Invenção de Orfeu1952<br />Jorge de Lima<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM                                 Professor Andr...
"é a própria criação que se dirige a si mesma, por associações, por antíteses, por enumerações que nada têm de lógicas, nu...
Orfeu e Metalinguagem<br />Invenção de Orfeu almeja ser a história espiritual da poesia do Ocidente. <br />É o poeta, todo...
A Obra<br />combina o catolicismo, o onírico e o surrealismo. <br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM                         ...
É o documento literário da natureza barroca do Brasil.<br />A Obra<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM                     ...
a trajetória de “um barão assinalado, sem brasão, sem gume e fama” que relembra seus dias de aventura desde a fundação da ...
Linguagem<br />Impregnada de ecos, comparações, citações<br />funde passado, presente e futuro no mesmo tom dramático. <br...
A intertextualidade<br />Jorge de Lima parafraseia, sem aspas, e edita trechos inteiros:<br />Da Divina Comédia, de Dante<...
A Fundação da ilha<br />Diálogo com Os Lusíadas<br />Barão assinalado<br />Gigante Adamastor<br />Velho do Restelo<br />“A...
A ilha = Metáfora de Brasil<br />Fauna<br />Flora<br />Rios<br />Índios<br />Bandeiras<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM ...
Trecho para análise<br />I.Um barão assinaladosem brasão, sem gume e famacumpre apenas o seu fado:amar, louvar sua dama,di...
Trecho para análise<br />IIA ilha ninguém achouporque todos a sabíamos.Mesmo nos olhos havia uma clara geografia.Mesmo nes...
Subsolo e supersolo<br />Poesia e memória<br />A alma humana e seus meandros<br />Lenora<br />Inês de Castro<br />A Farsa ...
Poemas Relativos<br />Poesia, Eu e Morte<br />Orfeu e Eurídice<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM                         ...
Intertextualidade:Orfeu da Conceição (Vinícius de Moraes)<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM                              ...
A  aparições<br />Metalinguagem<br />Surrealismo<br />Seres Mitológicos<br />Passagens Bíblicas<br />Dante Alighieri (A Di...
Poemas da vicissitude<br />Metalinguagem<br />Angústia e amargura<br />Saturno = Cronos= Tempo<br />Deus que devorava <br ...
Audição de Orfeu<br />Orfeu, o poeta e a poesia<br />A busca pela musa e amada:<br />Lenora<br />Mira-Celi <br />Beatrice ...
Biografia<br />História do Ocidente<br />O Cristianismo<br />Imagens da Infância<br />Jorge de Lima<br />O Poeta<br />O Se...
A Permanência de Inês<br />Inês enquanto:<br />Símbolo de Amor<br />Musa<br />Referencial<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.C...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Invenção de orfeu

4.840 visualizações

Publicada em

Aula do professor André Guerra sobre a obra Invenção de Orfeu, do modernista Jorge de Lima.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.840
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.358
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Invenção de orfeu

  1. 1. Invenção de Orfeu1952<br />Jorge de Lima<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  2. 2. "é a própria criação que se dirige a si mesma, por associações, por antíteses, por enumerações que nada têm de lógicas, numa grande e admirável liberdade." <br /> (Mário de Andrade)<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  3. 3. Orfeu e Metalinguagem<br />Invenção de Orfeu almeja ser a história espiritual da poesia do Ocidente. <br />É o poeta, todos poetas em um (Dante, Camões, Virgílio, Homero, Ovídio, John Donne, Rimbaud, Gerard Manley Hopkins), que está em julgamento. <br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  4. 4. A Obra<br />combina o catolicismo, o onírico e o surrealismo. <br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  5. 5. É o documento literário da natureza barroca do Brasil.<br />A Obra<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  6. 6. a trajetória de “um barão assinalado, sem brasão, sem gume e fama” que relembra seus dias de aventura desde a fundação da ilha até o apocalipse final.<br />A Obra<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  7. 7. Linguagem<br />Impregnada de ecos, comparações, citações<br />funde passado, presente e futuro no mesmo tom dramático. <br />Poemas metrificados e rimados, outros em metro livre e verso branco<br />sonetos, canções, baladas, poemas épicos, líricos ...<br />Colagem de textos e imagens<br />Une sagrado e profano, vulgar e erudito<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  8. 8. A intertextualidade<br />Jorge de Lima parafraseia, sem aspas, e edita trechos inteiros:<br />Da Divina Comédia, de Dante<br />do Paraíso perdido, de John Milton<br />d’Os Lusíadas, de Luís Camões<br />de Eneida e Geórgicas, de Virgílio. <br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  9. 9. A Fundação da ilha<br />Diálogo com Os Lusíadas<br />Barão assinalado<br />Gigante Adamastor<br />Velho do Restelo<br />“As armas e os barões assinalados,Que da ocidental praia Lusitana,Por mares nunca de antes navegados,Passaram ainda além da Taprobana,Em perigos e guerras esforçados,Mais do que prometia a força humana,E entre gente remota edificaramNovo Reino, que tanto sublimaram;”<br /> (Os Lusíadas – Camões)<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  10. 10. A ilha = Metáfora de Brasil<br />Fauna<br />Flora<br />Rios<br />Índios<br />Bandeiras<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  11. 11. Trecho para análise<br />I.Um barão assinaladosem brasão, sem gume e famacumpre apenas o seu fado:amar, louvar sua dama,dia e noite navegar,que é de aquém e de além-mara ilha que busca e amor que ama.Nobre apenas de memória,vai lembrado de seus dias,dias que são as histórias,histórias que são porfiasde passados e futuros,naufrágios e outros apuros,descobertas e alegrias.<br />Ilha:<br />Material e Imaterial<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  12. 12. Trecho para análise<br />IIA ilha ninguém achouporque todos a sabíamos.Mesmo nos olhos havia uma clara geografia.Mesmo nesse fim de marqualquer ilha se encontrava, mesmo sem mar e sem fimmesmo sem terra e sem mimMesmo sem naus e sem rumos, mesmo sem vagas e areias,há sempre um copo de marpara um homem navegar.<br />Olhar existencialista sobre o homem e suas buscas<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  13. 13. Subsolo e supersolo<br />Poesia e memória<br />A alma humana e seus meandros<br />Lenora<br />Inês de Castro<br />A Farsa de Inês Pereira (Gil Vicente)<br />Os Lusíadas (Camões)<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  14. 14. Poemas Relativos<br />Poesia, Eu e Morte<br />Orfeu e Eurídice<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  15. 15. Intertextualidade:Orfeu da Conceição (Vinícius de Moraes)<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  16. 16. A aparições<br />Metalinguagem<br />Surrealismo<br />Seres Mitológicos<br />Passagens Bíblicas<br />Dante Alighieri (A Divina Comédia)<br />A selva escura<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  17. 17. Poemas da vicissitude<br />Metalinguagem<br />Angústia e amargura<br />Saturno = Cronos= Tempo<br />Deus que devorava <br />os próprios filhos<br />Saturno devorando a um hijo – Goya <br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  18. 18. Audição de Orfeu<br />Orfeu, o poeta e a poesia<br />A busca pela musa e amada:<br />Lenora<br />Mira-Celi <br />Beatrice (Belatrix)<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  19. 19. Biografia<br />História do Ocidente<br />O Cristianismo<br />Imagens da Infância<br />Jorge de Lima<br />O Poeta<br />O Ser Humano<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />
  20. 20. A Permanência de Inês<br />Inês enquanto:<br />Símbolo de Amor<br />Musa<br />Referencial<br />GUIADELITERATURA.BLOGSPOT.COM Professor André Guerra<br />

×