SlideShare uma empresa Scribd logo
Insuficiência Renal




                              Grupo:

                      Claudete     Karina
                      Jefferson   Tammy
                      Joelma
Rim



      Os rins são os órgãos responsáveis
      pela filtração do sangue e formação
      da urina, possuem o tamanho do
      pulso. Cada rim é constituído de
      aproximadamente um milhão de
      unidades denominadas Néfrons,
                               Néfrons,
      são essas unidades que realizam
      todo o processo de filtração.
Insuficiência Renal
          Insuficiência Renal é a condição na qual os rins
          perdem a capacidade de efetuar suas funções básicas. A
          insuficiência renal pode ser aguda, quando a perda da
          função renal ocorre subitamente, e crônica quando esta
          perda é lenta, progressiva e irreversível.
Sintomas


            Alguns sintomas dessa doença:

  Náuseas                                   Vômitos
  Suor                                      Convulsões
  Cãibras                                   Diarréias
  Fadiga                                    Cefaléias
  Vertigens                                 Sonolência
Sintomas

 A instalação dessa doença é lenta e por isso o organismo
 consegue adaptar-se até fases bem tardias da IRC, logo,
           adaptar-
 trata-
 trata-se de uma doença silenciosa.



                    Falsos Indicadores

 Quantidade de Urina                          Dor
Causas

Há várias doenças que desencadeiam a IRC, mas seus principais
causadores são:

   Hipertensão: pressão alta exercida pelo coração sobre as artérias.
Para se prevenir deve levar uma vida saudável, fazer exercícios e
consumir menos sal.

   Diabetes: doença causada uma deficiência em insulina. Para se
 prevenir deve-se ter uma alimentação equilibrada, evitando o abuso de
 doces e gorduras, dieta rica fibras, sem esquecer de praticar exercícios
 físicos regularmente.
Outras
  Causas

  Glomerulonefrite: uma inflamação do glomérulo. Para o tratamento
recomenda-se a diminuição da ingestão de proteínas, sal e líquidos, além
de controlar rigorosamente a pressão arterial.


   Doença Renal Policística: enfermidade onde se substitui o tecido
normal dos rins, por cistos cheios de líquido. A doença policística é
uma doença hereditária.
Outras
Causas


  Infecção Urinária: A infecção urinária afeta
qualquer parte do sistema urinário, desde os rins
até a uretra. É definida como a presença de
microorganismos em alguma parte desse sistema.
Para prevenir deve-se ingerir bastante líquido;
evitar reter a urina; evitar o uso indiscriminado de
antibióticos.
Outras
  Causas

  Cálculo Renal: Também conhecida como pedras nos rins. Tomar
bastante líquido é o principal item do tratamento; deve-se suprimir a
recorrência e evitar que os cálculos existentes cresçam.

   Tipos de Cálculos Renais

        Cálcio
        Magnésio
        Oxalato
        Cistina
        Ácido Úrico
        Citrato
Diagnóstico

Duas análises laboratoriais são importantes para o diagnóstico:




                         Análises de Urina

                         Dosagem da Creatinina Sanguínea
Diagnóstico

Uma maneira para avaliar a função renal é através da estimativa da Filtração
Glomerular (FG) pela medida da depuração de creatinina, a qual constitui um bom
                                                 creatinina,
índice da função renal e deve ser utilizada para o diagnóstico de IRC.

                          Estágios da Insuficiência Renal
  Estágio             Descrição               Taxa de Filtração Glomerular(TFG)
     1      Afecções renais com TFG normal         90ml/min/m² ou acima
     2           Leve redução de TFG                  60 a 89ml/min/m²
     3        Redução moderada de TFG                 30 a 59ml/min/m²
    4            Redução grave de TFG                 15 a 29ml/min/m²
     5           Falência renal de TFG              Menos de 15ml/min/m²
Diális
  e

Diálise é um processo artificial que serve para retirar, por
filtração todas as substâncias indesejáveis acumuladas pela
insuficiência renal crônica.
                   Tipos de Diálise
      Hemodiálise

      Diálise Peritoneal
      DPAC
Dietoterapia

A intervenção dietoterápica tem como objetivos:


 Reduzir a produção de catabólitos nitrogenados tóxicos;
 Retardar a velocidade de progressão da lesão renal;
 Manter o equilíbrio nutricional durante o procedimento dialítico.


Como tratamento usa-se a terapia pré-dialítica e a terapia
                  usa-            pré-
dialítica, dependendo do grau de perda da função renal.
*Taxa de Filtração Glomerular
                                                                   **Ácidos Graxos



  Dietoterapia
Terapia Pré-dialítica e Dialítica
        Pré-
                         Macronutrientes
Componentes         Fase Pré-dialítica
                         Pré-                             Fase Dialítica
                                              Hemodiálise                 DPAC
Energia ≤              35kcal/kg/dia           35kcal/kg/dia         ≥ 35kcal/kg/dia

Proteínas
TFG* ≥ 60ml/min   0,8g/kg/dia (60%PAVB)        1-1,2g/kg/dia         1,2-1,4g/kg/dia
                                                                     1,2-
TFG < 60ml/min    0,6g/kg/dia (60%PAVB)       1,4-1,6g/kg/dia
                                              1,4-
                                                ≥ 50% PAVB
Carboidratos               55-60%
                           55-                                   55-60%
                                                                 55-
Lipídios          30-35%
                  30-                               30-35%
                                                    30-
                  AG** saturados < 10 % do VCT      AG saturados < 10 % do VCT
                  AG monoinsaturado 10-15% do VCT
                                      10-           AG monoinsaturado 10-15% do VCT
                                                                        10-
                  AG polinsaturados 10% do VCT      AG polinsaturados 10% do VCT
Fibras                        20g/dia               20-25g/dia
                                                    20-
Dietoterapia

Terapia Pré-dialítica e Dialítica
        Pré-
                 Micronutrientes e Líquidos




  Componentes Fase Pré-dialítica
                   Pré-                           Fase Dialítica
                                          Hemodiálise                 DPAC
  Sódio              1-3g/dia               1-1,5g/dia               2-3g/dia

  Potássio           1-3g/dia             40-70mEq/dia
                                          40-                      40-80mEq/dia
                                                                   40-
  Cálcio             1-2g/dia               1-1,5g/dia               0,8-1g/dia
                                                                     0,8-
  Fósforo         5-10mg/kg/dia           8-17mg/kg/dia            8-17mg/kg/dia
  Líquidos        sem restrição    500ml mais o volume urinário    sem restrição
Dietoterapia


  Pacientes em hemodiálise devem controlar a ingestão de
  potássio e fósforo. E deve-se evitar:
                        deve-


  Frutas: Abacate, ameixa, água de coco, banana nanica, carambola,
  caldo de cana, goiaba, jaca, laranja, mamão papaya, manga rosa-
  coquinho, maracujá, melão, nectarina e uva.


  Verduras, legumes e tubérculos: Almeirão, brócolis, batata, batata
  doce, beterraba, couve, inhame, cenoura, chicória, couve-flor,
  espinafre, espiga de milho, mandioquinha, mandioca, palmito,
  rabanete e tomate
Preparação
                        Ingredientes

Massa:                                            Recheio:

  500g de farinha de trigo                            Vagem
  200g de margarina                          Cenoura cozida
  1 caixa de creme de leite                     Cebola Roxa
  1 colher (café) de sal                     Espiga de Milho
  1 colher (sopa) de açúcar                     Cheiro Verde
  1 colher (cheia) de fermento em pó                    Salsa



  Custo Prato:                    Custo Porção:
Preparação

                           Informação Nutricional
              Quantidade por Porção                                 %VD*
Valor Energético                     Kcal = Kj
Carboidratos
Proteínas
Gorduras Totais
Gorduras Saturadas
Fibra Alimentar
Sódio
*% Valores Diários com base em uma dieta de 2.000Kcal ou 8400Kj. Seus valores diários
podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas.
Conclusão



O grande problema da IRC é o fato de não cursar sintomas e a
pessoa com essa patologia só descobre que a possui quando se
depara com as complicações da doença. Um bom tratamento
deve prevenir mais danos aos rins e evitar o progresso da
doença. As pessoas devem ficar atentas se possuem pré-
                                                    pré-
disposição para a doença, elas devem fazer os exames de
sangue e urina periodicamente para controlar a creatinina do
sangue.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
Ana Nataly
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
Cleiton Ribeiro Alves
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
karol_ribeiro
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Insuficiência renal
Insuficiência renalInsuficiência renal
Insuficiência renal
Anderson Santana
 
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal AgudaInsuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal Aguda
SonynhaRegis
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
Cíntia Costa
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Laboratório Sérgio Franco
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
Danielle Alexia
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
Jucie Vasconcelos
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
resenfe2013
 
Ins renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônicaIns renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônica
pauloalambert
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e CrônicaInsuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
pauloalambert
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
Laboratório Sérgio Franco
 
Iam
IamIam
Desequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosDesequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticos
Aroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

Insuficiência renal aguda
Insuficiência renal agudaInsuficiência renal aguda
Insuficiência renal aguda
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Insuficiência renal
Insuficiência renalInsuficiência renal
Insuficiência renal
 
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal AgudaInsuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal Aguda
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
 
Distúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticosDistúrbios hidroeletrolíticos
Distúrbios hidroeletrolíticos
 
Ins renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônicaIns renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônica
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e CrônicaInsuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Iam
IamIam
Iam
 
Desequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticosDesequilibrios hidroeletroliticos
Desequilibrios hidroeletroliticos
 

Destaque

Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Andressa Santos
 
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
roberta55dantas
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
ctisaolucascopacabana
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
jaquerico2032
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
Caroline Magnabosco
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Cleiton Ribeiro Alves
 
Insuficiencia Renal Aguda.ppt
Insuficiencia Renal Aguda.pptInsuficiencia Renal Aguda.ppt
Insuficiencia Renal Aguda.ppt
Valesita Rodriguez
 
Tres Poderosos Inimigos
Tres Poderosos InimigosTres Poderosos Inimigos
Tres Poderosos Inimigos
comiguacu
 
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
Prof Silvio Rosa
 
Seminario n° 10 insuficiencia renal sebastian diaz pollak
Seminario n° 10 insuficiencia renal   sebastian diaz pollakSeminario n° 10 insuficiencia renal   sebastian diaz pollak
Seminario n° 10 insuficiencia renal sebastian diaz pollak
Sebastian Diaz Pollak
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
Jefferson Costa
 
Retocolite
RetocoliteRetocolite
Snc
SncSnc
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESNUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
Márcio Borges
 

Destaque (15)

Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
 
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
 
Tcc irc
Tcc   ircTcc   irc
Tcc irc
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 
Insuficiencia Renal Aguda.ppt
Insuficiencia Renal Aguda.pptInsuficiencia Renal Aguda.ppt
Insuficiencia Renal Aguda.ppt
 
Tres Poderosos Inimigos
Tres Poderosos InimigosTres Poderosos Inimigos
Tres Poderosos Inimigos
 
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)12ª aula   sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
12ª aula sofrimento respiratório agudo (s.a.r.a.)
 
Seminario n° 10 insuficiencia renal sebastian diaz pollak
Seminario n° 10 insuficiencia renal   sebastian diaz pollakSeminario n° 10 insuficiencia renal   sebastian diaz pollak
Seminario n° 10 insuficiencia renal sebastian diaz pollak
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
Retocolite
RetocoliteRetocolite
Retocolite
 
Snc
SncSnc
Snc
 
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESNUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
 

Semelhante a Insuficiência Renal Crônica

Caso clinico shr sbad 2018 encurtado
Caso clinico shr sbad 2018 encurtadoCaso clinico shr sbad 2018 encurtado
Caso clinico shr sbad 2018 encurtado
Liliana Mendes
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
Lipidose hepática
Lipidose hepáticaLipidose hepática
Lipidose hepática
Carolina Trochmann
 
Shr jornada hbdf
Shr jornada hbdfShr jornada hbdf
Shr jornada hbdf
Liliana Mendes
 
SHR jornada hbdf
SHR jornada hbdfSHR jornada hbdf
SHR jornada hbdf
Liliana Mendes
 
DRC na APS
DRC na APSDRC na APS
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoSuporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Rodrigo Biondi
 
aula dm vanielle novafapi.pdf
aula dm vanielle novafapi.pdfaula dm vanielle novafapi.pdf
aula dm vanielle novafapi.pdf
FranciscoFlorencio6
 
Síndromes diarreicas (Slides).pdf
Síndromes diarreicas (Slides).pdfSíndromes diarreicas (Slides).pdf
Síndromes diarreicas (Slides).pdf
niltonlialunga
 
Apresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoApresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de caso
Danimilene
 
Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2
Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2
Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2
Mazé Inácio
 
Dietoterapia doenças gastro intestinais
Dietoterapia doenças gastro intestinaisDietoterapia doenças gastro intestinais
Dietoterapia doenças gastro intestinais
Luciana Moura Abreu Prieto
 
Angela tratamento medicamentodo -ado
Angela   tratamento medicamentodo -adoAngela   tratamento medicamentodo -ado
Angela tratamento medicamentodo -ado
Italo Pinto
 
Calculo de parenteral
Calculo de parenteralCalculo de parenteral
Calculo de parenteral
Rossana Martins
 
Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral
Verneck Silva
 
7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição
7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição
7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição
Arícia Motta Nutrição
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
Leonardo Souza
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
Rodrigo Biondi
 
DM para estudantes.pptx
DM para estudantes.pptxDM para estudantes.pptx
DM para estudantes.pptx
MauricioMarane
 
Nutrição para o triatlon FV
Nutrição para o triatlon FVNutrição para o triatlon FV
Nutrição para o triatlon FV
Arícia Motta Nutrição
 

Semelhante a Insuficiência Renal Crônica (20)

Caso clinico shr sbad 2018 encurtado
Caso clinico shr sbad 2018 encurtadoCaso clinico shr sbad 2018 encurtado
Caso clinico shr sbad 2018 encurtado
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Lipidose hepática
Lipidose hepáticaLipidose hepática
Lipidose hepática
 
Shr jornada hbdf
Shr jornada hbdfShr jornada hbdf
Shr jornada hbdf
 
SHR jornada hbdf
SHR jornada hbdfSHR jornada hbdf
SHR jornada hbdf
 
DRC na APS
DRC na APSDRC na APS
DRC na APS
 
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoSuporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
 
aula dm vanielle novafapi.pdf
aula dm vanielle novafapi.pdfaula dm vanielle novafapi.pdf
aula dm vanielle novafapi.pdf
 
Síndromes diarreicas (Slides).pdf
Síndromes diarreicas (Slides).pdfSíndromes diarreicas (Slides).pdf
Síndromes diarreicas (Slides).pdf
 
Apresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoApresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de caso
 
Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2
Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2
Apostila produtos omnilife_novo_-_versao_2.2
 
Dietoterapia doenças gastro intestinais
Dietoterapia doenças gastro intestinaisDietoterapia doenças gastro intestinais
Dietoterapia doenças gastro intestinais
 
Angela tratamento medicamentodo -ado
Angela   tratamento medicamentodo -adoAngela   tratamento medicamentodo -ado
Angela tratamento medicamentodo -ado
 
Calculo de parenteral
Calculo de parenteralCalculo de parenteral
Calculo de parenteral
 
Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral Cálculos em Nutrição Parenteral
Cálculos em Nutrição Parenteral
 
7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição
7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição
7° Congresso Centro-Oeste de Nutrição
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
 
DM para estudantes.pptx
DM para estudantes.pptxDM para estudantes.pptx
DM para estudantes.pptx
 
Nutrição para o triatlon FV
Nutrição para o triatlon FVNutrição para o triatlon FV
Nutrição para o triatlon FV
 

Insuficiência Renal Crônica

  • 1. Insuficiência Renal Grupo: Claudete Karina Jefferson Tammy Joelma
  • 2. Rim Os rins são os órgãos responsáveis pela filtração do sangue e formação da urina, possuem o tamanho do pulso. Cada rim é constituído de aproximadamente um milhão de unidades denominadas Néfrons, Néfrons, são essas unidades que realizam todo o processo de filtração.
  • 3. Insuficiência Renal Insuficiência Renal é a condição na qual os rins perdem a capacidade de efetuar suas funções básicas. A insuficiência renal pode ser aguda, quando a perda da função renal ocorre subitamente, e crônica quando esta perda é lenta, progressiva e irreversível.
  • 4. Sintomas Alguns sintomas dessa doença: Náuseas Vômitos Suor Convulsões Cãibras Diarréias Fadiga Cefaléias Vertigens Sonolência
  • 5. Sintomas A instalação dessa doença é lenta e por isso o organismo consegue adaptar-se até fases bem tardias da IRC, logo, adaptar- trata- trata-se de uma doença silenciosa. Falsos Indicadores Quantidade de Urina Dor
  • 6. Causas Há várias doenças que desencadeiam a IRC, mas seus principais causadores são: Hipertensão: pressão alta exercida pelo coração sobre as artérias. Para se prevenir deve levar uma vida saudável, fazer exercícios e consumir menos sal. Diabetes: doença causada uma deficiência em insulina. Para se prevenir deve-se ter uma alimentação equilibrada, evitando o abuso de doces e gorduras, dieta rica fibras, sem esquecer de praticar exercícios físicos regularmente.
  • 7. Outras Causas Glomerulonefrite: uma inflamação do glomérulo. Para o tratamento recomenda-se a diminuição da ingestão de proteínas, sal e líquidos, além de controlar rigorosamente a pressão arterial. Doença Renal Policística: enfermidade onde se substitui o tecido normal dos rins, por cistos cheios de líquido. A doença policística é uma doença hereditária.
  • 8. Outras Causas Infecção Urinária: A infecção urinária afeta qualquer parte do sistema urinário, desde os rins até a uretra. É definida como a presença de microorganismos em alguma parte desse sistema. Para prevenir deve-se ingerir bastante líquido; evitar reter a urina; evitar o uso indiscriminado de antibióticos.
  • 9. Outras Causas Cálculo Renal: Também conhecida como pedras nos rins. Tomar bastante líquido é o principal item do tratamento; deve-se suprimir a recorrência e evitar que os cálculos existentes cresçam. Tipos de Cálculos Renais Cálcio Magnésio Oxalato Cistina Ácido Úrico Citrato
  • 10. Diagnóstico Duas análises laboratoriais são importantes para o diagnóstico: Análises de Urina Dosagem da Creatinina Sanguínea
  • 11. Diagnóstico Uma maneira para avaliar a função renal é através da estimativa da Filtração Glomerular (FG) pela medida da depuração de creatinina, a qual constitui um bom creatinina, índice da função renal e deve ser utilizada para o diagnóstico de IRC. Estágios da Insuficiência Renal Estágio Descrição Taxa de Filtração Glomerular(TFG) 1 Afecções renais com TFG normal 90ml/min/m² ou acima 2 Leve redução de TFG 60 a 89ml/min/m² 3 Redução moderada de TFG 30 a 59ml/min/m² 4 Redução grave de TFG 15 a 29ml/min/m² 5 Falência renal de TFG Menos de 15ml/min/m²
  • 12. Diális e Diálise é um processo artificial que serve para retirar, por filtração todas as substâncias indesejáveis acumuladas pela insuficiência renal crônica. Tipos de Diálise Hemodiálise Diálise Peritoneal DPAC
  • 13. Dietoterapia A intervenção dietoterápica tem como objetivos: Reduzir a produção de catabólitos nitrogenados tóxicos; Retardar a velocidade de progressão da lesão renal; Manter o equilíbrio nutricional durante o procedimento dialítico. Como tratamento usa-se a terapia pré-dialítica e a terapia usa- pré- dialítica, dependendo do grau de perda da função renal.
  • 14. *Taxa de Filtração Glomerular **Ácidos Graxos Dietoterapia Terapia Pré-dialítica e Dialítica Pré- Macronutrientes Componentes Fase Pré-dialítica Pré- Fase Dialítica Hemodiálise DPAC Energia ≤ 35kcal/kg/dia 35kcal/kg/dia ≥ 35kcal/kg/dia Proteínas TFG* ≥ 60ml/min 0,8g/kg/dia (60%PAVB) 1-1,2g/kg/dia 1,2-1,4g/kg/dia 1,2- TFG < 60ml/min 0,6g/kg/dia (60%PAVB) 1,4-1,6g/kg/dia 1,4- ≥ 50% PAVB Carboidratos 55-60% 55- 55-60% 55- Lipídios 30-35% 30- 30-35% 30- AG** saturados < 10 % do VCT AG saturados < 10 % do VCT AG monoinsaturado 10-15% do VCT 10- AG monoinsaturado 10-15% do VCT 10- AG polinsaturados 10% do VCT AG polinsaturados 10% do VCT Fibras 20g/dia 20-25g/dia 20-
  • 15. Dietoterapia Terapia Pré-dialítica e Dialítica Pré- Micronutrientes e Líquidos Componentes Fase Pré-dialítica Pré- Fase Dialítica Hemodiálise DPAC Sódio 1-3g/dia 1-1,5g/dia 2-3g/dia Potássio 1-3g/dia 40-70mEq/dia 40- 40-80mEq/dia 40- Cálcio 1-2g/dia 1-1,5g/dia 0,8-1g/dia 0,8- Fósforo 5-10mg/kg/dia 8-17mg/kg/dia 8-17mg/kg/dia Líquidos sem restrição 500ml mais o volume urinário sem restrição
  • 16. Dietoterapia Pacientes em hemodiálise devem controlar a ingestão de potássio e fósforo. E deve-se evitar: deve- Frutas: Abacate, ameixa, água de coco, banana nanica, carambola, caldo de cana, goiaba, jaca, laranja, mamão papaya, manga rosa- coquinho, maracujá, melão, nectarina e uva. Verduras, legumes e tubérculos: Almeirão, brócolis, batata, batata doce, beterraba, couve, inhame, cenoura, chicória, couve-flor, espinafre, espiga de milho, mandioquinha, mandioca, palmito, rabanete e tomate
  • 17. Preparação Ingredientes Massa: Recheio: 500g de farinha de trigo Vagem 200g de margarina Cenoura cozida 1 caixa de creme de leite Cebola Roxa 1 colher (café) de sal Espiga de Milho 1 colher (sopa) de açúcar Cheiro Verde 1 colher (cheia) de fermento em pó Salsa Custo Prato: Custo Porção:
  • 18. Preparação Informação Nutricional Quantidade por Porção %VD* Valor Energético Kcal = Kj Carboidratos Proteínas Gorduras Totais Gorduras Saturadas Fibra Alimentar Sódio *% Valores Diários com base em uma dieta de 2.000Kcal ou 8400Kj. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas.
  • 19. Conclusão O grande problema da IRC é o fato de não cursar sintomas e a pessoa com essa patologia só descobre que a possui quando se depara com as complicações da doença. Um bom tratamento deve prevenir mais danos aos rins e evitar o progresso da doença. As pessoas devem ficar atentas se possuem pré- pré- disposição para a doença, elas devem fazer os exames de sangue e urina periodicamente para controlar a creatinina do sangue.