SlideShare uma empresa Scribd logo
As Cruzadas
As Cruzadas
Elas foram expedições militares organizadas entre 1095 e 1291 pelas potências
cristãs europeias, com o objetivo declarado de combater o domínio islâmico na
chamada Terra Santa, reconquistando Jerusalém e outros lugares por onde Jesus
teria passado em vida. A empreitada constituía uma mistura de guerra, peregrinação
e penitência: os guerreiros cruzados, conhecidos também como "peregrinos
penitentes", acreditavam que seus pecados seriam perdoados caso completassem a
jornada e cumprissem a missão divina de libertar locais sagrados, como a Igreja do
Santo Sepulcro. Esses cavaleiros e soldados tinham como símbolo a cruz, bordada no
manto que usavam - daí o nome com que ficaram conhecidos. Seus motivos não
eram, porém, exclusivamente religiosos. Mercadores emergentes viram nas Cruzadas
uma oportunidade de ampliar seus negócios, abrindo novos mercados e obtendo lucro
ao abastecer os exércitos que atravessavam a Europa a caminho do Oriente.
Outro objetivo era unificar as forças da cristandade ocidental, divididas por guerras
internas, e concentrar suas energias contra um inimigo comum, os chamados "infiéis
muçulmanos". Nesse período de quase dois séculos, oito Cruzadas foram lançadas,
embora duas delas jamais tenham chegado a Jerusalém. A Quarta desviou-se do seu
objetivo original para atacar os cristãos ortodoxos de Constantinopla - que não
reconheciam a autoridade do papa -, saqueando a cidade no ano de 1203. Já a Quinta
conseguiu conquistar partes do Egito, mas bateu em retirada sob a pressão do
inimigo antes de atingir a Palestina.
PRIMEIRA CRUZADA (1096-1099)
O movimento foi instigado pelo papa Urbano II, que,
no Concílio de Clermont (1095), pediu a ação de
líderes cristãos para afastar o perigo muçulmano.
Sem esperar uma segunda ordem, camponeses,
religiosos e aventureiros partiram da França numa
expedição improvisada que terminou em fracasso.
Enquanto isso, a Cruzada "oficial", formada por
quatro grupos seguindo rotas diferentes, chegou a
Constantinopla, de onde marchou para Jerusalém,
conquistada em julho de 1099.
SEGUNDA CRUZADA (1147-1149)
Conflitos constantes entre as várias colônias cristãs
instaladas no Oriente levaram o papa Eugênio III a
lançar uma nova Cruzada para restaurar a ordem na
região. Mas mudanças políticas no mundo islâmico
permitem ao príncipe Saladino, um de seus maiores
líderes, unificar a Síria e o Egito sob domínio turco,
reforçando sua posição militar. Em 1187, os
muçulmanos retomaram Jerusalém e cerca de 16000
cristãos foram vendidos como escravos.
TERCEIRA CRUZADA (1189-1192)
Com a Europa frustrada pela perda de Jerusalém, o
papa Clemente III organiza a campanha para
reconquistar a cidade. Vários ataques são lançados,
sem sucesso. Em 1191, os reis cristãos que
lideravam a expedição negociam um acordo com o
inimigo: Jerusalém permanece sob domínio turco,
mas os cristãos têm acesso ao Santo Sepulcro.
QUARTA CRUZADA (1202-1204)
Desde que se tornou papa, em 1198, Inocêncio III
pregava uma nova Cruzada para recuperar
Jerusalém. Mas a expedição que partiu de Veneza em
1202 tinha como objetivo principal atacar
Constantinopla, que - depois de aderir à Igreja
Ortodoxa - já não reconhecia a autoridade papal.
Constantinopla foi ocupada e saqueada pelos
cruzados em 1203. Mas eles foram expulsos da
cidade no ano seguinte.
QUINTA CRUZADA (1218-1221)
Atacar o Egito era cogitado desde a Terceira
Cruzada, para conquistar posições que pudessem ser
barganhadas com os muçulmanos em troca da
devolução de Jerusalém. Assim, a Quinta Cruzada
concentrou-se em tomar o porto egípcio de
Damietta, em 1219. Mas a falta de reforços obriga os
cruzados a desocupar a cidade. E a missão fracassa.
SEXTA CRUZADA (1228-1229)
Em 1228, Frederico II, imperador da Alemanha,
chegou à Terra Santa e, por casamento, tornou-se
rei de Jerusalém, negociando a recuperação do
controle sobre a cidade. Mas novos conflitos internos
enfraqueceram os cruzados, que, em 1243, foram
expulsos da região. No ano seguinte, os turcos
voltaram a tomar Jerusalém.
GUERREIRO CRUZADO
Sua proteção era a cota de malha, vestimenta feita
com pequenas argolas de metal encadeadas, que
demorava cinco anos para ser confeccionada e
pesava mais de 10 quilos, cobrindo o peito, as costas
e os braços. O capacete tinha uma viseira removível.
O escudo trazia a cruz, que também enfeitava o
manto de tecido branco usado sobre a cota de
malha. Sua principal arma era a espada,
eventualmente empunhada com as duas mãos.
SÉTIMA CRUZADA (1248-1254)
Liderada por Luís IX, rei da França, que, mais tarde,
seria canonizado como São Luís, a expedição
buscava retomar os ideais religiosos da Primeira
Cruzada. Permaneceu quatro anos na Síria, mas sem
sucesso. Em 1268, o sultão Baibars, que conseguira
reunificar a Síria e o Egito, expulsou mais uma vez
os cruzados da Terra Santa.
GUERREIRO MUÇULMANO
Sua cota de malha era mais leve que as dos
cruzados, dando maior mobilidade. A cabeça era
protegida por um capacete pequeno e sua espada - a
famosa cimitarra - possuía lâmina curva, facilitando
o manuseio a cavalo. Arqueiros de grande habilidade,
disparavam flechas certeiras mesmo sobre montarias
a galope. Outra arma característica era a maça,
bloco de ferro com pontas aguçadas, preso a um
cabo de madeira ou a uma corrente.
OITAVA CRUZADA (1270-1291)
Luís IX, preso pelos muçulmanos, foi libertado depois
de pagar resgate e, em 1270, desembarcou em
Cartago (Túnis). Ali, o sultão local prometeu
converter-se e ajudar os franceses. Em vez disso, ele
voltou-se contra os cristãos, que tiveram sua posição
enfraquecida com a morte de Luís IX no mesmo ano.
Em 1291, o reino franco deixa de existir no Oriente.
Fonte:
http://mundoestranho.abril.com.br/materi
a/o-que-foram-as-cruzadas
Formatação:
Prof. Medeiros
www.histoirasdomedeiros.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
Carlos Pinheiro
 
Slides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoSlides santa inquisição
Slides santa inquisição
Colegio GGE
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
profdu
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
eb23ja
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Carlos Vieira
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
Carla Freitas
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
Deus
DeusDeus
A reforma católica
A reforma católicaA reforma católica
A reforma católica
CAvancar
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
Fatima Freitas
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
harlissoncarvalho
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
Isidro Santos
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
Lucas Degiovani
 
A Filosofia da Religião
A Filosofia da ReligiãoA Filosofia da Religião
A Filosofia da Religião
3000zxsc
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 

Mais procurados (20)

A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 
Slides santa inquisição
Slides santa inquisiçãoSlides santa inquisição
Slides santa inquisição
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
 
A civilização romana
A civilização romana  A civilização romana
A civilização romana
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV22 - A crise do século XIV
22 - A crise do século XIV
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Deus
DeusDeus
Deus
 
A reforma católica
A reforma católicaA reforma católica
A reforma católica
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
Reforma protestante
Reforma protestanteReforma protestante
Reforma protestante
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
As revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-anoAs revolucoes inglesas - 8-ano
As revolucoes inglesas - 8-ano
 
A Filosofia da Religião
A Filosofia da ReligiãoA Filosofia da Religião
A Filosofia da Religião
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 

Semelhante a As Cruzadas

História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e EscolásticaHistória da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
Andre Nascimento
 
Revisão de história
Revisão de históriaRevisão de história
Revisão de história
Johannes Lustosa
 
As cruzadas
As cruzadasAs cruzadas
As cruzadas
Juliana Zalamena
 
Cruzadas.pptx
Cruzadas.pptxCruzadas.pptx
Cruzadas.pptx
LuizGustavoTMLopes
 
A cruzada
A cruzadaA cruzada
A cruzada
edsonfgodoy
 
Cruzadas.final
Cruzadas.finalCruzadas.final
Cruzadas.final
Scriba Digital
 
Idade média ocidental cruzadas
Idade média ocidental   cruzadasIdade média ocidental   cruzadas
Idade média ocidental cruzadas
Fatima Freitas
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
Carla Teixeira
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
Siqueira RJ
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Aula cruzadas
Aula cruzadasAula cruzadas
Aula cruzadas
VanessaBortulucce
 
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
Daniel Alves Bronstrup
 
As cruzadas medievais
As cruzadas medievaisAs cruzadas medievais
As cruzadas medievais
Mariana Willendorff Oliveira
 
Aula 3a parte cruzadas e inquisição
Aula 3a parte cruzadas e inquisiçãoAula 3a parte cruzadas e inquisição
Aula 3a parte cruzadas e inquisição
Gcom digital factory
 
As cruzadas 2014
As cruzadas   2014As cruzadas   2014
As cruzadas 2014
Nelia Salles Nantes
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Clara Mendes
 
Guilhermi slide
Guilhermi slideGuilhermi slide
Guilhermi slide
ANTONIO FLORENTINO
 
Cavaleiros templarios
Cavaleiros templariosCavaleiros templarios
Cavaleiros templarios
Jose Pinto Cardoso
 
Cavaleiros Templarios
Cavaleiros TemplariosCavaleiros Templarios
Cavaleiros Templarios
Lucas Sophia Cruz
 
Cavaleiros Templários
Cavaleiros TempláriosCavaleiros Templários
Cavaleiros Templários
Cláudio Stegun
 

Semelhante a As Cruzadas (20)

História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e EscolásticaHistória da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
 
Revisão de história
Revisão de históriaRevisão de história
Revisão de história
 
As cruzadas
As cruzadasAs cruzadas
As cruzadas
 
Cruzadas.pptx
Cruzadas.pptxCruzadas.pptx
Cruzadas.pptx
 
A cruzada
A cruzadaA cruzada
A cruzada
 
Cruzadas.final
Cruzadas.finalCruzadas.final
Cruzadas.final
 
Idade média ocidental cruzadas
Idade média ocidental   cruzadasIdade média ocidental   cruzadas
Idade média ocidental cruzadas
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Aula cruzadas
Aula cruzadasAula cruzadas
Aula cruzadas
 
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
 
As cruzadas medievais
As cruzadas medievaisAs cruzadas medievais
As cruzadas medievais
 
Aula 3a parte cruzadas e inquisição
Aula 3a parte cruzadas e inquisiçãoAula 3a parte cruzadas e inquisição
Aula 3a parte cruzadas e inquisição
 
As cruzadas 2014
As cruzadas   2014As cruzadas   2014
As cruzadas 2014
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Guilhermi slide
Guilhermi slideGuilhermi slide
Guilhermi slide
 
Cavaleiros templarios
Cavaleiros templariosCavaleiros templarios
Cavaleiros templarios
 
Cavaleiros Templarios
Cavaleiros TemplariosCavaleiros Templarios
Cavaleiros Templarios
 
Cavaleiros Templários
Cavaleiros TempláriosCavaleiros Templários
Cavaleiros Templários
 

Mais de João Medeiros

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
João Medeiros
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
João Medeiros
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
João Medeiros
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
João Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
João Medeiros
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
João Medeiros
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
João Medeiros
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
João Medeiros
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
João Medeiros
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
João Medeiros
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
João Medeiros
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
João Medeiros
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
João Medeiros
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
João Medeiros
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
João Medeiros
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
João Medeiros
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
João Medeiros
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
João Medeiros
 

Mais de João Medeiros (20)

Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: FigurinistasSophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
Sophia Medeiros - Trabalho de Arte: Figurinistas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros AlvesUma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
Uma maneira simples de voar - Sophia Medeiros Alves
 
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia MedeirosBioma Cerrado - Sophia Medeiros
Bioma Cerrado - Sophia Medeiros
 
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
Atividades de Ciências Humanas e da Natureza: Política; Continentes e Oceanos.
 
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
Atividades de Português: Uso dos Porquês - Numeral - Interjeição.
 
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
Atividades de Matemática: medidas de massa e distância - bilhões.
 
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
Atividades de espanhol: profesiones y habitación.
 
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. MedeirosHistória de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
História de Mato Grosso em Exercícios... Prof. Medeiros
 
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. MedeirosOs Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
Os Povos Bárbaros - Os Francos - Prof. Medeiros
 
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. MedeirosO Império Bizantino - Prof. Medeiros
O Império Bizantino - Prof. Medeiros
 
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo AntigoAs Sete Maravilhas do Mundo Antigo
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
 
Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.Os Governos Militares na América Latina.
Os Governos Militares na América Latina.
 
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
Ditadura Militar: Os Atos Institucionais.
 
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. MedeirosHistória do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
História do Brasil: Ditadura Militar (1964-1985). Prof. Medeiros
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.Médici e a Ditadura Militar.
Médici e a Ditadura Militar.
 
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
10 Mulheres Guerreiras Imbatíveis
 
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.A  Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
A Interiorização da Ocupação Colonial Portuguesa.
 
12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega12 deuses do olimpo na mitologia grega
12 deuses do olimpo na mitologia grega
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 

As Cruzadas

  • 2. As Cruzadas Elas foram expedições militares organizadas entre 1095 e 1291 pelas potências cristãs europeias, com o objetivo declarado de combater o domínio islâmico na chamada Terra Santa, reconquistando Jerusalém e outros lugares por onde Jesus teria passado em vida. A empreitada constituía uma mistura de guerra, peregrinação e penitência: os guerreiros cruzados, conhecidos também como "peregrinos penitentes", acreditavam que seus pecados seriam perdoados caso completassem a jornada e cumprissem a missão divina de libertar locais sagrados, como a Igreja do Santo Sepulcro. Esses cavaleiros e soldados tinham como símbolo a cruz, bordada no manto que usavam - daí o nome com que ficaram conhecidos. Seus motivos não eram, porém, exclusivamente religiosos. Mercadores emergentes viram nas Cruzadas uma oportunidade de ampliar seus negócios, abrindo novos mercados e obtendo lucro ao abastecer os exércitos que atravessavam a Europa a caminho do Oriente. Outro objetivo era unificar as forças da cristandade ocidental, divididas por guerras internas, e concentrar suas energias contra um inimigo comum, os chamados "infiéis muçulmanos". Nesse período de quase dois séculos, oito Cruzadas foram lançadas, embora duas delas jamais tenham chegado a Jerusalém. A Quarta desviou-se do seu objetivo original para atacar os cristãos ortodoxos de Constantinopla - que não reconheciam a autoridade do papa -, saqueando a cidade no ano de 1203. Já a Quinta conseguiu conquistar partes do Egito, mas bateu em retirada sob a pressão do inimigo antes de atingir a Palestina.
  • 3. PRIMEIRA CRUZADA (1096-1099) O movimento foi instigado pelo papa Urbano II, que, no Concílio de Clermont (1095), pediu a ação de líderes cristãos para afastar o perigo muçulmano. Sem esperar uma segunda ordem, camponeses, religiosos e aventureiros partiram da França numa expedição improvisada que terminou em fracasso. Enquanto isso, a Cruzada "oficial", formada por quatro grupos seguindo rotas diferentes, chegou a Constantinopla, de onde marchou para Jerusalém, conquistada em julho de 1099.
  • 4. SEGUNDA CRUZADA (1147-1149) Conflitos constantes entre as várias colônias cristãs instaladas no Oriente levaram o papa Eugênio III a lançar uma nova Cruzada para restaurar a ordem na região. Mas mudanças políticas no mundo islâmico permitem ao príncipe Saladino, um de seus maiores líderes, unificar a Síria e o Egito sob domínio turco, reforçando sua posição militar. Em 1187, os muçulmanos retomaram Jerusalém e cerca de 16000 cristãos foram vendidos como escravos.
  • 5. TERCEIRA CRUZADA (1189-1192) Com a Europa frustrada pela perda de Jerusalém, o papa Clemente III organiza a campanha para reconquistar a cidade. Vários ataques são lançados, sem sucesso. Em 1191, os reis cristãos que lideravam a expedição negociam um acordo com o inimigo: Jerusalém permanece sob domínio turco, mas os cristãos têm acesso ao Santo Sepulcro.
  • 6. QUARTA CRUZADA (1202-1204) Desde que se tornou papa, em 1198, Inocêncio III pregava uma nova Cruzada para recuperar Jerusalém. Mas a expedição que partiu de Veneza em 1202 tinha como objetivo principal atacar Constantinopla, que - depois de aderir à Igreja Ortodoxa - já não reconhecia a autoridade papal. Constantinopla foi ocupada e saqueada pelos cruzados em 1203. Mas eles foram expulsos da cidade no ano seguinte.
  • 7. QUINTA CRUZADA (1218-1221) Atacar o Egito era cogitado desde a Terceira Cruzada, para conquistar posições que pudessem ser barganhadas com os muçulmanos em troca da devolução de Jerusalém. Assim, a Quinta Cruzada concentrou-se em tomar o porto egípcio de Damietta, em 1219. Mas a falta de reforços obriga os cruzados a desocupar a cidade. E a missão fracassa.
  • 8. SEXTA CRUZADA (1228-1229) Em 1228, Frederico II, imperador da Alemanha, chegou à Terra Santa e, por casamento, tornou-se rei de Jerusalém, negociando a recuperação do controle sobre a cidade. Mas novos conflitos internos enfraqueceram os cruzados, que, em 1243, foram expulsos da região. No ano seguinte, os turcos voltaram a tomar Jerusalém.
  • 9. GUERREIRO CRUZADO Sua proteção era a cota de malha, vestimenta feita com pequenas argolas de metal encadeadas, que demorava cinco anos para ser confeccionada e pesava mais de 10 quilos, cobrindo o peito, as costas e os braços. O capacete tinha uma viseira removível. O escudo trazia a cruz, que também enfeitava o manto de tecido branco usado sobre a cota de malha. Sua principal arma era a espada, eventualmente empunhada com as duas mãos.
  • 10. SÉTIMA CRUZADA (1248-1254) Liderada por Luís IX, rei da França, que, mais tarde, seria canonizado como São Luís, a expedição buscava retomar os ideais religiosos da Primeira Cruzada. Permaneceu quatro anos na Síria, mas sem sucesso. Em 1268, o sultão Baibars, que conseguira reunificar a Síria e o Egito, expulsou mais uma vez os cruzados da Terra Santa.
  • 11. GUERREIRO MUÇULMANO Sua cota de malha era mais leve que as dos cruzados, dando maior mobilidade. A cabeça era protegida por um capacete pequeno e sua espada - a famosa cimitarra - possuía lâmina curva, facilitando o manuseio a cavalo. Arqueiros de grande habilidade, disparavam flechas certeiras mesmo sobre montarias a galope. Outra arma característica era a maça, bloco de ferro com pontas aguçadas, preso a um cabo de madeira ou a uma corrente.
  • 12. OITAVA CRUZADA (1270-1291) Luís IX, preso pelos muçulmanos, foi libertado depois de pagar resgate e, em 1270, desembarcou em Cartago (Túnis). Ali, o sultão local prometeu converter-se e ajudar os franceses. Em vez disso, ele voltou-se contra os cristãos, que tiveram sua posição enfraquecida com a morte de Luís IX no mesmo ano. Em 1291, o reino franco deixa de existir no Oriente.