SlideShare uma empresa Scribd logo
DEFINIÇÃO
É a ciência e a arte de interpretar a mensagem bíblica.
OBJETIVOS
 Tornar o autor contemporâneo do leitor.
 Esclarecer tudo que haja de obscuro.
 Tornar o assunto compreensível - II Pedro 3:15 e 16.
ARTE
Porque contém
regras definidas,
organizadas.
CIÊNCIA
Porque na hora de aplicar as
regras há necessidade de bom
senso, sensibilidade.
• Todo leitor é um
intérprete.
• Nem todos os
“significados claros” são
igualmente claros para
todos.
O leitor como intérprete
As Escrituras defendem a necessidade de uma
Hermenêutica Bíblica.
 II Pedro 3:15, 16
Algumas coisas difíceis de serem entendidas.
 Luc. 24:27
O próprio Senhor Jesus reconheceu a necessidade de explicar às
Escrituras.
 II Tim. 2:15
Paulo recomenda a Timóteo que maneje bem as Escrituras.
 II Cor. 2:17
Não devemos corromper, falsificar as Escrituras.
Interpretando as Escrituras
• Três tem sido as principais visões com respeito
a Bíblia:
1. A Bíblia contém a Palavra de Deus
2. A Bíblia torna-se a Palavra de Deus
3. A Bíblia é a palavra de Deus
Confiabilidade das Escrituras
• É a Bíblia confiável?
1. Evidência interna:
a. Fio cristológico
b. Unidade temática
c. Coerência
d. Poder transformador
Confiabilidade das Escrituras
• É a Bíblia confiável?
2. Evidência Externa:
a. Escritos cristãos do período inicial da igreja que
confirmam a existência dos escritores da Bíblia
b. Escritos não cristãos que confirmam seu caráter
histórico
c. Manuscritos
d. Arqueologia (Ex.: Rolos do Mar Morto)
e. Profecia (cumprimento na História)
Confiabilidade das Escrituras
Autor Escrito em (cópia mais
antiga)
Intervalo de
Tempo
Números de
Manuscritos
Platão 427-347 a.C 900 d.C 1.200 anos 7
Tucídides 460-400 a.C 900 d.C 1.300 anos 8
Tácito 100 d.C 1100 d.C 1.000 anos 20
Suetônio 75-160 d.C 950 d.C 800 anos 8
Homero (Ilíada) 900 a.C 400 d.C 500 anos 643
Novo Testamento 40-100 d.C 125 d.C 25-50 anos 24.000
Confiabilidade das Escrituras
• 2Pe 1:19-20
• Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra
profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma
candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o
dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso
coração,sabendo, primeiramente, isto: que
nenhuma profecia da Escritura provém de
particular elucidação; porque nunca jamais
qualquer profecia foi dada por vontade humana;
entretanto, homens santos falaram da parte de
Deus, movidos pelo Espírito Santo.
• O primeiro e mais elevado dever de todo ser
racional é aprender das Escrituras o que é a
verdade, e então andar na luz, animando outros a
lhe seguirem o exemplo. Devemos dia após dia
estudar a Bíblia, diligentemente, ponderando
todo pensamento e comparando passagem com
passagem. Com o auxílio divino devemos formar
nossas opiniões por nós mesmos, visto termos de
responder por nós mesmos perante Deus. GC,
598
Cumprimentos em grego
• Feliz sábado
• Bom dia
• Boa tarde
LÍNGUAS BÍBLICAS
GREGO
ARAMAICO
HEBRAICO
Hebraico
Grego
rs'x.a, al{ y[iro hw"hy>
ynIlE)h]n:y> tAxånUm. ymeÞ-l[; ynIcE+yBir>y: av,D<â tAaån>Bi
Ou[twj ga.r hvga,phsen o` qeo.j to.n ko,smon(
w[ste to.n ui`o.n to.n monogenh/ e;dwken( i[na pa/j
o` pisteu,wn eivj auvto.n mh. avpo,lhtai avllV e;ch| zwh.n aivw,nionÅ
A Escritura é explicada pela Escritura, ou
seja: a Bíblia é sua própria intérprete.
INCREDULIDADE
HUMILDADE
ETAPAS
REVELAÇÃO
ILUMINAÇÃO
INSPIRAÇÃO
Embora a Bíblia tenha mantido os estilos
pessoais de expressão e liberdade dos
escritores humanos, ela é a palavra de Deus,
e toda inspirada por Deus mediante o
Espírito Santo.
Unicidade da Bíblia
Origem Divina
II Ped. 1:20
II Ped. 1:21
II Tim. 3:16
Dimensão humana
Linguagem
Características
peculiares
POSIÇÕES:
1o - A Bíblia é totalmente privada de erros.
2o - A Bíblia é sem erro toda vez que fala sobre salvação e fé,
mas pode possuir erros em outros pontos.
Ex. Comparar Mateus 27:9 com Zac 11:12-13
A Bíblia é perfeita, mas não é inerrante.
DIFICULDADES BÍBLICAS
Mat. 27:37 - (comparar com Mar. 15:26; Luc. 23:38; João 19:19)
I Cor. 10:8 com Núm. 25:9
Lucas 7:45-46 com Mateus 26:7
A Bíblia não é privada de erros como dizem os
inerrantistas, mas é fidedigna em sua mensagem central
(cristológica e soteriológica).
Nós, Adventistas do 7o. Dia, não somos inerrantistas e nem
liberais. Cremos nos fatos bíblicos, mas sabemos que há
erros na Bíblia, em face da limitação humana.
ANTIGO TESTAMENTO
Os profetas assim como os ouvintes tinham plena convicção
de que a mensagem era de origem divina.
NOVO TESTAMENTO
I Tim. 5:18 (Dt 25:4; Lc 10:7)- Paulo cita um texto do Antigo
Testamento e um do Novo Testamento e os coloca no mesmo
nível chamando de Escritura.
• Inspiração do AT
1. “A palavra do Senhor” – 239 vezes em 28 livros do AT
2. “Assim diz o Senhor” – 364 vezes
4. Testemunho do NT –
2 Pe 1: 21 – “homens inspirados pelo E. Santo”
Lc 1:70 – “Deus falou pela boca dos profetas”.
Lc 24:27 – “As Escrituras falam de Cristo”.
2Tm 3:16 – “Toda a Escritura é inspirada”.
Nossas doutrinas são baseadas:
1) Somente na Bíblia?
2) Somente no Espírito de Profecia?
3) Na Bíblia e no Espírito de Profecia?
Resposta certa: Somente na Bíblia
O princípio de Sola Scriptura reconhece a
unicidade , a veracidade da Bíblia.
Reconhece a autoridade da Bíblia.
1o - Aqueles de nosso meio que rejeitam os
escritos da senhora White, e sua autoridade como
profeta.
2o - Aqueles que consideram os escritos da
senhora White como uma segunda Bíblia, como
algo adicional ao Cânon bíblico.
Princípios para uma interpretação da
Parábola do Rico e Lázaro
• É uma parábola
• Contexto imediato
• A ética do AT exigia que os ricos cuidassem dos
pobres
• O rico da parábola era muito rico (favor divino)
• Lázaro era muito pobre (desabono divino?)
• Inversão
• Textos da tradição rabínica advertiam contra uma
possível condenação do rico no mundo porvir
Princípios para uma interpretação da
Parábola do Rico e Lázaro
• Narrativas do folclore judaico tocavam nesse assunto
• Alguns judeus do tempo de Jesus imaginavam que
parte do tormento dos ímpios consistia no fato de
eles poderem observar o galardão dos fiéis. Em
contrapartida, parte do descanso dos justos é que
estes podem observar a perplexidade dos ímpios em
face de seu tormento.
Princípios para uma interpretação da
Parábola do Rico e Lázaro
• RESUMO: Jesus toma emprestada a mentalidade
folclórica do judaísmo de sua época para
impressionar a sua audiência quanto ao amor à
riqueza, e não quanto ao estado do homem na
morte.
• E o que esta parábola fala sobre o estado do homem
na morte?
• Resposta: NADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Missões Adoração
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
Robson Rocha
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
Marcos Aurélio
 
Hermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblicaHermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblica
Wesley Abdel Valério
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
RODRIGO FERREIRA
 
Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
Silvio Fagundes
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica
Gabriel Rodrigues
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
Aula 04 e 05 provérbios
Aula 04 e 05   provérbiosAula 04 e 05   provérbios
Aula 04 e 05 provérbios
Pastor W. Costa
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
Diego Viana Melo Lima
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Gesiel Oliveira
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
Respirando Deus
 
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptxIBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptx
Rubens Sohn
 
Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1
Kairosphb
 

Mais procurados (20)

Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
Hermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblicaHermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblica
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
 
Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
 
1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
Aula 04 e 05 provérbios
Aula 04 e 05   provérbiosAula 04 e 05   provérbios
Aula 04 e 05 provérbios
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
 
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptxIBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 3.pptx
 
Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1
 

Destaque

Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
denilsonlemes
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
ETENAC - Escola Teológica Nova Aliança em Cristo
 
Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblica
Daladier Lima
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pastor W. Costa
 
Hermenêutica ensinai
Hermenêutica  ensinaiHermenêutica  ensinai
Hermenêutica ensinai
Nivaldo R. Santos
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
Jovens Do Caminho
 
Requisitos hermeneutica
Requisitos hermeneuticaRequisitos hermeneutica
Requisitos hermeneutica
José Santos
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de Jesus
José Santos
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESA doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
José Santos
 
Hermeneutica biblica # 7
Hermeneutica biblica # 7Hermeneutica biblica # 7
Hermeneutica biblica # 7
agape instituto biblico
 
Princípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsen
Princípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsenPrincípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsen
Princípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsen
Formagine Zappelli
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
ArturAMF
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
ibpcursos
 
IGB 4 - Arqueologia Bíblica
IGB 4  - Arqueologia BíblicaIGB 4  - Arqueologia Bíblica
IGB 4 - Arqueologia Bíblica
José Santos
 
HermenêUtica Pr José Polini
HermenêUtica   Pr José PoliniHermenêUtica   Pr José Polini
HermenêUtica Pr José Polini
renaapborges
 
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza DantasHermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Luís Rodolfo A. de Souza Dantas
 
Disciplina de Hermenêutica
Disciplina de HermenêuticaDisciplina de Hermenêutica
Disciplina de Hermenêutica
faculdadeteologica
 
Juízo investigativo
Juízo investigativoJuízo investigativo
Juízo investigativo
José Santos
 

Destaque (20)

Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
 
Princípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblicaPrincípios da interpretação bíblica
Princípios da interpretação bíblica
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
 
Hermenêutica ensinai
Hermenêutica  ensinaiHermenêutica  ensinai
Hermenêutica ensinai
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
 
Requisitos hermeneutica
Requisitos hermeneuticaRequisitos hermeneutica
Requisitos hermeneutica
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de Jesus
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESA doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
 
Hermeneutica biblica # 7
Hermeneutica biblica # 7Hermeneutica biblica # 7
Hermeneutica biblica # 7
 
Princípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsen
Princípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsenPrincípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsen
Princípios de interpretação bíblica - hermenêutica - walter a henrichsen
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
 
IGB 4 - Arqueologia Bíblica
IGB 4  - Arqueologia BíblicaIGB 4  - Arqueologia Bíblica
IGB 4 - Arqueologia Bíblica
 
HermenêUtica Pr José Polini
HermenêUtica   Pr José PoliniHermenêUtica   Pr José Polini
HermenêUtica Pr José Polini
 
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza DantasHermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
 
Disciplina de Hermenêutica
Disciplina de HermenêuticaDisciplina de Hermenêutica
Disciplina de Hermenêutica
 
Juízo investigativo
Juízo investigativoJuízo investigativo
Juízo investigativo
 

Semelhante a 01 - Hermeneutica bíblica

Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
Lição 1 - O Que Cremos Sobre a BíbliaLição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
Respirando Deus
 
Aula #004 A Bíblia [2011]
Aula #004   A Bíblia [2011]Aula #004   A Bíblia [2011]
Aula #004 A Bíblia [2011]
TH
 
COMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdf
COMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdfCOMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdf
COMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdf
DigenesSoares3
 
01ª aula Introdução á Biblia
01ª aula   Introdução á Biblia01ª aula   Introdução á Biblia
01ª aula Introdução á Biblia
Francilene Santos
 
A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósito
Erberson Pinheiro
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
Fabio Couto
 
2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx
Joel Silva
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
Gilson Marcomini
 
Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)
Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)
Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)
Éder Tomé
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
Dagmar Wendt
 
Curso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuitoCurso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuito
Cristiane Farias
 
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptxCurso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
marco elizeu
 
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxxBibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Sergio Nunes
 
Estrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.pptEstrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.ppt
Jose Sanches
 
Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02
Paulinho Silva
 
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Ourofino
 
Conhecendo a Bíblia.pptx
Conhecendo a Bíblia.pptxConhecendo a Bíblia.pptx
Conhecendo a Bíblia.pptx
LeisosMartin
 
Bíblia - introdução
Bíblia - introduçãoBíblia - introdução
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
Aula 01   a doutrina da revelação - PDFAula 01   a doutrina da revelação - PDF
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
Joao Franca
 
John mein a biblia e como chegou até nós
John mein   a biblia e como chegou até nósJohn mein   a biblia e como chegou até nós
John mein a biblia e como chegou até nós
ibeerj
 

Semelhante a 01 - Hermeneutica bíblica (20)

Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
Lição 1 - O Que Cremos Sobre a BíbliaLição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
Lição 1 - O Que Cremos Sobre a Bíblia
 
Aula #004 A Bíblia [2011]
Aula #004   A Bíblia [2011]Aula #004   A Bíblia [2011]
Aula #004 A Bíblia [2011]
 
COMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdf
COMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdfCOMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdf
COMO EXISTIU A BÍBLIA SAGRADA.pdf
 
01ª aula Introdução á Biblia
01ª aula   Introdução á Biblia01ª aula   Introdução á Biblia
01ª aula Introdução á Biblia
 
A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósito
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx
2021 1º Trimestre Adulto Lição 08.pptx
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
 
Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)
Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)
Lição 8 - Comprometidos com a Palavra de Deus (Windscreen)
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
 
Curso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuitoCurso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuito
 
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptxCurso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
Curso_de_Obreiros_Hermeneutica.pptx
 
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxxBibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx         xxxxx
Bibliologiaxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxx
 
Estrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.pptEstrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.ppt
 
Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02Introduobblica 121003071240-phpapp02
Introduobblica 121003071240-phpapp02
 
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
 
Conhecendo a Bíblia.pptx
Conhecendo a Bíblia.pptxConhecendo a Bíblia.pptx
Conhecendo a Bíblia.pptx
 
Bíblia - introdução
Bíblia - introduçãoBíblia - introdução
Bíblia - introdução
 
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
Aula 01   a doutrina da revelação - PDFAula 01   a doutrina da revelação - PDF
Aula 01 a doutrina da revelação - PDF
 
John mein a biblia e como chegou até nós
John mein   a biblia e como chegou até nósJohn mein   a biblia e como chegou até nós
John mein a biblia e como chegou até nós
 

Mais de José Santos

Estrutura do santuário
Estrutura do santuárioEstrutura do santuário
Estrutura do santuário
José Santos
 
Doutrina do santuário
Doutrina do santuárioDoutrina do santuário
Doutrina do santuário
José Santos
 
A doutrina do santuário
A doutrina do santuárioA doutrina do santuário
A doutrina do santuário
José Santos
 
Dia da expiação
Dia da expiaçãoDia da expiação
Dia da expiação
José Santos
 
3 o espirito santo e o crescimento
3   o espirito santo e o crescimento3   o espirito santo e o crescimento
3 o espirito santo e o crescimento
José Santos
 
6 a congregação equipada e o crescimento
6   a congregação equipada e o crescimento6   a congregação equipada e o crescimento
6 a congregação equipada e o crescimento
José Santos
 
1 porque algumas igrejas crescem
1    porque algumas igrejas crescem1    porque algumas igrejas crescem
1 porque algumas igrejas crescem
José Santos
 
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
7   os dirigentes capacitados e o crescimento7   os dirigentes capacitados e o crescimento
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
José Santos
 
1 números representam pessoas
1   números representam pessoas1   números representam pessoas
1 números representam pessoas
José Santos
 
2 as enfermidades eclesiasticas
2   as enfermidades eclesiasticas2   as enfermidades eclesiasticas
2 as enfermidades eclesiasticas
José Santos
 
4 o evangelismo e o crescimento
4   o evangelismo e o crescimento4   o evangelismo e o crescimento
4 o evangelismo e o crescimento
José Santos
 
Projeto comunitário parte 2
Projeto comunitário   parte 2Projeto comunitário   parte 2
Projeto comunitário parte 2
José Santos
 
5 a liderança pastoral e o crescimento
5    a liderança pastoral e o crescimento5    a liderança pastoral e o crescimento
5 a liderança pastoral e o crescimento
José Santos
 
Projeto comunitário parte 1
Projeto comunitário   parte 1Projeto comunitário   parte 1
Projeto comunitário parte 1
José Santos
 
Teologia de números
Teologia de númerosTeologia de números
Teologia de números
José Santos
 
Teologia de levíticos
Teologia de levíticosTeologia de levíticos
Teologia de levíticos
José Santos
 
Teologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioTeologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômio
José Santos
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
José Santos
 
Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
José Santos
 
Apresentação do santuário
Apresentação do santuárioApresentação do santuário
Apresentação do santuário
José Santos
 

Mais de José Santos (20)

Estrutura do santuário
Estrutura do santuárioEstrutura do santuário
Estrutura do santuário
 
Doutrina do santuário
Doutrina do santuárioDoutrina do santuário
Doutrina do santuário
 
A doutrina do santuário
A doutrina do santuárioA doutrina do santuário
A doutrina do santuário
 
Dia da expiação
Dia da expiaçãoDia da expiação
Dia da expiação
 
3 o espirito santo e o crescimento
3   o espirito santo e o crescimento3   o espirito santo e o crescimento
3 o espirito santo e o crescimento
 
6 a congregação equipada e o crescimento
6   a congregação equipada e o crescimento6   a congregação equipada e o crescimento
6 a congregação equipada e o crescimento
 
1 porque algumas igrejas crescem
1    porque algumas igrejas crescem1    porque algumas igrejas crescem
1 porque algumas igrejas crescem
 
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
7   os dirigentes capacitados e o crescimento7   os dirigentes capacitados e o crescimento
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
 
1 números representam pessoas
1   números representam pessoas1   números representam pessoas
1 números representam pessoas
 
2 as enfermidades eclesiasticas
2   as enfermidades eclesiasticas2   as enfermidades eclesiasticas
2 as enfermidades eclesiasticas
 
4 o evangelismo e o crescimento
4   o evangelismo e o crescimento4   o evangelismo e o crescimento
4 o evangelismo e o crescimento
 
Projeto comunitário parte 2
Projeto comunitário   parte 2Projeto comunitário   parte 2
Projeto comunitário parte 2
 
5 a liderança pastoral e o crescimento
5    a liderança pastoral e o crescimento5    a liderança pastoral e o crescimento
5 a liderança pastoral e o crescimento
 
Projeto comunitário parte 1
Projeto comunitário   parte 1Projeto comunitário   parte 1
Projeto comunitário parte 1
 
Teologia de números
Teologia de númerosTeologia de números
Teologia de números
 
Teologia de levíticos
Teologia de levíticosTeologia de levíticos
Teologia de levíticos
 
Teologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioTeologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômio
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
 
Teologia de êxodo
Teologia de êxodoTeologia de êxodo
Teologia de êxodo
 
Apresentação do santuário
Apresentação do santuárioApresentação do santuário
Apresentação do santuário
 

Último

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 

01 - Hermeneutica bíblica

  • 1.
  • 2. DEFINIÇÃO É a ciência e a arte de interpretar a mensagem bíblica. OBJETIVOS  Tornar o autor contemporâneo do leitor.  Esclarecer tudo que haja de obscuro.  Tornar o assunto compreensível - II Pedro 3:15 e 16.
  • 3. ARTE Porque contém regras definidas, organizadas. CIÊNCIA Porque na hora de aplicar as regras há necessidade de bom senso, sensibilidade.
  • 4. • Todo leitor é um intérprete. • Nem todos os “significados claros” são igualmente claros para todos. O leitor como intérprete
  • 5. As Escrituras defendem a necessidade de uma Hermenêutica Bíblica.  II Pedro 3:15, 16 Algumas coisas difíceis de serem entendidas.  Luc. 24:27 O próprio Senhor Jesus reconheceu a necessidade de explicar às Escrituras.  II Tim. 2:15 Paulo recomenda a Timóteo que maneje bem as Escrituras.  II Cor. 2:17 Não devemos corromper, falsificar as Escrituras.
  • 6. Interpretando as Escrituras • Três tem sido as principais visões com respeito a Bíblia: 1. A Bíblia contém a Palavra de Deus 2. A Bíblia torna-se a Palavra de Deus 3. A Bíblia é a palavra de Deus
  • 7. Confiabilidade das Escrituras • É a Bíblia confiável? 1. Evidência interna: a. Fio cristológico b. Unidade temática c. Coerência d. Poder transformador
  • 8. Confiabilidade das Escrituras • É a Bíblia confiável? 2. Evidência Externa: a. Escritos cristãos do período inicial da igreja que confirmam a existência dos escritores da Bíblia b. Escritos não cristãos que confirmam seu caráter histórico c. Manuscritos d. Arqueologia (Ex.: Rolos do Mar Morto) e. Profecia (cumprimento na História)
  • 9. Confiabilidade das Escrituras Autor Escrito em (cópia mais antiga) Intervalo de Tempo Números de Manuscritos Platão 427-347 a.C 900 d.C 1.200 anos 7 Tucídides 460-400 a.C 900 d.C 1.300 anos 8 Tácito 100 d.C 1100 d.C 1.000 anos 20 Suetônio 75-160 d.C 950 d.C 800 anos 8 Homero (Ilíada) 900 a.C 400 d.C 500 anos 643 Novo Testamento 40-100 d.C 125 d.C 25-50 anos 24.000
  • 10. Confiabilidade das Escrituras • 2Pe 1:19-20 • Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração,sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.
  • 11. • O primeiro e mais elevado dever de todo ser racional é aprender das Escrituras o que é a verdade, e então andar na luz, animando outros a lhe seguirem o exemplo. Devemos dia após dia estudar a Bíblia, diligentemente, ponderando todo pensamento e comparando passagem com passagem. Com o auxílio divino devemos formar nossas opiniões por nós mesmos, visto termos de responder por nós mesmos perante Deus. GC, 598
  • 12. Cumprimentos em grego • Feliz sábado • Bom dia • Boa tarde
  • 14. Hebraico Grego rs'x.a, al{ y[iro hw"hy> ynIlE)h]n:y> tAxånUm. ymeÞ-l[; ynIcE+yBir>y: av,D<â tAaån>Bi Ou[twj ga.r hvga,phsen o` qeo.j to.n ko,smon( w[ste to.n ui`o.n to.n monogenh/ e;dwken( i[na pa/j o` pisteu,wn eivj auvto.n mh. avpo,lhtai avllV e;ch| zwh.n aivw,nionÅ
  • 15. A Escritura é explicada pela Escritura, ou seja: a Bíblia é sua própria intérprete. INCREDULIDADE HUMILDADE
  • 17. Embora a Bíblia tenha mantido os estilos pessoais de expressão e liberdade dos escritores humanos, ela é a palavra de Deus, e toda inspirada por Deus mediante o Espírito Santo.
  • 18. Unicidade da Bíblia Origem Divina II Ped. 1:20 II Ped. 1:21 II Tim. 3:16 Dimensão humana Linguagem Características peculiares
  • 19. POSIÇÕES: 1o - A Bíblia é totalmente privada de erros. 2o - A Bíblia é sem erro toda vez que fala sobre salvação e fé, mas pode possuir erros em outros pontos. Ex. Comparar Mateus 27:9 com Zac 11:12-13 A Bíblia é perfeita, mas não é inerrante.
  • 20. DIFICULDADES BÍBLICAS Mat. 27:37 - (comparar com Mar. 15:26; Luc. 23:38; João 19:19) I Cor. 10:8 com Núm. 25:9 Lucas 7:45-46 com Mateus 26:7
  • 21. A Bíblia não é privada de erros como dizem os inerrantistas, mas é fidedigna em sua mensagem central (cristológica e soteriológica). Nós, Adventistas do 7o. Dia, não somos inerrantistas e nem liberais. Cremos nos fatos bíblicos, mas sabemos que há erros na Bíblia, em face da limitação humana.
  • 22. ANTIGO TESTAMENTO Os profetas assim como os ouvintes tinham plena convicção de que a mensagem era de origem divina. NOVO TESTAMENTO I Tim. 5:18 (Dt 25:4; Lc 10:7)- Paulo cita um texto do Antigo Testamento e um do Novo Testamento e os coloca no mesmo nível chamando de Escritura.
  • 23. • Inspiração do AT 1. “A palavra do Senhor” – 239 vezes em 28 livros do AT 2. “Assim diz o Senhor” – 364 vezes
  • 24. 4. Testemunho do NT – 2 Pe 1: 21 – “homens inspirados pelo E. Santo” Lc 1:70 – “Deus falou pela boca dos profetas”. Lc 24:27 – “As Escrituras falam de Cristo”. 2Tm 3:16 – “Toda a Escritura é inspirada”.
  • 25. Nossas doutrinas são baseadas: 1) Somente na Bíblia? 2) Somente no Espírito de Profecia? 3) Na Bíblia e no Espírito de Profecia? Resposta certa: Somente na Bíblia
  • 26. O princípio de Sola Scriptura reconhece a unicidade , a veracidade da Bíblia. Reconhece a autoridade da Bíblia. 1o - Aqueles de nosso meio que rejeitam os escritos da senhora White, e sua autoridade como profeta. 2o - Aqueles que consideram os escritos da senhora White como uma segunda Bíblia, como algo adicional ao Cânon bíblico.
  • 27. Princípios para uma interpretação da Parábola do Rico e Lázaro • É uma parábola • Contexto imediato • A ética do AT exigia que os ricos cuidassem dos pobres • O rico da parábola era muito rico (favor divino) • Lázaro era muito pobre (desabono divino?) • Inversão • Textos da tradição rabínica advertiam contra uma possível condenação do rico no mundo porvir
  • 28. Princípios para uma interpretação da Parábola do Rico e Lázaro • Narrativas do folclore judaico tocavam nesse assunto • Alguns judeus do tempo de Jesus imaginavam que parte do tormento dos ímpios consistia no fato de eles poderem observar o galardão dos fiéis. Em contrapartida, parte do descanso dos justos é que estes podem observar a perplexidade dos ímpios em face de seu tormento.
  • 29. Princípios para uma interpretação da Parábola do Rico e Lázaro • RESUMO: Jesus toma emprestada a mentalidade folclórica do judaísmo de sua época para impressionar a sua audiência quanto ao amor à riqueza, e não quanto ao estado do homem na morte. • E o que esta parábola fala sobre o estado do homem na morte? • Resposta: NADA