Barroco I guia

1.688 visualizações

Publicada em

Aula do professor André Guerra sobre os princípios da estética barroca.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.688
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.135
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Barroco I guia

  1. 1. O BARROCOSéculo XVII
  2. 2. Caravaggio• 1602DIVINO X HUMANO
  3. 3. BERNINI “Êxtase deSanta Teresa” séc. XVII DIVINO X HUMANO
  4. 4. RembrandtA EFEMERIDADE DA VIDA
  5. 5. O barroco é EXPRESSÃO da profunda criseideológica e da multiplicidade de estados de espírito do homem seiscentista
  6. 6. O homem em conflito Razão X Fé Ciência X Religião Reforma X Contra-ReformaTeocentrismo X Antropocentrismo
  7. 7. conflitos espirituais vividos pelo homem• Deus e Diabo;• bem e mal;• céu e terra;• pureza e pecado;• alegria e tristeza;• paganismo e cristianismo;• espírito e matéria
  8. 8. A busca do prazer se tornaangustiada, à medida que ohomem tem consciência da transitoriedade de tudo.
  9. 9. A época• Segundo Calvino, enriquecer com o trabalho é divino• Vive-se na opulência e no luxo. Tementes a Deus, os colonos usavam seu dinheiro também para a construção de capelas, igrejas, conventos e irmandades.
  10. 10. Arte Barroca• Reação ao comedimento, à harmonia, à simetria e à simplocidade do Renascimento• Dramaticidade e emoções violentas• Rebuscamento formal
  11. 11. Contexto Histórico Brasileiro• Centro econômico, político e social: Bahia.• Ciclo econômico: Exploração do açúcar
  12. 12. Desenganos da vida humana, metaforicamente (Gregório de Matos)É a vaidade, Fábio, nesta vida,Rosa, que da manhã lisonjeada,Púrpuras mil, com ambição dourada,Airosa rompe, arrasta presumida.É planta, que de abril favorecida,Por mares de soberba desatada,Florida galeota empavesada,Sulca ufana, navega destemida. É nau enfim, que em breve ligeireza Com presunção de Fênix generosa, Galhardias apresta, alentos preza: Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa De que importa, se aguarda sem defesa Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?
  13. 13. Os NúmerosMeus amigos essa noite eu tive uma Raul SeixasalucinaçãoSonhei com um bando de número • -Doisinvadindo o meu sertão E no dois o homem luta entre coisasE de tanta coincidência que eu fiz essa diferente,canção Bem e mal, amor e-Falar do número um guerra, preto eFalar do número um não é preciso muitoestudo, branco, bicho e genteSó se casa uma vez e foi um Deus que Rico e pobre, claro ecriou tudo, escuro, noite e dia, corpo eUma vida só se vive, só se usa umsobretudo. mente.-Agora o doze • -Agora o quatroE só de pensar no doze eu então quase E o quatro é importante, quatro pontodesisto, cardeal,São doze meses do ano, doze apóstolos Quatro estação do ano, quatro pé temde Cristo, um animal,Doze hora é meio-dia, haja dito e haja Quatro perna tem a mesa, quatro dia ovisto. carnaval.-Agora o sete • - Pra encerrarSete dias da semana, sete notas Eu falei de tanto número, talvezmusicais, esqueci algum,Sete cores do arco-íris nas regiões Mas as coisas que eu disse não são ládivinais, muito comum,E se pintar tanto sete, eu já não agüento Quem souber que conte outra, ou quemais. fique sem nenhum
  14. 14. Divino X Humano
  15. 15. Atingir a fé através dossentidos e da emoção enão apenas peloraciocínio.

×