SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
O que é CEP?
CEP significa controle estatístico do
processo, é a técnica que nos permite
entender e controlar o que está acontecendo
com o processo, ou seja, através de
medições e contagens podemos saber se
ele está com problemas ou não, e dessa
maneira podemos atuar preventivamente,
conhecendo o seu comportamento e
evitando refugos e retrabalhos.
Controle Estatístico do
Processo
É um método de aprimoramento da
Qualidade aplicado a produção que permite
a redução sistemática da variabilidade nas
características da qualidade de interesse,
contribuindo para melhoria da qualidade, da
produtividade, da confiabilidade e do custo
do que está sendo produzido.
O CEP não espera o produto ficar pronto para descobrir suas
falhas.
Controle Estatístico do Processo
Baseia – se em trabalhar com um sistema de controle por
PREVENÇÃO, ao invés de detecção.
No sistema de prevenção, sinais estatísticos são enviados
ao operador avisando que algo está indo para o caminho
errado. O responsável pela máquina (operador) deve tomar
alguma providência para eliminar as causas desses
defeitos para reduzir e/ou eliminar as falhas no momento
de sua incidência.
Prevenção versus Detecção
É muito mais efetivo evitar o desperdício, em primeiro lugar,
não produzindo resultados insatisfatórios – uma estratégia
de prevenção.
É facilmente vista em “slogans” do tipo “Faça certo da
primeira vez”. Entretanto “slogans” não são suficientes. O
que se requer é um entendimento dos elementos do controle
estatístico do processo.
As respostas as perguntas a seguir podem atender a estes
elementos.
Prevenção versus Detecção
O que significa um sistema de controle de processo?
Como uma variação afeta o resultado do processo?
Como podem técnicas estatísticas mostrar se um problema
é localizado ou envolve todo um sistema?
O que significa um processo estar sob controle estatístico?
O que significa um processo ser capaz?
O que é um ciclo de melhoria contínua e em que papel o
controle de processo participa dele?
O que são cartas de controle, e como são usadas?
Que benefícios podem ser esperados do uso de cartas de
controle?
Sistema de Controle de Processo
Um sistema de controle de processo pode ser descrito como
um sistema de “feedback”. O CEP é um tipo de sistema de
“feedback”. Quatro elementos são importantes para as
discussões:
• O processo
• Informações sobre o desempenho
• Ação sobre o processo
• Ação sobre o resultado
Sistema de Controle de Processo
O processo
Entende-se como processo, a combinação como um todo
dos fornecedores, produtores, pessoas, equipamentos,
materiais de entrada, métodos e clientes que utilizam o
resultado.
O desempenho total do processo depende da comunicação
entre fornecedor e cliente, da maneira como o processo é
planejado e implementado, e da maneira como ele é
operado e gerenciado.
Sistema de Controle de Processo
Informações sobre o desempenho
A informação mais útil sobre o desempenho do processo
vem da compreensão do processo em si e de sua
variabilidade interna.
Características do processo (temperatura, atrasos,
interrupções, absenteísmo, etc.) devem ser o objetivo
principal dos esforços.
É preciso determinar os valores-alvo para aquelas
características que resultam numa operação mais produtiva
do processo e então monitorar o quão próximo ou distante
deste alvo estamos.
Sistema de Controle de Processo
Ação sobre o processo
Uma ação sobre o processo é geralmente mais econômica quando
realizada para prevenir que características importantes variem
muito em relação aos seus valores alvo.
Podem incluir:
• Mudanças nas operações
- treinamento dos operadores
- mudanças nos materiais de entrada
• Mudanças nos elementos básicos do próprio processo
- equipamento
- o modo como as pessoas se comunicam e se relacionam
- o projeto do processo como um todo – que pode estar vulnerável
às mudanças de temperatura ou umidade da fábrica
Sistema de Controle de
Processo
Ação sobre o resultado
Uma ação sobre o resultado é freqüentemente menos
econômica quando se restringe à detecção e correção do
produto fora da especificação, não indicando o fator
gerador do problema no processo.
Se o resultado atual não atinge consistentemente os
requisitos exigidos pelo cliente, pode ser necessário
inspecionar e classificar todos os produtos e refugar ou
trabalhar quaisquer itens não-conforme.
Variações – causas comuns e
especiais
Em qualquer processo de produção,
independentemente de
quão bem planejado ou cuidadosamente mantido,
uma
certa variabilidade inerente ou natural sempre
existirá.
Variações nos processos
Distinguem-se dois tipos de variações nos processos:
A variação estável, também conhecida como:
“variação inerente ao processo”, “ruído de fundo”,
“variação devido à causas comuns”
Resulta de um efeito cumulativo de pequenas contribuições de
um grande número de fatores essencialmente inevitáveis num
determinado contexto tecnológico.
Exemplos causas comuns
Vibração de maquinário;
• Ruído, temperatura, umidade ambiente;
• Flutuações de corrente;
• Não homogeneidade de materiais;
• Manutenção;
• Variações em misturas de materiais;
• Fluxos hidráulicos irregulares;
• Deficiências de projeto;
• Requisitos de tempo inadequados
Causas especiais das variações
A variação instável, também conhecida como “variação
devido a causas especiais”.
É caracterizada por uma mudança no padrão da variação
estável,resultante do efeito ocasional de fatores tais como:
• Material não-conforme;
• Desgaste de ferramentas;
• Paradas de máquinas;
• Erro humano;
• Falha de equipamentos.
Exemplos de causas especiais
• Perda de energia;
• Erros de inspeção ou diagnóstico;
• Erros na execução de procedimentos;
• Sub ou superaquecimento;
• Condições ambientais extremas;
• Mudanças de método ou procedimentos;
• Mudanças de operador;
• Procedimentos não executados;
• Instruções/procedimentos confusos.
Causas e fontes de variação
Fontes de Variação Causas
Mão de Obra Comum •Treinamento inadequado;
•Treinamento insuficiente
Especial •Falta de cuidado
•Saúde subitamente abalada;
•Operador substituto inexperiente;
•Vício que afeta esporadicamente o comportamento.
Máquina Comum •Envelhecimento;
•Desgaste.
Especial • Súbita desregulagem da máquina;
• Ferramenta indevida
• Quebra ou inoperância de algum componente
nptada pelo operador
Meio Ambiente Comum • Iluminação deficiente;
• Alto nível de ruído;
• Variação da temperatura ambiente
Especial • Aumento da temperatura devido à quebra do
controlador da temperatura.
Causas e fontes de variação
Fontes de Variação Causas
Matéria-prima Comum • Compra contínua de material de baixa qualidade
• (Variação da matéria-prima entre lotes).
Especial • Uma remessa fora da especificação;
• Lote que recebeu estocagem ou manuseio inadequado;
• Utilização de material indevido.
Método Comum • Instruções erradas ou inexistentes;
• Especificações inexistentes ou confusas;
• Especificações da matéria-prima incompatíveis com as
especificações requeridas ao produto.
Especial • Folha de instrução de operação ilegível, usada por um
ajustador de processo inexperiente.
Medições Comum • Instrumento de medição inadequado
Especial • Quebra do instrumento de controle;
• Quebra do óculos do operador do instrumento.
Causas comuns versus especiais
Tipo de
variação
Tipo de
causa
Situação do
processo
Tipo de
ação
• Inerente
• Natural
• Previsível
Comum • Em
controle
Estatístico
(estável)
Ação sobre
o sistema
• Errática
• Alteração
brusca
• Fuga gradual
Especial • Fora de
Controle
(instável)
Ação
localizada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdcaemc5714
 
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de ProblemasMASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemaseugeniorocha
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGerisval Pessoa
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeSergio Dias
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de Frequências
Estatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de FrequênciasEstatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de Frequências
Estatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de FrequênciasMarcus Araújo
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2emc5714
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda IMauro Enrique
 
Controle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEPControle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEPDavid Marcus Mápelli
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdcaCarci
 
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15Jossiane Araújo
 

Mais procurados (20)

7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Gestão De Processos
Gestão De ProcessosGestão De Processos
Gestão De Processos
 
Apresentação pdca
Apresentação pdcaApresentação pdca
Apresentação pdca
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Etapas auditoria
Etapas auditoriaEtapas auditoria
Etapas auditoria
 
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de ProblemasMASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
MASP - Metodologia para Análise e Solução de Problemas
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Aula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidadeAula 4 c custos da qualidade
Aula 4 c custos da qualidade
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Estatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de Frequências
Estatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de FrequênciasEstatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de Frequências
Estatística Aplicada à Administração - Aula 05: Distribuição de Frequências
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
 
02 aula sistemas dos 5s
02 aula sistemas dos 5s02 aula sistemas dos 5s
02 aula sistemas dos 5s
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 
Controle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEPControle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEP
 
Ciclo pdca
Ciclo pdcaCiclo pdca
Ciclo pdca
 
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15Ferramentas da qualidade   aula 17-02-15
Ferramentas da qualidade aula 17-02-15
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 

Destaque (6)

Cep
CepCep
Cep
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
 
Trabalho controlo estatistico de qualidade
Trabalho controlo estatistico de qualidadeTrabalho controlo estatistico de qualidade
Trabalho controlo estatistico de qualidade
 
Cep apres dvs
Cep apres dvsCep apres dvs
Cep apres dvs
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Slides qualidade
Slides qualidadeSlides qualidade
Slides qualidade
 

Semelhante a Aula introducao cep

Controle estatístico de processo (trabal ho0
Controle estatístico de processo (trabal ho0Controle estatístico de processo (trabal ho0
Controle estatístico de processo (trabal ho0rjmoura
 
Prevenção e Recuperação de Falhas.pptx
Prevenção e Recuperação de Falhas.pptxPrevenção e Recuperação de Falhas.pptx
Prevenção e Recuperação de Falhas.pptxcarlosCavalcante58
 
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeManutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeAnderson Silvestre
 
Controle estratégico- tatico e operacional
Controle estratégico- tatico e operacionalControle estratégico- tatico e operacional
Controle estratégico- tatico e operacionalkyrie24
 
Controle estratégico- tatico
Controle estratégico- taticoControle estratégico- tatico
Controle estratégico- taticokyrie24
 
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdfBoas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdfDaniSilva665881
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oDaniel Jovana Joaquim
 
Analista garantia-de-qualidade-2
Analista garantia-de-qualidade-2Analista garantia-de-qualidade-2
Analista garantia-de-qualidade-2jmfel fernandez
 
Apresentação qualidade og day
Apresentação qualidade og dayApresentação qualidade og day
Apresentação qualidade og dayRafael Silva
 
Qualidade de Software - OpenGEO Day2010
Qualidade de Software - OpenGEO Day2010Qualidade de Software - OpenGEO Day2010
Qualidade de Software - OpenGEO Day2010Raphael Reis
 
316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf
316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf
316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdfWellingtonSoares86
 
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVControle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVCamila Pompeu
 
Aula 3 Boas práticas de produção de produtos farmacêuticos
Aula 3   Boas práticas de produção de produtos farmacêuticosAula 3   Boas práticas de produção de produtos farmacêuticos
Aula 3 Boas práticas de produção de produtos farmacêuticosNome Sobrenome
 
FMEA e Controle de Processo.pdf
FMEA e Controle de Processo.pdfFMEA e Controle de Processo.pdf
FMEA e Controle de Processo.pdfRobertaRibeiro89
 
Estabelecendo Controles
Estabelecendo ControlesEstabelecendo Controles
Estabelecendo ControlesPosseidon_F
 

Semelhante a Aula introducao cep (20)

Controle estatístico de processo (trabal ho0
Controle estatístico de processo (trabal ho0Controle estatístico de processo (trabal ho0
Controle estatístico de processo (trabal ho0
 
Introdução ao CEP
Introdução ao CEPIntrodução ao CEP
Introdução ao CEP
 
Prevenção e Recuperação de Falhas.pptx
Prevenção e Recuperação de Falhas.pptxPrevenção e Recuperação de Falhas.pptx
Prevenção e Recuperação de Falhas.pptx
 
Processos (2)
Processos (2)Processos (2)
Processos (2)
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeManutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na Confiabilidade
 
Controle estratégico- tatico e operacional
Controle estratégico- tatico e operacionalControle estratégico- tatico e operacional
Controle estratégico- tatico e operacional
 
Controle estratégico- tatico
Controle estratégico- taticoControle estratégico- tatico
Controle estratégico- tatico
 
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdfBoas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
Boas prática de fabricação na industria cosmetica pdf
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
 
Analista garantia-de-qualidade-2
Analista garantia-de-qualidade-2Analista garantia-de-qualidade-2
Analista garantia-de-qualidade-2
 
Apresentação qualidade og day
Apresentação qualidade og dayApresentação qualidade og day
Apresentação qualidade og day
 
Qualidade de Software - OpenGEO Day2010
Qualidade de Software - OpenGEO Day2010Qualidade de Software - OpenGEO Day2010
Qualidade de Software - OpenGEO Day2010
 
316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf
316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf
316941936-Ferramentas-da-Qualidade-Acao-Corretiva-e-Preventiva.pdf
 
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIVControle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
Controle de Qualidade dos Laboratórios de FIV
 
Aula 3 Boas práticas de produção de produtos farmacêuticos
Aula 3   Boas práticas de produção de produtos farmacêuticosAula 3   Boas práticas de produção de produtos farmacêuticos
Aula 3 Boas práticas de produção de produtos farmacêuticos
 
FMEA e Controle de Processo.pdf
FMEA e Controle de Processo.pdfFMEA e Controle de Processo.pdf
FMEA e Controle de Processo.pdf
 
Aula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmeaAula+10+ +fmea
Aula+10+ +fmea
 
Estabelecendo Controles
Estabelecendo ControlesEstabelecendo Controles
Estabelecendo Controles
 
Cap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.pptCap_6Qualidade_total.ppt
Cap_6Qualidade_total.ppt
 

Aula introducao cep

  • 1. O que é CEP? CEP significa controle estatístico do processo, é a técnica que nos permite entender e controlar o que está acontecendo com o processo, ou seja, através de medições e contagens podemos saber se ele está com problemas ou não, e dessa maneira podemos atuar preventivamente, conhecendo o seu comportamento e evitando refugos e retrabalhos.
  • 2. Controle Estatístico do Processo É um método de aprimoramento da Qualidade aplicado a produção que permite a redução sistemática da variabilidade nas características da qualidade de interesse, contribuindo para melhoria da qualidade, da produtividade, da confiabilidade e do custo do que está sendo produzido. O CEP não espera o produto ficar pronto para descobrir suas falhas.
  • 3. Controle Estatístico do Processo Baseia – se em trabalhar com um sistema de controle por PREVENÇÃO, ao invés de detecção. No sistema de prevenção, sinais estatísticos são enviados ao operador avisando que algo está indo para o caminho errado. O responsável pela máquina (operador) deve tomar alguma providência para eliminar as causas desses defeitos para reduzir e/ou eliminar as falhas no momento de sua incidência.
  • 4. Prevenção versus Detecção É muito mais efetivo evitar o desperdício, em primeiro lugar, não produzindo resultados insatisfatórios – uma estratégia de prevenção. É facilmente vista em “slogans” do tipo “Faça certo da primeira vez”. Entretanto “slogans” não são suficientes. O que se requer é um entendimento dos elementos do controle estatístico do processo. As respostas as perguntas a seguir podem atender a estes elementos.
  • 5. Prevenção versus Detecção O que significa um sistema de controle de processo? Como uma variação afeta o resultado do processo? Como podem técnicas estatísticas mostrar se um problema é localizado ou envolve todo um sistema? O que significa um processo estar sob controle estatístico? O que significa um processo ser capaz? O que é um ciclo de melhoria contínua e em que papel o controle de processo participa dele? O que são cartas de controle, e como são usadas? Que benefícios podem ser esperados do uso de cartas de controle?
  • 6. Sistema de Controle de Processo Um sistema de controle de processo pode ser descrito como um sistema de “feedback”. O CEP é um tipo de sistema de “feedback”. Quatro elementos são importantes para as discussões: • O processo • Informações sobre o desempenho • Ação sobre o processo • Ação sobre o resultado
  • 7. Sistema de Controle de Processo O processo Entende-se como processo, a combinação como um todo dos fornecedores, produtores, pessoas, equipamentos, materiais de entrada, métodos e clientes que utilizam o resultado. O desempenho total do processo depende da comunicação entre fornecedor e cliente, da maneira como o processo é planejado e implementado, e da maneira como ele é operado e gerenciado.
  • 8. Sistema de Controle de Processo Informações sobre o desempenho A informação mais útil sobre o desempenho do processo vem da compreensão do processo em si e de sua variabilidade interna. Características do processo (temperatura, atrasos, interrupções, absenteísmo, etc.) devem ser o objetivo principal dos esforços. É preciso determinar os valores-alvo para aquelas características que resultam numa operação mais produtiva do processo e então monitorar o quão próximo ou distante deste alvo estamos.
  • 9. Sistema de Controle de Processo Ação sobre o processo Uma ação sobre o processo é geralmente mais econômica quando realizada para prevenir que características importantes variem muito em relação aos seus valores alvo. Podem incluir: • Mudanças nas operações - treinamento dos operadores - mudanças nos materiais de entrada • Mudanças nos elementos básicos do próprio processo - equipamento - o modo como as pessoas se comunicam e se relacionam - o projeto do processo como um todo – que pode estar vulnerável às mudanças de temperatura ou umidade da fábrica
  • 10. Sistema de Controle de Processo Ação sobre o resultado Uma ação sobre o resultado é freqüentemente menos econômica quando se restringe à detecção e correção do produto fora da especificação, não indicando o fator gerador do problema no processo. Se o resultado atual não atinge consistentemente os requisitos exigidos pelo cliente, pode ser necessário inspecionar e classificar todos os produtos e refugar ou trabalhar quaisquer itens não-conforme.
  • 11. Variações – causas comuns e especiais Em qualquer processo de produção, independentemente de quão bem planejado ou cuidadosamente mantido, uma certa variabilidade inerente ou natural sempre existirá.
  • 12. Variações nos processos Distinguem-se dois tipos de variações nos processos: A variação estável, também conhecida como: “variação inerente ao processo”, “ruído de fundo”, “variação devido à causas comuns” Resulta de um efeito cumulativo de pequenas contribuições de um grande número de fatores essencialmente inevitáveis num determinado contexto tecnológico.
  • 13. Exemplos causas comuns Vibração de maquinário; • Ruído, temperatura, umidade ambiente; • Flutuações de corrente; • Não homogeneidade de materiais; • Manutenção; • Variações em misturas de materiais; • Fluxos hidráulicos irregulares; • Deficiências de projeto; • Requisitos de tempo inadequados
  • 14. Causas especiais das variações A variação instável, também conhecida como “variação devido a causas especiais”. É caracterizada por uma mudança no padrão da variação estável,resultante do efeito ocasional de fatores tais como: • Material não-conforme; • Desgaste de ferramentas; • Paradas de máquinas; • Erro humano; • Falha de equipamentos.
  • 15. Exemplos de causas especiais • Perda de energia; • Erros de inspeção ou diagnóstico; • Erros na execução de procedimentos; • Sub ou superaquecimento; • Condições ambientais extremas; • Mudanças de método ou procedimentos; • Mudanças de operador; • Procedimentos não executados; • Instruções/procedimentos confusos.
  • 16. Causas e fontes de variação Fontes de Variação Causas Mão de Obra Comum •Treinamento inadequado; •Treinamento insuficiente Especial •Falta de cuidado •Saúde subitamente abalada; •Operador substituto inexperiente; •Vício que afeta esporadicamente o comportamento. Máquina Comum •Envelhecimento; •Desgaste. Especial • Súbita desregulagem da máquina; • Ferramenta indevida • Quebra ou inoperância de algum componente nptada pelo operador Meio Ambiente Comum • Iluminação deficiente; • Alto nível de ruído; • Variação da temperatura ambiente Especial • Aumento da temperatura devido à quebra do controlador da temperatura.
  • 17. Causas e fontes de variação Fontes de Variação Causas Matéria-prima Comum • Compra contínua de material de baixa qualidade • (Variação da matéria-prima entre lotes). Especial • Uma remessa fora da especificação; • Lote que recebeu estocagem ou manuseio inadequado; • Utilização de material indevido. Método Comum • Instruções erradas ou inexistentes; • Especificações inexistentes ou confusas; • Especificações da matéria-prima incompatíveis com as especificações requeridas ao produto. Especial • Folha de instrução de operação ilegível, usada por um ajustador de processo inexperiente. Medições Comum • Instrumento de medição inadequado Especial • Quebra do instrumento de controle; • Quebra do óculos do operador do instrumento.
  • 18. Causas comuns versus especiais Tipo de variação Tipo de causa Situação do processo Tipo de ação • Inerente • Natural • Previsível Comum • Em controle Estatístico (estável) Ação sobre o sistema • Errática • Alteração brusca • Fuga gradual Especial • Fora de Controle (instável) Ação localizada