SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
HERMENÊUTICA
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Praticamente todos os livros que tratam a
respeito de pregação enfatizam que a
Igreja de nossos dias sofre com um
declínio da pregação.
 Em muitas igrejas ela vem sendo
substituída por muitas outras atividades
como testemunhos, discursos, músicas,
etc.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Na década de 70 Dr Martyn Lloyd-Jones dizia
que a pregação era a tarefa primordial da
Igreja e explicou que enfatizava isso por
causa da tendência de desprezar a
pregação substituindo-a por outras
atividades. Infelizmente de lá para cá a
situação não melhorou.
 Na década de 90 John Timmerman disse que
em muitas igrejas, o sermão é uma ilha
diminuindo cada vez mais em um mar
turbulento de atividades.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Bill Hybels (Willow Creek – Chicago – E.U.A) - não
podendo mais o fato do seu desvio da pregação do
Cristianismo "jurou que não ia ensinar mais sobre o
pecado e sobre o Cristianismo, e menos sobre cura
emocional. (Em 1983 Hybels declarou que ele via
finalmente sua imagem como uma ovelha " negra“)
 Joel Osteen (Lakewood Church – Houston – Texas
E.U.A)- A Night of Hope (uma noite de esperança)
Não gosta de falar: arrependimento, pecado,
evita pregar todo o conselho de Deus.
 leia – Gl 1:10-11
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
O que é pregação?
A pregação é constituída de 4 coisas:
Proclamar a mensagem dada pelo Rei –
Isto nos fala da fonte e autoridade da
pregação;
Anunciar boas novas – Isto nos fala da
qualidade e espírito da pregação;
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 É dar testemunho dos fatos – Isto nos fala da
natureza e da base na qual está fundamentada
a pregação;
 É um esclarecimento das implicações da
mensagem – Isto nos fala do alvo (o coração do
ouvinte) e da medida do sucesso (mudança de
vida do ouvinte) da pregação.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
Em resumo poderíamos dizer
que pregar é:
Ler o texto,
Explicar o texto e
Aplicar o texto.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Como Deve ser a Pregação
 A pregação da Palavra é central e inegociável
para uma adoração autentica. A pregação é
uma das marcas da verdadeira igreja.
 John Stott disse que pregar é indispensável ao
cristianismo.
 Mas se pregar é essencial de que tipo de
pregação estamos falando?
 Estamos falando da pregação expositiva.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Pregação Expositiva
 Muito do que acontece em pulpitos evangélicos
hoje não é pregação.
 Pregar não é dizer coisas interessantes sobre
Deus, ou apresentar um discurso religioso ou
ainda narrar uma história.
 Pregar também não é trazer uma mensagem de
auto-ajuda.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
Em todos os casos citados a força
declarativa da Escritura é enfraquecida.
Um dos primeiros passos para
resgatarmos a pregação cristã autêntica
é definir o que queremos dizer quando
usamos o termo pregar.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Em linhas gerais, como já dissemos, pregar é
ler o texto, explicar o texto e aplicar o texto.
 Uma boa ilustração para pregação é
encontrada em Neemias 8.8. Ali diz que
Esdras tomou o livro da lei o leu e deu claras
explicações de maneira que o povo
entendesse.
 Explicar é expor o texto, analisa-lo e tornar
claro o seu significado.
 Este é o cerne da pregação expositiva, ou
seja, ler a Palavra de Deus e em seguida
explica-la às pessoas de modo que elas
entendam.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Quais as características da pregação
expositiva?
 A Pregação Expositiva é aquele tipo de
pregação cristã que tem como propósito
central a apresentação e a Aplicação do
texto Bíblico.
 Todos os outros interesses são subordinados à
tarefa central de apresentar o texto bíblico.
 O Texto da Escritura tem o direito de
estabelecer tanto o conteúdo quanto a
estrutura do sermão.
 Quais são as marcas da pregação
expositiva?
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Quais são as marcas da pregação
expositiva?
1. É caracterizada por autoridade
2. Cria um Senso de Reverencia
3. Está no centro do culto
4. Aponta para Cristo (Sua pessoa,
obra ou ensino)
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
Qual o conteúdo da pregação
expositiva?
 Uma das características mais distintivas da
pregação diz respeito ao seu conteúdo bíblico
e cristocentrico.
 Em tempos em que a pregação tem como
conteúdo promessas de cura e prosperidade,
especulação filosofica, etc é sem dúvida
relevante indagar qual deve ser o conteúdo da
pregação.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Bíblico
 Os reformadores pregaram a Bíblia, toda
a Bíblia e só a Bíblia.
 Foi o conteúdo bíblico que conferiu
autoridade a pregação deles.
 Para os puritanos pregação verdadeira
sempre foi exposição da Bíblia.
 Pregação bíblica é pregar a mensagem
da Bíblia, a partir da Bíblia e no contexto
em que a Bíblia a coloca.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
Cristocentrico
 A pregação reformada é particularmente
cristocentrica.
 Os reformadores pregavam a Bíblia toda tendo
Cristo, sua pessoa, obra e reino como tema
central.
 Spurgeon certa vez em uma ilustração disse
que assim como de cada cidade, vila ou
povoado há uma caminho para Londres, assim
também de cada texto bíblico há um caminho
para Cristo.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 Cristocentrico
 Van Groningen disse que a Bíblia tem três linhas que a
percorrem toda: Reino, Aliança e Mediador.
 O Reino corresponde ao povo de Deus.
 A Aliança é o meio através do qual Deus se relaciona
com este povo.
 O Mediador é aquele através de quem a aliança é
firmada.
 Em todas as passagens bíblicas pelo menos um dos
temas está presente de modo que a partir deste se
consegue chegar aos demais chegando, portanto,
sempre ao mediador que é Cristo.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 O Que Torna a Pregação excelente
 Exatidão Exegética
 Não haverá um pregador verdadeiro se
tudo o que ele disser não estiver
fundamentado em exatidão exegética.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 O Que Torna a Pregação excelente
 Exatidão Exegética
 Pecamos quando pregamos aquilo que
imaginamos ser o que a Escritura ensina e
não o seu verdadeiro significado.
 Não podemos chegar diante da
congregação e dizer que Deus disse o
que na verdade ele não disse.
POR QUE ESTUDAR
HERMENEUTICA
 É preciso fugir:
 Da Superstição – Ficar procurando
significados ocultos (numerologia, por
exemplo)
 Alegoria – Exemplo:
 Gen. 24 Abrãao é Deus, Isaque Cristo e o
servo de Abraão o Espírito Santo. Rebeca
é a Igreja e os camelos são as benção
espirituais com as quais o Espírito Santo
conduz a Igreja até Cristo.
DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA
Para uma boa pregação a
Hermeneutica é fundamental.
DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA
Para uma boa pregação a
Hermeneutica é fundamental.
"Hermenêutica é a ciência que nos
ensina os princípios, as leis e os métodos
de interpretação". (Berkhof)
DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA
"Hermenêutica é a ciência da
interpretação". (Barrows)
DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA
"A hermenêutica é a ciência e a
arte da interpretação bíblica".
(Virkler)
DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA
A hermenêutica é uma ciência e uma
arte.
É uma ciência porque é orientada
através de regras com um sistema.
É uma arte porque a aplicação das
regras é pela prática e não por
imitação mecânica.
O PROPÓSITO DA
HERMENEUTICA
O propósito primeiro da hermenêutica é
a interpretação das Escrituras. Um
propósito secundário é o de tornar o
texto e o seu sentido o mais claro
possível, à luz do próprio texto e
contexto.
A NECESSIDADE DA
HERMENEUTICA
Ela é necessária por ao menos quatro
fatores:
1. Diferenças Históricas: em razão do
tempo, estamos separados dos escritores
e leitores originais.
A NECESSIDADE DA
HERMENEUTICA
2. Diferenças Culturais: há
diferenças culturais significativas da
época dos escritores e leitores e da
época contemporânea.
A NECESSIDADE DA
HERMENEUTICA
3. Diferenças Lingüísticas: as línguas
e suas propriedades nas quais
foram escritas.
A NECESSIDADE DA
HERMENEUTICA
 4. Diferenças Filosóficas: pontos de vistas
sobre a vida, circunstâncias, da natureza,
do universo diferem entre várias culturas.
Para se transmitir uma mensagem
incontestável de uma cultura para outra,
um tradutor ou leitor deve estar atento a
respeito das similaridades e contrastes de
âmbito geral.
A NECESSIDADE DA
HERMENEUTICA
 Dois fatores contribuem para enfatizar tais
necessidades:
 averiguar o que Deus tem dito nas Escrituras.
É importante determinar o que Deus tem dito
nas Escrituras. Esta averiguação deve ser
feita de forma cuidadosa, sistemática e de
acordo com o sistema bíblico de
interpretação, buscando o sentido primário
da palavra, conhecendo a época do
escritor e dos seus leitores.
A NECESSIDADE DA
HERMENEUTICA
 Transpor as diferenças de nossas mentes
quanto às mentes dos escritores bíblicos.
As maiores divergências que dificultam a
interpretação são as de natureza
histórica, cultural, lingüística e filosófica.
MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO
BÍBLICA
 Pontos preliminares
 O permanente e o temporal
 Uma questão importante ao interpretar a Bíblia é
a determinação daquilo que tem caráter
invariável e geral e o que é apenas transitório ou
particular.
 Para se diferenciar entre o que é permanente e
temporal deve-se, além de aplicar regras
hermenêuticas, considerar também o que é
relativo aos costumes e aos princípios.
 O que é de natureza permanente nunca deve ser
anulado, sob quaisquer argumentações.
MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO
BÍBLICA
 O essencial e o secundário
 Deve-se ter sob considerações os graus
de importância dos textos bíblicos,
destacando-se o essencial como básico
para uma visão adequada das Escrituras
e para sua correta interpretação. A
nenhuma passagem pode-se atribuir um
significado contrário ao conteúdo
fundamental da Bíblia.
MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO
BÍBLICA
 Pontos claros e obscuros
 Nem todas as partes da Bíblia
apresentam idêntica clareza em todos os
seus temas. As doutrinas soteriológicas
são definidas, embora não com
simplicidade. Por outro lado, as
escatológicas não são tão claras.
Todavia, nenhum dos temas obscuros da
Bíblia é fundamental.
MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO
BÍBLICA
 Abordaremos os seguintes Métodos:
 Literal
 Alegórico
 Liberal
 Histórico-crítico
 Gramático-histórico
MÉTODO LITERAL
 Método Literal
 Este método baseia-se no princípio de
que um texto deve ser entendido sempre
em seu sentido literal, a menos que isto
seja racionalmente inadmissível, como
sucede no caso de metáforas, símbolos,
figuras de linguagem.
MÉTODO LITERAL
 1. Uma palavra deve ser compreendida
em termos de sua sentença e a
sentença, em termos do seu contexto.
 2. uma passagem clara deve dar
preferência a uma passagem obscura,
quando se trata do mesmo assunto.
MÉTODO ALEGÓRICO
 A alegoria é uma metáfora ampliada.
Difere da parábola no sentido em que
esta tipicamente mantém a história
distinta de sua interpretação ou
aplicação, enquanto que aquela
entrelaça a história e seu significado.
MÉTODO ALEGÓRICO
 Quando se trata de interpretação,
parábola e alegoria diferem em outro
ponto básico: a parábola possui um
ponto central, um núcleo e os detalhes
são significativos apenas enquanto se
relacionam com esse núcleo. A alegoria
geralmente tem diversos pontos de
comparação, não necessariamente
concentrados ao redor do ponto central.
MÉTODO ALEGÓRICO
 A alegoria contém, dentro de si mesma,
a interpretação e, a coisa significada
está identificada com a imagem. (Mt
5.13; Jo 15.1).
 A alegoria continuamente emprega
palavras em sentido metafórico e, sua
narração, por muito supositiva que seja é,
manifestamente fictícia.
MÉTODO ALEGÓRICO
 A alegoria é um discurso no qual o
assunto principal está representado por
algum outro assunto com o qual tem
semelhança. Ec 12.3-7; Jo 10.1-16; 1Co
3.10-15; Gl 4.21-31).
MÉTODO LIBERAL
 O liberalismo se guia por alguns princípios
que são considerados fundamentais no
desenvolvimento da teologia. Tais
princípios podem ser resumidos, como
segue:
MÉTODO LIBERAL
 a liberdade de pensamento e ação.
 autonomia da razão.
 exaltação do homem como centro do
pensamento e da experiência religiosa.
MÉTODO LIBERAL
 adaptação da teologia, ora à filosofia
ora às ciências naturais e históricas.
 possibilidades de mudança nos conceitos
teológicos na medida em que o regresso
cultural a torne necessária.
MÉTODO LIBERAL
 Regras do Método Liberal que são
aplicadas à interpretação das Escrituras:
 1. a mentalidade moderna deve
governar a abordagem bíblica.
 2. a Bíblia deve ser tratada apenas como
um livro humano.
MÉTODO LIBERAL
 3. doutrinas como a do pecado,
depravação total, inferno devem ser
rejeitadas porque ofendem a
'sensibilidade' do homem moderno.
 4. a ciência presume regularidade da
natureza; portanto, os milagres devem ser
rejeitados.
MÉTODO LIBERAL
 5. a inspiração é redefinida.
 5.1. todas as formas de inspiração
genuína são rejeitadas.
 5.2. revelação é redefinida como um
discernimento humano para verdades
religiosas ou descobertas de verdades
religiosas.
MÉTODO LIBERAL
 5.3. o supernatural é redefinido.
 O supernatural pode significar: tudo aquilo
que é extraordinário, miraculoso, oracular,
não atingível ao conhecimento ou poder
pela natureza humana ordinária; ou, pode
significar: acima da ordem material, ou além
do simples processo natural, isto é, a oração,
ética, pensamento puro, imortalidade. A
ortodoxia histórica aceita o supernaturalismo
nos dois sentidos; por outro lado, o liberalismo
aceita apenas o último.
MÉTODO LIBERAL
 5.4. tudo na Bíblia que é supernatural, em
princípio, é rejeitado.
 5.4.1. quando o milagre ou o supernatural é
encontrado na Escritura é tratado como folclore,
mitologia ou elaboração poética.
 5.4.2. o conceito de evolução é aplicado à
religião de Israel, e, portanto, aos documentos.
 5.4.3. o primitivo e imaturo, ética e religiosamente
é o anterior; o avançado e elevado é o posterior.
Assim, pode-se recriar a religião de Israel e
reajustar os documentos adequadamente.
MÉTODO LIBERAL
 5.5. o conceito de adaptação tem sido aplicado
à Bíblia.
 5.5.1. muito do conteúdo teológico da Bíblia é
enfraquecido ou anulado por afirmar que as
declarações teológicas estão em moldes
transitórios ou perecíveis da terminologia antiga.
 5.5.2. os únicos termos que Paulo poderia
descrever a morte de Cristo baseiam-se nos
sacrifícios sangrentos dos judeus. Assim, a doutrina
da expiação é conveniente às expressões do seu
tempo e estas não são adequadas a nós.
MÉTODO LIBERAL
 5.6. a Bíblia foi interpretada historicamente -
como uma vingança.
 A interpretação histórica é usada num
nivelamento especial e num sentido
reducionista pela interpretação liberal.
 5.6.1. esforça-se por quebrar a unidade da
Bíblia.
 5.6.2. torna a religião um fenômeno variante
e mutável, assim tornando impossível
'canonizar' qualquer período de seu
desenvolvimento ou de sua literatura.
MÉTODO LIBERAL
 5.6.3. crê que há condições sociais que criaram
crenças teológicas e a tarefa do intérprete não é
defender estas crenças (como a ortodoxia), mas
compreender as condições sociais que as
produziram.
 5.6.4. enfatiza a continuidade da religião bíblica
com as religiões, e enfatiza o ecumenismo,
sincretismo.
 5.6.5. enfatiza tanto a necessidade de encontrar o
significado de uma passagem para os leitores
originais dela, que repudia o elemento profético ou
preditivo da profecia.
 5.6.6. rejeita a tipologia e a profecia preditiva como
abusos cristãos do Antigo Testamento.
MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO
 Este método tem a sua origem na expansão do humanismo
renascentista, embora não tenha adquirido caráter próprio até a
época do iluminismo.
 Seu objetivo é descobrir o sentido dos textos bíblicos dentro do
contexto da história de Israel, referente ao Antigo Testamento. Este
método, quando corretamente aplicado, é útil. Inclui a
investigação de fatos, tais como o autor, a data em que o livro foi
escrito, possíveis fontes de informações usadas pelo autor bíblico,
gênero literário, "background", peculiaridades lingüísticas,
informações arqueológicas, procedência de fontes literárias que
ajudam na interpretação do texto e na determinação de seu
significado básico.
 A dificuldade quanto a este método é que sua ênfase principal
não se baseia na indagação histórica, e sim, na crítica. Por si
mesmo, também é insuficiente para atingir a plenitude do
significado de um texto bíblico.
MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO
 Este método tem a sua origem na
expansão do humanismo renascentista,
embora não tenha adquirido caráter
próprio até a época do iluminismo.
MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO
 Seu objetivo é descobrir o sentido dos textos
bíblicos dentro do contexto da história de Israel,
referente ao Antigo Testamento. Este método,
quando corretamente aplicado, é útil. Inclui a
investigação de fatos, tais como o autor, a data
em que o livro foi escrito, possíveis fontes de
informações usadas pelo autor bíblico, gênero
literário, "background", peculiaridades lingüísticas,
informações arqueológicas, procedência de
fontes literárias que ajudam na interpretação do
texto e na determinação de seu significado
básico.
MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO
 A dificuldade quanto a este método é
que sua ênfase principal não se baseia
na indagação histórica, e sim, na crítica.
Por si mesmo, também é insuficiente para
atingir a plenitude do significado de um
texto bíblico.
MÉTODO GRAMÁTICO-
HISTÓRICO
 Este método tem como objetivo achar o
significado de um texto sobre o que suas
palavras expressam em seu sentido pleno
e simples à luz do contexto histórico em
que foram escritos.
MÉTODO GRAMÁTICO-
HISTÓRICO
 A interpretação se efetua de acordo
com as regras semânticas e gramaticais
comuns à exegese de qualquer texto
literário, no marco da situação do autor e
dos leitores originais.
 É tarefa do intérprete determinar com a
maior precisão possível o que o escritor
realmente intencionou dizer.
MÉTODO GRAMÁTICO-
HISTÓRICO
 O estudo gramático-histórico de um texto
inclui sua análise lingüística (palavras,
gramática, contexto, textos paralelos,
linguagem figurada) e o exame do seu
"background".
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 Deve ser considerado inadequado
começar a análise de um texto,
estudando separadamente cada um de
seus vocábulos. O valor e o significado de
uma palavra não dependem de si
mesmas se não de sua relação com
todas as palavras do contexto.
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 É aconselhável começar a análise
lingüística com uma leitura do texto no
seu contexto mais amplo; o que, às vezes,
pode ser todo um livro.
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 Para se conhecer a idéia central de um
texto é importante selecionar as palavras
que são mais significativas, para saber
quando a palavra é mais significativa,
deve-se notar os seguintes pontos:
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 se ela desempenha um papel importante
na passagem em consideração.
 se ela tem ocorrido com freqüência em
contextos anteriores.
 se ela é importante no curso da história
da salvação anterior ao texto.
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 Toda palavra selecionada deve ser
analisada com o objetivo de determinar
o seu significado.
 Para isso é importante:
 1. Considerar o significado que a palavra
tinha na linguagem comum em uma
determinada época.
 Exemplo a palavra “carne” denotava:
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 1. carne de animal usada para o
alimento do homem.
 2. o corpo humano na sua totalidade.
 3. toda a humanidade, quando se refere
a toda carne.
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 Todavia, quando Paulo faz uso do termo
carne um novo significado é dado, ou
seja, é usado no sentido eminentemente
moral; a natureza do homem caído,
separado de Deus, a raiz e a origem de
todas as obras más. (Gl 5.19-21)
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 2. Considerar a variação de significados
que uma palavra pode ter em uma
mesma época, e, inclusive, nos escritos
de um mesmo autor.
 Exemplo a palavra “mundo”denotava:
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 2. Considerar a variação de significados
que uma palavra pode ter em uma
mesma época, e, inclusive, nos escritos
de um mesmo autor.
 Exemplo a palavra “mundo”:
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 A palavra “mundo” usada por João no
seu Evangelho 3.16 claramente tem um
sentido diferente do uso em I João 2.15.
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 Para se determinar o sentido de uma
palavra, quando este é variável, deve-se
observar os seguintes princípios:
 o significado dado pelo próprio autor.
 o sentido de muitos termos é
determinado por outras palavras,
expressões ou frases que se unem às
primeiras como complementos. (Ef 2.1)
ANÁLISE LINGUÍSTICA
 o sentido das palavras é descoberto
através de contrastes ou oposição.
Determinadas passagens, especialmente
as poéticas, são ricas em paralelismo. Uma
mesma idéia pode ser expressa
duplamente mediante frases análogas ou
antitéticas, o que facilita a compreensão
de ambas.
CONTEXTO E PARALELISMO
 Contexto
 O termo “contexto” Aplicado a
documentos escritos, expressa a conexão
de pensamento que existe entre suas
diferentes partes para fazer dela um todo
coerente.
CONTEXTO E PARALELISMO
 Extensão do Contexto
 Temos o contexto remoto e o contexto
imediato. O primeiro, em seu sentido
amplo, é constituído de toda a Escritura.
Porém, desse contexto, deve-se passar
para outros cada vez menores: Antigo e
Novo Testamentos.
Bíblia Toda
Testamento
Grupo
Livro
Capítulo
Passagem
Bíblia Toda
Antigo Testamento
Pentateuco
Gênesis
Gênesis 3
Gênesis
3.15
CONTEXTO E PARALELISMO
 Tipos de Contextos
 A conexão entre o texto e seu contexto
imediato pode ser:
1. Lógica: quando as idéias do texto
aparecem entrelaçadas na linha de
pensamento de toda seção.
2. Histórica: quando existe uma relação com
determinados atos ou acontecimentos.
3. Teológica: quando o conteúdo do texto
forma uma parte do argumento doutrinário.
CONTEXTO E PARALELISMO
 Tipos de Contextos
 A conexão entre o texto e seu contexto
imediato pode ser:
1. Lógica: quando as idéias do texto
aparecem entrelaçadas na linha de
pensamento de toda seção.
2. Histórica: quando existe uma relação com
determinados atos ou acontecimentos.
3. Teológica: quando o conteúdo do texto
forma uma parte do argumento doutrinário.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermãoComo preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermão
Paulo Dias Nogueira
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Marcos Aurélio
 
Historia da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesHistoria da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slides
Tarcísio Picaglia
 

Mais procurados (20)

Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
Angeologia
 Angeologia Angeologia
Angeologia
 
Lição 10 - O Culto Racional
Lição 10 - O Culto RacionalLição 10 - O Culto Racional
Lição 10 - O Culto Racional
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Homilética lição - 01
Homilética   lição - 01Homilética   lição - 01
Homilética lição - 01
 
Como preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermãoComo preparar e apresentar seu sermão
Como preparar e apresentar seu sermão
 
Introdução ao estudo da teologia
Introdução ao estudo da teologiaIntrodução ao estudo da teologia
Introdução ao estudo da teologia
 
4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
Panorama do AT - Provérbios
Panorama do AT - ProvérbiosPanorama do AT - Provérbios
Panorama do AT - Provérbios
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
Panorama do AT - Levítico
Panorama do AT - LevíticoPanorama do AT - Levítico
Panorama do AT - Levítico
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Historia da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesHistoria da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slides
 

Destaque

03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegórica
Diego Fortunatto
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
Iago Rodrigues
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Fabiana Del Padre Tomé
 
História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)
Aniel Wagner Cruz
 
HermenêUtica Pr José Polini
HermenêUtica   Pr José PoliniHermenêUtica   Pr José Polini
HermenêUtica Pr José Polini
renaapborges
 

Destaque (20)

A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 
Hermenêutica ensinai
Hermenêutica  ensinaiHermenêutica  ensinai
Hermenêutica ensinai
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegórica
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
 
Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
 
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
 
História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
 
Teologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologiaTeologia do AT tipologia
Teologia do AT tipologia
 
HermenêUtica Pr José Polini
HermenêUtica   Pr José PoliniHermenêUtica   Pr José Polini
HermenêUtica Pr José Polini
 

Semelhante a Hermenêutica - Introdutória

Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1
Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1
Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1
Luís Lobo
 
Animação Bíblica da Vida e da Pastoral
Animação Bíblica da Vida e da PastoralAnimação Bíblica da Vida e da Pastoral
Animação Bíblica da Vida e da Pastoral
Clarisse Kopp
 

Semelhante a Hermenêutica - Introdutória (20)

Homilética etecam
Homilética etecamHomilética etecam
Homilética etecam
 
O sermão
O sermãoO sermão
O sermão
 
Evangélico curso de teologia - homilética
Evangélico   curso de teologia - homiléticaEvangélico   curso de teologia - homilética
Evangélico curso de teologia - homilética
 
Espiritua-BIBLICA.ppt
Espiritua-BIBLICA.pptEspiritua-BIBLICA.ppt
Espiritua-BIBLICA.ppt
 
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.pptINTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
 
Apostila sobre A Doutrina Reformada
Apostila sobre A Doutrina ReformadaApostila sobre A Doutrina Reformada
Apostila sobre A Doutrina Reformada
 
Mpc Teologia Sistematica
Mpc   Teologia SistematicaMpc   Teologia Sistematica
Mpc Teologia Sistematica
 
Proclamando Boas Novas - Bases solidas para o evangelismo Timoteo Carriker
Proclamando Boas Novas - Bases solidas para o evangelismo Timoteo CarrikerProclamando Boas Novas - Bases solidas para o evangelismo Timoteo Carriker
Proclamando Boas Novas - Bases solidas para o evangelismo Timoteo Carriker
 
Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1
Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1
Biblia na familia_e-_familiaridade_com_a_biblia-4c2ba-ano_v1
 
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptxCurso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
 
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
Diretório Nacional de Catequese (Capítulo 4 CATEQUESE: MENSAGEM E CONTEÚDO)
 
Animação Bíblica da Pastoral
Animação Bíblica da PastoralAnimação Bíblica da Pastoral
Animação Bíblica da Pastoral
 
Aula 04 – a escritura completa
Aula 04 – a escritura completaAula 04 – a escritura completa
Aula 04 – a escritura completa
 
Homilética - lição - 02
Homilética - lição - 02Homilética - lição - 02
Homilética - lição - 02
 
Curso de teologia - homilética
Curso de teologia - homiléticaCurso de teologia - homilética
Curso de teologia - homilética
 
3 nota
3 nota3 nota
3 nota
 
A Homilia
A HomiliaA Homilia
A Homilia
 
Animação Bíblica da Vida e da Pastoral
Animação Bíblica da Vida e da PastoralAnimação Bíblica da Vida e da Pastoral
Animação Bíblica da Vida e da Pastoral
 

Mais de ibpcursos (6)

Homilética - Igreja Batista do Povo
Homilética - Igreja Batista do PovoHomilética - Igreja Batista do Povo
Homilética - Igreja Batista do Povo
 
Homilética - Igreja Batista do Povo
Homilética - Igreja Batista do PovoHomilética - Igreja Batista do Povo
Homilética - Igreja Batista do Povo
 
Homilética - Curso: Escola de Profetas IBP
Homilética  - Curso: Escola de Profetas IBPHomilética  - Curso: Escola de Profetas IBP
Homilética - Curso: Escola de Profetas IBP
 
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
Estudo - 1 Tessalonicenses ( Comentário de Moody )
 
Biografia - Igreja de Tessalônica
Biografia - Igreja de TessalônicaBiografia - Igreja de Tessalônica
Biografia - Igreja de Tessalônica
 
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticosHermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
 

Último

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

Hermenêutica - Introdutória

  • 2. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Praticamente todos os livros que tratam a respeito de pregação enfatizam que a Igreja de nossos dias sofre com um declínio da pregação.  Em muitas igrejas ela vem sendo substituída por muitas outras atividades como testemunhos, discursos, músicas, etc.
  • 3. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Na década de 70 Dr Martyn Lloyd-Jones dizia que a pregação era a tarefa primordial da Igreja e explicou que enfatizava isso por causa da tendência de desprezar a pregação substituindo-a por outras atividades. Infelizmente de lá para cá a situação não melhorou.  Na década de 90 John Timmerman disse que em muitas igrejas, o sermão é uma ilha diminuindo cada vez mais em um mar turbulento de atividades.
  • 4. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Bill Hybels (Willow Creek – Chicago – E.U.A) - não podendo mais o fato do seu desvio da pregação do Cristianismo "jurou que não ia ensinar mais sobre o pecado e sobre o Cristianismo, e menos sobre cura emocional. (Em 1983 Hybels declarou que ele via finalmente sua imagem como uma ovelha " negra“)  Joel Osteen (Lakewood Church – Houston – Texas E.U.A)- A Night of Hope (uma noite de esperança) Não gosta de falar: arrependimento, pecado, evita pregar todo o conselho de Deus.  leia – Gl 1:10-11
  • 5. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA O que é pregação? A pregação é constituída de 4 coisas: Proclamar a mensagem dada pelo Rei – Isto nos fala da fonte e autoridade da pregação; Anunciar boas novas – Isto nos fala da qualidade e espírito da pregação;
  • 6. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  É dar testemunho dos fatos – Isto nos fala da natureza e da base na qual está fundamentada a pregação;  É um esclarecimento das implicações da mensagem – Isto nos fala do alvo (o coração do ouvinte) e da medida do sucesso (mudança de vida do ouvinte) da pregação.
  • 7. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA Em resumo poderíamos dizer que pregar é: Ler o texto, Explicar o texto e Aplicar o texto.
  • 8. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Como Deve ser a Pregação  A pregação da Palavra é central e inegociável para uma adoração autentica. A pregação é uma das marcas da verdadeira igreja.  John Stott disse que pregar é indispensável ao cristianismo.  Mas se pregar é essencial de que tipo de pregação estamos falando?  Estamos falando da pregação expositiva.
  • 9. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Pregação Expositiva  Muito do que acontece em pulpitos evangélicos hoje não é pregação.  Pregar não é dizer coisas interessantes sobre Deus, ou apresentar um discurso religioso ou ainda narrar uma história.  Pregar também não é trazer uma mensagem de auto-ajuda.
  • 10. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA Em todos os casos citados a força declarativa da Escritura é enfraquecida. Um dos primeiros passos para resgatarmos a pregação cristã autêntica é definir o que queremos dizer quando usamos o termo pregar.
  • 11. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Em linhas gerais, como já dissemos, pregar é ler o texto, explicar o texto e aplicar o texto.  Uma boa ilustração para pregação é encontrada em Neemias 8.8. Ali diz que Esdras tomou o livro da lei o leu e deu claras explicações de maneira que o povo entendesse.  Explicar é expor o texto, analisa-lo e tornar claro o seu significado.  Este é o cerne da pregação expositiva, ou seja, ler a Palavra de Deus e em seguida explica-la às pessoas de modo que elas entendam.
  • 12. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Quais as características da pregação expositiva?  A Pregação Expositiva é aquele tipo de pregação cristã que tem como propósito central a apresentação e a Aplicação do texto Bíblico.  Todos os outros interesses são subordinados à tarefa central de apresentar o texto bíblico.  O Texto da Escritura tem o direito de estabelecer tanto o conteúdo quanto a estrutura do sermão.  Quais são as marcas da pregação expositiva?
  • 13. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Quais são as marcas da pregação expositiva? 1. É caracterizada por autoridade 2. Cria um Senso de Reverencia 3. Está no centro do culto 4. Aponta para Cristo (Sua pessoa, obra ou ensino)
  • 14. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA Qual o conteúdo da pregação expositiva?  Uma das características mais distintivas da pregação diz respeito ao seu conteúdo bíblico e cristocentrico.  Em tempos em que a pregação tem como conteúdo promessas de cura e prosperidade, especulação filosofica, etc é sem dúvida relevante indagar qual deve ser o conteúdo da pregação.
  • 15. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Bíblico  Os reformadores pregaram a Bíblia, toda a Bíblia e só a Bíblia.  Foi o conteúdo bíblico que conferiu autoridade a pregação deles.  Para os puritanos pregação verdadeira sempre foi exposição da Bíblia.  Pregação bíblica é pregar a mensagem da Bíblia, a partir da Bíblia e no contexto em que a Bíblia a coloca.
  • 16. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA Cristocentrico  A pregação reformada é particularmente cristocentrica.  Os reformadores pregavam a Bíblia toda tendo Cristo, sua pessoa, obra e reino como tema central.  Spurgeon certa vez em uma ilustração disse que assim como de cada cidade, vila ou povoado há uma caminho para Londres, assim também de cada texto bíblico há um caminho para Cristo.
  • 17. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  Cristocentrico  Van Groningen disse que a Bíblia tem três linhas que a percorrem toda: Reino, Aliança e Mediador.  O Reino corresponde ao povo de Deus.  A Aliança é o meio através do qual Deus se relaciona com este povo.  O Mediador é aquele através de quem a aliança é firmada.  Em todas as passagens bíblicas pelo menos um dos temas está presente de modo que a partir deste se consegue chegar aos demais chegando, portanto, sempre ao mediador que é Cristo.
  • 18. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  O Que Torna a Pregação excelente  Exatidão Exegética  Não haverá um pregador verdadeiro se tudo o que ele disser não estiver fundamentado em exatidão exegética.
  • 19. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  O Que Torna a Pregação excelente  Exatidão Exegética  Pecamos quando pregamos aquilo que imaginamos ser o que a Escritura ensina e não o seu verdadeiro significado.  Não podemos chegar diante da congregação e dizer que Deus disse o que na verdade ele não disse.
  • 20. POR QUE ESTUDAR HERMENEUTICA  É preciso fugir:  Da Superstição – Ficar procurando significados ocultos (numerologia, por exemplo)  Alegoria – Exemplo:  Gen. 24 Abrãao é Deus, Isaque Cristo e o servo de Abraão o Espírito Santo. Rebeca é a Igreja e os camelos são as benção espirituais com as quais o Espírito Santo conduz a Igreja até Cristo.
  • 21. DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA Para uma boa pregação a Hermeneutica é fundamental.
  • 22. DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA Para uma boa pregação a Hermeneutica é fundamental. "Hermenêutica é a ciência que nos ensina os princípios, as leis e os métodos de interpretação". (Berkhof)
  • 23. DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA "Hermenêutica é a ciência da interpretação". (Barrows)
  • 24. DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA "A hermenêutica é a ciência e a arte da interpretação bíblica". (Virkler)
  • 25. DEFINIÇÕES DE HERMENEUTICA A hermenêutica é uma ciência e uma arte. É uma ciência porque é orientada através de regras com um sistema. É uma arte porque a aplicação das regras é pela prática e não por imitação mecânica.
  • 26. O PROPÓSITO DA HERMENEUTICA O propósito primeiro da hermenêutica é a interpretação das Escrituras. Um propósito secundário é o de tornar o texto e o seu sentido o mais claro possível, à luz do próprio texto e contexto.
  • 27. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA Ela é necessária por ao menos quatro fatores: 1. Diferenças Históricas: em razão do tempo, estamos separados dos escritores e leitores originais.
  • 28. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA 2. Diferenças Culturais: há diferenças culturais significativas da época dos escritores e leitores e da época contemporânea.
  • 29. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA 3. Diferenças Lingüísticas: as línguas e suas propriedades nas quais foram escritas.
  • 30. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA  4. Diferenças Filosóficas: pontos de vistas sobre a vida, circunstâncias, da natureza, do universo diferem entre várias culturas. Para se transmitir uma mensagem incontestável de uma cultura para outra, um tradutor ou leitor deve estar atento a respeito das similaridades e contrastes de âmbito geral.
  • 31. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA  Dois fatores contribuem para enfatizar tais necessidades:  averiguar o que Deus tem dito nas Escrituras. É importante determinar o que Deus tem dito nas Escrituras. Esta averiguação deve ser feita de forma cuidadosa, sistemática e de acordo com o sistema bíblico de interpretação, buscando o sentido primário da palavra, conhecendo a época do escritor e dos seus leitores.
  • 32. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA  Transpor as diferenças de nossas mentes quanto às mentes dos escritores bíblicos. As maiores divergências que dificultam a interpretação são as de natureza histórica, cultural, lingüística e filosófica.
  • 33.
  • 34. MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA  Pontos preliminares  O permanente e o temporal  Uma questão importante ao interpretar a Bíblia é a determinação daquilo que tem caráter invariável e geral e o que é apenas transitório ou particular.  Para se diferenciar entre o que é permanente e temporal deve-se, além de aplicar regras hermenêuticas, considerar também o que é relativo aos costumes e aos princípios.  O que é de natureza permanente nunca deve ser anulado, sob quaisquer argumentações.
  • 35. MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA  O essencial e o secundário  Deve-se ter sob considerações os graus de importância dos textos bíblicos, destacando-se o essencial como básico para uma visão adequada das Escrituras e para sua correta interpretação. A nenhuma passagem pode-se atribuir um significado contrário ao conteúdo fundamental da Bíblia.
  • 36. MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA  Pontos claros e obscuros  Nem todas as partes da Bíblia apresentam idêntica clareza em todos os seus temas. As doutrinas soteriológicas são definidas, embora não com simplicidade. Por outro lado, as escatológicas não são tão claras. Todavia, nenhum dos temas obscuros da Bíblia é fundamental.
  • 37. MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA  Abordaremos os seguintes Métodos:  Literal  Alegórico  Liberal  Histórico-crítico  Gramático-histórico
  • 38. MÉTODO LITERAL  Método Literal  Este método baseia-se no princípio de que um texto deve ser entendido sempre em seu sentido literal, a menos que isto seja racionalmente inadmissível, como sucede no caso de metáforas, símbolos, figuras de linguagem.
  • 39. MÉTODO LITERAL  1. Uma palavra deve ser compreendida em termos de sua sentença e a sentença, em termos do seu contexto.  2. uma passagem clara deve dar preferência a uma passagem obscura, quando se trata do mesmo assunto.
  • 40. MÉTODO ALEGÓRICO  A alegoria é uma metáfora ampliada. Difere da parábola no sentido em que esta tipicamente mantém a história distinta de sua interpretação ou aplicação, enquanto que aquela entrelaça a história e seu significado.
  • 41. MÉTODO ALEGÓRICO  Quando se trata de interpretação, parábola e alegoria diferem em outro ponto básico: a parábola possui um ponto central, um núcleo e os detalhes são significativos apenas enquanto se relacionam com esse núcleo. A alegoria geralmente tem diversos pontos de comparação, não necessariamente concentrados ao redor do ponto central.
  • 42. MÉTODO ALEGÓRICO  A alegoria contém, dentro de si mesma, a interpretação e, a coisa significada está identificada com a imagem. (Mt 5.13; Jo 15.1).  A alegoria continuamente emprega palavras em sentido metafórico e, sua narração, por muito supositiva que seja é, manifestamente fictícia.
  • 43. MÉTODO ALEGÓRICO  A alegoria é um discurso no qual o assunto principal está representado por algum outro assunto com o qual tem semelhança. Ec 12.3-7; Jo 10.1-16; 1Co 3.10-15; Gl 4.21-31).
  • 44. MÉTODO LIBERAL  O liberalismo se guia por alguns princípios que são considerados fundamentais no desenvolvimento da teologia. Tais princípios podem ser resumidos, como segue:
  • 45. MÉTODO LIBERAL  a liberdade de pensamento e ação.  autonomia da razão.  exaltação do homem como centro do pensamento e da experiência religiosa.
  • 46. MÉTODO LIBERAL  adaptação da teologia, ora à filosofia ora às ciências naturais e históricas.  possibilidades de mudança nos conceitos teológicos na medida em que o regresso cultural a torne necessária.
  • 47. MÉTODO LIBERAL  Regras do Método Liberal que são aplicadas à interpretação das Escrituras:  1. a mentalidade moderna deve governar a abordagem bíblica.  2. a Bíblia deve ser tratada apenas como um livro humano.
  • 48. MÉTODO LIBERAL  3. doutrinas como a do pecado, depravação total, inferno devem ser rejeitadas porque ofendem a 'sensibilidade' do homem moderno.  4. a ciência presume regularidade da natureza; portanto, os milagres devem ser rejeitados.
  • 49. MÉTODO LIBERAL  5. a inspiração é redefinida.  5.1. todas as formas de inspiração genuína são rejeitadas.  5.2. revelação é redefinida como um discernimento humano para verdades religiosas ou descobertas de verdades religiosas.
  • 50. MÉTODO LIBERAL  5.3. o supernatural é redefinido.  O supernatural pode significar: tudo aquilo que é extraordinário, miraculoso, oracular, não atingível ao conhecimento ou poder pela natureza humana ordinária; ou, pode significar: acima da ordem material, ou além do simples processo natural, isto é, a oração, ética, pensamento puro, imortalidade. A ortodoxia histórica aceita o supernaturalismo nos dois sentidos; por outro lado, o liberalismo aceita apenas o último.
  • 51. MÉTODO LIBERAL  5.4. tudo na Bíblia que é supernatural, em princípio, é rejeitado.  5.4.1. quando o milagre ou o supernatural é encontrado na Escritura é tratado como folclore, mitologia ou elaboração poética.  5.4.2. o conceito de evolução é aplicado à religião de Israel, e, portanto, aos documentos.  5.4.3. o primitivo e imaturo, ética e religiosamente é o anterior; o avançado e elevado é o posterior. Assim, pode-se recriar a religião de Israel e reajustar os documentos adequadamente.
  • 52. MÉTODO LIBERAL  5.5. o conceito de adaptação tem sido aplicado à Bíblia.  5.5.1. muito do conteúdo teológico da Bíblia é enfraquecido ou anulado por afirmar que as declarações teológicas estão em moldes transitórios ou perecíveis da terminologia antiga.  5.5.2. os únicos termos que Paulo poderia descrever a morte de Cristo baseiam-se nos sacrifícios sangrentos dos judeus. Assim, a doutrina da expiação é conveniente às expressões do seu tempo e estas não são adequadas a nós.
  • 53. MÉTODO LIBERAL  5.6. a Bíblia foi interpretada historicamente - como uma vingança.  A interpretação histórica é usada num nivelamento especial e num sentido reducionista pela interpretação liberal.  5.6.1. esforça-se por quebrar a unidade da Bíblia.  5.6.2. torna a religião um fenômeno variante e mutável, assim tornando impossível 'canonizar' qualquer período de seu desenvolvimento ou de sua literatura.
  • 54. MÉTODO LIBERAL  5.6.3. crê que há condições sociais que criaram crenças teológicas e a tarefa do intérprete não é defender estas crenças (como a ortodoxia), mas compreender as condições sociais que as produziram.  5.6.4. enfatiza a continuidade da religião bíblica com as religiões, e enfatiza o ecumenismo, sincretismo.  5.6.5. enfatiza tanto a necessidade de encontrar o significado de uma passagem para os leitores originais dela, que repudia o elemento profético ou preditivo da profecia.  5.6.6. rejeita a tipologia e a profecia preditiva como abusos cristãos do Antigo Testamento.
  • 55. MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO  Este método tem a sua origem na expansão do humanismo renascentista, embora não tenha adquirido caráter próprio até a época do iluminismo.  Seu objetivo é descobrir o sentido dos textos bíblicos dentro do contexto da história de Israel, referente ao Antigo Testamento. Este método, quando corretamente aplicado, é útil. Inclui a investigação de fatos, tais como o autor, a data em que o livro foi escrito, possíveis fontes de informações usadas pelo autor bíblico, gênero literário, "background", peculiaridades lingüísticas, informações arqueológicas, procedência de fontes literárias que ajudam na interpretação do texto e na determinação de seu significado básico.  A dificuldade quanto a este método é que sua ênfase principal não se baseia na indagação histórica, e sim, na crítica. Por si mesmo, também é insuficiente para atingir a plenitude do significado de um texto bíblico.
  • 56. MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO  Este método tem a sua origem na expansão do humanismo renascentista, embora não tenha adquirido caráter próprio até a época do iluminismo.
  • 57. MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO  Seu objetivo é descobrir o sentido dos textos bíblicos dentro do contexto da história de Israel, referente ao Antigo Testamento. Este método, quando corretamente aplicado, é útil. Inclui a investigação de fatos, tais como o autor, a data em que o livro foi escrito, possíveis fontes de informações usadas pelo autor bíblico, gênero literário, "background", peculiaridades lingüísticas, informações arqueológicas, procedência de fontes literárias que ajudam na interpretação do texto e na determinação de seu significado básico.
  • 58. MÉTODO HISTÓRICO-CRÍTICO  A dificuldade quanto a este método é que sua ênfase principal não se baseia na indagação histórica, e sim, na crítica. Por si mesmo, também é insuficiente para atingir a plenitude do significado de um texto bíblico.
  • 59. MÉTODO GRAMÁTICO- HISTÓRICO  Este método tem como objetivo achar o significado de um texto sobre o que suas palavras expressam em seu sentido pleno e simples à luz do contexto histórico em que foram escritos.
  • 60. MÉTODO GRAMÁTICO- HISTÓRICO  A interpretação se efetua de acordo com as regras semânticas e gramaticais comuns à exegese de qualquer texto literário, no marco da situação do autor e dos leitores originais.  É tarefa do intérprete determinar com a maior precisão possível o que o escritor realmente intencionou dizer.
  • 61. MÉTODO GRAMÁTICO- HISTÓRICO  O estudo gramático-histórico de um texto inclui sua análise lingüística (palavras, gramática, contexto, textos paralelos, linguagem figurada) e o exame do seu "background".
  • 62. ANÁLISE LINGUÍSTICA  Deve ser considerado inadequado começar a análise de um texto, estudando separadamente cada um de seus vocábulos. O valor e o significado de uma palavra não dependem de si mesmas se não de sua relação com todas as palavras do contexto.
  • 63. ANÁLISE LINGUÍSTICA  É aconselhável começar a análise lingüística com uma leitura do texto no seu contexto mais amplo; o que, às vezes, pode ser todo um livro.
  • 64. ANÁLISE LINGUÍSTICA  Para se conhecer a idéia central de um texto é importante selecionar as palavras que são mais significativas, para saber quando a palavra é mais significativa, deve-se notar os seguintes pontos:
  • 65. ANÁLISE LINGUÍSTICA  se ela desempenha um papel importante na passagem em consideração.  se ela tem ocorrido com freqüência em contextos anteriores.  se ela é importante no curso da história da salvação anterior ao texto.
  • 66. ANÁLISE LINGUÍSTICA  Toda palavra selecionada deve ser analisada com o objetivo de determinar o seu significado.  Para isso é importante:  1. Considerar o significado que a palavra tinha na linguagem comum em uma determinada época.  Exemplo a palavra “carne” denotava:
  • 67. ANÁLISE LINGUÍSTICA  1. carne de animal usada para o alimento do homem.  2. o corpo humano na sua totalidade.  3. toda a humanidade, quando se refere a toda carne.
  • 68. ANÁLISE LINGUÍSTICA  Todavia, quando Paulo faz uso do termo carne um novo significado é dado, ou seja, é usado no sentido eminentemente moral; a natureza do homem caído, separado de Deus, a raiz e a origem de todas as obras más. (Gl 5.19-21)
  • 69. ANÁLISE LINGUÍSTICA  2. Considerar a variação de significados que uma palavra pode ter em uma mesma época, e, inclusive, nos escritos de um mesmo autor.  Exemplo a palavra “mundo”denotava:
  • 70. ANÁLISE LINGUÍSTICA  2. Considerar a variação de significados que uma palavra pode ter em uma mesma época, e, inclusive, nos escritos de um mesmo autor.  Exemplo a palavra “mundo”:
  • 71. ANÁLISE LINGUÍSTICA  A palavra “mundo” usada por João no seu Evangelho 3.16 claramente tem um sentido diferente do uso em I João 2.15.
  • 72. ANÁLISE LINGUÍSTICA  Para se determinar o sentido de uma palavra, quando este é variável, deve-se observar os seguintes princípios:  o significado dado pelo próprio autor.  o sentido de muitos termos é determinado por outras palavras, expressões ou frases que se unem às primeiras como complementos. (Ef 2.1)
  • 73. ANÁLISE LINGUÍSTICA  o sentido das palavras é descoberto através de contrastes ou oposição. Determinadas passagens, especialmente as poéticas, são ricas em paralelismo. Uma mesma idéia pode ser expressa duplamente mediante frases análogas ou antitéticas, o que facilita a compreensão de ambas.
  • 74. CONTEXTO E PARALELISMO  Contexto  O termo “contexto” Aplicado a documentos escritos, expressa a conexão de pensamento que existe entre suas diferentes partes para fazer dela um todo coerente.
  • 75. CONTEXTO E PARALELISMO  Extensão do Contexto  Temos o contexto remoto e o contexto imediato. O primeiro, em seu sentido amplo, é constituído de toda a Escritura. Porém, desse contexto, deve-se passar para outros cada vez menores: Antigo e Novo Testamentos.
  • 78. CONTEXTO E PARALELISMO  Tipos de Contextos  A conexão entre o texto e seu contexto imediato pode ser: 1. Lógica: quando as idéias do texto aparecem entrelaçadas na linha de pensamento de toda seção. 2. Histórica: quando existe uma relação com determinados atos ou acontecimentos. 3. Teológica: quando o conteúdo do texto forma uma parte do argumento doutrinário.
  • 79. CONTEXTO E PARALELISMO  Tipos de Contextos  A conexão entre o texto e seu contexto imediato pode ser: 1. Lógica: quando as idéias do texto aparecem entrelaçadas na linha de pensamento de toda seção. 2. Histórica: quando existe uma relação com determinados atos ou acontecimentos. 3. Teológica: quando o conteúdo do texto forma uma parte do argumento doutrinário.