SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Gêneros Literários
Gênero Lírico Gênero Dramático Gênero Épico Gênero Narrativo
Gênero Lírico Forte carga subjetiva Resposta aos anseios humanos Expressão de sentimentos e expressões pessoais Associado à música: origens
UFBA 2009
TRILHOS URBANOSCaetano Veloso O melhor o tempo esconde, longe, muito longe Mas bem dentro aqui, quando o bonde dava a volta ali No cais de Araújo Pinho, tamarindeirinho Nunca me esqueci onde o imperador fez xixi Cana doce Santo Amaro, gosto muito raro Trago em mim por ti, e uma estrela sempre a luzir Bonde da Trilhos Urbanos vão passando os anos E eu não te perdi, meu trabalho é te traduzir Rua da Matriz ao Conde no trole ou no bonde Tudo é bom de vê, seu Popó do Maculelê Mas aquela curva aberta, aquela coisa certa Não dá prá entender o Apolo e o rio Subaé Pena de Pavão de Krishna, maravilha, vixe Maria Mãe de Deus, será que esses olhos são meus? Cinema transcendental, Trilhos Urbanos Gal cantando o Balancê Como eu sei lembrar de você
	Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que  o presente lhe oferece. (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada.
	Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que o presente lhe oferece.  (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (tempo/longe, dentro/quando) (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (passivo) (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (versos 2 e 5) (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (É o inverso) (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada. (verso 7 – artigo “a”)
AS VITRINESChico Buarque de Holanda Eu te vejo sair por aí Te avisei que a cidade era um vão -Dá tua mão -Olha pra mim -Não faz assim -Não vai lá não Os letreiros a te colorir Embaraçam a minha visão Eu te vi suspirar de aflição E sair da sessão, frouxa de rir Já te vejo brincando, gostando de ser Tua sombra a se multiplicar Nos teus olhos também posso ver As vitrines te vendo passar Na galeria, cada clarão É como um dia depois de outro dia Abrindo um salão Passas em exposição Passas sem ver teu vigia Catando a poesia Que entornas no chão
A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta.
A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (1ª estrofe) (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (1ª estrofe) (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (inferência a partir do signo) (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (versos 14 e 18) (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta. (idem 16)
Gênero Épico Epopéia fundo histórico e feitos heróicos narrativa em versos ideais de um povo construção identitária
Ilíada e Odisséia(Homero)
Epopéias de Imitação Eneida (Virgílio) - Século I a.C. Os Lusíadas (Luís de Camões) – Renascimento Caramuru – Santa Rita Durão O Uraguai – Basílio da Gama		 Século XVIII
Gênero Narrativo (Ficção) Romance Novela Conto Fábula
Eduardo E MônicaLegião Urbana Quem um dia irá dizer Que existe razão Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão? Eduardo abriu os olhos,  mas não quis se levantar Ficou deitado e viu que horas eram Enquanto Mônica tomava um conhaque No outro canto da cidade, como eles disseram... Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer... Um carinha do cursinho do Eduardo que disse: "Tem uma festa legal, e a gente quer se divertir" Festa estranha, com gente esquisita "Eu não 'to' legal, não agüento mais birita“ E a Mônica riu, e quis saber um pouco Mais sobre o boyzinho que tentava Impressionar E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa "É quase duas, eu vou me ferrar..." Eduardo e Mônica trocaram telefone Depois telefonaram e decidiram se Encontrar O Eduardo sugeriu uma lanchonete, Mas a Mônica queria ver o filme do Godard Se encontraram então no parque da Cidade A Mônica de moto e o Eduardo de  camelo
O Eduardo achou estranho, e melhor não Comentar, mas a menina tinha tinta no cabelo Eduardo e Mônica era nada parecidos Ela era de Leão e ele tinha dezesseis Ela fazia Medicina e falava alemão E ele ainda nas aulinhas de inglês Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus De Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano  e de Rimbaud E o Eduardo gostava de novela E jogava futebol-de-botão com seu avô Ela falava coisas sobre o Planalto Central Também magia e meditação E o Eduardo ainda tava no esquema  "escola, cinema clube, televisão". E mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente Uma vontade de se ver E os dois se encontravam todo dia E a vontade crescia, como tinha de ser... Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia Teatro, artesanato, e foram viajar A Mônica explicava pro Eduardo Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar... Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer E decidiu trabalhar E ela se formou no mesmo mês Que ele passou no vestibular E os dois comemoraram juntos E também brigaram juntos, muitas vezes depois E todo mundo diz que ele completa ela E vice-versa, que nem feijão com arroz
Construíram uma casa há uns dois anos atrás Mais ou menos quando os gêmeos vieram Batalharam grana, seguraram legal A barra mais pesada que tiveram Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília E a nossa amizade dá saudade no verão Só que nessas férias, não vão viajar Porque o filhinho do Eduardo tá de recuperação E quem um dia irá dizer Que existe razão Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer Que não existe razão!
Gênero Dramático Drama: Ação (Grego) Retrata os conflitos humanos  Ausência de narrador A história é contada pelas ações e falas Textos para serem representados
Tragédia Comédia Tragicomédia Farsa
Gêneros literários 3o

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Gêneros Literários
Gêneros Literários Gêneros Literários
Gêneros Literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Exercícios sobre espécies e gêneros literários
Exercícios sobre espécies e gêneros literáriosExercícios sobre espécies e gêneros literários
Exercícios sobre espécies e gêneros literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Gêneros Literários - Professora Lizandra
Gêneros Literários - Professora LizandraGêneros Literários - Professora Lizandra
Gêneros Literários - Professora Lizandra
 
GÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOSGÊNEROS LITERÁRIOS
GÊNEROS LITERÁRIOS
 
Os gêneros literários
Os gêneros literáriosOs gêneros literários
Os gêneros literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Genêros literários
Genêros literáriosGenêros literários
Genêros literários
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Gêneros literários 2
Gêneros literários 2Gêneros literários 2
Gêneros literários 2
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Slide os gêneros literários
Slide os gêneros literáriosSlide os gêneros literários
Slide os gêneros literários
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 

Destaque

Plano Didático Literatura 1º ano Ensino Médio
Plano Didático Literatura 1º ano Ensino MédioPlano Didático Literatura 1º ano Ensino Médio
Plano Didático Literatura 1º ano Ensino MédioIFMA
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOIFMA
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioElaine Chiullo
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOIFMA
 

Destaque (6)

O Gênero Lírico
O Gênero LíricoO Gênero Lírico
O Gênero Lírico
 
Gênero lírico
Gênero líricoGênero lírico
Gênero lírico
 
Plano Didático Literatura 1º ano Ensino Médio
Plano Didático Literatura 1º ano Ensino MédioPlano Didático Literatura 1º ano Ensino Médio
Plano Didático Literatura 1º ano Ensino Médio
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
 
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino MédioGêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
Gêneros literários - 1º Ano do Ensino Médio
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 

Semelhante a Gêneros literários 3o

Avaliaçao 3ºano 2015
Avaliaçao 3ºano 2015Avaliaçao 3ºano 2015
Avaliaçao 3ºano 2015Vera Oliveira
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana SofiaJoana Azevedo
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augustoteresakashino
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfBiancaBatista53
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualSeduc/AM
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraSeduc/AM
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126luisprista
 
1º Dialogo interartes
1º Dialogo interartes1º Dialogo interartes
1º Dialogo interartesMel Na Web
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxPabloGabrielKdabra
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxPabloGabrielKdabra
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOPaulo Alexandre
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 

Semelhante a Gêneros literários 3o (20)

Leitura 2011
Leitura 2011Leitura 2011
Leitura 2011
 
Avaliaçao 3ºano 2015
Avaliaçao 3ºano 2015Avaliaçao 3ºano 2015
Avaliaçao 3ºano 2015
 
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana SofiaCesario Verde   Ave Marias   Ana Catarina E Ana Sofia
Cesario Verde Ave Marias Ana Catarina E Ana Sofia
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Revisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileiraRevisão poesia romântica brasileira
Revisão poesia romântica brasileira
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
 
1º Dialogo interartes
1º Dialogo interartes1º Dialogo interartes
1º Dialogo interartes
 
Simbolismo[1]
Simbolismo[1]Simbolismo[1]
Simbolismo[1]
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Enem modernismo
Enem   modernismoEnem   modernismo
Enem modernismo
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
 
Enem literatura
Enem  literaturaEnem  literatura
Enem literatura
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 okSimulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 ok
 

Mais de Andre Guerra

Mais de Andre Guerra (20)

Barroco I guia
Barroco I guiaBarroco I guia
Barroco I guia
 
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás CubasMemórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
 
Capitães da Areia
Capitães da AreiaCapitães da Areia
Capitães da Areia
 
Morangos mofados
Morangos mofadosMorangos mofados
Morangos mofados
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Invenção de orfeu
Invenção de orfeuInvenção de orfeu
Invenção de orfeu
 
As vítimas algozes
As vítimas algozesAs vítimas algozes
As vítimas algozes
 
Cadernos negros
Cadernos negrosCadernos negros
Cadernos negros
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
História da arte 1
História da arte 1História da arte 1
História da arte 1
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo de 30
Modernismo de 30Modernismo de 30
Modernismo de 30
 
Modernismo 1922
Modernismo   1922Modernismo   1922
Modernismo 1922
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
Gerações poéticas
Gerações poéticasGerações poéticas
Gerações poéticas
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Último

Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoCelimaraTiski
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 

Último (20)

Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de PlatãoQuestões sobre o Mito da Caverna de Platão
Questões sobre o Mito da Caverna de Platão
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 

Gêneros literários 3o

  • 2. Gênero Lírico Gênero Dramático Gênero Épico Gênero Narrativo
  • 3. Gênero Lírico Forte carga subjetiva Resposta aos anseios humanos Expressão de sentimentos e expressões pessoais Associado à música: origens
  • 5. TRILHOS URBANOSCaetano Veloso O melhor o tempo esconde, longe, muito longe Mas bem dentro aqui, quando o bonde dava a volta ali No cais de Araújo Pinho, tamarindeirinho Nunca me esqueci onde o imperador fez xixi Cana doce Santo Amaro, gosto muito raro Trago em mim por ti, e uma estrela sempre a luzir Bonde da Trilhos Urbanos vão passando os anos E eu não te perdi, meu trabalho é te traduzir Rua da Matriz ao Conde no trole ou no bonde Tudo é bom de vê, seu Popó do Maculelê Mas aquela curva aberta, aquela coisa certa Não dá prá entender o Apolo e o rio Subaé Pena de Pavão de Krishna, maravilha, vixe Maria Mãe de Deus, será que esses olhos são meus? Cinema transcendental, Trilhos Urbanos Gal cantando o Balancê Como eu sei lembrar de você
  • 6. Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que o presente lhe oferece. (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada.
  • 7. Constituem afirmações verdadeiras sobre o texto: (01) Em “Trilhos Urbanos”, Caetano Veloso manifesta-se sobre o passado, a partir de modelos que o presente lhe oferece. (02) Na primeira estrofe, as noções de tempo e lugar se confundem na evocação do poeta. (tempo/longe, dentro/quando) (04) No verso 3, o “tamarindeirinho” — diminutivo afetivo — aparece no cenário como testemunha de fatos ocorridos no passado. (passivo) (08) No verso 12, ao referir-se a “Apolo” e ao “rio Subaé”, o poeta relaciona um monumento da cultura clássica a um patrimônio natural. (16) Nesse poema-canção, as palavras do poeta demonstram a indissociabilidade do tripé sujeito, história e lugar. (versos 2 e 5) (32) No texto em estudo, os valores da terra são desqualificados pelo enunciador. (É o inverso) (64) Nos versos de Caetano, a pluralidade de sentidos sugerida pela expressão “Trilhos Urbanos” permite ao leitor articular a idéia objetiva de uma empresa de transporte com representações poéticas dos caminhos de uma cidade determinada. (verso 7 – artigo “a”)
  • 8. AS VITRINESChico Buarque de Holanda Eu te vejo sair por aí Te avisei que a cidade era um vão -Dá tua mão -Olha pra mim -Não faz assim -Não vai lá não Os letreiros a te colorir Embaraçam a minha visão Eu te vi suspirar de aflição E sair da sessão, frouxa de rir Já te vejo brincando, gostando de ser Tua sombra a se multiplicar Nos teus olhos também posso ver As vitrines te vendo passar Na galeria, cada clarão É como um dia depois de outro dia Abrindo um salão Passas em exposição Passas sem ver teu vigia Catando a poesia Que entornas no chão
  • 9. A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta.
  • 10. A leitura do poema-canção “As Vitrines” permite afirmar: (01) A cidade é mostrada como lugar de perigo. (1ª estrofe) (02) O enunciador, na primeira pessoa, dirige-se à mulher amada, colocando-se como seu protetor. (1ª estrofe) (04) A idéia associada a “vitrines” acentua o aspecto da mercantilização de seres e objetos na cidade. (inferência a partir do signo) (08) O temor do sujeito apaixonado diante da possibilidade de coisificação da mulher amada é percebido no texto. (versos 14 e 18) (16) A relação entre os termos “letreiros” (v. 7), “colorir” (v. 7) e “Embaraçam” (v. 8) expressa o deslumbramento do poeta com o mundo citadino. (32) Chico Buarque, ao dizer “Passas sem ver teu vigia” (v. 19), se apresenta como um poeta encantado por sua musa, que o ignora. (64) A repetida referência a “vitrines” reflete o fascínio que elas exercem sobre o poeta. (idem 16)
  • 11. Gênero Épico Epopéia fundo histórico e feitos heróicos narrativa em versos ideais de um povo construção identitária
  • 13.
  • 14. Epopéias de Imitação Eneida (Virgílio) - Século I a.C. Os Lusíadas (Luís de Camões) – Renascimento Caramuru – Santa Rita Durão O Uraguai – Basílio da Gama Século XVIII
  • 15. Gênero Narrativo (Ficção) Romance Novela Conto Fábula
  • 16. Eduardo E MônicaLegião Urbana Quem um dia irá dizer Que existe razão Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão? Eduardo abriu os olhos, mas não quis se levantar Ficou deitado e viu que horas eram Enquanto Mônica tomava um conhaque No outro canto da cidade, como eles disseram... Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer... Um carinha do cursinho do Eduardo que disse: "Tem uma festa legal, e a gente quer se divertir" Festa estranha, com gente esquisita "Eu não 'to' legal, não agüento mais birita“ E a Mônica riu, e quis saber um pouco Mais sobre o boyzinho que tentava Impressionar E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa "É quase duas, eu vou me ferrar..." Eduardo e Mônica trocaram telefone Depois telefonaram e decidiram se Encontrar O Eduardo sugeriu uma lanchonete, Mas a Mônica queria ver o filme do Godard Se encontraram então no parque da Cidade A Mônica de moto e o Eduardo de camelo
  • 17. O Eduardo achou estranho, e melhor não Comentar, mas a menina tinha tinta no cabelo Eduardo e Mônica era nada parecidos Ela era de Leão e ele tinha dezesseis Ela fazia Medicina e falava alemão E ele ainda nas aulinhas de inglês Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus De Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano e de Rimbaud E o Eduardo gostava de novela E jogava futebol-de-botão com seu avô Ela falava coisas sobre o Planalto Central Também magia e meditação E o Eduardo ainda tava no esquema "escola, cinema clube, televisão". E mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente Uma vontade de se ver E os dois se encontravam todo dia E a vontade crescia, como tinha de ser... Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia Teatro, artesanato, e foram viajar A Mônica explicava pro Eduardo Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar... Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer E decidiu trabalhar E ela se formou no mesmo mês Que ele passou no vestibular E os dois comemoraram juntos E também brigaram juntos, muitas vezes depois E todo mundo diz que ele completa ela E vice-versa, que nem feijão com arroz
  • 18. Construíram uma casa há uns dois anos atrás Mais ou menos quando os gêmeos vieram Batalharam grana, seguraram legal A barra mais pesada que tiveram Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília E a nossa amizade dá saudade no verão Só que nessas férias, não vão viajar Porque o filhinho do Eduardo tá de recuperação E quem um dia irá dizer Que existe razão Nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer Que não existe razão!
  • 19. Gênero Dramático Drama: Ação (Grego) Retrata os conflitos humanos Ausência de narrador A história é contada pelas ações e falas Textos para serem representados