SlideShare uma empresa Scribd logo
PROTISTA

 Cap. 20
 Origem do termo protista;
 Sistema de classificação (cap. 17);



  * Reino Monera e Protista deixam de existir;
Domínio Eucaria: Fungos, animais e plantas;

   * Os protozoários e as algas são tratados no
 sentido coletivo como protistas, sem atribuir
 ao termo o valo de Reino
 Em 1969 Whittaker autor da divisão dos seres
 vivos em reinos reconhece deficiências em
 seu sistema. Ex: Algas.

 Whittaker   também observou que o grupo
 protista apresentam direções evolutivas
 muitos      variadas,   sendo    certamente
 polifilético e não monofilético;
 Em 1982 duas pesquisadoras Lynn Margulis e
 Karlene Schawartz modificaram o sistema de
 5 Reinos;

 ReinoProtoctista (esse termo apesar de
 ainda usado está em desuso.)
Células Eucarióticas englobaram bactérias
 aeróbicas         Mitocôndrias.

Linhagem        originada:      Diplomonadidas,
  Parabasálias, Amebozoas, Foramminíferos,
  Radiolários, Heliozoários, Fungos e Animais;

Linhagem Clorofilada: Algas verdes, plantas, e
  algas vermelhas.
Células Eucarióticas, já com mitocôndrias,
  englobaram as cianobactérias
  cloroplastos.
Linhagem originada: Todos os demais
  eucariontes.
Ocorreu com as algas verdes ou vermelhas e
 deram origem aos animais clorofilados.
Obs.: Protistas heterótrofos mitocondriados
 englobaram por fagocitose algas verdes ou
 vermelhas e incorporaram seus cloroplastos.
Organismos         unicelulares      ou
multicelulares sem tecidos;
*eucariontes;
   * Heterótrofos, autótrofos digestão
intracelular e se alimentam por ingestão
ou absorção;
Vida livre ou parasitas.
Heterótrofo    resultante   apenas     de
 endossimbiose que resultou mitocôndrias.‡
 mitocôndrias sofreram modificações e
 deixaram de realizar a respiração, dando
 origem aos hidrogenossomos(geram ATP de
 forma anaeróbia,liberando H) e aos
 mitossomos(realizam    a  maturação   de
 proteínas que contêm Fe e S e pequena
 produção de ATP).‡
Os diplomonadidas possuem mitossomos e os
  parabasálias possuem hidrogenossomos.‡
  exemplo de diplomonadida Giardia sp.
  exemplo de parabasália Trichonympha sp. e
Trichomonas vaginalis.
Doenças:
Giardíase e tricomoníase.
Encontrados em água doce, solos úmidos e
  mares;
Algumas são Parasitas;
Se locomovem por meio de pseudópodes;
Se alimentam de pequenos protozoários,
  fungos e algas e também de protoplasma;
Se reproduzem por divisão binária ou
  cissiparidade;
Dentre os amebóides alguns representantes de
  vida    livre   perderam   totalmente   as
  mitocôndrias.
Entamoeba      Hystolítica:     não  possui
  mitocôndrias mas possui mitossomos
Parasita de importância médica: Disenteria
  amebiana;
Os foraminíferos apresentam um tipo especial de
pseudópode (reticulópode) que, por ser fino e
ramificado, forma uma trama com a qual capturam
pequenos organismos. ‡ possuem exoesqueleto
formado por carbonato de cálcio, aglutinação de
areia,espículas de esponjas ou outros materiais
inorgânicos.‡ os radiolários e os heliozoários formam
pseudópodes finos, eretos,flexíveis e sustentados
por feixes de microtúbulos internos (axópode).‡ os
heliozoários são comum sem água doce e a maioria
não possui esqueleto.‡ os radiolários possuem
endoesqueleto de sílica e são comuns no zooplâncton
marinho.
   Possuem flagelo. são caracterizados pela presença de uma
    única e grande mitocôndria que, na base do flagelo,
    apresenta um grande dilatação onde se encontra uma
    grande quantidade de DNA (cinetoplasto).
   Vida livre ou parasitas: Trypanosoma cruzi (doença de
    Chagas) e Leishmania SP (leishmaniose visceral e úlcera de
    Bauru)
   Protozoários da espécie Trypanosoma cruzi aderindo-se às
    fibras cardíacas. O mal de Chagas é uma doença de grande
    importância no Brasil, chegando a afetar a nível planetário
    de 16 a18 milhões de pessoas por ano, principalmente na
    América Latina.
 Possuem    cílios que são utilizados para
  locomoção e para alguns casos, filtragem de
  alimentos;
 Grupo     de      protozoários   com      maior
  diversidade;
 Representantes:predadores,            fitófagos,
  parasitas e filtradores de partículas;
 Principal representante: Paramecium;
 Não possuem clorosplastos
 Não possuem estrutura de locomoção;
 Possuem      uma estrutura chamada de
  complexo apical responsável pela penetração
  na célula do hospedeiro;
 Reprodução: Esporogonia;
 Apicoplasto: cloroplastos diferenciados que
  não     realizam   fotossíntese   e    estão
  relacionados com o metabolismos de ácidos
  graxos;
 Perda de pigmentos fotossintetizantes;
 Ambiente:  a maioria vivem mar e algumas
  espécies são de água doce;
 Unicelulares ou Colônias;
 Possuem dois flagelos;
 Metade são heterótrofos;
 As formas autótrofas são importantes
  produtores no ecossistema marinho;
 Possuem clorofila a e c e peridinina
  (exclusiva desse grupo);
 O amido é as sua substância de reserva;
 Se reproduzem assexuadamente por divisão
  binária, mas ocorre reprodução sexuada com
  formação de gametas
 Vivem  na água doce ou no mar;
 Unicelulares ou colônias;
 Possuem clorofila a e c e fucoxantinas;
 Substâncias de reserva: lipídios e
  crisolaminarina (polissacarídeo);
 Tem parede celular rígida denominada de
  frústula ou carapaça;
 Se deslocam por deslizamento;
 Reprodução assexuada por divisão binária ou
  sexuada através da formação de gametas.
Podem ser Unicelulares ou pluricelulares
•Habitam mares, lagos, rios, ambientes
úmidos
•Base da cadeia alimentar
•Formam o fitoplâncton
•Reposição do O2 na atmosfera
•Podem viver isoladas ou coloniais
•Obs:.O termo alga também é utilizado no
sentido coletivo sem valor de taxonômico
A super população de dionoflagelados
provoca o fenômeno das “marés
vermelhas”. Nessa circunstância, a grande
quantidade      de   substâncias     tóxicas
eliminados na água por esses protistas
provoca a mortandade de peixes,
crustáceos, tartarugas, focas e etc.
Filo Phaeophyta (algas pardas)
   Os protozoários podem ser fixos ou se deslocar através de
    cílios, flagelos ou pseudópodes. De acordo com o tipo e a
    presença ou não dessas organelas locomotoras, os
    protozoários classificam-se em:

   rizópodes ou sarcodíneos - locomovem-se através de
    pseudópodes.

   flagelados ou mastigóforos - locomovem-se através de
    flagelos.

   ciliados - locomovem-se através de cílios;

   esporozoários - desprovidos de organelas locomotoras.
Sarcodíneos ou Rizópodos
Locomoção por pseudópodos.
Nutrição por fagocitose.

Digestão intracelular.
Vida    livre   (aquáticos)     ou
   parasitas.
Vacúolos       Pulsáteis        ou
   Contráteis    para    controle
   osmótico.
Reprodução assexuada por
   divisão binária.
Nome genérico  Amebas.
Ex.: Amoeba proteus (vida livre)
   e    Entamoeba      histolytica
   (parasita).
 Locomoção   por flagelos.
 Mutualísticos ou parasitas.
 Digestão intracelular.
 Reprodução assexuada por divisão
  binária.
 Ex.: Trichonymphas sp.
  (mutualístico), Trypanosoma cruzi
  (parasita), Giardia lambia (parasita),
  Leishmania brasiliensis (parasita
sulco oral.
Digestão intracelular.
Vacúolos Pulsáteis ou Contráteis.
Vida livre, mutualísticos ou parasitas.
Reprodução assexuada por divisão binária e
  sexuada por conjugação.
Locomoção por cilios.
Ex.: Paramaecium spp (vida livre), Balantidium coli
  (parasita).
São os protistas mais complexos.
No grupo dos esporozoários encontram-se os
 protistas que não têm qualquer tipo de
 sistema de locomoção.

Todos eles são parasitas obrigatórios.

Os mais comuns são do gênero Plasmodium,
 que causam a Malária, e do gênero
 Toxoplasma, que causam a toxoplasmose.
 ASSEXUADA  por divisão binária e
 Ocorre por exemplo em amebas e no
  tripanossomo.
 SEXUADA por conjugação que ocorre no
  paramécio.
 DOENÇA DE CHAGAS
 Descobridor: o médico brasileiro Dr. Carlos
  Justiniano      Ribeiro      das    Chagas.
  Definição: E uma doença transmissível, causado
  por um parasito do gênero Trypanosoma e
  transmitida     principalmente     através  do
  "barbeiro". É conhecido também por: chupança.
 Agente causador: É um protozoário denominado
  Trypanosoma cruzi. No homem e nos animais,
  vive no sangue        e nas fibras musculares,
  especialmente as cardíacas e digestivas: no
  inseto transmissor, vive no tubo digestivo.
 Transmissor:    O "barbeiro", é um inseto que
    se alimenta exclusivamente de vertebrados,
    sendo        chamados          hematófagos.
    A principal espécie propagadora da Doença
    de Chagas no Estado de São Paulo, foi o
    Triatoma infestans, hoje eliminado do nosso
    meio..

    Geralmente, abrigam-se em locais muito
    próximo à fonte de alimento e podem ser
    encontrados na mata. Nas casas escondem-se
    nas frestas, buracos das paredes, nas camas,
    colchões e baús.
   Na fase aguda, ocorrem febre moderada, hepatomegalia
    discreta (grande fígado), inflamação dos gânglios linfáticos,
    miocardia aguda, meningoencefalite (dores na meninges),
    etc.   É    comum     a    diminuição   dos    sintomas.
    As crianças apresentam uma maior taxa de letalidade
    variando de 2% a 7%.


    Na fase crônica, ocorre o comprometimento do coração e do
    sistema digestivo. A duração depende de vários fatores,
    desde idade e estado nutricional do paciente até os
    intrínsecos dos parasitas. Os sintomas mais importantes são a
    cadiomegalia (coração grande), o megaesôfago (esôfago
    grande) e o megacólon (cólon grande).

Baseia-se principalmente em medidas de
controle ao "barbeiro", impedindo a sua
proliferação nas moradias e em seus
arredores. Além de medidas específicas
(inquéritos sorológicos, entomológicos e
desinsetização), as atividades de educação em
saúde, devem estar inseridas em todas as
ações de controle, bem como, as medidas a
serem tomadas pela população local, tais
como:
- melhorar habitação, através de reboco e
tamponamento de rachaduras e frestas;
-usar  telagem em portas e janelas;
  - impedir a permanência de animais,
 como cão, o gato, macaco e outros
 no         interior       da      casa;
 - evitar montes de lenhas, telhas ou
 outros entulhos no interior e
 arredores              da         casa;
 - construir galinheiro, paiol, tulha,
 chiqueiro, depósito afastados das
 casas       e      mantê-los    limpos;
 - retirar ninhos de pássaros dos
 beirais             das          casas;
 - manter limpeza periódica nas casas
 e        em         seus     arredores;
-difundir junto aos amigos, parentes,
 vizinhos, os conhecimentos básicos
 sobre a doença, vetor e sobre as
 medidas preventivas;
 - encaminhar os insetos suspeitos de
 serem "barbeiros", para o serviço de
 saúde mais próximo.
 Agente causador: E.Histolytica
 Hospedeiro definitivo: homem
 Local do parasitismo: intestino grosso.
  Podem, também, ser afetados o fígado, os
  pulmões e o cérebro
 Uma  pessoa vai a um restaurante e ingere
 um alface mal-lavado e contaminado com
 cistos (formas de resistência) de amebas.
 Tal cisto chega ao intestino do hospedeiro
 e se abre, liberando jovens amebas. Elas
 invadem a parede do intestino e começam
 a se alimentar de células e sangue. Além
 disso, elas começam a se multiplicar e
 inflamar a parede do intestino. Com o
 tempo, tal inflamação se rompe,
 liberando sangue junto com novas
 amebas.
O período de incubação é de 2 a 4 semanas.
 A disenteria amebiana aguda manifesta-se
 com quadro disentérico agudo, cólicas
 abdominais,        náuseas,        vômitos,
 emagrecimento e fadiga muscular.
 manter sanitários limpos;
 *lavar as mãos antes das refeições e após a
 defecação;
 *tratar os doentes e portadores
 assintomáticos;
 *não usar excrementos, como fertilizantes;
 *combater as moscas e baratas.
 Parasita à Giardia lamblia
 Hospedeiro definitivo: homem
 Local do parasitismo: intestino delgado
A infecção ocorre pela ingestão de cistos em
 água ou alimentos contaminados.No ambiente
 podem sobreviver meses na água fria. 
 
A giardíase se manifesta por azia e náusea
 que diminuem de intensidade quando
 ocorre ingestão de alimentos, ocorrem
 cólicas seguidas de diarréia, perda de
 apetite,     irritabilidade.    Raramente
 observa-se muco ou sangue nas fezes do
 indivíduo com giardíase que no entanto
 possuem odor fétido, são do tipo
 explosiva e acompanhadas de gases. 
 Basicamente,para se evitar a giardíase deve-se
 tomar as mesmas medidas profiláticas usadas
 contra a amebíase, já que as formas de
 contaminação são praticamente as mesmas.
 Portanto deve-se: 
 Só ingerir alimentos bem lavados e/ou cozidos; 
      Lavar as mãos antes das refeições e após o
 uso de sanitários; 
      Construção de fossas e redes de esgotos; 
      Só beber água filtrada e/ou fervida; 
      Tratar as pessoas doentes.
 Causadores:   P. vivax, P. malariae, P.
  falciparum, P. ovale.
 Hospedeiro    definitivo: mosquitos do
  gênero Anopheles. Só as fêmeas sugam
  sangue humano e podem atuar como
  transmissoras dos parasitas.O sangue
  humano contém nutrientes essenciais
  para a maturação e desenvolvimento dos
  ovos desses insetos.
 Hospedeiro intermediário: homem
 Locais do parasitismo: glóbulos vermelhos
  do sangue, células hepáticas, corpo do
  mosquito.
 Período de incubação - 7 a 21 dias
 Calafrio, calor e suor
 Febre
 Mal estar
 Cefaléia
 Vômito
 Diarréia
 Hipoglicemia
 Insuficiência renal
 Convulsão
 Detecção   e tratamento precoce dos
  infectados
 Medidas de proteção individual e coletiva
 Telagem de janelas e portas
 Inseticidas de ação residual
 Impregnação de mosquiteiros com
  inseticida
 Desenvolvimento de novos fármacos
 Treinamento de Recursos Humanos
 Estruturação do sistema de saúde
 Desenvolvimento de Vacina
   Causador: Trichomonas vaginalis
   Transmissão: É considerada doença sexualmente
    transmissível,    embora    raramente,    possa   ser
    transmitida por vias não sexuais, como por exemplo,
    objetos contaminados (toalhas, vasos sanitários de
    locais públicos etc.)
   Sintomas No homem, a sintomatologia é mais
    discreta: corrimento uretral, geralmente pela manhã,
    antes da primeira micção, bem como irritação da
    uretra. Na mulher, corrimento abundante, amarelo ou
    amarelo-esverdeado, bolhoso, com mau cheiro
    característico; prurido e/ou irritação vulvar;
    ocasionalmente dor pélvica;. Pode permanecer
    assintomática     no   homem       e,  na     mulher,
    principalmente após a menopausa.
 Profilaxia e tratamento
 É recomendável o uso de preservativo durante o
  ato sexual, uso individual de roupas íntimas,
  tratamento       de    indivíduos    portadores,
  esterilização dos aparelhos ginecológicos,
  higiene em relação aos sanitários públicos, etc.
  O tratamento é feito com uso de nitroimidazóis,
  em administração oral e vaginal. Em todos os
  casos em que se positiva o diagnóstico da
  infecção na mulher, deve-se estender também o
  tratamento ao seu marido ou companheiro, já
  que, sem tal cuidado, poderá surgir uma nova
  contaminação da mulher e perpetuação do
  quadro clínico apresentado.
 Causador: Leishmania brasiliensis
 Hospedeiro definitivo: homem
 Hospedeiro intermediário: inseto conhecido
  como mosquito- palha ou birigüi.
 Ciclo: os parasitas se reproduzem no corpo
  do inseto e são inoculados durante a picada.
  Os ferimentos provocados pela picada
  ulceram e neles os parasitas se multiplicam.
  Novas picadas espalham as leishmânias de
  pessoa a pessoa.
 Medidas clínicas, diagnóstico precoce e
  tratamento. Toda a pessoa que apresentar ferida
  de difícil cicatrização deverá procurar a Unidade
  Básica de Saúde, para a realização do exame
  específico e tratamento.
 Medidas de proteção individual, são meios
  mecânicos através do uso de mosquiteiros
  simples, telas finas em portas e janelas , evitar a
  frequência na mata, principalmente no horário
  noturno, a partir das 20:00 horas (crepúsculo)
  sem o uso de roupas adequadas,boné, camisas de
  manga comprida, calças compridas e botas além
  do uso de repelentes.
 Manter limpo terrenos baldios que possa servir
  como criadouros de insetos transmissores.
Aula protista

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Protozoários.
Protozoários.Protozoários.
Protozoários.
Ala SB3
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Sara Silva
 
Ciências - Reino Protista
Ciências - Reino ProtistaCiências - Reino Protista
Ciências - Reino Protista
CAvancar
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctistas
Reino protoctistasReino protoctistas
Reino protoctistas
tamandarealfamanha
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
Leonardo Rocha
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Valentina Queiroz
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
infoeducp2
 
Reino protista novo
Reino protista  novoReino protista  novo
Reino protista novo
paula aragao
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
Suzany Gavazza Lopes
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
espacoaberto
 
Reino protoctista completo
Reino protoctista completoReino protoctista completo
Reino protoctista completo
José Antonio Paniagua
 
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaAula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Leonardo Kaplan
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Luciana Petry
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Aula 1 reino protista
Aula 1  reino protistaAula 1  reino protista
Aula 1 reino protista
Neila
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
Albano Novaes
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
Josenildocte
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Roberto Bagatini
 
Seres Vivos
Seres VivosSeres Vivos
Seres Vivos
Aurelio1
 

Mais procurados (20)

Protozoários.
Protozoários.Protozoários.
Protozoários.
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Ciências - Reino Protista
Ciências - Reino ProtistaCiências - Reino Protista
Ciências - Reino Protista
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Reino protoctistas
Reino protoctistasReino protoctistas
Reino protoctistas
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Reino protista novo
Reino protista  novoReino protista  novo
Reino protista novo
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
 
Reino protoctista completo
Reino protoctista completoReino protoctista completo
Reino protoctista completo
 
Aula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino ProtoctistaAula 7º ano - Reino Protoctista
Aula 7º ano - Reino Protoctista
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Aula 1 reino protista
Aula 1  reino protistaAula 1  reino protista
Aula 1 reino protista
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Seres Vivos
Seres VivosSeres Vivos
Seres Vivos
 

Destaque

Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
GabrielaMansur
 
Protoctistas- Reprodução
Protoctistas- ReproduçãoProtoctistas- Reprodução
Protoctistas- Reprodução
Andrea Barreto
 
Aula reino protoctista
Aula reino protoctistaAula reino protoctista
Aula reino protoctista
Plínio Gonçalves
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
hiagolopes11
 
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º AnoTrabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Instituto Superior Técnico, UTL
 
Reino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino Médio
Reino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino MédioReino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino Médio
Reino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino Médio
Antonio Pinto Pereira
 
Foraminíferos
ForaminíferosForaminíferos
Foraminíferos
Paula Oliveira
 
Protozoos, microbiologia, medicina
Protozoos, microbiologia, medicinaProtozoos, microbiologia, medicina
Protozoos, microbiologia, medicina
Fer Martínez
 
Plano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadjaPlano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadja
Nadja Mendes de Lima
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
thaysribeiro
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
Nelson Costa
 
Parasitologia - Ameba
Parasitologia - AmebaParasitologia - Ameba
Parasitologia - Ameba
pHrOzEn HeLL
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
Iuri Fretta Wiggers
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Fatima Comiotto
 
Reino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoReino Protista 7 ano
Reino Protista 7 ano
UFMS
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Wendy Vc
 
II.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaII.3 Reino Protoctista
II.3 Reino Protoctista
Rebeca Vale
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
Roberto Bagatini
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
tiago.ufc
 

Destaque (20)

Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Protoctistas- Reprodução
Protoctistas- ReproduçãoProtoctistas- Reprodução
Protoctistas- Reprodução
 
Aula reino protoctista
Aula reino protoctistaAula reino protoctista
Aula reino protoctista
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º AnoTrabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
Trabalho AP | Protozoários | Biologia 12º Ano
 
Reino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino Médio
Reino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino MédioReino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino Médio
Reino Protista - Escola APP - Jardim MS - Ensino Médio
 
Foraminíferos
ForaminíferosForaminíferos
Foraminíferos
 
Protozoos, microbiologia, medicina
Protozoos, microbiologia, medicinaProtozoos, microbiologia, medicina
Protozoos, microbiologia, medicina
 
Plano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadjaPlano de aula 5 nadja
Plano de aula 5 nadja
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Parasitologia - Ameba
Parasitologia - AmebaParasitologia - Ameba
Parasitologia - Ameba
 
Reino protista protozoarios
Reino protista protozoariosReino protista protozoarios
Reino protista protozoarios
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reino Protista 7 ano
Reino Protista 7 anoReino Protista 7 ano
Reino Protista 7 ano
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
II.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaII.3 Reino Protoctista
II.3 Reino Protoctista
 
Reprodução seres vivos 2011
Reprodução seres vivos   2011Reprodução seres vivos   2011
Reprodução seres vivos 2011
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 

Semelhante a Aula protista

Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
Helder Pires
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
Marcia Bantim
 
Protistas
ProtistasProtistas
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
aulasdotubao
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
Leandro Mota
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
professorbevilacqua
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Manuela Mendes
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Anna Paula
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Aulas Apoio
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
Videoaulas De Biologia Apoio
 
Apostila biologia
Apostila biologiaApostila biologia
Apostila biologia
cicoutinho
 
Zoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebradosZoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebrados
paulogrillo
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
Fernanda Hellen
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e Monera
Paulocosta510
 
C:\Fakepath\ApresentaçãO1 Atv Zoologia Geral
C:\Fakepath\ApresentaçãO1   Atv  Zoologia GeralC:\Fakepath\ApresentaçãO1   Atv  Zoologia Geral
C:\Fakepath\ApresentaçãO1 Atv Zoologia Geral
Marcelo Tadeu Melo da Silva
 
Proctista
ProctistaProctista
Proctista
Elizabete Costa
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
Marta810319
 
Protista
ProtistaProtista
Protista
Marta Alves
 
Protozo+ürios
Protozo+üriosProtozo+ürios

Semelhante a Aula protista (20)

Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Protistas
ProtistasProtistas
Protistas
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasapoio.com  - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivoswww.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia -  Classificação dos Seres Vivos
www.aulasdebiologiaapoio.com - Biologia - Classificação dos Seres Vivos
 
Apostila biologia
Apostila biologiaApostila biologia
Apostila biologia
 
Zoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebradosZoologia dos invertebrados
Zoologia dos invertebrados
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e Monera
 
C:\Fakepath\ApresentaçãO1 Atv Zoologia Geral
C:\Fakepath\ApresentaçãO1   Atv  Zoologia GeralC:\Fakepath\ApresentaçãO1   Atv  Zoologia Geral
C:\Fakepath\ApresentaçãO1 Atv Zoologia Geral
 
Proctista
ProctistaProctista
Proctista
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Protista
ProtistaProtista
Protista
 
Protozo+ürios
Protozo+üriosProtozo+ürios
Protozo+ürios
 

Último

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 

Último (20)

Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 

Aula protista

  • 2.  Origem do termo protista;  Sistema de classificação (cap. 17); * Reino Monera e Protista deixam de existir; Domínio Eucaria: Fungos, animais e plantas; * Os protozoários e as algas são tratados no sentido coletivo como protistas, sem atribuir ao termo o valo de Reino
  • 3.  Em 1969 Whittaker autor da divisão dos seres vivos em reinos reconhece deficiências em seu sistema. Ex: Algas.  Whittaker também observou que o grupo protista apresentam direções evolutivas muitos variadas, sendo certamente polifilético e não monofilético;
  • 4.  Em 1982 duas pesquisadoras Lynn Margulis e Karlene Schawartz modificaram o sistema de 5 Reinos;  ReinoProtoctista (esse termo apesar de ainda usado está em desuso.)
  • 5. Células Eucarióticas englobaram bactérias aeróbicas Mitocôndrias. Linhagem originada: Diplomonadidas, Parabasálias, Amebozoas, Foramminíferos, Radiolários, Heliozoários, Fungos e Animais; Linhagem Clorofilada: Algas verdes, plantas, e algas vermelhas.
  • 6. Células Eucarióticas, já com mitocôndrias, englobaram as cianobactérias cloroplastos. Linhagem originada: Todos os demais eucariontes.
  • 7.
  • 8. Ocorreu com as algas verdes ou vermelhas e deram origem aos animais clorofilados. Obs.: Protistas heterótrofos mitocondriados englobaram por fagocitose algas verdes ou vermelhas e incorporaram seus cloroplastos.
  • 9.
  • 10. Organismos unicelulares ou multicelulares sem tecidos; *eucariontes; * Heterótrofos, autótrofos digestão intracelular e se alimentam por ingestão ou absorção; Vida livre ou parasitas.
  • 11. Heterótrofo resultante apenas de endossimbiose que resultou mitocôndrias.‡ mitocôndrias sofreram modificações e deixaram de realizar a respiração, dando origem aos hidrogenossomos(geram ATP de forma anaeróbia,liberando H) e aos mitossomos(realizam a maturação de proteínas que contêm Fe e S e pequena produção de ATP).‡
  • 12. Os diplomonadidas possuem mitossomos e os parabasálias possuem hidrogenossomos.‡ exemplo de diplomonadida Giardia sp. exemplo de parabasália Trichonympha sp. e Trichomonas vaginalis. Doenças: Giardíase e tricomoníase.
  • 13. Encontrados em água doce, solos úmidos e mares; Algumas são Parasitas; Se locomovem por meio de pseudópodes; Se alimentam de pequenos protozoários, fungos e algas e também de protoplasma; Se reproduzem por divisão binária ou cissiparidade; Dentre os amebóides alguns representantes de vida livre perderam totalmente as mitocôndrias.
  • 14. Entamoeba Hystolítica: não possui mitocôndrias mas possui mitossomos Parasita de importância médica: Disenteria amebiana;
  • 15.
  • 16. Os foraminíferos apresentam um tipo especial de pseudópode (reticulópode) que, por ser fino e ramificado, forma uma trama com a qual capturam pequenos organismos. ‡ possuem exoesqueleto formado por carbonato de cálcio, aglutinação de areia,espículas de esponjas ou outros materiais inorgânicos.‡ os radiolários e os heliozoários formam pseudópodes finos, eretos,flexíveis e sustentados por feixes de microtúbulos internos (axópode).‡ os heliozoários são comum sem água doce e a maioria não possui esqueleto.‡ os radiolários possuem endoesqueleto de sílica e são comuns no zooplâncton marinho.
  • 17.
  • 18. Possuem flagelo. são caracterizados pela presença de uma única e grande mitocôndria que, na base do flagelo, apresenta um grande dilatação onde se encontra uma grande quantidade de DNA (cinetoplasto).  Vida livre ou parasitas: Trypanosoma cruzi (doença de Chagas) e Leishmania SP (leishmaniose visceral e úlcera de Bauru)  Protozoários da espécie Trypanosoma cruzi aderindo-se às fibras cardíacas. O mal de Chagas é uma doença de grande importância no Brasil, chegando a afetar a nível planetário de 16 a18 milhões de pessoas por ano, principalmente na América Latina.
  • 19.
  • 20.  Possuem cílios que são utilizados para locomoção e para alguns casos, filtragem de alimentos;  Grupo de protozoários com maior diversidade;  Representantes:predadores, fitófagos, parasitas e filtradores de partículas;  Principal representante: Paramecium;  Não possuem clorosplastos
  • 21.
  • 22.  Não possuem estrutura de locomoção;  Possuem uma estrutura chamada de complexo apical responsável pela penetração na célula do hospedeiro;  Reprodução: Esporogonia;  Apicoplasto: cloroplastos diferenciados que não realizam fotossíntese e estão relacionados com o metabolismos de ácidos graxos;  Perda de pigmentos fotossintetizantes;
  • 23.  Ambiente: a maioria vivem mar e algumas espécies são de água doce;  Unicelulares ou Colônias;  Possuem dois flagelos;  Metade são heterótrofos;  As formas autótrofas são importantes produtores no ecossistema marinho;  Possuem clorofila a e c e peridinina (exclusiva desse grupo);  O amido é as sua substância de reserva;  Se reproduzem assexuadamente por divisão binária, mas ocorre reprodução sexuada com formação de gametas
  • 24.
  • 25.  Vivem na água doce ou no mar;  Unicelulares ou colônias;  Possuem clorofila a e c e fucoxantinas;  Substâncias de reserva: lipídios e crisolaminarina (polissacarídeo);  Tem parede celular rígida denominada de frústula ou carapaça;  Se deslocam por deslizamento;  Reprodução assexuada por divisão binária ou sexuada através da formação de gametas.
  • 26.
  • 27. Podem ser Unicelulares ou pluricelulares •Habitam mares, lagos, rios, ambientes úmidos •Base da cadeia alimentar •Formam o fitoplâncton •Reposição do O2 na atmosfera •Podem viver isoladas ou coloniais •Obs:.O termo alga também é utilizado no sentido coletivo sem valor de taxonômico
  • 28. A super população de dionoflagelados provoca o fenômeno das “marés vermelhas”. Nessa circunstância, a grande quantidade de substâncias tóxicas eliminados na água por esses protistas provoca a mortandade de peixes, crustáceos, tartarugas, focas e etc.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 35.
  • 36.
  • 37. Os protozoários podem ser fixos ou se deslocar através de cílios, flagelos ou pseudópodes. De acordo com o tipo e a presença ou não dessas organelas locomotoras, os protozoários classificam-se em:  rizópodes ou sarcodíneos - locomovem-se através de pseudópodes.  flagelados ou mastigóforos - locomovem-se através de flagelos.  ciliados - locomovem-se através de cílios;  esporozoários - desprovidos de organelas locomotoras.
  • 38. Sarcodíneos ou Rizópodos Locomoção por pseudópodos. Nutrição por fagocitose. Digestão intracelular. Vida livre (aquáticos) ou parasitas. Vacúolos Pulsáteis ou Contráteis para controle osmótico. Reprodução assexuada por divisão binária. Nome genérico  Amebas. Ex.: Amoeba proteus (vida livre) e Entamoeba histolytica (parasita).
  • 39.
  • 40.  Locomoção por flagelos.  Mutualísticos ou parasitas.  Digestão intracelular.  Reprodução assexuada por divisão binária.  Ex.: Trichonymphas sp. (mutualístico), Trypanosoma cruzi (parasita), Giardia lambia (parasita), Leishmania brasiliensis (parasita
  • 41.
  • 42. sulco oral. Digestão intracelular. Vacúolos Pulsáteis ou Contráteis. Vida livre, mutualísticos ou parasitas. Reprodução assexuada por divisão binária e sexuada por conjugação. Locomoção por cilios. Ex.: Paramaecium spp (vida livre), Balantidium coli (parasita). São os protistas mais complexos.
  • 43.
  • 44. No grupo dos esporozoários encontram-se os protistas que não têm qualquer tipo de sistema de locomoção. Todos eles são parasitas obrigatórios. Os mais comuns são do gênero Plasmodium, que causam a Malária, e do gênero Toxoplasma, que causam a toxoplasmose.
  • 45.
  • 46.  ASSEXUADA por divisão binária e  Ocorre por exemplo em amebas e no tripanossomo.  SEXUADA por conjugação que ocorre no paramécio.
  • 47.
  • 48.  DOENÇA DE CHAGAS  Descobridor: o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas. Definição: E uma doença transmissível, causado por um parasito do gênero Trypanosoma e transmitida principalmente através do "barbeiro". É conhecido também por: chupança.  Agente causador: É um protozoário denominado Trypanosoma cruzi. No homem e nos animais, vive no sangue e nas fibras musculares, especialmente as cardíacas e digestivas: no inseto transmissor, vive no tubo digestivo.
  • 49.  Transmissor: O "barbeiro", é um inseto que se alimenta exclusivamente de vertebrados, sendo chamados hematófagos. A principal espécie propagadora da Doença de Chagas no Estado de São Paulo, foi o Triatoma infestans, hoje eliminado do nosso meio..  Geralmente, abrigam-se em locais muito próximo à fonte de alimento e podem ser encontrados na mata. Nas casas escondem-se nas frestas, buracos das paredes, nas camas, colchões e baús.
  • 50. Na fase aguda, ocorrem febre moderada, hepatomegalia discreta (grande fígado), inflamação dos gânglios linfáticos, miocardia aguda, meningoencefalite (dores na meninges), etc. É comum a diminuição dos sintomas. As crianças apresentam uma maior taxa de letalidade variando de 2% a 7%.  Na fase crônica, ocorre o comprometimento do coração e do sistema digestivo. A duração depende de vários fatores, desde idade e estado nutricional do paciente até os intrínsecos dos parasitas. Os sintomas mais importantes são a cadiomegalia (coração grande), o megaesôfago (esôfago grande) e o megacólon (cólon grande). 
  • 51.
  • 52.
  • 53. Baseia-se principalmente em medidas de controle ao "barbeiro", impedindo a sua proliferação nas moradias e em seus arredores. Além de medidas específicas (inquéritos sorológicos, entomológicos e desinsetização), as atividades de educação em saúde, devem estar inseridas em todas as ações de controle, bem como, as medidas a serem tomadas pela população local, tais como: - melhorar habitação, através de reboco e tamponamento de rachaduras e frestas;
  • 54. -usar telagem em portas e janelas; - impedir a permanência de animais, como cão, o gato, macaco e outros no interior da casa; - evitar montes de lenhas, telhas ou outros entulhos no interior e arredores da casa; - construir galinheiro, paiol, tulha, chiqueiro, depósito afastados das casas e mantê-los limpos; - retirar ninhos de pássaros dos beirais das casas; - manter limpeza periódica nas casas e em seus arredores;
  • 55. -difundir junto aos amigos, parentes, vizinhos, os conhecimentos básicos sobre a doença, vetor e sobre as medidas preventivas; - encaminhar os insetos suspeitos de serem "barbeiros", para o serviço de saúde mais próximo.
  • 56.  Agente causador: E.Histolytica  Hospedeiro definitivo: homem  Local do parasitismo: intestino grosso. Podem, também, ser afetados o fígado, os pulmões e o cérebro
  • 57.  Uma pessoa vai a um restaurante e ingere um alface mal-lavado e contaminado com cistos (formas de resistência) de amebas. Tal cisto chega ao intestino do hospedeiro e se abre, liberando jovens amebas. Elas invadem a parede do intestino e começam a se alimentar de células e sangue. Além disso, elas começam a se multiplicar e inflamar a parede do intestino. Com o tempo, tal inflamação se rompe, liberando sangue junto com novas amebas.
  • 58. O período de incubação é de 2 a 4 semanas. A disenteria amebiana aguda manifesta-se com quadro disentérico agudo, cólicas abdominais, náuseas, vômitos, emagrecimento e fadiga muscular.
  • 59.  manter sanitários limpos; *lavar as mãos antes das refeições e após a defecação; *tratar os doentes e portadores assintomáticos; *não usar excrementos, como fertilizantes; *combater as moscas e baratas.
  • 60.  Parasita à Giardia lamblia  Hospedeiro definitivo: homem  Local do parasitismo: intestino delgado
  • 61. A infecção ocorre pela ingestão de cistos em água ou alimentos contaminados.No ambiente podem sobreviver meses na água fria.   
  • 62.
  • 63. A giardíase se manifesta por azia e náusea que diminuem de intensidade quando ocorre ingestão de alimentos, ocorrem cólicas seguidas de diarréia, perda de apetite, irritabilidade. Raramente observa-se muco ou sangue nas fezes do indivíduo com giardíase que no entanto possuem odor fétido, são do tipo explosiva e acompanhadas de gases. 
  • 64.  Basicamente,para se evitar a giardíase deve-se tomar as mesmas medidas profiláticas usadas contra a amebíase, já que as formas de contaminação são praticamente as mesmas. Portanto deve-se:  Só ingerir alimentos bem lavados e/ou cozidos;       Lavar as mãos antes das refeições e após o uso de sanitários;       Construção de fossas e redes de esgotos;       Só beber água filtrada e/ou fervida;       Tratar as pessoas doentes.
  • 65.  Causadores: P. vivax, P. malariae, P. falciparum, P. ovale.  Hospedeiro definitivo: mosquitos do gênero Anopheles. Só as fêmeas sugam sangue humano e podem atuar como transmissoras dos parasitas.O sangue humano contém nutrientes essenciais para a maturação e desenvolvimento dos ovos desses insetos.  Hospedeiro intermediário: homem  Locais do parasitismo: glóbulos vermelhos do sangue, células hepáticas, corpo do mosquito.
  • 66.
  • 67.  Período de incubação - 7 a 21 dias  Calafrio, calor e suor  Febre  Mal estar  Cefaléia  Vômito  Diarréia  Hipoglicemia  Insuficiência renal  Convulsão
  • 68.  Detecção e tratamento precoce dos infectados  Medidas de proteção individual e coletiva  Telagem de janelas e portas  Inseticidas de ação residual  Impregnação de mosquiteiros com inseticida  Desenvolvimento de novos fármacos  Treinamento de Recursos Humanos  Estruturação do sistema de saúde  Desenvolvimento de Vacina
  • 69. Causador: Trichomonas vaginalis  Transmissão: É considerada doença sexualmente transmissível, embora raramente, possa ser transmitida por vias não sexuais, como por exemplo, objetos contaminados (toalhas, vasos sanitários de locais públicos etc.)  Sintomas No homem, a sintomatologia é mais discreta: corrimento uretral, geralmente pela manhã, antes da primeira micção, bem como irritação da uretra. Na mulher, corrimento abundante, amarelo ou amarelo-esverdeado, bolhoso, com mau cheiro característico; prurido e/ou irritação vulvar; ocasionalmente dor pélvica;. Pode permanecer assintomática no homem e, na mulher, principalmente após a menopausa.
  • 70.  Profilaxia e tratamento  É recomendável o uso de preservativo durante o ato sexual, uso individual de roupas íntimas, tratamento de indivíduos portadores, esterilização dos aparelhos ginecológicos, higiene em relação aos sanitários públicos, etc. O tratamento é feito com uso de nitroimidazóis, em administração oral e vaginal. Em todos os casos em que se positiva o diagnóstico da infecção na mulher, deve-se estender também o tratamento ao seu marido ou companheiro, já que, sem tal cuidado, poderá surgir uma nova contaminação da mulher e perpetuação do quadro clínico apresentado.
  • 71.  Causador: Leishmania brasiliensis  Hospedeiro definitivo: homem  Hospedeiro intermediário: inseto conhecido como mosquito- palha ou birigüi.  Ciclo: os parasitas se reproduzem no corpo do inseto e são inoculados durante a picada. Os ferimentos provocados pela picada ulceram e neles os parasitas se multiplicam. Novas picadas espalham as leishmânias de pessoa a pessoa.
  • 72.  Medidas clínicas, diagnóstico precoce e tratamento. Toda a pessoa que apresentar ferida de difícil cicatrização deverá procurar a Unidade Básica de Saúde, para a realização do exame específico e tratamento.  Medidas de proteção individual, são meios mecânicos através do uso de mosquiteiros simples, telas finas em portas e janelas , evitar a frequência na mata, principalmente no horário noturno, a partir das 20:00 horas (crepúsculo) sem o uso de roupas adequadas,boné, camisas de manga comprida, calças compridas e botas além do uso de repelentes.  Manter limpo terrenos baldios que possa servir como criadouros de insetos transmissores.