SlideShare uma empresa Scribd logo
1

HERMENÊUTICA
2

O que é hermenêutica?
• "Hermenêutica

é a área de estudo
teológico que fornece as regras para a
Interpretação
correta
dos
textos
bíblicos."
• Outra definição: "É a arte de interpretar a
Bíblia".
Ou ainda: "É a ciência da
interpretação Bíblica".
3

Objetivos da Hermenêutica
• Ensinar ao aluno a interpretar textos bíblicos.

• Demonstrar a sua importancia como base de

todo o conhecimento teológico.
• Analisar as diversas interpretações existentes.
• Ajudar
o aluno a criar suas próprias
interpretações.
4

Divisões da hermenêutica
Hermenêutica

Geral.
Estudamos
principios regras de interpretação que se
aplicam a todos os generos literários.

Hermenêutica

específica. Estudamos
princípios de interpretação específicos para
cada tipo literário encontrado na Bíblia
5

A relação da hermenêutica com
outros campos
• Estudo do Cânon(E.c)
• A Crítica Textual (C.T)
• A alta Crítica ou crítica histórica

• Teologia Bíblica e sistemática
• Homilética
6

PRESSUPOSIÇÕES GERAIS DA HERMENÊUTICA
 O que é uma pressuposição?
• O filósofo Hilton Japiassu define o termo da seguinte

forma: "Algo que se toma como previamente
estabelecido, como base ou ponto de partida para um
raciocínio ou argumento". Uma pressuposição não e
demonstrada por meios de argumentos, é apenas aceita.
• Outra definição é: Pressuposição é uma afirmação ou

ponto de vista que tomamos como base para um
conjunto de argumentos ou teoria que nos propomos a
desenvolver.
• Toda Ciência tem pressuposições.
7

Quais as principais pressuposições da
hermenêutica?
• Pressuposição I

•A

BÍBLIA TEM AUTORIDADE
ESPIRITUAL
E
NORMATIVA
SOBRE A VIDA DO CRISTÃO
8

Fontes autoridade existentes
1. A fonte das Instituições e Tradições.
2. A fonte da Razão.
3. A fonte das Experiências
4. As fontes paralelas
5. A fonte Bíblica
9

Como analisar a autoridade bíblica
em alguns casos
• 1º Caso: Uma pessoa age como
quem tem autoridade e a própria
passagem explica se o ato e aprovado
ou não.
• Gn 3:4 A serpente fala com autoridade
• II

Samuel 7:3. Natã manda David
construir um templo para Deus. Veja o
contexto (vs 4-17).
10

2º Caso
 Uma

pessoa age com atitude de
autoridade, e a passagem não mostra
aprovação nem reprovação. Neste caso, a
atitude precisa ser julgada com base
naquilo que o restante da Bíblia ensina
sobre o assunto.
 Ex. Ló tem relação sexual com suas filhas.
Gn. 19:30-38
 O voto de Jefte – Juízes 11:30
 A mentira de Raabe – Josué 2:2
11

Pressuposição II

•A Bíblia é inspirada
• Qual o método da inspiração?
• Inspiração mecânica ou teoria

do ditado verbal
• Inspiração de conceitos
12

Pressuposição III
Há muitas questões tratadas

na Bíblia, que são explicadas
e provadas pela fé, e não por
via racional.
 Exemplo: A existência de Deus, a dual

natureza de Cristo, a Trindade, os
milagres, o método da criação, previsões
proféticas..., etc...
13

Pressuposição IV
•É

necessário
influência
espiritual para uma correta
compreensão das escrituras
• Cremos há uma influência do Espírito

Santo no ato da interpretação dos textos
bíblicos (Sensus plenior)
14

Porque precisamos da hermenêutica?
• Por causa do bloqueio histórico. Há um abismo

histórico que nos separa dos escritores bíblicos e
das culturas primitivas. Precisamos transpor este
bloqueio, se quisermos compreender o
significado da revelação. A antipatia de Jonas
pelos ninivitas, por exemplo assume maior
significado, quando compreendermos os motivos
históricos, que fizeram Jonas desprezar os
ninivitas.
• Ex. de bloqueio histórico: Daniel 9: 24-27
15

Por causa do bloqueio cultural
 O bloqueio Cultural. Cada um de nós vê a

realidade, através de olhos condicionados
pela cultura. O conjunto de valores
culturais, científicos e ideológicos de uma
cultura é o que chamamos de cosmovisão.
 A cosmovisão da cultura bíblica é diferente
em muitos pontos da cultura atual.
16

 Para entendermos algumas passagens da

Bíblia
precisamos
compreender,
a
cosmovisão das culturas bíblicas. Como
entender, por exemplo, I Coríntios 14:34?
Será que está recomendação se aplica nos
mesmos termos aos dias de hoje? Como, era
a visão primitiva do universo? Como eram os
relacionamentos sociais? A forma de se
vestir? De Comercializar? De se educar?
 Ex. Mateus 24:17, Mateus 10:27
 Princípio de interpretação 4: Considere o pano-

de-fundo histórico e cultural da Bíblia.
17

 O Bloqueio lingüístico. A Bíblia foi escrita em

hebraico, aramaico e grego — três línguas que
possuem estruturas e expressões idiomáticas
muito diferentes da nossa própria língua.
Estamos habituados a escrever e pensar com
frases em nossa língua na seqüência sujeito,
verbo, predicado. Esta forma de raciocínio e
escrita não existe nas línguas primitivas.
 No grego, não existe a seqüência sujeito, verbo,
predicado. Existem ainda diferenças nas
estruturas verbais, na forma de se organizar as
frases, etc... A língua é um grande obstáculo
para a interpretação bíblica.
18

 Precisamos

considerar
também
que, as línguas evoluem. O português
de
hoje,
possui
expressões
irreconhecíveis para o português do
século XV. E vice versa.
 A língua é dinâmica e constitue-se
como um obstáculo a ser vencido na
interpretação das escrituras.
19

 O bloqueio filosófico. Cada cultura tem

uma forma específica de teorizar a
realidade, o sagrado, o divino, etc... É
importante nós compreendermos a
filosofia de cada cultura para que
possamos entender parte de seus
comportamentos sociais e religiosos.
 A filosofia de uma cultura influencia
profundamente
seus
comportamentos, sociais, políticos, econô
micos e religiosos.
20

Teorias que influenciam o interprete no
processo da interpretação bíblica

A TEORIA LIBERAL
• Os liberais não creêm na doutrina da

inspiração sobrenatural. Transformam
inspiração em um processo natural
retirando dela o caráter sobrenatural.
• Acreditam que os autores relataram
idéias culturais primitivas sobre Deus.
21

O modernismo teológico
• Os teólogos modernistas acreditam que a

Bíblia contêm a palavra de Deus.
• Algumas partes são inspiradas e outras

não.
• É um ponto de vista perigoso, pois é

arriscado julgar determinadas partes como
inspiradas e outras não.
22

A posição neo ortodoxa
• Os neo ortodoxos creêm que a Bíblia torna-se

palavra de Deus.
• A Bíblia torna-se a palavra de Deus quando os
indivíduos a lêem e as palavras adquirem para
eles significado pessoal, existencial, ou quando
há um encontro pessoal entre Deus e o Homem.
• Portanto, Deus se revela na Bíblia nos encontros
pessoais;
não
porém,
de
maneira
preposicional, isto é, nas frases e citações
bíblicas.
23

A posição Ortodoxa
• A bíblia é a palavra de Deus
• A posição ortodoxa é que Deus operou por

meio das personalidades dos escritores
bíblicos de tal modo que, sem suspender
seus estilos pessoais de interpretação ou
liberdade, o que eles produziram foi
literalmente, "soprado por Deus“, ou
palavra de Deus
24

 II Tm. 3:16 afirma: "Toda escritura é

divinamente inspirada por Deus...".
A
palavra grega para o termo "inspirada" é
theopneustos.
 Estamos falando aqui de uma inspiração
de caráter sobrenatural, em que Deus guia
os autores bíblicos de tal modo que seus
escritos trazem o selo da inspiração divina.
25

 Outro fato a destacar é que "toda escritura é

divinamente inspirada...", e não apenas
partes, como alguns defendem. Se admitimos tal
possibilidade então abrimos uma lacuna
perigosa: Como julgar se uma determinada
passagem bíblica é inspirada ou não? Ou como
saber se estamos diante de uma passagem
inspirada?
 Portanto, a inspiração Bíblica, segundo o ponto
de vista ortodoxo, abrange toda a revelação
bíblica.
26

Alguns problemas centrais da
hermenêutica
 Problema I – A validez de uma
interpretação (qual significado é
valido?)
 A preocupação central é com o significado do texto

(Semântica)
 Vejamos o exemplo abaixo:
 Apocalipse 20:6: Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte

na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem
autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo
e reinarão com ele os mil anos.
27

Outro exemplo
Gn 1 – A criação
• O que significa a expressão:

―dia‖?
• O que significa a expressão
―princípio‖?
• O que significa ―...sem forma e
vazia...‖?
28

Há um significado ou vários para um
mesmo texto?
 Em tese, há um único significado. Nossa

compreensão é que varia, gerando a
multiplicidade de interpretações.
 Quando escrevemos uma carta, desejamos
que ela seja entendida de que maneira?
 Regra hermenêutica:
 Para
todo texto há uma única
interpretação e sentido, porém várias
aplicações.
29

O que é aplicação?
• A aplicação está relacionada a necessidade do leitor. Ela produz a

relação entre a necessidade e o texto que esta sendo analisado.
30

PROBLEMA II – INTERPRETAÇÕES
LITERAL, FIGURATIVA, SIMBÓLICA.
 Que é interpretação literal? Por meio dos
exemplos abaixo entenderemos o que uma
interpretação literal.
 As três sentenças seguintes trazem a palavra
coroa, sendo usada em três dimensões
diferentes:
 Literal: Foi colocada uma coroa na cabeça do Rei.
 Figurado: (Um Pai exaltado com o filho diz) ―Na próxima vez que

você me chamar de coroa, você será castigado!‖.
 Simbólico: (Ver apocalipse 12:1)

 Interpretação literal é aquela em que adotamos o

significado normal de uma palavra ou de um texto.
31

Exemplos desta questão
• II Reis 2:23,24 – O caso dos jovens que zombavam de

Elizeu.
• A parábola do rico e lázaro – Lucas 16
• O milênio – Apoc. 20: 1-3,7
• Lucas 15:8
• Em todos os textos acima, devemos adotar o sentido

normal do texto. Não podemos alterar, ou modificar as
afirmações do texto. Fazer isso, é desrespeitar o sentido
literal que o texto requer no processo de interpretação.
32

Nova regra hermenêutica
• Procure sempre adotar o significado literal do

texto. Em caso de ser impossível adotar o
significado literal, verifique se o texto comporta
significado figurado. Se nem o sentido literal e
figurado se adequarem a interpretação adote o
significado simbólico.
33

PROBLEMA III - A INERRÂNCIA BÍBLICA
• Trata-se aqui, de provar que a Bíblia não tem falhas

em seu conteúdo.
• Existem duas posições importantes com relação a
questão da inerrância bíblica:
• Os evangélicos ortodoxos, que acreditam que a
Bíblia é totalmente sem erros. Os evangélicos
liberais, que crêem que a Bíblia é sem erro toda
vez que ela fala sobre questões de salvação e da
fé cristã, mas pode possuir erros fatais nos fatos
históricos e outros pormenores.
• Se admitirmos que a Bíblia tem erros, tal posição
compromete todos os dogmas existentes.
34

As negações de Pedro
• Analise as três negações de Pedro

e
explique as diferenças encontradas nos
pormenores de uma mesma história
contada pelos evangelistas.
• Essas
diferenças caracterizam erros
encontrados nos detalhes ou há outra
explicação?
35

Regras da interpretação Bíblica
• Regras gerais. São aquelas que se aplicam

a todos os textos, são de caráter universal.
• Regras

específicas. São aquelas que
servem apenas para um determinado tipo
de texto.
• Regras

específicas
para
textos
narrativos, parábolas, alegorias, profecias, p
oesias etc...
36

Princípio 1 -Entenda a intenção
do autor
• Todo autor

escreve com uma determinada

intenção.
• A intenção é doutrinar? Tratar de um problema?
Orientar uma liderança?
• Exemplos:
•

•
•

Qual a intenção das bem Aventuranças. Mateus 5
Qual a intenção de Paulo em I coríntios 14: 33-34
Qual a intenção do autor em I Coríntios 11: 5,6
37

Principio 2: Leia a passagem
dentro de seu contexto
• Exemplo com palavra “manga”
• A manga deste pé é boa
• A manga da camisa está amassada
• Ele ―manga‖ de todas as pessoas.

• Exemplo bíblico: A palavra ―espírito‖ em Jo. 4:24 aparece duas

vezes.
• A parábola do Joio. Mateus 13:24. As palavras são determinadas
pelo
contexto.
(Ex.
homem,
boa
semente, campo, inimigo, joio, trigo, ceifa, ceifeiros, etc....)
38

Explicando o que é um contexto
•

•

•

•

•

Texto. É a parte escolhida para ser interpretada.
Contexto imediato: São as partes que antecedem ou seguem ao
trecho escolhido para interpretação.
Contexto mais amplo. O contexto mais amplo é formado por todas
as passagens bíblicas que estão relacionadas com as idéias do
trecho selecionado.
Contexto histórico, teológico e filosófico. E o conjunto de dados
que estão relacionados com as idéias da passagem selecionada
para a interpretação.
Vamos a um exemplo, que ilustra este princípio:
• Texto: Rm. 9:13 ―Amei a Jacó e aborreci a Esaú‖.
• Contexto imediato : vs. 1-13 e vs. 14-33
• Contexto amplo: A história de Jacó e Esaú, o que a Bíblia diz sobre o

amor de Deus?, o que significa ―aborrecer‖, na visão de Deus?,
• Contexto histórico, teológico e filosófico: Pesquisa sobre o amor
de Deus, ira de Deus, soberania de Deus, decretos de Deus, etc...
39

Exemplos do uso do contexto
Porta. Todas as referências verbais abaixo mencionam
“porta” mas o sentido difere em cada caso.
 Gn 22.17 “ Porta de Seus inimigos ” = Poder.
 Mt 7.13 “ A porta estreita ” = A salvação.
 Mt 16.18 “ Portas do inferno ” = Poder do mal.
 Jo 10.9 “ Eu sou a Porta ” = Jesus.
 At 3-10 “ Porta Formosa ” = Porta de metal.
 At 14.19 “ Porta da cidade ” = Cidade de Listra.
 1 Co 16.9 “ Uma grande porta se me abriu ” =
Oportunidade.
 Fp 2.30 ARA “ Portas da mortes ” = Poder da morte.
 Ec 12.4 “ Portas da rua ” = Os lábios (ver Sl 141.3).
40

Exercício
Qual o significado da palavra

―Salvação‖
nas
passagens?
Hebreus 2:3
Romanos 13:11
Filipenses 2:12

seguintes
41

Princípio 3: Identifique o gênero da
passagem

• Procure saber que tipo de texto você esta

interpretando
• Uma narrativa?
• Uma profecia?
• Uma parábola?
• Uma poesia?
• Mais tarde você estudará princípios
específicos para cada tipo de gênero
literário.
42

Este é um princípio que vem da reforma.
Compare escritura com escritura.
A melhor forma de iluminarmos alguns
textos bíblicos e comparando textos
entre si.
43

Assim, por exemplo, quando lemos, ―Da
graça decaístes‖ (Gl. 5:4), poderíamos
concluir precipitadamente que é possível
perder a salvação.
Mas o que poderíamos concluir quando
comparamos escritura com escritura? O
que concluímos desta passagem quando
a comparamos com João 10:27-29?
44

Há um erro muito comum: Algumas doutrinas baseadas em
versículos isolados. Este comportamento é perigoso. Uma
doutrina é fruto de uma análise completa em toda a
revelação, acerca do que dizem as escrituras sobre
determinado assunto.

Um modo de compararmos escritura com
escritura é através das referências cruzadas
existentes em nossas Bíblias.
Concluindo, sugerimos as seguintes regras para você
utilizar:
• Textos difíceis de se entender devem ser interpretados à luz das

passagens mais claras.
• Textos fáceis e claros de se entender interpretam textos que usam
linguagem simbólica e figurativa.
• O Novo Testamento interpreta o Antigo Testamento.
• As epístolas interpretam o Evangelho.
45

Aplicação da regra Hermenêutica
Vamos aplicar princípio da ―Escritura
interpreta melhor a Escritura‖.
• Com relação divórcio a passagem do Velho
Testamento de Dt. 24:1 é esclarecida no
NT, em Mt. 5:31 e Mt. 19. Aqui vemos que o
NT ilumina o AT.
• Em Hb. 7:1-4, temos um personagem
denominado Melquisedeque. Precisamos
comparar escritura com escritura para que
esclareçamos
a
identidade
de
Melquisedeque.
46

 Algumas sugestões para iniciantes de um estudo
gramatical:
• Tenha um dicionário. Defina todas as palavras
• Tenha uma boa gramática. Entenda a relação entre as

palavras.
• Tenha um bom dicionário em grego e hebraico.
Futuramente você precisará destes recursos.
• Procure encontrar as conexões entre as partes do texto.
• Procure achar as idéias principais e secundárias do
texto, e elabore um esquema da estrutura do texto.
47

Passo 1 – Analise o significado que as
palavras adquirem no contexto. Ex.
Romanos Cap. 5
• Palavras analisadas:

• v.1 Justificados.
• V.2 fé, esperança, glória de Deus.
• V.3 tribulações, paciência.
• V.4 experiência, esperança.
• V.5 Amor
V.7 Justo, V.9

Reconciliados

Ira

V.10
48

Passo 2 da analise – Estabeleça a relação
entre as palavras.
Ex. ―Justificados (meio) pela fé‖
―...Temos paz com Deus (meio) por nosso
Senhor Jesus Cristo‖. V.1
―...nos gloriamos na esperança (tipo de
esperança) da glória de Deus. V.2
―...e a esperança não traz confusão(justificativa)
porquanto o amor de Deus esta derramado em
nosso coração.‖ V. 5
49

Passo 3 – Encontre os conectivos
textuais
 O que são conectivos? São elementos
que encontramos no texto que servem para
ligar as partes do texto entre si.
• V.2 ―...por intermédio de quem...‖= Jesus 

Conectivo de substituição.
• V.3 ―E não somente isto,...‖ - Conexão de
acréscimo.
• V. 5 ―...Ora, a esperança...‖ = Conexão de
argumentação. Aqui, o apostolo desenvolve
um argumento sobre a esperança.
• V. 8 ―Mas Deus prova o seu próprio amor..‖ =
conexão de oposição.
50

Passo 4 da análise – Estabeleça a
estrutura mecânica do texto.
1 Justificados, pois, mediante a fé,
• temos paz com Deus

• por meio de nosso Senhor Jesus Cristo;
• 2 por intermédio de quem obtivemos
igualmente acesso, pela fé, a esta graça
•na qual estamos firmes;
• e gloriamo-nos na esperança da glória de

Deus.
51

3 E não somente isto,
• mas

também nos gloriamos nas próprias
tribulações, sabendo que a tribulação produz
perseverança; 4 e a perseverança, experiência; e a
experiência, esperança.
• 5 Ora, a esperança não confunde, porque o amor
de Deus é derramado em nosso coração pelo
Espírito Santo, que nos foi outorgado.

• 6 Porque Cristo, quando nós ainda éramos
fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
•7 Dificilmente, alguém morreria por um justo*; pois
poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer.
8 Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco
pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós
ainda pecadores.
Obs. Justo* aqui, são aqueles pelos quais Cristo morreu
quando ainda eram pecadores e ímpios (v.7)
52

9
Logo, muito mais agora, sendo
justificados pelo seu sangue, seremos
por ele salvos da ira.
• 10

Porque,
se
nós,
quando
inimigos, fomos reconciliados com Deus
mediante a morte do seu Filho, muito
mais, estando já reconciliados, seremos
salvos pela sua vida;
• 11 e não apenas isto, mas também nos
gloriamos em Deus por nosso Senhor
Jesus Cristo, por intermédio de quem
recebemos, agora, a reconciliação.
53

Exemplo 2 - Regra 5 de
hermenêutica
Texto: Efésios 2:1-10
Passo 1 – Defina as palavras que
aparecem no texto
v.1 ―mortos‖, ―pecados‖,
v.2 ―príncipe das potestades do ar‖,
v.3 ―carne‖,
v.5 ―graça‖
54

Passo 2 – Estabeleça a relação entre as
palavras do texto
v.1 Ele vos deu vida, (Condição, estado)
estando vós mortos nos vossos delitos e
pecados,
v.2 ...nos quais andastes outrora, segundo o
curso deste mundo, segundo o príncipe da
potestade do ar
• Obs. A Expressão ―nos quais‖= ―nos vossos

delitos e pecados‖.

V.8
―Porque
pela
graça
salvos, (meio)mediante a fé...‖.

sois
55

v. 4 ―Mas Deus, sendo rico em
misericórdia, (Causa, motivo) por causa do
grande amor ...‖
v.6 ―....e nos fez assentar nos lugares
celestiais
em
Cristo
Jesus;
v.7
(finalidade, propósito) para mostrar, nos
séculos vindouros
v.8 Porque pela graça sois salvos, mediante
a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus;
• ―isto‖ se refere a que? A graça? a fé? Ou as

duas coisas?
56

Passo 3 – Encontre os conectivos
textuais
―v.2 nos quais andastes outrora,...‖
v.3 entre os quais também todos nós
andamos outrora...
v.4 Mas Deus, sendo rico em
misericórdia,...
V.5 e estando nós mortos...
v. 7
para mostrar, nos séculos
vindouros...
v. 8 Porque pela graça sois salvos...
57

Passo 4 – Estabeleça a estrutura
mecânica do texto.
―
1 Ele vos deu vida, estando vós mortos
nos vossos delitos e pecados,
• 2 nos quais andastes outrora,

• segundo o curso deste mundo, segundo o

príncipe da potestade do ar, do espírito que
agora atua nos filhos da desobediência;
• 3 entre os quais também todos nós andamos
outrora, segundo as inclinações da nossa
carne, fazendo a vontade da carne e dos
pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da
ira, como também os demais.
58

4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por
causa do grande amor com que nos amou,
5 e estando nós mortos em nossos delitos,
• nos deu vida juntamente com Cristo, —pela graça

sois salvos, 6
• e, juntamente com ele, nos ressuscitou,
• e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo
Jesus;
• 7 para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema
riqueza da sua graça, em bondade para
conosco, em Cristo Jesus.
59

8 Porque pela graça sois salvos, mediante a
fé;
• e isto não vem de vós; é dom de Deus;
• 9 não de obras, para que ninguém se glorie.
• 10 Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus

para boas obras, as quais Deus de antemão preparou
para que andássemos nelas.‖ (Efésios 2:1-10 RA)
60

Princípio 6 – Uma doutrina não pode
ser considerada bíblica, a não ser que
resuma e inclua tudo o que a escritura
diz sobre ela.
• É importante aplicar um estudo indutivo

para verificar tudo o que é Bíblia diz sobre
um determinado assunto.
• Será que poderemos formar uma doutrina a
partir de I João 5:16?
61

Princípio
7Aceite
as
aparentes
contradições doutrinárias, considerandoas escriturísticas e crendo que elas se
explicarão num plano mais elevado.
• Não há contradição nas escrituras. Nossa

mente é que não consegue absorver a
revelação em sua totalidade.
• Alguns assuntos nas escrituras extrapolam os
limites do entendimento humano. Exemplos:
• A trindade, a dualidade da natureza de
Cristo, a origem do mal, a soberania e o livre
arbítrio humano.
62

Princípio 8 – Atente para determinadas
metáforas quando relacionam-se a pessoa
de Deus.
• Antropopatismo:

Atribuem-se
a
Deus
emoções, paixões e desejos humanos. Ex.
Gn.6:6, Efésios 4:30, Rm. 1:18.
• Antropomorfismo: Consiste na atribuição de
membros corpóreos e atividades físicas a
divindade. Ex. Is. 59:1, Is. 66:1, Sl. 34:16, IICr. 16:9
• Obs. Convem aqui lembrar que Deus é espírito, e
um espírito não tem forma física, portanto quando
os autores atribuem a Deus forma física, estão
tentando se fazer entendidos para nós.
• Deus usou a linguagem dos homens,valendo-se
da cultura, seu vocabulário, padrões de
pensamento para se fazer entendido a nós.
63

O que é tipo? Vem da palavra grega

―typto‖’. Pode significar sinal, forma, figura
prefiguração, padrão, modelo e exemplo.
Vejamos um exemplo em I Coríntios 10:11:
―...estas coisas lhes sobrevieram como
exemplos...‖.
Outros textos: Rm .5:14, Hebreus 10:1;
hebreus 7 (Melquisedeque)
64

Precisamos entender que o sistema
teológico nos influencia na forma de
interpretarmos o texto bíblico.
Portanto, vamos ver resumidamente os
principais sistemas teológicos existentes.
65

Teoria Dispensacional
• Dispensação: Período em que o homem é
provado com respeito à alguma revelação de
Deus
• Processo:
1. Deus dá ao homem um conjunto específico
de
responsabilidades
ou
padrão
de
obediência;
2. O homem não consegue viver à altura
desse conjunto de responsabilidades;
3. Deus reage com misericórdia concedendo
um novo conjunto de responsabilidades – uma
nova dispensação.
66

As principais dispensações identificadas pelos
dispensacionalistas (variam de 4 a 9):
1. Da Inocência ou Liberdade: Adão e Eva antes da queda;
2.
3.

4.
5.
6.
7.

(Gn.1:28 a Gn.3:6)
Da Consciência: Cada homem seguia a sua consciência.
Até o dilúvio; (Gn.4:1 a Gn.8:14)
Do Governo Civil: Havia governo humano com direito à
pena de morte. Até torre de Babel aproximadamente;
(Gn.8:15 a Gn.11:19) – ver Gn.9:6
Da Promessa: Cobre o período dos patriarcas, até a
escravidão no Egito; (Gn.11:10 a Ex.18:27)
Da Lei Mosaica: Desde Moisés até a morte e ressurreição
de Cristo. (até At.1:26)
Da Graça: De At.2 (pentecostes), passando pelo tempo
presente, até Ap.19:21 (Volta de Jesus e o Armagedom)
Do Milênio: Governo pessoal de Cristo. Acabará com uma
rebelião (Ap.20:7) e o juízo final.
67

• Duas verdades presentes em toda Bíblia: a lei e o
evangelho.
• A Lei: Deus em seu ódio ao pecado, seu juízo e sua ira.
• O Evangelho: Deus em sua graça, amor e salvação.
• Segundo esse critério, passagens do V.T. como Gn.7:1
são consideradas ―evangelho‖ enquanto Mt.22:37
―Lei‖.
• A posição luterana acentua a ―continuidade‖ no sentido
de que a Lei e a Graça (Evangelho) continuam presentes
desde o início da história humana.
• Assim, Lei e Graça não são duas épocas, mas partes
integrantes do seu relacionamento com o homem.
68

O termo Calvinismo é dado ao sistema teológico da Reforma
protestante, exposto e defendido por João Calvino (1509-1564). Seu
sistema de interpretação bíblica pode ser resumido em cinco
pontos, conhecidos como "os 5 pontos do Calvinismo" (TULIP em inglês):
1 - Total Depravity (Depravação total) - Todos os homens nascem
totalmente depravados, incapazes de se salvar ou de escolher o bem em
questões espirituais;
2 - Unconditional Election (Eleição incondicional) - Deus escolheu
dentre todos os seres humanos decaídos um grande número de
pecadores por graça pura, sem levar em conta qualquer mérito, obra ou fé
prevista neles;
3 - Limited Atonement (Expiação limitada) - Jesus Cristo morreu na
cruz para pagar o preço do resgate somente dos eleitos;
4 - Irresistible Grace - (Graça Irresistível) - A Graça de Deus é
irresistível para os eleitos, isto é, o Espírito Santo acaba convencendo e
infundindo a fé salvadora neles;
5 - Perseverance of Saints (Perseverança dos Santos) - Todos os
eleitos vão perseverar na fé até o fim e chegar ao céu. Nenhum perderá a
salvação.
69

O Arminianismo é o sistema de Teologia formulado por Jacobus Arminius (1560-1609), teólogo da Igreja
holandesa, que resolveu refutar o sistema de Calvino. Armínio apresentou seu sistema em 5 pontos:

1 - Capacidade humana, Livre-arbítrio - Todos os homens embora sejam
pecadores, ainda são livres para aceitar ou recusar a salvação que Deus
oferece;
2 - Eleição condicional - Deus elegeu os homens que ele previu que teriam fé
em Cristo;
3 - Expiação ilimitada - Cristo morreu por todos os homens e não somente
pelos eleitos;
4 - Graça resistível - Os homens podem resistir à Graça de Deus para não
serem salvos;
5 - Decair da Graça - Homens salvos podem perder a salvação caso não
perseverem na fé até o fim.
O sistema teológico de Armínio foi derrotado no Sínodo de Dort em 1619 na
Holanda, por ser considerado anti-bíblico. Por incrível que possa parecer, hoje o
Arminianismo é o sistema teológico adotado pela maior parte das igrejas
evangélicas. As seitas e o Catolicismo Romano também rejeitam o Calvinismo.
70
71
72
73
74
75

•
Compara a revelação divina ao
crescimento de uma planta: Uma árvore
pequenininha é uma árvore perfeita, mas
ainda pequena, imatura e frágil.
• Assim, os conceitos de Deus, de
Cristo, da salvação e da natureza do
homem crescem à medida que a
revelação de Deus progride.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
Respirando Deus
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
RODRIGO FERREIRA
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
Moisés Sampaio
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
GISLAINE MORAES DA SILVA OLIVEIRA
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
Viva a Igreja
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
Antonio Rodrigues
 
Como preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoComo preparar uma pregação
Como preparar uma pregação
Alípio Vallim
 
Cristologia aula04
Cristologia aula04Cristologia aula04
Cristologia aula04
Pastor W. Costa
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
Gcom digital factory
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
faculdadeteologica
 
Homilética - A Arte de falar em público
Homilética - A Arte de falar em públicoHomilética - A Arte de falar em público
Homilética - A Arte de falar em público
Escola Da Bíblia Jundiaí
 
Hermeneutica bíblica cópia
Hermeneutica bíblica   cópiaHermeneutica bíblica   cópia
Hermeneutica bíblica cópia
Pastor Juscelino Freitas
 
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de TiranoAula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Romulo Andalécio
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
Alípio Vallim
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
Jonas Francelino Cândido
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
Jocarli Junior
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
Pastor W. Costa
 

Mais procurados (20)

Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Bibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblicoBibliologia - Cânon biblico
Bibliologia - Cânon biblico
 
Homilética
HomiléticaHomilética
Homilética
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
Como preparar uma pregação
Como preparar uma pregaçãoComo preparar uma pregação
Como preparar uma pregação
 
Cristologia aula04
Cristologia aula04Cristologia aula04
Cristologia aula04
 
Doutrina de deus
Doutrina de deusDoutrina de deus
Doutrina de deus
 
02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas02 doutrinas bíblicas
02 doutrinas bíblicas
 
Homilética - A Arte de falar em público
Homilética - A Arte de falar em públicoHomilética - A Arte de falar em público
Homilética - A Arte de falar em público
 
Hermeneutica bíblica cópia
Hermeneutica bíblica   cópiaHermeneutica bíblica   cópia
Hermeneutica bíblica cópia
 
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de TiranoAula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 

Destaque

Diapositivas hermeneutica juridica
Diapositivas hermeneutica juridicaDiapositivas hermeneutica juridica
Diapositivas hermeneutica juridica
lireh
 
43761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v04
43761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v0443761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v04
43761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v04
Daniel_Hiram
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptxHermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Clodomiro Nascimento Jr
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
Iago Rodrigues
 
HERM001
HERM001HERM001
Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29
Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29
Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29
lireh
 
Hermenêutica constitucional
Hermenêutica constitucionalHermenêutica constitucional
Hermenêutica constitucional
Juray Castro
 
Apresentação ubaldino.ftc1
Apresentação ubaldino.ftc1Apresentação ubaldino.ftc1
Apresentação ubaldino.ftc1
Aguida Christiane
 
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza DantasHermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Luís Rodolfo A. de Souza Dantas
 

Destaque (10)

Diapositivas hermeneutica juridica
Diapositivas hermeneutica juridicaDiapositivas hermeneutica juridica
Diapositivas hermeneutica juridica
 
43761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v04
43761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v0443761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v04
43761770 hermeneutica-positivista-por-hans-kelsen-v04
 
Aula 15
Aula 15Aula 15
Aula 15
 
Hermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptxHermenêutica jurídica slide.pptx
Hermenêutica jurídica slide.pptx
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
 
HERM001
HERM001HERM001
HERM001
 
Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29
Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29
Diapositivas hermeneutica juridicamarzo29
 
Hermenêutica constitucional
Hermenêutica constitucionalHermenêutica constitucional
Hermenêutica constitucional
 
Apresentação ubaldino.ftc1
Apresentação ubaldino.ftc1Apresentação ubaldino.ftc1
Apresentação ubaldino.ftc1
 
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza DantasHermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
Hermenêutica Jurídica - Slides das Aulas do Prof. Luís Rodolfo de Souza Dantas
 

Semelhante a Curso de hermeneutica 1 atualizado

Hermeneutica.pptx
Hermeneutica.pptxHermeneutica.pptx
Hermeneutica.pptx
antonio211075
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
ArturAMF
 
Workshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblicaWorkshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblica
Fernando Lino
 
Espiritua-BIBLICA.ppt
Espiritua-BIBLICA.pptEspiritua-BIBLICA.ppt
Espiritua-BIBLICA.ppt
ssuser901b57
 
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.pptINTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
ssuser901b57
 
O sermão
O sermãoO sermão
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
Dagmar Wendt
 
45 homilética hermisten maia pereira da costa
45 homilética   hermisten maia pereira da costa45 homilética   hermisten maia pereira da costa
45 homilética hermisten maia pereira da costa
ssuser615052
 
Andre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíbliaAndre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíblia
Andre Nascimento
 
12.1 hermenêutica (1)
12.1 hermenêutica (1)12.1 hermenêutica (1)
12.1 hermenêutica (1)
WILLYAM DA SILVA COSTA
 
12.1 hermenêutica
12.1 hermenêutica12.1 hermenêutica
12.1 hermenêutica
WILLYAM DA SILVA COSTA
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
ibpcursos
 
49 homilética hermisten costa
49 homilética   hermisten costa49 homilética   hermisten costa
49 homilética hermisten costa
ssuser615052
 
11 a interpretação das escrituras
11   a interpretação das escrituras11   a interpretação das escrituras
11 a interpretação das escrituras
Joao Franca
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
Jovens Do Caminho
 
Introdução á bíblia
Introdução á bíbliaIntrodução á bíblia
Introdução á bíblia
Lucilene G.O. Adonai
 
Bibliologia1 1
Bibliologia1 1Bibliologia1 1
Bibliologia1 1
valmarques
 
Aula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptx
Aula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptxAula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptx
Aula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptx
Cleiton Melo
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Alberto Simonton
 
2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx
2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx
2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx
Joel Silva
 

Semelhante a Curso de hermeneutica 1 atualizado (20)

Hermeneutica.pptx
Hermeneutica.pptxHermeneutica.pptx
Hermeneutica.pptx
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
 
Workshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblicaWorkshop basico hermeneutica bíblica
Workshop basico hermeneutica bíblica
 
Espiritua-BIBLICA.ppt
Espiritua-BIBLICA.pptEspiritua-BIBLICA.ppt
Espiritua-BIBLICA.ppt
 
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.pptINTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
INTRODUCAO-A-FORMACAO-BIBLICA.ppt
 
O sermão
O sermãoO sermão
O sermão
 
Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01Ebd escrituras sagradas 01
Ebd escrituras sagradas 01
 
45 homilética hermisten maia pereira da costa
45 homilética   hermisten maia pereira da costa45 homilética   hermisten maia pereira da costa
45 homilética hermisten maia pereira da costa
 
Andre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíbliaAndre 3 - como estudar a bíblia
Andre 3 - como estudar a bíblia
 
12.1 hermenêutica (1)
12.1 hermenêutica (1)12.1 hermenêutica (1)
12.1 hermenêutica (1)
 
12.1 hermenêutica
12.1 hermenêutica12.1 hermenêutica
12.1 hermenêutica
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
 
49 homilética hermisten costa
49 homilética   hermisten costa49 homilética   hermisten costa
49 homilética hermisten costa
 
11 a interpretação das escrituras
11   a interpretação das escrituras11   a interpretação das escrituras
11 a interpretação das escrituras
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
Introdução á bíblia
Introdução á bíbliaIntrodução á bíblia
Introdução á bíblia
 
Bibliologia1 1
Bibliologia1 1Bibliologia1 1
Bibliologia1 1
 
Aula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptx
Aula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptxAula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptx
Aula 1 - Introdução Hermenêutica Teologia.pptx
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 
2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx
2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx
2022 1º Trimestre Adulto Lição 05.pptx
 

Mais de JOSIAS MOURA DE MENEZES

Revista tiago lições 14 à 17
Revista tiago   lições 14 à 17Revista tiago   lições 14 à 17
Revista tiago lições 14 à 17
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Revista tiago lições 12 e 13
Revista tiago   lições 12 e 13Revista tiago   lições 12 e 13
Revista tiago lições 12 e 13
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
REVISTA Tiago - Lições 10 11
REVISTA Tiago - Lições 10 11REVISTA Tiago - Lições 10 11
REVISTA Tiago - Lições 10 11
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Revista tiago lição 06 a 08
Revista tiago   lição 06 a 08Revista tiago   lição 06 a 08
Revista tiago lição 06 a 08
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL
Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL
Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015
Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015
Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Estudo sobre anjos
Estudo sobre anjosEstudo sobre anjos
Estudo sobre anjos
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Quando a vida é naufrágio com respostas
Quando a vida é naufrágio   com respostasQuando a vida é naufrágio   com respostas
Quando a vida é naufrágio com respostas
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Criação x evolução
Criação x evoluçãoCriação x evolução
Criação x evolução
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Stanley a.ellisen conheça melhor o antigo testamento
Stanley a.ellisen   conheça melhor o antigo testamentoStanley a.ellisen   conheça melhor o antigo testamento
Stanley a.ellisen conheça melhor o antigo testamento
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Esdras e neemias esboço
Esdras e neemias   esboçoEsdras e neemias   esboço
Esdras e neemias esboço
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 
Apostiladolivrodeesdras
ApostiladolivrodeesdrasApostiladolivrodeesdras
Apostiladolivrodeesdras
JOSIAS MOURA DE MENEZES
 

Mais de JOSIAS MOURA DE MENEZES (12)

Revista tiago lições 14 à 17
Revista tiago   lições 14 à 17Revista tiago   lições 14 à 17
Revista tiago lições 14 à 17
 
Revista tiago lições 12 e 13
Revista tiago   lições 12 e 13Revista tiago   lições 12 e 13
Revista tiago lições 12 e 13
 
REVISTA Tiago - Lições 10 11
REVISTA Tiago - Lições 10 11REVISTA Tiago - Lições 10 11
REVISTA Tiago - Lições 10 11
 
Revista tiago lição 06 a 08
Revista tiago   lição 06 a 08Revista tiago   lição 06 a 08
Revista tiago lição 06 a 08
 
Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL
Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL
Liçoes 01 a 05 EBD GEISEL
 
Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015
Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015
Culto de missões e evangelismo na praça do geisel - dia 07.01.2015
 
Estudo sobre anjos
Estudo sobre anjosEstudo sobre anjos
Estudo sobre anjos
 
Quando a vida é naufrágio com respostas
Quando a vida é naufrágio   com respostasQuando a vida é naufrágio   com respostas
Quando a vida é naufrágio com respostas
 
Criação x evolução
Criação x evoluçãoCriação x evolução
Criação x evolução
 
Stanley a.ellisen conheça melhor o antigo testamento
Stanley a.ellisen   conheça melhor o antigo testamentoStanley a.ellisen   conheça melhor o antigo testamento
Stanley a.ellisen conheça melhor o antigo testamento
 
Esdras e neemias esboço
Esdras e neemias   esboçoEsdras e neemias   esboço
Esdras e neemias esboço
 
Apostiladolivrodeesdras
ApostiladolivrodeesdrasApostiladolivrodeesdras
Apostiladolivrodeesdras
 

Curso de hermeneutica 1 atualizado

  • 2. 2 O que é hermenêutica? • "Hermenêutica é a área de estudo teológico que fornece as regras para a Interpretação correta dos textos bíblicos." • Outra definição: "É a arte de interpretar a Bíblia". Ou ainda: "É a ciência da interpretação Bíblica".
  • 3. 3 Objetivos da Hermenêutica • Ensinar ao aluno a interpretar textos bíblicos. • Demonstrar a sua importancia como base de todo o conhecimento teológico. • Analisar as diversas interpretações existentes. • Ajudar o aluno a criar suas próprias interpretações.
  • 4. 4 Divisões da hermenêutica Hermenêutica Geral. Estudamos principios regras de interpretação que se aplicam a todos os generos literários. Hermenêutica específica. Estudamos princípios de interpretação específicos para cada tipo literário encontrado na Bíblia
  • 5. 5 A relação da hermenêutica com outros campos • Estudo do Cânon(E.c) • A Crítica Textual (C.T) • A alta Crítica ou crítica histórica • Teologia Bíblica e sistemática • Homilética
  • 6. 6 PRESSUPOSIÇÕES GERAIS DA HERMENÊUTICA  O que é uma pressuposição? • O filósofo Hilton Japiassu define o termo da seguinte forma: "Algo que se toma como previamente estabelecido, como base ou ponto de partida para um raciocínio ou argumento". Uma pressuposição não e demonstrada por meios de argumentos, é apenas aceita. • Outra definição é: Pressuposição é uma afirmação ou ponto de vista que tomamos como base para um conjunto de argumentos ou teoria que nos propomos a desenvolver. • Toda Ciência tem pressuposições.
  • 7. 7 Quais as principais pressuposições da hermenêutica? • Pressuposição I •A BÍBLIA TEM AUTORIDADE ESPIRITUAL E NORMATIVA SOBRE A VIDA DO CRISTÃO
  • 8. 8 Fontes autoridade existentes 1. A fonte das Instituições e Tradições. 2. A fonte da Razão. 3. A fonte das Experiências 4. As fontes paralelas 5. A fonte Bíblica
  • 9. 9 Como analisar a autoridade bíblica em alguns casos • 1º Caso: Uma pessoa age como quem tem autoridade e a própria passagem explica se o ato e aprovado ou não. • Gn 3:4 A serpente fala com autoridade • II Samuel 7:3. Natã manda David construir um templo para Deus. Veja o contexto (vs 4-17).
  • 10. 10 2º Caso  Uma pessoa age com atitude de autoridade, e a passagem não mostra aprovação nem reprovação. Neste caso, a atitude precisa ser julgada com base naquilo que o restante da Bíblia ensina sobre o assunto.  Ex. Ló tem relação sexual com suas filhas. Gn. 19:30-38  O voto de Jefte – Juízes 11:30  A mentira de Raabe – Josué 2:2
  • 11. 11 Pressuposição II •A Bíblia é inspirada • Qual o método da inspiração? • Inspiração mecânica ou teoria do ditado verbal • Inspiração de conceitos
  • 12. 12 Pressuposição III Há muitas questões tratadas na Bíblia, que são explicadas e provadas pela fé, e não por via racional.  Exemplo: A existência de Deus, a dual natureza de Cristo, a Trindade, os milagres, o método da criação, previsões proféticas..., etc...
  • 13. 13 Pressuposição IV •É necessário influência espiritual para uma correta compreensão das escrituras • Cremos há uma influência do Espírito Santo no ato da interpretação dos textos bíblicos (Sensus plenior)
  • 14. 14 Porque precisamos da hermenêutica? • Por causa do bloqueio histórico. Há um abismo histórico que nos separa dos escritores bíblicos e das culturas primitivas. Precisamos transpor este bloqueio, se quisermos compreender o significado da revelação. A antipatia de Jonas pelos ninivitas, por exemplo assume maior significado, quando compreendermos os motivos históricos, que fizeram Jonas desprezar os ninivitas. • Ex. de bloqueio histórico: Daniel 9: 24-27
  • 15. 15 Por causa do bloqueio cultural  O bloqueio Cultural. Cada um de nós vê a realidade, através de olhos condicionados pela cultura. O conjunto de valores culturais, científicos e ideológicos de uma cultura é o que chamamos de cosmovisão.  A cosmovisão da cultura bíblica é diferente em muitos pontos da cultura atual.
  • 16. 16  Para entendermos algumas passagens da Bíblia precisamos compreender, a cosmovisão das culturas bíblicas. Como entender, por exemplo, I Coríntios 14:34? Será que está recomendação se aplica nos mesmos termos aos dias de hoje? Como, era a visão primitiva do universo? Como eram os relacionamentos sociais? A forma de se vestir? De Comercializar? De se educar?  Ex. Mateus 24:17, Mateus 10:27  Princípio de interpretação 4: Considere o pano- de-fundo histórico e cultural da Bíblia.
  • 17. 17  O Bloqueio lingüístico. A Bíblia foi escrita em hebraico, aramaico e grego — três línguas que possuem estruturas e expressões idiomáticas muito diferentes da nossa própria língua. Estamos habituados a escrever e pensar com frases em nossa língua na seqüência sujeito, verbo, predicado. Esta forma de raciocínio e escrita não existe nas línguas primitivas.  No grego, não existe a seqüência sujeito, verbo, predicado. Existem ainda diferenças nas estruturas verbais, na forma de se organizar as frases, etc... A língua é um grande obstáculo para a interpretação bíblica.
  • 18. 18  Precisamos considerar também que, as línguas evoluem. O português de hoje, possui expressões irreconhecíveis para o português do século XV. E vice versa.  A língua é dinâmica e constitue-se como um obstáculo a ser vencido na interpretação das escrituras.
  • 19. 19  O bloqueio filosófico. Cada cultura tem uma forma específica de teorizar a realidade, o sagrado, o divino, etc... É importante nós compreendermos a filosofia de cada cultura para que possamos entender parte de seus comportamentos sociais e religiosos.  A filosofia de uma cultura influencia profundamente seus comportamentos, sociais, políticos, econô micos e religiosos.
  • 20. 20 Teorias que influenciam o interprete no processo da interpretação bíblica A TEORIA LIBERAL • Os liberais não creêm na doutrina da inspiração sobrenatural. Transformam inspiração em um processo natural retirando dela o caráter sobrenatural. • Acreditam que os autores relataram idéias culturais primitivas sobre Deus.
  • 21. 21 O modernismo teológico • Os teólogos modernistas acreditam que a Bíblia contêm a palavra de Deus. • Algumas partes são inspiradas e outras não. • É um ponto de vista perigoso, pois é arriscado julgar determinadas partes como inspiradas e outras não.
  • 22. 22 A posição neo ortodoxa • Os neo ortodoxos creêm que a Bíblia torna-se palavra de Deus. • A Bíblia torna-se a palavra de Deus quando os indivíduos a lêem e as palavras adquirem para eles significado pessoal, existencial, ou quando há um encontro pessoal entre Deus e o Homem. • Portanto, Deus se revela na Bíblia nos encontros pessoais; não porém, de maneira preposicional, isto é, nas frases e citações bíblicas.
  • 23. 23 A posição Ortodoxa • A bíblia é a palavra de Deus • A posição ortodoxa é que Deus operou por meio das personalidades dos escritores bíblicos de tal modo que, sem suspender seus estilos pessoais de interpretação ou liberdade, o que eles produziram foi literalmente, "soprado por Deus“, ou palavra de Deus
  • 24. 24  II Tm. 3:16 afirma: "Toda escritura é divinamente inspirada por Deus...". A palavra grega para o termo "inspirada" é theopneustos.  Estamos falando aqui de uma inspiração de caráter sobrenatural, em que Deus guia os autores bíblicos de tal modo que seus escritos trazem o selo da inspiração divina.
  • 25. 25  Outro fato a destacar é que "toda escritura é divinamente inspirada...", e não apenas partes, como alguns defendem. Se admitimos tal possibilidade então abrimos uma lacuna perigosa: Como julgar se uma determinada passagem bíblica é inspirada ou não? Ou como saber se estamos diante de uma passagem inspirada?  Portanto, a inspiração Bíblica, segundo o ponto de vista ortodoxo, abrange toda a revelação bíblica.
  • 26. 26 Alguns problemas centrais da hermenêutica  Problema I – A validez de uma interpretação (qual significado é valido?)  A preocupação central é com o significado do texto (Semântica)  Vejamos o exemplo abaixo:  Apocalipse 20:6: Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele os mil anos.
  • 27. 27 Outro exemplo Gn 1 – A criação • O que significa a expressão: ―dia‖? • O que significa a expressão ―princípio‖? • O que significa ―...sem forma e vazia...‖?
  • 28. 28 Há um significado ou vários para um mesmo texto?  Em tese, há um único significado. Nossa compreensão é que varia, gerando a multiplicidade de interpretações.  Quando escrevemos uma carta, desejamos que ela seja entendida de que maneira?  Regra hermenêutica:  Para todo texto há uma única interpretação e sentido, porém várias aplicações.
  • 29. 29 O que é aplicação? • A aplicação está relacionada a necessidade do leitor. Ela produz a relação entre a necessidade e o texto que esta sendo analisado.
  • 30. 30 PROBLEMA II – INTERPRETAÇÕES LITERAL, FIGURATIVA, SIMBÓLICA.  Que é interpretação literal? Por meio dos exemplos abaixo entenderemos o que uma interpretação literal.  As três sentenças seguintes trazem a palavra coroa, sendo usada em três dimensões diferentes:  Literal: Foi colocada uma coroa na cabeça do Rei.  Figurado: (Um Pai exaltado com o filho diz) ―Na próxima vez que você me chamar de coroa, você será castigado!‖.  Simbólico: (Ver apocalipse 12:1)  Interpretação literal é aquela em que adotamos o significado normal de uma palavra ou de um texto.
  • 31. 31 Exemplos desta questão • II Reis 2:23,24 – O caso dos jovens que zombavam de Elizeu. • A parábola do rico e lázaro – Lucas 16 • O milênio – Apoc. 20: 1-3,7 • Lucas 15:8 • Em todos os textos acima, devemos adotar o sentido normal do texto. Não podemos alterar, ou modificar as afirmações do texto. Fazer isso, é desrespeitar o sentido literal que o texto requer no processo de interpretação.
  • 32. 32 Nova regra hermenêutica • Procure sempre adotar o significado literal do texto. Em caso de ser impossível adotar o significado literal, verifique se o texto comporta significado figurado. Se nem o sentido literal e figurado se adequarem a interpretação adote o significado simbólico.
  • 33. 33 PROBLEMA III - A INERRÂNCIA BÍBLICA • Trata-se aqui, de provar que a Bíblia não tem falhas em seu conteúdo. • Existem duas posições importantes com relação a questão da inerrância bíblica: • Os evangélicos ortodoxos, que acreditam que a Bíblia é totalmente sem erros. Os evangélicos liberais, que crêem que a Bíblia é sem erro toda vez que ela fala sobre questões de salvação e da fé cristã, mas pode possuir erros fatais nos fatos históricos e outros pormenores. • Se admitirmos que a Bíblia tem erros, tal posição compromete todos os dogmas existentes.
  • 34. 34 As negações de Pedro • Analise as três negações de Pedro e explique as diferenças encontradas nos pormenores de uma mesma história contada pelos evangelistas. • Essas diferenças caracterizam erros encontrados nos detalhes ou há outra explicação?
  • 35. 35 Regras da interpretação Bíblica • Regras gerais. São aquelas que se aplicam a todos os textos, são de caráter universal. • Regras específicas. São aquelas que servem apenas para um determinado tipo de texto. • Regras específicas para textos narrativos, parábolas, alegorias, profecias, p oesias etc...
  • 36. 36 Princípio 1 -Entenda a intenção do autor • Todo autor escreve com uma determinada intenção. • A intenção é doutrinar? Tratar de um problema? Orientar uma liderança? • Exemplos: • • • Qual a intenção das bem Aventuranças. Mateus 5 Qual a intenção de Paulo em I coríntios 14: 33-34 Qual a intenção do autor em I Coríntios 11: 5,6
  • 37. 37 Principio 2: Leia a passagem dentro de seu contexto • Exemplo com palavra “manga” • A manga deste pé é boa • A manga da camisa está amassada • Ele ―manga‖ de todas as pessoas. • Exemplo bíblico: A palavra ―espírito‖ em Jo. 4:24 aparece duas vezes. • A parábola do Joio. Mateus 13:24. As palavras são determinadas pelo contexto. (Ex. homem, boa semente, campo, inimigo, joio, trigo, ceifa, ceifeiros, etc....)
  • 38. 38 Explicando o que é um contexto • • • • • Texto. É a parte escolhida para ser interpretada. Contexto imediato: São as partes que antecedem ou seguem ao trecho escolhido para interpretação. Contexto mais amplo. O contexto mais amplo é formado por todas as passagens bíblicas que estão relacionadas com as idéias do trecho selecionado. Contexto histórico, teológico e filosófico. E o conjunto de dados que estão relacionados com as idéias da passagem selecionada para a interpretação. Vamos a um exemplo, que ilustra este princípio: • Texto: Rm. 9:13 ―Amei a Jacó e aborreci a Esaú‖. • Contexto imediato : vs. 1-13 e vs. 14-33 • Contexto amplo: A história de Jacó e Esaú, o que a Bíblia diz sobre o amor de Deus?, o que significa ―aborrecer‖, na visão de Deus?, • Contexto histórico, teológico e filosófico: Pesquisa sobre o amor de Deus, ira de Deus, soberania de Deus, decretos de Deus, etc...
  • 39. 39 Exemplos do uso do contexto Porta. Todas as referências verbais abaixo mencionam “porta” mas o sentido difere em cada caso.  Gn 22.17 “ Porta de Seus inimigos ” = Poder.  Mt 7.13 “ A porta estreita ” = A salvação.  Mt 16.18 “ Portas do inferno ” = Poder do mal.  Jo 10.9 “ Eu sou a Porta ” = Jesus.  At 3-10 “ Porta Formosa ” = Porta de metal.  At 14.19 “ Porta da cidade ” = Cidade de Listra.  1 Co 16.9 “ Uma grande porta se me abriu ” = Oportunidade.  Fp 2.30 ARA “ Portas da mortes ” = Poder da morte.  Ec 12.4 “ Portas da rua ” = Os lábios (ver Sl 141.3).
  • 40. 40 Exercício Qual o significado da palavra ―Salvação‖ nas passagens? Hebreus 2:3 Romanos 13:11 Filipenses 2:12 seguintes
  • 41. 41 Princípio 3: Identifique o gênero da passagem • Procure saber que tipo de texto você esta interpretando • Uma narrativa? • Uma profecia? • Uma parábola? • Uma poesia? • Mais tarde você estudará princípios específicos para cada tipo de gênero literário.
  • 42. 42 Este é um princípio que vem da reforma. Compare escritura com escritura. A melhor forma de iluminarmos alguns textos bíblicos e comparando textos entre si.
  • 43. 43 Assim, por exemplo, quando lemos, ―Da graça decaístes‖ (Gl. 5:4), poderíamos concluir precipitadamente que é possível perder a salvação. Mas o que poderíamos concluir quando comparamos escritura com escritura? O que concluímos desta passagem quando a comparamos com João 10:27-29?
  • 44. 44 Há um erro muito comum: Algumas doutrinas baseadas em versículos isolados. Este comportamento é perigoso. Uma doutrina é fruto de uma análise completa em toda a revelação, acerca do que dizem as escrituras sobre determinado assunto. Um modo de compararmos escritura com escritura é através das referências cruzadas existentes em nossas Bíblias. Concluindo, sugerimos as seguintes regras para você utilizar: • Textos difíceis de se entender devem ser interpretados à luz das passagens mais claras. • Textos fáceis e claros de se entender interpretam textos que usam linguagem simbólica e figurativa. • O Novo Testamento interpreta o Antigo Testamento. • As epístolas interpretam o Evangelho.
  • 45. 45 Aplicação da regra Hermenêutica Vamos aplicar princípio da ―Escritura interpreta melhor a Escritura‖. • Com relação divórcio a passagem do Velho Testamento de Dt. 24:1 é esclarecida no NT, em Mt. 5:31 e Mt. 19. Aqui vemos que o NT ilumina o AT. • Em Hb. 7:1-4, temos um personagem denominado Melquisedeque. Precisamos comparar escritura com escritura para que esclareçamos a identidade de Melquisedeque.
  • 46. 46  Algumas sugestões para iniciantes de um estudo gramatical: • Tenha um dicionário. Defina todas as palavras • Tenha uma boa gramática. Entenda a relação entre as palavras. • Tenha um bom dicionário em grego e hebraico. Futuramente você precisará destes recursos. • Procure encontrar as conexões entre as partes do texto. • Procure achar as idéias principais e secundárias do texto, e elabore um esquema da estrutura do texto.
  • 47. 47 Passo 1 – Analise o significado que as palavras adquirem no contexto. Ex. Romanos Cap. 5 • Palavras analisadas: • v.1 Justificados. • V.2 fé, esperança, glória de Deus. • V.3 tribulações, paciência. • V.4 experiência, esperança. • V.5 Amor V.7 Justo, V.9 Reconciliados Ira V.10
  • 48. 48 Passo 2 da analise – Estabeleça a relação entre as palavras. Ex. ―Justificados (meio) pela fé‖ ―...Temos paz com Deus (meio) por nosso Senhor Jesus Cristo‖. V.1 ―...nos gloriamos na esperança (tipo de esperança) da glória de Deus. V.2 ―...e a esperança não traz confusão(justificativa) porquanto o amor de Deus esta derramado em nosso coração.‖ V. 5
  • 49. 49 Passo 3 – Encontre os conectivos textuais  O que são conectivos? São elementos que encontramos no texto que servem para ligar as partes do texto entre si. • V.2 ―...por intermédio de quem...‖= Jesus  Conectivo de substituição. • V.3 ―E não somente isto,...‖ - Conexão de acréscimo. • V. 5 ―...Ora, a esperança...‖ = Conexão de argumentação. Aqui, o apostolo desenvolve um argumento sobre a esperança. • V. 8 ―Mas Deus prova o seu próprio amor..‖ = conexão de oposição.
  • 50. 50 Passo 4 da análise – Estabeleça a estrutura mecânica do texto. 1 Justificados, pois, mediante a fé, • temos paz com Deus • por meio de nosso Senhor Jesus Cristo; • 2 por intermédio de quem obtivemos igualmente acesso, pela fé, a esta graça •na qual estamos firmes; • e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.
  • 51. 51 3 E não somente isto, • mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; 4 e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. • 5 Ora, a esperança não confunde, porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado. • 6 Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. •7 Dificilmente, alguém morreria por um justo*; pois poderá ser que pelo bom alguém se anime a morrer. 8 Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Obs. Justo* aqui, são aqueles pelos quais Cristo morreu quando ainda eram pecadores e ímpios (v.7)
  • 52. 52 9 Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. • 10 Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; • 11 e não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação.
  • 53. 53 Exemplo 2 - Regra 5 de hermenêutica Texto: Efésios 2:1-10 Passo 1 – Defina as palavras que aparecem no texto v.1 ―mortos‖, ―pecados‖, v.2 ―príncipe das potestades do ar‖, v.3 ―carne‖, v.5 ―graça‖
  • 54. 54 Passo 2 – Estabeleça a relação entre as palavras do texto v.1 Ele vos deu vida, (Condição, estado) estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, v.2 ...nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar • Obs. A Expressão ―nos quais‖= ―nos vossos delitos e pecados‖. V.8 ―Porque pela graça salvos, (meio)mediante a fé...‖. sois
  • 55. 55 v. 4 ―Mas Deus, sendo rico em misericórdia, (Causa, motivo) por causa do grande amor ...‖ v.6 ―....e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; v.7 (finalidade, propósito) para mostrar, nos séculos vindouros v.8 Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; • ―isto‖ se refere a que? A graça? a fé? Ou as duas coisas?
  • 56. 56 Passo 3 – Encontre os conectivos textuais ―v.2 nos quais andastes outrora,...‖ v.3 entre os quais também todos nós andamos outrora... v.4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia,... V.5 e estando nós mortos... v. 7 para mostrar, nos séculos vindouros... v. 8 Porque pela graça sois salvos...
  • 57. 57 Passo 4 – Estabeleça a estrutura mecânica do texto. ― 1 Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, • 2 nos quais andastes outrora, • segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; • 3 entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.
  • 58. 58 4 Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, 5 e estando nós mortos em nossos delitos, • nos deu vida juntamente com Cristo, —pela graça sois salvos, 6 • e, juntamente com ele, nos ressuscitou, • e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; • 7 para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus.
  • 59. 59 8 Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; • e isto não vem de vós; é dom de Deus; • 9 não de obras, para que ninguém se glorie. • 10 Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.‖ (Efésios 2:1-10 RA)
  • 60. 60 Princípio 6 – Uma doutrina não pode ser considerada bíblica, a não ser que resuma e inclua tudo o que a escritura diz sobre ela. • É importante aplicar um estudo indutivo para verificar tudo o que é Bíblia diz sobre um determinado assunto. • Será que poderemos formar uma doutrina a partir de I João 5:16?
  • 61. 61 Princípio 7Aceite as aparentes contradições doutrinárias, considerandoas escriturísticas e crendo que elas se explicarão num plano mais elevado. • Não há contradição nas escrituras. Nossa mente é que não consegue absorver a revelação em sua totalidade. • Alguns assuntos nas escrituras extrapolam os limites do entendimento humano. Exemplos: • A trindade, a dualidade da natureza de Cristo, a origem do mal, a soberania e o livre arbítrio humano.
  • 62. 62 Princípio 8 – Atente para determinadas metáforas quando relacionam-se a pessoa de Deus. • Antropopatismo: Atribuem-se a Deus emoções, paixões e desejos humanos. Ex. Gn.6:6, Efésios 4:30, Rm. 1:18. • Antropomorfismo: Consiste na atribuição de membros corpóreos e atividades físicas a divindade. Ex. Is. 59:1, Is. 66:1, Sl. 34:16, IICr. 16:9 • Obs. Convem aqui lembrar que Deus é espírito, e um espírito não tem forma física, portanto quando os autores atribuem a Deus forma física, estão tentando se fazer entendidos para nós. • Deus usou a linguagem dos homens,valendo-se da cultura, seu vocabulário, padrões de pensamento para se fazer entendido a nós.
  • 63. 63 O que é tipo? Vem da palavra grega ―typto‖’. Pode significar sinal, forma, figura prefiguração, padrão, modelo e exemplo. Vejamos um exemplo em I Coríntios 10:11: ―...estas coisas lhes sobrevieram como exemplos...‖. Outros textos: Rm .5:14, Hebreus 10:1; hebreus 7 (Melquisedeque)
  • 64. 64 Precisamos entender que o sistema teológico nos influencia na forma de interpretarmos o texto bíblico. Portanto, vamos ver resumidamente os principais sistemas teológicos existentes.
  • 65. 65 Teoria Dispensacional • Dispensação: Período em que o homem é provado com respeito à alguma revelação de Deus • Processo: 1. Deus dá ao homem um conjunto específico de responsabilidades ou padrão de obediência; 2. O homem não consegue viver à altura desse conjunto de responsabilidades; 3. Deus reage com misericórdia concedendo um novo conjunto de responsabilidades – uma nova dispensação.
  • 66. 66 As principais dispensações identificadas pelos dispensacionalistas (variam de 4 a 9): 1. Da Inocência ou Liberdade: Adão e Eva antes da queda; 2. 3. 4. 5. 6. 7. (Gn.1:28 a Gn.3:6) Da Consciência: Cada homem seguia a sua consciência. Até o dilúvio; (Gn.4:1 a Gn.8:14) Do Governo Civil: Havia governo humano com direito à pena de morte. Até torre de Babel aproximadamente; (Gn.8:15 a Gn.11:19) – ver Gn.9:6 Da Promessa: Cobre o período dos patriarcas, até a escravidão no Egito; (Gn.11:10 a Ex.18:27) Da Lei Mosaica: Desde Moisés até a morte e ressurreição de Cristo. (até At.1:26) Da Graça: De At.2 (pentecostes), passando pelo tempo presente, até Ap.19:21 (Volta de Jesus e o Armagedom) Do Milênio: Governo pessoal de Cristo. Acabará com uma rebelião (Ap.20:7) e o juízo final.
  • 67. 67 • Duas verdades presentes em toda Bíblia: a lei e o evangelho. • A Lei: Deus em seu ódio ao pecado, seu juízo e sua ira. • O Evangelho: Deus em sua graça, amor e salvação. • Segundo esse critério, passagens do V.T. como Gn.7:1 são consideradas ―evangelho‖ enquanto Mt.22:37 ―Lei‖. • A posição luterana acentua a ―continuidade‖ no sentido de que a Lei e a Graça (Evangelho) continuam presentes desde o início da história humana. • Assim, Lei e Graça não são duas épocas, mas partes integrantes do seu relacionamento com o homem.
  • 68. 68 O termo Calvinismo é dado ao sistema teológico da Reforma protestante, exposto e defendido por João Calvino (1509-1564). Seu sistema de interpretação bíblica pode ser resumido em cinco pontos, conhecidos como "os 5 pontos do Calvinismo" (TULIP em inglês): 1 - Total Depravity (Depravação total) - Todos os homens nascem totalmente depravados, incapazes de se salvar ou de escolher o bem em questões espirituais; 2 - Unconditional Election (Eleição incondicional) - Deus escolheu dentre todos os seres humanos decaídos um grande número de pecadores por graça pura, sem levar em conta qualquer mérito, obra ou fé prevista neles; 3 - Limited Atonement (Expiação limitada) - Jesus Cristo morreu na cruz para pagar o preço do resgate somente dos eleitos; 4 - Irresistible Grace - (Graça Irresistível) - A Graça de Deus é irresistível para os eleitos, isto é, o Espírito Santo acaba convencendo e infundindo a fé salvadora neles; 5 - Perseverance of Saints (Perseverança dos Santos) - Todos os eleitos vão perseverar na fé até o fim e chegar ao céu. Nenhum perderá a salvação.
  • 69. 69 O Arminianismo é o sistema de Teologia formulado por Jacobus Arminius (1560-1609), teólogo da Igreja holandesa, que resolveu refutar o sistema de Calvino. Armínio apresentou seu sistema em 5 pontos: 1 - Capacidade humana, Livre-arbítrio - Todos os homens embora sejam pecadores, ainda são livres para aceitar ou recusar a salvação que Deus oferece; 2 - Eleição condicional - Deus elegeu os homens que ele previu que teriam fé em Cristo; 3 - Expiação ilimitada - Cristo morreu por todos os homens e não somente pelos eleitos; 4 - Graça resistível - Os homens podem resistir à Graça de Deus para não serem salvos; 5 - Decair da Graça - Homens salvos podem perder a salvação caso não perseverem na fé até o fim. O sistema teológico de Armínio foi derrotado no Sínodo de Dort em 1619 na Holanda, por ser considerado anti-bíblico. Por incrível que possa parecer, hoje o Arminianismo é o sistema teológico adotado pela maior parte das igrejas evangélicas. As seitas e o Catolicismo Romano também rejeitam o Calvinismo.
  • 70. 70
  • 71. 71
  • 72. 72
  • 73. 73
  • 74. 74
  • 75. 75 • Compara a revelação divina ao crescimento de uma planta: Uma árvore pequenininha é uma árvore perfeita, mas ainda pequena, imatura e frágil. • Assim, os conceitos de Deus, de Cristo, da salvação e da natureza do homem crescem à medida que a revelação de Deus progride.