SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
A RESPOSTA IMUNE
ADAPTATIVA
Prof. Esp. Silas Gouveia
silasgouveiasilva@gmail.com
• Resposta imune inata
I. Barreiras contra
infecções como a pele;
II. Células fagocitárias e
sistema complemento;
III. Proteínas de fase aguda
(PCR)
IV. Citosinas inflamatórias;
V. Células natural Killer
(NK);
VI. Eosinófilos
• Resposta imune
adaptativa
I. Estrutura e função de
anticorpos;
II. Anticorpos alguns
componentes do S.C.
III. Base celular de
formação de anticorpos
IV. Memória imunológica
V. Vacinas
VI. Respostas, primária e
secundária
Respostas Imunes Adaptativas
• O sistema imune adaptativo existe como uma
forma de bloqueio aos microrganismos que
tenham conseguido escapar do ataque
promovido pelo sistema inato;
– Microrganismos mutantes que não ativam a via
alternativa do complemento;
– Microrganismos ao serem capturados pelos
macrófagos desenvolvem reações que são capazes de
neutralizar as substâncias liberados no vacúolo;
– Vírus que são insensíveis a ação das células NK
(natural Killer) e vírus que quase não estimulam a
produção celular de interferon, deste modo não
havendo a comunicação célula célula capaz de
evitar a propagação viral;
• As células do sistema imunológico adquirido em
geral estão presentes no sangue e na linfa como
células circulantes, em coleções celulares
anatomicamente definidas nos órgãos linfoides
disseminadas em quase todos os tecidos;
• A organização anatômica dessas células e sua
capacidade de circulação e troca entre o sangue,
a linfa e os tecidos são de importância crítica para
a geração de respostas imunológicas.
Imunidade Ativa
• A imunidade protetora contra um microrganismo
normalmente é induzida pela resposta do
hospedeiro ao microrganismo;
• A forma de imunidade que é induzida pela
exposição a um antígeno estranho é chamada de
imunidade ativo;
– O indivíduo tem papel ativo na resposta ao antígeno.
– Indivíduos e linfócitos que não encontram um
antígeno particular são ditos como sendo inativos
(imaturos ou naïve)
Abbas, 2015
Imunidade Passiva
• Conferida a um indivíduo pela transferência
de soro ou linfócitos de um indivíduo
especificamente imunizado em situações
experimentais. (transferência adaptativa)
• O recebedor de tal transferência se torna
imune a um antígeno particular sem nunca ter
sido exposto ou ter respondido àquele
antígeno.
Abbas, 2015
Imunidade Passiva
• Método útil para conferir rapidamente
resistência, sem ter que esperar pelo
desenvolvimento de uma resposta imune.
• Exe. Transferência de anticorpos maternos
através da placenta para o feto, o que permite
aos recém nascidos o combate a infecções
antes de eles próprios desenvolverem a
habilidade de produzir anticorpos.
Abbas, 2015
Abbas, 2015
O sistema imunológico se depara com inúmeros desafios para gerar respostas
protetoras eficazes contra patógenos infecciosos.
1. O sistema deve ser capaz de responder a pequenos números de
diferentes microrganismos que podem ser introduzidos em qualquer
lugar do corpo;
2. Poucos linfócitos naïves reconhecem e respondem especificamente a
qualquer antígeno.
3. Os mecanismos efetores do sistema imunológico (anticorpos e células T
efetoras) podem precisar localizar e destruir microrganismos em locais
distantes do local de infecção inicial;
A habilidade do sistema imunológico para enfrentar esses desafios e
desempenhar as suas funções protetoras de maneira eficaz depende de
várias propriedades de suas células e tecidos
A entrada das células T virgens das células apresentadoras de antígenos
nos órgãos linfóides periféricos
• O início da resposta imune ocorre nos órgãos linfóides periféricos
• Nestes locais, células T virgens específicas para um antígeno
adequado deve encontrar células dendríticas apresentando tal
antígeno
• Antígenos livres podem ser capturados nestes locais e apresentados
às células T
• Ao encontrar seu antígeno específico, essas células T se proliferam e
diferenciam em células T efetoras
• Caso não encontre seus antígenos deixam o linfonodo e voltam a
circular o organismo
Abbas, 2015
• Os antígenos introduzidos no sangue são aprisionados
pelas células apresentadoras de antígeno no baço
• Patógenos que infectam outros locais são transportados
pela linfa e aprisionados pela linfa;
• Patógenos que infectam as mucosas são transportados
diretamente através da mucosa para os tecidos linfóides
(tonsila, placas de Peyer);
• O transporte dos antígeno é auxiliado pelo sistema imune
inato;
Abbas, 2015
Abbas, 2015
Tipos de Resposta Imune Adaptativa
Resposta Imune adaptativa
 celular – linfócitos T
 humoral – linfócitos B (anticorpos)
Abbas, 2015
• Especificidade e diversidade
– Respostas imunes são específicas para antígenos
distintos;
– Para diferentes porções de um único complexo de
proteína, polissacarídeo ou outras
macromoléculas;
As partes dos antígenos que são especificamente
reconhecidas por linfócitos individuais são
denominadas determinantes ou epítopos;
• Diversidade – existência de muitos clones de linfócitos que
diferem nas estruturas de seus receptores de antígenos, e
assim nas suas especificidades para antígenos;
• Memória – exposição do sistema imune a um antígeno
estranho aumenta a sua habilidade em responder
novamente àquele antígenos. Resposta a uma segunda
exposição ou exposições subsequentes ao mesmo
antígeno.
– A memoria imunológica ocorre porque cada exposição a um
antígeno gera células de memória de vida longa e específica
para aquele antígeno.
• Expansão clona – linfócitos específicos para
um antígeno se submetem a considerável
proliferação após a exposição a um antígeno.
– Aumento do número de células que expressam
receptores idênticos para o antígeno e, assim,
pertencem a um clone.
• Especialização - resposta diferente a
diferentes microrganismos. Humoral x celular
• Contração e homeostasia – todas as respostas imunes
normais diminuem com o tempo após a estimulação pelo
antígeno, retornando, assim, ao seu estado de repouso
basal. (homeostasia)
• Não reatividade ao próprio – habilidade em reconhecer,
responder e eliminar muitos antígenos estranhos (não
próprios) enquanto reagem negativamente às suas próprias
substâncias antigênicas.
– A toletancia aos próprios antígenos, ou autotolerância, é
mantida por vários mecanismos. Anormalidades na indução ou
manutenção da autotolerância levam a respostas imunes
contra os próprios antígenos (autólogos) – DOENÇAS
AUTOIMUNES
Imunidade Humoral
• Mediada por moléculas no sangue e nas secreções das
mucosas, denominadas anticorpos, que são produzidos
por células denominadas linfócito B (também
conhecidas como células B).
– Os anticorpos reconhecem antígenos microbianos,
neutralizam a capacidade dos micro-organismos de
infectar e promovem a sua eliminação através de diversos
mecanismos efetores;
– A imunidade humoral é o principal mecanismo de defesa
contra microrganismos extracelulares e suas toxinas;
Imunidade Celular
• Imunidade mediada por células – linfócitos T(células T);
– Os microrganismos intracelulares, como os vírus e algumas
bactérias, sobrevivem e proliferam no interior dos
fagócitos e de outras células do hospedeiro, onde são
inacessíveis aos anticorpos circulantes.
– A defesa contra essas infecções constitui uma função da
imunidade celular, que promove a destruição dos
microrganismos que residem nos macrófagos ou a
destruição das células infectadas para eliminar os
reservatórios da infecção.
Abbas, 2015
• Os linfócitos, as células apresentadores de
antígenos e as células efetoras são as principais
células do sistema imunológico.
– Os linfócitos são as células que reconhecem e
respondem especificamente a antígenos estranhos e
que atuam, portanto, como mediadores da imunidade
humoral e celular.
– Existem subpopulações distintas de linfócitos, que
diferem em sua maneira de reconhecer os antígenos e
nas suas funções.
Linfócitos B – são as únicas células capazes de
produzir anticorpos. Essas células reconhecem
antígenos extracelulares (inclusive de superfície
celular) e diferenciam-se em plasmócitos
secretores de anticorpos, atuando, assim, como
mediadores da imunidade humoral.
Linfocitos T – reconhecimento de antígenos
(microrganismos) intracelulares - auxiliar dos
fagócitos.
linfócito T helper (auxiliar) – CD4
linfócito T citotóxico – CD8
Abbas, 2015
Abbas, 2015
Referências
MARTINEZ, Alfredo Córdova & ALVAREZ-MON, Melchor. O sistema
imunológico (II): importância dos imunomoduladores na recuperação do
desportista. Rev Bras Med Esporte [online]. 1999, vol.5, n.4, pp.159-166.
ISSN 1517-8692.
ABBAS, A. K., Lichtman, A. H. Imunologia Celular e Molecular, 5º ed. Rio
de Janeiro: Elsevier, 2005.
BRASILEIRO FILHO, G. Bogliolo - Patologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Gen,
Guanabara Koogan, 2011.
CALICH, V.; VAZ, C. Imunologia. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 Propriedades gerais das respostas imunes
Aula 01   Propriedades gerais das respostas imunesAula 01   Propriedades gerais das respostas imunes
Aula 01 Propriedades gerais das respostas imunesRogério Reis
 
Sistema imunológico
Sistema imunológicoSistema imunológico
Sistema imunológicoErnesto Silva
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesRicardo Portela
 
Resposta imune infecções
Resposta imune infecçõesResposta imune infecções
Resposta imune infecçõesLABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesRicardo Portela
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaRicardo Portela
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVLABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosRicardo Portela
 
Reações de Hipersensibilidade
Reações de HipersensibilidadeReações de Hipersensibilidade
Reações de HipersensibilidadeNayane Marinho
 
Sistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptSistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptanabela
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaMessias Miranda
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologiaCrismontalvao
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaLABIMUNO UFBA
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposLABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralRicardo Portela
 

Mais procurados (20)

Aula 01 Propriedades gerais das respostas imunes
Aula 01   Propriedades gerais das respostas imunesAula 01   Propriedades gerais das respostas imunes
Aula 01 Propriedades gerais das respostas imunes
 
Sistema imunológico
Sistema imunológicoSistema imunológico
Sistema imunológico
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
 
Resposta imune infecções
Resposta imune infecçõesResposta imune infecções
Resposta imune infecções
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IV
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
 
Reações de Hipersensibilidade
Reações de HipersensibilidadeReações de Hipersensibilidade
Reações de Hipersensibilidade
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
 
Sistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptSistema imunitário ppt
Sistema imunitário ppt
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
 
Imunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passivaImunidade ativa e passiva
Imunidade ativa e passiva
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Imunologia I
Imunologia IImunologia I
Imunologia I
 

Semelhante a Imunidade adaptativa

Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagoImuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagonuria522
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01Pelo Siro
 
Resposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptxResposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptxJooSantana94
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxJulianeAmorim11
 
LINHA DE DEFESA.pptx
LINHA DE DEFESA.pptxLINHA DE DEFESA.pptx
LINHA DE DEFESA.pptxVanessaFroes3
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoCátia Teixeira
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas EspecificasLeonor Vaz Pereira
 
Aula 1 Introdução à imunologia.pptx
Aula 1 Introdução à imunologia.pptxAula 1 Introdução à imunologia.pptx
Aula 1 Introdução à imunologia.pptxClaudiomar8
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologiaMalu Correia
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaEmiliaCassia2
 
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxIMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxvaloarnteGritte
 

Semelhante a Imunidade adaptativa (20)

Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagoImuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE III
 
Resposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptxResposta Imune Adaptativa.pptx
Resposta Imune Adaptativa.pptx
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
 
LINHA DE DEFESA.pptx
LINHA DE DEFESA.pptxLINHA DE DEFESA.pptx
LINHA DE DEFESA.pptx
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
 
Sistema Imune_PCC.pptx
Sistema Imune_PCC.pptxSistema Imune_PCC.pptx
Sistema Imune_PCC.pptx
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
 
Imunidade 1
Imunidade 1Imunidade 1
Imunidade 1
 
O que é imunologia
O que é imunologiaO que é imunologia
O que é imunologia
 
Aula 1 Introdução à imunologia.pptx
Aula 1 Introdução à imunologia.pptxAula 1 Introdução à imunologia.pptx
Aula 1 Introdução à imunologia.pptx
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos história
 
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxIMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
 

Último

anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfboxac76813
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptFabioSouza270
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?carloslins20
 

Último (8)

anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 

Imunidade adaptativa

  • 1. A RESPOSTA IMUNE ADAPTATIVA Prof. Esp. Silas Gouveia silasgouveiasilva@gmail.com
  • 2.
  • 3. • Resposta imune inata I. Barreiras contra infecções como a pele; II. Células fagocitárias e sistema complemento; III. Proteínas de fase aguda (PCR) IV. Citosinas inflamatórias; V. Células natural Killer (NK); VI. Eosinófilos • Resposta imune adaptativa I. Estrutura e função de anticorpos; II. Anticorpos alguns componentes do S.C. III. Base celular de formação de anticorpos IV. Memória imunológica V. Vacinas VI. Respostas, primária e secundária
  • 4. Respostas Imunes Adaptativas • O sistema imune adaptativo existe como uma forma de bloqueio aos microrganismos que tenham conseguido escapar do ataque promovido pelo sistema inato; – Microrganismos mutantes que não ativam a via alternativa do complemento; – Microrganismos ao serem capturados pelos macrófagos desenvolvem reações que são capazes de neutralizar as substâncias liberados no vacúolo;
  • 5. – Vírus que são insensíveis a ação das células NK (natural Killer) e vírus que quase não estimulam a produção celular de interferon, deste modo não havendo a comunicação célula célula capaz de evitar a propagação viral;
  • 6. • As células do sistema imunológico adquirido em geral estão presentes no sangue e na linfa como células circulantes, em coleções celulares anatomicamente definidas nos órgãos linfoides disseminadas em quase todos os tecidos; • A organização anatômica dessas células e sua capacidade de circulação e troca entre o sangue, a linfa e os tecidos são de importância crítica para a geração de respostas imunológicas.
  • 7. Imunidade Ativa • A imunidade protetora contra um microrganismo normalmente é induzida pela resposta do hospedeiro ao microrganismo; • A forma de imunidade que é induzida pela exposição a um antígeno estranho é chamada de imunidade ativo; – O indivíduo tem papel ativo na resposta ao antígeno. – Indivíduos e linfócitos que não encontram um antígeno particular são ditos como sendo inativos (imaturos ou naïve)
  • 9. Imunidade Passiva • Conferida a um indivíduo pela transferência de soro ou linfócitos de um indivíduo especificamente imunizado em situações experimentais. (transferência adaptativa) • O recebedor de tal transferência se torna imune a um antígeno particular sem nunca ter sido exposto ou ter respondido àquele antígeno.
  • 11. Imunidade Passiva • Método útil para conferir rapidamente resistência, sem ter que esperar pelo desenvolvimento de uma resposta imune. • Exe. Transferência de anticorpos maternos através da placenta para o feto, o que permite aos recém nascidos o combate a infecções antes de eles próprios desenvolverem a habilidade de produzir anticorpos.
  • 14.
  • 15. O sistema imunológico se depara com inúmeros desafios para gerar respostas protetoras eficazes contra patógenos infecciosos. 1. O sistema deve ser capaz de responder a pequenos números de diferentes microrganismos que podem ser introduzidos em qualquer lugar do corpo; 2. Poucos linfócitos naïves reconhecem e respondem especificamente a qualquer antígeno. 3. Os mecanismos efetores do sistema imunológico (anticorpos e células T efetoras) podem precisar localizar e destruir microrganismos em locais distantes do local de infecção inicial; A habilidade do sistema imunológico para enfrentar esses desafios e desempenhar as suas funções protetoras de maneira eficaz depende de várias propriedades de suas células e tecidos
  • 16. A entrada das células T virgens das células apresentadoras de antígenos nos órgãos linfóides periféricos • O início da resposta imune ocorre nos órgãos linfóides periféricos • Nestes locais, células T virgens específicas para um antígeno adequado deve encontrar células dendríticas apresentando tal antígeno • Antígenos livres podem ser capturados nestes locais e apresentados às células T • Ao encontrar seu antígeno específico, essas células T se proliferam e diferenciam em células T efetoras • Caso não encontre seus antígenos deixam o linfonodo e voltam a circular o organismo
  • 17.
  • 19. • Os antígenos introduzidos no sangue são aprisionados pelas células apresentadoras de antígeno no baço • Patógenos que infectam outros locais são transportados pela linfa e aprisionados pela linfa; • Patógenos que infectam as mucosas são transportados diretamente através da mucosa para os tecidos linfóides (tonsila, placas de Peyer); • O transporte dos antígeno é auxiliado pelo sistema imune inato;
  • 22. Tipos de Resposta Imune Adaptativa Resposta Imune adaptativa  celular – linfócitos T  humoral – linfócitos B (anticorpos)
  • 24. • Especificidade e diversidade – Respostas imunes são específicas para antígenos distintos; – Para diferentes porções de um único complexo de proteína, polissacarídeo ou outras macromoléculas; As partes dos antígenos que são especificamente reconhecidas por linfócitos individuais são denominadas determinantes ou epítopos;
  • 25. • Diversidade – existência de muitos clones de linfócitos que diferem nas estruturas de seus receptores de antígenos, e assim nas suas especificidades para antígenos; • Memória – exposição do sistema imune a um antígeno estranho aumenta a sua habilidade em responder novamente àquele antígenos. Resposta a uma segunda exposição ou exposições subsequentes ao mesmo antígeno. – A memoria imunológica ocorre porque cada exposição a um antígeno gera células de memória de vida longa e específica para aquele antígeno.
  • 26. • Expansão clona – linfócitos específicos para um antígeno se submetem a considerável proliferação após a exposição a um antígeno. – Aumento do número de células que expressam receptores idênticos para o antígeno e, assim, pertencem a um clone. • Especialização - resposta diferente a diferentes microrganismos. Humoral x celular
  • 27. • Contração e homeostasia – todas as respostas imunes normais diminuem com o tempo após a estimulação pelo antígeno, retornando, assim, ao seu estado de repouso basal. (homeostasia) • Não reatividade ao próprio – habilidade em reconhecer, responder e eliminar muitos antígenos estranhos (não próprios) enquanto reagem negativamente às suas próprias substâncias antigênicas. – A toletancia aos próprios antígenos, ou autotolerância, é mantida por vários mecanismos. Anormalidades na indução ou manutenção da autotolerância levam a respostas imunes contra os próprios antígenos (autólogos) – DOENÇAS AUTOIMUNES
  • 28. Imunidade Humoral • Mediada por moléculas no sangue e nas secreções das mucosas, denominadas anticorpos, que são produzidos por células denominadas linfócito B (também conhecidas como células B). – Os anticorpos reconhecem antígenos microbianos, neutralizam a capacidade dos micro-organismos de infectar e promovem a sua eliminação através de diversos mecanismos efetores; – A imunidade humoral é o principal mecanismo de defesa contra microrganismos extracelulares e suas toxinas;
  • 29. Imunidade Celular • Imunidade mediada por células – linfócitos T(células T); – Os microrganismos intracelulares, como os vírus e algumas bactérias, sobrevivem e proliferam no interior dos fagócitos e de outras células do hospedeiro, onde são inacessíveis aos anticorpos circulantes. – A defesa contra essas infecções constitui uma função da imunidade celular, que promove a destruição dos microrganismos que residem nos macrófagos ou a destruição das células infectadas para eliminar os reservatórios da infecção.
  • 31. • Os linfócitos, as células apresentadores de antígenos e as células efetoras são as principais células do sistema imunológico. – Os linfócitos são as células que reconhecem e respondem especificamente a antígenos estranhos e que atuam, portanto, como mediadores da imunidade humoral e celular. – Existem subpopulações distintas de linfócitos, que diferem em sua maneira de reconhecer os antígenos e nas suas funções.
  • 32. Linfócitos B – são as únicas células capazes de produzir anticorpos. Essas células reconhecem antígenos extracelulares (inclusive de superfície celular) e diferenciam-se em plasmócitos secretores de anticorpos, atuando, assim, como mediadores da imunidade humoral.
  • 33. Linfocitos T – reconhecimento de antígenos (microrganismos) intracelulares - auxiliar dos fagócitos. linfócito T helper (auxiliar) – CD4 linfócito T citotóxico – CD8
  • 36. Referências MARTINEZ, Alfredo Córdova & ALVAREZ-MON, Melchor. O sistema imunológico (II): importância dos imunomoduladores na recuperação do desportista. Rev Bras Med Esporte [online]. 1999, vol.5, n.4, pp.159-166. ISSN 1517-8692. ABBAS, A. K., Lichtman, A. H. Imunologia Celular e Molecular, 5º ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. BRASILEIRO FILHO, G. Bogliolo - Patologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Gen, Guanabara Koogan, 2011. CALICH, V.; VAZ, C. Imunologia. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.