SlideShare uma empresa Scribd logo
O ILUMINISMO
O século XVIII é também chamado
de Século das Luzes. A origem de todo
esse movimento de nome iluminismo
começou na França. Esse termo
iluminismo está relacionado com
esclarecimento, porque os iluministas, os
homens da sociedade do antigo regime
viviam nas “trevas da ignorância”. Para os
iluministas, o homem é produto do meio
em que vive da sociedade e da educação.
No antigo regime, a educação
estava sob o controle da igreja. Isto não
era bem visto pelos novos pensadores, os
iluministas, pois para eles a igreja
ensinava uma filosofia arcaica. Isto
tornava a sociedade ignorante, fanática e
submissa. Por isso a educação precisava
ser mudada, a razão, ou melhor, a
capacidade de pensar por si próprio,
deveria ficar à frente na educação.
Este século, mostrou uma nova
maneira de pensar. O objetivo desses
filósofos era a busca da felicidade. Eles
eram contra a injustiça, intolerância
religiosa e a concentração de privilégios
nas mãos de poucos (ricos e poderosos).
Para os iluministas a razão era
importante para os estudos dos
fenômenos naturais e sociais. De certa
forma eles eram Deístas, ou seja,
acreditavam em Deus, mas que este Deus
agiria indiretamente nos homens, através
das leis naturais. Com isso em mente, a
própria pessoa pode descobrir-se dentro
da razão.
Na natureza as pessoas seriam
boas, os problemas, as desigualdades
sociais foram colocadas e provocadas pelo
próprio homem, de acordo com a
organização da sociedade. Para concertar
essa situação teria de mudar totalmente
a sociedade. Para estabelecer a garantia
dos direitos naturais da pessoa, como a
liberdade e a livre posse de bens.
O QUE O ILUMINISMO COMBATIA:
A nova mentalidade burguesa,
expressa pelos princípios iluministas,
chocava-se com o Antigo Regime. Assim,
o Iluminismo combatia:
• O Absolutismo Monárquico:
porque protegia a nobreza e
mantinha seus privilégios. O
absolutismo era considerado injusto
por impedir a participação da
burguesia nas decisões políticas,
inviabilizando a realização de suas
ideias;
• O Mercantilismo: porque a
intervenção do Estado na vida
econômica era considerada
prejudicial ao individualismo
burguês, à livre iniciativa e ao
desenvolvimento espontâneo do
capitalismo;
• A autonomia intelectual:
defendia pelo individualismo e pelo
racionalismo burguês. Assim, à
burguesia não interessava apenas a
religião. Ela desejava o avanço da
ciência e das técnicas, que
favoreciam aos transportes, as
comunicações, a medicina, etc.
O QUE O ILUMINISMO DEFENDIA:
Segundo o sociólogo Lucien Goldman, os
princípios do Iluminismo estão
relacionados ao comércio, uma das
principais atividades econômicas da
burguesia. Assim, o Iluminismo defendia:
• Igualdade: no comércio, isto é, no
ato de compra e venda, todas as
eventuais desigualdades sociais
entre compradores e vendedores
não tinham importância. Na compra
e venda, o que importava era a
igualdade jurídica dos participantes
do ato comercial. Por isso, os
iluministas defendiam que todos
deveriam ser iguais perante a lei.
Ninguém teria, então, privilégios de
nascença, como os da nobreza.
Entretanto, a igualdade jurídica não
significava igualdade econômica. No
plano econômico, a maioria dos
iluministas acreditava que a
desigualdade correspondia à ordem
natural das coisas.
• Tolerância religiosa ou
filosófica: na realização do ato
comercial, não importavam as
convicções religiosas ou filosóficas
dos participantes do negócio. Do
ponto de vista econômico, a
burguesia compreendeu que seria
irracional excluir compradores ou
vendedores em função de suas
crenças ou convicções pessoais.
Fosse mulçumano, judeu, cristão ou
ateu, a capacidade econômica das
pessoas definia-se pelo ter e não
pelo ser.
• Liberdade pessoal e social: a
atividade comercial burguesa só
poderia desenvolver-se numa
economia de mercado, ou seja, era
preciso que existisse o livre jogo da
oferta e da procura. Por isso, a
burguesia se opôs à escravidão
humana e passou a defender uma
sociedade livre. Afinal sem
trabalhadores livres, que
recebessem salários, não podia
haver mercado comercial.
• Propriedade privada: comércio só
era possível entre os proprietários
de bens ou de dinheiro. O
proprietário podia comprar ou
vender porque tinha o direito de
usar e dispor livremente de seus
bens. Assim, a burguesia defendia o
direito à propriedade privada, que
característica essencial da
sociedade capitalista.
OS PENSADORES
Estes pensadores eram divididos
em duas classes: os filósofos, com mente
voltada para os problemas políticos; e os
economistas, que estavam voltados para
o lado financeiro, com intenções de
aumentar a riqueza da nação.
Os representantes mais destacados
dos filósofos foram: Charles de Secondat,
Barão de Montesquieu; François Marie
Arouet (Voltaire), Jean Jacques Rousseau
e Denis Diderot.
MONTESQUIEU (1689-1755): Sua
obra de destaque, Do Espírito das Leis, de
1748, defendia a separação e ao mesmo
tempo a igualdade entre os poderes
executivo, legislativo e judiciário. Além
disso, publicou em 1721 As Cartas Persas,
que usava do ridículo para certos
costumes da sociedade europeia.
VOLTAIRE (1694-1798): Não era
partidário das ideias da igreja. Foi o mais
destacado dos iluministas. Irônico e
crítico mordaz, também foi um bom
escritor. Com tantas críticas, Voltaire foi
perseguido e, inúmeras vezes, mandado
par o exílio. Publicou Cartas Inglesas, na
Inglaterra, esta obra critica o Absolutismo
e elogia a liberdade do país. Sua
influência foi forte na época e espalhou-
se por toda Europa, inclusive alguns
governantes foram adeptos de suas
ideias, como Catarina II da Rússia, e
Frederico II da Prússia.
JEAN JACQUES ROUSSEAU (1712-
1778): Esse italiano da cidade de
Genebra, de vida simples, era contra o
estilo de vida luxuoso e mundano. Ele
fugiu diversas vezes por causa da
perseguição às suas ideias. Uma de suas
obras: Discurso sobre a origem e os
fundamentos da desigualdade entre os
homens (1755). Nesta obra, ele defende
a tese da bondade natural da pessoa, que
é deturpada pela civilização. Ele também
defende uma vida familiar simples, com
uma sociedade baseada na justiça e
igualdade. Outro texto famoso foi O
Contrato Social, baseado na teoria da
Vontade Geral, referida ao povo.
DENIS DIDEROT: Este foi quem
organizou a Enciclopédia, publicada em
1771/1772. Foi ajudado pelo matemático
Jean Le Rond D’Alembert e outros. Seu
objetivo principal era a reunião do
conhecimento em uma única publicação.
É claro que uma obra que divulgava ideias
iluministas era proibida.
O LIBERALISMO ECONÔMICO
Os economistas defendiam uma
economia que não deveria ser controlada
pelo Estado. O Estado talvez só
interferiria se fosse para garantir seu livre
caminhar e o desenvolvimento da
economia. Isso dá origem aos fisiocratas
(do grego, governo da natureza). Suas
ideias eram basicamente: as leis
econômicas de um país eram como leis
naturais que durariam para sempre e
eram independentes da vontade do
homem. Outra ideia base era que a
economia deveria fluir livremente, sem
interferência do Estado. Alguns
economistas de destaque foram:
FRANÇOIS QUESNAY, médico na corte
de Luís XV, foi colaborador da
Enciclopédia, uma atividade de
importância para ele era a agricultura.
VICENT GOURNAY, tinha ideias liberais
para o comércio e a indústria. Sua frase
consagrada foi: deixe fazer, deixe passar.
ADAM SMITH, aluno de Gournay, este
escocês, foi um pouco diferente dos
fisiocratas. Ele criou novas teses, o
Liberalismo Econômico. Sua obra de
destaque foi: A Riqueza das Nações, em
1766. Nesta obra ele enfatiza como
verdadeira fonte de riqueza o trabalho
livre, sem nenhuma intervenção exterior.
DESPOTISMO ESCLARECIDO
Essas ideias iluministas
influenciaram alguns governantes, que
logo passaram a praticar essas teorias,
mas com um tom soberano, ou seja,
procuravam governar com a razão e com
os interesses do povo, mas com um toque
de absolutismo real.
Essa união de princípios filosóficos e
poder real deu origem ao Despotismo
Esclarecido. Seus principais adeptos
foram:
Frederico II da Prússia - discípulo de
Voltaire - deu liberdade religiosa, investiu
na educação para o ensino básico e na
liberdade de expressão. Estimulou a
economia, com medidas protecionistas,
isto quer dizer, a Prússia permaneceu um
estado feudal, com servos sujeitos aos
seus senhores.
Na Rússia, Catarina II, teve contato
com os iluministas franceses, entre eles,
Voltaire. Também deu liberdade religiosa
ao povo e fez mudanças de hábitos na alta
sociedade. Claro que os servos tiveram
prejuízos, pois o poder dos senhores
aumentou, com direito até mesmo sobre
a vida dos servos.
José II - na Áustria, ele aboliu a servidão
no país, concedeu igualdade entre todos,
até em sua administração imperial, deu
liberdade de culto a todos.
Em Portugal, o Marquês de Pombal,
fez importantes reformas baseadas no
iluminismo. Houve mais desenvolvimento
no país. A agricultura foi estimulada. A
nobreza foi perseguida para fortalecer o
poder real e os jesuítas foram
“incentivados” para não dizer, expulsos
de Portugal. O espanhol – Anistro Aranda
- fez diversas reformas no comércio, na
indústria e na sua administração. Onde
criou os intendentes, que fortaleceram o
poder real de Carlos III.
FONTES ADAPTADAS:
http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adri
enearaujo/historia026.asp
http://www.algosobre.com.br/historia/ilumin
ismo-a-critica-ao-antigo-regime.html
Reproduzido em:
www.historiasdomedeiros.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
marciamcq
 
Revolução burguesa
Revolução burguesaRevolução burguesa
Revolução burguesa
Érika Alves Falcão
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
Lela Leite
 
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismoLiberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
Denis Gasco
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Alexandre Ribeiro
 
A revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeA revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedade
Thiago Nunes
 
Idade contemporânea as revoluções liberais
Idade contemporânea   as revoluções liberaisIdade contemporânea   as revoluções liberais
Idade contemporânea as revoluções liberais
terceiromotivo2012
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
JulianaGimenes
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Ricardo Toniolo
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
Murilo Benevides
 
Slide sobre revolução francesa
Slide sobre revolução francesaSlide sobre revolução francesa
Slide sobre revolução francesa
martagama
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Fábio José Oliveira
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
Priscila Azeredo
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
Carla Teixeira
 
Revolução francesa fases
Revolução francesa   fasesRevolução francesa   fases
Revolução francesa fases
Funvic - Fundação de Ensino de Mococa
 

Mais procurados (20)

Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
 
Revolução burguesa
Revolução burguesaRevolução burguesa
Revolução burguesa
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
 
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismoLiberalismo, socialismo, nacionalismo
Liberalismo, socialismo, nacionalismo
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedadeA revolução francesa e a mudança na sociedade
A revolução francesa e a mudança na sociedade
 
Idade contemporânea as revoluções liberais
Idade contemporânea   as revoluções liberaisIdade contemporânea   as revoluções liberais
Idade contemporânea as revoluções liberais
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
Século xix
Século xixSéculo xix
Século xix
 
Slide sobre revolução francesa
Slide sobre revolução francesaSlide sobre revolução francesa
Slide sobre revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
As fases da revolução
As fases da revoluçãoAs fases da revolução
As fases da revolução
 
Revolução francesa fases
Revolução francesa   fasesRevolução francesa   fases
Revolução francesa fases
 

Semelhante a Iluminismo

O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
João Medeiros
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
José Gomes
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
Anna Paula
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
AulasDeHistoriaApoio
 
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismowww.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
EnsinoFundamental
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Foz
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
eduardodemiranda
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Mozão Fraga
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
Frederico Marques Sodré
 
Liberalismo divisão
Liberalismo divisãoLiberalismo divisão
Liberalismo divisão
bruceslcarvalho
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Julivan Estevam
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
ProfessoresColeguium
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Marília Pimentel
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Fatima Freitas
 
Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a
Valmir Gomes
 
liberalismo e nacionaismo 1.ppt
liberalismo e nacionaismo 1.pptliberalismo e nacionaismo 1.ppt
liberalismo e nacionaismo 1.ppt
FakeDaKbM
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
historiando
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Expedito Martins
 

Semelhante a Iluminismo (20)

O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismowww.AulasParticularesApoio.Com.Br - História -  Iluminismo
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - História - Iluminismo
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História - Iluminismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Iluminismo
 
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismowww.ensinofundamental.net.br - História -  Iluminismo
www.ensinofundamental.net.br - História - Iluminismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIIIIdeias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
Ideias revolucionárias dos séculos XVII e XVIII
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
 
Liberalismo divisão
Liberalismo divisãoLiberalismo divisão
Liberalismo divisão
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo 2012
Iluminismo 2012Iluminismo 2012
Iluminismo 2012
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido  Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a
 
liberalismo e nacionaismo 1.ppt
liberalismo e nacionaismo 1.pptliberalismo e nacionaismo 1.ppt
liberalismo e nacionaismo 1.ppt
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 

Mais de João Medeiros

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
João Medeiros
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
João Medeiros
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
João Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
João Medeiros
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
João Medeiros
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
João Medeiros
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
João Medeiros
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
João Medeiros
 
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
João Medeiros
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
João Medeiros
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
João Medeiros
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
João Medeiros
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
João Medeiros
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
João Medeiros
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
João Medeiros
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
João Medeiros
 
As Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações MesopotâmicasAs Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações Mesopotâmicas
João Medeiros
 

Mais de João Medeiros (20)

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
 
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
 
As Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações MesopotâmicasAs Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações Mesopotâmicas
 

Último

Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Iluminismo

  • 1. O ILUMINISMO O século XVIII é também chamado de Século das Luzes. A origem de todo esse movimento de nome iluminismo começou na França. Esse termo iluminismo está relacionado com esclarecimento, porque os iluministas, os homens da sociedade do antigo regime viviam nas “trevas da ignorância”. Para os iluministas, o homem é produto do meio em que vive da sociedade e da educação. No antigo regime, a educação estava sob o controle da igreja. Isto não era bem visto pelos novos pensadores, os iluministas, pois para eles a igreja ensinava uma filosofia arcaica. Isto tornava a sociedade ignorante, fanática e submissa. Por isso a educação precisava ser mudada, a razão, ou melhor, a capacidade de pensar por si próprio, deveria ficar à frente na educação. Este século, mostrou uma nova maneira de pensar. O objetivo desses filósofos era a busca da felicidade. Eles eram contra a injustiça, intolerância religiosa e a concentração de privilégios nas mãos de poucos (ricos e poderosos). Para os iluministas a razão era importante para os estudos dos fenômenos naturais e sociais. De certa forma eles eram Deístas, ou seja, acreditavam em Deus, mas que este Deus agiria indiretamente nos homens, através das leis naturais. Com isso em mente, a própria pessoa pode descobrir-se dentro da razão. Na natureza as pessoas seriam boas, os problemas, as desigualdades sociais foram colocadas e provocadas pelo próprio homem, de acordo com a organização da sociedade. Para concertar essa situação teria de mudar totalmente a sociedade. Para estabelecer a garantia dos direitos naturais da pessoa, como a liberdade e a livre posse de bens. O QUE O ILUMINISMO COMBATIA: A nova mentalidade burguesa, expressa pelos princípios iluministas, chocava-se com o Antigo Regime. Assim, o Iluminismo combatia: • O Absolutismo Monárquico: porque protegia a nobreza e mantinha seus privilégios. O absolutismo era considerado injusto por impedir a participação da burguesia nas decisões políticas, inviabilizando a realização de suas ideias; • O Mercantilismo: porque a intervenção do Estado na vida econômica era considerada prejudicial ao individualismo burguês, à livre iniciativa e ao desenvolvimento espontâneo do capitalismo; • A autonomia intelectual: defendia pelo individualismo e pelo racionalismo burguês. Assim, à burguesia não interessava apenas a religião. Ela desejava o avanço da ciência e das técnicas, que favoreciam aos transportes, as comunicações, a medicina, etc. O QUE O ILUMINISMO DEFENDIA: Segundo o sociólogo Lucien Goldman, os princípios do Iluminismo estão relacionados ao comércio, uma das principais atividades econômicas da burguesia. Assim, o Iluminismo defendia: • Igualdade: no comércio, isto é, no ato de compra e venda, todas as eventuais desigualdades sociais entre compradores e vendedores não tinham importância. Na compra e venda, o que importava era a igualdade jurídica dos participantes do ato comercial. Por isso, os iluministas defendiam que todos deveriam ser iguais perante a lei. Ninguém teria, então, privilégios de
  • 2. nascença, como os da nobreza. Entretanto, a igualdade jurídica não significava igualdade econômica. No plano econômico, a maioria dos iluministas acreditava que a desigualdade correspondia à ordem natural das coisas. • Tolerância religiosa ou filosófica: na realização do ato comercial, não importavam as convicções religiosas ou filosóficas dos participantes do negócio. Do ponto de vista econômico, a burguesia compreendeu que seria irracional excluir compradores ou vendedores em função de suas crenças ou convicções pessoais. Fosse mulçumano, judeu, cristão ou ateu, a capacidade econômica das pessoas definia-se pelo ter e não pelo ser. • Liberdade pessoal e social: a atividade comercial burguesa só poderia desenvolver-se numa economia de mercado, ou seja, era preciso que existisse o livre jogo da oferta e da procura. Por isso, a burguesia se opôs à escravidão humana e passou a defender uma sociedade livre. Afinal sem trabalhadores livres, que recebessem salários, não podia haver mercado comercial. • Propriedade privada: comércio só era possível entre os proprietários de bens ou de dinheiro. O proprietário podia comprar ou vender porque tinha o direito de usar e dispor livremente de seus bens. Assim, a burguesia defendia o direito à propriedade privada, que característica essencial da sociedade capitalista. OS PENSADORES Estes pensadores eram divididos em duas classes: os filósofos, com mente voltada para os problemas políticos; e os economistas, que estavam voltados para o lado financeiro, com intenções de aumentar a riqueza da nação. Os representantes mais destacados dos filósofos foram: Charles de Secondat, Barão de Montesquieu; François Marie Arouet (Voltaire), Jean Jacques Rousseau e Denis Diderot. MONTESQUIEU (1689-1755): Sua obra de destaque, Do Espírito das Leis, de 1748, defendia a separação e ao mesmo tempo a igualdade entre os poderes executivo, legislativo e judiciário. Além disso, publicou em 1721 As Cartas Persas, que usava do ridículo para certos costumes da sociedade europeia. VOLTAIRE (1694-1798): Não era partidário das ideias da igreja. Foi o mais destacado dos iluministas. Irônico e crítico mordaz, também foi um bom escritor. Com tantas críticas, Voltaire foi perseguido e, inúmeras vezes, mandado par o exílio. Publicou Cartas Inglesas, na Inglaterra, esta obra critica o Absolutismo e elogia a liberdade do país. Sua influência foi forte na época e espalhou- se por toda Europa, inclusive alguns governantes foram adeptos de suas ideias, como Catarina II da Rússia, e Frederico II da Prússia. JEAN JACQUES ROUSSEAU (1712- 1778): Esse italiano da cidade de Genebra, de vida simples, era contra o estilo de vida luxuoso e mundano. Ele fugiu diversas vezes por causa da perseguição às suas ideias. Uma de suas obras: Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens (1755). Nesta obra, ele defende a tese da bondade natural da pessoa, que é deturpada pela civilização. Ele também defende uma vida familiar simples, com uma sociedade baseada na justiça e igualdade. Outro texto famoso foi O Contrato Social, baseado na teoria da Vontade Geral, referida ao povo.
  • 3. DENIS DIDEROT: Este foi quem organizou a Enciclopédia, publicada em 1771/1772. Foi ajudado pelo matemático Jean Le Rond D’Alembert e outros. Seu objetivo principal era a reunião do conhecimento em uma única publicação. É claro que uma obra que divulgava ideias iluministas era proibida. O LIBERALISMO ECONÔMICO Os economistas defendiam uma economia que não deveria ser controlada pelo Estado. O Estado talvez só interferiria se fosse para garantir seu livre caminhar e o desenvolvimento da economia. Isso dá origem aos fisiocratas (do grego, governo da natureza). Suas ideias eram basicamente: as leis econômicas de um país eram como leis naturais que durariam para sempre e eram independentes da vontade do homem. Outra ideia base era que a economia deveria fluir livremente, sem interferência do Estado. Alguns economistas de destaque foram: FRANÇOIS QUESNAY, médico na corte de Luís XV, foi colaborador da Enciclopédia, uma atividade de importância para ele era a agricultura. VICENT GOURNAY, tinha ideias liberais para o comércio e a indústria. Sua frase consagrada foi: deixe fazer, deixe passar. ADAM SMITH, aluno de Gournay, este escocês, foi um pouco diferente dos fisiocratas. Ele criou novas teses, o Liberalismo Econômico. Sua obra de destaque foi: A Riqueza das Nações, em 1766. Nesta obra ele enfatiza como verdadeira fonte de riqueza o trabalho livre, sem nenhuma intervenção exterior. DESPOTISMO ESCLARECIDO Essas ideias iluministas influenciaram alguns governantes, que logo passaram a praticar essas teorias, mas com um tom soberano, ou seja, procuravam governar com a razão e com os interesses do povo, mas com um toque de absolutismo real. Essa união de princípios filosóficos e poder real deu origem ao Despotismo Esclarecido. Seus principais adeptos foram: Frederico II da Prússia - discípulo de Voltaire - deu liberdade religiosa, investiu na educação para o ensino básico e na liberdade de expressão. Estimulou a economia, com medidas protecionistas, isto quer dizer, a Prússia permaneceu um estado feudal, com servos sujeitos aos seus senhores. Na Rússia, Catarina II, teve contato com os iluministas franceses, entre eles, Voltaire. Também deu liberdade religiosa ao povo e fez mudanças de hábitos na alta sociedade. Claro que os servos tiveram prejuízos, pois o poder dos senhores aumentou, com direito até mesmo sobre a vida dos servos. José II - na Áustria, ele aboliu a servidão no país, concedeu igualdade entre todos, até em sua administração imperial, deu liberdade de culto a todos. Em Portugal, o Marquês de Pombal, fez importantes reformas baseadas no iluminismo. Houve mais desenvolvimento no país. A agricultura foi estimulada. A nobreza foi perseguida para fortalecer o poder real e os jesuítas foram “incentivados” para não dizer, expulsos de Portugal. O espanhol – Anistro Aranda - fez diversas reformas no comércio, na indústria e na sua administração. Onde criou os intendentes, que fortaleceram o poder real de Carlos III. FONTES ADAPTADAS: http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adri enearaujo/historia026.asp http://www.algosobre.com.br/historia/ilumin ismo-a-critica-ao-antigo-regime.html Reproduzido em: www.historiasdomedeiros.blogspot.com