SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
"Não há um só homem de coração bem formado que não se sinta confrangido ao contemplar o doloroso quadro oferecido pelas sociedades atuais com sua moral mercantil e egoísta" (Euclides da Cunha)
							CANUDOS 	CANGAÇO 				BORRACHA 									VACINA 						CHIBATA 	CAFÉ-COM LEITE 							PADRE CÍCERO 			IMIGRAÇÃO 	GREVE 				1ª GUERRA MUNDIAL PRÉ-MODERNISMO
	“Creio que se pode chamar pré-modernista (no sentido forte de premonição dos temas vivos em 22) tudo o que, nas primeiras décadas do século, problematiza a nossa realidade social e cultural.” (Alfredo Bosi – História Concisa da Literatura Brasileira)
Obras de referência Os Sertões – Euclides da Cunha Triste Fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto Canaã – Graça Aranha Urupês – Monteiro Lobato
“O Sertanejo é, antes de tudo, um forte.” (Euclides da Cunha)
Asa BrancaLuiz Gonzaga / Humberto Teixeira Quando oiei a terra ardendoQual a fogueira de São JoãoEu preguntei a Deus do céu,aiPor que tamanha judiação Que braseiro, que fornaiaNem um pé de prantaçãoPor farta d'água perdi meu gadoMorreu de sede meu alazão Inté mesmo a asa brancaBateu asas do sertão"Intonce" eu disse adeus Rosinha Guarda contigo meu coração Hoje longe muitas léguaNuma triste solidãoEspero a chuva cair de novoPra mim vortar pro meu sertão Quando o verde dos teus óioSe espaiá na prantaçãoEu te asseguro não chore não, viuQue eu vortarei, viuMeu coração
A volta da asa brancaLuíz Gonzaga Já faz três noites Que pro norte relampeia A asa branca Ouvindo o ronco do trovão Já bateu asas E voltou pro meu sertão Ai, ai eu vou me embora Vou cuidar da prantação A seca fez eu desertar da minha terra Mas felizmente Deus agora se alembrouDe mandar chuva Pr'esse sertão sofredor Sertão das muié séria Dos homes trabaiador Rios correndo As cachoeira tão zoando Terra moiadaMato verde, que riqueza E a asa branca Tarde canta, que beleza Ai, ai, o povo alegre Mais alegre a natureza  Sentindo a chuva Eu me arrescordo de Rosinha A linda flor Do meu sertão pernambucano E se a safra Não atrapaiá meus pranosQue que há, o seu vigário Vou casar no fim do ano.
Lima Barreto Vítima do Preconceito Racial Rejeição ao eruditismo da elite literária, à falsa ciência e à hipocrisia Dos pré-modernistas o mais próximo do modernismo respeita códigos literários antigos (principalmente o Naturalismo, conforme anteriormente apontado), mas já apresenta uma linguagem nova
O Autor Na sua obra, sempre explora temas ligados à sua própria vida, como o preconceito da sociedade para com os mestiços e pobres
O UNIVERSO SUBURBANO Ao oposto de Machado de Assis, que saído do Morro do Livramento procuraria os bairros da classe média e abastada, este homem, nascido nas Laranjeiras, que se distinguiu nos estudos de Humanidades e nos concursos, que um dia sonhou tornar-se engenheiro, que no fim da vida ainda se gabava de saber geometria contra os que o acusavam de não saber escrever bem, procurou deliberadamente a feiúra e a tristeza dos bairros pobres, o avesso das aparências brancas e burguesas, o avesso de Botafogo e de Petrópolis. 						Sérgio Buarque de Holanda
Triste fim de Policarpo Quaresma(Lima Barreto)
Major Quaresma NACIONALISMOexacerbado do e FRUSTRAÇÃOao conhecer a triste realidade brasileira Dom Quixote nacional, otimista incurável, visionário, paladino da justiça, expressando na sua ingenuidade a doçura e o calor humano do homem do povo.
Momento Histórico Primeira República - governo de Floriano Peixoto (1891 - 1894) Revolta da Armada 		(1892)
Primeira parte   Retrata o burocrata exemplar, patriota e nacionalista extremado, interessado pelas coisas do Brasil: a música, o folclore e o tupi-guarani. Pede que o tupi-guarani torne-se a língua oficial brasileira. Vira chacota e é  internado num hospício
Segunda parte  	Quaresma, desiludido com as incompreensões, vai para o campo (sítio do Sossego) onde se empenha na reforma da agricultura brasileira Seu plano fracassa por três motivos: o clientelismo hipócrita dos políticos a deficiente estrutura agrária brasileira  a voracidade dos imbatíveis exércitos de saúvas
Terceira parte  Motivado pela Revolta da Armada, Quaresma apóia Floriano Peixoto e, aos poucos, percebe a tirania do "Marechal de Ferro". Enfim, a revolta é sufocada. Quaresma é transferido para a Ilha das Enxadas, como carcereiro Um juiz aparece por lá e distribui as condenações aleatoriamente. Chocado, escreve uma carta para o presidente, pedindo a reparação de tal erro. Foi mal interpretado, preso e condenado à morte por traição.
A IRONIA O único personagem que se preocupou com o seu país foi considerado traidor, enquanto outros, que se aproveitaram no conflito para conseguir vantagens políticas, como Armando Borges, Genelício e Bustamante, saíram-se vitoriosos. No final, tal qual Dom Quixote, Quaresma acorda, recobra a razão. Percebe que a pátria, por que sempre lutara, era uma ilusão, nunca existira. Num momento pungente, tocante, descobre que passara toda a sua vida numa inutilidade.
Clara dos Anjos 	Concluído em 1922, ano da morte de Lima Barreto, o romance Clara dos Anjos é uma denúncia áspera do preconceito racial e social, vivenciado por uma jovem mulher do subúrbio carioca.
Elemento Marginalizado Negros e Mulatos
O Preconceito Racial Principal alvo das ácidas críticas de Lima Barreto Personificado no sofrimento de Clara e sua família
	A carne mais barata do mercado é a carne negraQue vai de graça pro presídioE para debaixo do plásticoQue vai de graça pro subempregoE pros hospitais psiquiátricosA carne mais barata do mercado é a carne negraQue fez e faz história pra caralhoSegurando esse país no braço, meu irmão.O gado aqui não se sente revoltadoPorque o revólver já está 	engatilhadoE o vingador é lento,  	mas muito  	bem intencionadoEsse país vai deixando  	todo mundo pretoE o cabelo esticadoE mesmo assim, ainda  	guardo o direitoDe algum antepassado  	da corBrigar por justiça 	e por respeito A carne(Farofa Carioca) Literato Professor André Guerra
Cassi Jones 	Clara
Determinismo em Clara dos Anjos Influência do Realismo-Naturalismo Lima Barreto, em Clara dos Anjos defende a tese de que, haja vista o preconceito racial que sofrem, as mulheres mulatas estão condenadas à desonra.
Poesia Pré-Modernista Augusto dos Anjos
O pessimismo de Augusto dos Anjos Uniu poesia e ciência, usando um vocabulário cientificista Renovação da Poesia Tudo caminha para a morte, a destruição, a decomposição, o mal e o nada
Para Augusto dos Anjos... AMOR: união de células em volúpia SER HUMANO: Ceia final de vermes
	OS EXCLUÍDOS DA SOCIEDADE
Trechos de “Os Doentes” 	“A civilização entrou na taba Em que ele estava. O gênio de Colombo Manchou de opróbrios a alma do mazombo, Cuspiu na cova do morubixaba!” “E o índio, por fim, adstricto à étnica escória, Recebeu, tendo o horror no rosto impresso, Esse achincalhamento do progresso Que o anulava na crítica da História! ““E sentia-se pior que um vagabundo Microcéfalo vil que a espécie encerra Desterrado na sua própria terra, Diminuído na crônica do mundo!”
Psicologia de um vencido
Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênesis da infância, A influência má dos signos do zodíaco.   Profundíssimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância... Sobe-me à boca uma ânsia, análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco.   Já o verme – este operário das ruínas –  Que o sangue podre das carnificinas Come, e à vida em geral declara guerra,   Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
O PulsoArnaldo Antunes 	Úlcera,  	tromboseCoqueluche,  	hipocondria 	Sífilis, ciúmesAsma,  	cleptomania 	E o corpo  	ainda é poucoReumatismo, raquitismoCistite, disritmiaHérnia, pediculoseTétano, hipocrisiaBrucelose, febre tifóideArteriosclerose, miopiaCatapora, culpa, cárieCâimba, lepra, afasia... 	O pulso ainda pulsaO pulso ainda pulsa... 	Peste bubônicaCâncer, pneumoniaRaiva, rubéolaTuberculose e anemiaRancor, cisticircoseCaxumba, difteriaEncefalite, faringiteGripe e leucemia... 	E o pulso ainda pulsaE o pulso ainda pulsa 	Hepatite, escarlatinaEstupidez, paralisiaToxoplasmose, sarampoEsquizofrenia
O poeta... Original Do mau gosto Dos vermes Da podridão
Versos íntimos
 Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão – esta pantera –  Foi sua companheira inseparável!   Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja.   Se a alguém causa ainda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
Bichos EscrotosTitãs Bichos!Saiam dos lixosBaratas!Me deixem ver suas patasRatos!Entrem nos sapatosDo cidadão civilizado... Pulgas!Que habitam minhas rugasOnçinha pintadaZebrinha listradaCoelhinho peludoVão se fuder!Porque aquiNa face da terraSó bicho escrotoÉ que vai ter... Bichos EscrotosSaiam dos esgotosBichos EscrotosVenham enfeitarMeu lar!Meu jantar!Meu nobre paladar!...
Monteiro Lobato(1882-1948) Infância  Petróleo  Crítica  Literatura  Progresso
Principais Obras Cidades Mortas (crise no vale do Paraíba) Urupês (O problema do Caboclo) Negrinha (Racismo pós-abolição)
Os Problemas Sociais e  Os Marginalizados 	o trabalho do menor, o parasitismo da burocracia, a violência contra negros, imigrantes e mulheres, a empáfia dos que mandam, o crescimento desordenado das cidades, a degradação progressiva da vida interiorana; o surto de modernidade autofágicaque desemboca na crise de 30.
Linguagem Simples, arejada, moderna Antecipa o Modernismo, já que não apresenta o rebuscamento vigente Na descrição das personagens Lobato utiliza técnicas expressionistas que as deformam
URUPÊS1918 Denuncia os problemas do vale do Paraíba (São Paulo) após o declínio do café.  Retrata a vida da população miserável, que abandona as pequenas cidades em busca de alternativas
O Determinismo e o Jeca Tatu 	De acordo com Lobato, a mistura de raças gera um tipo fraco, indolente, preguiçoso, passivo:  Sua religião são primitivas formas de superstição e magia.  Sua medicina é rala. Sua política é inexistente. Não tem senso estético (até o homem das cavernas tinha)  Colhe o que a natureza oferece.  É o protótipo do que é atrasado no país.
Trechos para análise 	“Porque a verdade nua manda dizer que entre as raças de variado matiz, formadoras da nacionalidade e metidas entre o estrangeiro recente e o aborígene de tabuinha no beiço, uma existe a vegetar de cócoras, incapaz de evolução, impenetrável ao progresso. Feia e sorna, nada a põe de pé.”
“Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade!” “Sua casa de sapé e lama faz sorrir aos bichos que moram em toca e gargalhar ao joão-de-barro.” Trechos para análise
Trechos para análise 	“No meio da natureza brasílica, tão rica de formas e cores, onde os ipês floridos derramam feitiços no ambiente (...); onde há abelhas de sol, esmeraldas vivas, cigarras, sabiás, luz, cor, perfume, (...) o caboclo é o sombrio urupê de pau podre a modorrar silencioso no recesso das grotas. 	Só ele não fala, não canta, não ri, não ama. 	Só ele, no meio da tanta vida, não vive…”
Em 1947, com Zé Brasil, re-encarnação politizada do velho Jeca Tatu, Lobato faz sua auto crítica : atribui aqui a precária situação do camponês brasileiro à estrutura econômica brasileira e não mais à preguiça ou falta de saúde. Esta obra, censurada e apreendida, assim que foi publicada, é documento sugestivo de um temporário alinhamento de Monteiro Lobato com o Partido Comunista Brasileiro.
Negrinha 		“Ótima, a dona Inácia. 		Mas não admitia choro de criança. Ai! Punha-lhe os nervos em carne viva. Viúva sem filhos, não a calejara o choro da carne de sua carne, e por isso não suportava o choro da carne alheia. Assim, mal vagia, longe, na cozinha, a triste criança, gritava logo nervosa: 		— Quem é a peste que está chorando aí? 		Quem havia de ser? A pia de lavar pratos? O pilão? O forno? A mãe da criminosa abafava a boquinha da filha e afastava-se com ela para os fundos do quintal, torcendo-lhe em caminho beliscões de desespero. 		— Cale a boca, diabo!
		No entanto, aquele choro nunca vinha sem razão. Fome quase sempre, ou frio, desses que entanguem pés e mãos e fazem-nos doer... 		Assim cresceu Negrinha — magra, atrofiada, com os olhos eternamente assustados. Órfã aos quatro anos, por ali ficou feito gato sem dono, levada a pontapés. Não compreendia a idéia dos grandes. Batiam-lhe sempre, por ação ou omissão. A mesma coisa, o mesmo ato, a mesma palavra provocava ora risadas, ora castigos.”
Lobato e as Crianças Produziu durante toda sua carreira literária 26 títulos destinados ao público infantil. É um dos mais importantes escritores da literatura infanto-juvenil da América Latina e também do mundo.
Sítio do Pica-Pau AmareloGilberto Gil Marmelada de banana,  	bananada de goiabaGoiabada de marmeloSítio do Pica-Pau amareloSítio do Pica-Pau amarelo 	Boneca de pano é gente,  	sabugo de milho é genteO sol nascente é tão beloRios de prata, pirataVôo sideral na mata,  	universo paralelo 	No país da fantasia, num estado de euforiaCidade polichineloSítio do Pica-Pau amarelo
Graça Aranha “Se a academia não se renova, então morra a Academia” Fundador da ABL Diplomata, trouxe da Europa, inovações estéticas Fundamental para a semana de Arte Moderna
Canaã Imigrantes alemães no Espírito Santo,  Conflitos decorrentes desta colonização Correntes de pensamento sobre a colonização Teses racionalistas e descrições naturalistas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Pré- Modernismo
Pré- ModernismoPré- Modernismo
Pré- Modernismo
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Revisando o pré modernismo
Revisando o pré modernismoRevisando o pré modernismo
Revisando o pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da hora
 
Zé ramalho
Zé ramalhoZé ramalho
Zé ramalho
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Pre modernismo e modernismo
Pre modernismo e modernismoPre modernismo e modernismo
Pre modernismo e modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 

Semelhante a Pré modernismo

Pré modernismo on line
Pré modernismo on linePré modernismo on line
Pré modernismo on lineandreguerra
 
Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasKarin Cristine
 
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdfRealismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdfCyntiaJorge
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxDAYNARASANTOS3
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geraçãoVilmar Vilaça
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.estevaofernandes
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSusana Frikh
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxGANHADODINHEIRO
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completoJerônimo Ferreira
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeAdriana Masson
 

Semelhante a Pré modernismo (20)

Pré modernismo on line
Pré modernismo on linePré modernismo on line
Pré modernismo on line
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
 
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdfRealismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
 
Cópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptxCópia de naturalismo ok.pptx
Cópia de naturalismo ok.pptx
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
português%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptxportuguês%20trabalho.pptx
português%20trabalho.pptx
 
O Cortiço.ppt
O Cortiço.pptO Cortiço.ppt
O Cortiço.ppt
 
Barroco 2011
Barroco 2011Barroco 2011
Barroco 2011
 
Romantismo no brasil segunda geração
Romantismo no brasil   segunda geraçãoRomantismo no brasil   segunda geração
Romantismo no brasil segunda geração
 
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Pre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclidesPre modernismo.lima&euclides
Pre modernismo.lima&euclides
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
JUMP
JUMPJUMP
JUMP
 
O sentimento do mundo completo
O sentimento do mundo   completoO sentimento do mundo   completo
O sentimento do mundo completo
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 

Mais de Andre Guerra

Mais de Andre Guerra (20)

Barroco I guia
Barroco I guiaBarroco I guia
Barroco I guia
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
 
Capitães da Areia
Capitães da AreiaCapitães da Areia
Capitães da Areia
 
Morangos mofados
Morangos mofadosMorangos mofados
Morangos mofados
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Invenção de orfeu
Invenção de orfeuInvenção de orfeu
Invenção de orfeu
 
As vítimas algozes
As vítimas algozesAs vítimas algozes
As vítimas algozes
 
Cadernos negros
Cadernos negrosCadernos negros
Cadernos negros
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
História da arte 1
História da arte 1História da arte 1
História da arte 1
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Gerações poéticas
Gerações poéticasGerações poéticas
Gerações poéticas
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 

Último (20)

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 

Pré modernismo

  • 1. "Não há um só homem de coração bem formado que não se sinta confrangido ao contemplar o doloroso quadro oferecido pelas sociedades atuais com sua moral mercantil e egoísta" (Euclides da Cunha)
  • 2. CANUDOS CANGAÇO BORRACHA VACINA CHIBATA CAFÉ-COM LEITE PADRE CÍCERO IMIGRAÇÃO GREVE 1ª GUERRA MUNDIAL PRÉ-MODERNISMO
  • 3. “Creio que se pode chamar pré-modernista (no sentido forte de premonição dos temas vivos em 22) tudo o que, nas primeiras décadas do século, problematiza a nossa realidade social e cultural.” (Alfredo Bosi – História Concisa da Literatura Brasileira)
  • 4. Obras de referência Os Sertões – Euclides da Cunha Triste Fim de Policarpo Quaresma – Lima Barreto Canaã – Graça Aranha Urupês – Monteiro Lobato
  • 5.
  • 6. “O Sertanejo é, antes de tudo, um forte.” (Euclides da Cunha)
  • 7.
  • 8. Asa BrancaLuiz Gonzaga / Humberto Teixeira Quando oiei a terra ardendoQual a fogueira de São JoãoEu preguntei a Deus do céu,aiPor que tamanha judiação Que braseiro, que fornaiaNem um pé de prantaçãoPor farta d'água perdi meu gadoMorreu de sede meu alazão Inté mesmo a asa brancaBateu asas do sertão"Intonce" eu disse adeus Rosinha Guarda contigo meu coração Hoje longe muitas léguaNuma triste solidãoEspero a chuva cair de novoPra mim vortar pro meu sertão Quando o verde dos teus óioSe espaiá na prantaçãoEu te asseguro não chore não, viuQue eu vortarei, viuMeu coração
  • 9. A volta da asa brancaLuíz Gonzaga Já faz três noites Que pro norte relampeia A asa branca Ouvindo o ronco do trovão Já bateu asas E voltou pro meu sertão Ai, ai eu vou me embora Vou cuidar da prantação A seca fez eu desertar da minha terra Mas felizmente Deus agora se alembrouDe mandar chuva Pr'esse sertão sofredor Sertão das muié séria Dos homes trabaiador Rios correndo As cachoeira tão zoando Terra moiadaMato verde, que riqueza E a asa branca Tarde canta, que beleza Ai, ai, o povo alegre Mais alegre a natureza Sentindo a chuva Eu me arrescordo de Rosinha A linda flor Do meu sertão pernambucano E se a safra Não atrapaiá meus pranosQue que há, o seu vigário Vou casar no fim do ano.
  • 10. Lima Barreto Vítima do Preconceito Racial Rejeição ao eruditismo da elite literária, à falsa ciência e à hipocrisia Dos pré-modernistas o mais próximo do modernismo respeita códigos literários antigos (principalmente o Naturalismo, conforme anteriormente apontado), mas já apresenta uma linguagem nova
  • 11. O Autor Na sua obra, sempre explora temas ligados à sua própria vida, como o preconceito da sociedade para com os mestiços e pobres
  • 12. O UNIVERSO SUBURBANO Ao oposto de Machado de Assis, que saído do Morro do Livramento procuraria os bairros da classe média e abastada, este homem, nascido nas Laranjeiras, que se distinguiu nos estudos de Humanidades e nos concursos, que um dia sonhou tornar-se engenheiro, que no fim da vida ainda se gabava de saber geometria contra os que o acusavam de não saber escrever bem, procurou deliberadamente a feiúra e a tristeza dos bairros pobres, o avesso das aparências brancas e burguesas, o avesso de Botafogo e de Petrópolis. Sérgio Buarque de Holanda
  • 13. Triste fim de Policarpo Quaresma(Lima Barreto)
  • 14. Major Quaresma NACIONALISMOexacerbado do e FRUSTRAÇÃOao conhecer a triste realidade brasileira Dom Quixote nacional, otimista incurável, visionário, paladino da justiça, expressando na sua ingenuidade a doçura e o calor humano do homem do povo.
  • 15. Momento Histórico Primeira República - governo de Floriano Peixoto (1891 - 1894) Revolta da Armada (1892)
  • 16. Primeira parte Retrata o burocrata exemplar, patriota e nacionalista extremado, interessado pelas coisas do Brasil: a música, o folclore e o tupi-guarani. Pede que o tupi-guarani torne-se a língua oficial brasileira. Vira chacota e é internado num hospício
  • 17. Segunda parte Quaresma, desiludido com as incompreensões, vai para o campo (sítio do Sossego) onde se empenha na reforma da agricultura brasileira Seu plano fracassa por três motivos: o clientelismo hipócrita dos políticos a deficiente estrutura agrária brasileira a voracidade dos imbatíveis exércitos de saúvas
  • 18. Terceira parte Motivado pela Revolta da Armada, Quaresma apóia Floriano Peixoto e, aos poucos, percebe a tirania do "Marechal de Ferro". Enfim, a revolta é sufocada. Quaresma é transferido para a Ilha das Enxadas, como carcereiro Um juiz aparece por lá e distribui as condenações aleatoriamente. Chocado, escreve uma carta para o presidente, pedindo a reparação de tal erro. Foi mal interpretado, preso e condenado à morte por traição.
  • 19. A IRONIA O único personagem que se preocupou com o seu país foi considerado traidor, enquanto outros, que se aproveitaram no conflito para conseguir vantagens políticas, como Armando Borges, Genelício e Bustamante, saíram-se vitoriosos. No final, tal qual Dom Quixote, Quaresma acorda, recobra a razão. Percebe que a pátria, por que sempre lutara, era uma ilusão, nunca existira. Num momento pungente, tocante, descobre que passara toda a sua vida numa inutilidade.
  • 20. Clara dos Anjos Concluído em 1922, ano da morte de Lima Barreto, o romance Clara dos Anjos é uma denúncia áspera do preconceito racial e social, vivenciado por uma jovem mulher do subúrbio carioca.
  • 22. O Preconceito Racial Principal alvo das ácidas críticas de Lima Barreto Personificado no sofrimento de Clara e sua família
  • 23. A carne mais barata do mercado é a carne negraQue vai de graça pro presídioE para debaixo do plásticoQue vai de graça pro subempregoE pros hospitais psiquiátricosA carne mais barata do mercado é a carne negraQue fez e faz história pra caralhoSegurando esse país no braço, meu irmão.O gado aqui não se sente revoltadoPorque o revólver já está engatilhadoE o vingador é lento, mas muito bem intencionadoEsse país vai deixando todo mundo pretoE o cabelo esticadoE mesmo assim, ainda guardo o direitoDe algum antepassado da corBrigar por justiça e por respeito A carne(Farofa Carioca) Literato Professor André Guerra
  • 25. Determinismo em Clara dos Anjos Influência do Realismo-Naturalismo Lima Barreto, em Clara dos Anjos defende a tese de que, haja vista o preconceito racial que sofrem, as mulheres mulatas estão condenadas à desonra.
  • 27. O pessimismo de Augusto dos Anjos Uniu poesia e ciência, usando um vocabulário cientificista Renovação da Poesia Tudo caminha para a morte, a destruição, a decomposição, o mal e o nada
  • 28. Para Augusto dos Anjos... AMOR: união de células em volúpia SER HUMANO: Ceia final de vermes
  • 29. OS EXCLUÍDOS DA SOCIEDADE
  • 30. Trechos de “Os Doentes” “A civilização entrou na taba Em que ele estava. O gênio de Colombo Manchou de opróbrios a alma do mazombo, Cuspiu na cova do morubixaba!” “E o índio, por fim, adstricto à étnica escória, Recebeu, tendo o horror no rosto impresso, Esse achincalhamento do progresso Que o anulava na crítica da História! ““E sentia-se pior que um vagabundo Microcéfalo vil que a espécie encerra Desterrado na sua própria terra, Diminuído na crônica do mundo!”
  • 31. Psicologia de um vencido
  • 32. Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênesis da infância, A influência má dos signos do zodíaco.   Profundíssimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância... Sobe-me à boca uma ânsia, análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco.   Já o verme – este operário das ruínas – Que o sangue podre das carnificinas Come, e à vida em geral declara guerra,   Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!
  • 33. O PulsoArnaldo Antunes Úlcera, tromboseCoqueluche, hipocondria Sífilis, ciúmesAsma, cleptomania E o corpo ainda é poucoReumatismo, raquitismoCistite, disritmiaHérnia, pediculoseTétano, hipocrisiaBrucelose, febre tifóideArteriosclerose, miopiaCatapora, culpa, cárieCâimba, lepra, afasia... O pulso ainda pulsaO pulso ainda pulsa... Peste bubônicaCâncer, pneumoniaRaiva, rubéolaTuberculose e anemiaRancor, cisticircoseCaxumba, difteriaEncefalite, faringiteGripe e leucemia... E o pulso ainda pulsaE o pulso ainda pulsa Hepatite, escarlatinaEstupidez, paralisiaToxoplasmose, sarampoEsquizofrenia
  • 34. O poeta... Original Do mau gosto Dos vermes Da podridão
  • 36.  Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão – esta pantera – Foi sua companheira inseparável!   Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja.   Se a alguém causa ainda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!
  • 37. Bichos EscrotosTitãs Bichos!Saiam dos lixosBaratas!Me deixem ver suas patasRatos!Entrem nos sapatosDo cidadão civilizado... Pulgas!Que habitam minhas rugasOnçinha pintadaZebrinha listradaCoelhinho peludoVão se fuder!Porque aquiNa face da terraSó bicho escrotoÉ que vai ter... Bichos EscrotosSaiam dos esgotosBichos EscrotosVenham enfeitarMeu lar!Meu jantar!Meu nobre paladar!...
  • 38. Monteiro Lobato(1882-1948) Infância Petróleo Crítica Literatura Progresso
  • 39. Principais Obras Cidades Mortas (crise no vale do Paraíba) Urupês (O problema do Caboclo) Negrinha (Racismo pós-abolição)
  • 40. Os Problemas Sociais e Os Marginalizados o trabalho do menor, o parasitismo da burocracia, a violência contra negros, imigrantes e mulheres, a empáfia dos que mandam, o crescimento desordenado das cidades, a degradação progressiva da vida interiorana; o surto de modernidade autofágicaque desemboca na crise de 30.
  • 41. Linguagem Simples, arejada, moderna Antecipa o Modernismo, já que não apresenta o rebuscamento vigente Na descrição das personagens Lobato utiliza técnicas expressionistas que as deformam
  • 42. URUPÊS1918 Denuncia os problemas do vale do Paraíba (São Paulo) após o declínio do café. Retrata a vida da população miserável, que abandona as pequenas cidades em busca de alternativas
  • 43. O Determinismo e o Jeca Tatu De acordo com Lobato, a mistura de raças gera um tipo fraco, indolente, preguiçoso, passivo: Sua religião são primitivas formas de superstição e magia. Sua medicina é rala. Sua política é inexistente. Não tem senso estético (até o homem das cavernas tinha) Colhe o que a natureza oferece. É o protótipo do que é atrasado no país.
  • 44. Trechos para análise “Porque a verdade nua manda dizer que entre as raças de variado matiz, formadoras da nacionalidade e metidas entre o estrangeiro recente e o aborígene de tabuinha no beiço, uma existe a vegetar de cócoras, incapaz de evolução, impenetrável ao progresso. Feia e sorna, nada a põe de pé.”
  • 45. “Pobre Jeca Tatu! Como és bonito no romance e feio na realidade!” “Sua casa de sapé e lama faz sorrir aos bichos que moram em toca e gargalhar ao joão-de-barro.” Trechos para análise
  • 46. Trechos para análise “No meio da natureza brasílica, tão rica de formas e cores, onde os ipês floridos derramam feitiços no ambiente (...); onde há abelhas de sol, esmeraldas vivas, cigarras, sabiás, luz, cor, perfume, (...) o caboclo é o sombrio urupê de pau podre a modorrar silencioso no recesso das grotas. Só ele não fala, não canta, não ri, não ama. Só ele, no meio da tanta vida, não vive…”
  • 47. Em 1947, com Zé Brasil, re-encarnação politizada do velho Jeca Tatu, Lobato faz sua auto crítica : atribui aqui a precária situação do camponês brasileiro à estrutura econômica brasileira e não mais à preguiça ou falta de saúde. Esta obra, censurada e apreendida, assim que foi publicada, é documento sugestivo de um temporário alinhamento de Monteiro Lobato com o Partido Comunista Brasileiro.
  • 48. Negrinha “Ótima, a dona Inácia. Mas não admitia choro de criança. Ai! Punha-lhe os nervos em carne viva. Viúva sem filhos, não a calejara o choro da carne de sua carne, e por isso não suportava o choro da carne alheia. Assim, mal vagia, longe, na cozinha, a triste criança, gritava logo nervosa: — Quem é a peste que está chorando aí? Quem havia de ser? A pia de lavar pratos? O pilão? O forno? A mãe da criminosa abafava a boquinha da filha e afastava-se com ela para os fundos do quintal, torcendo-lhe em caminho beliscões de desespero. — Cale a boca, diabo!
  • 49. No entanto, aquele choro nunca vinha sem razão. Fome quase sempre, ou frio, desses que entanguem pés e mãos e fazem-nos doer... Assim cresceu Negrinha — magra, atrofiada, com os olhos eternamente assustados. Órfã aos quatro anos, por ali ficou feito gato sem dono, levada a pontapés. Não compreendia a idéia dos grandes. Batiam-lhe sempre, por ação ou omissão. A mesma coisa, o mesmo ato, a mesma palavra provocava ora risadas, ora castigos.”
  • 50. Lobato e as Crianças Produziu durante toda sua carreira literária 26 títulos destinados ao público infantil. É um dos mais importantes escritores da literatura infanto-juvenil da América Latina e também do mundo.
  • 51. Sítio do Pica-Pau AmareloGilberto Gil Marmelada de banana, bananada de goiabaGoiabada de marmeloSítio do Pica-Pau amareloSítio do Pica-Pau amarelo Boneca de pano é gente, sabugo de milho é genteO sol nascente é tão beloRios de prata, pirataVôo sideral na mata, universo paralelo No país da fantasia, num estado de euforiaCidade polichineloSítio do Pica-Pau amarelo
  • 52. Graça Aranha “Se a academia não se renova, então morra a Academia” Fundador da ABL Diplomata, trouxe da Europa, inovações estéticas Fundamental para a semana de Arte Moderna
  • 53. Canaã Imigrantes alemães no Espírito Santo, Conflitos decorrentes desta colonização Correntes de pensamento sobre a colonização Teses racionalistas e descrições naturalistas