SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE
FACULDADE DE CAMPINA GRANDE – FAC – CG
CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

A INSUFICÊNCIA RENAL E
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA
HEMODIÁLISE

Professor: Cleiton Ribeiro Alves
INTRODUÇÃO

A insuficiência renal sobrevém quando os rins não
conseguem remover os resíduos metabólicos do corpo nem
realizar as funções reguladoras. As substâncias
normalmente eliminadas na urina acumulam-se nos
líquidos corporais em consequência da excreção renal
prejudicada, levando a uma ruptura nas funções
metabólicas e endócrinas, bem como a distúrbios hídricos,
eletrolíticos e ácido-básicos.
CONCEITO
 A insuficiência renal aguda (IRA) é caracterizada por uma redução
abrupta da função renal que se mantém por períodos
variáveis, resultando na inabilidade dos rins em exercer suas
funções básicas de excreção e manutenção da homeostase
hidroeletrolítica do organismo. É reversível e resulta da diminuição
do volume circulante. Em poucos casos, usa-se a emodiálise como
forma de tratamento;
 A insuficiência renal crônica (IRC), ou Doença Renal em Estágio
Terminal (DRET), é uma deterioração progressiva e irreversível da
função renal, na qual fracassa a capacidade do corpo para manter os
equilíbrios metabólico e hidroeletrolítico, resultando em uremia ou
azotemia (retenção de uréia e outros resíduos nitrogenados no
sangue).
EPIDEMIOLOGIA
 A insuficiência renal crônica é considerada uma doença de elevada
morbidade e mortalidade. Sua incidência e prevalência em estágio
avançado têm aumentado no Brasil e, em todo mundo, a doença vem
se tornando uma epidemia.
 O Sistema Único de Saúde (SUS) é responsável por 87,2% do custo
total da terapia de substituição renal (TSR).

 De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), no
Brasil, existem 684 centros de tratamento dialítico e, destes, 150
(21,9%) estão localizados na região Sul. A taxa de mortalidade anual
desses pacientes é de 15,2%. As doenças que comumente levam à
insuficiência renal crônica são a hipertensão arterial e o diabetes.
(SILVA et al, 2011).
TRATAMENTO

 Atualmente, as modalidades para o tratamento da DRC são a
hemodiálise, diálise peritoneal ambulatorial contínua, diálise
peritoneal automatizada e transplante renal, que permitem a
manutenção da vida desses pacientes.
 A escolha do método de tratamento deve ser de forma
individualizada, contemplando os aspectos clínicos, psíquicos e
socioeconômicos do paciente. Entre as terapias de substituição da
função renal, destaca-se a hemodiálise (HD).
HEMODIÁLISE
 Antigamente, a HD tinha como objetivo apenas evitar a morte por
hipervolemia ou hiperpotassemia. Nos dias atuais, além da reversão
dos sintomas urêmicos, esse tratamento busca, em longo prazo, a
redução das complicações, a diminuição do risco de mortalidade, a
melhoria da qualidade de vida (QV) e a reintegração social do
paciente;
 O paciente insuficiente renal é ligado à uma máquina que puxa seu
sangue através de uma bomba circuladora. Esse sangue passa por
um filtro que possui uma membrana semipermeável, que retira as
toxinas e as substâncias em excesso, e devolve o sangue limpo para
o paciente. Existe infusão de heparina para evitar que o sangue
coagule dentro do sistema.
COMO FUNCIONA A HEMODIÁLISE?
 A hemodiálise é feita com a ajuda de um dialisador (capilar ou
filtro). O dialisador é formado por um conjunto de pequenos tubos
chamados "linhas“;
 Durante a diálise, parte do sangue é retirado do corpo, passa
através da linha em um lado, onde o sangue é filtrado e retorna ao
paciente pela linha do lado oposto;
 Atualmente tem havido um grande progresso em relação à
segurança e a eficácia das máquinas de diálise, tornando o
tratamento bastante seguro. Existem alarmes que indicam qualquer
alteração que ocorra no sistema (detectores de bolhas, alteração de
temperatura e do fluxo do sangue, etc).
ALGUNS PROBLEMAS QUE PODEM SURGIR
DURANTE A HEMODIÁLISE
 É bastante comum sentir cãibras musculares e queda rápida da
pressão arterial (hipotensão) durante a sessão de hemodiálise;
 Estes problemas acontecem, principalmente, em consequência das
mudanças rápidas no equilíbrio dos líquidos e do sódio;
A
hipotensão
pode
fazer
com
que
fraqueza, tonturas, enjôos ou mesmo vômitos;

você

sinta

 O início do tratamento dialítico pode ser um pouco mais
difícil, pois, nesta fase, o corpo está adaptando-se a uma nova forma
de tratamento;
 O paciente com IR poderá evitar muitas complicações se seguir a
dieta recomendada, tomar poucos líquidos e tomar seus remédios
nos horários corretos.
DIÁLISE PERITONEAL
 A diálise peritoneal é outro tipo de tratamento que substitui as funções dos rins. O
objetivo é o mesmo da hemodiálise, tirar o excesso de água e as substâncias que
não são mais aproveitadas pelo corpo e que deveriam ser eliminadas através da
urina. Este tipo de diálise aproveita o revestimento interior do abdômen, chamado
membrana peritoneal, para filtrar o sangue.
 A diálise peritoneal consiste em um processo de depuração
sanguínea, desempenhando o papel dos rins. Neste procedimento, o peritônio, a
membrana semipermeável que reveste a cavidade abdominal, é utilizado como um
filtro, permitindo a transferência de massa entre a cavidade abdominal e o capilar
peritoneal, local este no qual se encontram substâncias tóxicas ao organismo;
 Para que este procedimento seja realizado, introduz-se, através de um cateter, uma
solução de diálise no interior da cavidade abdominal (processo denominado
infusão), sendo que aquela permanece tempo suficiente nesta para a ocorrência de
troca entre a solução e o sangue, processo conhecido como permanência. Desta
forma, substâncias nitrogenadas e líquidos migram do sangue para a solução de
diálise, realizando-se, por conseguinte, a terceira etapa da qual a diálise peritoneal é
composta, que é a drenagem. No ciclo seguinte de diálise, o mesmo procedimento é
novamente realizado.
COMO FUNCIONA A DIÁLISE PERITONEAL?
 A membrana peritoneal tem muitos vasos sanguíneos. O sangue que circula na
membrana peritoneal, assim como o sangue de todo o corpo, está com excesso de
potássio, uréia e outras substâncias que devem ser eliminadas.
 Na diálise peritoneal, um líquido especial, chamado solução para diálise, entra no
abdômen por meio de um tubo mole (cateter).
 As substâncias tóxicas passarão, aos poucos, através das paredes dos vasos
sanguíneos da membrana peritoneal para a solução de diálise.
 Depois de algumas horas, a solução é drenada do abdômen e a seguir volta-se a
encher o abdômen com uma nova solução de diálise para que o processo de
purificação seja repetido.
 Alguns dias antes da primeira diálise, o cateter que permite a entrada e a saída da
solução de diálise da cavidade abdominal é colocado através de uma pequena
cirurgia feita por um cirurgião. O cateter fica instalado permanentemente.
DIÁLISE PERITONEAL CONTÍNUA (CAPD)

 A Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua é também conhecida como CAPD ou DPAC é
a forma mais comum de diálise peritoneal e especialmente indicada para pacientes idosos,
crianças ou aqueles para os quais a hemodiálise não é conveniente ou possível.
 Este tipo de diálise, não precisa de máquina. Geralmente, é realizada em casa, em um local
limpo e bem iluminado.
 O próprio paciente pode fazer a infusão e a retirada (drenagem) da solução de diálise no
abdômen ou pode ser auxiliado por uma outra pessoa especialmente treinada para fazer
estas trocas de bolsas de solução.
 O sangue durante a CAPD está sendo depurado o tempo todo. A solução de diálise vai de
uma bolsa de plástico através do cateter até a cavidade abdominal e ali permanece por
várias horas. A solução é então drenada e uma nova solução volta a encher o abdômen,
recomeçando o processo de depuração.
DIÁLISE PERITONEAL CÍCLICA CONTINUA
(CCPD)
 A Diálise Peritoneal Cíclica Contínua ou CCPD é parecida com a
CAPD, porém nesta deve-se conectar o cateter a uma máquina que
enche o abdômen e drena a solução de diálise automaticamente;
 Este método é geralmente realizado durante a noite, enquanto o
paciente dorme, permitindo maior liberdade ao paciente durante o
dia;
 É um método ainda pouco utilizado no Brasil, pois a máquina deve
ser comprada ou alugada pelo paciente para ser usada em casa, o
que aumenta muito o custo do tratamento.
DIÁLISE PERITONEAL INTERMITENTE (DPI)

 Também conhecida como DPI, pode empregar o mesmo tipo de
máquina usado na CAPD para a infusão e drenagem da solução de
diálise.

 Normalmente a DPI é feita em hospital, sendo este método uma
opção de tratamento para pacientes que não podem realizar outras
formas de diálise.
QUAIS AS COMPLICAÇÕES DA DIÁLISE
PERITONEAL?
 A infecção do peritônio ou peritonite é a principal complicação da diálise
peritoneal. Muitas vezes o início da infecção acontece no orifício pelo
qual o cateter sai do corpo. Se não for tratada rápida e corretamente, esta
infecção pode espalhar-se e infectar o peritônio determinando a
peritonite;
 A peritonite também poderá se desenvolver se houver dificuldades em
conectar ou desconectar o cateter das bolsas. Um dos primeiros sinais de
peritonite é a mudança da cor e aspecto do líquido drenado que deve ser
claro e fluido; com a peritonite torna-se turvo e espesso;

 A peritonite poderá também se manifestar através de febre, dor no
abdômen, mal-estar, enjôos, vômitos e diminuição do apetite;
A DIÁLISE É A CURA DEFINITIVA PARA A
INSUFICIÊNCIA RENAL?
 A hemodiálise e a diálise peritoneal são tratamentos que
substituem a função dos rins, mas não são a cura da insuficiência
renal;
 As máquinas cada vez mais modernas e seguras, o maior
conhecimento dos médicos e seus auxiliares e a possibilidade de
uso de medicações que tratam a anemia e a doença nos ossos, por
exemplo, permitem que o paciente com insuficiência renal viva
mais tempo e se sinta melhor.
TRANSPLANTE RENAL
 O transplante renal é, atualmente a melhor forma de tratamento para o
paciente com insuficiência renal crônica, tanto do ponto de vista
médico, quanto social ou econômico.;
 Ele está indicado quando houver insuficiência renal crônica em fase
terminal, estando o doente em diálise ou mesmo em fase pré-dialítica;
 Existem, contudo exceções, doentes podem ser transplantados quando a
creatinina sérica estiver ao redor de 7 mg%, o que corresponderia a uma
depuração de creatinina ao redor de 10 ml/min;
 Nestes casos o transplante é realizado de forma mais precoce com o
objetivo de se minimizarem os inconvenientes da insuficiência renal
crônica, como no caso das crianças para se evitar o prejuízo do
crescimento, alterações ósseas e dificuldades dialíticas ou nos diabéticos
para
reduzir
a
incidência
das
complicações
vasculares, cardíacas, oculares e neurológicas.
 É importante ressaltar que o fato de um indivíduo ter retirado um
de seus rins por qualquer tipo de doença não significa necessidade
de diálise ou de um transplante renal;
 É sabido que um rim ou mesmo parte dele é suficiente para a
manutenção da função renal. Poucos são, na atualidade, as
contraindicações para o transplante renal;
 A idade do paciente não constitui mais uma limitação, como
ocorria no passado, pois pode-se transplantar com sucesso crianças
com 2 a 3 anos de idade e casos selecionados de pacientes com
idade superior a 70 anos.
IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE
ENFERMAGEM
 O enfermeiro tem um papel importantíssimo no cuidado do paciente renal
crônico, e um dos pontos chave é o incentivo ao autocuidado, de modo a
facilitar a cooperação e adesão do paciente ao tratamento, além de estimulálo a enfrentar as mudanças cotidianas e a alcançar o seu bem-estar.
 E a partir desse princípio temos como ferramenta de trabalho
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), que é um dos meios
que o enfermeiro aplica os seus conhecimentos para a assistência ao
paciente e define o seu papel. Além de colaborar para a organização, o
direcionamento do trabalho do enfermeiro e para um melhor
relacionamento deste com o paciente, uma vez que a aplicação da SAE nos
aproxima deste paciente e, portanto nos proporciona um cuidado
humanizado, individual, coerente, sistematizado e de qualidade.
 Estudos apontam que a assistência de enfermagem ao paciente
com IRC deve ter como foco principal a orientação/educação, pois
esta ocorre de forma permanente nos centros de hemodiálise a
cada encontro no momento das sessões de diálise. Importante
ressaltar que os desafios nesse processo educacional deve estar
voltado para a adesão ao tratamento, pela indispensável mudança
nos hábitos de vida deste paciente.
POSSÍVEIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM DO
PACIENTE COM IR
 Eliminação urinária prejudicada;·
 Dor crônica;·Padrão de sono prejudicado·;
 Intolerância a atividade;·
 Risco para mobilidade física prejudicada;·
 Estilo de vida sedentário;·
 Excesso de volume de líquido, devido ao processo patológico;·
 Nutrição alterada (inferior às exigências corporais), devida a
anorexia, náuseas, vômitos e dieta restritiva.
 Integridade da pele prejudicada, devido ao congelamento urémico e
alterações nas glândulas oleosas e sudoríparas.
 Constipação devido à restrição de líquidos e ingestão de agentes fixadores de
fosfato.
 Risco de lesão ao deambular, devido ao potencial de fraturas e câimbras
musculares, relacionado à deficiência de cálcio.
 Não-aceitação do esquema terapêutico, devida às restrições impostas pela
IRC e seu tratamento.
INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM









Manter o equilíbrio hidroelectrolítico;
Manter o estado nutricional adequado;
Manter a integridade cutânea;
Manter a pele limpa e hidratada;
Aplicar pomadas ou cremes para o conforto e para aliviar o prurido;
Administrar medicamentos para o alívio do prurido, quando indicado;
Evitar a constipação;
Estimular dieta rica em fibras lembrando-se do teor de potássio de
algumas frutas e vegetais;
 Estimular a atividade conforme a tolerância;
 Administrar analgésicos conforme prescrito;
 Proporcionar massagem para as caimbras musculares intensas.
 Evitar a imobilização porque ela aumenta a desmineralização óssea.
 Administrar medicamentos conforme prescrito.
 Aumentar a compreensão e a aceitação do esquema de tratamento.
 Preparar o paciente para diálise ou transplante renal.
 Oferecer esperança de acordo com a realidade.
 Avaliar o conhecimento do paciente a respeito do esquema terapêutico, bem
como as complicações e temores.
 Explorar alternativas que possam reduzir ou eliminar os efeitos colaterais do
tratamento.
 Ajustar o esquema de tal modo que se possa conseguir o repouso após a
diálise.
 Oferecer pequenas refeições a cada 3 horas com a finalidade de reduzir as
náuseas e facilitar a administração de medicamentos.
 Estimular o reforço para o sistema de apoio social e mecanismos de
adaptação para diminuir o impacto do stress da doença renal crônica.
 Fornecer indicações de assistência social e apoio da psicologia.
 Discutir as opções da psicoterapia de apoio para a depressão.
 Encorajar e possibilitar que o paciente tome certas decisões.
CONCLUSÃO
 A assistência de enfermagem com fundamento na SAE é um instrumento científico
que orienta a prática do enfermeiro e de toda sua equipe, sendo de extrema
importância para que o cuidado do paciente renal crônico, pois esta possibilita ao
profissional enfermeiro a identificação dos problemas, formulação dos diagnósticos
de enfermagem de forma precisa, o planejamento adequado das intervenções de
enfermagem e avaliação diária das intervenções desempenhadas, possibilitando uma
recuperação e reabilitação adequada do paciente com IRC.

 Este instrumento de trabalho, ainda que negligenciado por muitos, facilita o trabalho
do enfermeiro nos centros de terapia renal substitutivas, pois fornece ao profissional
um respaldo das ações desenvolvidas, uma proximidade com os pacientes e seus
familiares, com a equipe técnica de enfermagem que utiliza as prescrições de
enfermagem como um roteiro para a prestação de um cuidado individualizado,
humanizado e de qualidade, além de estreitar o laço profissional ou seja a
comunicação com os demais membros da equipe multidisciplinar.
REFERÊNCIAS
 BEDIN, E.; RIBEIRO, L. B. M.; BARRETO, R. A. S. S. Humanização da
assistência de enfermagem em centro cirúrgico. Revista Eletrônica de
Enfermagem, v. 06, n. 03, p. 400-409, 2004. Disponível em: <www.fen.ufg.br>.
Acesso em: 13 Maio. 2013.
 BERNARDINA, L. D. et al. Evolução clínica de pacientes com insuficiência
renal aguda em unidade de terapia intensiva. Revista Acta Paulista de
Enfermagem, São Paulo, n. 21, p. 174-178, 2008.
 SILVA, Alessandra Silva da et al.Percepções e mudanças na qualidade de vida de
pacientes submetidos à hemodiálise. Rev. bras. enferm. Disponível em:
<http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000500006.>. Acesso em: 13 Maio
2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Roberta Araujo
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
Janaína Lassala
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Vinicius Lopes
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Cleiton Ribeiro Alves
 
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
Anderson Santana
 
Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáve...
Manual de Orientações para o Preparo e  Administração de Medicamento Injetáve...Manual de Orientações para o Preparo e  Administração de Medicamento Injetáve...
Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáve...
Portal da Inovação em Saúde
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Wekanan Moura
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
tammygerbasi
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
Jucie Vasconcelos
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Patricia Nunes
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
Danielle Alexia
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 

Mais procurados (20)

Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
Colecistite Aguda [ETEC-CARLOS DE CAMPOS]
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 
Diálise peritoneal
Diálise peritonealDiálise peritoneal
Diálise peritoneal
 
Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáve...
Manual de Orientações para o Preparo e  Administração de Medicamento Injetáve...Manual de Orientações para o Preparo e  Administração de Medicamento Injetáve...
Manual de Orientações para o Preparo e Administração de Medicamento Injetáve...
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 

Destaque

Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
roberta55dantas
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
resenfe2013
 
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
biacastro
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Desequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoDesequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio Hidroeletrolítico
Paulo Sérgio
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
Juliana Maciel
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
diagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidos
diagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidosdiagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidos
diagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidos
Naiara Alonso Vilches
 

Destaque (9)

Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Desequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio HidroeletrolíticoDesequilibrio Hidroeletrolítico
Desequilibrio Hidroeletrolítico
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
diagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidos
diagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidosdiagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidos
diagnósticos. NANDA, NIC, NOC.Exceso de volumen de líquidos
 

Semelhante a A insuficência renal e assistência de enfermagem

Renal.pptx
Renal.pptxRenal.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptxDIALISE PERITONEAL POWER.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx
Daniel37211
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
jaquerico2032
 
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Guinho Santos
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
Claudia Beatriz Barreto
 
Cópia de hemodialise.pdf
Cópia de hemodialise.pdfCópia de hemodialise.pdf
Cópia de hemodialise.pdf
PriscilaRodrigues209545
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
Filipe Simão Kembo
 
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptxDiálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
MIRIAN FARIA
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
Rafael Lima
 
Saúde do Adulto
Saúde do AdultoSaúde do Adulto
Saúde do Adulto
Zeca Ribeiro
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
GustavoWallaceAlvesd
 
Doenças Renais
Doenças RenaisDoenças Renais
Doenças Renais
Felipe Santos
 
Assistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenos
Assistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenosAssistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenos
Assistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenos
pososospos
 
Assistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagem
Assistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagemAssistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagem
Assistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagem
pososospos
 
Trab nutricion
Trab nutricionTrab nutricion
Trab nutricion
Gi Carvalho
 
DRC (1).pptx
DRC (1).pptxDRC (1).pptx
DRC (1).pptx
lorennaloh
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
JoanaDarcDeSiqueira
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Marcela Lago
 
Slad de colicitisti vesicula
Slad de colicitisti vesiculaSlad de colicitisti vesicula
Slad de colicitisti vesicula
Edinelza Rodrigues
 
Drenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomiaDrenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomia
Amanda Moura
 

Semelhante a A insuficência renal e assistência de enfermagem (20)

Renal.pptx
Renal.pptxRenal.pptx
Renal.pptx
 
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptxDIALISE PERITONEAL POWER.pptx
DIALISE PERITONEAL POWER.pptx
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
Hemodiliseediliseperitoneal 130501164212-phpapp02
 
Insuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônicaInsuficiência renal crônica
Insuficiência renal crônica
 
Cópia de hemodialise.pdf
Cópia de hemodialise.pdfCópia de hemodialise.pdf
Cópia de hemodialise.pdf
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptxDiálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
Diálise peritoneal e Hemodiálise.pptx
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
 
Saúde do Adulto
Saúde do AdultoSaúde do Adulto
Saúde do Adulto
 
doenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdfdoenças do sistema urinário.pdf
doenças do sistema urinário.pdf
 
Doenças Renais
Doenças RenaisDoenças Renais
Doenças Renais
 
Assistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenos
Assistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenosAssistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenos
Assistência em Clínica Cirúrgica, cateteres e drenos
 
Assistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagem
Assistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagemAssistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagem
Assistência em Clínica Cirúrgica e cuidados de enfermagem
 
Trab nutricion
Trab nutricionTrab nutricion
Trab nutricion
 
DRC (1).pptx
DRC (1).pptxDRC (1).pptx
DRC (1).pptx
 
4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf4. Afecções urologicas.pdf
4. Afecções urologicas.pdf
 
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
Clínica médica - Constipação intestinal, diarréia, diverticulose e doença de ...
 
Slad de colicitisti vesicula
Slad de colicitisti vesiculaSlad de colicitisti vesicula
Slad de colicitisti vesicula
 
Drenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomiaDrenos de tórax e colecistectomia
Drenos de tórax e colecistectomia
 

A insuficência renal e assistência de enfermagem

  • 1. UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE – FAC – CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM A INSUFICÊNCIA RENAL E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA HEMODIÁLISE Professor: Cleiton Ribeiro Alves
  • 2. INTRODUÇÃO A insuficiência renal sobrevém quando os rins não conseguem remover os resíduos metabólicos do corpo nem realizar as funções reguladoras. As substâncias normalmente eliminadas na urina acumulam-se nos líquidos corporais em consequência da excreção renal prejudicada, levando a uma ruptura nas funções metabólicas e endócrinas, bem como a distúrbios hídricos, eletrolíticos e ácido-básicos.
  • 3. CONCEITO  A insuficiência renal aguda (IRA) é caracterizada por uma redução abrupta da função renal que se mantém por períodos variáveis, resultando na inabilidade dos rins em exercer suas funções básicas de excreção e manutenção da homeostase hidroeletrolítica do organismo. É reversível e resulta da diminuição do volume circulante. Em poucos casos, usa-se a emodiálise como forma de tratamento;  A insuficiência renal crônica (IRC), ou Doença Renal em Estágio Terminal (DRET), é uma deterioração progressiva e irreversível da função renal, na qual fracassa a capacidade do corpo para manter os equilíbrios metabólico e hidroeletrolítico, resultando em uremia ou azotemia (retenção de uréia e outros resíduos nitrogenados no sangue).
  • 4. EPIDEMIOLOGIA  A insuficiência renal crônica é considerada uma doença de elevada morbidade e mortalidade. Sua incidência e prevalência em estágio avançado têm aumentado no Brasil e, em todo mundo, a doença vem se tornando uma epidemia.  O Sistema Único de Saúde (SUS) é responsável por 87,2% do custo total da terapia de substituição renal (TSR).  De acordo com a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), no Brasil, existem 684 centros de tratamento dialítico e, destes, 150 (21,9%) estão localizados na região Sul. A taxa de mortalidade anual desses pacientes é de 15,2%. As doenças que comumente levam à insuficiência renal crônica são a hipertensão arterial e o diabetes. (SILVA et al, 2011).
  • 5. TRATAMENTO  Atualmente, as modalidades para o tratamento da DRC são a hemodiálise, diálise peritoneal ambulatorial contínua, diálise peritoneal automatizada e transplante renal, que permitem a manutenção da vida desses pacientes.  A escolha do método de tratamento deve ser de forma individualizada, contemplando os aspectos clínicos, psíquicos e socioeconômicos do paciente. Entre as terapias de substituição da função renal, destaca-se a hemodiálise (HD).
  • 6. HEMODIÁLISE  Antigamente, a HD tinha como objetivo apenas evitar a morte por hipervolemia ou hiperpotassemia. Nos dias atuais, além da reversão dos sintomas urêmicos, esse tratamento busca, em longo prazo, a redução das complicações, a diminuição do risco de mortalidade, a melhoria da qualidade de vida (QV) e a reintegração social do paciente;  O paciente insuficiente renal é ligado à uma máquina que puxa seu sangue através de uma bomba circuladora. Esse sangue passa por um filtro que possui uma membrana semipermeável, que retira as toxinas e as substâncias em excesso, e devolve o sangue limpo para o paciente. Existe infusão de heparina para evitar que o sangue coagule dentro do sistema.
  • 7. COMO FUNCIONA A HEMODIÁLISE?  A hemodiálise é feita com a ajuda de um dialisador (capilar ou filtro). O dialisador é formado por um conjunto de pequenos tubos chamados "linhas“;  Durante a diálise, parte do sangue é retirado do corpo, passa através da linha em um lado, onde o sangue é filtrado e retorna ao paciente pela linha do lado oposto;  Atualmente tem havido um grande progresso em relação à segurança e a eficácia das máquinas de diálise, tornando o tratamento bastante seguro. Existem alarmes que indicam qualquer alteração que ocorra no sistema (detectores de bolhas, alteração de temperatura e do fluxo do sangue, etc).
  • 8. ALGUNS PROBLEMAS QUE PODEM SURGIR DURANTE A HEMODIÁLISE  É bastante comum sentir cãibras musculares e queda rápida da pressão arterial (hipotensão) durante a sessão de hemodiálise;  Estes problemas acontecem, principalmente, em consequência das mudanças rápidas no equilíbrio dos líquidos e do sódio; A hipotensão pode fazer com que fraqueza, tonturas, enjôos ou mesmo vômitos; você sinta  O início do tratamento dialítico pode ser um pouco mais difícil, pois, nesta fase, o corpo está adaptando-se a uma nova forma de tratamento;  O paciente com IR poderá evitar muitas complicações se seguir a dieta recomendada, tomar poucos líquidos e tomar seus remédios nos horários corretos.
  • 9.
  • 10. DIÁLISE PERITONEAL  A diálise peritoneal é outro tipo de tratamento que substitui as funções dos rins. O objetivo é o mesmo da hemodiálise, tirar o excesso de água e as substâncias que não são mais aproveitadas pelo corpo e que deveriam ser eliminadas através da urina. Este tipo de diálise aproveita o revestimento interior do abdômen, chamado membrana peritoneal, para filtrar o sangue.  A diálise peritoneal consiste em um processo de depuração sanguínea, desempenhando o papel dos rins. Neste procedimento, o peritônio, a membrana semipermeável que reveste a cavidade abdominal, é utilizado como um filtro, permitindo a transferência de massa entre a cavidade abdominal e o capilar peritoneal, local este no qual se encontram substâncias tóxicas ao organismo;  Para que este procedimento seja realizado, introduz-se, através de um cateter, uma solução de diálise no interior da cavidade abdominal (processo denominado infusão), sendo que aquela permanece tempo suficiente nesta para a ocorrência de troca entre a solução e o sangue, processo conhecido como permanência. Desta forma, substâncias nitrogenadas e líquidos migram do sangue para a solução de diálise, realizando-se, por conseguinte, a terceira etapa da qual a diálise peritoneal é composta, que é a drenagem. No ciclo seguinte de diálise, o mesmo procedimento é novamente realizado.
  • 11. COMO FUNCIONA A DIÁLISE PERITONEAL?  A membrana peritoneal tem muitos vasos sanguíneos. O sangue que circula na membrana peritoneal, assim como o sangue de todo o corpo, está com excesso de potássio, uréia e outras substâncias que devem ser eliminadas.  Na diálise peritoneal, um líquido especial, chamado solução para diálise, entra no abdômen por meio de um tubo mole (cateter).  As substâncias tóxicas passarão, aos poucos, através das paredes dos vasos sanguíneos da membrana peritoneal para a solução de diálise.  Depois de algumas horas, a solução é drenada do abdômen e a seguir volta-se a encher o abdômen com uma nova solução de diálise para que o processo de purificação seja repetido.  Alguns dias antes da primeira diálise, o cateter que permite a entrada e a saída da solução de diálise da cavidade abdominal é colocado através de uma pequena cirurgia feita por um cirurgião. O cateter fica instalado permanentemente.
  • 12.
  • 13. DIÁLISE PERITONEAL CONTÍNUA (CAPD)  A Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua é também conhecida como CAPD ou DPAC é a forma mais comum de diálise peritoneal e especialmente indicada para pacientes idosos, crianças ou aqueles para os quais a hemodiálise não é conveniente ou possível.  Este tipo de diálise, não precisa de máquina. Geralmente, é realizada em casa, em um local limpo e bem iluminado.  O próprio paciente pode fazer a infusão e a retirada (drenagem) da solução de diálise no abdômen ou pode ser auxiliado por uma outra pessoa especialmente treinada para fazer estas trocas de bolsas de solução.  O sangue durante a CAPD está sendo depurado o tempo todo. A solução de diálise vai de uma bolsa de plástico através do cateter até a cavidade abdominal e ali permanece por várias horas. A solução é então drenada e uma nova solução volta a encher o abdômen, recomeçando o processo de depuração.
  • 14. DIÁLISE PERITONEAL CÍCLICA CONTINUA (CCPD)  A Diálise Peritoneal Cíclica Contínua ou CCPD é parecida com a CAPD, porém nesta deve-se conectar o cateter a uma máquina que enche o abdômen e drena a solução de diálise automaticamente;  Este método é geralmente realizado durante a noite, enquanto o paciente dorme, permitindo maior liberdade ao paciente durante o dia;  É um método ainda pouco utilizado no Brasil, pois a máquina deve ser comprada ou alugada pelo paciente para ser usada em casa, o que aumenta muito o custo do tratamento.
  • 15. DIÁLISE PERITONEAL INTERMITENTE (DPI)  Também conhecida como DPI, pode empregar o mesmo tipo de máquina usado na CAPD para a infusão e drenagem da solução de diálise.  Normalmente a DPI é feita em hospital, sendo este método uma opção de tratamento para pacientes que não podem realizar outras formas de diálise.
  • 16. QUAIS AS COMPLICAÇÕES DA DIÁLISE PERITONEAL?  A infecção do peritônio ou peritonite é a principal complicação da diálise peritoneal. Muitas vezes o início da infecção acontece no orifício pelo qual o cateter sai do corpo. Se não for tratada rápida e corretamente, esta infecção pode espalhar-se e infectar o peritônio determinando a peritonite;  A peritonite também poderá se desenvolver se houver dificuldades em conectar ou desconectar o cateter das bolsas. Um dos primeiros sinais de peritonite é a mudança da cor e aspecto do líquido drenado que deve ser claro e fluido; com a peritonite torna-se turvo e espesso;  A peritonite poderá também se manifestar através de febre, dor no abdômen, mal-estar, enjôos, vômitos e diminuição do apetite;
  • 17. A DIÁLISE É A CURA DEFINITIVA PARA A INSUFICIÊNCIA RENAL?  A hemodiálise e a diálise peritoneal são tratamentos que substituem a função dos rins, mas não são a cura da insuficiência renal;  As máquinas cada vez mais modernas e seguras, o maior conhecimento dos médicos e seus auxiliares e a possibilidade de uso de medicações que tratam a anemia e a doença nos ossos, por exemplo, permitem que o paciente com insuficiência renal viva mais tempo e se sinta melhor.
  • 18. TRANSPLANTE RENAL  O transplante renal é, atualmente a melhor forma de tratamento para o paciente com insuficiência renal crônica, tanto do ponto de vista médico, quanto social ou econômico.;  Ele está indicado quando houver insuficiência renal crônica em fase terminal, estando o doente em diálise ou mesmo em fase pré-dialítica;  Existem, contudo exceções, doentes podem ser transplantados quando a creatinina sérica estiver ao redor de 7 mg%, o que corresponderia a uma depuração de creatinina ao redor de 10 ml/min;  Nestes casos o transplante é realizado de forma mais precoce com o objetivo de se minimizarem os inconvenientes da insuficiência renal crônica, como no caso das crianças para se evitar o prejuízo do crescimento, alterações ósseas e dificuldades dialíticas ou nos diabéticos para reduzir a incidência das complicações vasculares, cardíacas, oculares e neurológicas.
  • 19.
  • 20.  É importante ressaltar que o fato de um indivíduo ter retirado um de seus rins por qualquer tipo de doença não significa necessidade de diálise ou de um transplante renal;  É sabido que um rim ou mesmo parte dele é suficiente para a manutenção da função renal. Poucos são, na atualidade, as contraindicações para o transplante renal;  A idade do paciente não constitui mais uma limitação, como ocorria no passado, pois pode-se transplantar com sucesso crianças com 2 a 3 anos de idade e casos selecionados de pacientes com idade superior a 70 anos.
  • 21. IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM  O enfermeiro tem um papel importantíssimo no cuidado do paciente renal crônico, e um dos pontos chave é o incentivo ao autocuidado, de modo a facilitar a cooperação e adesão do paciente ao tratamento, além de estimulálo a enfrentar as mudanças cotidianas e a alcançar o seu bem-estar.  E a partir desse princípio temos como ferramenta de trabalho Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), que é um dos meios que o enfermeiro aplica os seus conhecimentos para a assistência ao paciente e define o seu papel. Além de colaborar para a organização, o direcionamento do trabalho do enfermeiro e para um melhor relacionamento deste com o paciente, uma vez que a aplicação da SAE nos aproxima deste paciente e, portanto nos proporciona um cuidado humanizado, individual, coerente, sistematizado e de qualidade.
  • 22.  Estudos apontam que a assistência de enfermagem ao paciente com IRC deve ter como foco principal a orientação/educação, pois esta ocorre de forma permanente nos centros de hemodiálise a cada encontro no momento das sessões de diálise. Importante ressaltar que os desafios nesse processo educacional deve estar voltado para a adesão ao tratamento, pela indispensável mudança nos hábitos de vida deste paciente.
  • 23. POSSÍVEIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM DO PACIENTE COM IR  Eliminação urinária prejudicada;·  Dor crônica;·Padrão de sono prejudicado·;  Intolerância a atividade;·  Risco para mobilidade física prejudicada;·  Estilo de vida sedentário;·  Excesso de volume de líquido, devido ao processo patológico;·  Nutrição alterada (inferior às exigências corporais), devida a anorexia, náuseas, vômitos e dieta restritiva.  Integridade da pele prejudicada, devido ao congelamento urémico e alterações nas glândulas oleosas e sudoríparas.  Constipação devido à restrição de líquidos e ingestão de agentes fixadores de fosfato.  Risco de lesão ao deambular, devido ao potencial de fraturas e câimbras musculares, relacionado à deficiência de cálcio.  Não-aceitação do esquema terapêutico, devida às restrições impostas pela IRC e seu tratamento.
  • 24. INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM         Manter o equilíbrio hidroelectrolítico; Manter o estado nutricional adequado; Manter a integridade cutânea; Manter a pele limpa e hidratada; Aplicar pomadas ou cremes para o conforto e para aliviar o prurido; Administrar medicamentos para o alívio do prurido, quando indicado; Evitar a constipação; Estimular dieta rica em fibras lembrando-se do teor de potássio de algumas frutas e vegetais;  Estimular a atividade conforme a tolerância;  Administrar analgésicos conforme prescrito;  Proporcionar massagem para as caimbras musculares intensas.
  • 25.  Evitar a imobilização porque ela aumenta a desmineralização óssea.  Administrar medicamentos conforme prescrito.  Aumentar a compreensão e a aceitação do esquema de tratamento.  Preparar o paciente para diálise ou transplante renal.  Oferecer esperança de acordo com a realidade.  Avaliar o conhecimento do paciente a respeito do esquema terapêutico, bem como as complicações e temores.  Explorar alternativas que possam reduzir ou eliminar os efeitos colaterais do tratamento.  Ajustar o esquema de tal modo que se possa conseguir o repouso após a diálise.  Oferecer pequenas refeições a cada 3 horas com a finalidade de reduzir as náuseas e facilitar a administração de medicamentos.  Estimular o reforço para o sistema de apoio social e mecanismos de adaptação para diminuir o impacto do stress da doença renal crônica.  Fornecer indicações de assistência social e apoio da psicologia.  Discutir as opções da psicoterapia de apoio para a depressão.  Encorajar e possibilitar que o paciente tome certas decisões.
  • 26. CONCLUSÃO  A assistência de enfermagem com fundamento na SAE é um instrumento científico que orienta a prática do enfermeiro e de toda sua equipe, sendo de extrema importância para que o cuidado do paciente renal crônico, pois esta possibilita ao profissional enfermeiro a identificação dos problemas, formulação dos diagnósticos de enfermagem de forma precisa, o planejamento adequado das intervenções de enfermagem e avaliação diária das intervenções desempenhadas, possibilitando uma recuperação e reabilitação adequada do paciente com IRC.  Este instrumento de trabalho, ainda que negligenciado por muitos, facilita o trabalho do enfermeiro nos centros de terapia renal substitutivas, pois fornece ao profissional um respaldo das ações desenvolvidas, uma proximidade com os pacientes e seus familiares, com a equipe técnica de enfermagem que utiliza as prescrições de enfermagem como um roteiro para a prestação de um cuidado individualizado, humanizado e de qualidade, além de estreitar o laço profissional ou seja a comunicação com os demais membros da equipe multidisciplinar.
  • 27. REFERÊNCIAS  BEDIN, E.; RIBEIRO, L. B. M.; BARRETO, R. A. S. S. Humanização da assistência de enfermagem em centro cirúrgico. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 06, n. 03, p. 400-409, 2004. Disponível em: <www.fen.ufg.br>. Acesso em: 13 Maio. 2013.  BERNARDINA, L. D. et al. Evolução clínica de pacientes com insuficiência renal aguda em unidade de terapia intensiva. Revista Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, n. 21, p. 174-178, 2008.  SILVA, Alessandra Silva da et al.Percepções e mudanças na qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev. bras. enferm. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000500006.>. Acesso em: 13 Maio 2013.