SlideShare uma empresa Scribd logo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Controle de
Processo
Plano de Controle
Controle Estatístico de Processo
Análise de Capabilidade de Processo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Plano de Controle
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Plano de Controle
 O Plano de Controle é derivado do FMEA;
 O Plano de Controle inclui todos controles previstos em cada
operação listada no Fluxograma de Processo;
 Técnicas à Prova de Erro (Poka Yoke / Mistake Proofing)
devem ser preferidas a controles convencionais;
 Estabelecer as características a serem verificadas, os
métodos e o plano de reação em cada etapa aplicável do
processo;
 Pode ser incorporado às Folhas de Processos.
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Formulário
Cabeçalho
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Formulário
Identificação da
Etapa do
Processo onde o
controle é
aplicado
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Formulário
Descrição das
características
controladas
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Características Especiais
Controle Robusto
Dispositivo à Prova
de Erro
Poka Yoke /
Mistake Proofing
Controle Estatístico de
Processo
Cartas de Controle e Análise de
Capabilidade
Inspeção 100%
Preferencial Recomendável Contenção (85% eficaz)
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Formulário
Detalhes sobre o
método de
controle
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Formulário
Plano de Reação
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Exemplos
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Exemplos
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Fluxograma de Processo
Op. 30
Colocar
água na
cuia
Cevar a
erva
Queimar a
erva
Gosto
amargo
Chiado
da
chaleira
Experiment
ar
chimarrão
Água muito
quente
PFMEA
Plano de Controle
Interface com outros documentos
Folhas
de
Processo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Controle Estatístico de Processos -
CEP
 Controle Estatístico de Processo (Statistical Process Control
– SPC).
 Definição: método preventivo de se comparar, continuamente,
os resultados de um processo com referenciais, identificando a
partir de dados estatísticos as tendências para variações
significativas, a fim de eliminar ou controlar essas variações;
 Objetivo: reduzir a variabilidade de um processo através da
eliminação das causas especiais de variação.
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Conceitos Básicos
 Variação;
 Distribuição Normal;
 Causas Especiais e Causas Comuns;
 Controle estatístico.
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Variação (Dispersão)
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Medidas de Variação
 Amplitude (A ou R):
 R = Maior leitura – menor leitura
 Desvio padrão (s):informa quanto os dados
estão dispersos em torno da média. Para
variações pequenas o desvio padrão é
pequeno.
 












 n
x
x
n
S
i
i
2
2
1
1
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Distribuição Normal
Média
Desvio
Padrão
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Tipos de Variação
 Aleatória:
 Inerentes ao processo;
 Podem ser eliminadas
somente através de
melhorias no
processo;
 Tipicamente 15% dos
problemas;
 Causas comuns.
 Não Aleatória:
 Devido a razões
identificáveis
(assinaláveis);
 Podem ser eliminadas
através de ações do
operador ou da
gerência;
 Tipicamente 85% dos
problemas;
 Causas especiais.
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Causas comuns x Causas especiais
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Variabilidade e Previsibilidade
 Todos os processos
têm variação... Mas
somente variação
devido a causas
comuns é previsível.
 Um processo está sob
controle estatístico
quando somente
causas comuns estão
presentes.
Processo sob ação de
causas especiais
Processo sob ação de
causas comuns
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Controle de Processo
Processo fora de controle:
• Presença de causas especiais
• Processo instável
• Processo não previsível
Processo sob controle:
• Causas especiais eliminadas
• Presença somente de causas comuns de variação
• Processo estável
• Processo previsível
m
Implementação de
Controle de Processo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Gráfico de Controle
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Número da Amostra
LSC
Média
LIC
LSE
LIE
Causa
Especial
Gráficos de
controle mostram
a variação do
processo ao
longo do tempo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Cartas de Controle: objetivo
Identificar causas especiais
de variação.
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Principais Tipos de Cartas de Controle
 Dados Tipo Atributos
 Para itens defeituosos (carta p)
 Para defeitos (carta c)
 Dados Tipo Variáveis
 X e AM (individuais e amplitude móvel)
 X e R (média e amplitude)
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Cartas: apresentação
Composta de dois gráficos:
 Gráfico das médias (X) ou dos valores
individuais (I)
 Mostram a localização do processo
 Tipicamente possuem Limites Inferiores e
Superiores de Controle (LIC / LSC)
 Gráfico das amplitudes (R) ou amplitude
móvel (mR)
 Mostram a variação (disperção) do processo
 Possuem somente Limite Superior de
Controle (LSC)
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Processo Estável = Sob Controle
Histograma: “fotografia
do processo”
Carta de controle:
comportamento ao longo
do tempo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Determinação dos Limites de Controle
x =
x1 + x2 + ... xk
k
=
LSC = x + A2R LIC = x - A2R
= =
Onde:
x = média das médias das amostras
=
Limites para gráfico Xbar
Aproximadamente igual a 3
Desvios Padrão
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Critérios para identificação de causas especiais nas
cartas de controle
8 ou mais pontos acima ou abaixo
da Linha Central
Possíveis causas:
Mudança no ajuste de máquina
Processo, método ou material diferente
Avaria de um componente na máquina
Quebra de máquina
Grande variação no material recebido
6 ou mais pontos Subindo ou
Descendo
Possíveis causas:
Desgaste de Ferramenta
Gradual desgaste do equipamento
Desgaste relacionado ao
instrumento de medição
Pontos fora dos Limites de Controle
Possíveis causas:
Erro na medição ou digitação
Quebra de ferramenta
Instrumento de medição desregulado
Operador não consegue identificar a medida
Periodicidade dos Pontos
Possíveis causas:
Não-uniformidade na matéria-prima recebida
Rodízio de Operadores, Gabaritos e
instrumentos
Diferença entre turnos
Deslocamento da Média
Possíveis causas:
Novo Método
Nova Máquina
Melhoria de Qualidade
Novo Lote de Material
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Processo Instável = Fora de Controle
Presença de causas
especiais
Presença de causas
especiais
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Exemplos
 Criação de uma carta:
 Virtual Machine
 Formulário Carta de Controle
 Exemplo 1
 Exemplo 2
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Seleção de Cartas de Controle
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Capabilidade de Processo - Conceitos
 Tolerâncias: especificações de engenharia que representam requisitos do
produto.
 Capabilidade do Processo: representa o melhor desempenho do processo e é
determinada pela variação das causas comuns. Isso é demonstrado quando o
processo está sendo operado sob controle estatístico.
 A capabilidade potencial do processo (Cp) é a entre tolerância e a
variabilidade do processo.
 A capabilidade efetiva do processo (Cpk) mede a localização da variação do
processo com relação aos limites de especificação. É a condição real de
operação do processo. Considera a variação dentro dos subgrupos sc (desvio
padrão estimado por Rbar/d2) – estudo de curto prazo.
 Desempenho do Processo: representa o desempenho geral do processo
considerando todas as variações presentes.
 O desempenho potencial e efetivo do processo (Pp/Ppk) tem conceito similar
ao da capabilidade, porém utiliza a variação entre os subgrupos sp, que é a
variação total do processo (desvio padrão amostral s  longo prazo.
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Índice de Capabilidade Potencial
do Processo
Cp =
Amplitude da tolerância
Amplitude do processo
LSE – LIE
6sc
Cp =
Cálculo da Capabilidade do Processo
Onde:
sc = R
d2
_
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Exemplo:
Dimensão = 9,0mm  0.5mm
Média do processo = 8,80 mm
Amplitude média = 0,33 mm
Tamanho da amostra = 5
LSE – LIE
6sc
Cp =
9.5 - 8.5
6 (0,33/2,326)
Cp = = 1,17
Calculando Cp
Onde:
sc = R
d2
_
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Índice de Capabilidade “efetiva”
do Processo
Cpk = mínimo x - LIE
3sc
LSE - x
3sc
;
_ _
Cálculo da Capabilidade do Processo
Onde:
sc = R
d2
_
Diego Rodrigues & Franciele Borba
8.80 - 8.50
3 (0,33/2,326)
9.50 - 8.80
3 (0,33/2,326)
Cpk = mínimo ;
0,70 1,64
= 0,70
Exemplo:
Dimensão = 9,0mm  0.5mm
Média do processo = 8,80 mm
Amplitude média = 0,33 mm
Tamanho da amostra = 5
Calculando Cpk
Cpk = mínimo x - LIE
3sc
LSE - x
3sc
;
_ _
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Representação da Capabilidade
LIE LSE
Cp = 1,17
Cpk = 0,70
8,5 9,59,0X
_
Diego Rodrigues & Franciele Borba
(b) Limites de especificação e
variação natural são iguais;
processo é capaz de atender
as especificações a maior
parte do tempo.
Limites de
Especificação
Processo
(a) Variação natural
excede os limites de
especificação; processo
não é capaz de atender
as especificações o tempo
todo.
Limites de
Especificação
Processo
Processos capazes e não capazes
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Processos capazes e não capazes
(c) Limites de especificação
maiores que a variação
natural do processo; o
processo é capaz de
atender a especificação
ao longo do tempo.
(d) Limites de especificação
maiores que a a variação natural
do processo, mas o processo
está descentralizado. Processo
capaz mas alguns resultados
não vão atender o limite
superior de especificação.
Limites de
Especificação
Processo
Limites de
Especificação
Processo
Diego Rodrigues & Franciele Borba
 Cp < 1: a capabilidade do
processo é inadequada à
tolerância exigida.
 1 ≤ Cp ≤ 1,33: a
capabilidade do processo
está em torno da diferença
entre as especificações.
 Cp > 1,33: a capacidade do
processo é adequada à
tolerância exigida (resta 30%
de “folga” na tolerância).
Análise da capabilidade
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Índice de Desempenho Potencial
do Processo
Pp =
Amplitude da tolerância
Amplitude do processo
LSE – LIE
6sp
Pp =
Desempenho do Processo
Onde: sp = s
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Resultados da Análise de Capabilidade
Diego Rodrigues & Franciele Borba
Exemplos
 Cálculo de Capabilidade
 Virtual Machine
 Formulário Estudo de Capabilidade
 Exemplo 1
 Exemplo 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
Saulo Oliveira
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
douglas
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
Virginia Gonçalves
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Márcio Hosken
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
Gerisval Pessoa
 
Uml diagrama de atividades
Uml   diagrama de atividadesUml   diagrama de atividades
Uml diagrama de atividades
Jordan Oliveira
 
Capítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento
Capítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimentoCapítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento
Capítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento
Everton Souza
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Pesquisa operacional
Pesquisa operacionalPesquisa operacional
Pesquisa operacional
Éder Alves
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
João Rafael Lopes
 
Controle de Documentos e Registros
Controle de Documentos e RegistrosControle de Documentos e Registros
Controle de Documentos e Registros
Templum Consultoria Online
 
Aula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosAula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtos
CENNE
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Adeildo Caboclo
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Mayra de Souza
 
Previsão da Demanda II
Previsão da Demanda IIPrevisão da Demanda II
Previsão da Demanda II
Mauro Enrique
 
Process Capability
Process CapabilityProcess Capability
Process Capability
CLT Valuebased Services
 
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
AdministraçãO De Recursos Materiais   1AdministraçãO De Recursos Materiais   1
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
Hugo Alvaro Miranda Colque
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Carlos Sousa
 
Qualidade e Produtividade
Qualidade e ProdutividadeQualidade e Produtividade
Qualidade e Produtividade
Hyldon Herbert Dias Mendes
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
Nyedson Barbosa
 

Mais procurados (20)

A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
A01 - Gestao por Processos (visao geral) v2
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade7 ferramentas da qualidade
7 ferramentas da qualidade
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Uml diagrama de atividades
Uml   diagrama de atividadesUml   diagrama de atividades
Uml diagrama de atividades
 
Capítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento
Capítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimentoCapítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento
Capítulo 10 - Como melhorar a tomada de decisão e a gestão do conhecimento
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Pesquisa operacional
Pesquisa operacionalPesquisa operacional
Pesquisa operacional
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Controle de Documentos e Registros
Controle de Documentos e RegistrosControle de Documentos e Registros
Controle de Documentos e Registros
 
Aula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtosAula de desenvolvimento de produtos
Aula de desenvolvimento de produtos
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Previsão da Demanda II
Previsão da Demanda IIPrevisão da Demanda II
Previsão da Demanda II
 
Process Capability
Process CapabilityProcess Capability
Process Capability
 
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
AdministraçãO De Recursos Materiais   1AdministraçãO De Recursos Materiais   1
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Qualidade e Produtividade
Qualidade e ProdutividadeQualidade e Produtividade
Qualidade e Produtividade
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 

Destaque

Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Seis sigma completo
Seis sigma completoSeis sigma completo
Seis sigma completo
Marcus Vinicius Carina
 
Apresentação cep
Apresentação cepApresentação cep
Apresentação cepemc5714
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
emc5714
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Sampaio
 
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Rubia Soraya Rabello
 
Intro spc 1
Intro spc 1Intro spc 1
Intro spc 1
Carlos da Cruz
 
Como Analizar Curvas De Cp E Cpk
Como Analizar Curvas De Cp E CpkComo Analizar Curvas De Cp E Cpk
Como Analizar Curvas De Cp E Cpk
Ricardara
 
Cusum e mmep
Cusum e mmepCusum e mmep
Cusum e mmep
Luan_Soares
 
Aplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de Moldagem
Aplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de MoldagemAplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de Moldagem
Aplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de Moldagem
Paulo Saldanha
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
Carlos da Cruz
 
Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...
Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...
Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...
Cristiano Lima
 
Curso CEP Operadores
Curso CEP  OperadoresCurso CEP  Operadores
Curso CEP Operadores
Sergio Canossa
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Nilo Sampaio
 
Controle estatístico do processo
Controle estatístico do processoControle estatístico do processo
Controle estatístico do processo
Jose Donizetti Moraes
 
Apresentacao CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MG
Apresentacao   CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MGApresentacao   CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MG
Apresentacao CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MG
CEP
 
Cep -qualidade[1]
Cep  -qualidade[1]Cep  -qualidade[1]
Presentation ketchup
Presentation ketchupPresentation ketchup
Presentation ketchup
Wallix Resende
 
Apesentação controlador pid- Controle de processos
Apesentação controlador pid- Controle de processos Apesentação controlador pid- Controle de processos
Apesentação controlador pid- Controle de processos
Isa Bacelar
 
Processos (2)
Processos (2)Processos (2)
Processos (2)
Fernanda Carvalho
 

Destaque (20)

Controle estatístico de processos
Controle estatístico de processosControle estatístico de processos
Controle estatístico de processos
 
Seis sigma completo
Seis sigma completoSeis sigma completo
Seis sigma completo
 
Apresentação cep
Apresentação cepApresentação cep
Apresentação cep
 
Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2Controle estatístico do processo2
Controle estatístico do processo2
 
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
Nilo Antonio de Souza Sampaio - Controle estatístico de processos
 
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
Apresentação Ferramentas da Qualidade Hospital
 
Intro spc 1
Intro spc 1Intro spc 1
Intro spc 1
 
Como Analizar Curvas De Cp E Cpk
Como Analizar Curvas De Cp E CpkComo Analizar Curvas De Cp E Cpk
Como Analizar Curvas De Cp E Cpk
 
Cusum e mmep
Cusum e mmepCusum e mmep
Cusum e mmep
 
Aplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de Moldagem
Aplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de MoldagemAplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de Moldagem
Aplicação do Controle Estatístico de Processo em um setor de Moldagem
 
Ecossistema
EcossistemaEcossistema
Ecossistema
 
Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...
Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...
Aplicação das ferramentas PDCA e FMEA na mitigação da ocorrência de peças não...
 
Curso CEP Operadores
Curso CEP  OperadoresCurso CEP  Operadores
Curso CEP Operadores
 
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrialProf.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
Prof.Dr. Nilo Antonio de Souza Sampaio - CEP na área industrial
 
Controle estatístico do processo
Controle estatístico do processoControle estatístico do processo
Controle estatístico do processo
 
Apresentacao CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MG
Apresentacao   CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MGApresentacao   CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MG
Apresentacao CEP - Centro de Educacao de Itajubá- MG
 
Cep -qualidade[1]
Cep  -qualidade[1]Cep  -qualidade[1]
Cep -qualidade[1]
 
Presentation ketchup
Presentation ketchupPresentation ketchup
Presentation ketchup
 
Apesentação controlador pid- Controle de processos
Apesentação controlador pid- Controle de processos Apesentação controlador pid- Controle de processos
Apesentação controlador pid- Controle de processos
 
Processos (2)
Processos (2)Processos (2)
Processos (2)
 

Semelhante a Controle de Processo

Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
nigr0 s
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
silvioxavierjunior
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
Claudio Correa
 
Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)
MiltonQuintinoRios
 
46
4646
6capa sigma2714
6capa sigma27146capa sigma2714
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
LuizFellipeSilva
 
Aula 1 6sigma fusco
Aula 1 6sigma fuscoAula 1 6sigma fusco
Aula 1 6sigma fusco
José Paulo Alves Fusco
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
CLT Valuebased Services
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
Rubia Soraya Rabello
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
Marcus Vinicius Carina
 
APRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS DE QUALIDADE
APRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS  DE QUALIDADEAPRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS  DE QUALIDADE
APRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS DE QUALIDADE
KaioEduardo19
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
Marcos Boaventura
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
José Paulo Alves Fusco
 
Guia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMN
Guia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMNGuia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMN
Guia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMN
Mauricio Bitencourt, CBPP
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Marcus Vinicius Carina
 
Introdução ao Controle Automático.ppt
Introdução ao Controle Automático.pptIntrodução ao Controle Automático.ppt
Introdução ao Controle Automático.ppt
AgnaldoHesko2
 
Treinamento colaboradores industria farmacêutica
Treinamento colaboradores industria farmacêuticaTreinamento colaboradores industria farmacêutica
Treinamento colaboradores industria farmacêutica
Laboratórios Duprat Ltda
 
Principais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadePrincipais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidade
Nara Oliveira
 
Introdução a 6sigma
Introdução a  6sigmaIntrodução a  6sigma
Introdução a 6sigma
Marcus Vinicius Carina
 

Semelhante a Controle de Processo (20)

Controle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorgeControle estatistico unijorge
Controle estatistico unijorge
 
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]Controle+estatístico+da+qualidade[1]
Controle+estatístico+da+qualidade[1]
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)Cep e graficos de controle (1)
Cep e graficos de controle (1)
 
46
4646
46
 
6capa sigma2714
6capa sigma27146capa sigma2714
6capa sigma2714
 
seissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdfseissigmatrad.pdf
seissigmatrad.pdf
 
Aula 1 6sigma fusco
Aula 1 6sigma fuscoAula 1 6sigma fusco
Aula 1 6sigma fusco
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Gerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigmaGerenciamento quali total 6sigma
Gerenciamento quali total 6sigma
 
APRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS DE QUALIDADE
APRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS  DE QUALIDADEAPRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS  DE QUALIDADE
APRESENTAÇÃO EM POWERPOINT FERRAMENTAS DE QUALIDADE
 
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
421548223-CEP-Controle-Estatistico-de-Processo.ppt
 
Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010Cepqualidadefusco2010
Cepqualidadefusco2010
 
Guia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMN
Guia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMNGuia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMN
Guia de Referência para Modelar Processos, Casos e Decisões com BPMN, CMMN e DMN
 
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carinaGerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
Gerenciamento da qualidade total 6sigma marcus vinicius carina
 
Introdução ao Controle Automático.ppt
Introdução ao Controle Automático.pptIntrodução ao Controle Automático.ppt
Introdução ao Controle Automático.ppt
 
Treinamento colaboradores industria farmacêutica
Treinamento colaboradores industria farmacêuticaTreinamento colaboradores industria farmacêutica
Treinamento colaboradores industria farmacêutica
 
Principais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidadePrincipais ferramentas de qualidade
Principais ferramentas de qualidade
 
Introdução a 6sigma
Introdução a  6sigmaIntrodução a  6sigma
Introdução a 6sigma
 

Último

MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 

Último (7)

MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 

Controle de Processo

  • 1. Diego Rodrigues & Franciele Borba Controle de Processo Plano de Controle Controle Estatístico de Processo Análise de Capabilidade de Processo
  • 2. Diego Rodrigues & Franciele Borba Plano de Controle
  • 3. Diego Rodrigues & Franciele Borba Plano de Controle  O Plano de Controle é derivado do FMEA;  O Plano de Controle inclui todos controles previstos em cada operação listada no Fluxograma de Processo;  Técnicas à Prova de Erro (Poka Yoke / Mistake Proofing) devem ser preferidas a controles convencionais;  Estabelecer as características a serem verificadas, os métodos e o plano de reação em cada etapa aplicável do processo;  Pode ser incorporado às Folhas de Processos.
  • 4. Diego Rodrigues & Franciele Borba Formulário Cabeçalho
  • 5. Diego Rodrigues & Franciele Borba Formulário Identificação da Etapa do Processo onde o controle é aplicado
  • 6. Diego Rodrigues & Franciele Borba Formulário Descrição das características controladas
  • 7. Diego Rodrigues & Franciele Borba Características Especiais Controle Robusto Dispositivo à Prova de Erro Poka Yoke / Mistake Proofing Controle Estatístico de Processo Cartas de Controle e Análise de Capabilidade Inspeção 100% Preferencial Recomendável Contenção (85% eficaz)
  • 8. Diego Rodrigues & Franciele Borba Formulário Detalhes sobre o método de controle
  • 9. Diego Rodrigues & Franciele Borba Formulário Plano de Reação
  • 10. Diego Rodrigues & Franciele Borba Exemplos
  • 11. Diego Rodrigues & Franciele Borba Exemplos
  • 12. Diego Rodrigues & Franciele Borba Fluxograma de Processo Op. 30 Colocar água na cuia Cevar a erva Queimar a erva Gosto amargo Chiado da chaleira Experiment ar chimarrão Água muito quente PFMEA Plano de Controle Interface com outros documentos Folhas de Processo
  • 13. Diego Rodrigues & Franciele Borba Controle Estatístico de Processos - CEP  Controle Estatístico de Processo (Statistical Process Control – SPC).  Definição: método preventivo de se comparar, continuamente, os resultados de um processo com referenciais, identificando a partir de dados estatísticos as tendências para variações significativas, a fim de eliminar ou controlar essas variações;  Objetivo: reduzir a variabilidade de um processo através da eliminação das causas especiais de variação.
  • 14. Diego Rodrigues & Franciele Borba Conceitos Básicos  Variação;  Distribuição Normal;  Causas Especiais e Causas Comuns;  Controle estatístico.
  • 15. Diego Rodrigues & Franciele Borba Variação (Dispersão)
  • 16. Diego Rodrigues & Franciele Borba Medidas de Variação  Amplitude (A ou R):  R = Maior leitura – menor leitura  Desvio padrão (s):informa quanto os dados estão dispersos em torno da média. Para variações pequenas o desvio padrão é pequeno.                n x x n S i i 2 2 1 1
  • 17. Diego Rodrigues & Franciele Borba Distribuição Normal Média Desvio Padrão
  • 18. Diego Rodrigues & Franciele Borba Tipos de Variação  Aleatória:  Inerentes ao processo;  Podem ser eliminadas somente através de melhorias no processo;  Tipicamente 15% dos problemas;  Causas comuns.  Não Aleatória:  Devido a razões identificáveis (assinaláveis);  Podem ser eliminadas através de ações do operador ou da gerência;  Tipicamente 85% dos problemas;  Causas especiais.
  • 19. Diego Rodrigues & Franciele Borba Causas comuns x Causas especiais
  • 20. Diego Rodrigues & Franciele Borba Variabilidade e Previsibilidade  Todos os processos têm variação... Mas somente variação devido a causas comuns é previsível.  Um processo está sob controle estatístico quando somente causas comuns estão presentes. Processo sob ação de causas especiais Processo sob ação de causas comuns
  • 21. Diego Rodrigues & Franciele Borba Controle de Processo Processo fora de controle: • Presença de causas especiais • Processo instável • Processo não previsível Processo sob controle: • Causas especiais eliminadas • Presença somente de causas comuns de variação • Processo estável • Processo previsível m Implementação de Controle de Processo
  • 22. Diego Rodrigues & Franciele Borba Gráfico de Controle 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Número da Amostra LSC Média LIC LSE LIE Causa Especial Gráficos de controle mostram a variação do processo ao longo do tempo
  • 23. Diego Rodrigues & Franciele Borba Cartas de Controle: objetivo Identificar causas especiais de variação.
  • 24. Diego Rodrigues & Franciele Borba Principais Tipos de Cartas de Controle  Dados Tipo Atributos  Para itens defeituosos (carta p)  Para defeitos (carta c)  Dados Tipo Variáveis  X e AM (individuais e amplitude móvel)  X e R (média e amplitude)
  • 25. Diego Rodrigues & Franciele Borba Cartas: apresentação Composta de dois gráficos:  Gráfico das médias (X) ou dos valores individuais (I)  Mostram a localização do processo  Tipicamente possuem Limites Inferiores e Superiores de Controle (LIC / LSC)  Gráfico das amplitudes (R) ou amplitude móvel (mR)  Mostram a variação (disperção) do processo  Possuem somente Limite Superior de Controle (LSC)
  • 26. Diego Rodrigues & Franciele Borba Processo Estável = Sob Controle Histograma: “fotografia do processo” Carta de controle: comportamento ao longo do tempo
  • 27. Diego Rodrigues & Franciele Borba Determinação dos Limites de Controle x = x1 + x2 + ... xk k = LSC = x + A2R LIC = x - A2R = = Onde: x = média das médias das amostras = Limites para gráfico Xbar Aproximadamente igual a 3 Desvios Padrão
  • 28. Diego Rodrigues & Franciele Borba Critérios para identificação de causas especiais nas cartas de controle 8 ou mais pontos acima ou abaixo da Linha Central Possíveis causas: Mudança no ajuste de máquina Processo, método ou material diferente Avaria de um componente na máquina Quebra de máquina Grande variação no material recebido 6 ou mais pontos Subindo ou Descendo Possíveis causas: Desgaste de Ferramenta Gradual desgaste do equipamento Desgaste relacionado ao instrumento de medição Pontos fora dos Limites de Controle Possíveis causas: Erro na medição ou digitação Quebra de ferramenta Instrumento de medição desregulado Operador não consegue identificar a medida Periodicidade dos Pontos Possíveis causas: Não-uniformidade na matéria-prima recebida Rodízio de Operadores, Gabaritos e instrumentos Diferença entre turnos Deslocamento da Média Possíveis causas: Novo Método Nova Máquina Melhoria de Qualidade Novo Lote de Material
  • 29. Diego Rodrigues & Franciele Borba Processo Instável = Fora de Controle Presença de causas especiais Presença de causas especiais
  • 30. Diego Rodrigues & Franciele Borba Exemplos  Criação de uma carta:  Virtual Machine  Formulário Carta de Controle  Exemplo 1  Exemplo 2
  • 31. Diego Rodrigues & Franciele Borba Seleção de Cartas de Controle
  • 32. Diego Rodrigues & Franciele Borba Capabilidade de Processo - Conceitos  Tolerâncias: especificações de engenharia que representam requisitos do produto.  Capabilidade do Processo: representa o melhor desempenho do processo e é determinada pela variação das causas comuns. Isso é demonstrado quando o processo está sendo operado sob controle estatístico.  A capabilidade potencial do processo (Cp) é a entre tolerância e a variabilidade do processo.  A capabilidade efetiva do processo (Cpk) mede a localização da variação do processo com relação aos limites de especificação. É a condição real de operação do processo. Considera a variação dentro dos subgrupos sc (desvio padrão estimado por Rbar/d2) – estudo de curto prazo.  Desempenho do Processo: representa o desempenho geral do processo considerando todas as variações presentes.  O desempenho potencial e efetivo do processo (Pp/Ppk) tem conceito similar ao da capabilidade, porém utiliza a variação entre os subgrupos sp, que é a variação total do processo (desvio padrão amostral s  longo prazo.
  • 33. Diego Rodrigues & Franciele Borba Índice de Capabilidade Potencial do Processo Cp = Amplitude da tolerância Amplitude do processo LSE – LIE 6sc Cp = Cálculo da Capabilidade do Processo Onde: sc = R d2 _
  • 34. Diego Rodrigues & Franciele Borba Exemplo: Dimensão = 9,0mm  0.5mm Média do processo = 8,80 mm Amplitude média = 0,33 mm Tamanho da amostra = 5 LSE – LIE 6sc Cp = 9.5 - 8.5 6 (0,33/2,326) Cp = = 1,17 Calculando Cp Onde: sc = R d2 _
  • 35. Diego Rodrigues & Franciele Borba Índice de Capabilidade “efetiva” do Processo Cpk = mínimo x - LIE 3sc LSE - x 3sc ; _ _ Cálculo da Capabilidade do Processo Onde: sc = R d2 _
  • 36. Diego Rodrigues & Franciele Borba 8.80 - 8.50 3 (0,33/2,326) 9.50 - 8.80 3 (0,33/2,326) Cpk = mínimo ; 0,70 1,64 = 0,70 Exemplo: Dimensão = 9,0mm  0.5mm Média do processo = 8,80 mm Amplitude média = 0,33 mm Tamanho da amostra = 5 Calculando Cpk Cpk = mínimo x - LIE 3sc LSE - x 3sc ; _ _
  • 37. Diego Rodrigues & Franciele Borba Representação da Capabilidade LIE LSE Cp = 1,17 Cpk = 0,70 8,5 9,59,0X _
  • 38. Diego Rodrigues & Franciele Borba (b) Limites de especificação e variação natural são iguais; processo é capaz de atender as especificações a maior parte do tempo. Limites de Especificação Processo (a) Variação natural excede os limites de especificação; processo não é capaz de atender as especificações o tempo todo. Limites de Especificação Processo Processos capazes e não capazes
  • 39. Diego Rodrigues & Franciele Borba Processos capazes e não capazes (c) Limites de especificação maiores que a variação natural do processo; o processo é capaz de atender a especificação ao longo do tempo. (d) Limites de especificação maiores que a a variação natural do processo, mas o processo está descentralizado. Processo capaz mas alguns resultados não vão atender o limite superior de especificação. Limites de Especificação Processo Limites de Especificação Processo
  • 40. Diego Rodrigues & Franciele Borba  Cp < 1: a capabilidade do processo é inadequada à tolerância exigida.  1 ≤ Cp ≤ 1,33: a capabilidade do processo está em torno da diferença entre as especificações.  Cp > 1,33: a capacidade do processo é adequada à tolerância exigida (resta 30% de “folga” na tolerância). Análise da capabilidade
  • 41. Diego Rodrigues & Franciele Borba Índice de Desempenho Potencial do Processo Pp = Amplitude da tolerância Amplitude do processo LSE – LIE 6sp Pp = Desempenho do Processo Onde: sp = s
  • 42. Diego Rodrigues & Franciele Borba Resultados da Análise de Capabilidade
  • 43. Diego Rodrigues & Franciele Borba Exemplos  Cálculo de Capabilidade  Virtual Machine  Formulário Estudo de Capabilidade  Exemplo 1  Exemplo 2