ESCOLA ESTADUAL “MHS SANTA RITA PB” 
A ESCRAVIDÃO AFRICANA 
NO BRASIL COLONIAL 
Professor: ELLINGTON ALEXANDRE
CONTEXTO HISTÓRICO 
• Ao longo de mais de trezentos anos (1559- 
1888), os escravos negros foram responsáveis 
pela produç...
O Comércio de Escravos Negros 
• Na África, os escravos eram adquiridos por 
traficantes a preços baixos e revendido a pre...
A captura dos escravos 
• No início, os comerciantes 
portugueses capturavam os 
africanos. 
• Mais tarde os chefes africa...
ROTAS DOS ESCRAVOS PARA O BRASIL
• Não existe um número exato, mas estima-se 
que entre 1531 a 1855 cerca de 4 milhões de 
africanos desembarcaram no Brasi...
Transporte: navios negreiros
ORIGEM DOS ESCRAVOS 
• A maioria dos africanos trazidos à colônia 
portuguesa como escravos pertencia a dois 
grandes grup...
Os escravos que vinham para o Brasil 
eram de várias etnias. Vejamos:
O DIA-A-DIA DOS ESCRAVOS 
• Moravam em habitações coletivas, as senzalas coberta 
com sapé e feita de madeira e barro, qua...
Os castigos físicos 
Os principais castigos físicos sofridos pelos escravos 
eram: 
o Tronco – Os escravos ficavam presos ...
INSTRUMENTOS DE TORTURA
ANÚNCIOS DE ESCRAVOS
DISTINÇÕES ENTRE OS ESCRAVOS 
Boçais: escravos recém chegados da África, que 
desconheciam a língua portuguesa e o trabal...
• Devido o excesso de trabalho, a má alimentação, 
as péssimas condições de higiene e os castigos 
físicos que sofriam det...
Os escravos trabalhavam...
A RESISTÊNCIA 
• As principais formas eram: 
1. Empreendiam fugas para os quilombos; 
2. Adoeciam (banzo); 
3. Suicídio; 
...
OS QUILOMBOS 
 Grande parte do escravos negros fugitivos reuniram-se em 
comunidades chamadas de quilombos. 
 A maior pa...
• Cultivavam milho, feijão, cana-de-açúcar, 
mandioca e realizavam comércio com os povoados 
próximos. 
• Palmares represe...
Localização do Quilombo de Palmares
Domingos Jorge Velho
DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA 
• A memória de Zumbi permaneceu viva como símbolo 
de resistência negra à violência da escravidã...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
• Novo Olhar – História = Marco Pellegrini 
• História Global – Gilberto Cotrin 
• História – ...
OBRIGADA PELA ATENÇÃO E ATÉ A 
PRÓXIMA!!!
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escravidão africana no brasil

501 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Escravidão africana no brasil

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL “MHS SANTA RITA PB” A ESCRAVIDÃO AFRICANA NO BRASIL COLONIAL Professor: ELLINGTON ALEXANDRE
  2. 2. CONTEXTO HISTÓRICO • Ao longo de mais de trezentos anos (1559- 1888), os escravos negros foram responsáveis pela produção de boa parte das riquezas no Brasil, no qual milhões de africanos foram tirados de suas terras para uma viagem na qual aproximadamente a metade morria de fome, doenças e maus-tratos, ou, já em terras americanas de banzo .
  3. 3. O Comércio de Escravos Negros • Na África, os escravos eram adquiridos por traficantes a preços baixos e revendido a preços altos na América. • O tabaco, a aguardente, ouro, marfim, tecidos, cavalos, armas e outros produtos serviam de moeda de troca. • Quando chegavam à América portuguesa, os escravos eram colocados à venda em mercados. • Ficavam a mostra em exposição sendo tratados como mercadorias.
  4. 4. A captura dos escravos • No início, os comerciantes portugueses capturavam os africanos. • Mais tarde os chefes africanos passaram a organizar as incursões ao interior, atacando aldeias, preparando emboscadas para conseguirem cativos para venderem nas feitorias no litoral para esperar o embarque.
  5. 5. ROTAS DOS ESCRAVOS PARA O BRASIL
  6. 6. • Não existe um número exato, mas estima-se que entre 1531 a 1855 cerca de 4 milhões de africanos desembarcaram no Brasil. • A travessia para o Recife durava em média 35 dias, para a Bahia 40 dias e para o Rio de Janeiro 60 dias. • Em razão das péssimas condições de viagem, inclusive acorrentados nos porões dos navios, o índice de mortalidade era alto, por isso os navios que transportavam os negros ficaram conhecidos como tumbeiros.
  7. 7. Transporte: navios negreiros
  8. 8. ORIGEM DOS ESCRAVOS • A maioria dos africanos trazidos à colônia portuguesa como escravos pertencia a dois grandes grupos étnicos: 01. os bantos , originários de Angola, Moçambique e Congo, e que se tornaram mais numerosos no centro-sul e no Nordeste; 02. os sudaneses , provenientes da Guiné, da Nigéria e da Costa do Ouro, e que foram levados principalmente para a região da Bahia.
  9. 9. Os escravos que vinham para o Brasil eram de várias etnias. Vejamos:
  10. 10. O DIA-A-DIA DOS ESCRAVOS • Moravam em habitações coletivas, as senzalas coberta com sapé e feita de madeira e barro, quase sempre sem privacidade. • Os escravos começavam o trabalho ao raiar o dia e só paravam ao escurecer. • Seu principal alimento era a mandioca. • Os escravos viviam e trabalhavam vigiados por capatazes e feitores. • Quando fugiam, eram perseguidos pelos capitães-do-mato, que recebiam certa quantia por cada escravo que era capturado e devolvido ao senhor.
  11. 11. Os castigos físicos Os principais castigos físicos sofridos pelos escravos eram: o Tronco – Os escravos ficavam presos imobilizados por horas e as vezes dias, o que provocava inchaço das pernas, formigamento e forte dores; o Bacalhau – Espécie de chicote de couro cru, que rasgava a pele; muitas vezes os feitores passavam sal nos ferimentos, tornando a dor ainda maior; o Vira-mundo – Instrumento de ferro que prendia mãos e pés; o Gargalheira – Colar de ferro com várias hastes em forma de gancho.
  12. 12. INSTRUMENTOS DE TORTURA
  13. 13. ANÚNCIOS DE ESCRAVOS
  14. 14. DISTINÇÕES ENTRE OS ESCRAVOS Boçais: escravos recém chegados da África, que desconheciam a língua portuguesa e o trabalho na colônia, eram mais baratos. Ladinos: entendia a língua portuguesa e já havia aprendido a rotina de trabalho, eram mais caros. Negros do eito: trabalhavam nas lavouras em média 15 horas por dia, viviam sob a fiscalização do feitor, e quando desobedeciam eram castigados em público para servir de exemplo aos outros. Negros de ganho: realizavam trabalhos temporários nas cidades em troca de pagamento, que era revertido parcial ou totalmente aos seus donos.
  15. 15. • Devido o excesso de trabalho, a má alimentação, as péssimas condições de higiene e os castigos físicos que sofriam deterioravam rapidamente a saúde dos escravos. • A vida útil do escravo era de 5 a 10 anos de trabalho. • Já os escravos domésticos, escolhidos entre os mais bonitos, dóceis e confiáveis, recebiam roupas melhores, alimentação mais adequada e certos cuidados, viviam mais tempo.
  16. 16. Os escravos trabalhavam...
  17. 17. A RESISTÊNCIA • As principais formas eram: 1. Empreendiam fugas para os quilombos; 2. Adoeciam (banzo); 3. Suicídio; 4. As mulheres provocavam abortos; 5. Assassinavam feitores, patrões. 6. Colocavam fogo no canavial; 7. Quebravam máquinas do engenho, etc.
  18. 18. OS QUILOMBOS  Grande parte do escravos negros fugitivos reuniram-se em comunidades chamadas de quilombos.  A maior parte dos quilombos organizaram-se no Nordeste (Sergipe, Alagoas e Bahia).  Os habitantes do quilombos eram chamados de quilombolas.  Dentre os quilombos mais conhecidos, destacam-se os da Serra da Barriga, região situada entre os atuais estados de Alagoas e Pernambuco.  Eram cerca de dez quilombos, unidos sob o nome de Palmares, que resistiram durante quase todo o século XVII aos ataques do governo e dos senhores de escravos.  Palmares chegou a ter entre 20 mil e 30 mil habitantes e seu líder mais importante foi Zumbi.
  19. 19. • Cultivavam milho, feijão, cana-de-açúcar, mandioca e realizavam comércio com os povoados próximos. • Palmares representava uma ameaça para os senhores de engenho e juntamente com o governo contrataram Domingos Jorge Velho, um bandeirante paulista para atacar e destruir o quilombo em 1692. • Os quilombolas resistiram bravamente, mas diante de 6 mil homens, foram derrotados. • Zumbi conseguiu fugir, mas foi morto em 1695, cortaram-lhe a cabeça que foi exposta em praça pública, na cidade do Recife.
  20. 20. Localização do Quilombo de Palmares
  21. 21. Domingos Jorge Velho
  22. 22. DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA • A memória de Zumbi permaneceu viva como símbolo de resistência negra à violência da escravidão. • O dia de sua morte, 20 de novembro, é lembrado atualmente como o Dia da Consciência Negra. • Do passado ao presente a luta contínua dos movimentos negros tem lhes propiciado algumas conquistas sociais, entre elas citamos:  o reconhecimento do direito dos descendentes de quilombolas às terras dos antigos quilombos.  A definição do racismo como crime inafiançável e imprescritível (punição penal)
  23. 23. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Novo Olhar – História = Marco Pellegrini • História Global – Gilberto Cotrin • História – projeto Araribá • História e Vida Integrada _ Nelson Piletti e Claudino Piletti • WWW. Wikipédia.com.br • www.infoescola.com
  24. 24. OBRIGADA PELA ATENÇÃO E ATÉ A PRÓXIMA!!!

×