SlideShare uma empresa Scribd logo
LEISHMANIOSE
 A leishmaniose é uma doença não contagiosa causada
por parasitas (protozoário Leishmania) que invadem e se reproduzem dentro
das células que fazem parte do sistema imunológico (macrófagos) da pessoa
infectada.
 Esta doença pode se manifestar de duas formas: leishmaniose tegumentar ou cutânea e
a leishmaniose visceral ou calazar.
 A leishmaniose tegumentar ou cutânea é caracterizada por lesões na pele, podendo
também afetar nariz, boca e garganta (esta forma é conhecida como “ferida brava”).
 A visceral ou calazar, é uma doença sistêmica, pois afeta vários órgãos, sendo que os
mais acometidos são o fígado, baço e medula óssea. Sua evolução é longa podendo, em
alguns casos, até ultrapassar o período de um ano.
AGENTE VETOR: FLEBOTOMÍNEOS
 Os flebotomíneos são pequenos insetos responsáveis pela
transmissão de algumas doenças aos humanos e animais, como a
bartonelose, que é restrita aos altiplanos andinos, e várias
arboviroses com ocorrência inclusive no Brasil.
 Porém, de maior importância, pela distribuição geográfica e número
de casos, são as leishmanioses. Estes insetos pertencem à
ordem Diptera, mesmo grupo das moscas, mosquitos, borrachudos e
maruins.
 Apresentam um par de asas e um par de pequenas estruturas,
chamados de halteres ou balancins, responsáveis pela estabilidade
do vôo e zumbido característico dos dípteros.
 Os flebotomíneos apresentam um vôo curto. Na realidade eles saltitam
na superfície de pouso e mantém as asas eretas, ou seja, levantadas
para cima.
 No Brasil, são conhecidos por diferentes nomes de acordo com sua
ocorrência geográfica, como tatuquira, mosquito palha, asa dura, asa
branca, cangalhinha, birigui, anjinho, entre outros.
 Os flebotomíneos têm preferência por viver em locais com muita
umidade e são vistos geralmente nas horas sem luminosidade e pouca
movimentação de ar. Devido ao seu pequeno tamanho e sua fina
cutícula, normalmente são encontrados em ambientes protegidos
como fendas de pedra, buracos no solo, grutas de animais, ocos de
árvore; e também em ambientes modificados pela ação humana, tais
como: abrigos de animais domésticos (galinheiros, chiqueiros e
currais).
 Sua atividade se dá em geral no crepúsculo noturno (final da tarde),
mas em algumas situações específicas podem ocorrer durante as horas
claras do dia, principalmente em locais associados à extensa cobertura
florestal, como na Floresta Amazônica, ou restritas áreas da Mata
Atlântica.
PARASITA: LEISHMANIA
 As leishmania são protozoários parasitas de células
fagocitárias de mamíferos, especialmente de macrófagos.
São capazes de resistir à destruição após a fagocitose.
 As formas promastigotas (infecciosas) são alongadas e
possuem um flagelo locomotor anterior, que utilizam nas
fases extracelulares do seu ciclo de vida. O amastigota
(intra-celular) não tem flagelo.
 Há cerca de 30 espécies patogênicas para o ser humano
(CDC). As mais importantes são:
o As espécies L. donovani, L. infantum infantum, e L.
infantum chagasi que podem produzir a
leishmaniose visceral, mas, em casos leves, apenas
manifestações cutâneas.
o As espécies L. major, L. tropica, L. aethiopica, L.
mexicana, L. braziliensis, L. amazonensis e L.
peruviana que produzem a leishmaniose cutânea ou a mais grave,
mucocutânea.
TRANSMISSÃO
 Os machos de flebotomíneos se alimentam exclusivamente de alimentos açucarados,
especialmente seiva das plantas; por outro lado, as fêmeas também realizam o repasto
açucarado nas plantas ou na secreção de afídeos, que se constitui numa importante
fonte de energia, porém, elas necessitam do sangue dos animais vertebrados para que
ocorra a maturação dos seus ovos. Por essa razão, só elas são hematófagas, e
conseqüentemente, estão envolvidas na transmissão de doenças aos humanos e
animais.
 As fêmeas após realizarem o primeiro repasto sangüíneo em um reservatório natural do
parasita (Leishmania), podem se infectar, ou seja, adquirir os protozoários. Estes irão
sofrer processos de diferenciação e multiplicação no trato digestivo da fêmea. A
digestão do sangue dura em torno de 72 horas em média, dependendo da espécie,
porém após o sangue ser digerido e os ovos estarem amadurecidos, a grande maioria
das fêmeas morrem após a postura dos ovos, já que há um desgaste energético
extremo. As poucas fêmeas sobreviventes necessitam realizar uma segunda
alimentação sangüínea, para da mesma forma maturarem seus ovos: é neste momento
que elas transmitem a leishmaniose, pois no ato da picada injetam as formas flageladas
(os protozoários) na corrente sangüínea de sua vítima.
 Vale ressaltar que a probabilidade de transmissão da doença vai depender das
condições de exposição dos humanos aos flebotomíneos, assim como ao contexto eco-
epidemiológico do ambiente.
SINTOMATOLOGIA
 Os sintomas das leishmanioses variam de acordo com a espécie de protozoário. De
modo geral, as tegumentares causam lesões na pele (mais freqüentemente ulcerações)
e, em casos mais graves, atacam as mucosas do rosto, como nariz e lábios (leishmaniose
mucosa).
 As leishmanioses viscerais causam febre, emagrecimento, anemia, aumento do fígado e
do baço e imunodeficiência (diminuição da capacidade de defesa do organismo contra
outros micróbios). Doenças causadas por bactérias (principalmente pneumonias) são a
causa mais freqüente de morte nos casos de leishmaniose visceral, especialmente em
crianças.
PROFILAXIA
 Devido ao tamanho minúsculo, encontrar na natureza larvas e pupas de flebotomíneos
é tarefa extremamente difícil, por essa razão não há nenhuma medida de controle que
contemple as fases imaturas, ao contrário dos mosquitos que colocam seus ovos nos
meios aquáticos, possibilitando seu controle através das formas não aladas.
 As medidas de proteção preconizadas consistem basicamente em diminuir o contato
direto entre humanos e os flebotomíneos.
 Nessas situações as orientações são o uso de repelentes, evitar os horários e ambientes
onde esses vetores possam freqüentar, a utilização de mosquiteiros de tela fina, dentro
do possível, a colocação de telas de proteção nas janelas, evitar o acúmulo de lixo
orgânico, mantendo sempre limpas as áreas próximas às residências e os abrigos de
animais domésticos, fazer poda periódica nas árvores, para que não se criem os
ambientes sombreados e realizar o manejo ambiental evitando o acúmulo do lixo
orgânico, no sentido de afastados das casas os mamíferos comensais, como marsupiais
e roedores, prováveis fontes de infecção para os flebotomíneos.
CICLO DE VIDA DO PARASITA
 O protozoário, em seu ciclo de desenvolvimento, assume duas formas evolutivas:
amastigota (sem flagelo) e promastigota (flagelada).
 A primeira se desenvolve dentro do corpo dos hospedeiros e dos reservatórios. Uma vez
lá, o amastigota multiplica-se no interior de células de defesa do sangue conhecidas
como macrófagos.
 Quando o flebotomíneo se alimenta do sangue de
um hospedeiro, infecta-se com os amastigotas que,
então, se transformam em promastigotas.
 Na seqüência, os promastigotas reproduzem-se no
tubo digestivo do inseto. Ao final de um processo de
modificação, os promastigotas são inoculados em
novos hospedeiros pela picada do flebotomíneo, nos
quais voltam a assumir a forma de amastigotas,
completando, assim, o ciclo evolutivo do parasito.
 A diversidade de espécies de Leishmania, associada à capacidade de resposta imune de
cada indivíduo à infecção, está relacionada com as várias formas de manifestação da
leishmaniose.
 As tegumentares são em geral menos graves, visto que seus efeitos restringem-se à pele
e às mucosas. Já a leishmaniose visceral, como o próprio nome indica, afetam as
vísceras (ou órgãos internos), sobretudo o fígado, o baço, os gânglios linfáticos e a
medula óssea, podendo levar à morte quando não tratada.
 Até o momento, não se sabe bem por que algumas espécies
de Leishmania (denominadas dermotrópicas) permanecem na pele e mucosas enquanto
outras estão adaptadas ao parasitismo das vísceras. É possível que este fato esteja
relacionado a diferentes graus de sensibilidade ao calor.
TRATAMENTO
 Não há vacina contra as leishmanioses, assim como ainda não há para quaisquer
doenças parasitárias humanas. Portanto, as medidas mais utilizadas para o combate da
enfermidade se baseiam no controle de vetores e dos reservatórios.
 Para todas as formas de leishmaniose, o tratamento de primeira linha se faz por meio
de remédios a base de antimoniais pentavalentes. Outras drogas, comumente
utilizadas, são, como segunda escolha, a anfotericina B e a pentamidina.
EPIDEMIOLOGIA DAS LEISHMANIOSES TEGUMENTARES
 A incidência das leishmanioses tegumentares é cíclica, podendo haver um número alto
de registros em um ano, baixo no outro e alto novamente no seguinte. Na última
década, o registro de casos confirmados tem variado entre 30 mil e 40 mil por ano, no
Brasil. Segundo dados da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da
Saúde, o maior coeficiente de detecção da doença se dá na Região Norte, onde ela
atinge quase cem habitantes para cada cem mil. Em seguida, há as regiões Centro-
Oeste, com 41,85, e Nordeste, com 26,50 casos para cada cem mil pessoas.
 Apesar dos números acima, a letalidade das leishmanioses tegumentares é inexpressiva,
ocorrendo somente em casos esporádicos, como quando surgem infecções secundárias,
ou quando ocorrem problemas na medicação do paciente. Muitos casos, inclusive, não
são sequer registrados, ou porque o infectado não desenvolve a doença (tornando-se
apenas um portador), ou porque o enfermo simplesmente não procura um serviço
médico.
 Os ciclos no número de ocorrências explicam-se por fatores sociais e climáticos. Por
exemplo, tais registros podem ser influenciados, de um lado, pelo desmatamento ou
período de seca, por outro por algum processo de ocupação desordenada. Enfim, cada
região apresentará características próprias, o que colabora para que os padrões de
transmissão das leishmanioses tegumentares sejam de definição complexa. Ainda
assim, tais padrões podem ser descritos em três linhas gerais: a transmissão florestal, a
rural e a urbana.
 A transmissão florestal ocorre ao se penetrar nas matas. Por isso, ela atinge
especialmente homens que se dedicam a profissões que exigem o contato silvestre,
como a abertura de estradas, a coleta de produtos naturais, o garimpo, o turismo
ecológico ou a extração de madeira. Os flebotomíneos envolvidos nesse primeiro
padrão são essencialmente silvestres, assim como os animais que servem de
reservatório para o agente causador (preguiças, tamanduás, gambás etc). Por isso, os
casos por transmissão florestal concentram-se predominantemente na região
Amazônica e no Centro-Oeste.
 O mosaico formado por pequenas porções florestais e áreas de baixa densidade
demográfica servirá de ambiente perfeito para a transmissão rural. Neste caso, há
espécies de flebotomíneos adaptadas tanto às matas quanto às áreas próximas aos
domicílios. A infecção pode ocorrer em casa ou até mesmo quando uma criança vai para
escola e passa por um pequeno bosque. Áreas rurais de ocupação antiga, sobretudo em
estados como Ceará, Minas Gerais e Paraná, servem como exemplo.
 O padrão de transmissão urbana apresenta em dois aspectos: quando há o
deslocamento do inseto transmissor das florestas para bairros próximos à mata, ou,
simplesmente, pela ação de flebotomíneos adaptados a áreas arborizadas, periféricas à
cidade. Um exemplo para o primeiro caso ocorre quando o perímetro urbano invade a
floresta de modo desordenado. Ao ocorrer desmatamento nos limites urbanos para a
construção de novas habitações, os animais silvestres das proximidades morrem ou
fogem, o que deixa os flebotomíneos sem suas fontes alimentares naturais.
Conseqüentemente, o inseto vai buscar nos animais domésticos e no homem o sangue
necessário para a sua sobrevivência, levando consigo o protozoário. É o que acontece
atualmente em Manaus, pois lá tem havido a devastação da floresta vizinha à cidade
para a construção de novos bairros.
 No segundo caso, o vetor transmissor da doença já está adaptado ao espaço próximo
aos domicílios. Angra dos Reis e diversas localidades de Paraty, ao sul do Estado do Rio
de Janeiro, são exemplos clássicos, onde as transmissões urbanas são mais comuns. A
presença das leishmanioses tegumentares, porém, em bairros completamente urbanos
é praticamente impossível. No máximo, ela pode ocorrer em bairros periféricos com
presença de matas alteradas, como em Jacarepaguá, na cidade do Rio de Janeiro.
 O combate à transmissão das leishmanioses tegumentares é difícil. O tratamento
precoce dos casos ainda deve permanecer como prioridade do programa de controle
desta endemia. Quanto às ações preventivas, é necessário haver uma adequação das
atividades de controle às condições de cada local atingido pela doença. As pesquisas e a
política de enfrentamento contra a enfermidade devem ser adaptadas para cada região,
não existindo uma fórmula geral. Contudo, uma coisa é certa: o alastramento do mal
está intimamente ligado ao desequilíbrio ambiental, tema que deve ser sempre tratado
como prioridade.
EPIDEMIOLOGIA DAS LEISHMANIOSES VISCERAIS
 De acordo com o epidemiologista Paulo Sabroza, da Fiocruz, a atual situação da
leishmaniose visceral no Brasil é grave. O quadro da doença só não é mais sério, em
termos de risco potencial de epidemias em centros urbanos, que o do dengue. Até o
início dos anos 80, a leishmaniose visceral restringia-se a bolsões de miséria, localizados
majoritariamente no Nordeste. Hoje já é realidade em capitais como Teresina, São Luís,
Campo Grande, Palmas e Belo Horizonte. Agora, aproxima-se de outras metrópoles
como Brasília e São Paulo. "A questão não é se vai chegar, e sim quando vai chegar",
alerta.
 Assim como nas tegumentares, a ocorrência da leishmaniose visceral é cíclica. De
acordo com a SVS, mais de 70% dos casos ainda concentram-se no Nordeste. Em todo o
país, entre cinco e dez mil indivíduos são atingidos anualmente, dos quais cerca de 10%
não sobrevivem. Certamente, a mortalidade não seria tão alta se a doença fosse
diagnosticada e tratada mais precocemente. No entanto, de acordo com Sabroza, além
de seu início lento e mal definido (o que dificulta o diagnóstico), os serviços de saúde
ainda não se encontram suficientemente mobilizados para enfrentá-la, havendo,
portanto, escassez de informação sobre a moléstia.
 Dois aspectos do processo de transmissão apresentam características que contribuem
para a disseminação da leishmaniose visceral. O primeiro é o seu principal reservatório -
o cão -, o segundo é o inseto responsável por 99% das infecções: a Lutzomyia
longipalpis, ambos com hábitos urbanos. O cão é um animal essencialmente doméstico,
completamente adaptado à vida junto ao homem e que inclusive se desloca com ele nas
migrações. A L. longipalpis também já adequou sua sobrevivência ao que pesquisadores
denominam de peridomicílio (as regiões ao redor das casas, como jardins, parques,
bosques, hortas ou quintais). Além disso, até agora, não há vacina de eficácia
comprovada e nem cura para a leishmaniose canina, de modo que a única alternativa é
a eliminação do animal infectado - tanto como medida de controle da moléstia, quanto
para evitar o seu sofrimento. No entanto, a população nem sempre se dispõe a eliminar
seus bichos de estimação, o que mais uma vez ressalta a necessidade de um amplo
trabalho de conscientização. Esporadicamente, os gatos também servem de
reservatório para o protozoário.
 Em virtude do desmatamento, da migração de populações e das mudanças sociais e
ambientais ocorridas nas últimas décadas, a leishmaniose visceral, antes silvestre,
tornou-se uma doença urbana - apesar de ainda existir em focos rurais. Chega a uma
cidade, segue a malha rodoviária, infectando as populações de beira de estrada, até
atingir a periferia da próxima cidade. Diferentemente das tegumentares, a visceral pode
inclusive atingir bairros bem urbanizados e centrais.
 Para sanar tal situação, urge que o problema da leishmaniose visceral seja encarado
como de alta prioridade. Sabroza recomenda a completa integração entre profissionais
de saúde do sistema privado e público, o envolvimento dos meios de comunicação em
um movimento de conscientização, em conjunto com campanhas de esclarecimento e a
conseqüente colaboração da população. A constituição de uma inteligência
epidemiológica em locais endêmicos, diagnóstico e tratamento precoce e o diagnóstico
e eliminação de cães infectados são outras medidas necessárias. Por fim, o controle da
moléstia passa também por um controle vetorial, tema de trato extremamente
complexo, exigindo a presença de profissionais especializados no assunto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vírus
VírusVírus
Vírus
profatatiana
 
Imunização vacinas.pptx
Imunização vacinas.pptxImunização vacinas.pptx
Imunização vacinas.pptx
CELEYCOELHODESOUZA
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
Gildo Crispim
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Microbiologia aula
Microbiologia  aulaMicrobiologia  aula
Microbiologia aula
renato89enfermeiro
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Jaqueline Almeida
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
Thiago barreiros
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Jaqueline Almeida
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
Ricardo Portela
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
Caroline Landim
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
HIAGO SANTOS
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
Janaína Lassala
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
rnogueira
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
Evandro Batista
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Karynne Alves do Nascimento
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
Elizabete Costa
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
NETTO Santtos
 

Mais procurados (20)

Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Imunização vacinas.pptx
Imunização vacinas.pptxImunização vacinas.pptx
Imunização vacinas.pptx
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Microbiologia aula
Microbiologia  aulaMicrobiologia  aula
Microbiologia aula
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
História da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no BrasilHistória da Saúde Pública no Brasil
História da Saúde Pública no Brasil
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
 
SUS - Aula
SUS - AulaSUS - Aula
SUS - Aula
 
Parasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigoParasitoses humanas rodrigo
Parasitoses humanas rodrigo
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no BrasilSituação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
Situação epidemiológica das doenças transmissíveis no Brasil
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
slide Filarioses
slide Filariosesslide Filarioses
slide Filarioses
 

Destaque

Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Dogs in Cars
Dogs in CarsDogs in Cars
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
pHrOzEn HeLL
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
monica_lima
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
3a2011
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
Leninha Dos Anjos
 
dengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunyadengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunya
Allison Domecht
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
Paulo Firmino
 
Apostila adaptada/alfabetização
Apostila adaptada/alfabetizaçãoApostila adaptada/alfabetização
Apostila adaptada/alfabetização
Isa ...
 

Destaque (9)

Arboviroses
ArbovirosesArboviroses
Arboviroses
 
Dogs in Cars
Dogs in CarsDogs in Cars
Dogs in Cars
 
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceralParasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
Parasitologia - Leishmaniose cutânea e visceral
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
 
dengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunyadengue, zika, chicungunya
dengue, zika, chicungunya
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 
Apostila adaptada/alfabetização
Apostila adaptada/alfabetizaçãoApostila adaptada/alfabetização
Apostila adaptada/alfabetização
 

Semelhante a Apostila 1o ano leishmaniose

Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
Ronaldo Reis Rêgo
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
Adila Trubat
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
ProfDeboraCursinho
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
Marta810319
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
IsadoraPereira32
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
IsadoraPereira32
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
Jonatas Barros
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Brunno Lemes de Melo
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Adila Trubat
 
Análisesok.pdf
Análisesok.pdfAnálisesok.pdf
Análisesok.pdf
MayaraGomes216833
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
nynynha
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Turma Olímpica
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
marciadcouto
 
Chagas3
Chagas3Chagas3
Chagas3
ramonjunor
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
marciadcouto
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses

Semelhante a Apostila 1o ano leishmaniose (20)

Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
Aula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmaniaAula 3 trypanossoma leishmania
Aula 3 trypanossoma leishmania
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
008 helmintos
008   helmintos008   helmintos
008 helmintos
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologiaAula 1 conceitos gerais de parasitologia
Aula 1 conceitos gerais de parasitologia
 
Análisesok.pdf
Análisesok.pdfAnálisesok.pdf
Análisesok.pdf
 
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009Bases Ii   Aula 1   IntroduçãO à Parasitologia   24082009
Bases Ii Aula 1 IntroduçãO à Parasitologia 24082009
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Chagas3
Chagas3Chagas3
Chagas3
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 

Mais de SESI 422 - Americana

Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
SESI 422 - Americana
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
SESI 422 - Americana
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
SESI 422 - Americana
 
Expressividade e penetrância
Expressividade e penetrânciaExpressividade e penetrância
Expressividade e penetrância
SESI 422 - Americana
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
SESI 422 - Americana
 
Casos especiais de herança
Casos especiais de herançaCasos especiais de herança
Casos especiais de herança
SESI 422 - Americana
 
Exercícios 2
Exercícios 2Exercícios 2
Exercícios 2
SESI 422 - Americana
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
SESI 422 - Americana
 
Textos novas espécies
Textos novas espéciesTextos novas espécies
Textos novas espécies
SESI 422 - Americana
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Cromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelosCromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelos
SESI 422 - Americana
 
Genética mendeliana básica
Genética mendeliana básicaGenética mendeliana básica
Genética mendeliana básica
SESI 422 - Americana
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
SESI 422 - Americana
 
Projeto terrário
Projeto terrárioProjeto terrário
Projeto terrário
SESI 422 - Americana
 
Projeto paleontólogos
Projeto paleontólogosProjeto paleontólogos
Projeto paleontólogos
SESI 422 - Americana
 
Garça branca
Garça brancaGarça branca
Garça branca
SESI 422 - Americana
 
Reportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalasReportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalas
SESI 422 - Americana
 
Capivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundoCapivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundo
SESI 422 - Americana
 
Lírios
LíriosLírios

Mais de SESI 422 - Americana (20)

Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Expressividade e penetrância
Expressividade e penetrânciaExpressividade e penetrância
Expressividade e penetrância
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Casos especiais de herança
Casos especiais de herançaCasos especiais de herança
Casos especiais de herança
 
Exercícios 2
Exercícios 2Exercícios 2
Exercícios 2
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
 
Textos novas espécies
Textos novas espéciesTextos novas espécies
Textos novas espécies
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Cromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelosCromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelos
 
Genética mendeliana básica
Genética mendeliana básicaGenética mendeliana básica
Genética mendeliana básica
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Projeto terrário
Projeto terrárioProjeto terrário
Projeto terrário
 
Projeto paleontólogos
Projeto paleontólogosProjeto paleontólogos
Projeto paleontólogos
 
Garça branca
Garça brancaGarça branca
Garça branca
 
Reportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalasReportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalas
 
Capivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundoCapivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundo
 
Lírios
LíriosLírios
Lírios
 

Apostila 1o ano leishmaniose

  • 1. LEISHMANIOSE  A leishmaniose é uma doença não contagiosa causada por parasitas (protozoário Leishmania) que invadem e se reproduzem dentro das células que fazem parte do sistema imunológico (macrófagos) da pessoa infectada.  Esta doença pode se manifestar de duas formas: leishmaniose tegumentar ou cutânea e a leishmaniose visceral ou calazar.  A leishmaniose tegumentar ou cutânea é caracterizada por lesões na pele, podendo também afetar nariz, boca e garganta (esta forma é conhecida como “ferida brava”).  A visceral ou calazar, é uma doença sistêmica, pois afeta vários órgãos, sendo que os mais acometidos são o fígado, baço e medula óssea. Sua evolução é longa podendo, em alguns casos, até ultrapassar o período de um ano.
  • 2. AGENTE VETOR: FLEBOTOMÍNEOS  Os flebotomíneos são pequenos insetos responsáveis pela transmissão de algumas doenças aos humanos e animais, como a bartonelose, que é restrita aos altiplanos andinos, e várias arboviroses com ocorrência inclusive no Brasil.  Porém, de maior importância, pela distribuição geográfica e número de casos, são as leishmanioses. Estes insetos pertencem à ordem Diptera, mesmo grupo das moscas, mosquitos, borrachudos e maruins.  Apresentam um par de asas e um par de pequenas estruturas, chamados de halteres ou balancins, responsáveis pela estabilidade do vôo e zumbido característico dos dípteros.  Os flebotomíneos apresentam um vôo curto. Na realidade eles saltitam na superfície de pouso e mantém as asas eretas, ou seja, levantadas para cima.  No Brasil, são conhecidos por diferentes nomes de acordo com sua ocorrência geográfica, como tatuquira, mosquito palha, asa dura, asa branca, cangalhinha, birigui, anjinho, entre outros.  Os flebotomíneos têm preferência por viver em locais com muita umidade e são vistos geralmente nas horas sem luminosidade e pouca movimentação de ar. Devido ao seu pequeno tamanho e sua fina cutícula, normalmente são encontrados em ambientes protegidos como fendas de pedra, buracos no solo, grutas de animais, ocos de árvore; e também em ambientes modificados pela ação humana, tais como: abrigos de animais domésticos (galinheiros, chiqueiros e currais).  Sua atividade se dá em geral no crepúsculo noturno (final da tarde), mas em algumas situações específicas podem ocorrer durante as horas claras do dia, principalmente em locais associados à extensa cobertura florestal, como na Floresta Amazônica, ou restritas áreas da Mata Atlântica. PARASITA: LEISHMANIA  As leishmania são protozoários parasitas de células fagocitárias de mamíferos, especialmente de macrófagos. São capazes de resistir à destruição após a fagocitose.  As formas promastigotas (infecciosas) são alongadas e possuem um flagelo locomotor anterior, que utilizam nas fases extracelulares do seu ciclo de vida. O amastigota (intra-celular) não tem flagelo.  Há cerca de 30 espécies patogênicas para o ser humano (CDC). As mais importantes são: o As espécies L. donovani, L. infantum infantum, e L. infantum chagasi que podem produzir a leishmaniose visceral, mas, em casos leves, apenas manifestações cutâneas. o As espécies L. major, L. tropica, L. aethiopica, L. mexicana, L. braziliensis, L. amazonensis e L. peruviana que produzem a leishmaniose cutânea ou a mais grave, mucocutânea.
  • 3. TRANSMISSÃO  Os machos de flebotomíneos se alimentam exclusivamente de alimentos açucarados, especialmente seiva das plantas; por outro lado, as fêmeas também realizam o repasto açucarado nas plantas ou na secreção de afídeos, que se constitui numa importante fonte de energia, porém, elas necessitam do sangue dos animais vertebrados para que ocorra a maturação dos seus ovos. Por essa razão, só elas são hematófagas, e conseqüentemente, estão envolvidas na transmissão de doenças aos humanos e animais.  As fêmeas após realizarem o primeiro repasto sangüíneo em um reservatório natural do parasita (Leishmania), podem se infectar, ou seja, adquirir os protozoários. Estes irão sofrer processos de diferenciação e multiplicação no trato digestivo da fêmea. A digestão do sangue dura em torno de 72 horas em média, dependendo da espécie, porém após o sangue ser digerido e os ovos estarem amadurecidos, a grande maioria das fêmeas morrem após a postura dos ovos, já que há um desgaste energético extremo. As poucas fêmeas sobreviventes necessitam realizar uma segunda alimentação sangüínea, para da mesma forma maturarem seus ovos: é neste momento que elas transmitem a leishmaniose, pois no ato da picada injetam as formas flageladas (os protozoários) na corrente sangüínea de sua vítima.  Vale ressaltar que a probabilidade de transmissão da doença vai depender das condições de exposição dos humanos aos flebotomíneos, assim como ao contexto eco- epidemiológico do ambiente. SINTOMATOLOGIA  Os sintomas das leishmanioses variam de acordo com a espécie de protozoário. De modo geral, as tegumentares causam lesões na pele (mais freqüentemente ulcerações) e, em casos mais graves, atacam as mucosas do rosto, como nariz e lábios (leishmaniose mucosa).  As leishmanioses viscerais causam febre, emagrecimento, anemia, aumento do fígado e do baço e imunodeficiência (diminuição da capacidade de defesa do organismo contra outros micróbios). Doenças causadas por bactérias (principalmente pneumonias) são a causa mais freqüente de morte nos casos de leishmaniose visceral, especialmente em crianças. PROFILAXIA  Devido ao tamanho minúsculo, encontrar na natureza larvas e pupas de flebotomíneos é tarefa extremamente difícil, por essa razão não há nenhuma medida de controle que contemple as fases imaturas, ao contrário dos mosquitos que colocam seus ovos nos meios aquáticos, possibilitando seu controle através das formas não aladas.  As medidas de proteção preconizadas consistem basicamente em diminuir o contato direto entre humanos e os flebotomíneos.  Nessas situações as orientações são o uso de repelentes, evitar os horários e ambientes onde esses vetores possam freqüentar, a utilização de mosquiteiros de tela fina, dentro do possível, a colocação de telas de proteção nas janelas, evitar o acúmulo de lixo orgânico, mantendo sempre limpas as áreas próximas às residências e os abrigos de animais domésticos, fazer poda periódica nas árvores, para que não se criem os ambientes sombreados e realizar o manejo ambiental evitando o acúmulo do lixo orgânico, no sentido de afastados das casas os mamíferos comensais, como marsupiais e roedores, prováveis fontes de infecção para os flebotomíneos.
  • 4. CICLO DE VIDA DO PARASITA  O protozoário, em seu ciclo de desenvolvimento, assume duas formas evolutivas: amastigota (sem flagelo) e promastigota (flagelada).  A primeira se desenvolve dentro do corpo dos hospedeiros e dos reservatórios. Uma vez lá, o amastigota multiplica-se no interior de células de defesa do sangue conhecidas como macrófagos.  Quando o flebotomíneo se alimenta do sangue de um hospedeiro, infecta-se com os amastigotas que, então, se transformam em promastigotas.  Na seqüência, os promastigotas reproduzem-se no tubo digestivo do inseto. Ao final de um processo de modificação, os promastigotas são inoculados em novos hospedeiros pela picada do flebotomíneo, nos quais voltam a assumir a forma de amastigotas, completando, assim, o ciclo evolutivo do parasito.  A diversidade de espécies de Leishmania, associada à capacidade de resposta imune de cada indivíduo à infecção, está relacionada com as várias formas de manifestação da leishmaniose.  As tegumentares são em geral menos graves, visto que seus efeitos restringem-se à pele e às mucosas. Já a leishmaniose visceral, como o próprio nome indica, afetam as vísceras (ou órgãos internos), sobretudo o fígado, o baço, os gânglios linfáticos e a medula óssea, podendo levar à morte quando não tratada.  Até o momento, não se sabe bem por que algumas espécies de Leishmania (denominadas dermotrópicas) permanecem na pele e mucosas enquanto outras estão adaptadas ao parasitismo das vísceras. É possível que este fato esteja relacionado a diferentes graus de sensibilidade ao calor. TRATAMENTO  Não há vacina contra as leishmanioses, assim como ainda não há para quaisquer doenças parasitárias humanas. Portanto, as medidas mais utilizadas para o combate da enfermidade se baseiam no controle de vetores e dos reservatórios.  Para todas as formas de leishmaniose, o tratamento de primeira linha se faz por meio de remédios a base de antimoniais pentavalentes. Outras drogas, comumente utilizadas, são, como segunda escolha, a anfotericina B e a pentamidina.
  • 5. EPIDEMIOLOGIA DAS LEISHMANIOSES TEGUMENTARES  A incidência das leishmanioses tegumentares é cíclica, podendo haver um número alto de registros em um ano, baixo no outro e alto novamente no seguinte. Na última década, o registro de casos confirmados tem variado entre 30 mil e 40 mil por ano, no Brasil. Segundo dados da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, o maior coeficiente de detecção da doença se dá na Região Norte, onde ela atinge quase cem habitantes para cada cem mil. Em seguida, há as regiões Centro- Oeste, com 41,85, e Nordeste, com 26,50 casos para cada cem mil pessoas.  Apesar dos números acima, a letalidade das leishmanioses tegumentares é inexpressiva, ocorrendo somente em casos esporádicos, como quando surgem infecções secundárias, ou quando ocorrem problemas na medicação do paciente. Muitos casos, inclusive, não são sequer registrados, ou porque o infectado não desenvolve a doença (tornando-se apenas um portador), ou porque o enfermo simplesmente não procura um serviço médico.  Os ciclos no número de ocorrências explicam-se por fatores sociais e climáticos. Por exemplo, tais registros podem ser influenciados, de um lado, pelo desmatamento ou período de seca, por outro por algum processo de ocupação desordenada. Enfim, cada região apresentará características próprias, o que colabora para que os padrões de transmissão das leishmanioses tegumentares sejam de definição complexa. Ainda assim, tais padrões podem ser descritos em três linhas gerais: a transmissão florestal, a rural e a urbana.  A transmissão florestal ocorre ao se penetrar nas matas. Por isso, ela atinge especialmente homens que se dedicam a profissões que exigem o contato silvestre, como a abertura de estradas, a coleta de produtos naturais, o garimpo, o turismo ecológico ou a extração de madeira. Os flebotomíneos envolvidos nesse primeiro padrão são essencialmente silvestres, assim como os animais que servem de reservatório para o agente causador (preguiças, tamanduás, gambás etc). Por isso, os casos por transmissão florestal concentram-se predominantemente na região Amazônica e no Centro-Oeste.  O mosaico formado por pequenas porções florestais e áreas de baixa densidade demográfica servirá de ambiente perfeito para a transmissão rural. Neste caso, há espécies de flebotomíneos adaptadas tanto às matas quanto às áreas próximas aos domicílios. A infecção pode ocorrer em casa ou até mesmo quando uma criança vai para escola e passa por um pequeno bosque. Áreas rurais de ocupação antiga, sobretudo em estados como Ceará, Minas Gerais e Paraná, servem como exemplo.  O padrão de transmissão urbana apresenta em dois aspectos: quando há o deslocamento do inseto transmissor das florestas para bairros próximos à mata, ou, simplesmente, pela ação de flebotomíneos adaptados a áreas arborizadas, periféricas à cidade. Um exemplo para o primeiro caso ocorre quando o perímetro urbano invade a floresta de modo desordenado. Ao ocorrer desmatamento nos limites urbanos para a construção de novas habitações, os animais silvestres das proximidades morrem ou fogem, o que deixa os flebotomíneos sem suas fontes alimentares naturais. Conseqüentemente, o inseto vai buscar nos animais domésticos e no homem o sangue necessário para a sua sobrevivência, levando consigo o protozoário. É o que acontece atualmente em Manaus, pois lá tem havido a devastação da floresta vizinha à cidade para a construção de novos bairros.  No segundo caso, o vetor transmissor da doença já está adaptado ao espaço próximo aos domicílios. Angra dos Reis e diversas localidades de Paraty, ao sul do Estado do Rio de Janeiro, são exemplos clássicos, onde as transmissões urbanas são mais comuns. A presença das leishmanioses tegumentares, porém, em bairros completamente urbanos é praticamente impossível. No máximo, ela pode ocorrer em bairros periféricos com presença de matas alteradas, como em Jacarepaguá, na cidade do Rio de Janeiro.  O combate à transmissão das leishmanioses tegumentares é difícil. O tratamento precoce dos casos ainda deve permanecer como prioridade do programa de controle desta endemia. Quanto às ações preventivas, é necessário haver uma adequação das
  • 6. atividades de controle às condições de cada local atingido pela doença. As pesquisas e a política de enfrentamento contra a enfermidade devem ser adaptadas para cada região, não existindo uma fórmula geral. Contudo, uma coisa é certa: o alastramento do mal está intimamente ligado ao desequilíbrio ambiental, tema que deve ser sempre tratado como prioridade. EPIDEMIOLOGIA DAS LEISHMANIOSES VISCERAIS  De acordo com o epidemiologista Paulo Sabroza, da Fiocruz, a atual situação da leishmaniose visceral no Brasil é grave. O quadro da doença só não é mais sério, em termos de risco potencial de epidemias em centros urbanos, que o do dengue. Até o início dos anos 80, a leishmaniose visceral restringia-se a bolsões de miséria, localizados majoritariamente no Nordeste. Hoje já é realidade em capitais como Teresina, São Luís, Campo Grande, Palmas e Belo Horizonte. Agora, aproxima-se de outras metrópoles como Brasília e São Paulo. "A questão não é se vai chegar, e sim quando vai chegar", alerta.  Assim como nas tegumentares, a ocorrência da leishmaniose visceral é cíclica. De acordo com a SVS, mais de 70% dos casos ainda concentram-se no Nordeste. Em todo o país, entre cinco e dez mil indivíduos são atingidos anualmente, dos quais cerca de 10% não sobrevivem. Certamente, a mortalidade não seria tão alta se a doença fosse diagnosticada e tratada mais precocemente. No entanto, de acordo com Sabroza, além de seu início lento e mal definido (o que dificulta o diagnóstico), os serviços de saúde ainda não se encontram suficientemente mobilizados para enfrentá-la, havendo, portanto, escassez de informação sobre a moléstia.  Dois aspectos do processo de transmissão apresentam características que contribuem para a disseminação da leishmaniose visceral. O primeiro é o seu principal reservatório - o cão -, o segundo é o inseto responsável por 99% das infecções: a Lutzomyia longipalpis, ambos com hábitos urbanos. O cão é um animal essencialmente doméstico, completamente adaptado à vida junto ao homem e que inclusive se desloca com ele nas migrações. A L. longipalpis também já adequou sua sobrevivência ao que pesquisadores denominam de peridomicílio (as regiões ao redor das casas, como jardins, parques, bosques, hortas ou quintais). Além disso, até agora, não há vacina de eficácia comprovada e nem cura para a leishmaniose canina, de modo que a única alternativa é a eliminação do animal infectado - tanto como medida de controle da moléstia, quanto para evitar o seu sofrimento. No entanto, a população nem sempre se dispõe a eliminar seus bichos de estimação, o que mais uma vez ressalta a necessidade de um amplo trabalho de conscientização. Esporadicamente, os gatos também servem de reservatório para o protozoário.  Em virtude do desmatamento, da migração de populações e das mudanças sociais e ambientais ocorridas nas últimas décadas, a leishmaniose visceral, antes silvestre, tornou-se uma doença urbana - apesar de ainda existir em focos rurais. Chega a uma cidade, segue a malha rodoviária, infectando as populações de beira de estrada, até atingir a periferia da próxima cidade. Diferentemente das tegumentares, a visceral pode inclusive atingir bairros bem urbanizados e centrais.  Para sanar tal situação, urge que o problema da leishmaniose visceral seja encarado como de alta prioridade. Sabroza recomenda a completa integração entre profissionais de saúde do sistema privado e público, o envolvimento dos meios de comunicação em um movimento de conscientização, em conjunto com campanhas de esclarecimento e a conseqüente colaboração da população. A constituição de uma inteligência epidemiológica em locais endêmicos, diagnóstico e tratamento precoce e o diagnóstico e eliminação de cães infectados são outras medidas necessárias. Por fim, o controle da moléstia passa também por um controle vetorial, tema de trato extremamente complexo, exigindo a presença de profissionais especializados no assunto.