SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNÇÕES ORGÂNICAS




Prof. Marcelo Cangemi
1. HIDROCARBONETOS
- Constituído exclusivamente por Carbono e Hidrogênio;

- Fórmula Geral: CxHy




                                                    Hexano
1. HIDROCARBONETOS
- São   os chamados combustíveis fósseis.
- Levaram milhões de anos para se formar sob grandes
pressões no interior da terra, como: petróleo, gás natural e
carvão.
- Podem ser oxidados com grande facilidade, liberando
muita energia e calor e por isso são utilizados como
combustíveis.
1.1. ALCANOS
- Hidrocarbonetos saturados (somente com ligações simples)
de cadeia aberta (acíclica);

- Possuem fórmula geral: CnH2n+2




                                                   Propano
1.1. ALCANOS
               - São apolares e incolores. Os
               gasosos e os sólidos são
               inodoros e os líquidos têm
               cheiro característico (gasolina,
               por exemplo).
               - Uma fonte natural de alcanos é
               o petróleo, geralmente formado
               por uma mistura de
               hidrocarbonetos cujos átomos
               de carbono variam de 1 a 40.
               São encontrados também no
               gás natural, no xisto
               betuminoso e na cera mineral.
1.1. ALCANOS
-Eles são utilizados como matéria-prima para a preparação de
muitos compostos na indústria petroquímica e também como
combustível. Ex: Butano (fluido para isqueiro), gasolina
(octanos) e GLP (Gás Liquefeito do Petróleo) ou gás de
cozinha (mistura de propano e butano).
1.2. ALCENOS

- Hidrocarbonetos  de cadeia aberta (acíclicos) contendo
uma única dupla ligação.
- Possuem fórmula geral CnH2n




                                                     Eteno
1.2. ALCENOS
-São utilizados na preparação de polietileno, que é um dos
plásticos mais importantes na indústria, usado na
confecção de sacos e garrafas plásticas, brinquedos, etc.
- Também são utilizados na produção da borracha sintética,
corantes, tecidos sintéticos e, até mesmo, explosivos são
obtidos através de alcenos.
1.2. ALCENOS
-Se apresentam na natureza da seguinte forma: os de cadeia
normal de 2 a 4 carbonos são gases, de 5 a 16 carbonos são
líquidos e de 17 carbonos em diante são sólidos, na temperatura
ambiente.
- O eteno (etileno) costuma ser utilizado como anestésico em
intervenções cirúrgicas e no amadurecimento forçado de frutas
verdes.




                   Antes (etileno)   Depois (etileno)
1.3. ALCINOS
- Hidrocarbonetos de cadeia aberta (acíclicos) contendo
uma única ligação tripla.
- Possuem fórmula geral CnH2n-2




                                                    Etino
1.3. ALCINOS
-São incolores, inodoros
e apresentam
insolubilidade em água,
sendo solúveis em
solventes orgânicos
como o álcool, o éter e
outros.


- Obtêm-se
artificialmente pelo
processo de
craqueamento (ruptura)
catalítico do petróleo.
1.3. ALCINOS
- Preparação industrial voltada especialmente para o etino,
também chamado de Acetileno;

- À partir dele se obtêm solúveis não inflamáveis. É usado
em grande escala na fabricação de borrachas sintéticas,
plásticos, como o PVC e PVA, e ainda fios têxteis para a
produção de tecidos.
1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS
- Sãoos hidrocarbonetos que possuem um ou mais anéis
benzênicos, que também são chamados de anéis
aromáticos.




                                              Benzeno
1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS

- Até a segunda guerra mundial, sua fonte mais importante
era o carvão. Atualmente, grande parte dos compostos
aromáticos, se obtém a partir do petróleo.
- Ex: Naftaleno (nome comercial: Naftalina).
1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS

- Existem em grande quantidade na natureza e são
essenciais na indústria de inseticidas e de corantes como
solventes e para fabricação de explosivos.
- Oferecem riso à saúde, sendo alguns considerados
cancerígenos.
1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS

- O tolueno (metilbenzeno) por exemplo é utilizado na
produção de colas, popularmente conhecidas como
cola-de-sapateiro, que são também utilizadas como
drogas.
2. ÁLCOOL
-Possuem um ou mais grupos OH (hidroxila) ligado ao
carbono saturado de uma cadeia hidrocarbônica.




                                              Etanol
2. ÁLCOOL
- Os álcoois menores: são líquidos e possuem cheiro agradável. À
medida que aumenta a cadeia hidrocarbônica aumenta a sua
viscosidade. Mais que onze carbonos: sólidos e inodoros.

- Possuem alta reatividade devido a presença da hidroxila.
- Em geral são utilizados comercialmente como combustíveis, solventes,
na limpeza doméstica e como componentes nas bebidas alcoólicas.
Colesterol – um álcool
Uma dieta rica em gorduras
animais produz um
aumento nos níveis de
colesterol no sangue. O
nível de colesterol médio
considerado normal é de
150 a 200 mg/100ml de
sangue; valores ao redor de
300mg/100ml de sangue
estão relacionados com
formação de depósitos de
colesterol nas paredes
internas das artérias
coronárias.
3. FENOL
- Função orgânica caracterizada por uma ou mais hidroxilas ligadas a um
anel aromático.




                                               Hidróxibenzeno (Fenol)
3. FENOL
- Possui propriedade antisséptica devido ao
mecanismo que possuem de coagularem proteínas de
microrganismos.
- Alguns exemplos de compostos fenólicos utilizados
como desinfetantes: espadol, creolina e lisol.
Fenol - THC
THC: A substância tetra-hidro-canabinol apresenta em sua
estrutura o grupo fenol. O THC é o principal componente
ativo da maconha. A maconha apresenta algumas
aplicações legítimas na medicina: diminuição da pressão no
globo ocular de pessoas com glaucoma, evitando eventual
cegueira, diminuição de ânsia de vômito em pacientes com
câncer submetidos a tratamento por radiação.
4. ÉTER
- Possuem um átomo de oxigênio interposto entre dois átomos de
carbonos de cadeias hidrocarbônicas ou anéis aromáticos.




                                                    Etóxietano
         CH3 – CH2 – O – CH2 – CH3
                                                   (éter dietílico)
4. ÉTER
- Uma conhecida forma de éter, é o éter comum. Líquido altamente volátil,
usado na medicina como anestésico, que atualmente entrou em desuso
em razão dos perigos de causar incêndios.
- Esse éter também é conhecido pelas denominações de éter etílico, éter
dietílico ou éter sulfúrico.




       CH3 – CH2 – O – CH2 – CH3
4. ÉTER


Quebra-pedra: um chá popular que contém éter. É muito
utilizado por sua capacidade de dissolver cálculos
renais, promovendo a desobstrução do ureter.
Seu principal componente é a hipofilantina.
5. ALDEÍDO
- Caracterizado pela presença, em sua estrutura, do grupamento formila ou
aldoxila (    ) ligado a uma cadeia hidrocarbônica ou anel aromático.




                                                                 Etanal
5. ALDEÍDO
- O metanal é o principal aldeído,
sendo conhecido também por
aldeído fórmico, formaldeído ou
formol. Quando dissolvido em
água, forma-se uma solução
conhecida por formol.
- O formol tem a propriedade de
desnaturar proteínas tornando-
as resistentes à decomposição
por bactérias. Por essa razão,
ele é usado como fluido de
embalsamamento, na
conservação de espécies
biológicas e também como
antisséptico.
5. ALDEÍDO
- Por serem compostos aromáticos          também   são   comumente
empregados na confecção de perfumes.
- O citral, comum em perfumes com toques cítricos, é na verdade uma
mistura de dois aldeídos isoméricos: o geranial (cujo odor remete ao
limão) e o neral ( odor menos acentuado e mais adocicado).

- Além de seu uso na indústria de perfumaria,
essa mistura de aldeídos também é empregada
na indústria alimentícia para reforçar o sabor
de limão de balas e outros comestíveis.
6. CETONA
-Caracterizada pela presença, em sua estrutura, do grupamento carbonila
(     ) ligado a dois átomos de carbono de cadeias hidrocarbônicas ou
anéis aromáticos.




                                                             Propanona
6. CETONA
Também conhecida por acetona, a
propanona é um líquido à temperatura
ambiente que apresenta um odor
agradável, é muito utilizada como
solvente de tintas, vernizes e esmaltes.
Na indústria de alimentos, sua aplicação
mais importante ocorre na extração de
óleos e gorduras de sementes, como
soja, amendoim e girassol.
Sua comercialização é controlada pelo
Departamento de Entorpecentes da
Polícia Federal, por ser utilizada na
extração da cocaína, a partir das folhas
da coca.
7. ÁCIDO CARBOXÍLICO

- Ácidos orgânicos caracterizados pela presença, em sua estrutura, do
grupamento carboxila (       ) ligado um átomo de carbono de cadeia
hidrocarbônica ou anel aromáticos.




                                                    Ácido Metanóico
7. ÁCIDO CARBOXÍLICO
- Ácidos monocarboxílicos alifáticos com até quatro
carbonos são líquidos incolores e solúveis em água.

Ex: ácido metanóico, que é um
líquido incolor de cheiro irritante e
bastante corrosivo, conhecido
também por ácido fórmico.
Algumas formigas contêm grandes
quantidades desse ácido, que,
quando injetado através da
mordida, produz uma reação
alérgica no tecido humano,
caracterizada pela formação de
edema e coceira intensa.
7. ÁCIDO CARBOXÍLICO
- Ácidos carboxílicos com mais de dez carbonos são
classificados como ácidos graxos, são encontrados em
óleos e gorduras, são sólidos e insolúveis em água.
- Ex: Ômega-3, ácido carboxílico (graxo) poliinsaturado
presente em peixes marinhos. Auxilia na diminuição dos
níveis de triglicerídeos e colesterol ruim LDL, e favorece
o aumento do colestrol bom HDL.
8. ÉSTER
- São compostos resultantes da reação entre um álcool e um ácido
carboxílico por esterificação. Ocorre a substituição do grupo OH do
grupo carboxílico, por um grupo OR ou OAr. (        ).




                                                  Etanoato de etila
8. ÉSTER
- Ésteresde baixa massa molecular são líquidos incolores
e, à medida que se aumenta a massa molecular, eles vão
se tornando mais viscosos e gordurosos até tomarem a
forma sólida (aspecto de cera).
- São muito utilizados na indústria alimentícia como
aromatizantes artificiais, eles imitam o cheiro e gosto de
frutas.
8. ÉSTER
- A manteiga também é classificada como éster (derivada
da mistura dos ácidos linoleico e oleico).




                               Ác. Linoleico (C18H32O2 )




                                 Ác. Oleico (C18H34O2 )
9. AMINA
-   Aminas são compostos orgânicos nitrogenados obtidos
através da substituição de hidrogênio da amônia (NH3) por
outros grupos orgânicos. (radicais alquila ou arila).




                                                   Trimetilamina
9. AMINA
-Aminas alifáticas com até 12 carbonos são líquidas. Com
mais de 12, são sólidas, e todas são incolores. As líquidas
são tóxicas e apresentam cheiro desagradável, e as sólidas
são inodoras.
- A trimetilamina pode ser produzida por peixe em
decomposição, a putrescina e cadaverina são encontradas
em proteínas de organismos humanos putrefatos
(cadáveres) e constituem diaminas alifáticas saturadas.



                                             Putrescina



Trimetilamina
                                             Cadaverina
9. AMINA
           Anfetaminas

             Droga sintética de efeito estimulante
             da atividade mental. A denominação
             “anfetaminas” é atribuída a todo um
             grupo de substâncias como:
             metilfenidato, metanfetamina e
             dietilpropiona, que são
             comercializadas sob a forma de
             medicamento. Um outro tipo de
             anfetamina, bem conhecido, porém de
             uso ilícito, é a
             metilenodioximetanfetamina (MDMA),
             conhecida por “êxtase”.
10. AMIDA
-Possui o nitrogênio ligado diretamente a um grupo carbonila assim, o grupo
-NH2 substitui o -OH do grupo carboxila. (        ).




                                                            Etanamida
10. AMIDA
- As amidas podem ser encontradas na fase sólida ou
líquida. Amidas com cadeias carbônicas mais extensas são
sólidas e incolores.
- Não ocorrem na natureza. O processo de preparação da
amida se baseia no aquecimento de sais de amônio
seguido de desidratação.
- São empregadas em sínteses orgânicas e representam
compostos importantes como o náilon, uma poliamida.




                                        Monômero do náilon
10. AMIDA
                              Algumas pessoas são
                              alérgicas à aspirina, ou muito
                              sensíveis à irritação da
                              mucosa gástrica, produzida
                              por ela. Nesses casos o
                              substituto ideal é uma amida
                              sintética – como
N-(4-hidroxifenil)etanamida   acetominofen (paracetamol),
                              a mais comum. Sua ação
                              como analgésico e
                              antitérmico é semelhante à da
                              aspirina, mas ela não é tão
                              eficaz como antiinflamatório.
11. HALETOS ORGÂNICOS
- Composto derivado dos hidrocarbonetos pela substituição
de um ou mais hidrogênios por halogênios (F, Cl, Br, I).




                                                   Iodometano
11. HALETOS ORGÂNICOS
- CFC’s (Clorofluorcarbonetos): Conhecidos como freons. São
usados como propelentes em aerossóis e como líquido de
refrigeração em aparelhos de ar condicionado e geladeira.
- DDT (Dicloro-difenil-tricloroetano): Inseticida conhecido por sua
eficiência em controlar doenças transmitidas por insetos (febre
amarela, malária. Tifo).




    Aerosol (Utiliza CFC)                     DDT
11. HALETOS ORGÂNICOS
- Gás lacrimogêneo (Clorobenzilideno malonitrilo): Usado por
policiais para dispersar multidões. Este gás produz efeito
incapacitante no indivíduo como: lágrimas, tosse, irritação da pele
e vômitos.

- Clorofórmio: Possui três átomos de cloro. Foi muito usado em
cirurgias, porém foi substituído por causar parada respiratória nos
pacientes.                                   Clorofórmio




     Gás lacrimogêneo
12. NITRILA
- Caracterizada   pela existência do grupo funcional -CN ligado a
uma cadeia hidrocarbônica ou anel aromático.




                                              Prop-2-enonitrila
12. NITRILA
- As isonitrilas mais simples são líquidos incolores, de
cheiro extremamente desagradável e muito tóxicas. São
ligeiramente solúveis em água e bastante solúveis em
álcool e éter.
- As isonitrilas não têm muitas aplicações, porém, são
importantes para a produção de outros compostos, como
os isocianatos, que são utilizados na síntese de polímeros.




                             polímeros
13. NITROCOMPOSTO
- Composto que apresente pelo menos um grupo funcional
–NO2.




                                              Nitroetano
13. NITROCOMPOSTO
- Sãofrequentemente explosivos. Impurezas variadas ou uma
manipulação inapropriada podem facilmente desencadear
uma decomposição exotérmica violenta.
- O TNT ( 2,4,6 trinitrotolueno) é um nitrocomposto que é
utilizado como um tradicional explosivo.




                   2,4,6 trinitrotolueno (T.N.T)
13. NITROCOMPOSTO
- Nitrometano: Usado como combustível em aeromodelos,
alguns carros de competição e foguetes, como estabilizante
para solventes clorados (ex. clorofórmio), como solvente em
laboratório e precursor de outros produtos, como tampão de pH
e fumigantes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dicionario de química
Dicionario de química Dicionario de química
Dicionario de química
Carlos Silva Damasceno
 
Funcoes organicas
Funcoes organicasFuncoes organicas
Funcoes organicas
Adrianne Mendonça
 
Exemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicosExemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicos
Escola Pública/Particular
 
Química Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função ÁlcoolQuímica Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função Álcool
Jamille Lisboa
 
ácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdfácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdf
Kaires Braga
 
Func oxigenadas
Func oxigenadasFunc oxigenadas
Func oxigenadas
con_seguir
 
Cópia de fun es_org_nicas
Cópia de fun  es_org_nicasCópia de fun  es_org_nicas
Cópia de fun es_org_nicas
cejlrodrigues
 
Amidas 3a1
Amidas 3a1Amidas 3a1
Ácidos carboxílicos
Ácidos carboxílicosÁcidos carboxílicos
Ácidos carboxílicos
Wallinhas Souza
 
Amidas e aminas
Amidas e aminasAmidas e aminas
Amidas e aminas
Maria Dias
 
Aminas
AminasAminas
Aldeidos e Cetonas
Aldeidos e CetonasAldeidos e Cetonas
Aldeidos e Cetonas
Kaires Braga
 
Funções nitrogenadas
Funções nitrogenadasFunções nitrogenadas
Funções nitrogenadas
Rosbergue Lúcio
 
Funções orgânicas
Funções orgânicasFunções orgânicas
Funções orgânicas
quimicadacla
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
Karol Maia
 
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - ÁlcooisCompostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Nathália Rodrigues
 
Estudos dos ácidos carboxilicos 012
Estudos dos ácidos carboxilicos 012Estudos dos ácidos carboxilicos 012
Estudos dos ácidos carboxilicos 012
Manuel da Mata Vicente
 
Cetona
CetonaCetona
Cetonas e acidos carboxilicos
Cetonas e acidos carboxilicosCetonas e acidos carboxilicos
Cetonas e acidos carboxilicos
Luana Bastos
 
Fenol, enol e éter
Fenol, enol e éterFenol, enol e éter
Fenol, enol e éter
Kaires Braga
 

Mais procurados (20)

Dicionario de química
Dicionario de química Dicionario de química
Dicionario de química
 
Funcoes organicas
Funcoes organicasFuncoes organicas
Funcoes organicas
 
Exemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicosExemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicos
 
Química Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função ÁlcoolQuímica Orgânica - Função Álcool
Química Orgânica - Função Álcool
 
ácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdfácidos, ésteres, sais pdf
ácidos, ésteres, sais pdf
 
Func oxigenadas
Func oxigenadasFunc oxigenadas
Func oxigenadas
 
Cópia de fun es_org_nicas
Cópia de fun  es_org_nicasCópia de fun  es_org_nicas
Cópia de fun es_org_nicas
 
Amidas 3a1
Amidas 3a1Amidas 3a1
Amidas 3a1
 
Ácidos carboxílicos
Ácidos carboxílicosÁcidos carboxílicos
Ácidos carboxílicos
 
Amidas e aminas
Amidas e aminasAmidas e aminas
Amidas e aminas
 
Aminas
AminasAminas
Aminas
 
Aldeidos e Cetonas
Aldeidos e CetonasAldeidos e Cetonas
Aldeidos e Cetonas
 
Funções nitrogenadas
Funções nitrogenadasFunções nitrogenadas
Funções nitrogenadas
 
Funções orgânicas
Funções orgânicasFunções orgânicas
Funções orgânicas
 
Aminas amidas
Aminas amidasAminas amidas
Aminas amidas
 
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - ÁlcooisCompostos da Quimica Orgânica - Álcoois
Compostos da Quimica Orgânica - Álcoois
 
Estudos dos ácidos carboxilicos 012
Estudos dos ácidos carboxilicos 012Estudos dos ácidos carboxilicos 012
Estudos dos ácidos carboxilicos 012
 
Cetona
CetonaCetona
Cetona
 
Cetonas e acidos carboxilicos
Cetonas e acidos carboxilicosCetonas e acidos carboxilicos
Cetonas e acidos carboxilicos
 
Fenol, enol e éter
Fenol, enol e éterFenol, enol e éter
Fenol, enol e éter
 

Semelhante a Funcoes organicas 2012 coc

FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.pptFUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
PelotaMECXII
 
Cópia de fun es_org_nicas
Cópia de fun  es_org_nicasCópia de fun  es_org_nicas
Cópia de fun es_org_nicas
cejlrodrigues
 
Química orgânica módulo 2
Química  orgânica módulo 2Química  orgânica módulo 2
Química orgânica módulo 2
Adrianne Mendonça
 
Compostos carbono
Compostos carbonoCompostos carbono
Compostos carbono
cbarroso
 
Quimica do mal
Quimica do malQuimica do mal
Quimica do mal
Renan Vinicius
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Carlos Alberto
 
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das CiênciasPPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
Ministry of Education
 
1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo
1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo
1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo
fernandoalvescosta3
 
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º anoAula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Ministry of Education
 
Professor autor%5c química%5cquímica i 3º ano i médio%5ccompostos oxigena...
Professor autor%5c química%5cquímica  i  3º ano  i  médio%5ccompostos oxigena...Professor autor%5c química%5cquímica  i  3º ano  i  médio%5ccompostos oxigena...
Professor autor%5c química%5cquímica i 3º ano i médio%5ccompostos oxigena...
Wilson Xavier Barbosa
 
Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1
EEB Francisco Mazzola
 
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.pptCompostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Elifabio Sobreira Pereira
 
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.pptCompostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
JosAssisGomesdeBrito
 
Acidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteresAcidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteres
Kamila Brito
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
ticsagudo
 
áCido carboxílico e ésteres
áCido carboxílico e ésteresáCido carboxílico e ésteres
áCido carboxílico e ésteres
anateresa99
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
Joyce Fagundes
 
Quimica orgânica 1 2013
Quimica orgânica 1 2013Quimica orgânica 1 2013
Quimica orgânica 1 2013
Charles Qmc
 
Fun__es_Org_nicas.ppt
Fun__es_Org_nicas.pptFun__es_Org_nicas.ppt
Fun__es_Org_nicas.ppt
RenataJuliana6
 
Quimica trabalho
Quimica trabalhoQuimica trabalho
Quimica trabalho
Fafa Alabart
 

Semelhante a Funcoes organicas 2012 coc (20)

FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.pptFUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
FUNÇÕES ORGÂNICAS.ppt
 
Cópia de fun es_org_nicas
Cópia de fun  es_org_nicasCópia de fun  es_org_nicas
Cópia de fun es_org_nicas
 
Química orgânica módulo 2
Química  orgânica módulo 2Química  orgânica módulo 2
Química orgânica módulo 2
 
Compostos carbono
Compostos carbonoCompostos carbono
Compostos carbono
 
Quimica do mal
Quimica do malQuimica do mal
Quimica do mal
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das CiênciasPPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
PPT aula QO 9º ano Sérgio Leal 27042011 Casa das Ciências
 
1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo
1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo
1. Introdução quimica orgânica, pontos relevantes ao entendimento do processo
 
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º anoAula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
Aula "Introdução à Química Orgânica" para o 9.º ano
 
Professor autor%5c química%5cquímica i 3º ano i médio%5ccompostos oxigena...
Professor autor%5c química%5cquímica  i  3º ano  i  médio%5ccompostos oxigena...Professor autor%5c química%5cquímica  i  3º ano  i  médio%5ccompostos oxigena...
Professor autor%5c química%5cquímica i 3º ano i médio%5ccompostos oxigena...
 
Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1Nathalia e maysa 3a1
Nathalia e maysa 3a1
 
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.pptCompostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
 
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.pptCompostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
Compostos Oxigenados Fenol e aldeído.ppt
 
Acidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteresAcidos carboxilicos e esteres
Acidos carboxilicos e esteres
 
A Química dos Agrotóxicos
A Química dos AgrotóxicosA Química dos Agrotóxicos
A Química dos Agrotóxicos
 
áCido carboxílico e ésteres
áCido carboxílico e ésteresáCido carboxílico e ésteres
áCido carboxílico e ésteres
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
 
Quimica orgânica 1 2013
Quimica orgânica 1 2013Quimica orgânica 1 2013
Quimica orgânica 1 2013
 
Fun__es_Org_nicas.ppt
Fun__es_Org_nicas.pptFun__es_Org_nicas.ppt
Fun__es_Org_nicas.ppt
 
Quimica trabalho
Quimica trabalhoQuimica trabalho
Quimica trabalho
 

Mais de José Marcelo Cangemi

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
José Marcelo Cangemi
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
José Marcelo Cangemi
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
José Marcelo Cangemi
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
José Marcelo Cangemi
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
José Marcelo Cangemi
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
José Marcelo Cangemi
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
José Marcelo Cangemi
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
José Marcelo Cangemi
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
José Marcelo Cangemi
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1   ciência e química - objetivo ituveravaMod. 1   ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 

Mais de José Marcelo Cangemi (20)

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
 
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1   ciência e química - objetivo ituveravaMod. 1   ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
 

Último

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Funcoes organicas 2012 coc

  • 2. 1. HIDROCARBONETOS - Constituído exclusivamente por Carbono e Hidrogênio; - Fórmula Geral: CxHy Hexano
  • 3. 1. HIDROCARBONETOS - São os chamados combustíveis fósseis. - Levaram milhões de anos para se formar sob grandes pressões no interior da terra, como: petróleo, gás natural e carvão. - Podem ser oxidados com grande facilidade, liberando muita energia e calor e por isso são utilizados como combustíveis.
  • 4. 1.1. ALCANOS - Hidrocarbonetos saturados (somente com ligações simples) de cadeia aberta (acíclica); - Possuem fórmula geral: CnH2n+2 Propano
  • 5. 1.1. ALCANOS - São apolares e incolores. Os gasosos e os sólidos são inodoros e os líquidos têm cheiro característico (gasolina, por exemplo). - Uma fonte natural de alcanos é o petróleo, geralmente formado por uma mistura de hidrocarbonetos cujos átomos de carbono variam de 1 a 40. São encontrados também no gás natural, no xisto betuminoso e na cera mineral.
  • 6. 1.1. ALCANOS -Eles são utilizados como matéria-prima para a preparação de muitos compostos na indústria petroquímica e também como combustível. Ex: Butano (fluido para isqueiro), gasolina (octanos) e GLP (Gás Liquefeito do Petróleo) ou gás de cozinha (mistura de propano e butano).
  • 7. 1.2. ALCENOS - Hidrocarbonetos de cadeia aberta (acíclicos) contendo uma única dupla ligação. - Possuem fórmula geral CnH2n Eteno
  • 8. 1.2. ALCENOS -São utilizados na preparação de polietileno, que é um dos plásticos mais importantes na indústria, usado na confecção de sacos e garrafas plásticas, brinquedos, etc. - Também são utilizados na produção da borracha sintética, corantes, tecidos sintéticos e, até mesmo, explosivos são obtidos através de alcenos.
  • 9. 1.2. ALCENOS -Se apresentam na natureza da seguinte forma: os de cadeia normal de 2 a 4 carbonos são gases, de 5 a 16 carbonos são líquidos e de 17 carbonos em diante são sólidos, na temperatura ambiente. - O eteno (etileno) costuma ser utilizado como anestésico em intervenções cirúrgicas e no amadurecimento forçado de frutas verdes. Antes (etileno) Depois (etileno)
  • 10. 1.3. ALCINOS - Hidrocarbonetos de cadeia aberta (acíclicos) contendo uma única ligação tripla. - Possuem fórmula geral CnH2n-2 Etino
  • 11. 1.3. ALCINOS -São incolores, inodoros e apresentam insolubilidade em água, sendo solúveis em solventes orgânicos como o álcool, o éter e outros. - Obtêm-se artificialmente pelo processo de craqueamento (ruptura) catalítico do petróleo.
  • 12. 1.3. ALCINOS - Preparação industrial voltada especialmente para o etino, também chamado de Acetileno; - À partir dele se obtêm solúveis não inflamáveis. É usado em grande escala na fabricação de borrachas sintéticas, plásticos, como o PVC e PVA, e ainda fios têxteis para a produção de tecidos.
  • 13. 1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS - Sãoos hidrocarbonetos que possuem um ou mais anéis benzênicos, que também são chamados de anéis aromáticos. Benzeno
  • 14. 1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS - Até a segunda guerra mundial, sua fonte mais importante era o carvão. Atualmente, grande parte dos compostos aromáticos, se obtém a partir do petróleo. - Ex: Naftaleno (nome comercial: Naftalina).
  • 15. 1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS - Existem em grande quantidade na natureza e são essenciais na indústria de inseticidas e de corantes como solventes e para fabricação de explosivos. - Oferecem riso à saúde, sendo alguns considerados cancerígenos.
  • 16. 1.4. HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS - O tolueno (metilbenzeno) por exemplo é utilizado na produção de colas, popularmente conhecidas como cola-de-sapateiro, que são também utilizadas como drogas.
  • 17. 2. ÁLCOOL -Possuem um ou mais grupos OH (hidroxila) ligado ao carbono saturado de uma cadeia hidrocarbônica. Etanol
  • 18. 2. ÁLCOOL - Os álcoois menores: são líquidos e possuem cheiro agradável. À medida que aumenta a cadeia hidrocarbônica aumenta a sua viscosidade. Mais que onze carbonos: sólidos e inodoros. - Possuem alta reatividade devido a presença da hidroxila. - Em geral são utilizados comercialmente como combustíveis, solventes, na limpeza doméstica e como componentes nas bebidas alcoólicas.
  • 19. Colesterol – um álcool Uma dieta rica em gorduras animais produz um aumento nos níveis de colesterol no sangue. O nível de colesterol médio considerado normal é de 150 a 200 mg/100ml de sangue; valores ao redor de 300mg/100ml de sangue estão relacionados com formação de depósitos de colesterol nas paredes internas das artérias coronárias.
  • 20. 3. FENOL - Função orgânica caracterizada por uma ou mais hidroxilas ligadas a um anel aromático. Hidróxibenzeno (Fenol)
  • 21. 3. FENOL - Possui propriedade antisséptica devido ao mecanismo que possuem de coagularem proteínas de microrganismos. - Alguns exemplos de compostos fenólicos utilizados como desinfetantes: espadol, creolina e lisol.
  • 22. Fenol - THC THC: A substância tetra-hidro-canabinol apresenta em sua estrutura o grupo fenol. O THC é o principal componente ativo da maconha. A maconha apresenta algumas aplicações legítimas na medicina: diminuição da pressão no globo ocular de pessoas com glaucoma, evitando eventual cegueira, diminuição de ânsia de vômito em pacientes com câncer submetidos a tratamento por radiação.
  • 23. 4. ÉTER - Possuem um átomo de oxigênio interposto entre dois átomos de carbonos de cadeias hidrocarbônicas ou anéis aromáticos. Etóxietano CH3 – CH2 – O – CH2 – CH3 (éter dietílico)
  • 24. 4. ÉTER - Uma conhecida forma de éter, é o éter comum. Líquido altamente volátil, usado na medicina como anestésico, que atualmente entrou em desuso em razão dos perigos de causar incêndios. - Esse éter também é conhecido pelas denominações de éter etílico, éter dietílico ou éter sulfúrico. CH3 – CH2 – O – CH2 – CH3
  • 25. 4. ÉTER Quebra-pedra: um chá popular que contém éter. É muito utilizado por sua capacidade de dissolver cálculos renais, promovendo a desobstrução do ureter. Seu principal componente é a hipofilantina.
  • 26. 5. ALDEÍDO - Caracterizado pela presença, em sua estrutura, do grupamento formila ou aldoxila ( ) ligado a uma cadeia hidrocarbônica ou anel aromático. Etanal
  • 27. 5. ALDEÍDO - O metanal é o principal aldeído, sendo conhecido também por aldeído fórmico, formaldeído ou formol. Quando dissolvido em água, forma-se uma solução conhecida por formol. - O formol tem a propriedade de desnaturar proteínas tornando- as resistentes à decomposição por bactérias. Por essa razão, ele é usado como fluido de embalsamamento, na conservação de espécies biológicas e também como antisséptico.
  • 28. 5. ALDEÍDO - Por serem compostos aromáticos também são comumente empregados na confecção de perfumes. - O citral, comum em perfumes com toques cítricos, é na verdade uma mistura de dois aldeídos isoméricos: o geranial (cujo odor remete ao limão) e o neral ( odor menos acentuado e mais adocicado). - Além de seu uso na indústria de perfumaria, essa mistura de aldeídos também é empregada na indústria alimentícia para reforçar o sabor de limão de balas e outros comestíveis.
  • 29. 6. CETONA -Caracterizada pela presença, em sua estrutura, do grupamento carbonila ( ) ligado a dois átomos de carbono de cadeias hidrocarbônicas ou anéis aromáticos. Propanona
  • 30. 6. CETONA Também conhecida por acetona, a propanona é um líquido à temperatura ambiente que apresenta um odor agradável, é muito utilizada como solvente de tintas, vernizes e esmaltes. Na indústria de alimentos, sua aplicação mais importante ocorre na extração de óleos e gorduras de sementes, como soja, amendoim e girassol. Sua comercialização é controlada pelo Departamento de Entorpecentes da Polícia Federal, por ser utilizada na extração da cocaína, a partir das folhas da coca.
  • 31. 7. ÁCIDO CARBOXÍLICO - Ácidos orgânicos caracterizados pela presença, em sua estrutura, do grupamento carboxila ( ) ligado um átomo de carbono de cadeia hidrocarbônica ou anel aromáticos. Ácido Metanóico
  • 32. 7. ÁCIDO CARBOXÍLICO - Ácidos monocarboxílicos alifáticos com até quatro carbonos são líquidos incolores e solúveis em água. Ex: ácido metanóico, que é um líquido incolor de cheiro irritante e bastante corrosivo, conhecido também por ácido fórmico. Algumas formigas contêm grandes quantidades desse ácido, que, quando injetado através da mordida, produz uma reação alérgica no tecido humano, caracterizada pela formação de edema e coceira intensa.
  • 33. 7. ÁCIDO CARBOXÍLICO - Ácidos carboxílicos com mais de dez carbonos são classificados como ácidos graxos, são encontrados em óleos e gorduras, são sólidos e insolúveis em água. - Ex: Ômega-3, ácido carboxílico (graxo) poliinsaturado presente em peixes marinhos. Auxilia na diminuição dos níveis de triglicerídeos e colesterol ruim LDL, e favorece o aumento do colestrol bom HDL.
  • 34. 8. ÉSTER - São compostos resultantes da reação entre um álcool e um ácido carboxílico por esterificação. Ocorre a substituição do grupo OH do grupo carboxílico, por um grupo OR ou OAr. ( ). Etanoato de etila
  • 35. 8. ÉSTER - Ésteresde baixa massa molecular são líquidos incolores e, à medida que se aumenta a massa molecular, eles vão se tornando mais viscosos e gordurosos até tomarem a forma sólida (aspecto de cera). - São muito utilizados na indústria alimentícia como aromatizantes artificiais, eles imitam o cheiro e gosto de frutas.
  • 36. 8. ÉSTER - A manteiga também é classificada como éster (derivada da mistura dos ácidos linoleico e oleico). Ác. Linoleico (C18H32O2 ) Ác. Oleico (C18H34O2 )
  • 37. 9. AMINA - Aminas são compostos orgânicos nitrogenados obtidos através da substituição de hidrogênio da amônia (NH3) por outros grupos orgânicos. (radicais alquila ou arila). Trimetilamina
  • 38. 9. AMINA -Aminas alifáticas com até 12 carbonos são líquidas. Com mais de 12, são sólidas, e todas são incolores. As líquidas são tóxicas e apresentam cheiro desagradável, e as sólidas são inodoras. - A trimetilamina pode ser produzida por peixe em decomposição, a putrescina e cadaverina são encontradas em proteínas de organismos humanos putrefatos (cadáveres) e constituem diaminas alifáticas saturadas. Putrescina Trimetilamina Cadaverina
  • 39. 9. AMINA Anfetaminas Droga sintética de efeito estimulante da atividade mental. A denominação “anfetaminas” é atribuída a todo um grupo de substâncias como: metilfenidato, metanfetamina e dietilpropiona, que são comercializadas sob a forma de medicamento. Um outro tipo de anfetamina, bem conhecido, porém de uso ilícito, é a metilenodioximetanfetamina (MDMA), conhecida por “êxtase”.
  • 40. 10. AMIDA -Possui o nitrogênio ligado diretamente a um grupo carbonila assim, o grupo -NH2 substitui o -OH do grupo carboxila. ( ). Etanamida
  • 41. 10. AMIDA - As amidas podem ser encontradas na fase sólida ou líquida. Amidas com cadeias carbônicas mais extensas são sólidas e incolores. - Não ocorrem na natureza. O processo de preparação da amida se baseia no aquecimento de sais de amônio seguido de desidratação. - São empregadas em sínteses orgânicas e representam compostos importantes como o náilon, uma poliamida. Monômero do náilon
  • 42. 10. AMIDA Algumas pessoas são alérgicas à aspirina, ou muito sensíveis à irritação da mucosa gástrica, produzida por ela. Nesses casos o substituto ideal é uma amida sintética – como N-(4-hidroxifenil)etanamida acetominofen (paracetamol), a mais comum. Sua ação como analgésico e antitérmico é semelhante à da aspirina, mas ela não é tão eficaz como antiinflamatório.
  • 43. 11. HALETOS ORGÂNICOS - Composto derivado dos hidrocarbonetos pela substituição de um ou mais hidrogênios por halogênios (F, Cl, Br, I). Iodometano
  • 44. 11. HALETOS ORGÂNICOS - CFC’s (Clorofluorcarbonetos): Conhecidos como freons. São usados como propelentes em aerossóis e como líquido de refrigeração em aparelhos de ar condicionado e geladeira. - DDT (Dicloro-difenil-tricloroetano): Inseticida conhecido por sua eficiência em controlar doenças transmitidas por insetos (febre amarela, malária. Tifo). Aerosol (Utiliza CFC) DDT
  • 45. 11. HALETOS ORGÂNICOS - Gás lacrimogêneo (Clorobenzilideno malonitrilo): Usado por policiais para dispersar multidões. Este gás produz efeito incapacitante no indivíduo como: lágrimas, tosse, irritação da pele e vômitos. - Clorofórmio: Possui três átomos de cloro. Foi muito usado em cirurgias, porém foi substituído por causar parada respiratória nos pacientes. Clorofórmio Gás lacrimogêneo
  • 46. 12. NITRILA - Caracterizada pela existência do grupo funcional -CN ligado a uma cadeia hidrocarbônica ou anel aromático. Prop-2-enonitrila
  • 47. 12. NITRILA - As isonitrilas mais simples são líquidos incolores, de cheiro extremamente desagradável e muito tóxicas. São ligeiramente solúveis em água e bastante solúveis em álcool e éter. - As isonitrilas não têm muitas aplicações, porém, são importantes para a produção de outros compostos, como os isocianatos, que são utilizados na síntese de polímeros. polímeros
  • 48. 13. NITROCOMPOSTO - Composto que apresente pelo menos um grupo funcional –NO2. Nitroetano
  • 49. 13. NITROCOMPOSTO - Sãofrequentemente explosivos. Impurezas variadas ou uma manipulação inapropriada podem facilmente desencadear uma decomposição exotérmica violenta. - O TNT ( 2,4,6 trinitrotolueno) é um nitrocomposto que é utilizado como um tradicional explosivo. 2,4,6 trinitrotolueno (T.N.T)
  • 50. 13. NITROCOMPOSTO - Nitrometano: Usado como combustível em aeromodelos, alguns carros de competição e foguetes, como estabilizante para solventes clorados (ex. clorofórmio), como solvente em laboratório e precursor de outros produtos, como tampão de pH e fumigantes.