SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTES VISUAIS – ARTE BRASILEIRA 
Eduardo Becker
Era uma vez... O surgimento do homem 
... e sua imensa vontade de passear
Todo dia, era dia de índio 
Primeiros habitantes do Brasil
ARTE RUPESTRE 
Rupes (rupis) = rochedo 
Pré-história – entre 4,4 milhões e 3.300 A.C. 
Pinturas e Gravuras 
•Objetivos místicos e religiosos 
•Transmissão de conhecimento 
•Registro (arte)
Maiores sítios arqueológicos brasileiros: 
•Piauí – Parque Nacional da Serra da Capivara 
•Pernambuco – Parque Nacional do Catimbau 
•Mato Grosso do Sul – Lajedos de Corumbá 
•Paraíba – Pedra do Ingá
Entre 3 milhões a 5 milhões de habitantes Primeiras tribos 
•Xavantes 
•Caraíbas 
•Tupis 
•Jês 
•Guaranis Exploração da coleta, da caça, da pesca e, mais tarde, atividades agrícolas Havia contato entre aldeias próximas – trocas culturais Politeísmo – crença em espíritos Mitologia indígena – tradição oral Arte indígena – representação da vida social, mitológica e espiritual
ARTE INDÍGENA 
O Criador, cujo coração é o Sol, soprou seu cachimbo sagrado e da fumaça desse cachimbo se fez a Mãe Terra. Chamou sete anciães e disse: ‘Gostaria que criassem ali uma humanidade’. 
Os anciães navegaram em uma canoa que era como cobra de fogo pelo céu e chegaram na Terra. Logo eles criaram o primeiro ser humano e disseram: ‘Você é o guardião da roça’. Estava criado o homem
ARTE INDÍGENA 
Tem origem nos utensílios, na hierarquia e nos rituais
Pintura corporal: 
•Enfeite, rituais, defesa contra o sol, os insetos e os espíritos maus. 
•Garante sorte na caça, na guerra, na pesca, e na viagem. 
•Identifica cada tribo
Terra a vista
ARTE COLONIAL BRASILEIRA 
Formação das primeiras vilas 
•São Vicente (SP) 
•Olinda (PE) 
•Iraguassu (PE) 
•Parati (RJ) 
•São Sebastião (SP)
ARTE COLONIAL BRASILEIRA 
- Arquitetura simples 
•Tejupares - (tejy = gente e upad = lugar) 
-Capelas 
-Igrejas inspiradas em Portugal 
-Santos da Igreja Católica 
-Para catequizar índios e fortalecer o catolicismo 
-Arte Religiosa 
-Pinturas e Esculturas eram feitas por padres e jesuítas, seguindo o estilo Maneirista 
-A partir do século XVII, surge o Barroco brasileiro
ARTE COLONIAL BRASILEIRA 
MANEIRISMO 
Surge em Roma – 1520 a 1610 
Estilização exagerada 
Requinte nos detalhes 
Transição entre o Renascimento e o Barroco 
Apego aos temas religiosos em função da insegurança gerada pela reforma protestante de Lutero 
Estilo criticado por seu artificialismo
MANEIRISMO 
Ticiano (italiano), Bacanal, 1533-1524, Museu do Prado
MANEIRISMO 
El Greco –A Santíssima Trindade 1577-1579, Museu do Prado 
Toussaint Dubreuil (francês) Subida do Calvário
MANEIRISMO 
Piazza del Campidoglio, Roma, projeto de Michelângelo (italiano) de 1536.
MANEIRISMO 
A escada real, Villa Farnèse, em Caprarola Projeto de Antonio da Sangallo e Baldassare Peruzzi (italianos)
O NASCIMENTO DO BARROCO 
Renascimento - enfatizava qualidades de moderação, economia formal, austeridade, equilíbrio e harmonia. Arte racional. 
Barroco - mostrava maior dinamismo, contrastes mais fortes, maior dramaticidade, exuberância e realismo e uma tendência ao decorativo. Arte emocional
O NASCIMENTO DO BARROCO 
Igreja como maior mecenas Reforma Protestante colocou fim à unidade da Igreja Católica Protestantismo condenou as imagens religiosas Contra reforma da Igreja Católica (resposta à reforma de Lutero) 
•Concílio de Trento - retomada do Tribunal do Santo Ofício (inquisição) 
•Criação do Index Librorum Prohibitorum, uma relação de livros proibidos pela Igreja 
•Incentivo à catequese dos povos do Novo Mundo, com a criação de novas ordens religiosas, dentre elas a Companhia de Jesus
ESTILO ROCOCÓ
ESTILO ROCOCÓ
ESTILO ROCOCÓ
ESTILO ROCOCÓ
O BARROCO BRASILEIRO 
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco Salvador - BA
O BARROCO BRASILEIRO 
José Teófilo de Jesus Eucaristia
O BARROCO BRASILEIRO 
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco 
Salvador - BA
MISSÃO FRANCESA 
•Queda de Napoleão (1815) 
•Portugal reata relações com a França 
•D. João VI queria dinamizar o cenário cultural brasileiro 
•Criou o Banco do Brasil 
•D. João VI quis trazer um pouco de “civilização” (cultura francesa) para o Brasil, trazendo artistas franceses. 
•Criou a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios (Escola de Belas Artes)
26/03/1816 – desembarcam no RJ Joachim Lebreton – o líder Jean Baptiste Debret – pintor histórico Nicolas-Antoine Taunay - pintor de paisagens e cenas históricas Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny - arquiteto Charles de Lavasseur - arquiteto Louis Ueier – arquiteto Charles-Simon Pradier – gravador Auguste Marie Taunay – escultor François Ovide - mecânico Jean Baptiste Leve – ferreiro Nicolas Magliori Enout – serralheiro Pelite e Fabre - peleteiros Louis Jean Roy e seu filho Hypolite - carpinteiros François Bonrepos - auxiliar de escultura Marc Ferrez - escultor (tio do fotógrafo Marc Ferrez) Zéphyrin Ferrez - gravador de medalhas 
A MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA
12/06/1816 – Projeto da Escola Nacional de Belas Artes baseada na metodologia: 
•Desenho geral e cópia de modelos dos mestres, para todos os alunos; 
•Desenho de vultos e da natureza, e elementos de modelagem para os escultores; 
•Pintura acadêmica com modelo vivo para pintores; escultura com modelo vivo para escultores, e estudo no atelier de mestres gravadores e mestres desenhistas para os alunos destas especialidades. 
•Para a arquitetura haveria também três etapas divididas em teóricas e práticas: 
•Na teoria: 
•História da arquitetura através de estudo dos antigos; 
•Construção e perspectiva; 
•Estereotomia (entalhe) 
•Na prática: 
•Desenho; 
•Cópia de modelos e estudo de dimensões; 
•Composição. 
O PROJETO DE LEBRETON
PROBLEMAS 
•Forte oposição dos portugueses do Barroco que moravam no Brasiç 
•Corte enfrentava problemas sérios: 
•Crise na Europa 
•Revolução em Pernambuco 
•Alto custo de manutenção da corte 
•Queda no preço do açúcar e do algodão 
•Seca no Nordeste 
•Conflitos no Sul (Cisplatina) NO GRUPO Lebreton tinha um temperamento difícil Artistas dependiam da ajuda de custo do governo Com a morte de Lebreton e algumas desistências, sobraram Debret, Nicolas Taunay, Auguste Taunay, Montigny e Ovide 5/11/1826 – D. Pedro I inaugura a Academia Imperial 
O PROJETO DE LEBRETON
Lebreton trouxe 50 obras da França, que formaram o 1º acervo do Museu Nacional de Belas Artes 
Debret – Pintor oficial do 1º Reinado – registro dos costumes da época 
Nicolas Taunay – documentação paisagística do Brasil no período colonial 
Grandjean de Montigny – transformou a paisagem urbanística do RJ – 1º urbanista do Brasil. Formou 20 novos arquitetos. 
O grupo criou e difundiu o Neoclassicismo brasileiro 
Fundadores da arte acadêmica no Brasil 
O legado durou até a absorção da Escola Nacional de Belas Artes, pela atual Universidade Federal do Rio de Janeiro 
Este evento marcou o início do Modernismo no Brasil (séc. XX) 
A MISSÃO ARTÍSTICA - LEGADO
DEBRET
TAUNAY
BELLE ÉPOQUE BRASILEIRA 
(1889-1931) período artístico, cultural e político do Brasil 
Indústria do Látex – Período da Borracha 
Belém e Manaus – mais prósperas cidades do mundo 
Ambas possuíam luz elétrica, bondes e sistema de água encanada e esgotos 
bondes elétricos, avenidas construídas sobre pântanos aterrados, além de edifícios imponentes e luxuosos (únicos no Brasil)
Grupo Grimm Georg Grimm (Alemão) e o grupo formado por Antônio Parreiras, Giovanni Battista Castagneto, Garcia y Vásquez, Hipólito Boaventura Caron, França Júnior e Francisco Joaquim Gomes Ribeiro. Aulas ao ar livre, no final da década de 1880, responsáveis pela renovação no ensino da pintura de paisagem no Brasil 
ARTISTAS INFLUENTES
GRUPO GRIMM
GRUPO GRIMM
GRUPO GRIMM
Almeida Júnior Grupo Grimm – George Grimm Eliseu Visconti 
IMPRESSIONISMO NO BRASIL 
Começa a se desenhar uma nova tendência, a partir dos trabalhos de
Almeida Júnior – primeiro artista a adotar uma temática regionalista 
ARTISTAS INFLUENTES
Almeida Júnior – primeiro artista a adotar uma temática regionalista 
ARTISTAS INFLUENTES
Italiano de nascimento, trouxe o Impressionismo para o Brasil Rebela-se contra os métodos de ensino da Academia de Belas Artes e funda o Ateliê Livre Participa da reurbanização do Rio de Janeiro, decorando: 
•Teatro Municipal 
•Biblioteca Nacional 
•Palácio Tiradentes 
ELISEU VISCONTI
ELISEU VISCONTI
ELISEU VISCONTI
ELISEU VISCONTI
MODERNISMO 
"Semana de Arte Moderna“ 
11 e 18 de fevereiro de 1922 
Teatro Municipal de São Paulo 
Artistas brasileiros se cansaram de ver o Brasil “importar” o estilo europeu – principalmente França 
O Brasil precisava descobrir sua própria arte – ênfase no Nacionalismo 
Semana de 22 – objetivo era preparar as pessoas para receberem ideias novas
KLAXON 
Revista criada para divulgar o Movimento modernista 
Circulou em São Paulo de 15 de maio de 1922 a janeiro de 1923 
Colaboradores: 
Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Sérgio Buarque de Holanda, Tarsila do Amaral e Graça Aranha, entre outros artistas e escritores
Pinturas e desenhos 
Anita Malfatti, Di Cavalcanti, John Graz, Alberto Martins Ribeiro,Oswaldo Goeldi 
Esculturas 
Victor Brecheret, Hildegardo Leão Velloso e Wilhelm Haarberg 
Arquitetura 
Antonio Garcia Moya e Georg Przyrembel 
Literatura 
Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Sérgio Milliet, Plínio Salgado, Manuel Bandeira, Ronald de Carvalho, Álvaro Moreira, Renato de Almeida, Ribeiro Couto, Guilherme de Almeida 
Música 
Heitor Villa-Lobos, Guiomar Novais, Ernâni Braga e Frutuoso Viana
Eventos que chacoalharam o Brasil na semana de 22 Lasar Segall (Lituânia) veio para o Brasil e chocou o público com suas obras 
LASAR SEGALL
Eventos que chacoalharam o Brasil na semana de 22 
Lasar Segall (Lituânia) veio para o Brasil e chocou o público com suas obras 
LASAR SEGALL
Eventos que chacoalharam o Brasil na semana de 22 Lasar Segall (Lituânia) veio para o Brasil e chocou o público com suas obras 
LASAR SEGALL
Victor Brecheret chocou o público com suas formas inusitadas 
VICTOR BRECHERET
Victor Brecheret chocou o público com suas formas inusitadas 
VICTOR BRECHERET
Victor Brecheret chocou o público com suas formas inusitadas 
VICTOR BRECHERET
Tarsila – transgrediu as regras estéticas 
TARSILA DO AMARAL
Tarsila – transgrediu as regras estéticas 
TARSILA DO AMARAL
Tarsila – transgrediu as regras estéticas 
TARSILA DO AMARAL
Tarsila – transgrediu as regras estéticas 
TARSILA DO AMARAL
Tarsila – transgrediu as regras estéticas 
TARSILA DO AMARAL
Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil 
DI CAVALCANTI
Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil 
DI CAVALCANTI
Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil 
DI CAVALCANTI
Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil 
DI CAVALCANTI
Década de 30 
Período caracterizado pelo retorno à ordem, à disciplina, ao rigor acadêmico 
Valorização das tradições 
Artistas mais valorizados 
-Portinari 
-Grupo Santa Helena
FRANCISCO REBOLO
FRANCISCO REBOLO
ALFREDO VOLPI
PORTINARI
PORTINARI
PORTINARI
Ruptura e Concretismo 
A Bienal de 1951 marca o fim do Modernismo e o início do Concretismo 
1952, formação do Grupo Ruptura, realizando a primeira exposição de Arte Concreta no MAM e publicando um Manifesto – Ruptura 
Lothar Charoux (austríaco) 
Waldemar Cordeiro (brasileiro) 
Geraldo de Barros (brasileiro) 
Féjer (húngaro) 
Leopoldo Haar (polonês) 
Luiz Sacilotto (brasileiro) 
Anatol Wladyslaw (polonês)
IVAN SERPA
RUBEN VALENTIM
RUBEN VALENTIM
ABSTRACIONISMO 
Início – Bienal de 1951 
O artista se relaciona com as formas, relação entre as cores, os tipos de linhas e formas geométricas 
Quebra dos conceitos rígidos do Renascimento 
Faz parte da Arte Moderna
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
ALDEMIR MARTINS – 1922 A 2006
ALDEMIR MARTINS – Ceará - 1922 A 2006
A vanguarda concretista tinha um interesse em estabelecer um vínculo entre arte e indústria 
Surge a dúvida: 
o trabalho de arte deve ser entendido como produção ou como meio de expressão? 
O Neoconcretismo procurou trazer de volta o humanismo, o experimentalismo e a subjetividade na arte, através da participação efetiva do público no processo de criação e na manipulação de objetos interativos. 
NEOCONCRETISMO
TROPICALISMO 
Movimento musical - final da década de 1960 
Atingiu outras esferas culturais (artes plásticas, cinema, poesia) 
III Festival de Música Popular Brasileira (MPB) TV Record - 1967. 
Sofreu grande influência da arte “pop” 
Zé Celso monta O Rei da Vela 
Marca o início do Tropicalismo 
Misturar arte de fora com a cultura nacional 
Transgressão contra o regime militar
TROPICALISMO 
Influências: 
Antropofagia, Pop Arte e Concretismo 
Cores berrantes 
Objetivo de chocar e agredir, libertar-se da repressão militar
ARTE POP ANDY WHAROL
ARTE POP - ANDY WHAROL
HELIO OITICICA - Penetráveis
HELIO OITICICA - Penetráveis
HELIO OITICICA - Penetráveis
FIM DO TROPICALISMO 
1969 Show dos Mutantes com Gil e Caetano O show tinha o sugestivo nome de “Panis Et Circenses” No palco, a bandeira de Helio Oiticica com a imagem do Cara-de-Cavalo (traficante) morto pelos militares Após o show, todos foram presos. Caetano e Gil foram deportados e ficaram exilados no Reino Unido
MINIMALISMO 
Década de70 
Reação à Arte Pop 
Crítica à elaboração intencional para agradar os sentidos 
Preza a simplicidade e o despojamento
ARTE MINIMALISTA
ARTE MINIMALISTA
ARTE MINIMALISTA
ARTE CONTEMPORÂNEA
Mas antes...
Arte contemporânea 
consciência ecológica 
reaproveitamento de materiais 
revolução digital 
grafite 
mixed media 
instalações
Arte contemporânea
Arte contemporânea – Regis-R – Arte do Lixo
Arte contemporânea – Eduardo Srur
Arte contemporânea - Selaron
Arte contemporânea 
Arte Digital – Toninho de Souza
Arte contemporânea Arte Digital – Scott Macleay
Arte contemporânea 
Arte Digital – Scott Macleay
Arte contemporânea – Mix Media – Vik Muniz 
(abertura da novela Passione)
Arte contemporânea – Vik Muniz
Beatriz Milhazes
Beatriz Milhazes
Beatriz Milhazes
Os Gêmeos
Os Gêmeos
Os Gêmeos
Os Gêmeos
Romero Brito
Romero Brito
Romero Brito
Romero Brito
Romero Brito 
Passo a Passo
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS 
Para pesquisa futura
ART DÉCO ARTE NAIF ARTE POVERA BARROCO COSTUMBRISMO DADAÍSMO DADAÍSMO DIESELPUNK EXPRESSIONISMO EXPRESSIONISMO ALEMÃO FAUVISMO FUTURISMO HUMANISMO IMAGISMO
IMPRESSIONISMO MOVIMENTO ARMORIAL NEOCONCRETISMO NEOPLASTICISMO NOVA OBJETIVIDADE ORFISMO POP-ART PÓS-MODERNISMO PRIMITIVISMO PURISMO RAIONISMO REALISMO NA PINTURA RENASCIMENTO
ROMANTISMO SIMBOLISMO SUPREMATISMO SURREALISMO TENEBRISMO TROPICÁLIA UNIVERSO GÓTICO VORTICISMO 
Ufa!
Artistas Contemporâneos 
Adriana Varejão 
Aldir Mendes de Souza 
Aldemir Martins 
Amílcar de Castro 
Artur Barrio 
Artur Omar 
Beatriz Milhazes 
Bispo do Rosário 
Cildo Meireles 
Denis Mandarino 
Emmanuel Nassar 
Ernesto Neto 
Francisco Brennand 
Gilvan Samico 
Hélio Oiticica 
Laerty Tavares 
Leonilson 
Lygia Clark 
Lygia Pape 
Maria Bonomi 
Marcos Garrot 
Marcus Baby 
Nelson Leirner 
Os Gêmeos 
Poro 
Regina Silveira 
Rivane Neuenschwander 
Romero Britto 
Rosângela Rennó 
Tunga 
Vik Muniz 
Wesley Duke Lee
FATOS QUE DETERMINARAM A ARTE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1951 – 1ª Bienal Internacional de São Paulo 1952 – Grupo Ruptura – Exposição no MAM – SP, marca o início da Arte Concreta 1963 – Criação do MAM – na USP 1965 – OPINIÃO 65 – Exposição no MAM – RJ, reúne artistas nacionais e serve como avaliaçãp da arte brasileira 1982 – 1985 – Ateliê Casa 7 – Carlito Carvalhosa Fábio Miguez, Paulo Monteiro, Rodrigo Andrade e Nuno Ramos 1984 – Exposição “Como vai você, geração 80?” – RJ. Beatriz Milhazes e Ernesto Neto 1985 – XVII Bienal de SP – Exposição Arte Novos Meios/Multimeios 1987 – Criação do Instituto Itaú Cultural 1988 – Exposição Modernidade – Art Brèsilien Du 20eme Siècle – Musu de Arte Moderna de Paris 1995 – Venda do ABAPORU (Tarsila) ao colecionador argentino Eduardo Constantini (US$ 1,5 milhões) 1997 – Criação da Bienal do Mercosul – Porto Alegre 2006 – XXVII Bienal de São Paulo com a curadoria de Lisette Lagnado 2007 – Venda da Coleção Adolfo Leirner para o museu de Fine Arts de Houston – TX – EUA 2008 – Inauguração da sede da Fundação Iberê Camargo – Porto Alegre. Venda do quadro O Mágico (Beatriz Milhazes) por US$ 1 milhão, para Eduardo Constantini (AR)
Obrigado 
ebecker.jr@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
Raphael Lanzillotte
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Jaiza Nobre
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
gєαทє ℓiмα
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
pagodes
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
cafumilena
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
Andrea Dressler
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
Andrea Dressler
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Casiris Crescencio
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
Junior Onildo
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
Andrea Dressler
 
Arte Afro-Brasileira
Arte Afro-BrasileiraArte Afro-Brasileira
Arte Afro-Brasileira
Rodrigo Retka
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Arte urbana
Arte urbana Arte urbana
Arte urbana
Turmasthera
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
dpport
 
Aula de artes indigena
Aula de artes indigenaAula de artes indigena
Aula de artes indigena
Janete Garcia de Freitas
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
Andrea Dressler
 

Mais procurados (20)

História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
 
Grafite slide
Grafite slideGrafite slide
Grafite slide
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
 
Arte Afro-Brasileira
Arte Afro-BrasileiraArte Afro-Brasileira
Arte Afro-Brasileira
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Arte urbana
Arte urbana Arte urbana
Arte urbana
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
As linguagens da arte
As linguagens da arteAs linguagens da arte
As linguagens da arte
 
Aula de artes indigena
Aula de artes indigenaAula de artes indigena
Aula de artes indigena
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
 

Destaque

Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thaisArte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Carol Mendoza
 
Arte colonial brasileira
Arte colonial brasileiraArte colonial brasileira
Arte colonial brasileira
Carol Mendoza
 
Arte Postal
Arte  PostalArte  Postal
Arte Postal
bibocage
 
Slyde De Iberê Camargo
Slyde De Iberê CamargoSlyde De Iberê Camargo
Slyde De Iberê Camargo
marciaartesvisuais
 
Iberê Camargo ApresentaçãO
Iberê Camargo ApresentaçãOIberê Camargo ApresentaçãO
Arte indígena brasileira
Arte indígena brasileiraArte indígena brasileira
Arte indígena brasileira
Carol Mendoza
 
8o. Ano arte barroca no brasil
8o. Ano  arte barroca no brasil  8o. Ano  arte barroca no brasil
8o. Ano arte barroca no brasil
ArtesElisa
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
História da arte brasileira
História da arte brasileiraHistória da arte brasileira
História da arte brasileira
Emilha Souza
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 

Destaque (11)

Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thaisArte colonial   cinthia, maria fernanda, leandro e thais
Arte colonial cinthia, maria fernanda, leandro e thais
 
Arte colonial brasileira
Arte colonial brasileiraArte colonial brasileira
Arte colonial brasileira
 
Arte Postal
Arte  PostalArte  Postal
Arte Postal
 
Slyde De Iberê Camargo
Slyde De Iberê CamargoSlyde De Iberê Camargo
Slyde De Iberê Camargo
 
Iberê Camargo ApresentaçãO
Iberê Camargo ApresentaçãOIberê Camargo ApresentaçãO
Iberê Camargo ApresentaçãO
 
Arte indígena brasileira
Arte indígena brasileiraArte indígena brasileira
Arte indígena brasileira
 
8o. Ano arte barroca no brasil
8o. Ano  arte barroca no brasil  8o. Ano  arte barroca no brasil
8o. Ano arte barroca no brasil
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
História da arte brasileira
História da arte brasileiraHistória da arte brasileira
História da arte brasileira
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 

Semelhante a Apresentação artes visuais – arte brasileira

História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
Centro Educacional Cuca Fresca
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
Paula Poiet
 
Aula 5 art em
Aula 5   art emAula 5   art em
Aula 5 art em
Walney M.F
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
Dulcinea Lisboa Passos
 
BARROCO NO BRASIL
BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL
BARROCO NO BRASIL
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
11 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 202011 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
Walney M.F
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
História da Arte no Brasil
História da Arte no BrasilHistória da Arte no Brasil
História da Arte no Brasil
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Miriam Zelmikaitis
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
yannvp1
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
ssuser0d0c5a
 
Arte plásticas
Arte plásticasArte plásticas
Arte plásticas
Tavares tavares
 
Barroco
BarrocoBarroco
Debret - vida e obras
Debret - vida e obrasDebret - vida e obras
Debret - vida e obras
marllacristtina
 
Arte sec xix viajantes e academia 2016
Arte sec xix viajantes e academia 2016Arte sec xix viajantes e academia 2016
Arte sec xix viajantes e academia 2016
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Arte colonial e rococó
Arte colonial  e rococóArte colonial  e rococó
Arte colonial e rococó
Claudio Bastos
 
Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019
Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019
Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019
Colégio Pedro II - Campus Centro
 

Semelhante a Apresentação artes visuais – arte brasileira (20)

História da arte no Brasil
História da arte no BrasilHistória da arte no Brasil
História da arte no Brasil
 
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - IntroduçãoHistória da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
História da Arte Brasileira: Contemporaneidade - Introdução
 
Aula 5 art em
Aula 5   art emAula 5   art em
Aula 5 art em
 
7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare7ºano.pdfslideshare
7ºano.pdfslideshare
 
BARROCO NO BRASIL
BARROCO NO BRASILBARROCO NO BRASIL
BARROCO NO BRASIL
 
11 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 202011 arte brasileira 2020
11 arte brasileira 2020
 
Aula 3 ef - artes
Aula 3   ef - artesAula 3   ef - artes
Aula 3 ef - artes
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
 
História da Arte no Brasil
História da Arte no BrasilHistória da Arte no Brasil
História da Arte no Brasil
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
 
NEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdfNEOCLÁSSICO.pdf
NEOCLÁSSICO.pdf
 
Arte plásticas
Arte plásticasArte plásticas
Arte plásticas
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Debret - vida e obras
Debret - vida e obrasDebret - vida e obras
Debret - vida e obras
 
Arte sec xix viajantes e academia 2016
Arte sec xix viajantes e academia 2016Arte sec xix viajantes e academia 2016
Arte sec xix viajantes e academia 2016
 
Arte colonial e rococó
Arte colonial  e rococóArte colonial  e rococó
Arte colonial e rococó
 
Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019
Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019
Apostila barroco no Brasil 8o ano 2019
 

Mais de Eduardo Becker Jr.

Contexto Artistico e Cultural
Contexto Artistico e CulturalContexto Artistico e Cultural
Contexto Artistico e Cultural
Eduardo Becker Jr.
 
educacao inclusiva
educacao inclusivaeducacao inclusiva
educacao inclusiva
Eduardo Becker Jr.
 
Linguagem pictorica
Linguagem pictoricaLinguagem pictorica
Linguagem pictorica
Eduardo Becker Jr.
 
Seminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes VisuaisSeminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes Visuais
Eduardo Becker Jr.
 
IMEP Arte Educacao
IMEP Arte EducacaoIMEP Arte Educacao
IMEP Arte Educacao
Eduardo Becker Jr.
 
Imep Arte Educacao
Imep   Arte EducacaoImep   Arte Educacao
Imep Arte Educacao
Eduardo Becker Jr.
 
Laboratorio de Linguagem 2D e 3D
Laboratorio de Linguagem 2D e 3DLaboratorio de Linguagem 2D e 3D
Laboratorio de Linguagem 2D e 3D
Eduardo Becker Jr.
 
Mitologia-contos de fadas-psicanalise
Mitologia-contos de fadas-psicanaliseMitologia-contos de fadas-psicanalise
Mitologia-contos de fadas-psicanalise
Eduardo Becker Jr.
 
Psicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de FadasPsicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de Fadas
Eduardo Becker Jr.
 
Evolucao das Artes Visuais
Evolucao das Artes VisuaisEvolucao das Artes Visuais
Evolucao das Artes Visuais
Eduardo Becker Jr.
 
Apresentacao tic na educacao
Apresentacao   tic na educacaoApresentacao   tic na educacao
Apresentacao tic na educacao
Eduardo Becker Jr.
 
aula tic na educacao
aula tic na educacaoaula tic na educacao
aula tic na educacao
Eduardo Becker Jr.
 
Palestra TIC na educação
Palestra TIC na educaçãoPalestra TIC na educação
Palestra TIC na educação
Eduardo Becker Jr.
 
Processos de aprendizagem leitura e escrita
Processos de aprendizagem leitura e escritaProcessos de aprendizagem leitura e escrita
Processos de aprendizagem leitura e escrita
Eduardo Becker Jr.
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
Eduardo Becker Jr.
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
Eduardo Becker Jr.
 
Desenho de Observação I
Desenho de Observação IDesenho de Observação I
Desenho de Observação I
Eduardo Becker Jr.
 
Apresentação metodologia da pesquisa
Apresentação   metodologia da pesquisaApresentação   metodologia da pesquisa
Apresentação metodologia da pesquisa
Eduardo Becker Jr.
 

Mais de Eduardo Becker Jr. (18)

Contexto Artistico e Cultural
Contexto Artistico e CulturalContexto Artistico e Cultural
Contexto Artistico e Cultural
 
educacao inclusiva
educacao inclusivaeducacao inclusiva
educacao inclusiva
 
Linguagem pictorica
Linguagem pictoricaLinguagem pictorica
Linguagem pictorica
 
Seminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes VisuaisSeminarios Avancados em Artes Visuais
Seminarios Avancados em Artes Visuais
 
IMEP Arte Educacao
IMEP Arte EducacaoIMEP Arte Educacao
IMEP Arte Educacao
 
Imep Arte Educacao
Imep   Arte EducacaoImep   Arte Educacao
Imep Arte Educacao
 
Laboratorio de Linguagem 2D e 3D
Laboratorio de Linguagem 2D e 3DLaboratorio de Linguagem 2D e 3D
Laboratorio de Linguagem 2D e 3D
 
Mitologia-contos de fadas-psicanalise
Mitologia-contos de fadas-psicanaliseMitologia-contos de fadas-psicanalise
Mitologia-contos de fadas-psicanalise
 
Psicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de FadasPsicanalise dos Contos de Fadas
Psicanalise dos Contos de Fadas
 
Evolucao das Artes Visuais
Evolucao das Artes VisuaisEvolucao das Artes Visuais
Evolucao das Artes Visuais
 
Apresentacao tic na educacao
Apresentacao   tic na educacaoApresentacao   tic na educacao
Apresentacao tic na educacao
 
aula tic na educacao
aula tic na educacaoaula tic na educacao
aula tic na educacao
 
Palestra TIC na educação
Palestra TIC na educaçãoPalestra TIC na educação
Palestra TIC na educação
 
Processos de aprendizagem leitura e escrita
Processos de aprendizagem leitura e escritaProcessos de aprendizagem leitura e escrita
Processos de aprendizagem leitura e escrita
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem VisualFundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Desenho de Observação I
Desenho de Observação IDesenho de Observação I
Desenho de Observação I
 
Apresentação metodologia da pesquisa
Apresentação   metodologia da pesquisaApresentação   metodologia da pesquisa
Apresentação metodologia da pesquisa
 

Último

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Apresentação artes visuais – arte brasileira

  • 1. ARTES VISUAIS – ARTE BRASILEIRA Eduardo Becker
  • 2. Era uma vez... O surgimento do homem ... e sua imensa vontade de passear
  • 3.
  • 4. Todo dia, era dia de índio Primeiros habitantes do Brasil
  • 5. ARTE RUPESTRE Rupes (rupis) = rochedo Pré-história – entre 4,4 milhões e 3.300 A.C. Pinturas e Gravuras •Objetivos místicos e religiosos •Transmissão de conhecimento •Registro (arte)
  • 6. Maiores sítios arqueológicos brasileiros: •Piauí – Parque Nacional da Serra da Capivara •Pernambuco – Parque Nacional do Catimbau •Mato Grosso do Sul – Lajedos de Corumbá •Paraíba – Pedra do Ingá
  • 7. Entre 3 milhões a 5 milhões de habitantes Primeiras tribos •Xavantes •Caraíbas •Tupis •Jês •Guaranis Exploração da coleta, da caça, da pesca e, mais tarde, atividades agrícolas Havia contato entre aldeias próximas – trocas culturais Politeísmo – crença em espíritos Mitologia indígena – tradição oral Arte indígena – representação da vida social, mitológica e espiritual
  • 8. ARTE INDÍGENA O Criador, cujo coração é o Sol, soprou seu cachimbo sagrado e da fumaça desse cachimbo se fez a Mãe Terra. Chamou sete anciães e disse: ‘Gostaria que criassem ali uma humanidade’. Os anciães navegaram em uma canoa que era como cobra de fogo pelo céu e chegaram na Terra. Logo eles criaram o primeiro ser humano e disseram: ‘Você é o guardião da roça’. Estava criado o homem
  • 9. ARTE INDÍGENA Tem origem nos utensílios, na hierarquia e nos rituais
  • 10. Pintura corporal: •Enfeite, rituais, defesa contra o sol, os insetos e os espíritos maus. •Garante sorte na caça, na guerra, na pesca, e na viagem. •Identifica cada tribo
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 17. ARTE COLONIAL BRASILEIRA Formação das primeiras vilas •São Vicente (SP) •Olinda (PE) •Iraguassu (PE) •Parati (RJ) •São Sebastião (SP)
  • 18. ARTE COLONIAL BRASILEIRA - Arquitetura simples •Tejupares - (tejy = gente e upad = lugar) -Capelas -Igrejas inspiradas em Portugal -Santos da Igreja Católica -Para catequizar índios e fortalecer o catolicismo -Arte Religiosa -Pinturas e Esculturas eram feitas por padres e jesuítas, seguindo o estilo Maneirista -A partir do século XVII, surge o Barroco brasileiro
  • 19. ARTE COLONIAL BRASILEIRA MANEIRISMO Surge em Roma – 1520 a 1610 Estilização exagerada Requinte nos detalhes Transição entre o Renascimento e o Barroco Apego aos temas religiosos em função da insegurança gerada pela reforma protestante de Lutero Estilo criticado por seu artificialismo
  • 20. MANEIRISMO Ticiano (italiano), Bacanal, 1533-1524, Museu do Prado
  • 21. MANEIRISMO El Greco –A Santíssima Trindade 1577-1579, Museu do Prado Toussaint Dubreuil (francês) Subida do Calvário
  • 22. MANEIRISMO Piazza del Campidoglio, Roma, projeto de Michelângelo (italiano) de 1536.
  • 23. MANEIRISMO A escada real, Villa Farnèse, em Caprarola Projeto de Antonio da Sangallo e Baldassare Peruzzi (italianos)
  • 24. O NASCIMENTO DO BARROCO Renascimento - enfatizava qualidades de moderação, economia formal, austeridade, equilíbrio e harmonia. Arte racional. Barroco - mostrava maior dinamismo, contrastes mais fortes, maior dramaticidade, exuberância e realismo e uma tendência ao decorativo. Arte emocional
  • 25. O NASCIMENTO DO BARROCO Igreja como maior mecenas Reforma Protestante colocou fim à unidade da Igreja Católica Protestantismo condenou as imagens religiosas Contra reforma da Igreja Católica (resposta à reforma de Lutero) •Concílio de Trento - retomada do Tribunal do Santo Ofício (inquisição) •Criação do Index Librorum Prohibitorum, uma relação de livros proibidos pela Igreja •Incentivo à catequese dos povos do Novo Mundo, com a criação de novas ordens religiosas, dentre elas a Companhia de Jesus
  • 26.
  • 31. O BARROCO BRASILEIRO Igreja da Ordem Terceira de São Francisco Salvador - BA
  • 32. O BARROCO BRASILEIRO José Teófilo de Jesus Eucaristia
  • 33. O BARROCO BRASILEIRO Igreja da Ordem Terceira de São Francisco Salvador - BA
  • 34. MISSÃO FRANCESA •Queda de Napoleão (1815) •Portugal reata relações com a França •D. João VI queria dinamizar o cenário cultural brasileiro •Criou o Banco do Brasil •D. João VI quis trazer um pouco de “civilização” (cultura francesa) para o Brasil, trazendo artistas franceses. •Criou a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios (Escola de Belas Artes)
  • 35. 26/03/1816 – desembarcam no RJ Joachim Lebreton – o líder Jean Baptiste Debret – pintor histórico Nicolas-Antoine Taunay - pintor de paisagens e cenas históricas Auguste Henri Victor Grandjean de Montigny - arquiteto Charles de Lavasseur - arquiteto Louis Ueier – arquiteto Charles-Simon Pradier – gravador Auguste Marie Taunay – escultor François Ovide - mecânico Jean Baptiste Leve – ferreiro Nicolas Magliori Enout – serralheiro Pelite e Fabre - peleteiros Louis Jean Roy e seu filho Hypolite - carpinteiros François Bonrepos - auxiliar de escultura Marc Ferrez - escultor (tio do fotógrafo Marc Ferrez) Zéphyrin Ferrez - gravador de medalhas A MISSÃO ARTÍSTICA FRANCESA
  • 36. 12/06/1816 – Projeto da Escola Nacional de Belas Artes baseada na metodologia: •Desenho geral e cópia de modelos dos mestres, para todos os alunos; •Desenho de vultos e da natureza, e elementos de modelagem para os escultores; •Pintura acadêmica com modelo vivo para pintores; escultura com modelo vivo para escultores, e estudo no atelier de mestres gravadores e mestres desenhistas para os alunos destas especialidades. •Para a arquitetura haveria também três etapas divididas em teóricas e práticas: •Na teoria: •História da arquitetura através de estudo dos antigos; •Construção e perspectiva; •Estereotomia (entalhe) •Na prática: •Desenho; •Cópia de modelos e estudo de dimensões; •Composição. O PROJETO DE LEBRETON
  • 37. PROBLEMAS •Forte oposição dos portugueses do Barroco que moravam no Brasiç •Corte enfrentava problemas sérios: •Crise na Europa •Revolução em Pernambuco •Alto custo de manutenção da corte •Queda no preço do açúcar e do algodão •Seca no Nordeste •Conflitos no Sul (Cisplatina) NO GRUPO Lebreton tinha um temperamento difícil Artistas dependiam da ajuda de custo do governo Com a morte de Lebreton e algumas desistências, sobraram Debret, Nicolas Taunay, Auguste Taunay, Montigny e Ovide 5/11/1826 – D. Pedro I inaugura a Academia Imperial O PROJETO DE LEBRETON
  • 38. Lebreton trouxe 50 obras da França, que formaram o 1º acervo do Museu Nacional de Belas Artes Debret – Pintor oficial do 1º Reinado – registro dos costumes da época Nicolas Taunay – documentação paisagística do Brasil no período colonial Grandjean de Montigny – transformou a paisagem urbanística do RJ – 1º urbanista do Brasil. Formou 20 novos arquitetos. O grupo criou e difundiu o Neoclassicismo brasileiro Fundadores da arte acadêmica no Brasil O legado durou até a absorção da Escola Nacional de Belas Artes, pela atual Universidade Federal do Rio de Janeiro Este evento marcou o início do Modernismo no Brasil (séc. XX) A MISSÃO ARTÍSTICA - LEGADO
  • 41. BELLE ÉPOQUE BRASILEIRA (1889-1931) período artístico, cultural e político do Brasil Indústria do Látex – Período da Borracha Belém e Manaus – mais prósperas cidades do mundo Ambas possuíam luz elétrica, bondes e sistema de água encanada e esgotos bondes elétricos, avenidas construídas sobre pântanos aterrados, além de edifícios imponentes e luxuosos (únicos no Brasil)
  • 42.
  • 43. Grupo Grimm Georg Grimm (Alemão) e o grupo formado por Antônio Parreiras, Giovanni Battista Castagneto, Garcia y Vásquez, Hipólito Boaventura Caron, França Júnior e Francisco Joaquim Gomes Ribeiro. Aulas ao ar livre, no final da década de 1880, responsáveis pela renovação no ensino da pintura de paisagem no Brasil ARTISTAS INFLUENTES
  • 47. Almeida Júnior Grupo Grimm – George Grimm Eliseu Visconti IMPRESSIONISMO NO BRASIL Começa a se desenhar uma nova tendência, a partir dos trabalhos de
  • 48. Almeida Júnior – primeiro artista a adotar uma temática regionalista ARTISTAS INFLUENTES
  • 49. Almeida Júnior – primeiro artista a adotar uma temática regionalista ARTISTAS INFLUENTES
  • 50. Italiano de nascimento, trouxe o Impressionismo para o Brasil Rebela-se contra os métodos de ensino da Academia de Belas Artes e funda o Ateliê Livre Participa da reurbanização do Rio de Janeiro, decorando: •Teatro Municipal •Biblioteca Nacional •Palácio Tiradentes ELISEU VISCONTI
  • 54.
  • 55. MODERNISMO "Semana de Arte Moderna“ 11 e 18 de fevereiro de 1922 Teatro Municipal de São Paulo Artistas brasileiros se cansaram de ver o Brasil “importar” o estilo europeu – principalmente França O Brasil precisava descobrir sua própria arte – ênfase no Nacionalismo Semana de 22 – objetivo era preparar as pessoas para receberem ideias novas
  • 56.
  • 57. KLAXON Revista criada para divulgar o Movimento modernista Circulou em São Paulo de 15 de maio de 1922 a janeiro de 1923 Colaboradores: Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Sérgio Buarque de Holanda, Tarsila do Amaral e Graça Aranha, entre outros artistas e escritores
  • 58. Pinturas e desenhos Anita Malfatti, Di Cavalcanti, John Graz, Alberto Martins Ribeiro,Oswaldo Goeldi Esculturas Victor Brecheret, Hildegardo Leão Velloso e Wilhelm Haarberg Arquitetura Antonio Garcia Moya e Georg Przyrembel Literatura Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Menotti del Picchia, Sérgio Milliet, Plínio Salgado, Manuel Bandeira, Ronald de Carvalho, Álvaro Moreira, Renato de Almeida, Ribeiro Couto, Guilherme de Almeida Música Heitor Villa-Lobos, Guiomar Novais, Ernâni Braga e Frutuoso Viana
  • 59. Eventos que chacoalharam o Brasil na semana de 22 Lasar Segall (Lituânia) veio para o Brasil e chocou o público com suas obras LASAR SEGALL
  • 60. Eventos que chacoalharam o Brasil na semana de 22 Lasar Segall (Lituânia) veio para o Brasil e chocou o público com suas obras LASAR SEGALL
  • 61. Eventos que chacoalharam o Brasil na semana de 22 Lasar Segall (Lituânia) veio para o Brasil e chocou o público com suas obras LASAR SEGALL
  • 62. Victor Brecheret chocou o público com suas formas inusitadas VICTOR BRECHERET
  • 63. Victor Brecheret chocou o público com suas formas inusitadas VICTOR BRECHERET
  • 64. Victor Brecheret chocou o público com suas formas inusitadas VICTOR BRECHERET
  • 65. Tarsila – transgrediu as regras estéticas TARSILA DO AMARAL
  • 66. Tarsila – transgrediu as regras estéticas TARSILA DO AMARAL
  • 67. Tarsila – transgrediu as regras estéticas TARSILA DO AMARAL
  • 68. Tarsila – transgrediu as regras estéticas TARSILA DO AMARAL
  • 69. Tarsila – transgrediu as regras estéticas TARSILA DO AMARAL
  • 70. Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil DI CAVALCANTI
  • 71. Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil DI CAVALCANTI
  • 72. Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil DI CAVALCANTI
  • 73. Pintou temas tipicamente brasileiros como carnaval, mulatas e tropicalismos em geral. Foi o primeiro pintor cujo trabalho tinha a “cara” do Brasil DI CAVALCANTI
  • 74. Década de 30 Período caracterizado pelo retorno à ordem, à disciplina, ao rigor acadêmico Valorização das tradições Artistas mais valorizados -Portinari -Grupo Santa Helena
  • 78.
  • 82. Ruptura e Concretismo A Bienal de 1951 marca o fim do Modernismo e o início do Concretismo 1952, formação do Grupo Ruptura, realizando a primeira exposição de Arte Concreta no MAM e publicando um Manifesto – Ruptura Lothar Charoux (austríaco) Waldemar Cordeiro (brasileiro) Geraldo de Barros (brasileiro) Féjer (húngaro) Leopoldo Haar (polonês) Luiz Sacilotto (brasileiro) Anatol Wladyslaw (polonês)
  • 83.
  • 84.
  • 85.
  • 89.
  • 90. ABSTRACIONISMO Início – Bienal de 1951 O artista se relaciona com as formas, relação entre as cores, os tipos de linhas e formas geométricas Quebra dos conceitos rígidos do Renascimento Faz parte da Arte Moderna
  • 96.
  • 98. ALDEMIR MARTINS – 1922 A 2006
  • 99. ALDEMIR MARTINS – Ceará - 1922 A 2006
  • 100. A vanguarda concretista tinha um interesse em estabelecer um vínculo entre arte e indústria Surge a dúvida: o trabalho de arte deve ser entendido como produção ou como meio de expressão? O Neoconcretismo procurou trazer de volta o humanismo, o experimentalismo e a subjetividade na arte, através da participação efetiva do público no processo de criação e na manipulação de objetos interativos. NEOCONCRETISMO
  • 101.
  • 102.
  • 103. TROPICALISMO Movimento musical - final da década de 1960 Atingiu outras esferas culturais (artes plásticas, cinema, poesia) III Festival de Música Popular Brasileira (MPB) TV Record - 1967. Sofreu grande influência da arte “pop” Zé Celso monta O Rei da Vela Marca o início do Tropicalismo Misturar arte de fora com a cultura nacional Transgressão contra o regime militar
  • 104. TROPICALISMO Influências: Antropofagia, Pop Arte e Concretismo Cores berrantes Objetivo de chocar e agredir, libertar-se da repressão militar
  • 105. ARTE POP ANDY WHAROL
  • 106. ARTE POP - ANDY WHAROL
  • 107. HELIO OITICICA - Penetráveis
  • 108. HELIO OITICICA - Penetráveis
  • 109. HELIO OITICICA - Penetráveis
  • 110. FIM DO TROPICALISMO 1969 Show dos Mutantes com Gil e Caetano O show tinha o sugestivo nome de “Panis Et Circenses” No palco, a bandeira de Helio Oiticica com a imagem do Cara-de-Cavalo (traficante) morto pelos militares Após o show, todos foram presos. Caetano e Gil foram deportados e ficaram exilados no Reino Unido
  • 111. MINIMALISMO Década de70 Reação à Arte Pop Crítica à elaboração intencional para agradar os sentidos Preza a simplicidade e o despojamento
  • 117.
  • 118.
  • 119.
  • 120.
  • 121.
  • 122. Arte contemporânea consciência ecológica reaproveitamento de materiais revolução digital grafite mixed media instalações
  • 124. Arte contemporânea – Regis-R – Arte do Lixo
  • 125. Arte contemporânea – Eduardo Srur
  • 127. Arte contemporânea Arte Digital – Toninho de Souza
  • 128. Arte contemporânea Arte Digital – Scott Macleay
  • 129. Arte contemporânea Arte Digital – Scott Macleay
  • 130. Arte contemporânea – Mix Media – Vik Muniz (abertura da novela Passione)
  • 143. Romero Brito Passo a Passo
  • 144.
  • 145.
  • 146.
  • 147.
  • 148.
  • 149. MOVIMENTOS ARTÍSTICOS Para pesquisa futura
  • 150. ART DÉCO ARTE NAIF ARTE POVERA BARROCO COSTUMBRISMO DADAÍSMO DADAÍSMO DIESELPUNK EXPRESSIONISMO EXPRESSIONISMO ALEMÃO FAUVISMO FUTURISMO HUMANISMO IMAGISMO
  • 151. IMPRESSIONISMO MOVIMENTO ARMORIAL NEOCONCRETISMO NEOPLASTICISMO NOVA OBJETIVIDADE ORFISMO POP-ART PÓS-MODERNISMO PRIMITIVISMO PURISMO RAIONISMO REALISMO NA PINTURA RENASCIMENTO
  • 152. ROMANTISMO SIMBOLISMO SUPREMATISMO SURREALISMO TENEBRISMO TROPICÁLIA UNIVERSO GÓTICO VORTICISMO Ufa!
  • 153. Artistas Contemporâneos Adriana Varejão Aldir Mendes de Souza Aldemir Martins Amílcar de Castro Artur Barrio Artur Omar Beatriz Milhazes Bispo do Rosário Cildo Meireles Denis Mandarino Emmanuel Nassar Ernesto Neto Francisco Brennand Gilvan Samico Hélio Oiticica Laerty Tavares Leonilson Lygia Clark Lygia Pape Maria Bonomi Marcos Garrot Marcus Baby Nelson Leirner Os Gêmeos Poro Regina Silveira Rivane Neuenschwander Romero Britto Rosângela Rennó Tunga Vik Muniz Wesley Duke Lee
  • 154. FATOS QUE DETERMINARAM A ARTE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1951 – 1ª Bienal Internacional de São Paulo 1952 – Grupo Ruptura – Exposição no MAM – SP, marca o início da Arte Concreta 1963 – Criação do MAM – na USP 1965 – OPINIÃO 65 – Exposição no MAM – RJ, reúne artistas nacionais e serve como avaliaçãp da arte brasileira 1982 – 1985 – Ateliê Casa 7 – Carlito Carvalhosa Fábio Miguez, Paulo Monteiro, Rodrigo Andrade e Nuno Ramos 1984 – Exposição “Como vai você, geração 80?” – RJ. Beatriz Milhazes e Ernesto Neto 1985 – XVII Bienal de SP – Exposição Arte Novos Meios/Multimeios 1987 – Criação do Instituto Itaú Cultural 1988 – Exposição Modernidade – Art Brèsilien Du 20eme Siècle – Musu de Arte Moderna de Paris 1995 – Venda do ABAPORU (Tarsila) ao colecionador argentino Eduardo Constantini (US$ 1,5 milhões) 1997 – Criação da Bienal do Mercosul – Porto Alegre 2006 – XXVII Bienal de São Paulo com a curadoria de Lisette Lagnado 2007 – Venda da Coleção Adolfo Leirner para o museu de Fine Arts de Houston – TX – EUA 2008 – Inauguração da sede da Fundação Iberê Camargo – Porto Alegre. Venda do quadro O Mágico (Beatriz Milhazes) por US$ 1 milhão, para Eduardo Constantini (AR)