SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
História daHistória da
interpretação Bíblicainterpretação Bíblica
1.Exegese judaica antiga
2.Uso do AT pelo NT
3.Exegese Patrística
4.Exegese Medieval
5.Exegese da Reforma
6.Exegese da Pós Reforma
7.Hermenêutica Moderna
1.Exegese Judaica Antiga1.Exegese Judaica Antiga
Começou com Esdras Neemias 8:8
Usavam o letrismo(enfoque indevido as
letras das quais se compunham as
palavras da escritura)
Para eles todas as letras tinham palavras
ocultas.
O Significado do autor era menosprezado
e em seu lugar se introduzia uma
especulação fantástica.
.Exegese Judaica Antiga.Exegese Judaica Antiga
No tempo de Cristo a exegese judaica
podia se classificar em quatro tipos
principais
“ A interpretação Midrashica”
“A interpretação Literal”
“A interpretação pesher”
“A interpretação alegórica”
A interpretação MidráshicaA interpretação Midráshica
1-Dava significado a textos, frases, e
palavras sem levar em conta o contexto
no qual se tencionava fossem aplicados
2-Combinavam os textos que continham
palavras ou frases semelhantes, sem
considerar se tais textos referiam se a
mesma idéia
A interpretação MidráshicaA interpretação Midráshica
3-Tomava aspectos incidentais de
gramática e lhes dava significação
interpretativa
Ex: A soma das letras do nome de
Eliezer,servo de Abraão, é equivalente a
318, o numero de seus homens
capazes(Gn14.14), e por conseguinte,
mostra que Eliezer sozinho tinha a força
de um exército
A interpretação PesherA interpretação Pesher
A Interpretação Pesher emprestou
extensivamente das práticas Midráshicas,
mas incluía um enfoque escatológico
Eles acreditavam que tudo quanto os
antigos profetas escreveram tinha
significado profético velado que devia ser
eminentemente cumprido por intermédio
de sua comunidade do pacto.
A interpretação PesherA interpretação Pesher
Era comum a interpretação Apocalíptica
Muitas vezes a interpretação Pesher era
denotada pela frase “esta é aquela”,
indicando que “ este presente fenômeno é
cumprimento daquela antiga profecia”
A interpretação AlegóricaA interpretação Alegórica
Baseava se no fato de que o verdadeiro
sentido jaz sob o significado literal da
escritura
Historicamente o Alegorismo foi
desenvolvido pelos gregos para reduzir a
tensão entre a tradição de mito religioso e
sua herança filosófica
A interpretação AlegóricaA interpretação Alegórica
Visto que os Mitos religiosos continham
muita coisa Imoral ou de outro modo
inaceitáveis, os filofosos gregos davam
forma de alegorias a essas histórias, isto
é os mitos não deviam ser entendidos de
forma literal, mas como histórias cuja real
verdade faz jus num nível mais profundo
A EXEGESE MEDIEVALA EXEGESE MEDIEVAL
Pouca erudição teve origem na Idade
Média
A maior parte dos estudantes da bíblia
devotava se a estudar e compilar as obras
dos pais primitivos
A interpretação foi amarrada pela tradição
e o que se destacava era o método
alegórico
A EXEGESE MEDIEVALA EXEGESE MEDIEVAL
Nicolau de Lyra(1270?-1340?) Foi um
Homem que causou impacto sobre o
retorno à interpretação literal
Ele se queixava que os outros sentidos
muitas vezes eram usados para sufocar o
literal, e asseverava que só o literal
deveria ser usado como base de doutrina
A obra de Nicolau influenciou
profundamente Martinho Lutero e muitos
acreditam que foi essa influencia que
ocasionou a reforma
Exegese da ReformaExegese da Reforma
Na época da reforma alguns doutores
nunca haviam lido a bíblia toda
De acordo com Lutero, uma interpretação
adequada da escritura deve proceder de
uma compreensão literal do texto.
Para ele o interprete deve considerar as
condições históricas e gramáticas e o
contexto
Exegese da ReformaExegese da Reforma
Um dos grandes princípios Hermenêuticos
de Lutero dizia que se deve fazer
cuidadosa distinção entre lei e o
evangelho
Exegese da ReformaExegese da Reforma
Calvino(1509-1564)
O maior exegeta da reforma foi sem
duvida nenhuma Calvino que concordava
com Lutero
“ A escritura interpreta a escritura”
Ele declarou que a primeira tarefa de um
interprete é deixar que o autor diga o que
ele de fato diz,em vez de atribuir lhe o
que pensa que ele deva dizer
Exegese da ReformaExegese da Reforma
A única coisa que ele não partilhava com
Lutero era a opinião de que Cristo estava
em todos as partes das escrituras(Ele não
concordava quanto ao numero de Salmos
que são legitimamente messiânicos)
Exegese da Pós-ReformaExegese da Pós-Reforma
Confessionalismo
Os métodos hermenêuticos durante esse
período amiúde eram deficientes por que
a exegese se tornou uma criada da
dogmática, e muitas vezes degenerou se
em mera escolha de texto para
comprovação
Exegese da Pós-ReformaExegese da Pós-Reforma
Pietismo
O pietismo surgiu como reação a exegese
dogmática do período confessional
Philipp Jakob Spener(1635-1705), é
considerado o líder do reavivamento
pietista
Os pietistas alegam que para interpretar a
biblia é preciso uma luz interior ou de
uma unção do Santo e só
Exegese da Pós-ReformaExegese da Pós-Reforma
Racionalismo
O racionalismo, posição filosófica que
aceita razão como a única autoridade que
determina as opções ou curso de ação de
alguém
HermenêuticaHermenêutica
Moderna(1800 até oModerna(1800 até o
presente)presente)
Liberalismo
O racionalismo lançou a base do
liberalismo teológico
Os milagres eram explicados como coisa
comum
A pergunta dos eruditos já não era “Que é
que Deus diz no texto”,e sim “Que é que o
texto diz a respeito do desenvolvimento
da consciência religiosa deste primitivo
culto hebraico?
HermenêuticaHermenêutica
Moderna(1800 até oModerna(1800 até o
presente)presente)
Neo-Ortodoxia
A neo-ortodoxia é um fenômeno do século
xx.
Ela rompe com o liberal que acredita que
a escritura é tão somente produto do
aprofundamento da consciência
humana,mas detem-se antes de chegar a
perspectiva ortodoxa da revelação
HermenêuticaHermenêutica
Moderna(1800 até oModerna(1800 até o
presente)presente)
A Nova Hermenêutica
Ela tem sido uma criação européia a partir
da segunda guerra mundial
Nessa teoria a Hermenêutica já não é a
ciência que formula princípios pelos quais
os textos podem ser compreendidos; é,
antes,uma investigação da função da
hermenêutica da fala como tal, e assim
tem um raio de ação muito mais amplo e
profundo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
Paulo Ferreira
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da Bíblia
Antonio Fernandes
 
A Doutrina das Escrituras
A Doutrina das EscriturasA Doutrina das Escrituras

Mais procurados (20)

Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblica
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da Bíblia
 
Disciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia BíblicaDisciplina de Arqueologia Bíblica
Disciplina de Arqueologia Bíblica
 
Hermeneutica bíblica cópia
Hermeneutica bíblica   cópiaHermeneutica bíblica   cópia
Hermeneutica bíblica cópia
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Cronologia Bíblica do Antigo Testamento
Cronologia Bíblica do Antigo TestamentoCronologia Bíblica do Antigo Testamento
Cronologia Bíblica do Antigo Testamento
 
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
Pentateuco - Genesis - EPOS - Aula 1
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
 
A Doutrina das Escrituras
A Doutrina das EscriturasA Doutrina das Escrituras
A Doutrina das Escrituras
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizado
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 

Destaque

Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
denilsonlemes
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegórica
Diego Fortunatto
 
HermenêUtica Pr José Polini
HermenêUtica   Pr José PoliniHermenêUtica   Pr José Polini
HermenêUtica Pr José Polini
renaapborges
 
Exegese do novo testamento 1
Exegese do novo testamento 1Exegese do novo testamento 1
Exegese do novo testamento 1
Evaldo Beranger
 

Destaque (20)

Exegese do Antigo Testamento
Exegese do Antigo TestamentoExegese do Antigo Testamento
Exegese do Antigo Testamento
 
Hermenêutica ensinai
Hermenêutica  ensinaiHermenêutica  ensinai
Hermenêutica ensinai
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
 
HERMENÊUTICA
HERMENÊUTICAHERMENÊUTICA
HERMENÊUTICA
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
 
Omar interpretação bíblica básica
Omar   interpretação bíblica básicaOmar   interpretação bíblica básica
Omar interpretação bíblica básica
 
Esboço de exodo
Esboço de exodoEsboço de exodo
Esboço de exodo
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
 
Trabalho hermeneutica
Trabalho hermeneutica  Trabalho hermeneutica
Trabalho hermeneutica
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegórica
 
HermenêUtica Pr José Polini
HermenêUtica   Pr José PoliniHermenêUtica   Pr José Polini
HermenêUtica Pr José Polini
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
 
Caça palavras
Caça palavrasCaça palavras
Caça palavras
 
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticosHermeneutica - Métodos hermenêuticos
Hermeneutica - Métodos hermenêuticos
 
Exegese do novo testamento 1
Exegese do novo testamento 1Exegese do novo testamento 1
Exegese do novo testamento 1
 

Semelhante a História da interpretação bíblica (1)

Historia da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesHistoria da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slides
Tarcísio Picaglia
 
Dialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdf
Dialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdfDialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdf
Dialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdf
LeandroSantos258975
 
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
ssuser901b57
 
03exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp0203exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp02
Convenção Cimadeba
 
Diferencas entre o Mashiach e Yeshua
Diferencas entre o Mashiach e YeshuaDiferencas entre o Mashiach e Yeshua
Diferencas entre o Mashiach e Yeshua
Efraim Ben Tzion
 

Semelhante a História da interpretação bíblica (1) (20)

Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
1 Hermenêutica - Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
1 Hermenêutica -  Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf1 Hermenêutica -  Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
1 Hermenêutica - Definição e Desenvolvimento Histórico.pdf
 
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA  AULA 2.pptESCATOLOGIA  AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
 
ESCATOLOGIA AULA 4.ppt
ESCATOLOGIA AULA 4.pptESCATOLOGIA AULA 4.ppt
ESCATOLOGIA AULA 4.ppt
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
 
ESCATOLOGIA AULA 5 (1).ppt
ESCATOLOGIA AULA 5 (1).pptESCATOLOGIA AULA 5 (1).ppt
ESCATOLOGIA AULA 5 (1).ppt
 
Historia da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slidesHistoria da teologia_biblica-slides
Historia da teologia_biblica-slides
 
STNB-NT1-M2
STNB-NT1-M2STNB-NT1-M2
STNB-NT1-M2
 
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013
 
Dialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdf
Dialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdfDialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdf
Dialnet-OMetodoHistoricocriticoESeuHorizonteHermeneutico-6342688.pdf
 
Estrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.pptEstrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.ppt
 
Filosofia medieval 25tp
Filosofia medieval 25tpFilosofia medieval 25tp
Filosofia medieval 25tp
 
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
03exegebblica-140513132332-phpapp02.pdf
 
03 exege bíblica
03 exege bíblica03 exege bíblica
03 exege bíblica
 
03exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp0203exegebblica 140513132332-phpapp02
03exegebblica 140513132332-phpapp02
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
 
Homilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Homilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIAHomilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
Homilética I - CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA
 
Diferencas entre o Mashiach e Yeshua
Diferencas entre o Mashiach e YeshuaDiferencas entre o Mashiach e Yeshua
Diferencas entre o Mashiach e Yeshua
 

Mais de Aniel Wagner Cruz (8)

Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática
 
Introdução a teologia aula 1
Introdução a teologia  aula 1Introdução a teologia  aula 1
Introdução a teologia aula 1
 
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
 
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
Introduoateologiaaula2 150821163210-lva1-app6892
 
Introdução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemáticaIntrodução a teologia sistemática
Introdução a teologia sistemática
 
Nossas igrejas na cidade de Mogi Guaçu- SP
Nossas igrejas na cidade de Mogi Guaçu- SPNossas igrejas na cidade de Mogi Guaçu- SP
Nossas igrejas na cidade de Mogi Guaçu- SP
 
Nossas igrejas, nossa história
Nossas igrejas, nossa históriaNossas igrejas, nossa história
Nossas igrejas, nossa história
 
Nossas igrejas, nossa história-ICPB Mogi Guaçu
Nossas igrejas, nossa história-ICPB Mogi GuaçuNossas igrejas, nossa história-ICPB Mogi Guaçu
Nossas igrejas, nossa história-ICPB Mogi Guaçu
 

História da interpretação bíblica (1)

  • 1. História daHistória da interpretação Bíblicainterpretação Bíblica 1.Exegese judaica antiga 2.Uso do AT pelo NT 3.Exegese Patrística 4.Exegese Medieval 5.Exegese da Reforma 6.Exegese da Pós Reforma 7.Hermenêutica Moderna
  • 2. 1.Exegese Judaica Antiga1.Exegese Judaica Antiga Começou com Esdras Neemias 8:8 Usavam o letrismo(enfoque indevido as letras das quais se compunham as palavras da escritura) Para eles todas as letras tinham palavras ocultas. O Significado do autor era menosprezado e em seu lugar se introduzia uma especulação fantástica.
  • 3. .Exegese Judaica Antiga.Exegese Judaica Antiga No tempo de Cristo a exegese judaica podia se classificar em quatro tipos principais “ A interpretação Midrashica” “A interpretação Literal” “A interpretação pesher” “A interpretação alegórica”
  • 4. A interpretação MidráshicaA interpretação Midráshica 1-Dava significado a textos, frases, e palavras sem levar em conta o contexto no qual se tencionava fossem aplicados 2-Combinavam os textos que continham palavras ou frases semelhantes, sem considerar se tais textos referiam se a mesma idéia
  • 5. A interpretação MidráshicaA interpretação Midráshica 3-Tomava aspectos incidentais de gramática e lhes dava significação interpretativa Ex: A soma das letras do nome de Eliezer,servo de Abraão, é equivalente a 318, o numero de seus homens capazes(Gn14.14), e por conseguinte, mostra que Eliezer sozinho tinha a força de um exército
  • 6. A interpretação PesherA interpretação Pesher A Interpretação Pesher emprestou extensivamente das práticas Midráshicas, mas incluía um enfoque escatológico Eles acreditavam que tudo quanto os antigos profetas escreveram tinha significado profético velado que devia ser eminentemente cumprido por intermédio de sua comunidade do pacto.
  • 7. A interpretação PesherA interpretação Pesher Era comum a interpretação Apocalíptica Muitas vezes a interpretação Pesher era denotada pela frase “esta é aquela”, indicando que “ este presente fenômeno é cumprimento daquela antiga profecia”
  • 8. A interpretação AlegóricaA interpretação Alegórica Baseava se no fato de que o verdadeiro sentido jaz sob o significado literal da escritura Historicamente o Alegorismo foi desenvolvido pelos gregos para reduzir a tensão entre a tradição de mito religioso e sua herança filosófica
  • 9. A interpretação AlegóricaA interpretação Alegórica Visto que os Mitos religiosos continham muita coisa Imoral ou de outro modo inaceitáveis, os filofosos gregos davam forma de alegorias a essas histórias, isto é os mitos não deviam ser entendidos de forma literal, mas como histórias cuja real verdade faz jus num nível mais profundo
  • 10. A EXEGESE MEDIEVALA EXEGESE MEDIEVAL Pouca erudição teve origem na Idade Média A maior parte dos estudantes da bíblia devotava se a estudar e compilar as obras dos pais primitivos A interpretação foi amarrada pela tradição e o que se destacava era o método alegórico
  • 11. A EXEGESE MEDIEVALA EXEGESE MEDIEVAL Nicolau de Lyra(1270?-1340?) Foi um Homem que causou impacto sobre o retorno à interpretação literal Ele se queixava que os outros sentidos muitas vezes eram usados para sufocar o literal, e asseverava que só o literal deveria ser usado como base de doutrina A obra de Nicolau influenciou profundamente Martinho Lutero e muitos acreditam que foi essa influencia que ocasionou a reforma
  • 12. Exegese da ReformaExegese da Reforma Na época da reforma alguns doutores nunca haviam lido a bíblia toda De acordo com Lutero, uma interpretação adequada da escritura deve proceder de uma compreensão literal do texto. Para ele o interprete deve considerar as condições históricas e gramáticas e o contexto
  • 13. Exegese da ReformaExegese da Reforma Um dos grandes princípios Hermenêuticos de Lutero dizia que se deve fazer cuidadosa distinção entre lei e o evangelho
  • 14. Exegese da ReformaExegese da Reforma Calvino(1509-1564) O maior exegeta da reforma foi sem duvida nenhuma Calvino que concordava com Lutero “ A escritura interpreta a escritura” Ele declarou que a primeira tarefa de um interprete é deixar que o autor diga o que ele de fato diz,em vez de atribuir lhe o que pensa que ele deva dizer
  • 15. Exegese da ReformaExegese da Reforma A única coisa que ele não partilhava com Lutero era a opinião de que Cristo estava em todos as partes das escrituras(Ele não concordava quanto ao numero de Salmos que são legitimamente messiânicos)
  • 16. Exegese da Pós-ReformaExegese da Pós-Reforma Confessionalismo Os métodos hermenêuticos durante esse período amiúde eram deficientes por que a exegese se tornou uma criada da dogmática, e muitas vezes degenerou se em mera escolha de texto para comprovação
  • 17. Exegese da Pós-ReformaExegese da Pós-Reforma Pietismo O pietismo surgiu como reação a exegese dogmática do período confessional Philipp Jakob Spener(1635-1705), é considerado o líder do reavivamento pietista Os pietistas alegam que para interpretar a biblia é preciso uma luz interior ou de uma unção do Santo e só
  • 18. Exegese da Pós-ReformaExegese da Pós-Reforma Racionalismo O racionalismo, posição filosófica que aceita razão como a única autoridade que determina as opções ou curso de ação de alguém
  • 19. HermenêuticaHermenêutica Moderna(1800 até oModerna(1800 até o presente)presente) Liberalismo O racionalismo lançou a base do liberalismo teológico Os milagres eram explicados como coisa comum A pergunta dos eruditos já não era “Que é que Deus diz no texto”,e sim “Que é que o texto diz a respeito do desenvolvimento da consciência religiosa deste primitivo culto hebraico?
  • 20. HermenêuticaHermenêutica Moderna(1800 até oModerna(1800 até o presente)presente) Neo-Ortodoxia A neo-ortodoxia é um fenômeno do século xx. Ela rompe com o liberal que acredita que a escritura é tão somente produto do aprofundamento da consciência humana,mas detem-se antes de chegar a perspectiva ortodoxa da revelação
  • 21. HermenêuticaHermenêutica Moderna(1800 até oModerna(1800 até o presente)presente) A Nova Hermenêutica Ela tem sido uma criação européia a partir da segunda guerra mundial Nessa teoria a Hermenêutica já não é a ciência que formula princípios pelos quais os textos podem ser compreendidos; é, antes,uma investigação da função da hermenêutica da fala como tal, e assim tem um raio de ação muito mais amplo e profundo