SlideShare uma empresa Scribd logo
Controle de
Processo
Plano de Controle
Controle Estatístico de Processo
Análise de Capabilidade de Processo
Faculdade Univértix
Plano de Controle

Faculdade Univértix
Plano de Controle
 O Plano de Controle é derivado do FMEA;

 O Plano de Controle inclui todos controles previstos em cada

operação listada no Fluxograma de Processo;
 Técnicas à Prova de Erro (Poka Yoke / Mistake Proofing)
devem ser preferidas a controles convencionais;
 Estabelecer as características a serem verificadas, os
métodos e o plano de reação em cada etapa aplicável do
processo;
 Pode ser incorporado às Folhas de Processos.

Faculdade Univértix
Formulário
Cabeçalho

Faculdade Univértix
Formulário

Identificação da
Etapa do
Processo onde o
controle é
aplicado

Faculdade Univértix
Formulário

Descrição das
características
controladas
Faculdade Univértix
Características Especiais
Controle Robusto
Dispositivo à Prova
de Erro

Controle Estatístico de
Processo

Poka Yoke /
Mistake Proofing

Cartas de Controle e Análise de
Capabilidade

Preferencial

Recomendável
Faculdade Univértix

Inspeção 100%

Contenção (85% eficaz)
Formulário

Detalhes sobre o
método de
controle
Faculdade Univértix
Formulário

Plano de Reação

Faculdade Univértix
Exemplos

Faculdade Univértix
Exemplos

Faculdade Univértix
Interface com outros documentos
Fluxograma de Processo

PFMEA

Plano de Controle
Op. 30
Colocar
água na
cuia

Cevar a
erva

Queimar a
erva

Gosto
amargo

Água muito
quente

Chiado
da
chaleira

Experiment
ar
chimarrão

Faculdade Univértix

Folhas
de
Processo
Controle Estatístico de Processos CEP
 Controle Estatístico de Processo (Statistical Process Control

– SPC).
 Definição: método preventivo de se comparar, continuamente,

os resultados de um processo com referenciais, identificando a
partir de dados estatísticos as tendências para variações
significativas, a fim de eliminar ou controlar essas variações;
 Objetivo: reduzir a variabilidade de um processo através da

eliminação das causas especiais de variação.

Faculdade Univértix
Conceitos Básicos
 Variação;

 Distribuição Normal;
 Causas Especiais e Causas Comuns;
 Controle estatístico.

Faculdade Univértix
Variação (Dispersão)

Faculdade Univértix
Medidas de Variação
 Amplitude (A ou R):

 R = Maior leitura – menor leitura
 Desvio padrão (s):informa quanto os dados

estão dispersos em torno da média. Para
variações pequenas o desvio padrão é
pequeno.

 xi 2 
1 

S
xi2 

n 1
n 


Faculdade Univértix
Distribuição Normal

Desvio
Padrão
Média

Faculdade Univértix
Tipos de Variação
 Aleatória:
 Inerentes ao processo;
 Podem ser eliminadas
somente através de
melhorias no
processo;
 Tipicamente 15% dos
problemas;
 Causas comuns.

 Não Aleatória:
 Devido a razões
identificáveis
(assinaláveis);
 Podem ser eliminadas
através de ações do
operador ou da
gerência;
 Tipicamente 85% dos
problemas;
 Causas especiais.

Faculdade Univértix
Causas comuns x Causas especiais

Faculdade Univértix
Variabilidade e Previsibilidade
 Todos os processos

têm variação... Mas
somente variação
devido a causas
comuns é previsível.
 Um processo está sob
controle estatístico
quando somente
causas comuns estão
presentes.

Processo sob ação de
causas comuns

Processo sob ação de
causas especiais

Faculdade Univértix
Controle de Processo
Processo sob controle:
• Causas especiais eliminadas
• Presença somente de causas comuns de variação
• Processo estável
• Processo previsível
Processo fora de controle:
• Presença de causas especiais
• Processo instável
Implementação de
• Processo não previsível
Controle de Processo

m

Faculdade Univértix
Gráfico de Controle
Causa
Especial

LSE
LSC

Média

Gráficos de
controle mostram
a variação do
processo ao
longo do tempo

LIC
LIE
1

2

3

4

5

6

Número da Amostra
Faculdade Univértix

7

8

9

10
Cartas de Controle: objetivo

Identificar causas especiais
de variação.

Faculdade Univértix
Principais Tipos de Cartas de Controle
 Dados Tipo Atributos



Para itens defeituosos (carta p)
Para defeitos (carta c)

 Dados Tipo Variáveis



X e AM (individuais e amplitude móvel)
X e R (média e amplitude)

Faculdade Univértix
Cartas: apresentação
Composta de dois gráficos:
 Gráfico das médias (X) ou dos valores
individuais (I)




Mostram a localização do processo
Tipicamente possuem Limites Inferiores e
Superiores de Controle (LIC / LSC)

 Gráfico das amplitudes (R) ou amplitude

móvel (mR)



Mostram a variação (disperção) do processo
Possuem somente Limite Superior de
Controle (LSC)
Faculdade Univértix
Processo Estável = Sob Controle
Histograma: “fotografia
do processo”

Faculdade Univértix

Carta de controle:
comportamento ao longo
do tempo
Determinação dos Limites de Controle
Limites para gráfico Xbar

x1 + x2 + ... xk
==
x
k
=
LSC = x + A2R

=
LIC = x - A2R

Onde:

Aproximadamente igual a 3
Desvios Padrão

=
x = média das médias das amostras

Faculdade Univértix
Critérios para identificação de causas especiais nas
cartas de controle

8 ou mais pontos acima ou abaixo
da Linha Central
Possíveis causas:
Mudança no ajuste de máquina
Processo, método ou material diferente
Avaria de um componente na máquina
Quebra de máquina
Grande variação no material recebido

6 ou mais pontos Subindo ou
Descendo
Possíveis causas:
Desgaste de Ferramenta
Gradual desgaste do equipamento
Desgaste relacionado ao
instrumento de medição

Pontos fora dos Limites de Controle
Possíveis causas:
Erro na medição ou digitação
Quebra de ferramenta
Instrumento de medição desregulado
Operador não consegue identificar a medida

Deslocamento da Média
Possíveis causas:
Novo Método
Nova Máquina
Melhoria de Qualidade
Novo Lote de Material

Periodicidade dos Pontos
Possíveis causas:
Não-uniformidade na matéria-prima recebida
Rodízio de Operadores, Gabaritos e
instrumentos
Diferença entre turnos
Faculdade Univértix
Processo Instável = Fora de Controle
Presença de causas
especiais

Presença de causas
especiais

Faculdade Univértix
Exemplos
 Criação de uma carta:





Virtual Machine
Formulário Carta de Controle
Exemplo 1
Exemplo 2

Faculdade Univértix
Seleção de Cartas de Controle

Faculdade Univértix
Capabilidade de Processo - Conceitos



Tolerâncias: especificações de engenharia que representam requisitos do
produto.
Capabilidade do Processo: representa o melhor desempenho do processo e é
determinada pela variação das causas comuns. Isso é demonstrado quando o
processo está sendo operado sob controle estatístico.






A capabilidade potencial do processo (Cp) é a entre tolerância e a
variabilidade do processo.
A capabilidade efetiva do processo (Cpk) mede a localização da variação do
processo com relação aos limites de especificação. É a condição real de
operação do processo. Considera a variação dentro dos subgrupos sc (desvio
padrão estimado por Rbar/d2) – estudo de curto prazo.

Desempenho do Processo: representa o desempenho geral do processo
considerando todas as variações presentes.


O desempenho potencial e efetivo do processo (Pp/Ppk) tem conceito similar
ao da capabilidade, porém utiliza a variação entre os subgrupos sp, que é a
variação total do processo (desvio padrão amostral s  longo prazo.

Faculdade Univértix
Cálculo da Capabilidade do Processo

Índice de Capabilidade Potencial
do Processo
Amplitude da tolerância
Cp = Amplitude do processo
LSE – LIE
Cp =
6sc
Faculdade Univértix

Onde:
_
sc = R
d2
Calculando Cp
Exemplo:
Dimensão = 9,0mm  0.5mm
Média do processo = 8,80 mm
Amplitude média = 0,33 mm
Tamanho da amostra = 5

LSE – LIE

Cp =

6sc

Onde:
_
sc = R
d2

9.5 - 8.5
= 1,17
Cp =
6 (0,33/2,326)
Faculdade Univértix
Cálculo da Capabilidade do Processo
Índice de Capabilidade “efetiva”
do Processo
_

Cpk = mínimo

_

x - LIE
LSE - x
;
3sc
3sc
Onde:
_
sc = R
d2
Faculdade Univértix
Calculando Cpk
Exemplo:
Dimensão = 9,0mm  0.5mm
Média do processo = 8,80 mm
Amplitude média = 0,33 mm
Tamanho da amostra = 5
_

_

Cpk = mínimo

x - LIE
LSE - x
;
3sc
3sc
0,70

Cpk = mínimo

8.80 - 8.50
3 (0,33/2,326)
Faculdade Univértix

;

1,64

9.50 - 8.80
3 (0,33/2,326)

= 0,70
Representação da Capabilidade

Cp = 1,17
Cpk = 0,70
LIE

8,5

LSE

_
X

9,0

Faculdade Univértix

9,5
Processos capazes e não capazes
Limites de
Especificação

(a) Variação natural
excede os limites de
especificação; processo
não é capaz de atender
as especificações o tempo
todo.
Processo
Limites de
Especificação

(b) Limites de especificação e
variação natural são iguais;
processo é capaz de atender
as especificações a maior
parte do tempo.
Processo
Faculdade Univértix
Processos capazes e não capazes
Limites de
Especificação

(c) Limites de especificação
maiores que a variação
natural do processo; o
processo é capaz de
atender a especificação
ao longo do tempo.
Processo

(d) Limites de especificação
maiores que a a variação natural
do processo, mas o processo
está descentralizado. Processo
capaz mas alguns resultados
não vão atender o limite
superior de especificação.

Limites de
Especificação

Processo
Faculdade Univértix
Análise da capabilidade
 Cp < 1: a capabilidade do

processo é inadequada à
tolerância exigida.
 1 ≤ Cp ≤ 1,33: a
capabilidade do processo
está em torno da diferença
entre as especificações.
 Cp > 1,33: a capacidade do
processo é adequada à
tolerância exigida (resta 30%
de “folga” na tolerância).

Faculdade Univértix
Desempenho do Processo
Índice de Desempenho Potencial
do Processo
Amplitude da tolerância
Pp = Amplitude do processo
LSE – LIE
Pp =
6sp
Faculdade Univértix

Onde: sp = s
Resultados da Análise de Capabilidade

Faculdade Univértix

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalhoMelhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Denise Varela
 
Apresentação Six Sigmas
Apresentação Six SigmasApresentação Six Sigmas
Apresentação Six Sigmas
Felipe Goulart
 
Erros e acertos no atendimento telefônico
Erros e acertos no atendimento telefônicoErros e acertos no atendimento telefônico
Erros e acertos no atendimento telefônico
Daniela de Oliveira
 
Ferramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleFerramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodle
Telmo Telles
 
Perguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãoPerguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutenção
oantu
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
Pedro Godoy
 
[slides] Comunicação Oral e Escrita
[slides] Comunicação Oral e Escrita[slides] Comunicação Oral e Escrita
[slides] Comunicação Oral e Escrita
Alessandro Almeida
 
Unidade i conceitos fundamentais de estatística
Unidade i   conceitos fundamentais de estatísticaUnidade i   conceitos fundamentais de estatística
Unidade i conceitos fundamentais de estatística
Cristiano Martinez
 
Gestão do tempo e organização do trabalho
Gestão do tempo e organização do trabalhoGestão do tempo e organização do trabalho
Gestão do tempo e organização do trabalho
Isabel Grazina
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Aula 4 - Cuidados com a aparência
Aula 4 - Cuidados com a aparênciaAula 4 - Cuidados com a aparência
Aula 4 - Cuidados com a aparência
Professor Cristiano Barreto
 
Qualidade na Saúde
 Qualidade na Saúde  Qualidade na Saúde
Qualidade na Saúde
CarlosSilva1789
 
Seis sigma
Seis sigmaSeis sigma
Seis sigma
Ilania Gonçalves
 
Seis Sigmas
Seis Sigmas Seis Sigmas
Seis Sigmas
Rodrigo Giacomelli
 
Introdução ao CEP
Introdução ao CEPIntrodução ao CEP
Introdução ao CEP
Harbor Inf. Indl.
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
UFU - Universidade Federal de Uberlândia
 
Superando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos ClientesSuperando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos Clientes
Michel Moreira
 
Ajustagem mecânica
Ajustagem mecânicaAjustagem mecânica
Ajustagem mecânica
DERVAL Leite Lima
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4
IBEST ESCOLA
 
Elementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas Soldadas
Elementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas SoldadasElementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas Soldadas
Elementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas Soldadas
Rodrigo Meireles
 

Mais procurados (20)

Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalhoMelhorando a comunicação no ambiente de trabalho
Melhorando a comunicação no ambiente de trabalho
 
Apresentação Six Sigmas
Apresentação Six SigmasApresentação Six Sigmas
Apresentação Six Sigmas
 
Erros e acertos no atendimento telefônico
Erros e acertos no atendimento telefônicoErros e acertos no atendimento telefônico
Erros e acertos no atendimento telefônico
 
Ferramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodleFerramentas stp 2017_moodle
Ferramentas stp 2017_moodle
 
Perguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãoPerguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutenção
 
Assertividade
AssertividadeAssertividade
Assertividade
 
[slides] Comunicação Oral e Escrita
[slides] Comunicação Oral e Escrita[slides] Comunicação Oral e Escrita
[slides] Comunicação Oral e Escrita
 
Unidade i conceitos fundamentais de estatística
Unidade i   conceitos fundamentais de estatísticaUnidade i   conceitos fundamentais de estatística
Unidade i conceitos fundamentais de estatística
 
Gestão do tempo e organização do trabalho
Gestão do tempo e organização do trabalhoGestão do tempo e organização do trabalho
Gestão do tempo e organização do trabalho
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Aula 4 - Cuidados com a aparência
Aula 4 - Cuidados com a aparênciaAula 4 - Cuidados com a aparência
Aula 4 - Cuidados com a aparência
 
Qualidade na Saúde
 Qualidade na Saúde  Qualidade na Saúde
Qualidade na Saúde
 
Seis sigma
Seis sigmaSeis sigma
Seis sigma
 
Seis Sigmas
Seis Sigmas Seis Sigmas
Seis Sigmas
 
Introdução ao CEP
Introdução ao CEPIntrodução ao CEP
Introdução ao CEP
 
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
Superando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos ClientesSuperando As Expectativas Dos Clientes
Superando As Expectativas Dos Clientes
 
Ajustagem mecânica
Ajustagem mecânicaAjustagem mecânica
Ajustagem mecânica
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4
 
Elementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas Soldadas
Elementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas SoldadasElementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas Soldadas
Elementos de Máquina I - 11 Rebites e Juntas Soldadas
 

Destaque

Currículo Nacional de la Educación Básica
Currículo Nacional de la Educación BásicaCurrículo Nacional de la Educación Básica
Currículo Nacional de la Educación Básica
Diego Ponce de Leon
 
Mello anthony despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]
Mello anthony   despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]Mello anthony   despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]
Mello anthony despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]
Mario Paternina
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Advocatenkantoor LEGALZ
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het Web
Simone Levie
 
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Zacatecas TresPuntoCero
 
Relatietips
RelatietipsRelatietips
Relatietips
Gezondheid Acties
 
De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015
Peter de Kuster
 
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
Geohistoria23
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
rtinkelman
 
Geheugen verbeteren
Geheugen verbeterenGeheugen verbeteren
Geheugen verbeteren
Gezondheid Acties
 
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de NegociosJULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
Julio Pari
 
De impact van adhd
De impact van adhdDe impact van adhd
De impact van adhd
Gezondheid Acties
 
El emprendedor y el empresario profesional cert
El emprendedor y el empresario profesional certEl emprendedor y el empresario profesional cert
El emprendedor y el empresario profesional cert
Maestros Online
 
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
Geohistoria23
 
Tears In The Rain
Tears In The RainTears In The Rain
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitiefOnderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
rloggen
 
Como hacer un plan de negocios
Como hacer un plan de negociosComo hacer un plan de negocios
Como hacer un plan de negocios
XPINNERPablo
 
Schrijven voor het web
Schrijven voor het webSchrijven voor het web
Schrijven voor het web
Simone Levie
 
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
.. ..
 

Destaque (20)

Speciale 2. udgave
Speciale 2. udgaveSpeciale 2. udgave
Speciale 2. udgave
 
Currículo Nacional de la Educación Básica
Currículo Nacional de la Educación BásicaCurrículo Nacional de la Educación Básica
Currículo Nacional de la Educación Básica
 
Mello anthony despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]
Mello anthony   despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]Mello anthony   despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]
Mello anthony despierta charlas sobre la espiritualidad [doc]
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het Web
 
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
 
Relatietips
RelatietipsRelatietips
Relatietips
 
De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015
 
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
 
Geheugen verbeteren
Geheugen verbeterenGeheugen verbeteren
Geheugen verbeteren
 
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de NegociosJULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
 
De impact van adhd
De impact van adhdDe impact van adhd
De impact van adhd
 
El emprendedor y el empresario profesional cert
El emprendedor y el empresario profesional certEl emprendedor y el empresario profesional cert
El emprendedor y el empresario profesional cert
 
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
 
Tears In The Rain
Tears In The RainTears In The Rain
Tears In The Rain
 
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitiefOnderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
 
Como hacer un plan de negocios
Como hacer un plan de negociosComo hacer un plan de negocios
Como hacer un plan de negocios
 
Schrijven voor het web
Schrijven voor het webSchrijven voor het web
Schrijven voor het web
 
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
 

Semelhante a Controle de processos

Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
silvioxavierjunior
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
nigr0 s
 
Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)
MiltonQuintinoRios
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
José Paulo Alves Fusco
 
Aula introducao cep
Aula introducao cepAula introducao cep
Aula introducao cep
nigr0 s
 
Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Nilo Sampaio
 
08 pmbok cap08 qualidade
08   pmbok cap08 qualidade08   pmbok cap08 qualidade
08 pmbok cap08 qualidade
Silvio Magalhães
 
Qualidade
Qualidade Qualidade
Qualidade
Bruno Lagarto
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
Marcus Vinicius Carina
 
Cep
CepCep
Cep
emc5714
 
CQ
CQCQ
Processos (2)
Processos (2)Processos (2)
Processos (2)
Fernanda Carvalho
 
Otimização de Processos Laboratoriais
Otimização de Processos LaboratoriaisOtimização de Processos Laboratoriais
Otimização de Processos Laboratoriais
Labsoft - myLIMS
 
Controle de Processo
Controle de ProcessoControle de Processo
Controle de Processo
Euler Silva
 
MSA - Análise dos sistemas de medição
MSA - Análise dos sistemas de mediçãoMSA - Análise dos sistemas de medição
MSA - Análise dos sistemas de medição
Carlos Ernesto Natali
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
Marcos Boaventura
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
Juliana Maria Lopes
 
Aula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmeaAula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmea
Rafael Cruz
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Marcus Vinicius Carina
 

Semelhante a Controle de processos (20)

Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
 
Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
 
Aula introducao cep
Aula introducao cepAula introducao cep
Aula introducao cep
 
Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
 
08 pmbok cap08 qualidade
08   pmbok cap08 qualidade08   pmbok cap08 qualidade
08 pmbok cap08 qualidade
 
Qualidade
Qualidade Qualidade
Qualidade
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
 
Cep
CepCep
Cep
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Processos (2)
Processos (2)Processos (2)
Processos (2)
 
Otimização de Processos Laboratoriais
Otimização de Processos LaboratoriaisOtimização de Processos Laboratoriais
Otimização de Processos Laboratoriais
 
Controle de Processo
Controle de ProcessoControle de Processo
Controle de Processo
 
MSA - Análise dos sistemas de medição
MSA - Análise dos sistemas de mediçãoMSA - Análise dos sistemas de medição
MSA - Análise dos sistemas de medição
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
 
Testes Funcionais
Testes FuncionaisTestes Funcionais
Testes Funcionais
 
Aula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmeaAula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmea
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
 

Controle de processos

  • 1. Controle de Processo Plano de Controle Controle Estatístico de Processo Análise de Capabilidade de Processo Faculdade Univértix
  • 3. Plano de Controle  O Plano de Controle é derivado do FMEA;  O Plano de Controle inclui todos controles previstos em cada operação listada no Fluxograma de Processo;  Técnicas à Prova de Erro (Poka Yoke / Mistake Proofing) devem ser preferidas a controles convencionais;  Estabelecer as características a serem verificadas, os métodos e o plano de reação em cada etapa aplicável do processo;  Pode ser incorporado às Folhas de Processos. Faculdade Univértix
  • 5. Formulário Identificação da Etapa do Processo onde o controle é aplicado Faculdade Univértix
  • 7. Características Especiais Controle Robusto Dispositivo à Prova de Erro Controle Estatístico de Processo Poka Yoke / Mistake Proofing Cartas de Controle e Análise de Capabilidade Preferencial Recomendável Faculdade Univértix Inspeção 100% Contenção (85% eficaz)
  • 8. Formulário Detalhes sobre o método de controle Faculdade Univértix
  • 12. Interface com outros documentos Fluxograma de Processo PFMEA Plano de Controle Op. 30 Colocar água na cuia Cevar a erva Queimar a erva Gosto amargo Água muito quente Chiado da chaleira Experiment ar chimarrão Faculdade Univértix Folhas de Processo
  • 13. Controle Estatístico de Processos CEP  Controle Estatístico de Processo (Statistical Process Control – SPC).  Definição: método preventivo de se comparar, continuamente, os resultados de um processo com referenciais, identificando a partir de dados estatísticos as tendências para variações significativas, a fim de eliminar ou controlar essas variações;  Objetivo: reduzir a variabilidade de um processo através da eliminação das causas especiais de variação. Faculdade Univértix
  • 14. Conceitos Básicos  Variação;  Distribuição Normal;  Causas Especiais e Causas Comuns;  Controle estatístico. Faculdade Univértix
  • 16. Medidas de Variação  Amplitude (A ou R):  R = Maior leitura – menor leitura  Desvio padrão (s):informa quanto os dados estão dispersos em torno da média. Para variações pequenas o desvio padrão é pequeno.   xi 2  1   S xi2   n 1 n    Faculdade Univértix
  • 18. Tipos de Variação  Aleatória:  Inerentes ao processo;  Podem ser eliminadas somente através de melhorias no processo;  Tipicamente 15% dos problemas;  Causas comuns.  Não Aleatória:  Devido a razões identificáveis (assinaláveis);  Podem ser eliminadas através de ações do operador ou da gerência;  Tipicamente 85% dos problemas;  Causas especiais. Faculdade Univértix
  • 19. Causas comuns x Causas especiais Faculdade Univértix
  • 20. Variabilidade e Previsibilidade  Todos os processos têm variação... Mas somente variação devido a causas comuns é previsível.  Um processo está sob controle estatístico quando somente causas comuns estão presentes. Processo sob ação de causas comuns Processo sob ação de causas especiais Faculdade Univértix
  • 21. Controle de Processo Processo sob controle: • Causas especiais eliminadas • Presença somente de causas comuns de variação • Processo estável • Processo previsível Processo fora de controle: • Presença de causas especiais • Processo instável Implementação de • Processo não previsível Controle de Processo m Faculdade Univértix
  • 22. Gráfico de Controle Causa Especial LSE LSC Média Gráficos de controle mostram a variação do processo ao longo do tempo LIC LIE 1 2 3 4 5 6 Número da Amostra Faculdade Univértix 7 8 9 10
  • 23. Cartas de Controle: objetivo Identificar causas especiais de variação. Faculdade Univértix
  • 24. Principais Tipos de Cartas de Controle  Dados Tipo Atributos   Para itens defeituosos (carta p) Para defeitos (carta c)  Dados Tipo Variáveis   X e AM (individuais e amplitude móvel) X e R (média e amplitude) Faculdade Univértix
  • 25. Cartas: apresentação Composta de dois gráficos:  Gráfico das médias (X) ou dos valores individuais (I)   Mostram a localização do processo Tipicamente possuem Limites Inferiores e Superiores de Controle (LIC / LSC)  Gráfico das amplitudes (R) ou amplitude móvel (mR)   Mostram a variação (disperção) do processo Possuem somente Limite Superior de Controle (LSC) Faculdade Univértix
  • 26. Processo Estável = Sob Controle Histograma: “fotografia do processo” Faculdade Univértix Carta de controle: comportamento ao longo do tempo
  • 27. Determinação dos Limites de Controle Limites para gráfico Xbar x1 + x2 + ... xk == x k = LSC = x + A2R = LIC = x - A2R Onde: Aproximadamente igual a 3 Desvios Padrão = x = média das médias das amostras Faculdade Univértix
  • 28. Critérios para identificação de causas especiais nas cartas de controle 8 ou mais pontos acima ou abaixo da Linha Central Possíveis causas: Mudança no ajuste de máquina Processo, método ou material diferente Avaria de um componente na máquina Quebra de máquina Grande variação no material recebido 6 ou mais pontos Subindo ou Descendo Possíveis causas: Desgaste de Ferramenta Gradual desgaste do equipamento Desgaste relacionado ao instrumento de medição Pontos fora dos Limites de Controle Possíveis causas: Erro na medição ou digitação Quebra de ferramenta Instrumento de medição desregulado Operador não consegue identificar a medida Deslocamento da Média Possíveis causas: Novo Método Nova Máquina Melhoria de Qualidade Novo Lote de Material Periodicidade dos Pontos Possíveis causas: Não-uniformidade na matéria-prima recebida Rodízio de Operadores, Gabaritos e instrumentos Diferença entre turnos Faculdade Univértix
  • 29. Processo Instável = Fora de Controle Presença de causas especiais Presença de causas especiais Faculdade Univértix
  • 30. Exemplos  Criação de uma carta:     Virtual Machine Formulário Carta de Controle Exemplo 1 Exemplo 2 Faculdade Univértix
  • 31. Seleção de Cartas de Controle Faculdade Univértix
  • 32. Capabilidade de Processo - Conceitos   Tolerâncias: especificações de engenharia que representam requisitos do produto. Capabilidade do Processo: representa o melhor desempenho do processo e é determinada pela variação das causas comuns. Isso é demonstrado quando o processo está sendo operado sob controle estatístico.    A capabilidade potencial do processo (Cp) é a entre tolerância e a variabilidade do processo. A capabilidade efetiva do processo (Cpk) mede a localização da variação do processo com relação aos limites de especificação. É a condição real de operação do processo. Considera a variação dentro dos subgrupos sc (desvio padrão estimado por Rbar/d2) – estudo de curto prazo. Desempenho do Processo: representa o desempenho geral do processo considerando todas as variações presentes.  O desempenho potencial e efetivo do processo (Pp/Ppk) tem conceito similar ao da capabilidade, porém utiliza a variação entre os subgrupos sp, que é a variação total do processo (desvio padrão amostral s  longo prazo. Faculdade Univértix
  • 33. Cálculo da Capabilidade do Processo Índice de Capabilidade Potencial do Processo Amplitude da tolerância Cp = Amplitude do processo LSE – LIE Cp = 6sc Faculdade Univértix Onde: _ sc = R d2
  • 34. Calculando Cp Exemplo: Dimensão = 9,0mm  0.5mm Média do processo = 8,80 mm Amplitude média = 0,33 mm Tamanho da amostra = 5 LSE – LIE Cp = 6sc Onde: _ sc = R d2 9.5 - 8.5 = 1,17 Cp = 6 (0,33/2,326) Faculdade Univértix
  • 35. Cálculo da Capabilidade do Processo Índice de Capabilidade “efetiva” do Processo _ Cpk = mínimo _ x - LIE LSE - x ; 3sc 3sc Onde: _ sc = R d2 Faculdade Univértix
  • 36. Calculando Cpk Exemplo: Dimensão = 9,0mm  0.5mm Média do processo = 8,80 mm Amplitude média = 0,33 mm Tamanho da amostra = 5 _ _ Cpk = mínimo x - LIE LSE - x ; 3sc 3sc 0,70 Cpk = mínimo 8.80 - 8.50 3 (0,33/2,326) Faculdade Univértix ; 1,64 9.50 - 8.80 3 (0,33/2,326) = 0,70
  • 37. Representação da Capabilidade Cp = 1,17 Cpk = 0,70 LIE 8,5 LSE _ X 9,0 Faculdade Univértix 9,5
  • 38. Processos capazes e não capazes Limites de Especificação (a) Variação natural excede os limites de especificação; processo não é capaz de atender as especificações o tempo todo. Processo Limites de Especificação (b) Limites de especificação e variação natural são iguais; processo é capaz de atender as especificações a maior parte do tempo. Processo Faculdade Univértix
  • 39. Processos capazes e não capazes Limites de Especificação (c) Limites de especificação maiores que a variação natural do processo; o processo é capaz de atender a especificação ao longo do tempo. Processo (d) Limites de especificação maiores que a a variação natural do processo, mas o processo está descentralizado. Processo capaz mas alguns resultados não vão atender o limite superior de especificação. Limites de Especificação Processo Faculdade Univértix
  • 40. Análise da capabilidade  Cp < 1: a capabilidade do processo é inadequada à tolerância exigida.  1 ≤ Cp ≤ 1,33: a capabilidade do processo está em torno da diferença entre as especificações.  Cp > 1,33: a capacidade do processo é adequada à tolerância exigida (resta 30% de “folga” na tolerância). Faculdade Univértix
  • 41. Desempenho do Processo Índice de Desempenho Potencial do Processo Amplitude da tolerância Pp = Amplitude do processo LSE – LIE Pp = 6sp Faculdade Univértix Onde: sp = s
  • 42. Resultados da Análise de Capabilidade Faculdade Univértix