SlideShare uma empresa Scribd logo
CARTAS DE
CONTROLE
E BRAINSTORMING
Bárbara, Jéssica, Gabriel e Brian
Gráficos de Controle
 Para distinguir as variações do processo que
anteriormente chamamos de comuns e especiais, e
detectar as especiais, foi desenvolvida uma
ferramenta que, desde então, denominamos Cartas
ou Gráficos de Controle.
As funções destes gráficos são:
1. “Mostrar evidências de que um processo esteja
operando em estado de controle estatístico e dar
sinais de presença de causas especiais de variação
para que medidas corretivas apropriadas sejam
aplicadas”.
2. “Manter o estado de controle estatístico estendendo
a função dos limites de controle como base de
decisões”.
3. “Apresentar informações para que sejam tomadas
ações gerenciais de melhoria dos processos”.
Formas de aplicação
 A forma mais usual dos gráficos de controle envolve
registros cronológicos regulares (dia-a-dia, hora-a-hora, etc)
de uma ou mais características (por exemplo, média,
amplitude, proporção, etc) calculadas em amostras obtidas
de medições em fases apropriadas do processo. Estes
valores são dispostos, pela sua ordem, em um gráfico que
possui uma linha central e dois limites, denominados “limites
de controle”.
 Os gráficos de controle fornecem assim uma regra de
decisão muito simples: pontos dispostos fora dos limites de
controle indicam que o processo está “fora de controle”. Se
todos os pontos dispostos estão dentro dos limites e
dispostos de forma aleatória, consideramos que “não
existem evidências de que o processo esteja fora de
controle".
 Podemos observar gráfico que os dados estão dispostos
entre os limites do intervalo, exceto uma observação.
Exemplo de Gráfico
Benefícios dos gráficos de
controle
Ao melhorar o processo os gráficos de controle
produzem:
1. Um aumento na porcentagem de produtos
capazes de satisfazer aos requisitos do
cliente.
2. Uma diminuição do retrabalho e sucata,
diminuindo, consequentemente, os custos de
fabricação.
3. Aumenta a probabilidade geral de produtos
aceitáveis.
4. Informações para melhoria do processo.
Controle da qualidade
O controle da qualidade é um componente
crítico que provê suporte para as melhorias
sugeridas pelo uso do CEP.
1. Dar suporte ao treinamento para manutenção
do CEP;
2. Focar as pessoas na aplicação do CEP;
3. Ajudar na identificação das causas de
variação do processo;
4. Assegurar que o uso correto das informações
provenientes do programa de CEP estejam
sendo corretamente utilizadas.
Produção
As pessoas envolvidas na produção estão
diretamente relacionadas ao processo e a
efetividade da variação do processo. Elas devem:
1. Estar treinadas na aplicação do programa de
CEP para resolver problemas;
2. Ter entendimento da variação e estabilidade em
relação aos dados e as informações que estarão
sendo usadas no programa de CEP;
3. Estar alertas! A comunicação entre a equipe é
importante quando a situação muda;
4. Atualizar, manter e disponibilizar as cartas de
controle com a equipe responsável;
5. Aprender com as informações coletadas do
processo.
Brainstorming
 Brainstorming é o nome dado à uma técnica
grupal – ou individual – na qual são realizados
exercícios mentais com a finalidade de
resolver problemas específicos. Popularizado
pelo publicitário e escritor Alex Faickney
Osborn, o termo no Brasil também é
conhecido como ‘Tempestade de ideias’. Tal
técnica vem sendo considerada a espinha
dorsal em muitas áreas, como a publicidade, o
marketing, a Gestão de Processos, bem como
todas as ramificações da engenharia.
Tese de Scott Berkun
 Para Scott Berkun, escritor e conferencista
estadunidense, a coisa mais importante sobre
o Brainstorming é o que acontece após a
reunião. Segundo ele, não importa quão
simples tenha sido a sessão de Brainstorming,
pois boas ideias sempre irão surgir.
Entretanto, dependendo do que aconteça
após essa sessão, as ideias podem ou não
gerar resultados satisfatórios.
o desdobramento ocorre da
seguinte forma:
1. Fase 1- passo 1: Escolhe-se um facilitador para
o processo que definirá o objetivo;
2. Fase 1- passo 2: Formam-se grupos de até dez pessoas;
3. Fase 1- passo 3: Escolhe-se um lugar estimulante para a
geração de ideias;
4. Fase 1- passo 4: Os participantes terão um prazo de até 10
minutos para fornecer suas ideias, que não devem ser
censuradas.
5. Fase 2- passo 5: As ideias deverão ser consideradas e
revisadas, disseminando-se entre os participantes;
6. Fase 2- passo 6: O facilitador deverá registrar as ideias em
local visível (quadro, cartaz etc).
7. Fase 3- passo 7: Deverão ser eliminadas as ideias
duplicadas;
8. Fase 3- passo 8: Deverão ser eliminadas as ideias fora do
propósito determinado;
9. Fase 3- passo 9: Das ideias restantes devem ser

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula introducao cep
Aula introducao cepAula introducao cep
Aula introducao cep
nigr0 s
 
Controle de Processo
Controle de ProcessoControle de Processo
Controle de Processo
Euler Silva
 
Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
CEP
CEPCEP
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
emc5714
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
Claudio Correa
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
nigr0 s
 
Cep apres dvs
Cep apres dvsCep apres dvs
Cep apres dvs
Divino Silva .'.
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Nilo Sampaio
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
José Paulo Alves Fusco
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Sampaio
 
Apostila controle processo
Apostila controle processoApostila controle processo
Apostila controle processo
nigr0 s
 
Principais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadePrincipais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidade
Nara Oliveira
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
silvioxavierjunior
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Carlos Oliveira
 
03 cep atributos1 (1)
03 cep atributos1 (1)03 cep atributos1 (1)
03 cep atributos1 (1)
raparecido2600
 
Process Capability
Process CapabilityProcess Capability
Process Capability
CLT Valuebased Services
 
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemasOficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
Leonardo
 
Qualidade
Qualidade Qualidade
Qualidade
Bruno Lagarto
 

Mais procurados (19)

Aula introducao cep
Aula introducao cepAula introducao cep
Aula introducao cep
 
Controle de Processo
Controle de ProcessoControle de Processo
Controle de Processo
 
Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
 
CEP
CEPCEP
CEP
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
 
Cep apres dvs
Cep apres dvsCep apres dvs
Cep apres dvs
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
 
Apostila controle processo
Apostila controle processoApostila controle processo
Apostila controle processo
 
Principais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadePrincipais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidade
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
03 cep atributos1 (1)
03 cep atributos1 (1)03 cep atributos1 (1)
03 cep atributos1 (1)
 
Process Capability
Process CapabilityProcess Capability
Process Capability
 
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemasOficina analise-e-solucao-de-problemas
Oficina analise-e-solucao-de-problemas
 
Qualidade
Qualidade Qualidade
Qualidade
 

Destaque

Materiais e Processos Gráficos - Controle de Qualidade
Materiais e Processos Gráficos - Controle de QualidadeMateriais e Processos Gráficos - Controle de Qualidade
Materiais e Processos Gráficos - Controle de Qualidade
Daniel Soto
 
Aula Qualidade 3
Aula Qualidade 3Aula Qualidade 3
Aula Qualidade 3
rosilane32
 
A rádio peão no ar
A rádio peão no arA rádio peão no ar
Aula de mrp
Aula de mrpAula de mrp
Aula de mrp
Moises Ribeiro
 
Imagem Digital
Imagem DigitalImagem Digital
Imagem Digital
Karen Sica
 
Projeto Serra e Sol
Projeto Serra e SolProjeto Serra e Sol
Projeto Serra e Sol
Marco Coghi
 
Casa Verde
Casa VerdeCasa Verde
Casa Verde
Marco Coghi
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?
João Lima
 
Aula 03 O Que é ProduçãO GráFica
Aula 03 O Que é ProduçãO GráFicaAula 03 O Que é ProduçãO GráFica
Aula 03 O Que é ProduçãO GráFica
Daniel Castro
 
Material para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrpMaterial para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrp
Lucas Souza
 
Producao Grafica - Fundamentos
Producao Grafica - FundamentosProducao Grafica - Fundamentos
Producao Grafica - Fundamentos
dualpixel
 
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
Moises Ribeiro
 
Produção gráfica apostila
Produção gráfica   apostilaProdução gráfica   apostila
Produção gráfica apostila
Marcell Mendonca
 
Projeto de Implantação: Comunicação Interna
Projeto de Implantação: Comunicação InternaProjeto de Implantação: Comunicação Interna
Projeto de Implantação: Comunicação Interna
talitavallim
 
Plano de Comunicação Interna
Plano de Comunicação InternaPlano de Comunicação Interna
Plano de Comunicação Interna
Stéphani Oliveira
 
Materiais e Processos Gráficos
Materiais e Processos GráficosMateriais e Processos Gráficos
Materiais e Processos Gráficos
Amanda Moreira
 
Produção gráfica
Produção gráficaProdução gráfica
Produção gráfica
Sergio Ollandezos
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
BWS Contabilidade, Consultoria e Perícias
 

Destaque (18)

Materiais e Processos Gráficos - Controle de Qualidade
Materiais e Processos Gráficos - Controle de QualidadeMateriais e Processos Gráficos - Controle de Qualidade
Materiais e Processos Gráficos - Controle de Qualidade
 
Aula Qualidade 3
Aula Qualidade 3Aula Qualidade 3
Aula Qualidade 3
 
A rádio peão no ar
A rádio peão no arA rádio peão no ar
A rádio peão no ar
 
Aula de mrp
Aula de mrpAula de mrp
Aula de mrp
 
Imagem Digital
Imagem DigitalImagem Digital
Imagem Digital
 
Projeto Serra e Sol
Projeto Serra e SolProjeto Serra e Sol
Projeto Serra e Sol
 
Casa Verde
Casa VerdeCasa Verde
Casa Verde
 
Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?Criatividade. O que é?
Criatividade. O que é?
 
Aula 03 O Que é ProduçãO GráFica
Aula 03 O Que é ProduçãO GráFicaAula 03 O Que é ProduçãO GráFica
Aula 03 O Que é ProduçãO GráFica
 
Material para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrpMaterial para cálculo de mrp
Material para cálculo de mrp
 
Producao Grafica - Fundamentos
Producao Grafica - FundamentosProducao Grafica - Fundamentos
Producao Grafica - Fundamentos
 
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
 
Produção gráfica apostila
Produção gráfica   apostilaProdução gráfica   apostila
Produção gráfica apostila
 
Projeto de Implantação: Comunicação Interna
Projeto de Implantação: Comunicação InternaProjeto de Implantação: Comunicação Interna
Projeto de Implantação: Comunicação Interna
 
Plano de Comunicação Interna
Plano de Comunicação InternaPlano de Comunicação Interna
Plano de Comunicação Interna
 
Materiais e Processos Gráficos
Materiais e Processos GráficosMateriais e Processos Gráficos
Materiais e Processos Gráficos
 
Produção gráfica
Produção gráficaProdução gráfica
Produção gráfica
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 

Semelhante a Graficos de controle e Brainstorm

Apostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidadeApostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidade
Alexandre Calonego
 
Criação e gestão de indicadores processo 2a parte
Criação e gestão de indicadores processo   2a parteCriação e gestão de indicadores processo   2a parte
Criação e gestão de indicadores processo 2a parte
Priscila Nogueira
 
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdfAula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Denise459384
 
Apostila cep douglas c. ferreira
Apostila cep   douglas c. ferreiraApostila cep   douglas c. ferreira
Apostila cep douglas c. ferreira
Fransley França
 
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_spFerramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Silvana Fontes
 
Indicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paralelo
Indicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paraleloIndicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paralelo
Indicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paralelo
Roberto de Pinho
 
Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2
Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2
Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2
Rafael Lima
 
Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
Carlos Henrique Martins da Silva
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
Willian dos Santos Abreu
 
dokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.ppt
dokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.pptdokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.ppt
dokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.ppt
ssuserc3cd74
 
Apostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QTApostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QT
Marcos Magnanti
 
Unp mba - pmo - indicadores
Unp   mba - pmo - indicadoresUnp   mba - pmo - indicadores
Unp mba - pmo - indicadores
UNP
 
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
EloGroup
 
Curso Minitab em Analise Estatistica
Curso Minitab em Analise EstatisticaCurso Minitab em Analise Estatistica
Curso Minitab em Analise Estatistica
Grupo Treinar
 
Ferramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processosFerramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processos
Itamar Pereira Rezende
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Wagner Tironi Pinto
 
Sistema de qualidade
Sistema de qualidadeSistema de qualidade
Sistema de qualidade
João Marques Mattos
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
Denis Carlos Sodré
 
Indicadores de Gestão de Projetos e Portfólio
Indicadores de Gestão de Projetos e PortfólioIndicadores de Gestão de Projetos e Portfólio
Indicadores de Gestão de Projetos e Portfólio
Garage Criativa | Garage Hub
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Marcos Garrido
 

Semelhante a Graficos de controle e Brainstorm (20)

Apostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidadeApostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidade
 
Criação e gestão de indicadores processo 2a parte
Criação e gestão de indicadores processo   2a parteCriação e gestão de indicadores processo   2a parte
Criação e gestão de indicadores processo 2a parte
 
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdfAula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
Aula 1 - GESTÃO DE PROCESSOS.pdf
 
Apostila cep douglas c. ferreira
Apostila cep   douglas c. ferreiraApostila cep   douglas c. ferreira
Apostila cep douglas c. ferreira
 
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_spFerramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
 
Indicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paralelo
Indicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paraleloIndicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paralelo
Indicadores de políticas públicas e métricas de software: uma visão em paralelo
 
Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2
Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2
Dsn05 s1 valcimarcosta_rafaellima_orleanribeiro_tpo2
 
Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
Aula 4 - Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
dokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.ppt
dokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.pptdokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.ppt
dokumen.tips_aula-4-plano-de-continuidade-de-negocios-pcn.ppt
 
Apostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QTApostila ferramentas QT
Apostila ferramentas QT
 
Unp mba - pmo - indicadores
Unp   mba - pmo - indicadoresUnp   mba - pmo - indicadores
Unp mba - pmo - indicadores
 
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
Um novo olhar sobre a Gestão da Rotina: Ative a melhoria contínua na visão de...
 
Curso Minitab em Analise Estatistica
Curso Minitab em Analise EstatisticaCurso Minitab em Analise Estatistica
Curso Minitab em Analise Estatistica
 
Ferramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processosFerramentas gestão de processos
Ferramentas gestão de processos
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
 
Sistema de qualidade
Sistema de qualidadeSistema de qualidade
Sistema de qualidade
 
Adm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidadeAdm da produção e gestão da qualidade
Adm da produção e gestão da qualidade
 
Indicadores de Gestão de Projetos e Portfólio
Indicadores de Gestão de Projetos e PortfólioIndicadores de Gestão de Projetos e Portfólio
Indicadores de Gestão de Projetos e Portfólio
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 

Graficos de controle e Brainstorm

  • 2. Gráficos de Controle  Para distinguir as variações do processo que anteriormente chamamos de comuns e especiais, e detectar as especiais, foi desenvolvida uma ferramenta que, desde então, denominamos Cartas ou Gráficos de Controle. As funções destes gráficos são: 1. “Mostrar evidências de que um processo esteja operando em estado de controle estatístico e dar sinais de presença de causas especiais de variação para que medidas corretivas apropriadas sejam aplicadas”. 2. “Manter o estado de controle estatístico estendendo a função dos limites de controle como base de decisões”. 3. “Apresentar informações para que sejam tomadas ações gerenciais de melhoria dos processos”.
  • 3. Formas de aplicação  A forma mais usual dos gráficos de controle envolve registros cronológicos regulares (dia-a-dia, hora-a-hora, etc) de uma ou mais características (por exemplo, média, amplitude, proporção, etc) calculadas em amostras obtidas de medições em fases apropriadas do processo. Estes valores são dispostos, pela sua ordem, em um gráfico que possui uma linha central e dois limites, denominados “limites de controle”.  Os gráficos de controle fornecem assim uma regra de decisão muito simples: pontos dispostos fora dos limites de controle indicam que o processo está “fora de controle”. Se todos os pontos dispostos estão dentro dos limites e dispostos de forma aleatória, consideramos que “não existem evidências de que o processo esteja fora de controle".  Podemos observar gráfico que os dados estão dispostos entre os limites do intervalo, exceto uma observação.
  • 5. Benefícios dos gráficos de controle Ao melhorar o processo os gráficos de controle produzem: 1. Um aumento na porcentagem de produtos capazes de satisfazer aos requisitos do cliente. 2. Uma diminuição do retrabalho e sucata, diminuindo, consequentemente, os custos de fabricação. 3. Aumenta a probabilidade geral de produtos aceitáveis. 4. Informações para melhoria do processo.
  • 6. Controle da qualidade O controle da qualidade é um componente crítico que provê suporte para as melhorias sugeridas pelo uso do CEP. 1. Dar suporte ao treinamento para manutenção do CEP; 2. Focar as pessoas na aplicação do CEP; 3. Ajudar na identificação das causas de variação do processo; 4. Assegurar que o uso correto das informações provenientes do programa de CEP estejam sendo corretamente utilizadas.
  • 7. Produção As pessoas envolvidas na produção estão diretamente relacionadas ao processo e a efetividade da variação do processo. Elas devem: 1. Estar treinadas na aplicação do programa de CEP para resolver problemas; 2. Ter entendimento da variação e estabilidade em relação aos dados e as informações que estarão sendo usadas no programa de CEP; 3. Estar alertas! A comunicação entre a equipe é importante quando a situação muda; 4. Atualizar, manter e disponibilizar as cartas de controle com a equipe responsável; 5. Aprender com as informações coletadas do processo.
  • 8. Brainstorming  Brainstorming é o nome dado à uma técnica grupal – ou individual – na qual são realizados exercícios mentais com a finalidade de resolver problemas específicos. Popularizado pelo publicitário e escritor Alex Faickney Osborn, o termo no Brasil também é conhecido como ‘Tempestade de ideias’. Tal técnica vem sendo considerada a espinha dorsal em muitas áreas, como a publicidade, o marketing, a Gestão de Processos, bem como todas as ramificações da engenharia.
  • 9.
  • 10. Tese de Scott Berkun  Para Scott Berkun, escritor e conferencista estadunidense, a coisa mais importante sobre o Brainstorming é o que acontece após a reunião. Segundo ele, não importa quão simples tenha sido a sessão de Brainstorming, pois boas ideias sempre irão surgir. Entretanto, dependendo do que aconteça após essa sessão, as ideias podem ou não gerar resultados satisfatórios.
  • 11. o desdobramento ocorre da seguinte forma: 1. Fase 1- passo 1: Escolhe-se um facilitador para o processo que definirá o objetivo; 2. Fase 1- passo 2: Formam-se grupos de até dez pessoas; 3. Fase 1- passo 3: Escolhe-se um lugar estimulante para a geração de ideias; 4. Fase 1- passo 4: Os participantes terão um prazo de até 10 minutos para fornecer suas ideias, que não devem ser censuradas. 5. Fase 2- passo 5: As ideias deverão ser consideradas e revisadas, disseminando-se entre os participantes; 6. Fase 2- passo 6: O facilitador deverá registrar as ideias em local visível (quadro, cartaz etc). 7. Fase 3- passo 7: Deverão ser eliminadas as ideias duplicadas; 8. Fase 3- passo 8: Deverão ser eliminadas as ideias fora do propósito determinado; 9. Fase 3- passo 9: Das ideias restantes devem ser