SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DE ESTUDOS ADMINISTRATIVOS DE MINAS GERAIS FEAD-MG




                   Marcos Pires Canuto (173969)




                       HISTÓRIA DA ARTE




                          Belo Horizonte

                              2011
Marcos Canuto




     HISTÓRIA DA ARTE




Trabalho apresentado à disciplina de História da Arte do
curso de graduação em Turismo da Faculdade de
Estudos Administrativos de Minas Gerais.

Orientador: Marcel de Almeida Freitas.




        Belo Horizonte

            2011
DEDICATÓRIA




Dedico este trabalho primeiramente a Deus por ter me dado vida e saúde, aos
meus pais por ter colocado me no mundo e a você professor, por ter nos
disponibilizado um pouco do seu tempo para nos ensinar a sabedoria através do
seu conhecimento, por isso, fica aqui registrado neste trabalho, o meu
reconhecimento a vocês que nos deram a oportunidade de vencer na vida,
superando os nossos obstáculos, obrigado a todos por fazerem parte de nossas
vidas.
“O mais livre de todos os homens é aquele que consegue ser livre na própria
                                                              escravidão”.



                                                         (François Fénelon)
SUMÁRIO




INTRODUÇÃO...........................................................................................................05

O Barroco e a ruptura com o Maneirismo..............................................................06

Conclusão.................................................................................................................09

Referências...............................................................................................................10
6


                                  INTRODUÇÃO




Este trabalho tem como objetivo, esclarecer como foi à ruptura do estilo Barroco com
o Maneirismo e mostrar as divergências que existem entre os dois estilos de arte
que teve como protagonista o estilo Barroco que predominou na época da reforma e
contra reforma.
7


O Barroco e a ruptura com o Maneirismo




     O Maneirismo antecede ao estilo Barroco, mas não se insere num contexto
renascentista, esta Arte entende-se como umas entre as influências renascentistas e
a elaboração de algumas características do Barroco, este é um momento mais livre,
sem as convenções do renascimento que durou apenas trinta anos.

     O Maneirismo foi um movimento artístico europeu de referente retomada de
algumas expressões da cultura medieval entre os anos que corresponde a 1515
a1610 (ou 1525 até 1600), o mesmo, caracterizou-se pela centralização no modo de
se fazer arte, levando à procura de efeitos incomuns que já apontam para a Arte
Barroca, como a ampliação das figuras e pontos de vista curiosos, assim, as
primeiras amostras anticlássicas dentro do espírito clássico Renascentista
costumam ser nomeadas de Maneiristas (CRAGOE, 2008). Ele se insere em um
novo contexto histórico, onde aparecem várias tendências ao modo de Da Vinci,
Miguel Ângelo, Botticelli, entre outros.

     Na escultura, este estilo apresenta uma frugalidade, contrapondo-se a um
interior extravagantemente decorado com azulejos e coma talha dourada em
escultóricos altares no (caso das igrejas) e nos palácios, predominam as baixelas,
porcelanas e mobiliário, o Maneirismo diz respeito à arte, incluindo a literatura do
período compreendido entre o renascimento Tardio e o Barroco que vai de 1530 a
1620, o mesmo, perde rigor a representação clássica, é mais expressivo e dinâmico
privilegiando a subjetividade, os sentimentos, a sensualidade e o efeito meramente
plástico e decorativo perdendo o rigor anatômico.

     Na pintura, esse estilo rompe com os modelos clássicos, culto do bizarro e
individual, com composições complexas e inventivas (não piramidais), com grande
importância dada ao desenho (serpenteado e vigoroso), com dimensões e estilos
eficazes, cromatismos vibrantes e fundos arquitetônicos e paisagens renascentistas;
para estes exemplos, citamos Verão.

     O barroco foi uma ruptura com os modos de arte anteriores, pois ele escapava
às exigências da ordem e da harmonia, utilizando recursos visuais como diagonais
curvas e efeitos de luz, que rompia coma ideia renascentista de construção redonda
8


e simétrica. O barroco visava atingir os sentidos e não a razão, abusando de
dualidades e contradições, o homem se via dividido entre a fé e a razão.

     Este modelo de Arte aparece predominante entre 1618 e 1714, na época
correspondiam ao Antigo Regime, quando se tratava de uma criação de um estado
moderno com estruturas políticas, economias e cultural autônoma afirmada através
de monarquias absolutistas, o Barroco abrange o período da reforma e contra
reforma, o protestantismo (os artistas focavam seu trabalho para uma pintura de
modo burguês) e o catolicismo (tinha artistas que promoviam trabalhos religiosos
que causavam impactos emocionais)

     O Barroco se ancorava no absolutismo, onde esta arte servia de propaganda e
reforçava o poder político que durante este período imperavam grandes contrastes
sociais como a aristocracia, o Barroco era consireda uma arte urbana do século
XVII, que tinha como palco em termos religiosos a cidade de Roma, onde o Papa
Sisto V promoveu uma reforma urbanística adequando-se ao estatuto de sua cidade
que tinham como decoração praças jogos d’água e mercados com obeliscos, então
Roma ficou sendo sinônimo de cidade espetáculo.

     Versalhes predominou-se em termos políticos, mas há sinais de divergências,
que por um lado a maioria dos países em regimes absolutistas, por outro lado,
alguns países estariam em regimes parlamentares. A Arte Barroca é mais um gosto
do que um estilo, considerada uma arte de ilusão e engano, que mostra aos
distúrbios de seu tempo (guerras, conflitos sociais e religiosos)

     Nas esculturas, este estilo nasceu dos contatos com a antiguidade e com o
Renascimento definindo-se em uma arte nova e original em termos decorativos,
imaginativos e fantasistas, a arquitetura se alia a escultura, pintura, jardinagem e
jogos de água criando uma miragem de movimento e de um ambiente maior, o
movimento curvilíneo e o uso de jogo de luz e sombra aguçam uma busca pelo
infinito e reforçam o efeito cênico desejado.

     As alterações da arquitetura religiosa foram produzidas pela necessidade de
adaptar as igrejas às requisições impostas pelo concílio de Trento. Plantas de uma
grande distinção formal e ilusionista, baseadas em formas elípticas, curvas ou ovais,
as paredes eram de forma côncava e convexa, adaptada para os desenhos das
9


plantas formando paredes ondulantes criando impressão e efeitos luminosos, as
mesmas são cobertas por estuques, pinturas e estábulos em talha dourada, criando
uma ilusão de espaço maior ligando parede e teto.

     Quanto à ala da pintura, esta nasceu na Itália, sendo fruto da contra reforma e
do poder régio, a mesma, tem como objetivo captar a fé dos fiéis através da sedução
dos sentidos, daí a atração e o deslumbramento apontado para a emotividade típica
do estilo Barroco. Espelha-se no Renascimento quanto ao equilíbrio e no
Maneirismo quanto às soluções plásticas. No mural, era executada em trompe l’oeil
nas paredes das igrejas e palácios, sendo distinguida pela grandiosidade,
teatralidade, ilusão e movimento aparentando cenograficamente e realidade.
10


                                  CONCLUSÃO




     O estilo Barroco tem em dados momentos uma grandiosidade como forma de
impressionar pelos seus traçados vistos como formas ilusionistas e de sentido
infinito, este, ao contrário do Maneirismo que se caracterizou pela concentração no
modo de se fazer arte, levando à procura de efeitos incomuns e de extravagância,
um exemplo é a obra de Michelangelo “Davi” que não obedece às proporções
constituídas pelos tratados clássicos nem pelas da natureza, já que as mãos e os
pés são claramente desproporcionais, já o estilo Barroco focou-se em uma arte mais
onde se retratava a arte de duplo sentido ao mesmo tempo em que se vivia a
realidade, já se podia imaginar um cenário de ilusão onde as pinturas retratavam um
lugar com sentido amplo e imaginário.

     No entanto, o estilo Barroco causou rupturas com a arte que o antecedeu por
suas tendências que notadamente não eram seguidas por essas artes.
11


                                    REFERÊNCIAS



Fontes:

História da Arte, Arte Medieval, do Renascimento e Barroca; Aula 08 Maneirismo e
Barroco.

DUCHER. Robert. Características dos estilos. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

Publicada por Inês em 04h10min PM http://historia-da-arte-zi.blogspot.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
Joel Sousa
 
Maneirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococoManeirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococo
victorosa
 
Hiper - Realismo - TCKC
Hiper - Realismo - TCKCHiper - Realismo - TCKC
Hiper - Realismo - TCKC
Thomas
 
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Raphael Lanzillotte
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
sergioborgato
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
dpport
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
Alcir Costa
 
Gêneros Artísticos
Gêneros ArtísticosGêneros Artísticos
Gêneros Artísticos
Sandro Bottene
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
Experiências Português
 
Pop Art - Seminário
Pop Art - SeminárioPop Art - Seminário
Pop Art - Seminário
Bianca Gurgel
 
Artes - O modernismo no Brasil
Artes - O modernismo no BrasilArtes - O modernismo no Brasil
Artes - O modernismo no Brasil
Leila nny
 
Luz e sombra
Luz e sombraLuz e sombra
Luz e sombra
Paulo Alexandre
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
Junior Onildo
 
Comunicação Visual.pptx
Comunicação Visual.pptxComunicação Visual.pptx
Comunicação Visual.pptx
ArianaNascimento13
 
Estampa africana
Estampa africanaEstampa africana
Estampa africana
rosangela13
 
Design - Teoria das Corres
Design - Teoria das CorresDesign - Teoria das Corres
Design - Teoria das Corres
Odair Cavichioli
 
Trabalho de história, renascimento trecentro
Trabalho de história, renascimento trecentroTrabalho de história, renascimento trecentro
Trabalho de história, renascimento trecentro
Juninho Martuscelli
 
História da arte - Arte Moderna
História da arte  - Arte ModernaHistória da arte  - Arte Moderna
História da arte - Arte Moderna
Lú Carvalho
 
História do teatro no mundo ocidental 2
História do teatro no mundo ocidental 2História do teatro no mundo ocidental 2
História do teatro no mundo ocidental 2
Silvana Chaves
 
Grafite
GrafiteGrafite

Mais procurados (20)

Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Maneirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococoManeirismo, barroco e rococo
Maneirismo, barroco e rococo
 
Hiper - Realismo - TCKC
Hiper - Realismo - TCKCHiper - Realismo - TCKC
Hiper - Realismo - TCKC
 
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
Revisão - Arte contemporânea (Novas Linguagens)
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
arte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIXarte no século XVIII e XIX
arte no século XVIII e XIX
 
Gêneros Artísticos
Gêneros ArtísticosGêneros Artísticos
Gêneros Artísticos
 
História do Teatro
História do TeatroHistória do Teatro
História do Teatro
 
Pop Art - Seminário
Pop Art - SeminárioPop Art - Seminário
Pop Art - Seminário
 
Artes - O modernismo no Brasil
Artes - O modernismo no BrasilArtes - O modernismo no Brasil
Artes - O modernismo no Brasil
 
Luz e sombra
Luz e sombraLuz e sombra
Luz e sombra
 
Grafite x pichação
Grafite x pichaçãoGrafite x pichação
Grafite x pichação
 
Comunicação Visual.pptx
Comunicação Visual.pptxComunicação Visual.pptx
Comunicação Visual.pptx
 
Estampa africana
Estampa africanaEstampa africana
Estampa africana
 
Design - Teoria das Corres
Design - Teoria das CorresDesign - Teoria das Corres
Design - Teoria das Corres
 
Trabalho de história, renascimento trecentro
Trabalho de história, renascimento trecentroTrabalho de história, renascimento trecentro
Trabalho de história, renascimento trecentro
 
História da arte - Arte Moderna
História da arte  - Arte ModernaHistória da arte  - Arte Moderna
História da arte - Arte Moderna
 
História do teatro no mundo ocidental 2
História do teatro no mundo ocidental 2História do teatro no mundo ocidental 2
História do teatro no mundo ocidental 2
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 

Semelhante a Trabalho de história da arte

Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco
Rebeka Caetano Lima
 
Revista forma especial arquitetura
Revista forma   especial arquiteturaRevista forma   especial arquitetura
Revista forma especial arquitetura
Aline Soares e Silva
 
Seminários história da arte 02
Seminários história da arte   02Seminários história da arte   02
Seminários história da arte 02
Gabriela Lemos
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
Zeneide Cordeiro
 
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdfHISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
jarbas5
 
Resumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococóResumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococó
Gliciane S. Aragão
 
B Arroco E Maneirismo
B Arroco E ManeirismoB Arroco E Maneirismo
B Arroco E Maneirismo
Isidro Santos
 
Arte e pintura barroca catarina e cristiana 11ºh
Arte e pintura barroca   catarina e cristiana   11ºhArte e pintura barroca   catarina e cristiana   11ºh
Arte e pintura barroca catarina e cristiana 11ºh
tontinhasilva
 
Maneirismo, Barroco e Rococó PDF.pdf
Maneirismo, Barroco e Rococó PDF.pdfManeirismo, Barroco e Rococó PDF.pdf
Maneirismo, Barroco e Rococó PDF.pdf
LisserginnVitriaBarb
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Thiago Bomfim
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Thiago Bomfim
 
O maneirismo
O maneirismoO maneirismo
O maneirismo
Ana Barreiros
 
Hca
HcaHca
Revista forma beatriz milhazes barroco contemporâneo
Revista forma   beatriz milhazes barroco contemporâneoRevista forma   beatriz milhazes barroco contemporâneo
Revista forma beatriz milhazes barroco contemporâneo
Aline Soares e Silva
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Gisele Gordon
 
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
Nº 2, 13, 15, 16  10ºHNº 2, 13, 15, 16  10ºH
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
António Luís Catarino
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
RutePinho
 
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
A arte renascentista   power-point de história. iva leão.A arte renascentista   power-point de história. iva leão.
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
Iva Leão
 
Revista forma a dor esculpida por michelangelo
Revista forma a dor esculpida por michelangeloRevista forma a dor esculpida por michelangelo
Revista forma a dor esculpida por michelangelo
Aline Soares e Silva
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Carlos Benjoino Bidu
 

Semelhante a Trabalho de história da arte (20)

Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco Trabalho de literatura- barroco
Trabalho de literatura- barroco
 
Revista forma especial arquitetura
Revista forma   especial arquiteturaRevista forma   especial arquitetura
Revista forma especial arquitetura
 
Seminários história da arte 02
Seminários história da arte   02Seminários história da arte   02
Seminários história da arte 02
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdfHISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
HISTÓRIA DA ARTE REVISÃO ENEM 1.pdf
 
Resumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococóResumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococó
 
B Arroco E Maneirismo
B Arroco E ManeirismoB Arroco E Maneirismo
B Arroco E Maneirismo
 
Arte e pintura barroca catarina e cristiana 11ºh
Arte e pintura barroca   catarina e cristiana   11ºhArte e pintura barroca   catarina e cristiana   11ºh
Arte e pintura barroca catarina e cristiana 11ºh
 
Maneirismo, Barroco e Rococó PDF.pdf
Maneirismo, Barroco e Rococó PDF.pdfManeirismo, Barroco e Rococó PDF.pdf
Maneirismo, Barroco e Rococó PDF.pdf
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
O maneirismo
O maneirismoO maneirismo
O maneirismo
 
Hca
HcaHca
Hca
 
Revista forma beatriz milhazes barroco contemporâneo
Revista forma   beatriz milhazes barroco contemporâneoRevista forma   beatriz milhazes barroco contemporâneo
Revista forma beatriz milhazes barroco contemporâneo
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
Nº 2, 13, 15, 16  10ºHNº 2, 13, 15, 16  10ºH
Nº 2, 13, 15, 16 10ºH
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
A arte renascentista   power-point de história. iva leão.A arte renascentista   power-point de história. iva leão.
A arte renascentista power-point de história. iva leão.
 
Revista forma a dor esculpida por michelangelo
Revista forma a dor esculpida por michelangeloRevista forma a dor esculpida por michelangelo
Revista forma a dor esculpida por michelangelo
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 02
 

Último

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 

Último (20)

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 

Trabalho de história da arte

  • 1. FACULDADE DE ESTUDOS ADMINISTRATIVOS DE MINAS GERAIS FEAD-MG Marcos Pires Canuto (173969) HISTÓRIA DA ARTE Belo Horizonte 2011
  • 2. Marcos Canuto HISTÓRIA DA ARTE Trabalho apresentado à disciplina de História da Arte do curso de graduação em Turismo da Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais. Orientador: Marcel de Almeida Freitas. Belo Horizonte 2011
  • 3. DEDICATÓRIA Dedico este trabalho primeiramente a Deus por ter me dado vida e saúde, aos meus pais por ter colocado me no mundo e a você professor, por ter nos disponibilizado um pouco do seu tempo para nos ensinar a sabedoria através do seu conhecimento, por isso, fica aqui registrado neste trabalho, o meu reconhecimento a vocês que nos deram a oportunidade de vencer na vida, superando os nossos obstáculos, obrigado a todos por fazerem parte de nossas vidas.
  • 4. “O mais livre de todos os homens é aquele que consegue ser livre na própria escravidão”. (François Fénelon)
  • 5. SUMÁRIO INTRODUÇÃO...........................................................................................................05 O Barroco e a ruptura com o Maneirismo..............................................................06 Conclusão.................................................................................................................09 Referências...............................................................................................................10
  • 6. 6 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo, esclarecer como foi à ruptura do estilo Barroco com o Maneirismo e mostrar as divergências que existem entre os dois estilos de arte que teve como protagonista o estilo Barroco que predominou na época da reforma e contra reforma.
  • 7. 7 O Barroco e a ruptura com o Maneirismo O Maneirismo antecede ao estilo Barroco, mas não se insere num contexto renascentista, esta Arte entende-se como umas entre as influências renascentistas e a elaboração de algumas características do Barroco, este é um momento mais livre, sem as convenções do renascimento que durou apenas trinta anos. O Maneirismo foi um movimento artístico europeu de referente retomada de algumas expressões da cultura medieval entre os anos que corresponde a 1515 a1610 (ou 1525 até 1600), o mesmo, caracterizou-se pela centralização no modo de se fazer arte, levando à procura de efeitos incomuns que já apontam para a Arte Barroca, como a ampliação das figuras e pontos de vista curiosos, assim, as primeiras amostras anticlássicas dentro do espírito clássico Renascentista costumam ser nomeadas de Maneiristas (CRAGOE, 2008). Ele se insere em um novo contexto histórico, onde aparecem várias tendências ao modo de Da Vinci, Miguel Ângelo, Botticelli, entre outros. Na escultura, este estilo apresenta uma frugalidade, contrapondo-se a um interior extravagantemente decorado com azulejos e coma talha dourada em escultóricos altares no (caso das igrejas) e nos palácios, predominam as baixelas, porcelanas e mobiliário, o Maneirismo diz respeito à arte, incluindo a literatura do período compreendido entre o renascimento Tardio e o Barroco que vai de 1530 a 1620, o mesmo, perde rigor a representação clássica, é mais expressivo e dinâmico privilegiando a subjetividade, os sentimentos, a sensualidade e o efeito meramente plástico e decorativo perdendo o rigor anatômico. Na pintura, esse estilo rompe com os modelos clássicos, culto do bizarro e individual, com composições complexas e inventivas (não piramidais), com grande importância dada ao desenho (serpenteado e vigoroso), com dimensões e estilos eficazes, cromatismos vibrantes e fundos arquitetônicos e paisagens renascentistas; para estes exemplos, citamos Verão. O barroco foi uma ruptura com os modos de arte anteriores, pois ele escapava às exigências da ordem e da harmonia, utilizando recursos visuais como diagonais curvas e efeitos de luz, que rompia coma ideia renascentista de construção redonda
  • 8. 8 e simétrica. O barroco visava atingir os sentidos e não a razão, abusando de dualidades e contradições, o homem se via dividido entre a fé e a razão. Este modelo de Arte aparece predominante entre 1618 e 1714, na época correspondiam ao Antigo Regime, quando se tratava de uma criação de um estado moderno com estruturas políticas, economias e cultural autônoma afirmada através de monarquias absolutistas, o Barroco abrange o período da reforma e contra reforma, o protestantismo (os artistas focavam seu trabalho para uma pintura de modo burguês) e o catolicismo (tinha artistas que promoviam trabalhos religiosos que causavam impactos emocionais) O Barroco se ancorava no absolutismo, onde esta arte servia de propaganda e reforçava o poder político que durante este período imperavam grandes contrastes sociais como a aristocracia, o Barroco era consireda uma arte urbana do século XVII, que tinha como palco em termos religiosos a cidade de Roma, onde o Papa Sisto V promoveu uma reforma urbanística adequando-se ao estatuto de sua cidade que tinham como decoração praças jogos d’água e mercados com obeliscos, então Roma ficou sendo sinônimo de cidade espetáculo. Versalhes predominou-se em termos políticos, mas há sinais de divergências, que por um lado a maioria dos países em regimes absolutistas, por outro lado, alguns países estariam em regimes parlamentares. A Arte Barroca é mais um gosto do que um estilo, considerada uma arte de ilusão e engano, que mostra aos distúrbios de seu tempo (guerras, conflitos sociais e religiosos) Nas esculturas, este estilo nasceu dos contatos com a antiguidade e com o Renascimento definindo-se em uma arte nova e original em termos decorativos, imaginativos e fantasistas, a arquitetura se alia a escultura, pintura, jardinagem e jogos de água criando uma miragem de movimento e de um ambiente maior, o movimento curvilíneo e o uso de jogo de luz e sombra aguçam uma busca pelo infinito e reforçam o efeito cênico desejado. As alterações da arquitetura religiosa foram produzidas pela necessidade de adaptar as igrejas às requisições impostas pelo concílio de Trento. Plantas de uma grande distinção formal e ilusionista, baseadas em formas elípticas, curvas ou ovais, as paredes eram de forma côncava e convexa, adaptada para os desenhos das
  • 9. 9 plantas formando paredes ondulantes criando impressão e efeitos luminosos, as mesmas são cobertas por estuques, pinturas e estábulos em talha dourada, criando uma ilusão de espaço maior ligando parede e teto. Quanto à ala da pintura, esta nasceu na Itália, sendo fruto da contra reforma e do poder régio, a mesma, tem como objetivo captar a fé dos fiéis através da sedução dos sentidos, daí a atração e o deslumbramento apontado para a emotividade típica do estilo Barroco. Espelha-se no Renascimento quanto ao equilíbrio e no Maneirismo quanto às soluções plásticas. No mural, era executada em trompe l’oeil nas paredes das igrejas e palácios, sendo distinguida pela grandiosidade, teatralidade, ilusão e movimento aparentando cenograficamente e realidade.
  • 10. 10 CONCLUSÃO O estilo Barroco tem em dados momentos uma grandiosidade como forma de impressionar pelos seus traçados vistos como formas ilusionistas e de sentido infinito, este, ao contrário do Maneirismo que se caracterizou pela concentração no modo de se fazer arte, levando à procura de efeitos incomuns e de extravagância, um exemplo é a obra de Michelangelo “Davi” que não obedece às proporções constituídas pelos tratados clássicos nem pelas da natureza, já que as mãos e os pés são claramente desproporcionais, já o estilo Barroco focou-se em uma arte mais onde se retratava a arte de duplo sentido ao mesmo tempo em que se vivia a realidade, já se podia imaginar um cenário de ilusão onde as pinturas retratavam um lugar com sentido amplo e imaginário. No entanto, o estilo Barroco causou rupturas com a arte que o antecedeu por suas tendências que notadamente não eram seguidas por essas artes.
  • 11. 11 REFERÊNCIAS Fontes: História da Arte, Arte Medieval, do Renascimento e Barroca; Aula 08 Maneirismo e Barroco. DUCHER. Robert. Características dos estilos. São Paulo: Martins Fontes, 1992. Publicada por Inês em 04h10min PM http://historia-da-arte-zi.blogspot.com/