SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Marcelo
Não investir no ensino de Ciências equivale a
investir na pobreza intelectual e material, e é
um luxo que não podemos nos dar.
A Ciência é uma arma carregada de futuro.


                                       GOLOMBEK, D. A. (2009)
A palavra ciência vem do latim
scientia, que significa
“conhecimento”.

Ciência é um conjunto organizado de
conhecimentos relativos a um
determinado objeto ou fenômeno,
especialmente os obtidos mediante a
observação, a experiência e um
método próprio. Ciência é uma
atividade humana envolvida na
acumulação de conhecimentos sobre
o universo.
Tecnologia – é o uso do conhecimento científico para manipular
a natureza, o que pode envolver a produção de novas drogas,
automóveis mais seguros, melhorar plásticos, reatores nucleares
etc. Por exemplo, o cientista Wallace Carothers criou o náilon, em
1935. O tecnólogo usa o náilon na fabricação de tapetes.
A poliuretano como biomaterial




O Grupo de Química Analítica e Tecnologia de
Polímeros (GQATP – USP-São Carlos), desde 1984,
desenvolve pesquisa pioneira com polímeros
poliuretanos derivados do óleo de mamona com
destaque para a aplicação na área médica.
A poliuretano como biomaterial
Biomaterial: material que apresenta propriedade
química e mecânica semelhante à existente no
organismo.
A poliuretano como
              biomaterial




2003 – o invento recebeu a aprovação da Food and
Drug Administration (FDA)
“Biodegradação de
Poliuretano Derivado     Estudo da
do Óleo de Mamona”       biodegradação da
                         espuma PU obtida a
                         partir do óleo de
                         mamona quando em
                         contato com
                         microrganismos,
                         utilizando os
                         métodos: TG, IV e
     Espuma PU vegetal
          100 x          MEV
POLÍMERO
BIODEGRADÁVEL


        Desde 2000 a Usina da Pedra
        (Serrana-SP) vem fabricando
        PHB (polihidroxibutirato)
        diretamente a partir do açúcar.
        A planta piloto produz de 50 a 60
        toneladas por ano de PHB, que
        já é exportado para o Japão, os
        EUA e a Europa.
AÇÚCAR VIRA PLÁSTICO
   BIODEGRADÁVEL
A produção mundial de bioplásticos
este ano será superior a um milhão
           de toneladas
Embalixo sustentável é alternativa
O BIC Ecolutions, primeiro barbeador     ecológica em substituição às
 da BIC produzido com bioplástico             sacolas plásticas
Coca-Cola lança
        garrafa
    mais ecológica

A Coca Cola lançou a PlantBottle,
uma garrafa PET que diminui em
25% o CO2 emitido durante a
fabricação.
O produto tem etanol proveniente
da cana como substituto de parte
do petróleo e, por ser 30% à base
de planta, diminui a dependência
de recursos não renováveis.
As transformações em que substâncias se transformam em
outras com propriedades muito diferentes daquelas iniciais
são chamadas de reações químicas. Tudo o que o ser
humano toca, come deve-se à química: matérias plásticas,
ligas metálicas, cerâmicas, componentes eletrônicos, papel,
adubos, detergentes, vidro, filmes etc. No campo da
medicina, químicos isolaram os antibióticos, sintetizaram
drogas para o trata mento da hipertensão, diabetes, artrite,
problemas mentais.
Imensa
versatilidade em se
obter materiais
com diferentes
propriedades
físicas e químicas.
A importância dos
poliuretanos na vida moderna
Consumo mundial de
 PU por segmento




                     VILAR,W.D. (2004)
Alfred Nobel   Linus Pauling
(1833 – 1896)   (1901 – 1994)
- Conhecimento espontâneo ou
senso comum: não é metódico nem
sistemático e baseia-se na
experiência das pessoas na vida
cotidiana.
- Conhecimento científico: exige
embasamento teórico e
planejamento rigoroso.
1) observação do fato (a madeira
queima)
2) experimentação (quando e como
a madeira queima?)
3) reunião e organização de dados
(quais as quantidades de madeira e
ar consumidas?)
4) criação de leis e teorias (existe
alguma relação matemática entre as
quantidades de madeira e de ar?)
5) previsão de novos fenômenos e
materiais (o que acontecerá se a
madeira for queimada a 500°C?)
As etapas do Método Científico
Lei é uma generalização baseada em observações.
Por exemplo: objetos de madeira queimam.


Teoria é a explicação de uma lei.
Assim a madeira queima porque
ocorre uma combinação química
com o oxigênio do ar atmosférico
formando gás carbônico e água.
Quando a observação de um sistema é impossível (por exemplo:
sistema atômico) ou quando ele não pode ser visualizado de uma
forma direta (por exemplo: objeto dentro de uma caixa-preta), a
teoria é denominada modelo, que nada mais é do que uma
analogia.
Observação é a descrição de um fenômeno. Pode ser qualitativa
(não envolve dados numéricos) ou quantitativa (apresenta dados
numéricos e provém de medidas usando aparelhos).

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Quimica Organica
Quimica OrganicaQuimica Organica
Quimica Organica
Tulio Vieira
 
Classificação dos carbonos
Classificação dos carbonosClassificação dos carbonos
Classificação dos carbonos
Washington1000
 
Aula 1 ligação química e funções orgânicas
Aula 1   ligação química e funções orgânicasAula 1   ligação química e funções orgânicas
Aula 1 ligação química e funções orgânicas
day ....
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
Kamila Passos
 
Aula de química matéria, corpo e objeto.
Aula de química   matéria, corpo e objeto.Aula de química   matéria, corpo e objeto.
Aula de química matéria, corpo e objeto.
Colégio Municipal Paulo Freire
 
Ligações Químicas dentro da Química Orgânica
Ligações Químicas dentro da Química OrgânicaLigações Químicas dentro da Química Orgânica
Ligações Químicas dentro da Química Orgânica
Ricardo Stefani
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
José Nunes da Silva Jr.
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
Ricardo Stefani
 
Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1
Abraão Matos
 

Destaque (9)

Quimica Organica
Quimica OrganicaQuimica Organica
Quimica Organica
 
Classificação dos carbonos
Classificação dos carbonosClassificação dos carbonos
Classificação dos carbonos
 
Aula 1 ligação química e funções orgânicas
Aula 1   ligação química e funções orgânicasAula 1   ligação química e funções orgânicas
Aula 1 ligação química e funções orgânicas
 
Cadeias carbônicas
Cadeias carbônicasCadeias carbônicas
Cadeias carbônicas
 
Aula de química matéria, corpo e objeto.
Aula de química   matéria, corpo e objeto.Aula de química   matéria, corpo e objeto.
Aula de química matéria, corpo e objeto.
 
Ligações Químicas dentro da Química Orgânica
Ligações Químicas dentro da Química OrgânicaLigações Químicas dentro da Química Orgânica
Ligações Químicas dentro da Química Orgânica
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Química Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - IntroduçãoQuímica Orgânica I - Introdução
Química Orgânica I - Introdução
 
Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1Ligações Químicas Aula 1
Ligações Químicas Aula 1
 

Semelhante a Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava

Biotecnologia na 4° Revolução Insdustrial
Biotecnologia na 4° Revolução InsdustrialBiotecnologia na 4° Revolução Insdustrial
Biotecnologia na 4° Revolução Insdustrial
Kars Track
 
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptxPlásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Renato Azevedo
 
Bioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimerosBioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimeros
Thiago Santos
 
Palestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - Assis
Palestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - AssisPalestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - Assis
Palestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - Assis
Darío Palmieri
 
Momento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptxMomento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptx
CamilaChiquitoPalhar1
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambienteMateriais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Hellen Santos
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
JurandirMarkante
 
Apresentação EKOBIO
Apresentação EKOBIOApresentação EKOBIO
Apresentação EKOBIO
EKOBIO
 
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterBoletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Jean Silva
 
Os plasticos
Os plasticosOs plasticos
Os plasticos
Ana Paula Silva
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
Wallace Bertoldi
 
Barbara Usp Fibras Biodegradaveis
Barbara Usp Fibras BiodegradaveisBarbara Usp Fibras Biodegradaveis
Barbara Usp Fibras Biodegradaveis
PEDRO PACHECO
 
Comput@rte
Comput@rteComput@rte
Comput@rte
Jean Campos
 
Biotecnologia 2 B
Biotecnologia 2 BBiotecnologia 2 B
Biotecnologia 2 B
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Grupo maria lucia - cópia
Grupo   maria lucia - cópiaGrupo   maria lucia - cópia
Grupo maria lucia - cópia
Jorci Ponce
 
Avanços da biotecnologia 2 A
Avanços da biotecnologia 2 AAvanços da biotecnologia 2 A
Avanços da biotecnologia 2 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Avanços da biotecnologia 2 AA
Avanços da biotecnologia 2 AAAvanços da biotecnologia 2 AA
Avanços da biotecnologia 2 AA
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Nanotecnologia Trabalho
Nanotecnologia TrabalhoNanotecnologia Trabalho
Nanotecnologia Trabalho
Bryan Phillipe
 
fertilizantes.pdf
fertilizantes.pdffertilizantes.pdf
fertilizantes.pdf
TAINAMAESSOBERNARDES
 

Semelhante a Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava (20)

Biotecnologia na 4° Revolução Insdustrial
Biotecnologia na 4° Revolução InsdustrialBiotecnologia na 4° Revolução Insdustrial
Biotecnologia na 4° Revolução Insdustrial
 
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptxPlásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
Plásticos - uma praga real que ameaça os ecossistemas e a saúde humana.pptx
 
Bioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimerosBioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimeros
 
Palestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - Assis
Palestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - AssisPalestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - Assis
Palestra Biotecnologia e Ambiente - Centro Paula Souza 2010 - Assis
 
Momento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptxMomento04_Reciclagem.pptx
Momento04_Reciclagem.pptx
 
Biotecnologia
Biotecnologia Biotecnologia
Biotecnologia
 
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambienteMateriais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
 
Apresentação EKOBIO
Apresentação EKOBIOApresentação EKOBIO
Apresentação EKOBIO
 
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterBoletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
 
Os plasticos
Os plasticosOs plasticos
Os plasticos
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
 
Barbara Usp Fibras Biodegradaveis
Barbara Usp Fibras BiodegradaveisBarbara Usp Fibras Biodegradaveis
Barbara Usp Fibras Biodegradaveis
 
Comput@rte
Comput@rteComput@rte
Comput@rte
 
Biotecnologia 2 B
Biotecnologia 2 BBiotecnologia 2 B
Biotecnologia 2 B
 
Grupo maria lucia - cópia
Grupo   maria lucia - cópiaGrupo   maria lucia - cópia
Grupo maria lucia - cópia
 
Avanços da biotecnologia 2 A
Avanços da biotecnologia 2 AAvanços da biotecnologia 2 A
Avanços da biotecnologia 2 A
 
Avanços da biotecnologia 2 AA
Avanços da biotecnologia 2 AAAvanços da biotecnologia 2 AA
Avanços da biotecnologia 2 AA
 
Nanotecnologia Trabalho
Nanotecnologia TrabalhoNanotecnologia Trabalho
Nanotecnologia Trabalho
 
fertilizantes.pdf
fertilizantes.pdffertilizantes.pdf
fertilizantes.pdf
 

Mais de José Marcelo Cangemi

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
José Marcelo Cangemi
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
José Marcelo Cangemi
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
José Marcelo Cangemi
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
José Marcelo Cangemi
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
José Marcelo Cangemi
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
José Marcelo Cangemi
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
José Marcelo Cangemi
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
José Marcelo Cangemi
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
José Marcelo Cangemi
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
José Marcelo Cangemi
 

Mais de José Marcelo Cangemi (20)

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
 
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
Poluição da água objetivo ituverava - 2013
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava

  • 2.
  • 3. Não investir no ensino de Ciências equivale a investir na pobreza intelectual e material, e é um luxo que não podemos nos dar. A Ciência é uma arma carregada de futuro. GOLOMBEK, D. A. (2009)
  • 4. A palavra ciência vem do latim scientia, que significa “conhecimento”. Ciência é um conjunto organizado de conhecimentos relativos a um determinado objeto ou fenômeno, especialmente os obtidos mediante a observação, a experiência e um método próprio. Ciência é uma atividade humana envolvida na acumulação de conhecimentos sobre o universo.
  • 5. Tecnologia – é o uso do conhecimento científico para manipular a natureza, o que pode envolver a produção de novas drogas, automóveis mais seguros, melhorar plásticos, reatores nucleares etc. Por exemplo, o cientista Wallace Carothers criou o náilon, em 1935. O tecnólogo usa o náilon na fabricação de tapetes.
  • 6. A poliuretano como biomaterial O Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros (GQATP – USP-São Carlos), desde 1984, desenvolve pesquisa pioneira com polímeros poliuretanos derivados do óleo de mamona com destaque para a aplicação na área médica.
  • 7. A poliuretano como biomaterial Biomaterial: material que apresenta propriedade química e mecânica semelhante à existente no organismo.
  • 8. A poliuretano como biomaterial 2003 – o invento recebeu a aprovação da Food and Drug Administration (FDA)
  • 9. “Biodegradação de Poliuretano Derivado Estudo da do Óleo de Mamona” biodegradação da espuma PU obtida a partir do óleo de mamona quando em contato com microrganismos, utilizando os métodos: TG, IV e Espuma PU vegetal 100 x MEV
  • 10. POLÍMERO BIODEGRADÁVEL Desde 2000 a Usina da Pedra (Serrana-SP) vem fabricando PHB (polihidroxibutirato) diretamente a partir do açúcar. A planta piloto produz de 50 a 60 toneladas por ano de PHB, que já é exportado para o Japão, os EUA e a Europa.
  • 11. AÇÚCAR VIRA PLÁSTICO BIODEGRADÁVEL
  • 12.
  • 13. A produção mundial de bioplásticos este ano será superior a um milhão de toneladas
  • 14. Embalixo sustentável é alternativa O BIC Ecolutions, primeiro barbeador ecológica em substituição às da BIC produzido com bioplástico sacolas plásticas
  • 15. Coca-Cola lança garrafa mais ecológica A Coca Cola lançou a PlantBottle, uma garrafa PET que diminui em 25% o CO2 emitido durante a fabricação. O produto tem etanol proveniente da cana como substituto de parte do petróleo e, por ser 30% à base de planta, diminui a dependência de recursos não renováveis.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. As transformações em que substâncias se transformam em outras com propriedades muito diferentes daquelas iniciais são chamadas de reações químicas. Tudo o que o ser humano toca, come deve-se à química: matérias plásticas, ligas metálicas, cerâmicas, componentes eletrônicos, papel, adubos, detergentes, vidro, filmes etc. No campo da medicina, químicos isolaram os antibióticos, sintetizaram drogas para o trata mento da hipertensão, diabetes, artrite, problemas mentais.
  • 21. Imensa versatilidade em se obter materiais com diferentes propriedades físicas e químicas.
  • 23. Consumo mundial de PU por segmento VILAR,W.D. (2004)
  • 24. Alfred Nobel Linus Pauling (1833 – 1896) (1901 – 1994)
  • 25. - Conhecimento espontâneo ou senso comum: não é metódico nem sistemático e baseia-se na experiência das pessoas na vida cotidiana. - Conhecimento científico: exige embasamento teórico e planejamento rigoroso.
  • 26. 1) observação do fato (a madeira queima) 2) experimentação (quando e como a madeira queima?) 3) reunião e organização de dados (quais as quantidades de madeira e ar consumidas?) 4) criação de leis e teorias (existe alguma relação matemática entre as quantidades de madeira e de ar?) 5) previsão de novos fenômenos e materiais (o que acontecerá se a madeira for queimada a 500°C?)
  • 27. As etapas do Método Científico
  • 28. Lei é uma generalização baseada em observações. Por exemplo: objetos de madeira queimam. Teoria é a explicação de uma lei. Assim a madeira queima porque ocorre uma combinação química com o oxigênio do ar atmosférico formando gás carbônico e água.
  • 29. Quando a observação de um sistema é impossível (por exemplo: sistema atômico) ou quando ele não pode ser visualizado de uma forma direta (por exemplo: objeto dentro de uma caixa-preta), a teoria é denominada modelo, que nada mais é do que uma analogia.
  • 30. Observação é a descrição de um fenômeno. Pode ser qualitativa (não envolve dados numéricos) ou quantitativa (apresenta dados numéricos e provém de medidas usando aparelhos).