SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Marcelo
Poluição da Água

      A Companhia de Tecnologia de
      Saneamento Ambiental do Estado
      de São Paulo (SABESP) define
      poluição como “qualquer
      substância que possa tornar o
      meio ambiente
      impróprio, nocivo ou ofensivo à
      saúde, inconveniente ao bem
      estar público, à fauna, à flora
      ou prejudicial à segurança, ao
      uso e gozo da propriedade e às
      atividades normais da
      comunidade.”
Poluição da água por matérias orgânicas
            biodegradáveis
                     Excrementos humanos e matérias
                     orgânicas, originárias da decomposição
                     de animais e vegetais e de resíduos
                     industriais, servem de alimento para
                     peixes, fungos e bactérias. Estes últimos
                     são organismos que decompõem a
                     matéria orgânica, produzindo CO2;
                     mas o processo metabólico consome o
                     gás oxigênio (O2) dissolvido na água.




       Matéria orgânica
Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO)
Poluição da água   objetivo ituverava - 2013
O pH da água doce mais propício à vida está na faixa de 6,5 a
8,5. A maioria dos peixes de água doce pode tolerar uma
acidez na faixa de 5 a 9. Em pH inferior a 4, somente poucas
algas e bactérias conseguem sobreviver.
A quantidade de gás
dissolvido em água
diminui com o aumento da
temperatura. O
lançamento de água
aquecida nos rios por uma
indústria diminui a
quantidade de gás oxigênio
(O2) dissolvido, o que
pode provocar mortandade
de peixes.
Muitos íons de metais (Fe2+, K+, Ca2+, Mg2+) são essenciais para
a saúde humana.
Outros íons de metais (Pb2+, Hg2+, Cd2+) são chamados de íons
de metais pesados, pois têm maior massa que os íons
essenciais.
Os íons de metais pesados ligam-se às proteínas de nosso
corpo, fazendo que elas não funcionem normal mente. Diz-se
que as proteínas são desnaturadas por esses íons.
Os efeitos se traduzem em danos ao sistema nervoso, aos rins, ao
fígado, retardamento mental e até a morte. A remoção desses
íons da água é muito difícil e muito dispendiosa. A prevenção, de
modo a fazer com que esses íons não atinjam os cursos d’água, é
o melhor caminho.
Poluição da Água
Poluição da Água
Poluição da Água
Poluição da Água




- Mercúrio
Ingerido em peixes contaminados, o mercúrio debilita as funções
cerebrais. E o vapor do metal causa distúrbios psíquicos, como
depressão
Metais Pesados




O mercúrio ainda é utilizado no Brasil para a extração de
ouro e prata de sedimentos.
Metais Pesados
                               Metais pesados como o
                               mercúrio, chumbo e cádmio
                               não possuem nenhuma
                               função dentro dos
                               organismos e a sua
                               acumulação pode provocar
                               graves doenças, sobretudo
                               nos mamíferos.
Uma pilha comum contém, geralmente, três metais pesados:
zinco, chumbo e manganês. A pilha alcalina contém também o
mercúrio. Os metais pesados existentes em seu interior não se
degradam e são extremamente nocivos à saúde e ao meio
ambiente.
O VENENO NOSSO DE CADA DIA




A revista Ciência Hoje (revista da SBPC) chega a afirmar que "O
Brasil é a lixeira tóxica do planeta. Desde 2008, somos os maiores
consumidores globais de insumos químicos para a agricultura."
Os agrotóxicos podem ser
encontrados em
verduras, legumes, frutas e
grãos, açúcar, café, mel, leite,
ovos, carnes e frangos! Você
sabia que segundo a ANVISA
(Agência Nacional de
Vigilância Sanitária), o
alimento que apresenta um
maior índice de agrotóxico é o
pimentão, seguido pelo
morango e pela uva? Aí vão os
números envenenados:
Sugestão: documentário de Silvio Tendler (2011), que em 50
minutos apresenta uma noção abrangente sobre o
tema, apontando os riscos ambientais e de saúde pública e
os interesses econômicos da iniciativa pública e privada.
Entre os vários pesticidas
destacam-se alguns
que, pelas suas
propriedades, levantam
graves problemas de
contaminação das cadeias
alimentares. Incluem-se num
vasto número de químicos
denominados
organoclorados (compostos
com carbono e cloro ).
                              DDT (diclorodifeniltricloroetano)
Os detergentes contêm fosfatos, que provocam a eutroficação
(aumento de nutrientes em meio aquático e que intensifica o
crescimento de algas). Assim, lagos ficam imprestáveis para o
uso. A eutroficação também é causada pela utilização de adubos
que contêm N e P.
O derramamento de petróleo no mar forma uma película
impermeabilizante que não permite a troca de oxigênio e gás
carbônico entre a água e a atmosfera. Isso provoca a asfixia dos
animais e impede a realização da fotossíntese pelos vegetais do
plâncton.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Nanda Freitas
 
B16 QuimiossíNtese
B16   QuimiossíNteseB16   QuimiossíNtese
B16 QuimiossíNtese
Nuno Correia
 
Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
ADÃO Graciano
 
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
Leonor Vaz Pereira
 
Ciclo Do Enxofre
Ciclo Do EnxofreCiclo Do Enxofre
Ciclo Do Enxofre
ecsette
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
Nuno Coelho
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
JoaoMaga23
 
Poluição dos ecossistemas aquáticos 1ª série - biologia
Poluição dos ecossistemas aquáticos   1ª série - biologiaPoluição dos ecossistemas aquáticos   1ª série - biologia
Poluição dos ecossistemas aquáticos 1ª série - biologia
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Enxofre (2)
Enxofre (2)Enxofre (2)
Enxofre (2)
Euclides Formica
 
Tratamento de Água
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Tratamento de Água
Nuno Correia
 
Agua
AguaAgua
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
Guilherme Lopes
 
Aula 5 caracterização dos esgotos
Aula 5   caracterização dos esgotosAula 5   caracterização dos esgotos
Aula 5 caracterização dos esgotos
Bruna Sampaio
 
PoluiçAo Da áGua Etelvina
PoluiçAo Da áGua  EtelvinaPoluiçAo Da áGua  Etelvina
PoluiçAo Da áGua Etelvina
luiscunha
 
Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3
Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3
Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3
Renato Andrei
 
Ciclo do enxofre
Ciclo do enxofreCiclo do enxofre
Ciclo do enxofre
Andrey Moreira
 
Contaminação das águas
Contaminação das águasContaminação das águas
Contaminação das águas
CLMNTK2015
 
Mayara Do Carmo , Everton
Mayara Do Carmo , EvertonMayara Do Carmo , Everton
Mayara Do Carmo , Everton
Solange Ferreira de Paula
 
Poluição iii
Poluição iiiPoluição iii
Poluição iii
ADÃO Graciano
 
A poluição aquática
A poluição aquáticaA poluição aquática
A poluição aquática
Beatriz Garcia
 

Mais procurados (20)

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
B16 QuimiossíNtese
B16   QuimiossíNteseB16   QuimiossíNtese
B16 QuimiossíNtese
 
Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
 
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
51.3.poluição e degradação de recursos2011.iiip.aqua.trata.residuos
 
Ciclo Do Enxofre
Ciclo Do EnxofreCiclo Do Enxofre
Ciclo Do Enxofre
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Poluição dos ecossistemas aquáticos 1ª série - biologia
Poluição dos ecossistemas aquáticos   1ª série - biologiaPoluição dos ecossistemas aquáticos   1ª série - biologia
Poluição dos ecossistemas aquáticos 1ª série - biologia
 
Enxofre (2)
Enxofre (2)Enxofre (2)
Enxofre (2)
 
Tratamento de Água
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Tratamento de Água
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
A Poluição (do Ar, da Água e do Solo)
 
Aula 5 caracterização dos esgotos
Aula 5   caracterização dos esgotosAula 5   caracterização dos esgotos
Aula 5 caracterização dos esgotos
 
PoluiçAo Da áGua Etelvina
PoluiçAo Da áGua  EtelvinaPoluiçAo Da áGua  Etelvina
PoluiçAo Da áGua Etelvina
 
Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3
Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3
Contaminao guas-subterrneas-1233738259965242-3
 
Ciclo do enxofre
Ciclo do enxofreCiclo do enxofre
Ciclo do enxofre
 
Contaminação das águas
Contaminação das águasContaminação das águas
Contaminação das águas
 
Mayara Do Carmo , Everton
Mayara Do Carmo , EvertonMayara Do Carmo , Everton
Mayara Do Carmo , Everton
 
Poluição iii
Poluição iiiPoluição iii
Poluição iii
 
A poluição aquática
A poluição aquáticaA poluição aquática
A poluição aquática
 

Semelhante a Poluição da água objetivo ituverava - 2013

poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
IsabelMaria77
 
poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
IsabelMaria77
 
Pp sala de aula
Pp sala de aula Pp sala de aula
Pp sala de aula
Ernani Silva
 
A poluição ambiental - Grupo 1
A poluição ambiental - Grupo 1A poluição ambiental - Grupo 1
A poluição ambiental - Grupo 1
marleneves
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
manekas123
 
Metais Pesados e Minamata
Metais Pesados e MinamataMetais Pesados e Minamata
Metais Pesados e Minamata
klbn
 
Matriz de ciências naturais 1º período
Matriz de ciências naturais   1º períodoMatriz de ciências naturais   1º período
Matriz de ciências naturais 1º período
Ministry of Education
 
Capitulo 3 Esgotamento sanitário
Capitulo 3 Esgotamento sanitárioCapitulo 3 Esgotamento sanitário
Capitulo 3 Esgotamento sanitário
Joao Miguel Silva
 
Ciencias os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a agua
Ciencias   os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a aguaCiencias   os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a agua
Ciencias os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a agua
Gustavo Soares
 
teia alimentar
 teia alimentar teia alimentar
teia alimentar
Rafael Faria
 
A PoluiçãO Da Agua Isabel Amorim
A PoluiçãO Da Agua Isabel AmorimA PoluiçãO Da Agua Isabel Amorim
A PoluiçãO Da Agua Isabel Amorim
Jorge Almeida
 
Alterações ambientais
Alterações ambientaisAlterações ambientais
Alterações ambientais
E.E.B Profª Maria Garcia Pessi
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
Maria Paredes
 
Poluição ro
Poluição roPoluição ro
Poluição ro
Davilly
 
Poluição da água t212
Poluição da água t212Poluição da água t212
Poluição da água t212
Nathan Felix Raposo
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
Marcelo Fonseca
 
Conecta quimica
Conecta   quimicaConecta   quimica
Conecta quimica
Janaína Félix da Silva
 
Biorremediação
BiorremediaçãoBiorremediação
Biorremediação
Marina Godoy
 
Isabel Agua Na Terra
Isabel Agua Na TerraIsabel Agua Na Terra
Isabel Agua Na Terra
Sousa1973
 
Cap2 teia alimentar
Cap2 teia alimentarCap2 teia alimentar
Cap2 teia alimentar
Santos Cesar Cesar
 

Semelhante a Poluição da água objetivo ituverava - 2013 (20)

poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
 
poluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docxpoluentes_meio_aquatico.docx
poluentes_meio_aquatico.docx
 
Pp sala de aula
Pp sala de aula Pp sala de aula
Pp sala de aula
 
A poluição ambiental - Grupo 1
A poluição ambiental - Grupo 1A poluição ambiental - Grupo 1
A poluição ambiental - Grupo 1
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
Metais Pesados e Minamata
Metais Pesados e MinamataMetais Pesados e Minamata
Metais Pesados e Minamata
 
Matriz de ciências naturais 1º período
Matriz de ciências naturais   1º períodoMatriz de ciências naturais   1º período
Matriz de ciências naturais 1º período
 
Capitulo 3 Esgotamento sanitário
Capitulo 3 Esgotamento sanitárioCapitulo 3 Esgotamento sanitário
Capitulo 3 Esgotamento sanitário
 
Ciencias os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a agua
Ciencias   os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a aguaCiencias   os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a agua
Ciencias os agentes fisicos, quimicos e biologicos que poluem a agua
 
teia alimentar
 teia alimentar teia alimentar
teia alimentar
 
A PoluiçãO Da Agua Isabel Amorim
A PoluiçãO Da Agua Isabel AmorimA PoluiçãO Da Agua Isabel Amorim
A PoluiçãO Da Agua Isabel Amorim
 
Alterações ambientais
Alterações ambientaisAlterações ambientais
Alterações ambientais
 
Poluição da água
Poluição da águaPoluição da água
Poluição da água
 
Poluição ro
Poluição roPoluição ro
Poluição ro
 
Poluição da água t212
Poluição da água t212Poluição da água t212
Poluição da água t212
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
Conecta quimica
Conecta   quimicaConecta   quimica
Conecta quimica
 
Biorremediação
BiorremediaçãoBiorremediação
Biorremediação
 
Isabel Agua Na Terra
Isabel Agua Na TerraIsabel Agua Na Terra
Isabel Agua Na Terra
 
Cap2 teia alimentar
Cap2 teia alimentarCap2 teia alimentar
Cap2 teia alimentar
 

Mais de José Marcelo Cangemi

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
José Marcelo Cangemi
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
José Marcelo Cangemi
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
José Marcelo Cangemi
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
José Marcelo Cangemi
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
José Marcelo Cangemi
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
José Marcelo Cangemi
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
José Marcelo Cangemi
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
José Marcelo Cangemi
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
José Marcelo Cangemi
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
José Marcelo Cangemi
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1   ciência e química - objetivo ituveravaMod. 1   ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
José Marcelo Cangemi
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
José Marcelo Cangemi
 

Mais de José Marcelo Cangemi (20)

A luz visível 2022 9º ano vivenda
A luz visível 2022   9º ano vivendaA luz visível 2022   9º ano vivenda
A luz visível 2022 9º ano vivenda
 
Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014Dica fuvest 2014
Dica fuvest 2014
 
Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014Dica vunesp 2014
Dica vunesp 2014
 
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
Revisão 2013 (mod. 1 a 3)
 
Equilibrio iônico
Equilibrio iônicoEquilibrio iônico
Equilibrio iônico
 
Cinética Química coc
Cinética Química cocCinética Química coc
Cinética Química coc
 
Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.Cotidianode ácidos, bases e sais.
Cotidianode ácidos, bases e sais.
 
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 cocApresentação cotidiano óxidos 2013 coc
Apresentação cotidiano óxidos 2013 coc
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
 
3º ano forças intermoleculares - objetivo
3º ano   forças intermoleculares - objetivo3º ano   forças intermoleculares - objetivo
3º ano forças intermoleculares - objetivo
 
Ligações químicas 2013 objetivo
Ligações químicas 2013   objetivoLigações químicas 2013   objetivo
Ligações químicas 2013 objetivo
 
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca1º ano   separação de misturas 2013 - coc franca
1º ano separação de misturas 2013 - coc franca
 
Dispersões 2013 objetivo
Dispersões 2013   objetivoDispersões 2013   objetivo
Dispersões 2013 objetivo
 
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
Teoria atômico molecular - objetivo ituverava 2013
 
Aula modelo atômico bohr 2013
Aula modelo atômico bohr   2013Aula modelo atômico bohr   2013
Aula modelo atômico bohr 2013
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
 
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
Modelos  atômicos 2013   objetivo ituveravaModelos  atômicos 2013   objetivo ituverava
Modelos atômicos 2013 objetivo ituverava
 
áGua objetivo ituverava - 2013
áGua   objetivo ituverava - 2013áGua   objetivo ituverava - 2013
áGua objetivo ituverava - 2013
 
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1   ciência e química - objetivo ituveravaMod. 1   ciência e química - objetivo ituverava
Mod. 1 ciência e química - objetivo ituverava
 
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
Aula modelo atômico bohr   2013 - cocAula modelo atômico bohr   2013 - coc
Aula modelo atômico bohr 2013 - coc
 

Último

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

Poluição da água objetivo ituverava - 2013

  • 2. Poluição da Água A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (SABESP) define poluição como “qualquer substância que possa tornar o meio ambiente impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde, inconveniente ao bem estar público, à fauna, à flora ou prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e às atividades normais da comunidade.”
  • 3. Poluição da água por matérias orgânicas biodegradáveis Excrementos humanos e matérias orgânicas, originárias da decomposição de animais e vegetais e de resíduos industriais, servem de alimento para peixes, fungos e bactérias. Estes últimos são organismos que decompõem a matéria orgânica, produzindo CO2; mas o processo metabólico consome o gás oxigênio (O2) dissolvido na água. Matéria orgânica
  • 4. Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO)
  • 6. O pH da água doce mais propício à vida está na faixa de 6,5 a 8,5. A maioria dos peixes de água doce pode tolerar uma acidez na faixa de 5 a 9. Em pH inferior a 4, somente poucas algas e bactérias conseguem sobreviver.
  • 7. A quantidade de gás dissolvido em água diminui com o aumento da temperatura. O lançamento de água aquecida nos rios por uma indústria diminui a quantidade de gás oxigênio (O2) dissolvido, o que pode provocar mortandade de peixes.
  • 8. Muitos íons de metais (Fe2+, K+, Ca2+, Mg2+) são essenciais para a saúde humana. Outros íons de metais (Pb2+, Hg2+, Cd2+) são chamados de íons de metais pesados, pois têm maior massa que os íons essenciais. Os íons de metais pesados ligam-se às proteínas de nosso corpo, fazendo que elas não funcionem normal mente. Diz-se que as proteínas são desnaturadas por esses íons. Os efeitos se traduzem em danos ao sistema nervoso, aos rins, ao fígado, retardamento mental e até a morte. A remoção desses íons da água é muito difícil e muito dispendiosa. A prevenção, de modo a fazer com que esses íons não atinjam os cursos d’água, é o melhor caminho.
  • 12. Poluição da Água - Mercúrio Ingerido em peixes contaminados, o mercúrio debilita as funções cerebrais. E o vapor do metal causa distúrbios psíquicos, como depressão
  • 13. Metais Pesados O mercúrio ainda é utilizado no Brasil para a extração de ouro e prata de sedimentos.
  • 14. Metais Pesados Metais pesados como o mercúrio, chumbo e cádmio não possuem nenhuma função dentro dos organismos e a sua acumulação pode provocar graves doenças, sobretudo nos mamíferos. Uma pilha comum contém, geralmente, três metais pesados: zinco, chumbo e manganês. A pilha alcalina contém também o mercúrio. Os metais pesados existentes em seu interior não se degradam e são extremamente nocivos à saúde e ao meio ambiente.
  • 15. O VENENO NOSSO DE CADA DIA A revista Ciência Hoje (revista da SBPC) chega a afirmar que "O Brasil é a lixeira tóxica do planeta. Desde 2008, somos os maiores consumidores globais de insumos químicos para a agricultura."
  • 16. Os agrotóxicos podem ser encontrados em verduras, legumes, frutas e grãos, açúcar, café, mel, leite, ovos, carnes e frangos! Você sabia que segundo a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o alimento que apresenta um maior índice de agrotóxico é o pimentão, seguido pelo morango e pela uva? Aí vão os números envenenados:
  • 17. Sugestão: documentário de Silvio Tendler (2011), que em 50 minutos apresenta uma noção abrangente sobre o tema, apontando os riscos ambientais e de saúde pública e os interesses econômicos da iniciativa pública e privada.
  • 18. Entre os vários pesticidas destacam-se alguns que, pelas suas propriedades, levantam graves problemas de contaminação das cadeias alimentares. Incluem-se num vasto número de químicos denominados organoclorados (compostos com carbono e cloro ). DDT (diclorodifeniltricloroetano)
  • 19. Os detergentes contêm fosfatos, que provocam a eutroficação (aumento de nutrientes em meio aquático e que intensifica o crescimento de algas). Assim, lagos ficam imprestáveis para o uso. A eutroficação também é causada pela utilização de adubos que contêm N e P.
  • 20. O derramamento de petróleo no mar forma uma película impermeabilizante que não permite a troca de oxigênio e gás carbônico entre a água e a atmosfera. Isso provoca a asfixia dos animais e impede a realização da fotossíntese pelos vegetais do plâncton.