SlideShare uma empresa Scribd logo
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
Os rins são órgãos excretores localizados
na parede retroperitoneal, que tem a
função de eliminar através da urina
substâncias em excesso ou nocivas
A insuficiência renal aguda é a diminuição rápida da
capacidade dos rins de eliminar as substâncias tóxicas
presentes no sangue, acarretando um acúmulo de
produtos da degradação metabólica.

Há 3 tipos de IRA dependendo do local onde se dão as
alterações agudas:
Pré Renal – quando a obstrução ocorre antes dos rins
Renal - ocorre no rim propriamente dito
Pós Renal – quando a obstrução ocorre depois dos rins
Suprimento sanguíneo insuficiente aos rins.
Obstrução do fluxo urinário.
Lesões no interior do rim.
Os sintomas dependem da gravidade da insuficiência
renal, de sua velocidade de progressão e de sua causa
básica.
Os principais sintomas são:
Fraqueza
Cansaço
Inchaço em rosto, pés ou pernas
Dificuldades para urinar (queimação)
Urina com espuma
Urina com alterações na sua cor (escura ou avermelhada)
Diminuição da quantidade de urina.
Através da quantidade de urina diária e
concentração de creatinina no sangue, exames
laboratoriais, físicos e de diagnóstico por imagem.
O consumo de água limitado.
O peso corpóreo controlado diariamente.
O consumo de substâncias eliminadas pelos rins deve
ser rigorosamente limitado.
Em casos mais graves é recomendado a diálise.
E quando a perda total da atividade do rim, tem que
ser feito o transplante do mesmo.
É uma deteriorização progressiva e irreversível da
função renal, na qual a capacidade do organismo de
manter o equilíbrio metabólico falha, resultando em
acumulo de substâncias degradáveis no organismo.
Estágio 1 - Pacientes com clearance de creatinina
maiores que 90 ml/min, porém com alguma doença
como diabetes, hipertensão etc...
Estágio 2 - Pacientes com clearance de creatinina entre
60 e 89 ml/min. Chamada de fase de pré-insuficiência
renal onde há pequenas perdas na função renal.
Estágio 3 - Pacientes com clearance de creatinina entre
30 e 59 ml/min. Esta é a fase de insuficiência renal
crônica declarada.
Estágio 4 - Pacientes com clearance de creatinina entre
15 e 29 ml/min. Está é a fase pré-diálise onde os
primeiros sintomas começam a aparecer.
Estágio 5 - Pacientes com clearance de creatinina menor
que 15 ml/min. Está é a chamada fase de insuficiência
renal terminal.
- Hipertensão
- Diabetes mellitus
- Doença policística renal
- Glomerulonefrites
- Infecções urinárias de repetição
- Cálculos renais de repetição
- Doenças da próstata
- Abuso de anti-inflamatórios
- Distúrbios autoimunes
- Acidose                    - Anemia
- Retenção de sódio e água   - Hipertensão;
- Pele seca, escamosa;       - Unhas finas, quebradiças;
- Cabelo fino, áspero        - Crepitação;
- Fraqueza, fadiga;          - Confusão
- Convulsões;                - Cansaço nas pernas;
- Câimbras musculares;       - Perda da força muscular;
- Fraturas ósseas;
Através de exames laboratoriais observa-se:
- Aumento das concentrações de uréia e de creatinina
no sangue
- Anemia
- Aumento da acidez do sangue (acidose)
- Diminuição da concentração de cálcio
- Aumento da concentração de fosfato
- Aumento da concentração de paratormônio
- Diminuição da concentração de vitamina D
- Concentração de potássio discretamente aumentada
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi
A insuficiência renal crônica geralmente piora
independentemente do tratamento. As causas da
insuficiência renal devem ser corrigidas o mais
rapidamente possível, com ações que incluem a correção
dos desequilíbrios de sódio, de água e ácido-básicos, a
remoção de substâncias tóxicas dos rins, o tratamento da
insuficiência cardíaca, da hipertensão arterial, das
infecções e da concentração sanguínea elevada de
potássio. Uma dieta pobre em proteínas e rica em
vitaminas do grupo B e C podem retardar o processo da
insuficiência renal.
Até que os rins estejam funcionando somente 10-12% da
função renal normal, pode-se tratar os pacientes com
medicamentos e dieta. Quando a função renal se reduz
abaixo destes valores, torna-se necessário o uso de outros
tratamentos como: diálise ou transplante do rim.
Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e CrônicaInsuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
pauloalambert
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Patricia Nunes
 
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Andressa Santos
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
Cleiton Ribeiro Alves
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Roberta Araujo
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
tammygerbasi
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
Ins renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônicaIns renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônica
pauloalambert
 
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal AgudaInsuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal Aguda
SonynhaRegis
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Laboratório Sérgio Franco
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
ctisaolucascopacabana
 
Fisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renalFisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renal
x.x Costa
 
Doenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnostico
Doenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnosticoDoenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnostico
Doenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnostico
Arquivo-FClinico
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Terapias de substituição renal
Terapias de substituição renalTerapias de substituição renal
Terapias de substituição renal
Julio Cesar Matias
 
Infecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptInfecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário ppt
Renata Ricciardi
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
Cíntia Costa
 
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
Anderson Santana
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 

Mais procurados (20)

Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e CrônicaInsuficiência Renal Aguda e Crônica
Insuficiência Renal Aguda e Crônica
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Ins renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônicaIns renal aguda e crônica
Ins renal aguda e crônica
 
Insuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal AgudaInsuficiência Renal Aguda
Insuficiência Renal Aguda
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Iv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal aIv curso de medicina intensiva i renal a
Iv curso de medicina intensiva i renal a
 
Fisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renalFisiologia humana insuficiência renal
Fisiologia humana insuficiência renal
 
Doenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnostico
Doenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnosticoDoenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnostico
Doenca renal cronica_pre_terapia_renal_substitutiva_diagnostico
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Terapias de substituição renal
Terapias de substituição renalTerapias de substituição renal
Terapias de substituição renal
 
Infecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário pptInfecção do trato urinário ppt
Infecção do trato urinário ppt
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 

Semelhante a Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi

Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016
pauloalambert
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
Tatiane Vicente
 
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENALAULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
DannyFernandes33
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.pptAula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
BrunoMMorales
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
Fernanda Assunção
 
O rim
O rimO rim
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISFISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
Lorena Aragão
 
Cálculos renais
Cálculos renaisCálculos renais
Cálculos renais
LARA DIAS
 
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoCirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Eugênia
 
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
anacristinadias
 
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre  Pâncreas e fígado e nutriçãoAula sobre  Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
LuaraGarcia3
 
Nefrolitiase: Diagnóstico e tratamento
Nefrolitiase: Diagnóstico e tratamentoNefrolitiase: Diagnóstico e tratamento
Nefrolitiase: Diagnóstico e tratamento
Kleber Azevedo
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
ReginaReiniger
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
ReginaReiniger
 
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptxDoença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
EstvoManuel2
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
VeridyanaValverde1
 

Semelhante a Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi (20)

Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016Propedeutica ira irc 2016
Propedeutica ira irc 2016
 
Ira irc pdf ok
Ira irc pdf okIra irc pdf ok
Ira irc pdf ok
 
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENALAULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
AULA CURSO TECNICO ENF_INSUFICIENCIA RENAL
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.pptAula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
Aula Exames Complementares em Nefrologia.ppt
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
O rim
O rimO rim
O rim
 
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAISFISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
FISIOPATOLOGIA E DIETOTERAPIA DISTURBIOS RENAIS
 
Cálculos renais
Cálculos renaisCálculos renais
Cálculos renais
 
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e PrevenindoCirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
Cirrose Hepática - Compreendendo e Prevenindo
 
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
Cirroseeptica compreendendoeprevenindo-091023135759-phpapp01
 
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre  Pâncreas e fígado e nutriçãoAula sobre  Pâncreas e fígado e nutrição
Aula sobre Pâncreas e fígado e nutrição
 
Nefrolitiase: Diagnóstico e tratamento
Nefrolitiase: Diagnóstico e tratamentoNefrolitiase: Diagnóstico e tratamento
Nefrolitiase: Diagnóstico e tratamento
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
 
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptxDoença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
Doença renal, caracterizaçao, atitudes preventivas.pptx
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 

Último

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 

Insuficiencia Renal Aguda e Crônica - por Eduarda Gobbi

  • 2. Os rins são órgãos excretores localizados na parede retroperitoneal, que tem a função de eliminar através da urina substâncias em excesso ou nocivas
  • 3. A insuficiência renal aguda é a diminuição rápida da capacidade dos rins de eliminar as substâncias tóxicas presentes no sangue, acarretando um acúmulo de produtos da degradação metabólica. Há 3 tipos de IRA dependendo do local onde se dão as alterações agudas: Pré Renal – quando a obstrução ocorre antes dos rins Renal - ocorre no rim propriamente dito Pós Renal – quando a obstrução ocorre depois dos rins
  • 4. Suprimento sanguíneo insuficiente aos rins. Obstrução do fluxo urinário. Lesões no interior do rim.
  • 5. Os sintomas dependem da gravidade da insuficiência renal, de sua velocidade de progressão e de sua causa básica. Os principais sintomas são: Fraqueza Cansaço Inchaço em rosto, pés ou pernas Dificuldades para urinar (queimação) Urina com espuma Urina com alterações na sua cor (escura ou avermelhada) Diminuição da quantidade de urina.
  • 6. Através da quantidade de urina diária e concentração de creatinina no sangue, exames laboratoriais, físicos e de diagnóstico por imagem.
  • 7. O consumo de água limitado. O peso corpóreo controlado diariamente. O consumo de substâncias eliminadas pelos rins deve ser rigorosamente limitado. Em casos mais graves é recomendado a diálise. E quando a perda total da atividade do rim, tem que ser feito o transplante do mesmo.
  • 8. É uma deteriorização progressiva e irreversível da função renal, na qual a capacidade do organismo de manter o equilíbrio metabólico falha, resultando em acumulo de substâncias degradáveis no organismo.
  • 9. Estágio 1 - Pacientes com clearance de creatinina maiores que 90 ml/min, porém com alguma doença como diabetes, hipertensão etc... Estágio 2 - Pacientes com clearance de creatinina entre 60 e 89 ml/min. Chamada de fase de pré-insuficiência renal onde há pequenas perdas na função renal. Estágio 3 - Pacientes com clearance de creatinina entre 30 e 59 ml/min. Esta é a fase de insuficiência renal crônica declarada. Estágio 4 - Pacientes com clearance de creatinina entre 15 e 29 ml/min. Está é a fase pré-diálise onde os primeiros sintomas começam a aparecer. Estágio 5 - Pacientes com clearance de creatinina menor que 15 ml/min. Está é a chamada fase de insuficiência renal terminal.
  • 10. - Hipertensão - Diabetes mellitus - Doença policística renal - Glomerulonefrites - Infecções urinárias de repetição - Cálculos renais de repetição - Doenças da próstata - Abuso de anti-inflamatórios - Distúrbios autoimunes
  • 11. - Acidose - Anemia - Retenção de sódio e água - Hipertensão; - Pele seca, escamosa; - Unhas finas, quebradiças; - Cabelo fino, áspero - Crepitação; - Fraqueza, fadiga; - Confusão - Convulsões; - Cansaço nas pernas; - Câimbras musculares; - Perda da força muscular; - Fraturas ósseas;
  • 12. Através de exames laboratoriais observa-se: - Aumento das concentrações de uréia e de creatinina no sangue - Anemia - Aumento da acidez do sangue (acidose) - Diminuição da concentração de cálcio - Aumento da concentração de fosfato - Aumento da concentração de paratormônio - Diminuição da concentração de vitamina D - Concentração de potássio discretamente aumentada
  • 14. A insuficiência renal crônica geralmente piora independentemente do tratamento. As causas da insuficiência renal devem ser corrigidas o mais rapidamente possível, com ações que incluem a correção dos desequilíbrios de sódio, de água e ácido-básicos, a remoção de substâncias tóxicas dos rins, o tratamento da insuficiência cardíaca, da hipertensão arterial, das infecções e da concentração sanguínea elevada de potássio. Uma dieta pobre em proteínas e rica em vitaminas do grupo B e C podem retardar o processo da insuficiência renal.
  • 15. Até que os rins estejam funcionando somente 10-12% da função renal normal, pode-se tratar os pacientes com medicamentos e dieta. Quando a função renal se reduz abaixo destes valores, torna-se necessário o uso de outros tratamentos como: diálise ou transplante do rim.