SlideShare uma empresa Scribd logo
CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO
COMO FENÔMENO DE GARANTIA DE
QUALIDADE NA ÁREA INDUSTRIAL.
Alunos: Diogo Amin Dias
Felipe José Farias de Oliveira
Lucas Marins Quintanilha
Lucas Senne Souza Reis
Mateus Costa Rossi Mercante
Orientador: Prof.Dr. Nilo Sampaio
Sumário
1- Introdução
2- Origens do Controle Estatístico de Processos

3- Ferramentas do Controle Estatístico de Processos
4- Aplicações na Indústria do Controle Estatístico de Processos
5- Conclusão
1- Introdução
• Atualmente a maioria das empresas buscam a
melhoria na qualidade dos produtos e
serviços.
• Qualidade significa adequação ao uso.
Adequação essa que visa a qualidade do
projeto.
1- Introdução
• O Cep teve origens nos laboratórios da
Companhia Telefônica Bell.
• Foi desenvolvido pelo Dr. Walter A.
Shewhart, um dos pioneiros nesse campo da
estatística.
1- Introdução
• O Cep é uma técnica aplicada a produção que
permite:
Redução Sistemática da Variabilidade
Melhoria da Qualidade
Melhoria da Produtividade
Melhoria da Confiabilidade
Redução dos custos
2- Origem do Controle Estatístico de
Processos
• Final do seculo XVIII, antes da era industrial os
empreendimentos era de natureza individual.
• 1924 Dr. Walter Shewhart, carta
controle, prevenção dos problemas.

de
2- Origem do Controle Estatístico de
Processos
• Para o profissional do século XVIII a
“qualidade”
estava
relacionada
ao
atendimento as especificações do produto.

• Hoje, a “qualidade” é definida pelo cliente.
2- Origem do Controle Estatístico de
Processos
• Segunda guerra mundial, melhoria nos
equipamentos para maior eficiência nas
batalhas.
• Reconstrução do Japão, controle da qualidade
envolvendo todos os setores e funcionários da
empresa.
3- Ferramentas do Controle Estatístico
de Processos
Para ter um melhor controle da qualidade, o CEP
utiliza ferramentas para melhorar a eficiência do
processo. As Ferramentas são:
• Gráfico de Controle
• Histograma
• Diagrama de dispersão
• Gráfico de Pareto
• Folha de Verificação
• Diagrama de causa-efeito

• Diagrama de defeito-concentração
Histograma
• É um gráfico de barras verticais que apresenta
valores de certa característica agrupados por
faixas.
• Serve para demonstrar a frequência que
ocorre um certo valor.
Histograma
Distribuição de Frequências para os dados de Resistência à Compressão.
Intervalo de Classe

Frequência

70 – 90

2

90 – 110

3

110 – 130

6

130 – 150

14

150 – 170

22

170 – 190

17

190 – 210

10

210 – 230

4

230 – 250

2
Histograma
25

Frequência

20

15

10

5

0
70 - 90

90 - 110 110 - 130 130 - 150 150 – 170 170 – 190 190 – 210 210 – 230 230 - 250
Resistência à compressão (PSI)
Gráfico de Pareto
• O diagrama de Pareto utiliza-se a relação
20/80 para identificar os problemas
prioritários num processo.
• Apresenta-se como um gráfico de barras
verticais e deve ser construído com base em
uma linha de verificação.
Gráfico de Pareto
Defeitos Encontrados em uma Amostra de Lentes

Tipo de Defeito

Quantidade
de Defeitos

Total
Acumulado

Percentagem do
total geral(%)

Percentagem
acumulada(%)

Arranhão

12

55

43,3

43,3

Trinca

41

96

32,3

75,6

Revestimento Inadequado

55

108

9,4

85

Muito Fina ou Muito Grossa

11

119

8,7

93,7

Não-Acabada

5

124

3,9

97,6

Outros

3

127

2,4

100

Total

127

-

100

-
Gráfico de Pareto
100

100

60
50

40

20

0

0
Revestimento
Inadequado

Trinca

Arranhão

Fina ou
Grossa

TIPO DE DEFEITO

Não-Acabada

Outros

PORCENTAGEM
ACUMULADA

QUANTIDADE

80
Diagrama de causa e efeito
• Consiste em uma forma gráfica usada como
metodologia de análise para representar
fatores de influência (causas) sobre um
determinado problema (efeito)

• Também é denominada Diagrama de
Ishikawa, devido ao seu criador, ou Diagrama
Espinha de Peixe, devido à sua forma.
Diagrama de causa e efeito
Diagrama de defeito-concentração
• Um diagrama de defeito-concentração é uma
figura da unidade, mostrando todas as vistas
relevantes.
• Analisa o diagrama para localizar os defeitos e
captar alguma informação útil sobre as
potencias causas do defeito.
Diagrama de defeito-concentração
Diagrama de concentração de defeito para o tanque
Gráfico de Controle
• É a ferramenta utilizada para o monitoramento
da variabilidade para a avaliação da estabilidade
de um processo.
• Um gráfico de controle permite a distinção entre
os tipos de variação, ou seja, ele nos informa se o
processo está ou não sob controle estatístico.
Gráfico de Controle
• Possuem dois tipos de variação na qualidade do
processo: causas comuns e causas especiais.
• Causas comuns: variação estável, apresentando
comportamento previsível.
• Causas especiais: variações esporádicas, apresenta
comportamento desregular.
Gráfico de Controle
Medias de abertura de um rotor
Número da
amostra
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19

x1
33
33
35
30
33
38
30
29
28
38
28
31
27
33
35
33
35
32
25

x2
29
31
37
31
34
37
31
39
33
33
30
35
32
33
37
33
34
33
27

x3
31
35
33
33
35
39
32
38
35
32
28
35
24
35
32
27
34
30
34

x4
32
37
34
34
33
40
34
39
36
35
32
35
35
37
35
31
30
30
27

x5
33
31
36
33
34
38
31
39
43
32
31
34
37
36
39
30
32
33
28

x̅
31,6
33,4
35
32,2
33,8
38,4
31,6
36,8
35
34
29,8
34
33
34,8
35,6
30,8
33
31,6
28,2

r
4
6
4
4
2
3
4
10
15
6
4
4
10
4
7
6
5
3
9

s
1,67332
2,60768
1,58114
1,64317
0,83666
1,14018
1,51658
4,38178
5,43139
2,54951
1,78885
1,73205
3,80789
1,78885
2,60768
2,48998
2
1,51658
3,42053
Gráfico de Controle
Diagrama de dispersão
• É um gráfico útil para a identificação de relações
potenciais entre duas variáveis.
• O entendimento dos tipos de relação existentes
entre as variáveis associadas a um processo
contribui para aumentar a eficiência dos métodos
de controle de processo.
Diagrama de dispersão
Número de medida i
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16

Tensão na rede Elétrica (volts) xi
222,7
217,7
219,4
220,9
214,4
216,5
213,0
221,7
224,7
215,5
220,0
218,6
223,5
217,0
221,5
218,4

Variação no Corte (mm) yi
15,7
17,0
16,3
16,1
18,6
17,8
19,5
16,0
15,3
18,3
16,3
16,7
15,7
17,4
16,1
16,8
Diagrama de dispersão
Número de medida i
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34

Tensão na rede Elétrica (volts) xi
221,2
219,9
222,2
213,9
216,0
218,1
222,0
224,1
214,9
214,2
223,3
216,7
215,3
223,8
220,6
215,8
217,3

Variação no Corte (mm) yi
16,2
16,2
15,9
19,1
18,0
17,0
16,0
15,4
18,6
18,7
15,6
17,6
18,5
15,5
16,1
18,2
17,3
Diagrama de dispersão
Folha de verificação
• É utilizada para facilitar e organizar o processo
de coleta e registro de dados.
• Ao se planejar uma folha de verificação deve-se
especificar claramente o tipo de dados a serem
coletados
4- Aplicações do CEP
• Aplicação do CEP em uma indústria de
salame.
• Aplicação do
hospitalar.

CEP

no

atendimento
4- Aplicações do CEP na indústria de salame

• “APLICAÇÃO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE
PROCESSO (CEP) PARA AVALIAR O PROCESSO
DE DEFUMAÇÃO DO SALAME”.
4- Aplicações do CEP na indústria de salame
• Ferramenta utilizada histograma.
4- Aplicações do CEP na indústria de salame
• Ferramenta utilizada gráfico de controle.
4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar

• “APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE
PROCESSO NO TEMPO DE ESPERA DA
URGÊNCIA CLÍNICA HOSPITALAR: UM ESTUDO
DE CASO”,
4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar
• Ferramenta utilizada gráfico de controle para
média.
4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar
• Ferramenta utilizada gráfico de controle para a
amplitude.
4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar
• Ferramenta utilizada Diagrama de Causa-e-Efeito.
5- Conclusão
• Estatística e Indústria
• As Sete Ferramentas do CEP
• Versatilidade
• Mudança da qualidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
ivanaferraz
 
Sindrome metabolica
Sindrome metabolicaSindrome metabolica
Sindrome metabolica
washington carlos vieira
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
JlioAlmeida21
 
RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO X
 RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO  X RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO  X
RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO X
UFU - Universidade Federal de Uberlândia
 
Regressão Linear Múltipla
Regressão Linear MúltiplaRegressão Linear Múltipla
Regressão Linear Múltipla
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Andressa Carmo
 
Fator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicasFator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicas
sedis-suporte
 
Aula 3 testes de hipóteses e anova
Aula 3   testes de hipóteses e anovaAula 3   testes de hipóteses e anova
Aula 3 testes de hipóteses e anova
Rodrigo Rodrigues
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Janaína Lassala
 
3 mccp
3 mccp3 mccp
Manual de cuidados paliativos
Manual de cuidados paliativosManual de cuidados paliativos
Manual de cuidados paliativos
Letícia Spina Tapia
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
( UFS ) Universidade Federal de Sergipe
 
Introdução avaliação de risco.ppt
Introdução avaliação de risco.pptIntrodução avaliação de risco.ppt
Introdução avaliação de risco.ppt
Alexandre Maximiano
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Rica Cane
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança
Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança
Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança
MarianaGuimaresdosSa
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
comunidadedepraticas
 
Hipertensão arterial para leigos
Hipertensão arterial para leigosHipertensão arterial para leigos
Hipertensão arterial para leigos
Felipe De Castro
 
Margarina vs manteiga
Margarina vs manteigaMargarina vs manteiga
Margarina vs manteiga
João Lessa
 

Mais procurados (20)

Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Sindrome metabolica
Sindrome metabolicaSindrome metabolica
Sindrome metabolica
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
 
RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO X
 RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO  X RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO  X
RESOLUÇÃO RDC Nº 23, DE 15 DE MARÇO DE 2000.- ANEXO X
 
Regressão Linear Múltipla
Regressão Linear MúltiplaRegressão Linear Múltipla
Regressão Linear Múltipla
 
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDESaúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
Saúde coletiva - POLÍTICA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE
 
Fator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicasFator de risco_para_doenças_crônicas
Fator de risco_para_doenças_crônicas
 
Aula 3 testes de hipóteses e anova
Aula 3   testes de hipóteses e anovaAula 3   testes de hipóteses e anova
Aula 3 testes de hipóteses e anova
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
3 mccp
3 mccp3 mccp
3 mccp
 
Manual de cuidados paliativos
Manual de cuidados paliativosManual de cuidados paliativos
Manual de cuidados paliativos
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Introdução avaliação de risco.ppt
Introdução avaliação de risco.pptIntrodução avaliação de risco.ppt
Introdução avaliação de risco.ppt
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança
Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança
Manual Formação de facilitadores Gênero e Mulheres, Paz e Segurança
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Hipertensão arterial para leigos
Hipertensão arterial para leigosHipertensão arterial para leigos
Hipertensão arterial para leigos
 
Margarina vs manteiga
Margarina vs manteigaMargarina vs manteiga
Margarina vs manteiga
 

Destaque

Apresentação cep
Apresentação cepApresentação cep
Apresentação cepemc5714
 
Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Controle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Controle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo SampaioControle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Controle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Controle estatístico do processo
Controle estatístico do processoControle estatístico do processo
Controle estatístico do processo
Jose Donizetti Moraes
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
emc5714
 
Exemplo de status de projetos
Exemplo de status de projetosExemplo de status de projetos
Exemplo de status de projetos
Alcides Luiz Neto
 
Controle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEPControle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEP
David Marcus Mápelli
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Sampaio
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 
Controle de Processo
Controle de ProcessoControle de Processo
Controle de Processo
Euler Silva
 
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Peter Cera
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
Gerente Consciente
 

Destaque (12)

Apresentação cep
Apresentação cepApresentação cep
Apresentação cep
 
Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
 
Controle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Controle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo SampaioControle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Controle estatístico de_processos - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Controle estatístico do processo
Controle estatístico do processoControle estatístico do processo
Controle estatístico do processo
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
 
Exemplo de status de projetos
Exemplo de status de projetosExemplo de status de projetos
Exemplo de status de projetos
 
Controle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEPControle estatístico de processo - CEP
Controle estatístico de processo - CEP
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Controle de Processo
Controle de ProcessoControle de Processo
Controle de Processo
 
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
 

Semelhante a Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial

Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
Claudio Correa
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
silvioxavierjunior
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
nigr0 s
 
Cep apres dvs
Cep apres dvsCep apres dvs
Cep apres dvs
Divino Silva .'.
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
Marcos Boaventura
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
Marcus Vinicius Carina
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
CLT Valuebased Services
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Marcus Vinicius Carina
 
Cep
CepCep
Cep
emc5714
 
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
LuizFellipeSilva
 
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
RaulOliveira96
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
Luiz Henrique
 
Ferramentas da qualidade 2.pptx
Ferramentas da qualidade  2.pptxFerramentas da qualidade  2.pptx
Ferramentas da qualidade 2.pptx
MidoriPitanga2
 
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Wilson Silveira
 
4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt
Mileny Lima
 
Sete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidadeSete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidade
Janilson Bezerra
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
Margarida Novais
 
Treinamento Six Sigma LG Electronics
Treinamento Six Sigma LG ElectronicsTreinamento Six Sigma LG Electronics
Treinamento Six Sigma LG Electronics
ejedelmal
 
CEP.pptx
CEP.pptxCEP.pptx
Gráficos de Controle
Gráficos de ControleGráficos de Controle
Gráficos de Controle
Ramon Santos
 

Semelhante a Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial (20)

Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
 
Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
 
Cep apres dvs
Cep apres dvsCep apres dvs
Cep apres dvs
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
 
Cep
CepCep
Cep
 
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
 
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx4. Controle Estatístico de Processos.pptx
4. Controle Estatístico de Processos.pptx
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Ferramentas da qualidade 2.pptx
Ferramentas da qualidade  2.pptxFerramentas da qualidade  2.pptx
Ferramentas da qualidade 2.pptx
 
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128Confiabilidade lampada enegep1998 art128
Confiabilidade lampada enegep1998 art128
 
4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt4 Ferramentas de qualidade.ppt
4 Ferramentas de qualidade.ppt
 
Sete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidadeSete ferramentas qualidade
Sete ferramentas qualidade
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Treinamento Six Sigma LG Electronics
Treinamento Six Sigma LG ElectronicsTreinamento Six Sigma LG Electronics
Treinamento Six Sigma LG Electronics
 
CEP.pptx
CEP.pptxCEP.pptx
CEP.pptx
 
Gráficos de Controle
Gráficos de ControleGráficos de Controle
Gráficos de Controle
 

Mais de Nilo Sampaio

Estudo de casos de probabilidade[1]
Estudo de casos de probabilidade[1]Estudo de casos de probabilidade[1]
Estudo de casos de probabilidade[1]
Nilo Sampaio
 
Poquer - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Poquer - Prof.Dr. Nilo SampaioPoquer - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Poquer - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioEstudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioEstudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)
Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)
Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)
Nilo Sampaio
 
Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...
Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...
Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...
Nilo Sampaio
 
Pesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Pesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioPesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Pesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioProbabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Aula de exercícios compelmetares
Aula de exercícios compelmetaresAula de exercícios compelmetares
Aula de exercícios compelmetares
Nilo Sampaio
 
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioProbabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo SampaioNilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/Estatística
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/EstatísticaNilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/Estatística
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/Estatística
Nilo Sampaio
 
Prof.Dr.Nilo antonio de Souza Sampaio
Prof.Dr.Nilo antonio de Souza SampaioProf.Dr.Nilo antonio de Souza Sampaio
Prof.Dr.Nilo antonio de Souza Sampaio
Nilo Sampaio
 
Meteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Meteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza SampaioMeteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Meteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Nilo Sampaio
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - Estatística
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - EstatísticaProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - Estatística
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - Estatística
Nilo Sampaio
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Sampaio
 
Estatística - Nilo Antonio de Souza Sampaio
Estatística - Nilo Antonio de Souza SampaioEstatística - Nilo Antonio de Souza Sampaio
Estatística - Nilo Antonio de Souza Sampaio
Nilo Sampaio
 
Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...
Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...
Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...
Nilo Sampaio
 
Acidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Acidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza SampaioAcidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Acidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Nilo Sampaio
 
Estudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioEstudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Sampaio
 

Mais de Nilo Sampaio (20)

Estudo de casos de probabilidade[1]
Estudo de casos de probabilidade[1]Estudo de casos de probabilidade[1]
Estudo de casos de probabilidade[1]
 
Poquer - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Poquer - Prof.Dr. Nilo SampaioPoquer - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Poquer - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioEstudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioEstudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudo de casos de probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)
Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)
Trabalho cp ( jessica , laiane, pedro e m agno)
 
Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...
Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...
Trabalho de cp Orientado pelo Prof.Dr. Nilo Sampaio (jessica lopes, laiane ca...
 
Pesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Pesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioPesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Pesquisa operacional e probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioProbabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Aula de exercícios compelmetares
Aula de exercícios compelmetaresAula de exercícios compelmetares
Aula de exercícios compelmetares
 
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioProbabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo SampaioNilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/Estatística
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/EstatísticaNilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/Estatística
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Probabilidade/Estatística
 
Prof.Dr.Nilo antonio de Souza Sampaio
Prof.Dr.Nilo antonio de Souza SampaioProf.Dr.Nilo antonio de Souza Sampaio
Prof.Dr.Nilo antonio de Souza Sampaio
 
Meteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Meteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza SampaioMeteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Meteorologia - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - Estatística
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - EstatísticaProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - Estatística
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - Estatística
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Pesquisa operacional e probabilidade
 
Estatística - Nilo Antonio de Souza Sampaio
Estatística - Nilo Antonio de Souza SampaioEstatística - Nilo Antonio de Souza Sampaio
Estatística - Nilo Antonio de Souza Sampaio
 
Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...
Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...
Distribuição de poisson aplicada no Excell - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza S...
 
Acidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Acidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza SampaioAcidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
Acidentes Aéreos - Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio
 
Estudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo SampaioEstudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
Estudos de Caso de Probabilidade - Prof.Dr. Nilo Sampaio
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 

Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial

  • 1. CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO COMO FENÔMENO DE GARANTIA DE QUALIDADE NA ÁREA INDUSTRIAL. Alunos: Diogo Amin Dias Felipe José Farias de Oliveira Lucas Marins Quintanilha Lucas Senne Souza Reis Mateus Costa Rossi Mercante Orientador: Prof.Dr. Nilo Sampaio
  • 2. Sumário 1- Introdução 2- Origens do Controle Estatístico de Processos 3- Ferramentas do Controle Estatístico de Processos 4- Aplicações na Indústria do Controle Estatístico de Processos 5- Conclusão
  • 3. 1- Introdução • Atualmente a maioria das empresas buscam a melhoria na qualidade dos produtos e serviços. • Qualidade significa adequação ao uso. Adequação essa que visa a qualidade do projeto.
  • 4. 1- Introdução • O Cep teve origens nos laboratórios da Companhia Telefônica Bell. • Foi desenvolvido pelo Dr. Walter A. Shewhart, um dos pioneiros nesse campo da estatística.
  • 5. 1- Introdução • O Cep é uma técnica aplicada a produção que permite: Redução Sistemática da Variabilidade Melhoria da Qualidade Melhoria da Produtividade Melhoria da Confiabilidade Redução dos custos
  • 6. 2- Origem do Controle Estatístico de Processos • Final do seculo XVIII, antes da era industrial os empreendimentos era de natureza individual. • 1924 Dr. Walter Shewhart, carta controle, prevenção dos problemas. de
  • 7. 2- Origem do Controle Estatístico de Processos • Para o profissional do século XVIII a “qualidade” estava relacionada ao atendimento as especificações do produto. • Hoje, a “qualidade” é definida pelo cliente.
  • 8. 2- Origem do Controle Estatístico de Processos • Segunda guerra mundial, melhoria nos equipamentos para maior eficiência nas batalhas. • Reconstrução do Japão, controle da qualidade envolvendo todos os setores e funcionários da empresa.
  • 9. 3- Ferramentas do Controle Estatístico de Processos Para ter um melhor controle da qualidade, o CEP utiliza ferramentas para melhorar a eficiência do processo. As Ferramentas são: • Gráfico de Controle • Histograma • Diagrama de dispersão • Gráfico de Pareto • Folha de Verificação • Diagrama de causa-efeito • Diagrama de defeito-concentração
  • 10. Histograma • É um gráfico de barras verticais que apresenta valores de certa característica agrupados por faixas. • Serve para demonstrar a frequência que ocorre um certo valor.
  • 11. Histograma Distribuição de Frequências para os dados de Resistência à Compressão. Intervalo de Classe Frequência 70 – 90 2 90 – 110 3 110 – 130 6 130 – 150 14 150 – 170 22 170 – 190 17 190 – 210 10 210 – 230 4 230 – 250 2
  • 12. Histograma 25 Frequência 20 15 10 5 0 70 - 90 90 - 110 110 - 130 130 - 150 150 – 170 170 – 190 190 – 210 210 – 230 230 - 250 Resistência à compressão (PSI)
  • 13. Gráfico de Pareto • O diagrama de Pareto utiliza-se a relação 20/80 para identificar os problemas prioritários num processo. • Apresenta-se como um gráfico de barras verticais e deve ser construído com base em uma linha de verificação.
  • 14. Gráfico de Pareto Defeitos Encontrados em uma Amostra de Lentes Tipo de Defeito Quantidade de Defeitos Total Acumulado Percentagem do total geral(%) Percentagem acumulada(%) Arranhão 12 55 43,3 43,3 Trinca 41 96 32,3 75,6 Revestimento Inadequado 55 108 9,4 85 Muito Fina ou Muito Grossa 11 119 8,7 93,7 Não-Acabada 5 124 3,9 97,6 Outros 3 127 2,4 100 Total 127 - 100 -
  • 15. Gráfico de Pareto 100 100 60 50 40 20 0 0 Revestimento Inadequado Trinca Arranhão Fina ou Grossa TIPO DE DEFEITO Não-Acabada Outros PORCENTAGEM ACUMULADA QUANTIDADE 80
  • 16. Diagrama de causa e efeito • Consiste em uma forma gráfica usada como metodologia de análise para representar fatores de influência (causas) sobre um determinado problema (efeito) • Também é denominada Diagrama de Ishikawa, devido ao seu criador, ou Diagrama Espinha de Peixe, devido à sua forma.
  • 17. Diagrama de causa e efeito
  • 18. Diagrama de defeito-concentração • Um diagrama de defeito-concentração é uma figura da unidade, mostrando todas as vistas relevantes. • Analisa o diagrama para localizar os defeitos e captar alguma informação útil sobre as potencias causas do defeito.
  • 19. Diagrama de defeito-concentração Diagrama de concentração de defeito para o tanque
  • 20. Gráfico de Controle • É a ferramenta utilizada para o monitoramento da variabilidade para a avaliação da estabilidade de um processo. • Um gráfico de controle permite a distinção entre os tipos de variação, ou seja, ele nos informa se o processo está ou não sob controle estatístico.
  • 21. Gráfico de Controle • Possuem dois tipos de variação na qualidade do processo: causas comuns e causas especiais. • Causas comuns: variação estável, apresentando comportamento previsível. • Causas especiais: variações esporádicas, apresenta comportamento desregular.
  • 22. Gráfico de Controle Medias de abertura de um rotor Número da amostra 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 x1 33 33 35 30 33 38 30 29 28 38 28 31 27 33 35 33 35 32 25 x2 29 31 37 31 34 37 31 39 33 33 30 35 32 33 37 33 34 33 27 x3 31 35 33 33 35 39 32 38 35 32 28 35 24 35 32 27 34 30 34 x4 32 37 34 34 33 40 34 39 36 35 32 35 35 37 35 31 30 30 27 x5 33 31 36 33 34 38 31 39 43 32 31 34 37 36 39 30 32 33 28 x̅ 31,6 33,4 35 32,2 33,8 38,4 31,6 36,8 35 34 29,8 34 33 34,8 35,6 30,8 33 31,6 28,2 r 4 6 4 4 2 3 4 10 15 6 4 4 10 4 7 6 5 3 9 s 1,67332 2,60768 1,58114 1,64317 0,83666 1,14018 1,51658 4,38178 5,43139 2,54951 1,78885 1,73205 3,80789 1,78885 2,60768 2,48998 2 1,51658 3,42053
  • 24. Diagrama de dispersão • É um gráfico útil para a identificação de relações potenciais entre duas variáveis. • O entendimento dos tipos de relação existentes entre as variáveis associadas a um processo contribui para aumentar a eficiência dos métodos de controle de processo.
  • 25. Diagrama de dispersão Número de medida i 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Tensão na rede Elétrica (volts) xi 222,7 217,7 219,4 220,9 214,4 216,5 213,0 221,7 224,7 215,5 220,0 218,6 223,5 217,0 221,5 218,4 Variação no Corte (mm) yi 15,7 17,0 16,3 16,1 18,6 17,8 19,5 16,0 15,3 18,3 16,3 16,7 15,7 17,4 16,1 16,8
  • 26. Diagrama de dispersão Número de medida i 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Tensão na rede Elétrica (volts) xi 221,2 219,9 222,2 213,9 216,0 218,1 222,0 224,1 214,9 214,2 223,3 216,7 215,3 223,8 220,6 215,8 217,3 Variação no Corte (mm) yi 16,2 16,2 15,9 19,1 18,0 17,0 16,0 15,4 18,6 18,7 15,6 17,6 18,5 15,5 16,1 18,2 17,3
  • 28. Folha de verificação • É utilizada para facilitar e organizar o processo de coleta e registro de dados. • Ao se planejar uma folha de verificação deve-se especificar claramente o tipo de dados a serem coletados
  • 29.
  • 30. 4- Aplicações do CEP • Aplicação do CEP em uma indústria de salame. • Aplicação do hospitalar. CEP no atendimento
  • 31. 4- Aplicações do CEP na indústria de salame • “APLICAÇÃO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO (CEP) PARA AVALIAR O PROCESSO DE DEFUMAÇÃO DO SALAME”.
  • 32. 4- Aplicações do CEP na indústria de salame • Ferramenta utilizada histograma.
  • 33. 4- Aplicações do CEP na indústria de salame • Ferramenta utilizada gráfico de controle.
  • 34. 4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar • “APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSO NO TEMPO DE ESPERA DA URGÊNCIA CLÍNICA HOSPITALAR: UM ESTUDO DE CASO”,
  • 35. 4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar • Ferramenta utilizada gráfico de controle para média.
  • 36. 4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar • Ferramenta utilizada gráfico de controle para a amplitude.
  • 37. 4-Aplicações do CEP no atendimento hospitalar • Ferramenta utilizada Diagrama de Causa-e-Efeito.
  • 38. 5- Conclusão • Estatística e Indústria • As Sete Ferramentas do CEP • Versatilidade • Mudança da qualidade