridade nos solosCapilaridade nos solos
Capilaridade nos solos
 
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
O espaço Geografico Rural e a Prorpiedade da Terra - Aulas 1, 2, 3, 4, e 5 Ge...
 
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
Aula sobre "Classificação da capacidade de uso dos solos", preparada para a d...
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
As fundações em são paulo
As fundações em são pauloAs fundações em são paulo
As fundações em são paulo
 
ECOLOPAVI
ECOLOPAVIECOLOPAVI
ECOLOPAVI
 
Ocupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientaisOcupação dos solos e riscos ambientais
Ocupação dos solos e riscos ambientais
 
Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012
Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012
Maria adélia souza_apresentacao_desigualdades_sp_2012
 
Apostila de fundações poli
Apostila de fundações  poliApostila de fundações  poli
Apostila de fundações poli
 
Parcelamento do solo
Parcelamento do soloParcelamento do solo
Parcelamento do solo
 
Mec solos-i-x
Mec solos-i-xMec solos-i-x
Mec solos-i-x
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
BRL Engenharia e Pavimentação
BRL Engenharia e PavimentaçãoBRL Engenharia e Pavimentação
BRL Engenharia e Pavimentação
 
O presente e o futuro da Engenharia Civil
O presente e o futuro da Engenharia CivilO presente e o futuro da Engenharia Civil
O presente e o futuro da Engenharia Civil
 
Apresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solosApresentação mecânica dos solos
Apresentação mecânica dos solos
 
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro  Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
O EspaçO AgropecuáRio Brasileiro Estrutura FundiáRia E Conflitos De Terra No...
 
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliariosEngenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
Engenharia civil e sustentabilidade nos empreendimentos imobiliarios
 

Semelhante a Engenharia civil

Trabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opeeTrabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opee
Cristian Correa
 
Engenheiro ou arquiteto? - M²Obras
Engenheiro ou arquiteto? - M²ObrasEngenheiro ou arquiteto? - M²Obras
Engenheiro ou arquiteto? - M²Obras
M2OBRAS
 
Eng civil3b
Eng civil3bEng civil3b
Eng civil3b
Karoline Martins
 
Técnicas de construções
Técnicas de construçõesTécnicas de construções
Técnicas de construções
charlessousa192
 
Materiais e sistemas construtivos 01
Materiais e sistemas construtivos 01Materiais e sistemas construtivos 01
Materiais e sistemas construtivos 01
Matheus Adam da Silva
 
Edificaes tcnicas de_construescapa
Edificaes tcnicas de_construescapaEdificaes tcnicas de_construescapa
Edificaes tcnicas de_construescapa
Erica Bastos
 
8º a
8º a8º a
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
Thiago Moreira
 
Slide Engenharia - 3ºB
Slide Engenharia - 3ºBSlide Engenharia - 3ºB
Slide Engenharia - 3ºB
Karoline Martins
 
acústica
acústicaacústica
acústica
Camilla Alécio
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
Dieli Alves
 
Construtivas
ConstrutivasConstrutivas
Construtivas
Aleksandro Aleks
 
apostila_const_rurais.pdf
apostila_const_rurais.pdfapostila_const_rurais.pdf
apostila_const_rurais.pdf
Elton Mendes
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
Bowman Guimaraes
 
Manual da construção civil
Manual da construção civilManual da construção civil
Manual da construção civil
joaofelipeafilhado
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
Bowman Guimaraes
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
rodrigo ramon
 
Bárbara livro 01
Bárbara livro 01Bárbara livro 01
Bárbara livro 01
Bárbara Kalinowski
 
Bárbara livro 01
Bárbara livro 01Bárbara livro 01
Bárbara livro 01
Bárbara Kalinowski
 
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdfD ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
cgtsfumec
 

Semelhante a Engenharia civil (20)

Trabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opeeTrabalho de conclusão de curso opee
Trabalho de conclusão de curso opee
 
Engenheiro ou arquiteto? - M²Obras
Engenheiro ou arquiteto? - M²ObrasEngenheiro ou arquiteto? - M²Obras
Engenheiro ou arquiteto? - M²Obras
 
Eng civil3b
Eng civil3bEng civil3b
Eng civil3b
 
Técnicas de construções
Técnicas de construçõesTécnicas de construções
Técnicas de construções
 
Materiais e sistemas construtivos 01
Materiais e sistemas construtivos 01Materiais e sistemas construtivos 01
Materiais e sistemas construtivos 01
 
Edificaes tcnicas de_construescapa
Edificaes tcnicas de_construescapaEdificaes tcnicas de_construescapa
Edificaes tcnicas de_construescapa
 
8º a
8º a8º a
8º a
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Slide Engenharia - 3ºB
Slide Engenharia - 3ºBSlide Engenharia - 3ºB
Slide Engenharia - 3ºB
 
acústica
acústicaacústica
acústica
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
 
Construtivas
ConstrutivasConstrutivas
Construtivas
 
apostila_const_rurais.pdf
apostila_const_rurais.pdfapostila_const_rurais.pdf
apostila_const_rurais.pdf
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
Manual da construção civil
Manual da construção civilManual da construção civil
Manual da construção civil
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
 
Bárbara livro 01
Bárbara livro 01Bárbara livro 01
Bárbara livro 01
 
Bárbara livro 01
Bárbara livro 01Bárbara livro 01
Bárbara livro 01
 
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdfD ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
D ac arq_urb_tema_2osem2016 pdf
 

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Natação
NataçãoNatação
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima

Mais de PIBID - Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (20)

Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousaGrecia  atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
Grecia atividade a luta por direitos - hq mauricio de sousa
 
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidianoLivreto para grafica   o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
Livreto para grafica o escravo negro no brasil colonial - trafico e cotidiano
 
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidianoSlides o escravo negro no brasil colonial   tráfico e cotidiano
Slides o escravo negro no brasil colonial tráfico e cotidiano
 
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidianoPlano de aula   o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
Plano de aula o escravo negro no brasil colonia - tráfico e cotidiano
 
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...Texto sobre existência de raças humanas   ação o escravo negro no brasil colo...
Texto sobre existência de raças humanas ação o escravo negro no brasil colo...
 
Pinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendasPinturas de debret e rugendas
Pinturas de debret e rugendas
 
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidianoLivreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
Livreto O escravo negro no Brasil Colonial: tráfico e cotidiano
 
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
Trânsito Beneditinos-PI (Alunos UEPMP)
 
Relevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauiensesRelevo e Biomas piauienses
Relevo e Biomas piauienses
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquicaOs movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
Os movimentos urbanos e o movimento operário na república oligárquica
 
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - HidrografiaO espaço natural brasileiro - Hidrografia
O espaço natural brasileiro - Hidrografia
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Natação
NataçãoNatação
Natação
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Brasil - Primeira república
Brasil - Primeira repúblicaBrasil - Primeira república
Brasil - Primeira república
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
A região nordeste
A região nordesteA região nordeste
A região nordeste
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 

Último

Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Engenharia civil

  • 1. Área exige interesse por trabalho em grupo 11:31 1
  • 2. 11:31 2
  • 3. O que é a Engenharia Civil É o ramo da engenharia que projeta, gerencia e executa obras como casas, edifícios, pontes, viadutos, estradas, barragens, canais e portos. O engenheiro civil projeta, gerencia e acompanha todas as etapas de uma construção ou reforma. Sua atuação inclui a análise das características do solo, o estudo da insolação e da ventilação do local e a definição dos tipos de fundação. Com base nesses dados, o profissional desenvolve o projeto, especificando as redes de instalações elétricas, hidráulicas e de saneamento do edifício e definindo o material que será usado. No canteiro de obras, chefia as equipes de trabalho, supervisionando prazos, custos, padrões de qualidade e de segurança. Cabe a ele garantir a estabilidade e a segurança da edificação, calculando os efeitos dos ventos e das mudanças de temperatura na resistência dos materiais usados na construção. Esse profissional também pode dedicar-se à administração de recursos prediais, gerenciando a infraestrutura e a ocupação de um edifício. 11:31 3
  • 4. 11:31 4
  • 5. Atuação e atividades O engenheiro civil tem à seu favor um vasto mercado de atuação, pois poderá participar, da pesquisa, criação e desenvolvimento de novos produtos, ou mesmo os já existentes com novas criações, porém sempre faz-se necessário lembrar que ele terá a responsabilidade, inclusive jurídica de qualquer projeto do qual fizer parte, desde o seu início até a sua conclusão! De acordo com a necessidade ou complexidade do projeto, poderão fazer parte do mesmo, equipes de engenheiros, cada qual desenvolvendo-se no que lhe compete. 11:31 5
  • 6. O engenheiro civil desenvolve atividades relacionadas com: análise e localização de terrenos, análise do solo e hídrica, determina o projeto de construção e cronograma, estudo de materiais, inclusive reutilização e custos, determinar o uso de equipamentos, e veículos, avaliar através de cálculos a resistência do material empregado, condições climáticas da região, normas e medidas de segurança em relação à vida em geral, ao meio ambiente e ao solo utilizado. 11:31 6
  • 7. Esquematicamente são:  analisar o terreno e escolher o local das futuras instalações;  estudar a mecânica dos solos, para identificar movimentos de terra;  estudar a circulação das águas subterrâneas ou de superfície e a incidência da luz solar;  determinar o projeto de construção e fazer a previsão da execução dos trabalhos no tempo - o cronograma - definindo detalhes da obra;  estudar materiais que serão utilizados em construções e suas possibilidades de adaptação;  determinar equipamentos a serem usados como escavadeiras e elevadores;  fazer cálculos capazes de indicar quanto de material será preciso para suportar determinada estrutura. 11:31 7
  • 8. Áreas de atuação e especialidade  Construção Urbana: Projeta, constrói e reforma edifícios residenciais, comerciais e industriais.  Estruturas e Fundações: Projeto e construção de estrutura (madeira, concreto e aço) e de fundações que apóiam as edificações. É responsável pelos cálculos sobre o material a ser utilizado e pelas dimensões da obra.  Saneamento: Planejamento e construção de redes de captação e distribuição de águas e estações para tratamento de água e de esgotos.  Transportes ou Infraestrutura: Planejamento e coordenação de obras como ferrovias, rodovias, hidrovias, pontes, viadutos, portos e aeroportos.  Gerência de recursos prediais: Manter em ordem a infraestrutura de prédios e estabelecer padrões de qualidade, ocupação e uso do espaço.  Hidráulica e recursos hídricos: Projetar, gerenciar e executar obras de barragens, canais, reservatórios, sistemas de irrigação, drenagem ou obras costeiras. 11:31 8
  • 9. Áreas de Engenharia civil  Estruturas No campo das estruturas, a engenharia civil abraça um vasto campo de matérias como a física, a matemática aplicada, resistência dos materiais e mesmo a computação. A análise de estruturas abrange estudos do comportamento de edifícios, pontes, casas, barragens, entre outros. A sua análise pressupõe basicamente o estudo das forças resultantes nos elementos, como o esforço axial, os momentos fletores e o esforço de corte, com base nas forças atuantes. Com estes resultados é possível otimizar as seções dos elementos, obtendo-se assim uma relação material / resistência mais rentável. 11:31 9
  • 10.  Vias de comunicação A área das vias de comunicação é amplamente multidisciplinar em áreas fora e dentro da engenharia civil. Disciplinas como a mecânica dos solos, a matemática, sociologia, hidráulica, estatística, métodos numéricos entre muitos outros poderão ser incluídos no estudo, dimensionamento e exploração de vias de comunicação, nomeadamente:  Desenho urbano  Estradas  Autoestradas  Caminhos de ferro  Aeroportos e Aeródromos  Portos  Viadutos 11:31 10
  • 11. O profissional de Engenharia Civil pode exercer suas atividades em:  Área técnica, como na elaboração de projetos;  Área gerencial, como execução de obra, gestão de empresas ou departamentos de grandes empresas voltadas à construção civil, ou não;  Área financeira, como gestão de carteiras de clientes corporativos (empresas) em bancos ou instituições financeiras. 11:31 11
  • 12. O curso de Engenharia Civil  Profissão: Engenheiro Civil  Cor: Cor de tijolo  Duração Média: 5 anos  O estágio é obrigatório para a conclusão do curso.  Símbolo: 11:31 12
  • 13. Características desejáveis  agilidade  flexibilidade  atenção a detalhes  gosto pela pesquisa e pelos  capacidade de adaptação a novas estudos situações  habilidade para trabalhar em  capacidade de comunicação equipe  capacidade de concentração  interesse em construir coisas  capacidade de decisão  interesse pelas ciências  capacidade de organização  interesse pelo funcionamento  capacidade de resolver das coisas problemas práticos  interesse por computadores  criatividade  interesse por novas técnicas e  curiosidade tecnologias  raciocínio abstrato desenvolvido  facilidade para matemática  raciocínio espacial desenvolvido  e senso prático 11:31 13
  • 14. Características profissionais importantes (aptidões, habilidades e competências) Sólidos conhecimentos na área de exatas (matemática, física e química), bons conhecimentos de informática, capacidade de planejamento, facilidade para trabalhar em equipe, responsabilidade, concentração e atenção. 11:31 14
  • 15. Algumas disciplinas do Curso de Engenharia Civil  Laboratório de Física  Estatística  Física, Química  Construção Civil  Desenho  Circuitos Elétricos  Geometria Analítica  Estática  Cálculo  Mecânica dos Solos  Álgebra Linear e  Hidráulica dos Condutos Equações Diferenciais Forçados  Linguagens de  Estruturas de Materiais Programação Diversos  Métodos Numéricos 11:31 15
  • 16. Grade Básica do Curso de Engenharia Civil  Cálculo  Construção Civil  Transportes  Teoria das Estruturas  Hidrologia Aplicada  Saneamento Básico  Sistemas Estruturais  Hidráulica  Mecânica dos Solos  Topografia 11:31 16
  • 17. Para atuar neste mercado, é preciso saber trabalhar em grupo. O engenheiro civil não pode ser individualista, ele tem que saber trabalhar em equipe. Ele pode trabalhar tanto internamente em escritórios, com projetos, como também em campo. O curso de graduação em engenharia civil tem a duração de cinco anos. Os dois primeiros são dedicados à construção de uma formação mais sólida nas áreas de matemática e física, que são a base do conhecimento do engenheiro e ajudam a melhorar o raciocínio lógico que será utilizado pelos profissionais em campo. Nos outros três, os alunos passam para a parte profissional e estudam os segmentos específicos da carreira, como as áreas hidráulica, estrutural e de geotecnia. 11:31 17
  • 18. O trabalho em laboratórios realizado durante o período na universidade pode dar uma noção de como será a vida do engenheiro e auxiliar o estudante a optar por um segmento de preferência dentro da engenharia civil. Após a graduação, caso deseje voltar a carreira para as aulas em universidades e a realização de experimentos, o engenheiro pode optar por um mestrado e, se ainda quiser continuar o estudos, um doutorado. 11:31 18
  • 19. Formação Para desenvolver-se na profissão, o profissional que almeja tornar-se um engenheiro civil deverá formar-se primeiramente em um curso de graduação superior de Engenharia Civil com duração média de cinco anos. Atualmente as empresas em geral exigem o domínio da língua inglesa e em informática, sendo imprescindível qualificação técnica de qualidade, conhecimentos gerais, e como é de praxe em todas as profissões, a atualização constante na área, através de cursos, palestras, jornais revistas e livros especializados. Quanto à grade curricular podemos destacar que a mesma modifica-se sensivelmente de acordo com a escola que se cursa, salientando-se que, todas mantém as matérias básicas e importantes de formação, porém algumas incluem em seu programa matérias também relacionadas com ciências humanas e trabalhos multidisciplinares. Outro ponto importante que conta muito também na escolha da instituição onde se vai estudar, é sem dúvida o nível dos laboratórios e aulas práticas, que contarão muito para a ambientalização e aprendizado do futuro engenheiro. 11:31 19
  • 20. Dia-a-dia do profissional da área Sua rotina inclui o corre-corre diário entre a obra e o escritório, horas de desenho sobre a prancheta ou na tela do computador. Além dos cálculos, ele também deve dominar o universo de materiais, produtos, equipamentos e técnicas usadas em obras civis. Conhecido por atuar em construções, o engenheiro civil tem espaço, ainda, nos setores auxiliares: drenagem, concretagem, pintura, topografia, dragagem e montagens industriais – construções para equipamentos industriais. 11:31 20
  • 21. Área de Especialização  Construção Civil  Estruturas e Fundações  Hidráulicas e Recursos Hídricos  Saneamento  Geotecnia ou  Transportes. 11:31 21
  • 22. Principais especializações e funções que podem ser exercidas no decorrer da carreira O aluno deve ter noções de marketing, sociologia e comunicação, para atender às exigências do mercado, o engenheiro civil precisa também de conhecimentos técnicos de hidráulica, eletricidade, telefonia, transporte, entre outros, além de habilidade para administração e gerenciamento. 11:31 22
  • 23. Cursos que dão formação semelhante ou que preparam você para atuar na mesma área Engenharia de Produção Civil: Há muita proximidade entre as duas carreiras. De forma geral, os cursos de Engenharia de Produção (existentes para quase todas as modalidades de Engenharia) surgiram como complementos à formação do engenheiro, com conhecimentos de administração e de economia. Nesse sentido, dirigem-se para a formação do gestor de processos tecnológicos. 11:31 23
  • 24. Oferta de trabalho Na década de 1980 a oferta de vagas era tão baixa que os recém-formados preferiam migrar para o setor financeiro, onde eram mais bem remunerados, hoje o aquecimento da Construção gera tanta demanda por profissionais qualificados que os alunos já são contratados antes mesmo de se formar. No entanto, mais do que engenheiros "genéricos", as empresas precisam de especialistas – em gestão, produção, orçamento, coordenação de obras, entre outros. E, com falta de "material humano" de qualidade no mercado, as empresas estão apostando cada vez mais na formação de seus próprios quadros internos. 11:31 24
  • 25. Especialistas mais valorizados  Sustentabilidade é cada vez mais valorizada na construção civil.  Entre outros. 11:31 25
  • 26. Quem emprega Os profissionais podem trabalhar tanto no setor público, com obras públicas nas esferas municipais, estaduais e federais, como no privado, além da possibilidade de seguir a carreira militar. Dentro das Forças Armadas, a maioria das vagas se localiza no Exército, mas também há oportunidades na Marinha e na Aeronáutica. 11:31 26
  • 27. Onde estão as melhores oportunidades de emprego  Porto Velho/RONDÔNIA Um engenheiro civil em Porto Velho tem salário de até 6000 reais mais benefícios. A média nacional é de 4500 reais. 11:31 27
  • 28. Salário médio inicial (remuneração média do recém-formado)  Salário inicial: R$ 1.900,00 11:31 28