SlideShare uma empresa Scribd logo
1.HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DO VOLEIBOL 
2.PARTICULARIDADE E MANIFESTAÇÕES 
DO VOLEIBOL ( PARTICIPAÇÃO , 
EDUCACIONAL E PERFORMANCE 
3. A DIDÁTICA DO ENSINO DO VOLEIBOL 
Professor:José Airton Fernandes Lima 
cvolei@fortalnet.com.br- 8746-35.98
HISTÓRICO DO VOLEIBOL 
-Criado por William G. Morgan em 1895 
na ACM de Holyoke no Estado de 
Massachusetts; 
- Inspirado no tênis, inicialmente foi 
chamado de minonette, mas logo depois 
passou a ser volleyball; 
-Buscou fornecer uma alternativa aos 
alunos que não se adaptaram à prática 
do recém-criado basquete; 
- Idealizou um esporte com menor 
possibilidade de contato físico, mais 
recreativo e que também exigisse 
esforço físico para beneficiar a saúde;
- A primeira bola utilizada foi a de 
basquete; 
- A ACM rapidamente adotou o voleibol, 
facilitando a difusão pelo mundo; 
-Em 1897 foram publicadas as primeiras 
regras; 
-Apenas em 1918 foi fixado o número de 6 
participantes e em 1922 foi limitada a 
quantidade de 3 toques na bola; 
-As Forças Armadas dos EUA também 
difundiram o voleibol durante a 1ª guerra 
mundial, pois o jogo era facilmente 
adaptado às condições vividas pelos 
soldados;
Na América do Sul o voleibol chegou em 1910, 
trazido por uma missão norte-americana. No 
Brasil chegou por volta de 1915 em Pernambuco 
trazido pelo Jesuítas e/ou 1916, através da ACM 
de São Paulo ; 
A FIVB foi criada em 1947 e a CBV em 1954 
(antes CBD) e a FCV em 1952. 
O 1o campeonato mundial foi disputado em 
1949, com a vitória da URSS; 
O Voleibol se tornou esporte olímpico em 1964 
na Olimpíada de Tóquio, no Japão, tendo como 
vencedores a URSS no masculino e o Japão no 
feminino.
PARTICULARIDADES DO VOLEIBOL 
-O número limitado de toque favorece a 
atuação coletiva sobrepondo-se a 
individual, ensejando a socialização ; 
-Por não poder reter a bola estimula, a 
percepção, o raciocínio rápido e o 
desenvolvimento da coordenação 
motora; 
-Por não ter contato físico é facilmente 
adaptável e sem restrições pela idade, 
por sexo e pode ser praticado por lazer, 
recreação ou competição;
PARTICULARIDADES DO VOLEIBOL 
- Pela rotação obrigatória enseja a todos 
participantes passem por toda a quadra e 
participem efetivamente das ações 
ofensivas e defensivas da equipe; 
- É um esporte que atua fortemente na 
parte emocional dos praticantes e da 
torcida; 
- Por ter crescido como esporte, passou a 
ser promovido pelo marketing e por 
patrocinadores, surgindo oportunidades 
antes só observadas no futebol;
QUADRA E SUAS MEDIDAS 
Zona de Substi 
tuíção 
Zona 
De 
Zona Saque 
De 
Defesa 
6 metros 
Zona 
De 
Defesa 
6 metros 
Zona Livre 
Zona 
Livre 
5 a 8 m 
3 a 5 m 
Espessura das linhas 
0,5 mm 
Zonas 
De 
Ataque 
3 m 3 m 
9 metros 
18 metros
Rêde , bola etc 
BBoollaa:: 6655 aa 6677ccmm –– 226600 aa 228800 
ggrraammaass ddee eessppeessssuurraa 
((sseemm ccoossttuurraa//ccoomm ccoossttuurraa)) 
10,00 m 
1m 
1,80 m Equipe = 12 jogadores nnuummeerraaddooss ddee 11 aa 1188 
2,55 m 
Feminino 2,24 
Masculino 2,43 
CCaalliibbrraaggeemm:: PPrraaiiaa ddee 33 aa 44 lliibbrraass 
QQuuaaddrraa 44,,55 lliibbrraass 
EEqquuiippee ddee AArrbbiittrraaggeemm:: 11°° ee 22°°áárrbbiittrrooss,, 
aappoonnttaaddoorr,, ccoonnttrroollaaddoorr ddee llííbbeerroo ,, 22 aa 44 ffiissccaaiiss 
ddee lliinnhhaa..
RODÍZIO 
5 6 
1 
4 
3 
2 
O Jogo: 
3 sets 
vencedores; 
O set: 25 
pontos c/ 
dois pontos 
de 
vantagem; 
06 
substituiçõe 
s 
e 02 tempos
Para darmos início ao ensino dos 
fundamentos do voleibol, é preciso saber 
que, quanto à regra, a bola pode ser tocada 
por qualquer parte do corpo , desde que não 
seja segurada, conduzida. 
• Os pré-fundamentos: As posturas e as 
movimentações corretas induzem à 
perfeita a execução dos fundamentos. 
Postura alta: (Bloqueio) em pé, membros 
inferiores estendidos e abduzidos na 
distância entre os ombros; tronco ereto; 
membros superiores semiflexionados 
elevados acima da cabeça, no 
prolongamento do corpo, sentido antero-posterior; 
mãos espalmadas com os dedos 
separados e polegares voltados para cima.
• Na posição de expectativa (postura média) o 
executante deve estar com os membros 
inferiores abduzidos, semiflexionados e um 
ligeiramente à frente do outro. Os membros 
superiores devem estar semiflexionados, e 
os cotovelos, com um afastamento lateral um 
pouco superior à largura dos ombros e um 
pouco à frente da linha anterior ao tronco. 
Esse posicionamento intermediário do 
membro superior permite a execução tanto 
da manchete como do toque da bola por 
cima. Os pés devem estar com os 
calcanhares fora de contato com o chão, e os 
joelhos um pouco à frente para favorecer os 
deslocamentos para frente ou para as 
diagonais.
Postura baixa: utilizada nas defesas e o 
centro de gravidade está mais baixo que a 
postura média com as pernas mais 
afastadas e mais flexionadas . 
FUNDAMENTOS DO 
VOLEIBOL 
• Toque , Manchete , Saque , 
Cortada , Bloqueio .
SAQUE SAQUE : É o início do jogo ,é executado 
com uma das mãos de fora da quadra – no 
fundo ( zona de saque ) pelo 
jogador da posição 1 . 
Saque por baixo: a bola é lançada para 
cima, à frente do corpo, e golpeada com 
um dos membros, que realiza todo o 
movimento em direção à bola estando 
estendido. O peso do corpo é transferido 
para o membro que está à frente. 
Saque por cima: A bola é lançada com as 
mãos, acima da cabeça e um pouco atrás 
da linha normal do tronco. Com o 
lançamento para o alto, os 
membros superiores são 
movimentados naturalmente 
para cima. O membro que 
vai golpear a bola faz um
MANCHETE
MANCHETE 
É mais utilizada durante a recepção 
de saques e em defesas de bolas 
baixas, o 
contato com a 
bola se faz no 
antebraço. Os 
membros inferiores 
devem estar da mesma 
forma que durante o 
toque, semiflexionados e 
afastados lateralmente na 
distância dos ombros. Os 
membros superiores, estendidos e 
unidos à frente do corpo. As mãos, 
unidas e sobrepostas.
TOQUE
TOQUE 
• É o fundamento mais característico 
do voleibol, utilizado em bolas altas 
e médias. Em 
posição de expectativa, 
cotovelos semiflexionados à 
frente do corpo, mãos na 
altura do rosto, palmas 
voltadas para 
frente e para cima, 
dedos abertos e firmes, o jogador 
procura fazer uma flexão e extensão 
de membros inferiores e superiores.
CORTADA
CORTADA 
É o fundamento do vôlei que finaliza a 
maioria das 
ações ofensivas e tem 
como objetivo, enviar a 
bola á quadra do 
adversário. É uma 
habilidade motora 
complexa, uma vez que 
toda ação é 
condicionada pelas 
características da 
trajetória do levantamento e que dividimos 
em 5 
fases pedagógicas: Corrida , Impulsão,
• Corrida: pode ser realizada em uma, duas, 
três ou mais passada. 
• Impulsão: após o deslocamento, ambos os pés 
tocam o solo. O corpo se inclina um pouco 
para frente e os cotovelos estendidos são 
lançados para trás. Os joelhos flexionam-se 
aproximadamente a 90º. 
• Elevação: os pés tocam o chão, primeiro 
com os calcanhares, juntamente com uma 
brusca extensão dos joelhos e do lançamento 
vigoroso dos braços para cima e pela frente 
do corpo.
• Batida: os membros superiores são 
lançados para cima. O que vai golpear 
a bola faz um movimento passando 
sobre a linha do ombro, posicionando-se, 
semiflexionado, na máxima 
amplitude escápulo-umeral. O tronco 
faz uma hiper-extensão. A batida na 
bola deve efetuar uma flexão de punho 
para imprimir uma rotação à bola, tendo 
um aumento de chances dela cair 
dentro da quadra adversária. 
• Queda: no instante do contato com o 
solo, o executante deve amortecer a 
queda de forma a se reequilibrar para 
não cair na rede e evitar lesões 
traumáticas. É importante que o salto 
para a cortada seja o mais vertical
BLOQUEIO
BLOQUEIO 
É um dos fundamentos 
que mais evoluíram 
com o passar dos 
anos, em detrimento 
do crescimento da 
potência dos 
atacantes e de suas 
habilidades 
individuais. Quanto à 
objetividade ele pode 
ser: ofensivo e 
defensivo; quanto à 
formação : simples,
• Conclusão:Uma iniciação 
esportiva 
correta deve ser o desenvolvimento e a 
aprendizagem das habilidades, 
capacidades e 
conhecimentos necessários para que no 
futuro alcance 
o ápice 
da forma 
física técnica 
que se 
adapte a 
qualquer 
situação do 
jogo.
Iniciação 
• Aprendizagem = Mudança de Comportamento 
• Uma das dificuldades em se iniciar no voleibol 
é o fato de ele ser um esporte de movimentos 
não-convencionais. O handebol e o 
basquetebol trabalham com o pegar e o jogar, 
comuns em algumas de nossas atividades 
quotidianas. Entretanto, o voleibol consiste em 
apenas passar a bola, sem segurá-la (faltas de 
condução de bola) 
• Para se conseguir êxito no ensino de voleibol 
é necessário uma boa condição física e uma 
boa coordenação que servirão de base para o 
seu aperfeiçoamento. O professor deverá 
estar atento a esses itens e deverá trabalhá-los 
tanto nos educativos como com 
brincadeiras .
• Não se pode esquecer que a preparação 
física precisa estar em equilíbrio com o 
desenvolvimento físico e psicológico para 
não desmotivar os atletas com exigências 
muitas delas fora do seu alcance. 
• Os fundamentos podem ser apresentados 
por etapa podendo variar sua seqüência 
visando a motivação e a alternância dos 
grupos musculares envolvidos. Sugerimos 
esta ordem: posição básica e movimentação, 
toque de bola, manchete, saque por baixo, 
saque tipo tênis, cortada, bloqueio . É dever 
do professor ensinar da melhor maneira 
possível todas as habilidades motoras 
indistintamente pois, não se sabe quais 
crianças vão se transformar em levantadores 
e quais serão atacantes.
SSeeqqüüêênncciiaa PPeeddaaggóóggiiccaa :: 
Apresentação 
,, 
Seqüência 
(exercícios EducPaetidvoasg óogui ca 
FAourtmomataivtiozsa)ç,ão e 
• APRESENTAÇÃO DAS HABILIDADES 
Aplicação 
MOTORAS 
 Estratégias e motivação ao apresentar as 
TÉCNICAS na execuções, sua UTILIDADE no 
jogo , através de: 
 Explicações teóricas, demonstrações, 
Fotografias, Filmes, Slides, Etc. 
 Postura do professor: Entusiasmo, vibração, 
honestidade e interesse para ensinar . 
 No término desta etapa devemos estimular o 
aluno a realizar a atividade sem bola ;
• SEQUENCIA PEDAGÓGICA: 
Devem ser repassados através de 
estimulação positiva e justa, para que o aluno 
não se desestimule por correções destrutivas 
e agressivas: 
EXERCÍCIOS EDUCATIVOS E/OU FORMATIVOS 
Objetivam resolver as imperfeições causadas 
por equívocos motores e técnicos. 
• AUTOMATIZAÇÃO 
É a repetição da habilidade motora desde 
que realizada com alto grau de proficiência 
(competência, aptidão, capacidade; 
habilidade).
• APLICAÇÃO DO FUNDAMENTO 
Aplicação do exercício em forma de jogo; 
Situações reais de jogo, mas de fácil 
estruturação e realização . 
Coletivos simulados: visam a constante 
repetição da mecânica e por conseqüência a 
repetição do fundamento aprendido, de uma 
forma intensiva, a situação do jogo quase 
real. 
O jogo propriamente dito (jogos de 
iniciação):
Fatores importantes para o 
desenvolvimento das 
habilidades: 
• Condições externas: correto ensino das 
técnicas, condições ambientais, etc. 
• Condições internas: nível motor inicial e 
motivação. 
• Habilidades Motoras básicas: equilibrar, 
rolar, bater, correr, lançar. 
• Habilidades Motoras Combinadas 
(refinadas)
O aquecimento é fundamental, tanto para a 
prevenção de lesões como para preparar o corpo 
para a prática física. Se bem utilizado, pode 
contribuir para a formação e a aprendizagem do 
aluno por meio de brincadeiras, danças, outros 
esportes diversificando e motivando as aulas . Não 
se pode esquecer de dar uma atenção especial às 
qualidades motoras - agilidade, ritmo, 
equilíbrio, flexibilidade - e à coordenação geral. 
A competição, deve ser utilizada como forma de 
aprendizagem, motivação e enfatizando as perdas 
e vitórias, visando as correções dos erros e 
exaltação dos acertos.
DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 
1. Iniciação (7 a 10 anos) 
- Habilidades motoras trabalhadas não 
especificamente, mas adaptadas ao 
voleibol; 
- Variações na forma de rebater; 
- Jogos adaptados de rebater 
2. Desenvolvimento (10 a 12 anos) 
- Apresentação e desenvolvimento dos 
fundamentos básicos do voleibol; 
- Combinação dos fundamentos básicos; 
- Jogos adaptados sobre a rede
DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 
3. Aperfeiçoamento (12 a 16 anos) 
- Início da aprendizagem dos fundamentos 
do jogo de voleibol; 
- Ênfase no aperfeiçoamento dos 
fundamentos do jogo de voleibol; 
- Evolução das formas de jogo; 
- Apresentação dos sistemas tático 
ofensivos e defensivos;
DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 
4. Especialização (16 a 19 anos) 
- Combinação dos fundamentos do jogo 
- Conscientização tática; 
- Formas concretas e mais elaboradas de 
jogo 
- Correções técnicas e táticas 
5. Treinamento total (19 anos em diante) 
- Jogador pronto 
- Manutenção técnica 
- Amadurecimento tático e psicológico 
- Adaptação técnica em relação às 
funções táticas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 historia do volei
3 historia do volei3 historia do volei
3 historia do volei
Átila Castro Paiva
 
A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol
Patricia Ferreira
 
Tênis de mesa na escola
Tênis de mesa na escolaTênis de mesa na escola
Tênis de mesa na escola
evandrolhp
 
Conceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de EsporteConceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de Esporte
David Henrique
 
Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
Oberlania Alves
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Futsal
FutsalFutsal
Ginástica geral
Ginástica geralGinástica geral
Ginástica geral
Kauanna Amaral
 
Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa - Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa -
Herbert Santana
 
Tchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da PazTchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da Paz
Evandro Felipe
 
Avaliação global de educação física 6º e 7º ano setembro
Avaliação global de educação física 6º e 7º ano setembroAvaliação global de educação física 6º e 7º ano setembro
Avaliação global de educação física 6º e 7º ano setembro
Moesio Alves
 
Ava ed fisica_8ano
Ava ed fisica_8anoAva ed fisica_8ano
Ava ed fisica_8ano
Atividades Diversas Cláudia
 
PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO
PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANOPROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO
PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO
ananiasdoamaral
 
Educação Física - Voleibol
Educação Física - VoleibolEducação Física - Voleibol
Educação Física - Voleibol
antoniavieira
 
Volei de Praia
Volei de Praia Volei de Praia
Volei de Praia
Luciano Serra Rodrigues
 
Voleibol ii
Voleibol iiVoleibol ii
Voleibol ii
Hiderson Marciano
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
dalilahack
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
Inês Ré
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
NetKids
 
Handebol na escola
Handebol na escolaHandebol na escola
Handebol na escola
evandrolhp
 

Mais procurados (20)

3 historia do volei
3 historia do volei3 historia do volei
3 historia do volei
 
A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol A Historia do Voleibol
A Historia do Voleibol
 
Tênis de mesa na escola
Tênis de mesa na escolaTênis de mesa na escola
Tênis de mesa na escola
 
Conceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de EsporteConceitos Variados de Esporte
Conceitos Variados de Esporte
 
Educaçaõ Física
Educaçaõ FísicaEducaçaõ Física
Educaçaõ Física
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Futsal
FutsalFutsal
Futsal
 
Ginástica geral
Ginástica geralGinástica geral
Ginástica geral
 
Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa - Sistemas de Disputa -
Sistemas de Disputa -
 
Tchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da PazTchoukball o Esporte da Paz
Tchoukball o Esporte da Paz
 
Avaliação global de educação física 6º e 7º ano setembro
Avaliação global de educação física 6º e 7º ano setembroAvaliação global de educação física 6º e 7º ano setembro
Avaliação global de educação física 6º e 7º ano setembro
 
Ava ed fisica_8ano
Ava ed fisica_8anoAva ed fisica_8ano
Ava ed fisica_8ano
 
PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO
PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANOPROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO
PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1º ANO
 
Educação Física - Voleibol
Educação Física - VoleibolEducação Física - Voleibol
Educação Física - Voleibol
 
Volei de Praia
Volei de Praia Volei de Praia
Volei de Praia
 
Voleibol ii
Voleibol iiVoleibol ii
Voleibol ii
 
Futsal
Futsal Futsal
Futsal
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
 
Futsal teórica
Futsal   teóricaFutsal   teórica
Futsal teórica
 
Handebol na escola
Handebol na escolaHandebol na escola
Handebol na escola
 

Destaque

Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Pedro R Pires
 
Powerpoint sobre power points
Powerpoint sobre power pointsPowerpoint sobre power points
Powerpoint sobre power points
Filipe Duarte
 
Apresentação voleibol
Apresentação voleibol Apresentação voleibol
Apresentação voleibol
Inácio Júnior
 
História de Vôleibol
História de VôleibolHistória de Vôleibol
História de Vôleibol
AVilarim
 
História voleibol
História voleibolHistória voleibol
História voleibol
Isabellucas59
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Victor Ferreira
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
sextoD
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
evandrolhp
 

Destaque (10)

Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Powerpoint sobre power points
Powerpoint sobre power pointsPowerpoint sobre power points
Powerpoint sobre power points
 
Apresentação voleibol
Apresentação voleibol Apresentação voleibol
Apresentação voleibol
 
História de Vôleibol
História de VôleibolHistória de Vôleibol
História de Vôleibol
 
História voleibol
História voleibolHistória voleibol
História voleibol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Voleibol na escola
Voleibol na escolaVoleibol na escola
Voleibol na escola
 

Semelhante a Histórico e evolução do voleibol

Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
TatianaSilva205
 
Apostila de handebol
Apostila de handebolApostila de handebol
Apostila de handebol
Gabriela De Lucca
 
CURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptx
CURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptxCURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptx
CURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptx
EveraldoSantos49
 
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, EtcA História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Fundamentos do voleibol.ppt
Fundamentos do voleibol.pptFundamentos do voleibol.ppt
Fundamentos do voleibol.ppt
GedeoMarcos
 
Basquetebol material de basquetebol (1)
Basquetebol   material de basquetebol (1)Basquetebol   material de basquetebol (1)
Basquetebol material de basquetebol (1)
Andre Souza
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
Carla Fernandes
 
Andebol2
Andebol2Andebol2
Andebol2
Albino217
 
Ginástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parteGinástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parte
Universidade Norte do Paraná
 
Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar
Paulo MF
 
Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes
Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes  Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes
Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes
Andrea Ferreira
 
BASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdf
BASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdfBASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdf
BASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdf
Sílvio Cardoso
 
Slide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. físicaSlide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. física
adnete
 
Slide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. físicaSlide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. física
Lisleia Macedo
 
HISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICAS
HISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICASHISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICAS
HISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICAS
romanenghiitalo
 
Queimada Prof Joel
Queimada   Prof  JoelQueimada   Prof  Joel
Queimada Prof Joel
coordenadoria02
 
Educação física.docx
Educação física.docxEducação física.docx
Educação física.docx
ricaMorgado
 
Voleibol.docx
Voleibol.docxVoleibol.docx
Voleibol.docx
Sílvio Cardoso
 
Quimbol na Escola
Quimbol na EscolaQuimbol na Escola
Quimbol na Escola
evandrolhp
 
Atividade motora 3 idade
Atividade motora 3 idadeAtividade motora 3 idade
Atividade motora 3 idade
Mario Trigo
 

Semelhante a Histórico e evolução do voleibol (20)

Educação Física
Educação FísicaEducação Física
Educação Física
 
Apostila de handebol
Apostila de handebolApostila de handebol
Apostila de handebol
 
CURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptx
CURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptxCURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptx
CURSO DE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL - SOUSA - 2020 - Cópia.pptx
 
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, EtcA História, Fundamentos do Voleibol, Etc
A História, Fundamentos do Voleibol, Etc
 
Fundamentos do voleibol.ppt
Fundamentos do voleibol.pptFundamentos do voleibol.ppt
Fundamentos do voleibol.ppt
 
Basquetebol material de basquetebol (1)
Basquetebol   material de basquetebol (1)Basquetebol   material de basquetebol (1)
Basquetebol material de basquetebol (1)
 
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDETRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
TRABALHO COLABORATIVO AUTORAL SOBRE ESPORTES E SAÚDE
 
Andebol2
Andebol2Andebol2
Andebol2
 
Ginástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parteGinástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parte
 
Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar Apostila educação física escolar
Apostila educação física escolar
 
Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes
Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes  Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes
Apostila educacao fisica 2017 professor paulo menezes
 
BASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdf
BASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdfBASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdf
BASQUETEBOL-APOIO TEORICO.pdf
 
Slide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. físicaSlide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. física
 
Slide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. físicaSlide de futsal para aula de ed. física
Slide de futsal para aula de ed. física
 
HISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICAS
HISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICASHISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICAS
HISTÓRIA DO FUTSAL COMO FOI CRIADO E REGRAS BÁSICAS
 
Queimada Prof Joel
Queimada   Prof  JoelQueimada   Prof  Joel
Queimada Prof Joel
 
Educação física.docx
Educação física.docxEducação física.docx
Educação física.docx
 
Voleibol.docx
Voleibol.docxVoleibol.docx
Voleibol.docx
 
Quimbol na Escola
Quimbol na EscolaQuimbol na Escola
Quimbol na Escola
 
Atividade motora 3 idade
Atividade motora 3 idadeAtividade motora 3 idade
Atividade motora 3 idade
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 

Histórico e evolução do voleibol

  • 1. 1.HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DO VOLEIBOL 2.PARTICULARIDADE E MANIFESTAÇÕES DO VOLEIBOL ( PARTICIPAÇÃO , EDUCACIONAL E PERFORMANCE 3. A DIDÁTICA DO ENSINO DO VOLEIBOL Professor:José Airton Fernandes Lima cvolei@fortalnet.com.br- 8746-35.98
  • 2. HISTÓRICO DO VOLEIBOL -Criado por William G. Morgan em 1895 na ACM de Holyoke no Estado de Massachusetts; - Inspirado no tênis, inicialmente foi chamado de minonette, mas logo depois passou a ser volleyball; -Buscou fornecer uma alternativa aos alunos que não se adaptaram à prática do recém-criado basquete; - Idealizou um esporte com menor possibilidade de contato físico, mais recreativo e que também exigisse esforço físico para beneficiar a saúde;
  • 3. - A primeira bola utilizada foi a de basquete; - A ACM rapidamente adotou o voleibol, facilitando a difusão pelo mundo; -Em 1897 foram publicadas as primeiras regras; -Apenas em 1918 foi fixado o número de 6 participantes e em 1922 foi limitada a quantidade de 3 toques na bola; -As Forças Armadas dos EUA também difundiram o voleibol durante a 1ª guerra mundial, pois o jogo era facilmente adaptado às condições vividas pelos soldados;
  • 4. Na América do Sul o voleibol chegou em 1910, trazido por uma missão norte-americana. No Brasil chegou por volta de 1915 em Pernambuco trazido pelo Jesuítas e/ou 1916, através da ACM de São Paulo ; A FIVB foi criada em 1947 e a CBV em 1954 (antes CBD) e a FCV em 1952. O 1o campeonato mundial foi disputado em 1949, com a vitória da URSS; O Voleibol se tornou esporte olímpico em 1964 na Olimpíada de Tóquio, no Japão, tendo como vencedores a URSS no masculino e o Japão no feminino.
  • 5. PARTICULARIDADES DO VOLEIBOL -O número limitado de toque favorece a atuação coletiva sobrepondo-se a individual, ensejando a socialização ; -Por não poder reter a bola estimula, a percepção, o raciocínio rápido e o desenvolvimento da coordenação motora; -Por não ter contato físico é facilmente adaptável e sem restrições pela idade, por sexo e pode ser praticado por lazer, recreação ou competição;
  • 6. PARTICULARIDADES DO VOLEIBOL - Pela rotação obrigatória enseja a todos participantes passem por toda a quadra e participem efetivamente das ações ofensivas e defensivas da equipe; - É um esporte que atua fortemente na parte emocional dos praticantes e da torcida; - Por ter crescido como esporte, passou a ser promovido pelo marketing e por patrocinadores, surgindo oportunidades antes só observadas no futebol;
  • 7. QUADRA E SUAS MEDIDAS Zona de Substi tuíção Zona De Zona Saque De Defesa 6 metros Zona De Defesa 6 metros Zona Livre Zona Livre 5 a 8 m 3 a 5 m Espessura das linhas 0,5 mm Zonas De Ataque 3 m 3 m 9 metros 18 metros
  • 8. Rêde , bola etc BBoollaa:: 6655 aa 6677ccmm –– 226600 aa 228800 ggrraammaass ddee eessppeessssuurraa ((sseemm ccoossttuurraa//ccoomm ccoossttuurraa)) 10,00 m 1m 1,80 m Equipe = 12 jogadores nnuummeerraaddooss ddee 11 aa 1188 2,55 m Feminino 2,24 Masculino 2,43 CCaalliibbrraaggeemm:: PPrraaiiaa ddee 33 aa 44 lliibbrraass QQuuaaddrraa 44,,55 lliibbrraass EEqquuiippee ddee AArrbbiittrraaggeemm:: 11°° ee 22°°áárrbbiittrrooss,, aappoonnttaaddoorr,, ccoonnttrroollaaddoorr ddee llííbbeerroo ,, 22 aa 44 ffiissccaaiiss ddee lliinnhhaa..
  • 9. RODÍZIO 5 6 1 4 3 2 O Jogo: 3 sets vencedores; O set: 25 pontos c/ dois pontos de vantagem; 06 substituiçõe s e 02 tempos
  • 10. Para darmos início ao ensino dos fundamentos do voleibol, é preciso saber que, quanto à regra, a bola pode ser tocada por qualquer parte do corpo , desde que não seja segurada, conduzida. • Os pré-fundamentos: As posturas e as movimentações corretas induzem à perfeita a execução dos fundamentos. Postura alta: (Bloqueio) em pé, membros inferiores estendidos e abduzidos na distância entre os ombros; tronco ereto; membros superiores semiflexionados elevados acima da cabeça, no prolongamento do corpo, sentido antero-posterior; mãos espalmadas com os dedos separados e polegares voltados para cima.
  • 11. • Na posição de expectativa (postura média) o executante deve estar com os membros inferiores abduzidos, semiflexionados e um ligeiramente à frente do outro. Os membros superiores devem estar semiflexionados, e os cotovelos, com um afastamento lateral um pouco superior à largura dos ombros e um pouco à frente da linha anterior ao tronco. Esse posicionamento intermediário do membro superior permite a execução tanto da manchete como do toque da bola por cima. Os pés devem estar com os calcanhares fora de contato com o chão, e os joelhos um pouco à frente para favorecer os deslocamentos para frente ou para as diagonais.
  • 12. Postura baixa: utilizada nas defesas e o centro de gravidade está mais baixo que a postura média com as pernas mais afastadas e mais flexionadas . FUNDAMENTOS DO VOLEIBOL • Toque , Manchete , Saque , Cortada , Bloqueio .
  • 13. SAQUE SAQUE : É o início do jogo ,é executado com uma das mãos de fora da quadra – no fundo ( zona de saque ) pelo jogador da posição 1 . Saque por baixo: a bola é lançada para cima, à frente do corpo, e golpeada com um dos membros, que realiza todo o movimento em direção à bola estando estendido. O peso do corpo é transferido para o membro que está à frente. Saque por cima: A bola é lançada com as mãos, acima da cabeça e um pouco atrás da linha normal do tronco. Com o lançamento para o alto, os membros superiores são movimentados naturalmente para cima. O membro que vai golpear a bola faz um
  • 15. MANCHETE É mais utilizada durante a recepção de saques e em defesas de bolas baixas, o contato com a bola se faz no antebraço. Os membros inferiores devem estar da mesma forma que durante o toque, semiflexionados e afastados lateralmente na distância dos ombros. Os membros superiores, estendidos e unidos à frente do corpo. As mãos, unidas e sobrepostas.
  • 16. TOQUE
  • 17. TOQUE • É o fundamento mais característico do voleibol, utilizado em bolas altas e médias. Em posição de expectativa, cotovelos semiflexionados à frente do corpo, mãos na altura do rosto, palmas voltadas para frente e para cima, dedos abertos e firmes, o jogador procura fazer uma flexão e extensão de membros inferiores e superiores.
  • 19. CORTADA É o fundamento do vôlei que finaliza a maioria das ações ofensivas e tem como objetivo, enviar a bola á quadra do adversário. É uma habilidade motora complexa, uma vez que toda ação é condicionada pelas características da trajetória do levantamento e que dividimos em 5 fases pedagógicas: Corrida , Impulsão,
  • 20. • Corrida: pode ser realizada em uma, duas, três ou mais passada. • Impulsão: após o deslocamento, ambos os pés tocam o solo. O corpo se inclina um pouco para frente e os cotovelos estendidos são lançados para trás. Os joelhos flexionam-se aproximadamente a 90º. • Elevação: os pés tocam o chão, primeiro com os calcanhares, juntamente com uma brusca extensão dos joelhos e do lançamento vigoroso dos braços para cima e pela frente do corpo.
  • 21. • Batida: os membros superiores são lançados para cima. O que vai golpear a bola faz um movimento passando sobre a linha do ombro, posicionando-se, semiflexionado, na máxima amplitude escápulo-umeral. O tronco faz uma hiper-extensão. A batida na bola deve efetuar uma flexão de punho para imprimir uma rotação à bola, tendo um aumento de chances dela cair dentro da quadra adversária. • Queda: no instante do contato com o solo, o executante deve amortecer a queda de forma a se reequilibrar para não cair na rede e evitar lesões traumáticas. É importante que o salto para a cortada seja o mais vertical
  • 23. BLOQUEIO É um dos fundamentos que mais evoluíram com o passar dos anos, em detrimento do crescimento da potência dos atacantes e de suas habilidades individuais. Quanto à objetividade ele pode ser: ofensivo e defensivo; quanto à formação : simples,
  • 24. • Conclusão:Uma iniciação esportiva correta deve ser o desenvolvimento e a aprendizagem das habilidades, capacidades e conhecimentos necessários para que no futuro alcance o ápice da forma física técnica que se adapte a qualquer situação do jogo.
  • 25. Iniciação • Aprendizagem = Mudança de Comportamento • Uma das dificuldades em se iniciar no voleibol é o fato de ele ser um esporte de movimentos não-convencionais. O handebol e o basquetebol trabalham com o pegar e o jogar, comuns em algumas de nossas atividades quotidianas. Entretanto, o voleibol consiste em apenas passar a bola, sem segurá-la (faltas de condução de bola) • Para se conseguir êxito no ensino de voleibol é necessário uma boa condição física e uma boa coordenação que servirão de base para o seu aperfeiçoamento. O professor deverá estar atento a esses itens e deverá trabalhá-los tanto nos educativos como com brincadeiras .
  • 26. • Não se pode esquecer que a preparação física precisa estar em equilíbrio com o desenvolvimento físico e psicológico para não desmotivar os atletas com exigências muitas delas fora do seu alcance. • Os fundamentos podem ser apresentados por etapa podendo variar sua seqüência visando a motivação e a alternância dos grupos musculares envolvidos. Sugerimos esta ordem: posição básica e movimentação, toque de bola, manchete, saque por baixo, saque tipo tênis, cortada, bloqueio . É dever do professor ensinar da melhor maneira possível todas as habilidades motoras indistintamente pois, não se sabe quais crianças vão se transformar em levantadores e quais serão atacantes.
  • 27. SSeeqqüüêênncciiaa PPeeddaaggóóggiiccaa :: Apresentação ,, Seqüência (exercícios EducPaetidvoasg óogui ca FAourtmomataivtiozsa)ç,ão e • APRESENTAÇÃO DAS HABILIDADES Aplicação MOTORAS  Estratégias e motivação ao apresentar as TÉCNICAS na execuções, sua UTILIDADE no jogo , através de:  Explicações teóricas, demonstrações, Fotografias, Filmes, Slides, Etc.  Postura do professor: Entusiasmo, vibração, honestidade e interesse para ensinar .  No término desta etapa devemos estimular o aluno a realizar a atividade sem bola ;
  • 28. • SEQUENCIA PEDAGÓGICA: Devem ser repassados através de estimulação positiva e justa, para que o aluno não se desestimule por correções destrutivas e agressivas: EXERCÍCIOS EDUCATIVOS E/OU FORMATIVOS Objetivam resolver as imperfeições causadas por equívocos motores e técnicos. • AUTOMATIZAÇÃO É a repetição da habilidade motora desde que realizada com alto grau de proficiência (competência, aptidão, capacidade; habilidade).
  • 29. • APLICAÇÃO DO FUNDAMENTO Aplicação do exercício em forma de jogo; Situações reais de jogo, mas de fácil estruturação e realização . Coletivos simulados: visam a constante repetição da mecânica e por conseqüência a repetição do fundamento aprendido, de uma forma intensiva, a situação do jogo quase real. O jogo propriamente dito (jogos de iniciação):
  • 30. Fatores importantes para o desenvolvimento das habilidades: • Condições externas: correto ensino das técnicas, condições ambientais, etc. • Condições internas: nível motor inicial e motivação. • Habilidades Motoras básicas: equilibrar, rolar, bater, correr, lançar. • Habilidades Motoras Combinadas (refinadas)
  • 31. O aquecimento é fundamental, tanto para a prevenção de lesões como para preparar o corpo para a prática física. Se bem utilizado, pode contribuir para a formação e a aprendizagem do aluno por meio de brincadeiras, danças, outros esportes diversificando e motivando as aulas . Não se pode esquecer de dar uma atenção especial às qualidades motoras - agilidade, ritmo, equilíbrio, flexibilidade - e à coordenação geral. A competição, deve ser utilizada como forma de aprendizagem, motivação e enfatizando as perdas e vitórias, visando as correções dos erros e exaltação dos acertos.
  • 32. DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 1. Iniciação (7 a 10 anos) - Habilidades motoras trabalhadas não especificamente, mas adaptadas ao voleibol; - Variações na forma de rebater; - Jogos adaptados de rebater 2. Desenvolvimento (10 a 12 anos) - Apresentação e desenvolvimento dos fundamentos básicos do voleibol; - Combinação dos fundamentos básicos; - Jogos adaptados sobre a rede
  • 33. DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 3. Aperfeiçoamento (12 a 16 anos) - Início da aprendizagem dos fundamentos do jogo de voleibol; - Ênfase no aperfeiçoamento dos fundamentos do jogo de voleibol; - Evolução das formas de jogo; - Apresentação dos sistemas tático ofensivos e defensivos;
  • 34. DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 4. Especialização (16 a 19 anos) - Combinação dos fundamentos do jogo - Conscientização tática; - Formas concretas e mais elaboradas de jogo - Correções técnicas e táticas 5. Treinamento total (19 anos em diante) - Jogador pronto - Manutenção técnica - Amadurecimento tático e psicológico - Adaptação técnica em relação às funções táticas