SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira
Biologia 12º ano

Doenças e Desequilíbrios
Unidade 3: Imunidade e controlo de doenças

Docente: Cidália Santos de Aguiar
Ano lectivo: 2010-2011
Rio Maior, quinta-feira, 26 de fevereiro de 2014
O que é o sistema imunitário?

?
O sistema imunitário protege o organismo
das infecções...
...o sistema imunitário preserva a integridade
do corpo humano face ao seu ambiente…
Mas também:
• Eliminação de células tumorais…
• Influências várias, por exemplo, hormonais, nutricionais…
Acção específica e ajustada é
essencial!
• A intensidade das reacções tem de ser ajustada
• suficiente para eliminar os patogéneos mas sem
causar lesão tecidual excessiva
• A reacção mais eficaz é a mais específica
•adaptada para causar danos selectivos no agente
infeccioso e não no hospedeiro
ACÇÃO EXTREMAMENTE COMPLEXA…
Passível de inúmeras desrregulações
Como é que o Sistema Imunitário
distingue o que é self do que é estranho?
• conceito de Tolerância imunológica
•refere-se a uma estado de não-reactividade específica
para determinado antigénio
O S.I. pode atacar as nossas próprias células?
O potencial para a auto-agressão surge porque o
S.I. produz, ao acaso, uma diversidade imensa de
receptores específicos para todos os antigénios
possíveis (o que obviamente inclui os nossos
próprios antigénios!)
As células portadoras destes receptores têm de ser
eliminadas, funcional ou fisicamente.;
Como é que o Sistema Imunitário
distingue o que é self do que é estranho?
• Então por que é que essas células não nos atacam?
As células portadoras destes receptores têm de ser
eliminadas, funcional ou fisicamente;
Três mecanismos básicos:
- Delecção ( timo)
- Inactivação funcional ou anergia (uma grande quantidade de
antigénios é apresentado por moléculas MHC classe II não
produtoras de co-estimuladores, o que faz com que falte
estímulo adicional para activar os linfócitos T. É uma regulação
negativa do mecanismo de resposta.
- Impedindo a proliferação posterior de células imaturas (aborto
clonal).
Acção específica e ajustada é
essencial!
• A intensidade das reacções tem de ser ajustada
• suficiente para eliminar os patogéneos mas sem
causar lesão tecidual excessiva
• A reacção mais eficaz é a mais específica
•adaptada para causar danos selectivos no agente
infeccioso e não no hospedeiro
ACÇÃO EXTREMAMENTE COMPLEXA…
Passível de inúmeras desrregulações
Alergia
- Hipersensibilidade
• Antigénios
exacerbada

que

provocam

uma

reacção

imunitária

• As alergias resultam de reacções imunitárias
típicas em que ocorre estimulação da imunidade mediada
por anticorpos ou células por exposição ao alergénio
(antigénio)
Distinguem-se 2 tipos de reacções
alérgicas:
- Hipersensibilidade imediata
- Hipersensibilidade tardia
Alergia
- Hipersensibilidade imediata
• Produção de grandes quantidades de um determinado
subtipo de anticorpos (IgE) específico para um dado
alergénio
• Quando expostos ao Ag estimulam a libertação de
histamina e outras substâncias que causam os sintomas:
• Espirros em salva

Dispnéia

• obstrução nasal

Erupções cutâneas

• Coriza (secreção nasal aquosa e fluida)
• Tosse repetitiva

Edema
Alergia
- Hipersensibilidade tardia
• Inicia-se em geral mais de 12h após a exposição ao Ag
• O antigénio é processado por APCs e é iniciada uma
resposta imunitária celular
• A subsequente activação de macrófagos que pode ser
produzida por esta resposta pode lesionar tecidos
http://link.brightcove.com/services/player/bc
pid236059233?bctid=347806799
Auto-imunidade

Na auti-imunidade o organismo reage contra as células do próprio organismo,
provocando a destruição dos tecidos, com o aparecimento de inflamações e
Outras patologias associadas

Doenças
Auto-imunes
Doenças Auto-imunes
• Quando ocorrem falhas nos mecanismos de tolerância
aos antigénios self ocorre autoimunidade
• Os mecanismos centrais não conseguem fazer uma
delecção linfocitária autoreactiva completa…
• São necessários ainda mecanismos de regulação orgãoespecífica e sistémica que impede respostas humorais e/ou
celulares pelos linfocitos reactivos ao self
Na população geral cerca de 3,5% das pessoas sofre deste
tipo de perturbações
Doenças Auto-imunes
•Da mesma forma, tb as doenças auto-imunes podem ser:
• Específicas de orgão:
• Diabetes Mellitus

• Sistémicas
•Lúpus Eritematoso Sistémico
Doenças Auto-imunes
• Vários aspectos da fisiopatologia da maioria das doenças
auto-imunes ainda permanecem por desvendar
• Algumas associações já estabelecidas:
• Factores individuais:
• Idade
• Sexo
• genéticos

• Factores ambientais:
• Infecções

Muitas
delas
parecem
ser
multifactoriais
Ex. LES
Doenças Auto-imunes
DM tipo 1
• As manifestações clínicas surgem após um longo
processo de destruição das células beta dos ilhéus de
Langerhans, produtoras de insulina
• Têm sido verificadas grandes semelhanças entre os
antigénios dos vírus Coxsackie e a GAD65, cujos
anticorpos estão elevados nos doentes
• Sintomas resultam do défice
de insulina
Doenças Auto-imunes
Lúpus
• Etiologia multifactorial não completamente esclarecida
• Pode considerar-se uma forma localizada, cutânea
(Lúpus discóide) e uma forma sistémica (LES)
• O LES afecta sobretudo mulheres jovens
• Pode afectar virtualmente qualquer órgão, sendo a pele,
articulações e rins alguns dos mais frequentes, para além
de sintomas gerais como febre, perda de peso e falta de
força.
• Terapêutica: imunossupressora
Doenças e desequilíbrios do S.I.
Imunodeficiências
• Dada a grande interacção entre os vários
componentes do S.I. a alteração num elemento
perturba todos os outros
• As
imunodeficiências
podem
ser
congénitas
(primárias) ou adquiridas (secundárias)
Em geral caracterizam-se por susceptibilidade a
infecções
- Tipo e gravidade variável consoante a patologia
- podem fazer parte de síndromes com outras
características imunológicas ou não
Doenças e desequilíbrios do S.I.
Imunodeficiências Congénitas
• Imunodeficiências da Imunidade Inata
• Doenças Fagocitárias (Doença Granulomatosa Crónica)
• Imunodeficiências da Imunidade Adaptativa
• Anomalias da maturação dos linfócitos B
• Anomalias da maturação dos linfócitos T
• Anomalias da maturação dos linfócitos B e T (SCID)
• Anomalias da activação linfocitária
• Imunodeficiências do Sistema Complemento
Doenças e desequilíbrios do S.I.
Imunodeficiências
• Dada a grande interacção entre os vários
componentes do S.I. a alteração num elemento
perturba todos os outros
• As
imunodeficiências
podem
ser
congénitas
(primárias) ou adquiridas (secundárias)
Em geral caracterizam-se por susceptibilidade a
infecções
- Tipo e gravidade variável consoante a patologia
- podem fazer parte de síndromes com outras
características imunológicas ou não-imunológicas
Doenças e desequilíbrios do S.I.
Imunodeficiências Secundárias
• Deficiência nutricional
• Transplante de órgãos
• Terapia citostática
• Infecções virais (HIV)
• Doenças crónicas (ex. diabetes)
• Alcoolismo
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Um pouco de história…
5 de Junho de 1981
Pneumocystis pneumonia — Los Angeles. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1981;30:250-2.

Kaposi’s sarcoma and Pneumocystis pneumonia among homosexual men
— New York City and California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1981; 30:305-8.
A cluster of Kaposi’s sarcoma and Pneumocystis carinii pneumonia
among homosexual male residents of Los Angeles and Orange Counties,
California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:305-7.
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Um pouco de história…
1982
Opportunistic infections and Kaposi’s sarcoma among Haitians in the
United States. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:353-4, 360-1.
Pneumocystis carinii pneumonia among persons with hemophilia A.
MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:365-7
Update on acquired immune deficiency syndrome (AIDS) — United
States. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:507-8, 513-4.
Masur H, Michelis MA, Wormser GP, et al. Opportunistic infection in
previously healthy women: initial manifestations of a community-acquired
cellular immunodeficiency. Ann Intern Med 1982;97:533-9.
Acquired immune deficiency syndrome (AIDS): precautions for clinical
and laboratory staffs. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:577-80
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Um pouco de história…
Possible transfusion-associated acquired immune deficiency syndrome
(AIDS) — California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:652-4.
Unexplained immunodeficiency and opportunistic infections in infants
— New York, New Jersey, California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:665-7.
Immunodeficiency among female sexual partners of males with acquired
immune deficiency syndrome (AIDS) — New York. MMWR Morb
Mortal Wkly Rep 1983;31:697-8.
Acquired immune deficiency syndrome (AIDS) in prison inmates —
New York, New Jersey. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1983;31:700-1.
Prevention of acquired immune deficiency syndrome (AIDS): report
of inter-agency recommendations. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1983; 32:101-3.
Clumeck N, Mascart-Lemone F, de Maubeuge J, Brenez D, Marcelis
L. Acquired immune deficiency in black Africans. Lancet 1983;1:642.
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Um pouco de história…
1984
Gallo RC, Salahuddin SZ, Popovic M, et al.
Mavligit GM, Talpaz M, Hsia FT, et al.
Frequent sperm alloantigens: support for the
Chronic immune stimulation by detection and
isolation of cytopathic retroviruses (HTLV-III) from patients with AIDS
hypothesis that spermatozoa induce immune dysregulation in homosexual
and at risk for AIDS.
males.
Science 1984;224:500-3.

JAMA 1984;251:237-41.
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Um pouco de história…
1983
Barre-Sinoussi F, Chermann JC, Rey F, et al.
Isolation of a T-lymphotropic retrovirus from a patient at risk for acquired immune
deficiency syndrome
(AIDS).
Science 1983;220:868-71.
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Um pouco de história…
Verão de 1981
1983
1984
A infecção por VIH/SIDA é actualmente uma
1985
pandemia global
-37 milhões de adultos infectados no mundo-
Imunodeficiências Secundárias
HIV- NÚMEROS
Número de mortes cumulativas ate 2003 excede 20 milhões
2.5 milhões de crianças com menos de 15 anos

5 milhões de novos casos em 2003
>14 000 novos infectados por dia
3 milhões de mortes por SIDA
Estimated number of adults and children living with HIV infection as of December, 2003.
(From Joint United Nations Programme on HIV/AIDS.)

4ª causa de morte a nível mundial
HIV- Números
Estimativa para Dezembro de 2007
2.5 milhões de crianças com menos de 15 anos
Total: 33,2 milhões
5 milhões de novos casos em 2003
>14 000 novos infectados por dia
3 milhões de mortes por SIDA
4ª causa de morte a nível mundial

Estimated number of adults and children living with HIV infection as of December, 2003.
(From Joint United Nations Programme on HIV/AIDS.)
Imunodeficiências Secundárias
HIV
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Números

(From Joint United Nations Programme on HIV/AIDS.)
Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J
Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
Imunodeficiências Secundárias
HIV-Transmissão
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Transmissão

Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J
Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
(from the Centers for Disease Control and Prevention)
Imunodeficiências Secundárias
HIV- Transmissão

Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J
Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
Imunodeficiências Secundárias
HIV- História Natural da Doença

A Fauci et al; Ann Intern Med 124:654, 1996
Imunodeficiências Secundárias
HIV – História Natural da Doença
• Primo-infecção
HIVVirémia inicial e disseminação do vírus

Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J
Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
HIVPrimo-infecção e Fase de Latência

Pantaleo et al: N Engl J Med 328:327, 1993
HIVDoença Avançada
CDC: Contagens de células T CD4+ abaixo do nível
crítico (<200/ul)

Doenças oportunistas

Importância da terapêutica profiláctica e antiretroviral
HIVDoença avançada
Média de 10 anos entre a infecção primária e o
desenvolvimento de SIDA em não tratados

• Definição actual de sobreviventes a longo-prazo: vivos
após 20 anos de infecção
Act 8 - SIDA – pag 223
1.no 1º ano, o organismo destrói a maior parte do vírus, sendo
comprovado pelo aumento de linfócitos T e diminuição da concentração
de HIV a partir do 6º mês após o contágio.
2. A partir do 2º ano o sistema imunitário começa a evidenciar
dificuldade em controlar o HIV. O nº de linfócitos T diminui, a
concentração de HIV aumenta, aparecendo os indícios de infecção.
3. não apresentando sintomas nos primeiros anos, não tomam os
cuidados necessários para proteger os outros.
4. Provoca diminuição significativa na concentração de linfócitos T,
comprometendo a resposta imunitária do organismo.
5. são infecções que se instalam pelo facto de o sistema imunitário se
encontrar debilitado a partir do 6º ano, por diminuição de linfócitos T, e
que em situação normal não constituiriam perigo para o organismo.
6. O HIV não causa directamente a morte mas, ao
destruir a resposta imunitária, permite o
desenvolvimento de outras doenças – infecções
oportunistas.
7. O teste é positivo quando estão presentes
anticorpos anti-HIV, que indicam a presença de
vírus HIV no organismo e da resposta primária. Se
a doença for detectada nesta fase é possível recorrer
ao uso de medicamentos para estabilizar a doença.
NOVAS PERSPECTIVAS…

… Uma função importante do S.I. é a identificação e
eliminação de células tumorais…
… essa identificação é feita quando as células tumorais
expressam antigénios estranhos ao organismo que são
reconhecidos como não próprios…

Será a IMUNOTERAPIA o futuro do tratamento do
cancro?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específicaSistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específica
Isabel Lopes
 
Regulação do Material Genético
Regulação do Material GenéticoRegulação do Material Genético
Regulação do Material Genético
Vitor Manuel de Carvalho
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
Vitor Manuel de Carvalho
 
Fundamentos De Engenharia GenéTica
Fundamentos De Engenharia GenéTicaFundamentos De Engenharia GenéTica
Fundamentos De Engenharia GenéTica
Nuno Correia
 
Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
Isabel Lopes
 
Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)
Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)
Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)
Nuno Correia
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
Hugo Martins
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
Dina do Céu Lopes Araújo
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
Isabel Lopes
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
Alex Lino
 
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doençasBiotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Mariana Leal
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
Guillermo Enrique Guedes Scheel
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
margaridabt
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Cátia Teixeira
 
Resumo Genética | Biologia 12º Ano
Resumo Genética | Biologia 12º AnoResumo Genética | Biologia 12º Ano
Resumo Genética | Biologia 12º Ano
Instituto Superior Técnico, UTL
 
Bio 12 genética - exercícios
Bio 12   genética - exercíciosBio 12   genética - exercícios
Bio 12 genética - exercícios
Nuno Correia
 
Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º
Daniela Filipa Sousa
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
Ana Arsénio
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
Criopreservacao
CriopreservacaoCriopreservacao
Criopreservacao
criopreservacao
 

Mais procurados (20)

Sistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específicaSistema Imunitário - defesa não específica
Sistema Imunitário - defesa não específica
 
Regulação do Material Genético
Regulação do Material GenéticoRegulação do Material Genético
Regulação do Material Genético
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
 
Fundamentos De Engenharia GenéTica
Fundamentos De Engenharia GenéTicaFundamentos De Engenharia GenéTica
Fundamentos De Engenharia GenéTica
 
Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
 
Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)
Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)
Sistema ImunitáRio (DoençAs E DesequilíBrios)
 
(2) património genético
(2) património genético(2) património genético
(2) património genético
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
 
Mutações
Mutações Mutações
Mutações
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
 
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doençasBiotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
Digestão
DigestãoDigestão
Digestão
 
Sistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºanoSistema imunitário Biologia 12ºano
Sistema imunitário Biologia 12ºano
 
Resumo Genética | Biologia 12º Ano
Resumo Genética | Biologia 12º AnoResumo Genética | Biologia 12º Ano
Resumo Genética | Biologia 12º Ano
 
Bio 12 genética - exercícios
Bio 12   genética - exercíciosBio 12   genética - exercícios
Bio 12 genética - exercícios
 
Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º Mutações - Biologia 12º
Mutações - Biologia 12º
 
Síntese proteica
Síntese proteicaSíntese proteica
Síntese proteica
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Criopreservacao
CriopreservacaoCriopreservacao
Criopreservacao
 

Destaque

Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
guest5d7719
 
Sistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptSistema imunitário ppt
Sistema imunitário ppt
anabela
 
Sistema Imunitário
Sistema ImunitárioSistema Imunitário
Sistema Imunitário
José A. Moreno
 
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquiridaImunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Isabel Lopes
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Isabel Lopes
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
Isabel Lopes
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
Isabel Lopes
 
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitárioBio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Rita Rainho
 
02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica
Catir
 
Programa de Biologia 12º ano
Programa de Biologia 12º anoPrograma de Biologia 12º ano
Programa de Biologia 12º ano
Catir
 
Biologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio genetico
Biologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio geneticoBiologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio genetico
Biologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio genetico
Inês Lucas
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
JosianeBergund
 
Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV Aids
Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV AidsDiretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV Aids
Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV Aids
Alexandre Naime Barbosa
 
1 Ficha S.Imunitário
1 Ficha S.Imunitário1 Ficha S.Imunitário
1 Ficha S.Imunitário
E.S. de Gago Coutinho
 
Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)
Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)
Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)
Nuno Correia
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
Leonor Vaz Pereira
 
Aula72 bio12
Aula72 bio12Aula72 bio12
Aula72 bio12
Magda Charrua
 
Teste De Biologia
Teste De BiologiaTeste De Biologia
Teste De Biologia
Nuno Correia
 
01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução
Catir
 

Destaque (19)

Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Sistema imunitário ppt
Sistema imunitário pptSistema imunitário ppt
Sistema imunitário ppt
 
Sistema Imunitário
Sistema ImunitárioSistema Imunitário
Sistema Imunitário
 
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquiridaImunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquirida
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitárioBio12-desequilíbrios do sistema imunitário
Bio12-desequilíbrios do sistema imunitário
 
02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica02- Imunidade - Defesa Não Específica
02- Imunidade - Defesa Não Específica
 
Programa de Biologia 12º ano
Programa de Biologia 12º anoPrograma de Biologia 12º ano
Programa de Biologia 12º ano
 
Biologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio genetico
Biologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio geneticoBiologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio genetico
Biologia 12º ano - reproduçao humana e patrimonio genetico
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV Aids
Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV AidsDiretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV Aids
Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial - HIV Aids
 
1 Ficha S.Imunitário
1 Ficha S.Imunitário1 Ficha S.Imunitário
1 Ficha S.Imunitário
 
Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)
Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)
Sistema ImunitáRio (Biotecnologia E Controlo De DoençAs)
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
 
Aula72 bio12
Aula72 bio12Aula72 bio12
Aula72 bio12
 
Teste De Biologia
Teste De BiologiaTeste De Biologia
Teste De Biologia
 
01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução01 - Imunidade - Introdução
01 - Imunidade - Introdução
 

Semelhante a 1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compatibilidade]

.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
Cidalia Aguiar
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
João Pereira
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
Ricardo Portela
 
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiênciasDiagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
benshiromkt
 
Revisão
Revisão Revisão
Revisão
MariMoura15
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
LABIMUNO UFBA
 
Imunossenescência
Imunossenescência Imunossenescência
Imunossenescência
Thalita Maciel de Melo
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
vitorepalmeida1
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
Cláudia Sofia
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
JulianeAmorim11
 
introdução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicosintrodução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicos
biancafreitas97
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
guest5d7719
 
Imunodeficiências
ImunodeficiênciasImunodeficiências
Imunodeficiências
Salminhacoimbra
 
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.pptaula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
Alciosantos1
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
letosgirl
 
Imunodeficiências
ImunodeficiênciasImunodeficiências
Imunodeficiências
12anogolega
 
Imunodeficiencia
ImunodeficienciaImunodeficiencia
Imunodeficiencia
12anogolega
 
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
agemais
 
Les
LesLes

Semelhante a 1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compatibilidade] (20)

.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
 
ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade ICSA17 - Autoimunidade
ICSA17 - Autoimunidade
 
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiênciasDiagnóstico e tratamento das imunodeficiências
Diagnóstico e tratamento das imunodeficiências
 
Revisão
Revisão Revisão
Revisão
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
 
Imunossenescência
Imunossenescência Imunossenescência
Imunossenescência
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
 
introdução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicosintrodução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicos
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
 
Imunodeficiências
ImunodeficiênciasImunodeficiências
Imunodeficiências
 
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.pptaula de patologia gerallllllllllllll.ppt
aula de patologia gerallllllllllllll.ppt
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Imunodeficiências
ImunodeficiênciasImunodeficiências
Imunodeficiências
 
Imunodeficiencia
ImunodeficienciaImunodeficiencia
Imunodeficiencia
 
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
 
Les
LesLes
Les
 

Mais de Cidalia Aguiar

Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaQual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Cidalia Aguiar
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
Cidalia Aguiar
 
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualEx biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Cidalia Aguiar
 
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
Cidalia Aguiar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
Cidalia Aguiar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
Cidalia Aguiar
 
Hiv
HivHiv
Hiv
HivHiv
Hiv
HivHiv
Aula teórico pratica les
Aula teórico pratica lesAula teórico pratica les
Aula teórico pratica les
Cidalia Aguiar
 
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCorrecção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Cidalia Aguiar
 
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCorrecção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Cidalia Aguiar
 
Doador receptor-quadro
Doador receptor-quadroDoador receptor-quadro
Doador receptor-quadroCidalia Aguiar
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
Cidalia Aguiar
 
Acetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosAcetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivos
Cidalia Aguiar
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
Cidalia Aguiar
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
Cidalia Aguiar
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
Cidalia Aguiar
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
Cidalia Aguiar
 
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogéneseDiferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
Cidalia Aguiar
 

Mais de Cidalia Aguiar (20)

Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaQual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
 
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualEx biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
 
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Aula teórico pratica les
Aula teórico pratica lesAula teórico pratica les
Aula teórico pratica les
 
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCorrecção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
 
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCorrecção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedade
 
Doador receptor-quadro
Doador receptor-quadroDoador receptor-quadro
Doador receptor-quadro
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
 
Acetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosAcetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivos
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
 
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogéneseDiferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 

1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compatibilidade]

  • 1. Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira Biologia 12º ano Doenças e Desequilíbrios Unidade 3: Imunidade e controlo de doenças Docente: Cidália Santos de Aguiar Ano lectivo: 2010-2011 Rio Maior, quinta-feira, 26 de fevereiro de 2014
  • 2. O que é o sistema imunitário? ? O sistema imunitário protege o organismo das infecções... ...o sistema imunitário preserva a integridade do corpo humano face ao seu ambiente… Mas também: • Eliminação de células tumorais… • Influências várias, por exemplo, hormonais, nutricionais…
  • 3. Acção específica e ajustada é essencial! • A intensidade das reacções tem de ser ajustada • suficiente para eliminar os patogéneos mas sem causar lesão tecidual excessiva • A reacção mais eficaz é a mais específica •adaptada para causar danos selectivos no agente infeccioso e não no hospedeiro ACÇÃO EXTREMAMENTE COMPLEXA… Passível de inúmeras desrregulações
  • 4. Como é que o Sistema Imunitário distingue o que é self do que é estranho? • conceito de Tolerância imunológica •refere-se a uma estado de não-reactividade específica para determinado antigénio O S.I. pode atacar as nossas próprias células? O potencial para a auto-agressão surge porque o S.I. produz, ao acaso, uma diversidade imensa de receptores específicos para todos os antigénios possíveis (o que obviamente inclui os nossos próprios antigénios!) As células portadoras destes receptores têm de ser eliminadas, funcional ou fisicamente.;
  • 5. Como é que o Sistema Imunitário distingue o que é self do que é estranho? • Então por que é que essas células não nos atacam? As células portadoras destes receptores têm de ser eliminadas, funcional ou fisicamente; Três mecanismos básicos: - Delecção ( timo) - Inactivação funcional ou anergia (uma grande quantidade de antigénios é apresentado por moléculas MHC classe II não produtoras de co-estimuladores, o que faz com que falte estímulo adicional para activar os linfócitos T. É uma regulação negativa do mecanismo de resposta. - Impedindo a proliferação posterior de células imaturas (aborto clonal).
  • 6. Acção específica e ajustada é essencial! • A intensidade das reacções tem de ser ajustada • suficiente para eliminar os patogéneos mas sem causar lesão tecidual excessiva • A reacção mais eficaz é a mais específica •adaptada para causar danos selectivos no agente infeccioso e não no hospedeiro ACÇÃO EXTREMAMENTE COMPLEXA… Passível de inúmeras desrregulações
  • 7. Alergia - Hipersensibilidade • Antigénios exacerbada que provocam uma reacção imunitária • As alergias resultam de reacções imunitárias típicas em que ocorre estimulação da imunidade mediada por anticorpos ou células por exposição ao alergénio (antigénio) Distinguem-se 2 tipos de reacções alérgicas: - Hipersensibilidade imediata - Hipersensibilidade tardia
  • 8.
  • 9. Alergia - Hipersensibilidade imediata • Produção de grandes quantidades de um determinado subtipo de anticorpos (IgE) específico para um dado alergénio • Quando expostos ao Ag estimulam a libertação de histamina e outras substâncias que causam os sintomas: • Espirros em salva Dispnéia • obstrução nasal Erupções cutâneas • Coriza (secreção nasal aquosa e fluida) • Tosse repetitiva Edema
  • 10. Alergia - Hipersensibilidade tardia • Inicia-se em geral mais de 12h após a exposição ao Ag • O antigénio é processado por APCs e é iniciada uma resposta imunitária celular • A subsequente activação de macrófagos que pode ser produzida por esta resposta pode lesionar tecidos
  • 12. Auto-imunidade Na auti-imunidade o organismo reage contra as células do próprio organismo, provocando a destruição dos tecidos, com o aparecimento de inflamações e Outras patologias associadas Doenças Auto-imunes
  • 13. Doenças Auto-imunes • Quando ocorrem falhas nos mecanismos de tolerância aos antigénios self ocorre autoimunidade • Os mecanismos centrais não conseguem fazer uma delecção linfocitária autoreactiva completa… • São necessários ainda mecanismos de regulação orgãoespecífica e sistémica que impede respostas humorais e/ou celulares pelos linfocitos reactivos ao self Na população geral cerca de 3,5% das pessoas sofre deste tipo de perturbações
  • 14. Doenças Auto-imunes •Da mesma forma, tb as doenças auto-imunes podem ser: • Específicas de orgão: • Diabetes Mellitus • Sistémicas •Lúpus Eritematoso Sistémico
  • 15. Doenças Auto-imunes • Vários aspectos da fisiopatologia da maioria das doenças auto-imunes ainda permanecem por desvendar • Algumas associações já estabelecidas: • Factores individuais: • Idade • Sexo • genéticos • Factores ambientais: • Infecções Muitas delas parecem ser multifactoriais Ex. LES
  • 16. Doenças Auto-imunes DM tipo 1 • As manifestações clínicas surgem após um longo processo de destruição das células beta dos ilhéus de Langerhans, produtoras de insulina • Têm sido verificadas grandes semelhanças entre os antigénios dos vírus Coxsackie e a GAD65, cujos anticorpos estão elevados nos doentes • Sintomas resultam do défice de insulina
  • 17. Doenças Auto-imunes Lúpus • Etiologia multifactorial não completamente esclarecida • Pode considerar-se uma forma localizada, cutânea (Lúpus discóide) e uma forma sistémica (LES) • O LES afecta sobretudo mulheres jovens • Pode afectar virtualmente qualquer órgão, sendo a pele, articulações e rins alguns dos mais frequentes, para além de sintomas gerais como febre, perda de peso e falta de força. • Terapêutica: imunossupressora
  • 18. Doenças e desequilíbrios do S.I. Imunodeficiências • Dada a grande interacção entre os vários componentes do S.I. a alteração num elemento perturba todos os outros • As imunodeficiências podem ser congénitas (primárias) ou adquiridas (secundárias) Em geral caracterizam-se por susceptibilidade a infecções - Tipo e gravidade variável consoante a patologia - podem fazer parte de síndromes com outras características imunológicas ou não
  • 19. Doenças e desequilíbrios do S.I. Imunodeficiências Congénitas • Imunodeficiências da Imunidade Inata • Doenças Fagocitárias (Doença Granulomatosa Crónica) • Imunodeficiências da Imunidade Adaptativa • Anomalias da maturação dos linfócitos B • Anomalias da maturação dos linfócitos T • Anomalias da maturação dos linfócitos B e T (SCID) • Anomalias da activação linfocitária • Imunodeficiências do Sistema Complemento
  • 20. Doenças e desequilíbrios do S.I. Imunodeficiências • Dada a grande interacção entre os vários componentes do S.I. a alteração num elemento perturba todos os outros • As imunodeficiências podem ser congénitas (primárias) ou adquiridas (secundárias) Em geral caracterizam-se por susceptibilidade a infecções - Tipo e gravidade variável consoante a patologia - podem fazer parte de síndromes com outras características imunológicas ou não-imunológicas
  • 21. Doenças e desequilíbrios do S.I. Imunodeficiências Secundárias • Deficiência nutricional • Transplante de órgãos • Terapia citostática • Infecções virais (HIV) • Doenças crónicas (ex. diabetes) • Alcoolismo
  • 22. Imunodeficiências Secundárias HIV- Um pouco de história… 5 de Junho de 1981 Pneumocystis pneumonia — Los Angeles. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1981;30:250-2. Kaposi’s sarcoma and Pneumocystis pneumonia among homosexual men — New York City and California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1981; 30:305-8. A cluster of Kaposi’s sarcoma and Pneumocystis carinii pneumonia among homosexual male residents of Los Angeles and Orange Counties, California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:305-7.
  • 23. Imunodeficiências Secundárias HIV- Um pouco de história… 1982 Opportunistic infections and Kaposi’s sarcoma among Haitians in the United States. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:353-4, 360-1. Pneumocystis carinii pneumonia among persons with hemophilia A. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:365-7 Update on acquired immune deficiency syndrome (AIDS) — United States. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:507-8, 513-4. Masur H, Michelis MA, Wormser GP, et al. Opportunistic infection in previously healthy women: initial manifestations of a community-acquired cellular immunodeficiency. Ann Intern Med 1982;97:533-9. Acquired immune deficiency syndrome (AIDS): precautions for clinical and laboratory staffs. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:577-80
  • 24. Imunodeficiências Secundárias HIV- Um pouco de história… Possible transfusion-associated acquired immune deficiency syndrome (AIDS) — California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:652-4. Unexplained immunodeficiency and opportunistic infections in infants — New York, New Jersey, California. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1982;31:665-7. Immunodeficiency among female sexual partners of males with acquired immune deficiency syndrome (AIDS) — New York. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1983;31:697-8. Acquired immune deficiency syndrome (AIDS) in prison inmates — New York, New Jersey. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1983;31:700-1. Prevention of acquired immune deficiency syndrome (AIDS): report of inter-agency recommendations. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 1983; 32:101-3. Clumeck N, Mascart-Lemone F, de Maubeuge J, Brenez D, Marcelis L. Acquired immune deficiency in black Africans. Lancet 1983;1:642.
  • 25. Imunodeficiências Secundárias HIV- Um pouco de história… 1984 Gallo RC, Salahuddin SZ, Popovic M, et al. Mavligit GM, Talpaz M, Hsia FT, et al. Frequent sperm alloantigens: support for the Chronic immune stimulation by detection and isolation of cytopathic retroviruses (HTLV-III) from patients with AIDS hypothesis that spermatozoa induce immune dysregulation in homosexual and at risk for AIDS. males. Science 1984;224:500-3. JAMA 1984;251:237-41.
  • 26. Imunodeficiências Secundárias HIV- Um pouco de história… 1983 Barre-Sinoussi F, Chermann JC, Rey F, et al. Isolation of a T-lymphotropic retrovirus from a patient at risk for acquired immune deficiency syndrome (AIDS). Science 1983;220:868-71.
  • 27. Imunodeficiências Secundárias HIV- Um pouco de história… Verão de 1981 1983 1984 A infecção por VIH/SIDA é actualmente uma 1985 pandemia global -37 milhões de adultos infectados no mundo-
  • 28. Imunodeficiências Secundárias HIV- NÚMEROS Número de mortes cumulativas ate 2003 excede 20 milhões 2.5 milhões de crianças com menos de 15 anos 5 milhões de novos casos em 2003 >14 000 novos infectados por dia 3 milhões de mortes por SIDA Estimated number of adults and children living with HIV infection as of December, 2003. (From Joint United Nations Programme on HIV/AIDS.) 4ª causa de morte a nível mundial
  • 29. HIV- Números Estimativa para Dezembro de 2007 2.5 milhões de crianças com menos de 15 anos Total: 33,2 milhões 5 milhões de novos casos em 2003 >14 000 novos infectados por dia 3 milhões de mortes por SIDA 4ª causa de morte a nível mundial Estimated number of adults and children living with HIV infection as of December, 2003. (From Joint United Nations Programme on HIV/AIDS.)
  • 31. Imunodeficiências Secundárias HIV- Números (From Joint United Nations Programme on HIV/AIDS.) Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
  • 33. Imunodeficiências Secundárias HIV- Transmissão Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition (from the Centers for Disease Control and Prevention)
  • 34. Imunodeficiências Secundárias HIV- Transmissão Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
  • 35. Imunodeficiências Secundárias HIV- História Natural da Doença A Fauci et al; Ann Intern Med 124:654, 1996
  • 36. Imunodeficiências Secundárias HIV – História Natural da Doença • Primo-infecção
  • 37. HIVVirémia inicial e disseminação do vírus Fauci AS, Kasper DL, Braunwald E, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscalzo J Harrison’s Principles of Internal Medicine, 17th Edition
  • 38. HIVPrimo-infecção e Fase de Latência Pantaleo et al: N Engl J Med 328:327, 1993
  • 39. HIVDoença Avançada CDC: Contagens de células T CD4+ abaixo do nível crítico (<200/ul) Doenças oportunistas Importância da terapêutica profiláctica e antiretroviral
  • 40. HIVDoença avançada Média de 10 anos entre a infecção primária e o desenvolvimento de SIDA em não tratados • Definição actual de sobreviventes a longo-prazo: vivos após 20 anos de infecção
  • 41. Act 8 - SIDA – pag 223 1.no 1º ano, o organismo destrói a maior parte do vírus, sendo comprovado pelo aumento de linfócitos T e diminuição da concentração de HIV a partir do 6º mês após o contágio. 2. A partir do 2º ano o sistema imunitário começa a evidenciar dificuldade em controlar o HIV. O nº de linfócitos T diminui, a concentração de HIV aumenta, aparecendo os indícios de infecção. 3. não apresentando sintomas nos primeiros anos, não tomam os cuidados necessários para proteger os outros. 4. Provoca diminuição significativa na concentração de linfócitos T, comprometendo a resposta imunitária do organismo. 5. são infecções que se instalam pelo facto de o sistema imunitário se encontrar debilitado a partir do 6º ano, por diminuição de linfócitos T, e que em situação normal não constituiriam perigo para o organismo.
  • 42. 6. O HIV não causa directamente a morte mas, ao destruir a resposta imunitária, permite o desenvolvimento de outras doenças – infecções oportunistas. 7. O teste é positivo quando estão presentes anticorpos anti-HIV, que indicam a presença de vírus HIV no organismo e da resposta primária. Se a doença for detectada nesta fase é possível recorrer ao uso de medicamentos para estabilizar a doença.
  • 43. NOVAS PERSPECTIVAS… … Uma função importante do S.I. é a identificação e eliminação de células tumorais… … essa identificação é feita quando as células tumorais expressam antigénios estranhos ao organismo que são reconhecidos como não próprios… Será a IMUNOTERAPIA o futuro do tratamento do cancro?