SlideShare uma empresa Scribd logo
 Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).
 Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos,
teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos,
vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).
 Economia agropastoril.
 Comércio pouco desenvolvido e
ausência de moeda.
 Ausência de escrita.
 Politeístas.
 Inicialmente sem propriedade privada.
 Poder político = guerreiros.
 Direito Consuetudinário (tradição).
 COMITATUS (laços de dependência
entre guerreiros).
Os Povos Bárbaros
Os Povos Bárbaros
 Os povos bárbaros eram de origem germânica e habitavam as
regiões norte e nordeste da Europa e noroeste da Ásia, na
época do Império Romano.
 Viveram em relativa harmonia com os romanos até os séculos
IV e V da nossa era. Chegaram até a realizar trocas e comércio
com os romanos, através das fronteiras. Muitos germânicos
eram contratados para integrarem o poderoso exército romano.
 Os romanos usavam a palavra “bárbaros” para todos aqueles
que habitavam fora das fronteiras do império e que não
falavam a língua oficial dos romanos: o latim.
 A convivência pacífica entre esses povos e os romanos durou
até o século IV, quando uma horda de hunos pressionou os
outros povos bárbaros nas fronteiras do Império Romano.
Neste século e no seguinte, o que se viu foi uma invasão,
muitas vezes violenta, que acabou por derrubar o Império
Romano do Ocidente, 476.
Os FRANCOS
 Um dos povos germânicos (“bárbaros”).
 Constituíram um Estado organizado.
 Fizeram uma forte
aliança com a
Igreja Católica.
 Dinastias:
 Merovíngia.
 Carolíngia.
A Dinastia Merovíngia
 Clóvis:
 Reis indolentes e major domus.
 Pepino de Heristal:
 Carol Martel:
 Neto de Meroveu.
 Primeiro líder bárbaro a
“converter-se” ao Cristianismo.
 Fundador da dinastia.
 Dividiu o reino em condados.
 Tornou o cargo de major domus vitalício e hereditário.
 Venceu os árabes na Batalha de Poitiers (732) e
recebeu o título de “Salvador da Cristandade Ocidental”
da Igreja Católica.
ClovisroidesFrancs(465-511)selonFrançois-LouisDejuinne(1786-1844).Peinture
réaliséeen1835conservéeàVersailles,muséenationalduchâteauetdesTrianons.
A imagem mostra o Rei Clóvis sendo batizado.
Era o início de uma longa união entre a Igreja Católica
e os francos e, posteriormente, os carolíngios.
Charles de Steuben, Batalha de Poitiers, outubro
732. Óleo sobre tela, pintada entre 1834 e
1837, hoje no Musée du château de Versailles
(Museu do Palácio de Versalhes, França).
A Dinastia Merovíngia (Continuação)
 Pepino, o Breve:
 Depôs o último rei merovíngio, Childerico III.
 Fundou a nova dinastia.
A Dinastia Carolíngia
 Pepino, o Breve:
 O fundador da dinastia.
 Forte aliado da Igreja Católica.
 Doou à Igreja Católica o Patrimônio de São Pedro.
 Fortaleceu as relações pessoais de dependência,
através de doações de benefícios aos cavaleiros fiéis.
Pepino estabelece o
Patrimônio de São
Pedro, formados por
um aglomerado de
territórios,
basicamente no centro
da península Itálica,
que se mantiveram
como um estado
independente entre os
anos de 756 e 1870,
sob a autoridade civil
dos Papas, e cuja
capital era Roma.
A Dinastia Carolíngia (Continuação)
 Carlos Magno:
 Conquistas territoriais.
 Fez do Reino dos Francos a mais
extensa unidade administrativa
da Europa ocidental.
 Forte aliança com a Igreja Católica.
 Foi coroado Imperador dos Romanos
no natal de 800 pelo Papa Leão III.
 Distribuição de títulos de condes,
duques e marqueses.
 Forte controle sobre a nobreza.
 Missi dominici (emissários do senhor).
 Renascimento Carolíngio.
• Além da estabilidade política
adquirida na época de Carlos
Magno houve também um
verdadeiro Renascimento
Cultural.
• Os nobres, em geral analfabetos
(incluindo o Imperador) foram
estimulados a ler e a escrever.
• O Imperador criou escolas para
a nobreza (Palatinas) e para o
clero (Episcopais), estimulando
a educação do Império.
 Renascimento Carolíngio.
• Nessa época temos o início das
traduções dos monges
copistas, principalmente de
textos de autores greco-
romanos.
• Temos um estímulo a
ourivesaria, a fabricação de
joias, além do advento das
iluminuras, textos seguidos de
imagens coloridas em miniatura.
A Dinastia Carolíngia (Continuação)
 Luís, o Piedoso:
 Fortemente influenciado
pela Igreja Católica.
 Um monarca fraco.
 Fortalecimento da nobreza
e do alto clero.
 Novas invasões e pilhagens:
os vikings (escandinavos),
os sarracenos (piratas
muçulmanos) e os
magiares (húngaros).
 Após sua morte, seus três
filhos disputaram o império.
A Dinastia Carolíngia (Continuação)
 O Tratado de Verdun (843):
 Foi a divisão do Império
Carolíngio entre os netos
de Carlos Magno.
 Carlos, o Calvo, ficou com
a França Ocidental (que deu
origem ao Reino da França).
 Luís, o Germânico, com
a França Oriental (a futura
Alemanha).
 Lotário, com a França
Central, repartida após a
sua morte, entre Carlos e
Luís.
O Tratado de Verdun (843):
Território de Carlos, o Calvo.
Território de Lotário.
Território de Luís, o Germânico.
Estados Pontifícios.
Alguma considerações finais
 A autoridade real esfacelou-se rapidamente.
 Condes, duques e marqueses usurparam os poderes
reais e passaram a exercê-los em nível local.
 Em 877, os domínios, chamados então de feudos,
tornaram-se hereditários.
 Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os
ataques vikings, cedeu lhes o ducado da Normandia.
 No mesmo ano ocorreu também o fim do ramo
germânico dos carolíngios, com a morte de Luís, o Jovem.
 Em 987, morreu Luís V, o último soberano carolíngio da
França Ocidental. Os aristocratas escolheram Hugo
Capeto, Conde de Paris, como rei.
 Encerrava-se aí a dinastia carolíngia e tinha início a
dinastia feudal por excelência, na França, os capetíngios.
www.historiasdomedeiros.blogspot.com
ll
www.
historiasdomedeiros
.blogspot.com
Introdução
 Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-
romana).
 Germânicos – principal grupo (suevos,
lombardos, teutônicos, francos, godos,
visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios,
anglos, saxões...).
 Economia agropastoril.
 Comércio pouco desenvolvido e ausência de
moeda.
 Ausência de escrita.
 Politeístas.
 Inicialmente sem propriedade privada.
 Poder político = guerreiros.
 Direito Consuetudinário (tradição).
 COMITATUS (laços de dependência entre
guerreiros).
 Os povos bárbaros eram de origem germânica e
habitavam as regiões norte e nordeste da
Europa e noroeste da Ásia, na época do Império
Romano.
 Viveram em relativa harmonia com os romanos
até os séculos IV e V da nossa era. Chegaram
até a realizar trocas e comércio com os
romanos, através das fronteiras. Muitos
germânicos eram contratados para integrarem o
poderoso exército romano.
 Os romanos usavam a palavra “bárbaros” para
todos aqueles que habitavam fora das fronteiras
OS BÁRBAROS
do império e que não falavam a língua oficial dos
romanos: o latim.
 A convivência pacífica entre esses povos e os
romanos durou até o século IV, quando uma
horda de hunos pressionou os outros povos
bárbaros nas fronteiras do Império Romano.
Neste século e no seguinte, o que se viu foi uma
invasão, muitas vezes violenta, que acabou por
derrubar o Império Romano do Ocidente, 476.
Os FRANCOS
 Um dos povos germânicos (“bárbaros”).
 Constituíram um Estado organizado.
 Fizeram uma forte aliança com a Igreja Católica.
 Dinastias: Merovíngia e Carolíngia.
A Dinastia Merovíngia
 Clóvis: Neto de Meroveu; Primeiro líder bárbaro
a “converter-se” ao Cristianismo; Fundador da
dinastia; Dividiu o reino em condados.
 Reis indolentes e major domus.
 Pepino de Heristal: Tornou o cargo de major
domus vitalício e hereditário.
 Carol Martel: Venceu os árabes na Batalha de
Poitiers (732) e recebeu o título de “Salvador da
Cristandade Ocidental” da Igreja Católica.
 Pepino, o Breve: Depôs o último rei merovíngio,
Childerico III; Fundou a nova dinastia.
www.
historiasdomedeiros
.blogspot.com
A Dinastia Carolíngia
 Pepino, o Breve: O fundador da dinastia; Forte
aliado da Igreja Católica; Doou à Igreja Católica
o Patrimônio de São Pedro; Fortaleceu as
relações pessoais de dependência, através de
doações de benefícios aos cavaleiros fiéis.
 Carlos Magno: Conquistas territoriais; Fez do
Reino dos Francos a mais extensa unidade
administrativa da Europa ocidental; Forte aliança
com a Igreja Católica; Foi coroado Imperador
dos Romanos no natal de 800 pelo Papa Leão
III; Distribuição de títulos de condes, duques e
marqueses; Forte controle sobre a nobreza;
Missi dominici (emissários do senhor);
Renascimento Carolíngio.
 Além da estabilidade política adquirida na época
de Carlos Magno houve também um verdadeiro
Renascimento Cultural. Os nobres, em geral
analfabetos (incluindo o Imperador) foram
estimulados a ler e a escrever. O Imperador
criou escolas para a nobreza (Palatinas) e para o
clero (Episcopais), estimulando a educação do
Império. Nessa época temos o início das
traduções dos monges copistas, principalmente
de textos de autores greco-romanos. Temos um
estímulo a ourivesaria, a fabricação de joias,
além do advento das iluminuras, textos seguidos
de imagens coloridas em miniatura.
OS BÁRBAROS (Continuação)
 Luís, o Piedoso: Fortemente influenciado pela Igreja
Católica; Um monarca fraco; Fortalecimento da
nobreza e do alto clero; Novas invasões e pilhagens:
os vikings (escandinavos), os sarracenos (piratas
muçulmanos) e os magiares (húngaros); Após sua
morte, seus três filhos disputaram o império.
 O Tratado de Verdun (843): Foi a divisão do
Império Carolíngio entre os netos de Carlos Magno.
 Carlos, o Calvo, ficou com a França Ocidental (que
deu origem ao Reino da França).
 Luís, o Germânico, com a França Oriental (a futura
Alemanha).
 Lotário, com a França Central, repartida após a sua
morte, entre Carlos e Luís.
Alguma considerações finais
 A autoridade real esfacelou-se rapidamente.
 Condes, duques e marqueses usurparam os poderes
reais e passaram a exercê-los em nível local.
 Em 877, os domínios, chamados então de feudos,
tornaram-se hereditários.
 Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os
ataques vikings, cedeu lhes o ducado da Normandia.
 No mesmo ano ocorreu também o fim do ramo
germânico dos carolíngios, com a morte de Luís, o
Jovem.
 Em 987, morreu Luís V, o último soberano carolíngio
da França Ocidental. Os aristocratas escolheram
Hugo Capeto, Conde de Paris, como rei.
 Encerrava-se aí a dinastia carolíngia e tinha início a
dinastia feudal por excelência, na França, os
capetíngios.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
Profernanda
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Nefer19
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
Paulo Alexandre
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
Daniel Alves Bronstrup
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
Daniel Alves Bronstrup
 
AULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSA
AULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSAAULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSA
AULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSA
Douglas Barraqui
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
Marilia Pimentel
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francos
Carlos Zaranza
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
José Augusto Fiorin
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
cattonia
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptHistória Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
Marcelo Abreu Gomes
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 

Mais procurados (20)

Povos bárbaros
Povos bárbarosPovos bárbaros
Povos bárbaros
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
Brasil Holandês
Brasil HolandêsBrasil Holandês
Brasil Holandês
 
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna1º ano - transição da idade média para a idade moderna
1º ano - transição da idade média para a idade moderna
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 
AULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSA
AULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSAAULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSA
AULA - INGLATERRA: DO ABSOLUTISMO A REVOLUÇÃO GLORIOSA
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francos
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
 
9. revolução inglesa
9. revolução inglesa9. revolução inglesa
9. revolução inglesa
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2016)
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. pptHistória Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
História Medieval aula 03 Bárbaros. ppt
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 

Semelhante a Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros

Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Fatima Freitas
 
Barbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_bBarbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_b
Kelly Delfino
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Fatima Freitas
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Marilia Pimentel
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
Marcus Vinicius Barbosa Silva
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Trabalho de historia
Trabalho de historia Trabalho de historia
Trabalho de historia
Túlio Arantes
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
Jonatas Carlos
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
Kerol Brombal
 
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
Daniel Alves Bronstrup
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
Laguat
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
historiando
 

Semelhante a Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros (20)

Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
Invasesbrbaraseformaodaeuropamoderna 111101132734-phpapp02
 
Barbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_bBarbaros francos carolingios_2010_b
Barbaros francos carolingios_2010_b
 
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa modernaInvasões bárbaras e formação da europa moderna
Invasões bárbaras e formação da europa moderna
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
3371982 historia-aula-03-alta-idade-media
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Trabalho de historia
Trabalho de historia Trabalho de historia
Trabalho de historia
 
Aula 03 alta idade média
Aula 03   alta idade médiaAula 03   alta idade média
Aula 03 alta idade média
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras1 invasões bárbaras
1 invasões bárbaras
 
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.3° ano EM - Bizantinos e Francos.
3° ano EM - Bizantinos e Francos.
 
A civilização Feudal
A civilização FeudalA civilização Feudal
A civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 
Os francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingioOs francos, imp. carolingio
Os francos, imp. carolingio
 

Mais de João Medeiros

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
João Medeiros
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
João Medeiros
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
João Medeiros
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
João Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
João Medeiros
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
João Medeiros
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
João Medeiros
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
João Medeiros
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
João Medeiros
 
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
João Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
João Medeiros
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
João Medeiros
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
João Medeiros
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
João Medeiros
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
João Medeiros
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
João Medeiros
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
João Medeiros
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
João Medeiros
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
João Medeiros
 

Mais de João Medeiros (20)

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
 
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
 

Último

Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 

Último (20)

Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 

Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros

  • 1.
  • 2.
  • 3.  Povos fora das fronteiras (sem cultura greco-romana).  Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).  Economia agropastoril.  Comércio pouco desenvolvido e ausência de moeda.  Ausência de escrita.  Politeístas.  Inicialmente sem propriedade privada.  Poder político = guerreiros.  Direito Consuetudinário (tradição).  COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros). Os Povos Bárbaros
  • 4. Os Povos Bárbaros  Os povos bárbaros eram de origem germânica e habitavam as regiões norte e nordeste da Europa e noroeste da Ásia, na época do Império Romano.  Viveram em relativa harmonia com os romanos até os séculos IV e V da nossa era. Chegaram até a realizar trocas e comércio com os romanos, através das fronteiras. Muitos germânicos eram contratados para integrarem o poderoso exército romano.  Os romanos usavam a palavra “bárbaros” para todos aqueles que habitavam fora das fronteiras do império e que não falavam a língua oficial dos romanos: o latim.  A convivência pacífica entre esses povos e os romanos durou até o século IV, quando uma horda de hunos pressionou os outros povos bárbaros nas fronteiras do Império Romano. Neste século e no seguinte, o que se viu foi uma invasão, muitas vezes violenta, que acabou por derrubar o Império Romano do Ocidente, 476.
  • 5. Os FRANCOS  Um dos povos germânicos (“bárbaros”).  Constituíram um Estado organizado.  Fizeram uma forte aliança com a Igreja Católica.  Dinastias:  Merovíngia.  Carolíngia.
  • 6. A Dinastia Merovíngia  Clóvis:  Reis indolentes e major domus.  Pepino de Heristal:  Carol Martel:  Neto de Meroveu.  Primeiro líder bárbaro a “converter-se” ao Cristianismo.  Fundador da dinastia.  Dividiu o reino em condados.  Tornou o cargo de major domus vitalício e hereditário.  Venceu os árabes na Batalha de Poitiers (732) e recebeu o título de “Salvador da Cristandade Ocidental” da Igreja Católica. ClovisroidesFrancs(465-511)selonFrançois-LouisDejuinne(1786-1844).Peinture réaliséeen1835conservéeàVersailles,muséenationalduchâteauetdesTrianons.
  • 7. A imagem mostra o Rei Clóvis sendo batizado. Era o início de uma longa união entre a Igreja Católica e os francos e, posteriormente, os carolíngios.
  • 8. Charles de Steuben, Batalha de Poitiers, outubro 732. Óleo sobre tela, pintada entre 1834 e 1837, hoje no Musée du château de Versailles (Museu do Palácio de Versalhes, França).
  • 9. A Dinastia Merovíngia (Continuação)  Pepino, o Breve:  Depôs o último rei merovíngio, Childerico III.  Fundou a nova dinastia.
  • 10. A Dinastia Carolíngia  Pepino, o Breve:  O fundador da dinastia.  Forte aliado da Igreja Católica.  Doou à Igreja Católica o Patrimônio de São Pedro.  Fortaleceu as relações pessoais de dependência, através de doações de benefícios aos cavaleiros fiéis. Pepino estabelece o Patrimônio de São Pedro, formados por um aglomerado de territórios, basicamente no centro da península Itálica, que se mantiveram como um estado independente entre os anos de 756 e 1870, sob a autoridade civil dos Papas, e cuja capital era Roma.
  • 11. A Dinastia Carolíngia (Continuação)  Carlos Magno:  Conquistas territoriais.  Fez do Reino dos Francos a mais extensa unidade administrativa da Europa ocidental.  Forte aliança com a Igreja Católica.  Foi coroado Imperador dos Romanos no natal de 800 pelo Papa Leão III.  Distribuição de títulos de condes, duques e marqueses.  Forte controle sobre a nobreza.  Missi dominici (emissários do senhor).  Renascimento Carolíngio.
  • 12. • Além da estabilidade política adquirida na época de Carlos Magno houve também um verdadeiro Renascimento Cultural. • Os nobres, em geral analfabetos (incluindo o Imperador) foram estimulados a ler e a escrever. • O Imperador criou escolas para a nobreza (Palatinas) e para o clero (Episcopais), estimulando a educação do Império.  Renascimento Carolíngio. • Nessa época temos o início das traduções dos monges copistas, principalmente de textos de autores greco- romanos. • Temos um estímulo a ourivesaria, a fabricação de joias, além do advento das iluminuras, textos seguidos de imagens coloridas em miniatura.
  • 13. A Dinastia Carolíngia (Continuação)  Luís, o Piedoso:  Fortemente influenciado pela Igreja Católica.  Um monarca fraco.  Fortalecimento da nobreza e do alto clero.  Novas invasões e pilhagens: os vikings (escandinavos), os sarracenos (piratas muçulmanos) e os magiares (húngaros).  Após sua morte, seus três filhos disputaram o império.
  • 14.
  • 15. A Dinastia Carolíngia (Continuação)  O Tratado de Verdun (843):  Foi a divisão do Império Carolíngio entre os netos de Carlos Magno.  Carlos, o Calvo, ficou com a França Ocidental (que deu origem ao Reino da França).  Luís, o Germânico, com a França Oriental (a futura Alemanha).  Lotário, com a França Central, repartida após a sua morte, entre Carlos e Luís. O Tratado de Verdun (843): Território de Carlos, o Calvo. Território de Lotário. Território de Luís, o Germânico. Estados Pontifícios.
  • 16. Alguma considerações finais  A autoridade real esfacelou-se rapidamente.  Condes, duques e marqueses usurparam os poderes reais e passaram a exercê-los em nível local.  Em 877, os domínios, chamados então de feudos, tornaram-se hereditários.  Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os ataques vikings, cedeu lhes o ducado da Normandia.  No mesmo ano ocorreu também o fim do ramo germânico dos carolíngios, com a morte de Luís, o Jovem.  Em 987, morreu Luís V, o último soberano carolíngio da França Ocidental. Os aristocratas escolheram Hugo Capeto, Conde de Paris, como rei.  Encerrava-se aí a dinastia carolíngia e tinha início a dinastia feudal por excelência, na França, os capetíngios.
  • 18. www. historiasdomedeiros .blogspot.com Introdução  Povos fora das fronteiras (sem cultura greco- romana).  Germânicos – principal grupo (suevos, lombardos, teutônicos, francos, godos, visigodos, ostrogodos, vândalos, burgúndios, anglos, saxões...).  Economia agropastoril.  Comércio pouco desenvolvido e ausência de moeda.  Ausência de escrita.  Politeístas.  Inicialmente sem propriedade privada.  Poder político = guerreiros.  Direito Consuetudinário (tradição).  COMITATUS (laços de dependência entre guerreiros).  Os povos bárbaros eram de origem germânica e habitavam as regiões norte e nordeste da Europa e noroeste da Ásia, na época do Império Romano.  Viveram em relativa harmonia com os romanos até os séculos IV e V da nossa era. Chegaram até a realizar trocas e comércio com os romanos, através das fronteiras. Muitos germânicos eram contratados para integrarem o poderoso exército romano.  Os romanos usavam a palavra “bárbaros” para todos aqueles que habitavam fora das fronteiras OS BÁRBAROS do império e que não falavam a língua oficial dos romanos: o latim.  A convivência pacífica entre esses povos e os romanos durou até o século IV, quando uma horda de hunos pressionou os outros povos bárbaros nas fronteiras do Império Romano. Neste século e no seguinte, o que se viu foi uma invasão, muitas vezes violenta, que acabou por derrubar o Império Romano do Ocidente, 476. Os FRANCOS  Um dos povos germânicos (“bárbaros”).  Constituíram um Estado organizado.  Fizeram uma forte aliança com a Igreja Católica.  Dinastias: Merovíngia e Carolíngia. A Dinastia Merovíngia  Clóvis: Neto de Meroveu; Primeiro líder bárbaro a “converter-se” ao Cristianismo; Fundador da dinastia; Dividiu o reino em condados.  Reis indolentes e major domus.  Pepino de Heristal: Tornou o cargo de major domus vitalício e hereditário.  Carol Martel: Venceu os árabes na Batalha de Poitiers (732) e recebeu o título de “Salvador da Cristandade Ocidental” da Igreja Católica.  Pepino, o Breve: Depôs o último rei merovíngio, Childerico III; Fundou a nova dinastia.
  • 19. www. historiasdomedeiros .blogspot.com A Dinastia Carolíngia  Pepino, o Breve: O fundador da dinastia; Forte aliado da Igreja Católica; Doou à Igreja Católica o Patrimônio de São Pedro; Fortaleceu as relações pessoais de dependência, através de doações de benefícios aos cavaleiros fiéis.  Carlos Magno: Conquistas territoriais; Fez do Reino dos Francos a mais extensa unidade administrativa da Europa ocidental; Forte aliança com a Igreja Católica; Foi coroado Imperador dos Romanos no natal de 800 pelo Papa Leão III; Distribuição de títulos de condes, duques e marqueses; Forte controle sobre a nobreza; Missi dominici (emissários do senhor); Renascimento Carolíngio.  Além da estabilidade política adquirida na época de Carlos Magno houve também um verdadeiro Renascimento Cultural. Os nobres, em geral analfabetos (incluindo o Imperador) foram estimulados a ler e a escrever. O Imperador criou escolas para a nobreza (Palatinas) e para o clero (Episcopais), estimulando a educação do Império. Nessa época temos o início das traduções dos monges copistas, principalmente de textos de autores greco-romanos. Temos um estímulo a ourivesaria, a fabricação de joias, além do advento das iluminuras, textos seguidos de imagens coloridas em miniatura. OS BÁRBAROS (Continuação)  Luís, o Piedoso: Fortemente influenciado pela Igreja Católica; Um monarca fraco; Fortalecimento da nobreza e do alto clero; Novas invasões e pilhagens: os vikings (escandinavos), os sarracenos (piratas muçulmanos) e os magiares (húngaros); Após sua morte, seus três filhos disputaram o império.  O Tratado de Verdun (843): Foi a divisão do Império Carolíngio entre os netos de Carlos Magno.  Carlos, o Calvo, ficou com a França Ocidental (que deu origem ao Reino da França).  Luís, o Germânico, com a França Oriental (a futura Alemanha).  Lotário, com a França Central, repartida após a sua morte, entre Carlos e Luís. Alguma considerações finais  A autoridade real esfacelou-se rapidamente.  Condes, duques e marqueses usurparam os poderes reais e passaram a exercê-los em nível local.  Em 877, os domínios, chamados então de feudos, tornaram-se hereditários.  Em 911, o rei Carlos, o Simples, incapaz de deter os ataques vikings, cedeu lhes o ducado da Normandia.  No mesmo ano ocorreu também o fim do ramo germânico dos carolíngios, com a morte de Luís, o Jovem.  Em 987, morreu Luís V, o último soberano carolíngio da França Ocidental. Os aristocratas escolheram Hugo Capeto, Conde de Paris, como rei.  Encerrava-se aí a dinastia carolíngia e tinha início a dinastia feudal por excelência, na França, os capetíngios.