SlideShare uma empresa Scribd logo
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ÀS
INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS
CLEITON RIBEIRO ALVES
INTRODUÇÃO
• As Infecções Respiratórias Agudas (IRA) são as grandes causadoras de morbimortalidade
infantil;
• Elas podem não representar perigo em algumas situações e ter curso normal sem
complicações;
• Afetam as vias aéreas e classificam-se de acordo com a localização.
IRA altas - afetam o trato respiratório superior (coriza ou constipação comum,
amigdalofaringite, adenoidites, otites).
IRA baixas - afetam o trato respiratório inferior (bronquiolite, pneumonia).
PREVALÊNCIA
• Cerca de 50% das doenças que afetam as
crianças com menos de cinco anos de idade
são infecções respiratórias agudas
(INSTITUTO CAMÕES, 2007);
• Segundo Monteiro et al. (2008) cerca de
40% das crianças que procuram atendimento médico
estão acometidas por doenças respiratórias agudas.
IRA
50%
Outras
doenças
50%
Gráfico 1 - Doenças que acometem crianças
menores de 5 anos
IRA
40%
Outras
60%
Gráfico 2 - Doenças presentes
nas crianças que procuram
atendimento médico
MORTALIDADE POR IRA EM MENORES DE 5 ANOS
Tabela 1 - Proporção de óbitos (%) por IRA segundo Região
REGIÕES 1990 1995 2000 2004 2011
BRASIL 10,3 9,4 5,9 5,8 5,3
NORTE 8,4 8,5 6,3 7,4 7,2
NORDESTE 7,0 8,1 5,3 5,3 5,3
SUDESTE 12,8 10,5 6,5 5,7 5,0
SUL 12,7 10,7 5,9 5,2 3,8
CENTRO-OESTE 9,9 8,1 5,6 6,2 4,9
Fonte: DATA SUS, Ministério da Saúde (BRASIL, 2012).
Obs.: PARAÍBA: 3,6.
CAUSAS, SINAIS E SINTOMAS
• As IRA podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos e outros
agentes. Podem atingir o trato respiratório alto e baixo.
• Sintomatologia: tosse, febre, dispnéia, inflamação orofaríngea,
otalgia, anorexia, coriza nasal, tiragem sub e intercostal e cianose;
• A maioria das IRA são virais, dispensando o uso de antibióticos,
porém uma parcela das crianças podem ter Pneumonia Bacteriana,
sendo necessário, então, o tratamento com antibiótico.
PNEUMONIA, CUIDADO!
• Entre as IRA, a pneumonia, sem dúvida, é a que
representa maior risco à saúde da criança.
• Exige tratamento em tempo hábil para evitar as suas
complicações (hipóxia e septicemia).
• As bactérias mais comuns responsáveis pela pneumonia
são Streptococcus pneumoniae e o Haemophilus
influenzae.
• Quando uma criança está com tosse ou dificuldade para
respirar, o importante é realizar uma avaliação para afastar
a hipótese de pneumonia.
CONDUTAS DE ENFERMAGEM QUANTO AOS SINAIS E
SINTOMAS
• Exigem uma monitorização constante; orientação.
• Utilização da Sistematização de Enfermagem;
Coleta de dados, diagnóstico, prescrição, implementação e avaliação de
enfermagem.
• Diagnóstico de enfermagem (North American Nursing Diagnosis Association -
NANDA)
• Intervenções (Nursing Intervention Classification –NIC)
DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO
DIAGNÓSTICO: troca de gases prejudicada; Padrão respiratório ineficaz; Desobstrução ineficaz das vias aéreas
INTERVENÇÕES
• Realizar fisioterapia do tórax;
• Remover secreções;
• Regular a ingestão de líquidos;
• Posicionar a criança;
• Encorajar a respiração lenta e profunda;
• Auscultar sons respiratórios;
• Administrar broncodilatadores;
• Monitorar a eficácia da terapia com o oxigênio;
• Monitorar a ansiedade da criança;
• Monitorar a cor;
• Solicitar aos pais que segurem a criança e conformem o filho.
ATENÇÃO INTEGRADA ÀS DOENÇAS PREVALENTES NA
INFÂNCIA (AIDIP)
• A AIDPI tem por finalidade promover uma rápida e significativa redução da mortalidade na
infância;
• A estratégia AIDPI é muito importante na tomada de conduta do enfermeiro, quando se
trata de uma criança com tosse (sinal clássico da IRA).
• Nesse caso, a criança poderá ser classificada de acordo com alguns parâmetros, e assim
possibilitar a melhor conduta a ser tomada.
AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO
Na avaliação de uma criança com tosse ou dificuldade para respirar, é possível
verificar:
1. • Há quanto tempo a criança está com tosse ou dificuldade para respirar;
2. • Se a criança apresenta sibilância ocasional ou frequente;
3. • Respiração rápida;
4. • Tiragem subcostal;
5. • Estridor.
AVALIANDO CADA ITEM
1º
• Uma criança pode estar com tosse há mais de 30 dias.
• Quando isso ocorre, já podemos pensar que estamos lidando, possivelmente,
com outros tipos de doenças;
2º
• A sibilância, som produzido quando a criança expira, trata-se de um sinal comum na
asma e não na pneumonia.
• Já a respiração rápida, em que, conforme relato da mãe “a criança está cansada”, é um
sinal muito importante na avaliação, pois está relacionada à presença ou não de
pneumonia.
• Medir frequência respiratória
• A estratégia AIDPI definiu os seguintes limites para a Definição de Respiração
Rápida:
Tabela 2- Definição de respiração
IDADE DEFINIÇÃO DE
RESPIRAÇÃO RÁPIDA
2 meses a menor de 12
meses
Acima de 50mrm
12 meses a menor de 5
anos
Acima de 40mrm
• De acordo com a AIDPI, além de saber se a criança está
com pneumonia, deve-se ainda definir se o caso é grave;
• Presença do sinal tiragem subcostal; utilização da
musculatura acessória para a realização do movimento
respiratório (retração da musculatura abaixo da última
costela durante a inspiração) e do estridor, som
produzido quando a criança inspira;
• Informação suficiente para decidir sobre a gravidade do
caso.
CLASSIFICAÇÃO DOS ACHADOS E TRATAMENTO
Quadro 1 - Classificação para crianças de 2 meses a menor de 5 anos de idade
Sinais Classificação Tratamento
Qualquer sinal geral
de perigo ou tiragem
subcostal ou Estridor em
repouso
PNEUMONIA GRAVE
OU DOENÇA MUITO
GRAVE
Dar a primeira dose de um antibiótico recomendado;
Referir urgentemente ao hospital.
Respiração rápida Pneumonia Dar um antibiótico recomendado por 7 dias;
Aliviar a tosse com remédio inócuo;
Informar a mãe sobre quando retornar imediatamente;
Se tiver sibilância, tratar com broncodilatador por 5 dias;
Marcar retorno em 2 dias.
Nenhum sinal de
pneumonia ou doença
muito grave
Não é pneumonia Se estiver tossindo há mais de 30 dias, encaminhar para
avaliação;
Informar a mãe sobre quando retornar imediatamente;
Se tiver sibilância, tratar com broncodilatador por 5 dias;
Marcar retorno em 5 dias.
SINAIS GERAIS DE PERIGO
Indicativos de gravidade do caso, independente da sua origem, portanto deve-se
referenciar a criança, quando esta apresentar qualquer um destes:
• não consegue beber nem mamar;
• vomita tudo o que ingere;
• apresentou convulsões;
• está letárgica ou inconsciente.
OUTRAS CONDUTAS IMPORTANTES DE ENFERMAGEM: O
PAPEL EDUCADOR DO ENFERMEIRO
Visita domiciliar:
• Uma revisão de vários estudos, com a predominância de estudos norte-americanos, mostra as
boas evidências dos benefícios de visitas durante os períodos pré e pós-natal
• Em todas as visitas domiciliares, é fundamental que o profissional de saúde saiba identificar sinais
de perigo à saúde da criança.
Orientação sobre o calendário de vacinação
• Exemplo: vacina penoumocócica 10-valente (sinusite, bronquite, pneumonia); vacina contra
influenza (febre, tosse seca, dor de garganta e coriza); BCG (formas graves de tuberculose);
DTP+Hib (faringite, laringite, sinusite, etc.).
Orientação para o calendário de consultas
• Seguir recomendação do Ministério da saúde
Estimular aleitamento materno
Benefícios para o bebê:
• Diminuição de morbidade especificamente relacionada a infecções como meningite
bacteriana, bacteremia, diarreia, infecção no trato respiratório, enterocolite necrosante,
otite média, infecção do trato urinário e sepse de início tardio em recém-nascidos pré-
termo.
Suplementação de vitamina A –
O efeito da descoberta da vitamina A como recurso para salvar a vida de crianças – pela
possibilidade de reduzir a incidência e a gravidade das infecções (em especial, as doenças
diarreicas e as infecções respiratórias agudas)
• A concentração de vitamina A no leite materno varia de acordo com a dieta da mãe.
• Crianças que recebem leite materno com quantidade suficiente de vitamina A suprem
facilmente a necessidade dessa vitamina com a alimentação complementar.
CONCLUSÃO
Nas consultas de enfermagem, não se permite deixar de abordar quatro itens
fundamentais:
• dar atenção à queixa principal;
• revisar os problemas já apresentados;
• enfatizar a prevenção e a promoção oportunas e;
• estimular a mudança de hábito na busca por cuidado;
É fundamental que o profissional de saúde, a família e a criança estabeleçam
uma relação de confiança ao longo do acompanhamento da criança.
REFERÊNCIAS
BRASIL, Ministério da Saúde. Saúde da Criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica. Brasília-DF,
2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_crescimento_desenvolvimento.pdf>.
Acesso em: 04 Maio 2015.
BRASIL, Ministério da Saúde. Mortalidade proporcional por infecção respiratória aguda em menores de 5 anos de idade.
2012. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/CapituloC.pdf>. Acesso em: 04 Maio 2015.
GENIOLE, L. A. I. Assistência de enfermagem por ciclos de vida. FIOCRUZ. Campo Grande, 2011.
INSTITUTO CAMÕES. Infecções respiratórias agudas. 2007. Disponível em: <http://www.instituto-
camoes.pt/glossario/Textos/Medicina/HTM/taquipneia.html>. Acesso em: 04 Maio 2015.
MONTEIRO, F. P. M. Desobstrução ineficaz das vias aéreas: mapeamento das atividades de enfermagem para crianças com
infecção respiratória. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2008. Disponível em:
<http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a02.htm>. Acesso em: 04 Maio 2015.
OBRIGADO!
ATÉ A PRÓXIMA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
Centro Universitário Ages
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Teresa Oliveira
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
José Luis Müller
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
Ismael Costa
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Regiane Ribeiro
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 

Mais procurados (20)

Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 

Destaque

Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Sara
SaraSara
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Maria Freitas
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
clinicansl
 
DoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRiasDoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRias
guest787ebb4
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Manoela Correia
 
Doenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais PulmonaresDoenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais Pulmonares
Flávia Salame
 
Apresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoApresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de caso
Danimilene
 
Assistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem SífilisAssistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem Sífilis
luzienne moraes
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
PCare Fisioterapia
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
Caroline Magnabosco
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Clebson Reinaldo
 
Doenças respiratórias ocupacionais
Doenças respiratórias ocupacionaisDoenças respiratórias ocupacionais
Doenças respiratórias ocupacionais
Isabel Araujo
 
O Estudo De Caso
O Estudo De CasoO Estudo De Caso
O Estudo De Caso
calaisgarcia
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Letícia Gonzaga
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 

Destaque (16)

Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
Doenças Respiratórias (Breve trabalho/Resumo)
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
 
DoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRiasDoençAs RespiratóRias
DoençAs RespiratóRias
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
 
Doenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais PulmonaresDoenças Ocupacionais Pulmonares
Doenças Ocupacionais Pulmonares
 
Apresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de casoApresentação de estudo de caso
Apresentação de estudo de caso
 
Assistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem SífilisAssistência de Enfermagem Sífilis
Assistência de Enfermagem Sífilis
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
 
Doenças respiratórias ocupacionais
Doenças respiratórias ocupacionaisDoenças respiratórias ocupacionais
Doenças respiratórias ocupacionais
 
O Estudo De Caso
O Estudo De CasoO Estudo De Caso
O Estudo De Caso
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 

Semelhante a Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.

aula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdfaula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdf
KeniaBarros4
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
KarineRibeiro57
 
1.aidpi tosse e diarréia
1.aidpi  tosse e diarréia1.aidpi  tosse e diarréia
1.aidpi tosse e diarréia
Mickael Gomes
 
aula AIDP 2020.docx
aula AIDP  2020.docxaula AIDP  2020.docx
aula AIDP 2020.docx
KarenFeitosa5
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
Fabricio Batistoni
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
Lorena de Assis
 
Varicela 6
Varicela 6Varicela 6
Varicela 6
Mateus Mendes
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Tércio David
 
O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP
O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP
O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docxaidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
KarenFeitosa5
 
coqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientes
coqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientescoqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientes
coqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientes
MrioVincius3
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
blogped1
 
Lactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspLactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 husp
Amilcare Vecchi
 
Usp
UspUsp
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptxConsulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
gabrielpokepass11
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
Raqueli Viecili
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
Raqueli Viecili
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
Ismael Costa
 
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
gisa_legal
 

Semelhante a Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas. (20)

aula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdfaula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdf
 
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anosDoenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
Doenças prevalentes em crianças menores de 5 anos
 
1.aidpi tosse e diarréia
1.aidpi  tosse e diarréia1.aidpi  tosse e diarréia
1.aidpi tosse e diarréia
 
aula AIDP 2020.docx
aula AIDP  2020.docxaula AIDP  2020.docx
aula AIDP 2020.docx
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
 
IVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamentoIVAS diagnóstico e tratamento
IVAS diagnóstico e tratamento
 
Varicela 6
Varicela 6Varicela 6
Varicela 6
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovascularesAssistência  à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
Assistência à criança nas disfunções respiratórias e cardiovasculares
 
O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP
O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP
O Consultório Pediátrico em tempos de Pandemia pela Covid-19 / SBP
 
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docxaidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
 
coqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientes
coqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientescoqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientes
coqueluxe e seus cuidados para saude dos pacientes
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Lactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 huspLactente sibilante 2014 husp
Lactente sibilante 2014 husp
 
Usp
UspUsp
Usp
 
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptxConsulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
Consulta de enfermagem aos pacientes com Tuberculose (1).pptx
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress (1).pptx
 
Tuberculose e Dengue
Tuberculose e DengueTuberculose e Dengue
Tuberculose e Dengue
 
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19Na  disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
Na disturb-tireoide_em_crian_adoles_e_a_covid-19
 

Mais de Cleiton Ribeiro Alves

Questões relevantes sobre economia
Questões relevantes sobre economiaQuestões relevantes sobre economia
Questões relevantes sobre economia
Cleiton Ribeiro Alves
 
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocadoConsiderações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Cleiton Ribeiro Alves
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
Cleiton Ribeiro Alves
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 
Hipertensão e juventude
Hipertensão e juventudeHipertensão e juventude
Hipertensão e juventude
Cleiton Ribeiro Alves
 
Influência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidade
Influência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidadeInfluência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidade
Influência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidade
Cleiton Ribeiro Alves
 

Mais de Cleiton Ribeiro Alves (6)

Questões relevantes sobre economia
Questões relevantes sobre economiaQuestões relevantes sobre economia
Questões relevantes sobre economia
 
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocadoConsiderações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Hipertensão e juventude
Hipertensão e juventudeHipertensão e juventude
Hipertensão e juventude
 
Influência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidade
Influência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidadeInfluência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidade
Influência do stress sobre o eixo hho e sua relação causal com a infertilidade
 

Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.

  • 1. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ÀS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS CLEITON RIBEIRO ALVES
  • 2. INTRODUÇÃO • As Infecções Respiratórias Agudas (IRA) são as grandes causadoras de morbimortalidade infantil; • Elas podem não representar perigo em algumas situações e ter curso normal sem complicações; • Afetam as vias aéreas e classificam-se de acordo com a localização. IRA altas - afetam o trato respiratório superior (coriza ou constipação comum, amigdalofaringite, adenoidites, otites). IRA baixas - afetam o trato respiratório inferior (bronquiolite, pneumonia).
  • 3. PREVALÊNCIA • Cerca de 50% das doenças que afetam as crianças com menos de cinco anos de idade são infecções respiratórias agudas (INSTITUTO CAMÕES, 2007); • Segundo Monteiro et al. (2008) cerca de 40% das crianças que procuram atendimento médico estão acometidas por doenças respiratórias agudas. IRA 50% Outras doenças 50% Gráfico 1 - Doenças que acometem crianças menores de 5 anos IRA 40% Outras 60% Gráfico 2 - Doenças presentes nas crianças que procuram atendimento médico
  • 4. MORTALIDADE POR IRA EM MENORES DE 5 ANOS Tabela 1 - Proporção de óbitos (%) por IRA segundo Região REGIÕES 1990 1995 2000 2004 2011 BRASIL 10,3 9,4 5,9 5,8 5,3 NORTE 8,4 8,5 6,3 7,4 7,2 NORDESTE 7,0 8,1 5,3 5,3 5,3 SUDESTE 12,8 10,5 6,5 5,7 5,0 SUL 12,7 10,7 5,9 5,2 3,8 CENTRO-OESTE 9,9 8,1 5,6 6,2 4,9 Fonte: DATA SUS, Ministério da Saúde (BRASIL, 2012). Obs.: PARAÍBA: 3,6.
  • 5. CAUSAS, SINAIS E SINTOMAS • As IRA podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos e outros agentes. Podem atingir o trato respiratório alto e baixo. • Sintomatologia: tosse, febre, dispnéia, inflamação orofaríngea, otalgia, anorexia, coriza nasal, tiragem sub e intercostal e cianose; • A maioria das IRA são virais, dispensando o uso de antibióticos, porém uma parcela das crianças podem ter Pneumonia Bacteriana, sendo necessário, então, o tratamento com antibiótico.
  • 6. PNEUMONIA, CUIDADO! • Entre as IRA, a pneumonia, sem dúvida, é a que representa maior risco à saúde da criança. • Exige tratamento em tempo hábil para evitar as suas complicações (hipóxia e septicemia). • As bactérias mais comuns responsáveis pela pneumonia são Streptococcus pneumoniae e o Haemophilus influenzae. • Quando uma criança está com tosse ou dificuldade para respirar, o importante é realizar uma avaliação para afastar a hipótese de pneumonia.
  • 7. CONDUTAS DE ENFERMAGEM QUANTO AOS SINAIS E SINTOMAS • Exigem uma monitorização constante; orientação. • Utilização da Sistematização de Enfermagem; Coleta de dados, diagnóstico, prescrição, implementação e avaliação de enfermagem. • Diagnóstico de enfermagem (North American Nursing Diagnosis Association - NANDA) • Intervenções (Nursing Intervention Classification –NIC)
  • 8. DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO DIAGNÓSTICO: troca de gases prejudicada; Padrão respiratório ineficaz; Desobstrução ineficaz das vias aéreas INTERVENÇÕES • Realizar fisioterapia do tórax; • Remover secreções; • Regular a ingestão de líquidos; • Posicionar a criança; • Encorajar a respiração lenta e profunda; • Auscultar sons respiratórios; • Administrar broncodilatadores; • Monitorar a eficácia da terapia com o oxigênio; • Monitorar a ansiedade da criança; • Monitorar a cor; • Solicitar aos pais que segurem a criança e conformem o filho.
  • 9. ATENÇÃO INTEGRADA ÀS DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA (AIDIP) • A AIDPI tem por finalidade promover uma rápida e significativa redução da mortalidade na infância; • A estratégia AIDPI é muito importante na tomada de conduta do enfermeiro, quando se trata de uma criança com tosse (sinal clássico da IRA). • Nesse caso, a criança poderá ser classificada de acordo com alguns parâmetros, e assim possibilitar a melhor conduta a ser tomada.
  • 10. AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Na avaliação de uma criança com tosse ou dificuldade para respirar, é possível verificar: 1. • Há quanto tempo a criança está com tosse ou dificuldade para respirar; 2. • Se a criança apresenta sibilância ocasional ou frequente; 3. • Respiração rápida; 4. • Tiragem subcostal; 5. • Estridor.
  • 11. AVALIANDO CADA ITEM 1º • Uma criança pode estar com tosse há mais de 30 dias. • Quando isso ocorre, já podemos pensar que estamos lidando, possivelmente, com outros tipos de doenças;
  • 12. 2º • A sibilância, som produzido quando a criança expira, trata-se de um sinal comum na asma e não na pneumonia. • Já a respiração rápida, em que, conforme relato da mãe “a criança está cansada”, é um sinal muito importante na avaliação, pois está relacionada à presença ou não de pneumonia. • Medir frequência respiratória
  • 13. • A estratégia AIDPI definiu os seguintes limites para a Definição de Respiração Rápida: Tabela 2- Definição de respiração IDADE DEFINIÇÃO DE RESPIRAÇÃO RÁPIDA 2 meses a menor de 12 meses Acima de 50mrm 12 meses a menor de 5 anos Acima de 40mrm
  • 14. • De acordo com a AIDPI, além de saber se a criança está com pneumonia, deve-se ainda definir se o caso é grave; • Presença do sinal tiragem subcostal; utilização da musculatura acessória para a realização do movimento respiratório (retração da musculatura abaixo da última costela durante a inspiração) e do estridor, som produzido quando a criança inspira; • Informação suficiente para decidir sobre a gravidade do caso.
  • 15. CLASSIFICAÇÃO DOS ACHADOS E TRATAMENTO Quadro 1 - Classificação para crianças de 2 meses a menor de 5 anos de idade Sinais Classificação Tratamento Qualquer sinal geral de perigo ou tiragem subcostal ou Estridor em repouso PNEUMONIA GRAVE OU DOENÇA MUITO GRAVE Dar a primeira dose de um antibiótico recomendado; Referir urgentemente ao hospital. Respiração rápida Pneumonia Dar um antibiótico recomendado por 7 dias; Aliviar a tosse com remédio inócuo; Informar a mãe sobre quando retornar imediatamente; Se tiver sibilância, tratar com broncodilatador por 5 dias; Marcar retorno em 2 dias. Nenhum sinal de pneumonia ou doença muito grave Não é pneumonia Se estiver tossindo há mais de 30 dias, encaminhar para avaliação; Informar a mãe sobre quando retornar imediatamente; Se tiver sibilância, tratar com broncodilatador por 5 dias; Marcar retorno em 5 dias.
  • 16. SINAIS GERAIS DE PERIGO Indicativos de gravidade do caso, independente da sua origem, portanto deve-se referenciar a criança, quando esta apresentar qualquer um destes: • não consegue beber nem mamar; • vomita tudo o que ingere; • apresentou convulsões; • está letárgica ou inconsciente.
  • 17. OUTRAS CONDUTAS IMPORTANTES DE ENFERMAGEM: O PAPEL EDUCADOR DO ENFERMEIRO Visita domiciliar: • Uma revisão de vários estudos, com a predominância de estudos norte-americanos, mostra as boas evidências dos benefícios de visitas durante os períodos pré e pós-natal • Em todas as visitas domiciliares, é fundamental que o profissional de saúde saiba identificar sinais de perigo à saúde da criança. Orientação sobre o calendário de vacinação • Exemplo: vacina penoumocócica 10-valente (sinusite, bronquite, pneumonia); vacina contra influenza (febre, tosse seca, dor de garganta e coriza); BCG (formas graves de tuberculose); DTP+Hib (faringite, laringite, sinusite, etc.). Orientação para o calendário de consultas • Seguir recomendação do Ministério da saúde
  • 18. Estimular aleitamento materno Benefícios para o bebê: • Diminuição de morbidade especificamente relacionada a infecções como meningite bacteriana, bacteremia, diarreia, infecção no trato respiratório, enterocolite necrosante, otite média, infecção do trato urinário e sepse de início tardio em recém-nascidos pré- termo.
  • 19. Suplementação de vitamina A – O efeito da descoberta da vitamina A como recurso para salvar a vida de crianças – pela possibilidade de reduzir a incidência e a gravidade das infecções (em especial, as doenças diarreicas e as infecções respiratórias agudas) • A concentração de vitamina A no leite materno varia de acordo com a dieta da mãe. • Crianças que recebem leite materno com quantidade suficiente de vitamina A suprem facilmente a necessidade dessa vitamina com a alimentação complementar.
  • 20. CONCLUSÃO Nas consultas de enfermagem, não se permite deixar de abordar quatro itens fundamentais: • dar atenção à queixa principal; • revisar os problemas já apresentados; • enfatizar a prevenção e a promoção oportunas e; • estimular a mudança de hábito na busca por cuidado; É fundamental que o profissional de saúde, a família e a criança estabeleçam uma relação de confiança ao longo do acompanhamento da criança.
  • 21. REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. Saúde da Criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica. Brasília-DF, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_crescimento_desenvolvimento.pdf>. Acesso em: 04 Maio 2015. BRASIL, Ministério da Saúde. Mortalidade proporcional por infecção respiratória aguda em menores de 5 anos de idade. 2012. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/livroidb/2ed/CapituloC.pdf>. Acesso em: 04 Maio 2015. GENIOLE, L. A. I. Assistência de enfermagem por ciclos de vida. FIOCRUZ. Campo Grande, 2011. INSTITUTO CAMÕES. Infecções respiratórias agudas. 2007. Disponível em: <http://www.instituto- camoes.pt/glossario/Textos/Medicina/HTM/taquipneia.html>. Acesso em: 04 Maio 2015. MONTEIRO, F. P. M. Desobstrução ineficaz das vias aéreas: mapeamento das atividades de enfermagem para crianças com infecção respiratória. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2008. Disponível em: <http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n3/v10n3a02.htm>. Acesso em: 04 Maio 2015.