SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Leitura
AutopsicografiaFernando Pessoa O poeta é um fingidor.Finge tão completamenteQue chega a fingir que é dorA dor que deveras sente. 	E os que lêem o que escreve,Na dor lida sentem bem,Não as duas que ele teve,Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de rodaGira, a entreter a razão,Esse comboio de cordaQue se chama coração.
	"Tudo o que vemos esconde outra coisa, e nós queremos sempre ver o que está escondido pelo que vemos.” 			Magritte
  UFBA 2009
TRILHOS URBANOSCaetano Veloso O melhor o tempo esconde, longe, muito longe Mas bem dentro aqui, quando o bonde dava a volta ali No cais de Araújo Pinho, tamarindeirinho Nunca me esqueci onde o imperador fez xixi Cana doce Santo Amaro, gosto muito raro Trago em mim por ti, e uma estrela sempre a luzir Bonde da Trilhos Urbanos vão passando os anos E eu não te perdi, meu trabalho é te traduzir Rua da Matriz ao Conde no trole ou no bonde Tudo é bom de vê, seu Popó do Maculelê Mas aquela curva aberta, aquela coisa certa Não dá prá entender o Apolo e o rio Subaé Pena de Pavão de Krishna, maravilha, vixe Maria Mãe de Deus, será que esses olhos são meus? Cinema transcendental, Trilhos Urbanos Gal cantando o Balancê Como eu sei lembrar de você
	Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que  o presente lhe oferece. (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada.
	Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que o presente lhe oferece.  (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (tempo/longe, dentro/quando) (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (passivo) (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (versos 2 e 5) (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (É o inverso) (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada. (verso 7 – artigo “a”)
AS VITRINESChico Buarque de Holanda Eu te vejo sair por aí Te avisei que a cidade era um vão -Dá tua mão -Olha pra mim -Não faz assim -Não vai lá não Os letreiros a te colorir Embaraçam a minha visão Eu te vi suspirar de aflição E sair da sessão, frouxa de rir Já te vejo brincando, gostando de ser Tua sombra a se multiplicar Nos teus olhos também posso ver As vitrines te vendo passar Na galeria, cada clarão É como um dia depois de outro dia Abrindo um salão Passas em exposição Passas sem ver teu vigia Catando a poesia Que entornas no chão
A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta.
A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (1ª estrofe) (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (1ª estrofe) (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (inferência a partir do signo) (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (versos 14 e 18) (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta. (idem 16)
Cajuína Caetano Veloso 	Existirmos - a que será que se destina? Pois quando tu me deste a rosa pequenina Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina Do menino infeliz não se nos ilumina Tampouco turva-se a lágrima nordestina Apenas a matéria vida era tão fina E éramos olharmo-nos, intacta retina: A cajuína cristalina em Teresina
Aquele AbraçoGilberto Gil 	O Rio de Janeiro Continua lindoO Rio de Janeiro Continua sendoO Rio de Janeiro Fevereiro e março... 	Alô, alô, RealengoAquele Abraço!Alô torcida do FlamengoAquele abraço!...(2x) 	Chacrinha continuaBalançando a pançaE buzinando a moçaE comandando a massaE continua dandoAs ordens no terreiro... 	Alô, alô, seu ChacrinhaVelho guerreiroAlô, alô, TerezinhaRio de JaneiroAlô, alô, seu ChacrinhaVelho palhaço 	Alô, alô, TerezinhaAquele Abraço!... 	Alô moça da favelaAquele Abraço!Todo mundo da PortelaAquele Abraço!Todo mês de fevereiroAquele passo!Alô Banda de IpanemaAquele Abraço!... 	Meu caminho pelo mundoEu mesmo traçoA Bahia já me deu Régua e compassoQuem sabe de mim sou euAquele Abraço!Prá você que meu esqueceuAquele Abraço!Alô Rio de JaneiroAquele Abraço!Todo o povo brasileiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
timtim100
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
CrisBiagio
 
João Cabral de Melo Neto 3º B
João Cabral de Melo Neto 3º BJoão Cabral de Melo Neto 3º B
João Cabral de Melo Neto 3º B
cvp
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Joana Azevedo
 
Parnasianismo 2014 power point atual
Parnasianismo 2014   power point atualParnasianismo 2014   power point atual
Parnasianismo 2014 power point atual
Gustavo Cuin
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
sin3stesia
 
Brenda 3° b sem título 1
Brenda 3° b sem título 1Brenda 3° b sem título 1
Brenda 3° b sem título 1
padrecoriolano
 

Mais procurados (20)

Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
 
O quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário VerdeO quotidiano na obra de Cesário Verde
O quotidiano na obra de Cesário Verde
 
8 velhos cocheiros e músicos ambulantes
8   velhos cocheiros e músicos ambulantes8   velhos cocheiros e músicos ambulantes
8 velhos cocheiros e músicos ambulantes
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
João Cabral de Melo Neto 3º B
João Cabral de Melo Neto 3º BJoão Cabral de Melo Neto 3º B
João Cabral de Melo Neto 3º B
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro Alves
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
Parnasianismo 2014 power point atual
Parnasianismo 2014   power point atualParnasianismo 2014   power point atual
Parnasianismo 2014 power point atual
 
Natalia Correia
Natalia CorreiaNatalia Correia
Natalia Correia
 
João cabral
João cabralJoão cabral
João cabral
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
 
O Amor Na Arte
O Amor Na ArteO Amor Na Arte
O Amor Na Arte
 
Livromêsoutubro
LivromêsoutubroLivromêsoutubro
Livromêsoutubro
 
Brenda 3° b sem título 1
Brenda 3° b sem título 1Brenda 3° b sem título 1
Brenda 3° b sem título 1
 
Maìsa Maria
Maìsa MariaMaìsa Maria
Maìsa Maria
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
 

Destaque

Comunicação interpessoal blog
Comunicação interpessoal blogComunicação interpessoal blog
Comunicação interpessoal blog
comunicacaonee
 
AULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMO
AULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMOAULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMO
AULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMO
aulasdejornalismo
 
Evolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação HumanaEvolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação Humana
efa1
 
História da comunicação
História da comunicaçãoHistória da comunicação
História da comunicação
Helena Coutinho
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Slides resumo constance kamii
Slides  resumo constance  kamiiSlides  resumo constance  kamii
Slides resumo constance kamii
repiba
 

Destaque (18)

Jornalismo 2.0
Jornalismo 2.0Jornalismo 2.0
Jornalismo 2.0
 
Aula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca EscolarAula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca Escolar
 
Orientação técnica programa sala de leitura 2016 circuito de juventude
Orientação técnica  programa sala de leitura 2016 circuito de juventudeOrientação técnica  programa sala de leitura 2016 circuito de juventude
Orientação técnica programa sala de leitura 2016 circuito de juventude
 
Comunicação interpessoal blog
Comunicação interpessoal blogComunicação interpessoal blog
Comunicação interpessoal blog
 
Mobilização Programa Sala de Leitura 2016 (Hangout)
Mobilização Programa Sala de Leitura 2016 (Hangout)Mobilização Programa Sala de Leitura 2016 (Hangout)
Mobilização Programa Sala de Leitura 2016 (Hangout)
 
Roteiro Circuito da Juventude 2016
Roteiro Circuito da Juventude 2016Roteiro Circuito da Juventude 2016
Roteiro Circuito da Juventude 2016
 
Apresentação Institucional - TuttoLabs
Apresentação Institucional - TuttoLabsApresentação Institucional - TuttoLabs
Apresentação Institucional - TuttoLabs
 
Memória escolar
Memória escolar Memória escolar
Memória escolar
 
Orientação Técnica de Implantação do Sistema Inforprisma
Orientação Técnica de Implantação do Sistema InforprismaOrientação Técnica de Implantação do Sistema Inforprisma
Orientação Técnica de Implantação do Sistema Inforprisma
 
AULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMO
AULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMOAULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMO
AULA 3 - JORNALISMO NA INTERNET E FASES DO JORNALISMO
 
Gêneros literários 3o
Gêneros literários 3oGêneros literários 3o
Gêneros literários 3o
 
Evolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação HumanaEvolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação Humana
 
História da comunicação
História da comunicaçãoHistória da comunicação
História da comunicação
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Slides resumo constance kamii
Slides  resumo constance  kamiiSlides  resumo constance  kamii
Slides resumo constance kamii
 
Bloco ii
Bloco iiBloco ii
Bloco ii
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Semelhante a Leitura 2011

_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
DiogoMorais45
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
luisprista
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
Seduc/AM
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161
luisprista
 
Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2
Sergio Proença
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
Érika Lúcia
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
luisprista
 

Semelhante a Leitura 2011 (20)

[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
_O sentimento dum ocidental__ visão global.pptx
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Abilio
AbilioAbilio
Abilio
 
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
 
Dalton Trevisan à queima-roupa, ensaio da professora Berta Waldman, que lecio...
Dalton Trevisan à queima-roupa, ensaio da professora Berta Waldman, que lecio...Dalton Trevisan à queima-roupa, ensaio da professora Berta Waldman, que lecio...
Dalton Trevisan à queima-roupa, ensaio da professora Berta Waldman, que lecio...
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 160-161
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Navio Negreiro Castro Alves
Navio Negreiro   Castro AlvesNavio Negreiro   Castro Alves
Navio Negreiro Castro Alves
 
Simbolismo[1]
Simbolismo[1]Simbolismo[1]
Simbolismo[1]
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
 
Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2Exercícios especiais literatura 2
Exercícios especiais literatura 2
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
 

Mais de Andre Guerra

Mais de Andre Guerra (20)

Barroco I guia
Barroco I guiaBarroco I guia
Barroco I guia
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
 
Capitães da Areia
Capitães da AreiaCapitães da Areia
Capitães da Areia
 
Morangos mofados
Morangos mofadosMorangos mofados
Morangos mofados
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Invenção de orfeu
Invenção de orfeuInvenção de orfeu
Invenção de orfeu
 
As vítimas algozes
As vítimas algozesAs vítimas algozes
As vítimas algozes
 
Cadernos negros
Cadernos negrosCadernos negros
Cadernos negros
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
História da arte 1
História da arte 1História da arte 1
História da arte 1
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Gerações poéticas
Gerações poéticasGerações poéticas
Gerações poéticas
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Leitura 2011

  • 2.
  • 3. AutopsicografiaFernando Pessoa O poeta é um fingidor.Finge tão completamenteQue chega a fingir que é dorA dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve,Na dor lida sentem bem,Não as duas que ele teve,Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de rodaGira, a entreter a razão,Esse comboio de cordaQue se chama coração.
  • 4. "Tudo o que vemos esconde outra coisa, e nós queremos sempre ver o que está escondido pelo que vemos.” Magritte
  • 5. UFBA 2009
  • 6. TRILHOS URBANOSCaetano Veloso O melhor o tempo esconde, longe, muito longe Mas bem dentro aqui, quando o bonde dava a volta ali No cais de Araújo Pinho, tamarindeirinho Nunca me esqueci onde o imperador fez xixi Cana doce Santo Amaro, gosto muito raro Trago em mim por ti, e uma estrela sempre a luzir Bonde da Trilhos Urbanos vão passando os anos E eu não te perdi, meu trabalho é te traduzir Rua da Matriz ao Conde no trole ou no bonde Tudo é bom de vê, seu Popó do Maculelê Mas aquela curva aberta, aquela coisa certa Não dá prá entender o Apolo e o rio Subaé Pena de Pavão de Krishna, maravilha, vixe Maria Mãe de Deus, será que esses olhos são meus? Cinema transcendental, Trilhos Urbanos Gal cantando o Balancê Como eu sei lembrar de você
  • 7. Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que o presente lhe oferece. (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada.
  • 8. Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que o presente lhe oferece. (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (tempo/longe, dentro/quando) (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (passivo) (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (versos 2 e 5) (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (É o inverso) (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada. (verso 7 – artigo “a”)
  • 9. AS VITRINESChico Buarque de Holanda Eu te vejo sair por aí Te avisei que a cidade era um vão -Dá tua mão -Olha pra mim -Não faz assim -Não vai lá não Os letreiros a te colorir Embaraçam a minha visão Eu te vi suspirar de aflição E sair da sessão, frouxa de rir Já te vejo brincando, gostando de ser Tua sombra a se multiplicar Nos teus olhos também posso ver As vitrines te vendo passar Na galeria, cada clarão É como um dia depois de outro dia Abrindo um salão Passas em exposição Passas sem ver teu vigia Catando a poesia Que entornas no chão
  • 10. A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta.
  • 11. A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (1ª estrofe) (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (1ª estrofe) (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (inferência a partir do signo) (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (versos 14 e 18) (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta. (idem 16)
  • 12. Cajuína Caetano Veloso Existirmos - a que será que se destina? Pois quando tu me deste a rosa pequenina Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina Do menino infeliz não se nos ilumina Tampouco turva-se a lágrima nordestina Apenas a matéria vida era tão fina E éramos olharmo-nos, intacta retina: A cajuína cristalina em Teresina
  • 13. Aquele AbraçoGilberto Gil O Rio de Janeiro Continua lindoO Rio de Janeiro Continua sendoO Rio de Janeiro Fevereiro e março... Alô, alô, RealengoAquele Abraço!Alô torcida do FlamengoAquele abraço!...(2x) Chacrinha continuaBalançando a pançaE buzinando a moçaE comandando a massaE continua dandoAs ordens no terreiro... Alô, alô, seu ChacrinhaVelho guerreiroAlô, alô, TerezinhaRio de JaneiroAlô, alô, seu ChacrinhaVelho palhaço Alô, alô, TerezinhaAquele Abraço!... Alô moça da favelaAquele Abraço!Todo mundo da PortelaAquele Abraço!Todo mês de fevereiroAquele passo!Alô Banda de IpanemaAquele Abraço!... Meu caminho pelo mundoEu mesmo traçoA Bahia já me deu Régua e compassoQuem sabe de mim sou euAquele Abraço!Prá você que meu esqueceuAquele Abraço!Alô Rio de JaneiroAquele Abraço!Todo o povo brasileiro