SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO À
RADIOLOGIA
Profª Herculys Do
IMAGEM RADIGRÁFICA
 O feixe de Rx ao atravessar o
objeto cria uma imagem não
perceptível ao olho humano
imagem latente.
 Essa imagem pode torna-se visível
sobre um receptor.
 Radioscópica ou radiográfica
IMAGEM RADIOSCÓPICA
 Imagem produzida sobre um écran
fluoroscópico
 Áreas escuras – radiopacas
 Áreas claras – radiotransparentes
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
IMAGEM RADIOGRÁFICA
 Imagem produzida sobre uma
emulsão fotográfica
 Áreas escuras – radiotransparentes
 Áreas claras – radiopacas
INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA
Profº Herculys Douglas
herculysdouglas@hotmail.com/ 9441-3966
FILME RADIOGRÁFICO
Receptor de imagem
Local de formação da imagem radiográfica
Formado por cristais sensíveis à radiação X
e à luz
FILME RADIOGRÁFICO
 COMPOSIÇÃO:
Base: de poliéster, azulada, transparente e flexível. Tem
função de dar suporte à emulsão radiográfica;
Emulsão fotográfica: formada por uma gelatina fotográfica e
cristais de haleto de prata (10% de AgI e 90% de AgBr);
Camada protetora: camada fina de gelatina transparente.
Tem função de proteger a emulsão fotográfica.
CLASSIFICAÇÃO DO FILME
 NÃO-CROMATIZADO:
Sensibilidade na faixa do ultravioleta ao azul
 CROMATIZADO:
Ortocromático – sensibilidade na faixa do verde-amarelo
Pancromático – sensibilidade ao infravermelho
CLASSIFICAÇÃO DO FILME
 QUANTO A GRANULAÇÃO PODEM SER:
Filmes rápidos de alta velocidade (FAV)
Filmes de média velocidade (FMV)
Filmes de baixa velocidade (de detalhe)
CUIDADOS COM O FILME
As caixas devem ser armazenadas na vertical
Em local seco e longe de fontes emissoras de
radiação ionizante
Umidade relativa do ar entre 30 e 50%
Temperatura entre 10 e 21°C
ÉCRANS
 Também chamadas de telas intensificadoras de imagem
 Desenvolvidas a partir da capacidade da radiação X de
fazer fluorescer certos sais metálicos
 Fluorescência ou fosforescência?
Fluorescente: absorve energia fornecida por determinada
fonte e emite luz visível, porém, quando o fornecimento
de energia acaba, a emissão da radiação para
imediatamente.
Fosforescente: substância emite radiação visível porque
absorve energia. Entretanto, mesmo depois que o
fornecimento de energia parou, a substância fosforescente
continua por algum tempo emitindo luz visível.
ÉCRANS
 COMPOSIÇÃO:
Base: de cartolina ou poliéster. Serve como suporte para o
material fluorescente;
Camada fluorescente: formada por sais metálicos
fluorescentes. Tem função de converter a radiação X em
energia luminosa;
Camada refletora (opcional): de TiO2 ou MgO2, colocada
entre a base e a camada fluorescente. Tem função de
aumentar o rendimento luminoso do écran por meio da
reflexão da luz emitida pelas cristais;
Camada absorvente (opcional): colocada entre a base e a
camada fluorescente. Tem função de absorver a luz difusa
emitida pelos cristais fluorescentes – aumento da nitidez.
ÉCRANS
ÉCRANS
 SAIS FLUORESCENTES:
ÉCRANS
ÉCRANS
ASSOCIAÇÃO FILME-ÉCRAN
O filme deve possuir sensibilidade espectral na
mesma faixa de emissão luminosa do écran
A portaria 435/98 determina que os écrans devem
possuir metais “terras raras” como material
fluorescente
O filme com uma camada de emulsão deve ser
colocado no chassi com o lado da emulsão
voltado para o écran. Isso garante maior contraste
para a imagem – melhor estudo de partes moles
ASSOCIAÇÃO FILME-ÉCRAN
CHASSI
 COMPOSIÇÃO:
Lado anterior: formado por material rígido e
radiotransparente como baquelite (resina sintética),
magnésio ou alumínio.
Lado posterior: lado por onde o chassi é aberto
(presilhas), possui uma fina folha de chumbo para
absorção da radiação secundária e uma camada de
espuma para garantir um contato mais homogêneo entre
filme e écran.
CHASSI
TIPOS DE CHASSI:
Com janela e sem janela
Com écran e sem écran
CHASSI
 TAMANHOS:
13X18
18X24
24X30
30X40
35X35
35X43
30X90
35X91
IDENTIFICAÇÃO
 Impressa e legível
 Não deve sobrepor estruturas
importantes
 Sempre do lado direito do
paciente
 Usa-se marcadores alfa-numéricos
de chumbo ou câmara de
identificação
 Deve conter logotipo ou nome da
instituição, data, nome ou iniciais
do paciente, tipo de exame e o
número do registro do exame no
Serviço de Radiologia
IDENTIFICAÇÃO
CÂMARA DE IDENTIFICAÇÃO:
Fotografam os dados do
paciente escrito ou impressos
em um papel no filme
radiográfico
IDENTIFICAÇÃO
Exames de estruturas pares deve conter a
identificação D ou E
Exames seriados devem possuir numeração
sequenciada ou tempo
Exames no leito devem possuir localização do
paciente e hora da realização do exame (ex: Q 11
09:35)
INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA
Profº Herculys Douglas
herculysdouglas@hotmail.com
SENSIBILIZAÇÃO DO FILME
Formação da imagem latente
O filme é formado por íons de prata (Ag+) e
Bromo (Br-) e Iodo (I-)
Na interação entre feixe de luz (écran) e os cristais
de haleto de prata (Br- e o I-) que liberam o
elétron excedente, o qual é capturado pelo íons
Ag+
Ag+ + e-  Ag0 (prata metálica)
PROCESSAMENTO RADIOGRÁFICO
Imagem latente  imagem visível
PODE SER:
Manual
Automático
Digital*
PROCESSAMENTO MANUAL
 Realizado na câmara escura
 Usa-se substâncias químicas
 Necessidade de cronômetro e termômetro
 POSSUI CINCO ETAPAS:
Revelação
Interrupção
Fixação
Lavagem
Secagem
PROCESSAMENTO MANUAL
PROCESSAMENTO MANUAL
PROCESSAMENTO MANUAL
PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO
 Realizado na câmara escura
 Usa-se substâncias químicas
 Uma processadora automática realiza o processo – controle
do tempo e temperatura
 POSSUI QUATRO ETAPAS:
Revelação
Fixação
Lavagem
Secagem
PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO
PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO
PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO
REVELAÇÃO
 COMPOSIÇÃO DO REVELADOR:
Agente acelerador ou ativador – responsável pela produção
do meio alcalino e amolecimento da gelatina – carbonato de
cálcio
Agente revelador ou redutor – responsável pela redução
química – metol, fenidona e hidroquinona
Agente retardador – responsável por regular a duração da
revelação – brometo de potássio e iodeto de potássio
Agente preservativo – evitar a oxidação da solução
Agente endurecedor – evita amolecimento excessivo da
emulsão – glutaraldeido
INTERRUPÇÃO
Interrompe o processo de revelação
Ácido acético glacial ou água corrente
FIXAÇÃO
 COMPOSIÇÃO DO FIXADOR:
Agente acidificante – responsável pela neutralização do
revelador – ácido acético ou ácido sulfúrico
Agente fixador – responsável pela remoção dos cristais de
haleto de prata não expostos – tiossulfato de amônia ou
tiossulfato de sódio
Agente preservador – evita a decomposição do fixador e
auxilia no clareamento – sulfito de sódio
Agente endurecedor – impede o amolecimento excessivo da
gelatina – sulfato de alumínio
REVELADOR E FIXADOR
LAVAGEM E SECAGEM
LAVAGEM:
Em agua corrente
SECAGEM:
Naturalmente em local livre de poeira
Secadora automática
TROCA DAS SOLUÇÕES
Com o tempo de uso (reações químicas) as
soluções ficam saturadas
Devem ser trocadas periodicamente por soluções
novas
O fixador saturado não deve ser descartado antes
eu a prata seja retirada por um processo de
eletrólise
LIMPEZA DOS TANQUES
Os racks devem ser lavados com bucha e sabão
neutro pelo menos uma vez por semana
Observar com rigorosa atenção a posição dos racks
Os tanques devem ser esvaziados e limpos com
periodicidade de três a seis meses
Em caso de contaminação das soluções deve-se
descartar as soluções e realizar a limpeza dos
tanques e racks
PROBLEMAS RELACIONADOS AO
PROCESSAMENTO
O processamento radiográfico depende dos
seguintes fatores:
Temperatura
Concentração
pH
Tempo
PROBLEMAS RELACIONADOS AO
PROCESSAMENTO
RADIOGRAFIA SUB-REVELADA:
Redução do contraste – as partes negras ficam
semitransparentes
RADIOGRAFIA SUPER-REVELADA:
As partes brancas ficam acinzentadas
RADIOGRAFIA SUBFIXADA:
As partes transparente ficam esbranquiçadas e o
filme demora a secar e por isso sai úmido da
processadora
CÂMARA ESCURA
 A câmara escura deve ser planejada e construída
considerando-se os seguintes requisitos:
a) Dimensão proporcional à quantidade de radiografias e ao
fluxo de atividades previstas no serviço.
b) Vedação apropriada contra luz do dia ou artificial. Atenção
especial deve ser dada à porta, passa chassis e sistema de
exaustão.
c) O(s) interruptor(es) de luz clara deve(m) estar
posicionado(s) de forma a evitar acionamento acidental.
d) Sistema de exaustão de ar de forma a manter uma pressão
positiva no ambiente.
CÂMARA ESCURA
Paredes claras e sem brilho e com revestimento
resistente à ação das substâncias químicas
Umidade relativa do ar entre 30 e 50%
Temperatura entre 15 e 25ºC
CÂMARA ESCURA
Piso anticorrosivo, impermeável e antiderrapante.
Sistema de iluminação de segurança com lâmpadas
localizado a uma distância não inferior a 1,2 m do local
de manipulação.
A câmara escura para revelação manual deve ser
provida de cronômetro, termômetro e tabela de
revelação
Deve possuir local adequado para o armazenamento
de filmes radiográficos
CÂMARA ESCURA
CUIDADOS:
Manter limpa a câmara escura e assegurar a sua
utilização exclusiva para a finalidade a que se
destina.
Monitorar rotineiramente a temperatura e
umidade da câmara escura.
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
Valdetrudes Júnior
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
Cristiane Dias
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
Isabel Gardiano
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Cristiane Dias
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
Anderson Pereira
 
Camaraescura radiologia
Camaraescura radiologiaCamaraescura radiologia
Camaraescura radiologia
Élcio Medeiros
 
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio LinharesExames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Mardônio Linhares
 
Equipamentos Radiológicos
Equipamentos RadiológicosEquipamentos Radiológicos
Equipamentos Radiológicos
jose vanderlei oliveira dos reis
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Heraldo Silva
 
Telas Intensificadoras
Telas IntensificadorasTelas Intensificadoras
Telas Intensificadoras
Alex Eduardo Ribeiro
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Cristiane Dias
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Crânio incidencias
Crânio incidenciasCrânio incidencias
Crânio incidencias
Priscila Silva
 
Marcadores de filmes adeison
Marcadores de filmes   adeisonMarcadores de filmes   adeison
Marcadores de filmes adeison
celais0814
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
Willian R. Bandeira
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Pollyanna Medeiros
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
Magno Cavalheiro
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia

Mais procurados (20)

GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEMGEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
GEOMETRIA E FORMAÇÃO DA IMAGEM
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
 
Prof magno formação da imagem
Prof magno   formação da imagemProf magno   formação da imagem
Prof magno formação da imagem
 
Técnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagemTécnica radiológica-receptores-imagem
Técnica radiológica-receptores-imagem
 
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológicoTerminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
Terminologia radiológica termos gerais usados no posicionamento radiológico
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
 
Camaraescura radiologia
Camaraescura radiologiaCamaraescura radiologia
Camaraescura radiologia
 
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio LinharesExames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
 
Equipamentos Radiológicos
Equipamentos RadiológicosEquipamentos Radiológicos
Equipamentos Radiológicos
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
 
Telas Intensificadoras
Telas IntensificadorasTelas Intensificadoras
Telas Intensificadoras
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Crânio incidencias
Crânio incidenciasCrânio incidencias
Crânio incidencias
 
Marcadores de filmes adeison
Marcadores de filmes   adeisonMarcadores de filmes   adeison
Marcadores de filmes adeison
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
Aula 01 proteção radiológica
Aula 01  proteção radiológicaAula 01  proteção radiológica
Aula 01 proteção radiológica
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 

Destaque

Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
Kery Albuquerque
 
Apostila end
Apostila endApostila end
Apostila end
Tiago Gomes
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
Brenna Souza
 
Noçoes de mamografia
Noçoes de mamografiaNoçoes de mamografia
Noçoes de mamografia
Renata Cristina
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Jean Carlos
 
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Alex Eduardo Ribeiro
 
Aula câmara escura
Aula   câmara escuraAula   câmara escura
Aula câmara escura
Lucas Pereira
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
grtalves
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
Cristiane Dias
 

Destaque (9)

Apostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológicaApostila de radiologia odontológica
Apostila de radiologia odontológica
 
Apostila end
Apostila endApostila end
Apostila end
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Noçoes de mamografia
Noçoes de mamografiaNoçoes de mamografia
Noçoes de mamografia
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
 
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  CrânioAnatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de  Crânio
Anatomia E Protocolo Tomografia Computadorizada de Crânio
 
Aula câmara escura
Aula   câmara escuraAula   câmara escura
Aula câmara escura
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 

Semelhante a FILMES E ECRÁNS

Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Paulo Fonseca
 
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfcontroledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
EndersonToscanoDeAle
 
aulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdf
aulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdfaulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdf
aulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdf
Deniel13
 
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
Magno Cavalheiro
 
Radiologia
RadiologiaRadiologia
Radiologia
Fhsm Treinamentos
 
Aparelhos de rx aula de revelação camara escura
Aparelhos de rx aula de revelação camara escuraAparelhos de rx aula de revelação camara escura
Aparelhos de rx aula de revelação camara escura
Abraan Rodrigues
 
Aparelhos camara escura
Aparelhos  camara escuraAparelhos  camara escura
Aparelhos camara escura
Sandro Molter
 
Aula 25 ensaio por raios gama
Aula 25   ensaio por raios gamaAula 25   ensaio por raios gama
Aula 25 ensaio por raios gama
Renaldo Adriano
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
Gerciane Neves
 
Processo Automatico Radiologico
Processo Automatico RadiologicoProcesso Automatico Radiologico
Processo Automatico Radiologico
Alexsandro Cutrim
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
Lorena Incutto Bastos
 
Aula 23 radiografia industrial
Aula 23   radiografia industrialAula 23   radiografia industrial
Aula 23 radiografia industrial
Renaldo Adriano
 
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
Alexandre Souza Rodrigues
 
Modulo 1 introdução
Modulo 1   introduçãoModulo 1   introdução
Modulo 1 introdução
Roberto Caforio
 
Cromatografia liquida
Cromatografia liquidaCromatografia liquida
Cromatografia liquida
Adrianne Mendonça
 
Radiologianota10 Elementos
Radiologianota10 ElementosRadiologianota10 Elementos
Radiologianota10 Elementos
Danilo Leandro Sanches
 
Radiografias extrabucais.pptx
Radiografias extrabucais.pptxRadiografias extrabucais.pptx
Radiografias extrabucais.pptx
ceciliamonteiro12
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
letyap
 
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptxFísica aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
CarlaJohnEdward
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 

Semelhante a FILMES E ECRÁNS (20)

Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdfcontroledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
controledequalidadeemodontologia-121122144140-phpapp01.pdf
 
aulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdf
aulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdfaulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdf
aulaprocessamentoariane-090823195611-phpapp02.pdf
 
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
AULA DE SENSIBILIZAÇÃO DE FILMES RADIOGRÁFICOS - PROF DOUGLAS PRIMA (In Memoria)
 
Radiologia
RadiologiaRadiologia
Radiologia
 
Aparelhos de rx aula de revelação camara escura
Aparelhos de rx aula de revelação camara escuraAparelhos de rx aula de revelação camara escura
Aparelhos de rx aula de revelação camara escura
 
Aparelhos camara escura
Aparelhos  camara escuraAparelhos  camara escura
Aparelhos camara escura
 
Aula 25 ensaio por raios gama
Aula 25   ensaio por raios gamaAula 25   ensaio por raios gama
Aula 25 ensaio por raios gama
 
Controle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologiaControle de qualidade em odontologia
Controle de qualidade em odontologia
 
Processo Automatico Radiologico
Processo Automatico RadiologicoProcesso Automatico Radiologico
Processo Automatico Radiologico
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
 
Aula 23 radiografia industrial
Aula 23   radiografia industrialAula 23   radiografia industrial
Aula 23 radiografia industrial
 
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
 
Modulo 1 introdução
Modulo 1   introduçãoModulo 1   introdução
Modulo 1 introdução
 
Cromatografia liquida
Cromatografia liquidaCromatografia liquida
Cromatografia liquida
 
Radiologianota10 Elementos
Radiologianota10 ElementosRadiologianota10 Elementos
Radiologianota10 Elementos
 
Radiografias extrabucais.pptx
Radiografias extrabucais.pptxRadiografias extrabucais.pptx
Radiografias extrabucais.pptx
 
Fotossintese
FotossinteseFotossintese
Fotossintese
 
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptxFísica aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
Física aplicada a Radiologiacndycvdubfvioçejpkvçlkovjoer 5.pptx
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
 

Mais de Herculys Douglas Clímaco Marques

Neuroimagem
NeuroimagemNeuroimagem
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicosSegurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Trichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Trichuris trichiura e Enterobius vermicularesTrichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Trichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
ANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIAANGIOTOMOGRAFIA
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Radiologia Intervencionista
Radiologia IntervencionistaRadiologia Intervencionista
Radiologia Intervencionista
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Meios de Contraste: TC e RM
Meios de Contraste: TC e RM Meios de Contraste: TC e RM
Meios de Contraste: TC e RM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Meios de Constraste em Ressonância Magnética
Meios de Constraste em Ressonância MagnéticaMeios de Constraste em Ressonância Magnética
Meios de Constraste em Ressonância Magnética
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICAANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICAHEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Ressonância Magnética: Abdome
Ressonância Magnética: AbdomeRessonância Magnética: Abdome
Ressonância Magnética: Abdome
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Radiologia Forense
Radiologia ForenseRadiologia Forense

Mais de Herculys Douglas Clímaco Marques (20)

Neuroimagem
NeuroimagemNeuroimagem
Neuroimagem
 
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicosSegurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
Segurança em ressonância magnética - dispositivos médicos
 
Trichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Trichuris trichiura e Enterobius vermicularesTrichuris trichiura e Enterobius vermiculares
Trichuris trichiura e Enterobius vermiculares
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
 
ANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIAANGIOTOMOGRAFIA
ANGIOTOMOGRAFIA
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do TóraxTomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
Tomografia Computadorizada: Patologias do Tórax
 
Radiologia Intervencionista
Radiologia IntervencionistaRadiologia Intervencionista
Radiologia Intervencionista
 
Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM Avanços Tecnológicos na RM
Avanços Tecnológicos na RM
 
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC)
 
Meios de Contraste: TC e RM
Meios de Contraste: TC e RM Meios de Contraste: TC e RM
Meios de Contraste: TC e RM
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
 
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
Interpretação de Imagens Tomográficas (TC)
 
Meios de Constraste em Ressonância Magnética
Meios de Constraste em Ressonância MagnéticaMeios de Constraste em Ressonância Magnética
Meios de Constraste em Ressonância Magnética
 
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICAANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
ANGIO: TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.Ressonância Magnética: Equipamentos.
Ressonância Magnética: Equipamentos.
 
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICAHEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
HEMODINÂMICA: EMBOLOTERAPIA E QUIMIOEMBOLIZAÇÃO HEPÁTICA
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
 
Ressonância Magnética: Abdome
Ressonância Magnética: AbdomeRessonância Magnética: Abdome
Ressonância Magnética: Abdome
 
Radiologia Forense
Radiologia ForenseRadiologia Forense
Radiologia Forense
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Último (8)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 

FILMES E ECRÁNS

  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. IMAGEM RADIGRÁFICA  O feixe de Rx ao atravessar o objeto cria uma imagem não perceptível ao olho humano imagem latente.  Essa imagem pode torna-se visível sobre um receptor.  Radioscópica ou radiográfica
  • 20. IMAGEM RADIOSCÓPICA  Imagem produzida sobre um écran fluoroscópico  Áreas escuras – radiopacas  Áreas claras – radiotransparentes
  • 22.
  • 23. IMAGEM RADIOGRÁFICA  Imagem produzida sobre uma emulsão fotográfica  Áreas escuras – radiotransparentes  Áreas claras – radiopacas
  • 24.
  • 25.
  • 26. INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA Profº Herculys Douglas herculysdouglas@hotmail.com/ 9441-3966
  • 27. FILME RADIOGRÁFICO Receptor de imagem Local de formação da imagem radiográfica Formado por cristais sensíveis à radiação X e à luz
  • 28. FILME RADIOGRÁFICO  COMPOSIÇÃO: Base: de poliéster, azulada, transparente e flexível. Tem função de dar suporte à emulsão radiográfica; Emulsão fotográfica: formada por uma gelatina fotográfica e cristais de haleto de prata (10% de AgI e 90% de AgBr); Camada protetora: camada fina de gelatina transparente. Tem função de proteger a emulsão fotográfica.
  • 29. CLASSIFICAÇÃO DO FILME  NÃO-CROMATIZADO: Sensibilidade na faixa do ultravioleta ao azul  CROMATIZADO: Ortocromático – sensibilidade na faixa do verde-amarelo Pancromático – sensibilidade ao infravermelho
  • 30.
  • 31. CLASSIFICAÇÃO DO FILME  QUANTO A GRANULAÇÃO PODEM SER: Filmes rápidos de alta velocidade (FAV) Filmes de média velocidade (FMV) Filmes de baixa velocidade (de detalhe)
  • 32. CUIDADOS COM O FILME As caixas devem ser armazenadas na vertical Em local seco e longe de fontes emissoras de radiação ionizante Umidade relativa do ar entre 30 e 50% Temperatura entre 10 e 21°C
  • 33.
  • 34. ÉCRANS  Também chamadas de telas intensificadoras de imagem  Desenvolvidas a partir da capacidade da radiação X de fazer fluorescer certos sais metálicos  Fluorescência ou fosforescência? Fluorescente: absorve energia fornecida por determinada fonte e emite luz visível, porém, quando o fornecimento de energia acaba, a emissão da radiação para imediatamente. Fosforescente: substância emite radiação visível porque absorve energia. Entretanto, mesmo depois que o fornecimento de energia parou, a substância fosforescente continua por algum tempo emitindo luz visível.
  • 35. ÉCRANS  COMPOSIÇÃO: Base: de cartolina ou poliéster. Serve como suporte para o material fluorescente; Camada fluorescente: formada por sais metálicos fluorescentes. Tem função de converter a radiação X em energia luminosa; Camada refletora (opcional): de TiO2 ou MgO2, colocada entre a base e a camada fluorescente. Tem função de aumentar o rendimento luminoso do écran por meio da reflexão da luz emitida pelas cristais; Camada absorvente (opcional): colocada entre a base e a camada fluorescente. Tem função de absorver a luz difusa emitida pelos cristais fluorescentes – aumento da nitidez.
  • 40. ASSOCIAÇÃO FILME-ÉCRAN O filme deve possuir sensibilidade espectral na mesma faixa de emissão luminosa do écran A portaria 435/98 determina que os écrans devem possuir metais “terras raras” como material fluorescente O filme com uma camada de emulsão deve ser colocado no chassi com o lado da emulsão voltado para o écran. Isso garante maior contraste para a imagem – melhor estudo de partes moles
  • 42. CHASSI  COMPOSIÇÃO: Lado anterior: formado por material rígido e radiotransparente como baquelite (resina sintética), magnésio ou alumínio. Lado posterior: lado por onde o chassi é aberto (presilhas), possui uma fina folha de chumbo para absorção da radiação secundária e uma camada de espuma para garantir um contato mais homogêneo entre filme e écran.
  • 43. CHASSI TIPOS DE CHASSI: Com janela e sem janela Com écran e sem écran
  • 45.
  • 46. IDENTIFICAÇÃO  Impressa e legível  Não deve sobrepor estruturas importantes  Sempre do lado direito do paciente  Usa-se marcadores alfa-numéricos de chumbo ou câmara de identificação  Deve conter logotipo ou nome da instituição, data, nome ou iniciais do paciente, tipo de exame e o número do registro do exame no Serviço de Radiologia
  • 47. IDENTIFICAÇÃO CÂMARA DE IDENTIFICAÇÃO: Fotografam os dados do paciente escrito ou impressos em um papel no filme radiográfico
  • 48. IDENTIFICAÇÃO Exames de estruturas pares deve conter a identificação D ou E Exames seriados devem possuir numeração sequenciada ou tempo Exames no leito devem possuir localização do paciente e hora da realização do exame (ex: Q 11 09:35)
  • 49. INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA Profº Herculys Douglas herculysdouglas@hotmail.com
  • 50. SENSIBILIZAÇÃO DO FILME Formação da imagem latente O filme é formado por íons de prata (Ag+) e Bromo (Br-) e Iodo (I-) Na interação entre feixe de luz (écran) e os cristais de haleto de prata (Br- e o I-) que liberam o elétron excedente, o qual é capturado pelo íons Ag+ Ag+ + e-  Ag0 (prata metálica)
  • 51. PROCESSAMENTO RADIOGRÁFICO Imagem latente  imagem visível PODE SER: Manual Automático Digital*
  • 52. PROCESSAMENTO MANUAL  Realizado na câmara escura  Usa-se substâncias químicas  Necessidade de cronômetro e termômetro  POSSUI CINCO ETAPAS: Revelação Interrupção Fixação Lavagem Secagem
  • 56.
  • 57. PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO  Realizado na câmara escura  Usa-se substâncias químicas  Uma processadora automática realiza o processo – controle do tempo e temperatura  POSSUI QUATRO ETAPAS: Revelação Fixação Lavagem Secagem
  • 61. REVELAÇÃO  COMPOSIÇÃO DO REVELADOR: Agente acelerador ou ativador – responsável pela produção do meio alcalino e amolecimento da gelatina – carbonato de cálcio Agente revelador ou redutor – responsável pela redução química – metol, fenidona e hidroquinona Agente retardador – responsável por regular a duração da revelação – brometo de potássio e iodeto de potássio Agente preservativo – evitar a oxidação da solução Agente endurecedor – evita amolecimento excessivo da emulsão – glutaraldeido
  • 62. INTERRUPÇÃO Interrompe o processo de revelação Ácido acético glacial ou água corrente
  • 63. FIXAÇÃO  COMPOSIÇÃO DO FIXADOR: Agente acidificante – responsável pela neutralização do revelador – ácido acético ou ácido sulfúrico Agente fixador – responsável pela remoção dos cristais de haleto de prata não expostos – tiossulfato de amônia ou tiossulfato de sódio Agente preservador – evita a decomposição do fixador e auxilia no clareamento – sulfito de sódio Agente endurecedor – impede o amolecimento excessivo da gelatina – sulfato de alumínio
  • 65. LAVAGEM E SECAGEM LAVAGEM: Em agua corrente SECAGEM: Naturalmente em local livre de poeira Secadora automática
  • 66. TROCA DAS SOLUÇÕES Com o tempo de uso (reações químicas) as soluções ficam saturadas Devem ser trocadas periodicamente por soluções novas O fixador saturado não deve ser descartado antes eu a prata seja retirada por um processo de eletrólise
  • 67. LIMPEZA DOS TANQUES Os racks devem ser lavados com bucha e sabão neutro pelo menos uma vez por semana Observar com rigorosa atenção a posição dos racks Os tanques devem ser esvaziados e limpos com periodicidade de três a seis meses Em caso de contaminação das soluções deve-se descartar as soluções e realizar a limpeza dos tanques e racks
  • 68. PROBLEMAS RELACIONADOS AO PROCESSAMENTO O processamento radiográfico depende dos seguintes fatores: Temperatura Concentração pH Tempo
  • 69. PROBLEMAS RELACIONADOS AO PROCESSAMENTO RADIOGRAFIA SUB-REVELADA: Redução do contraste – as partes negras ficam semitransparentes RADIOGRAFIA SUPER-REVELADA: As partes brancas ficam acinzentadas RADIOGRAFIA SUBFIXADA: As partes transparente ficam esbranquiçadas e o filme demora a secar e por isso sai úmido da processadora
  • 70.
  • 71. CÂMARA ESCURA  A câmara escura deve ser planejada e construída considerando-se os seguintes requisitos: a) Dimensão proporcional à quantidade de radiografias e ao fluxo de atividades previstas no serviço. b) Vedação apropriada contra luz do dia ou artificial. Atenção especial deve ser dada à porta, passa chassis e sistema de exaustão. c) O(s) interruptor(es) de luz clara deve(m) estar posicionado(s) de forma a evitar acionamento acidental. d) Sistema de exaustão de ar de forma a manter uma pressão positiva no ambiente.
  • 72. CÂMARA ESCURA Paredes claras e sem brilho e com revestimento resistente à ação das substâncias químicas Umidade relativa do ar entre 30 e 50% Temperatura entre 15 e 25ºC
  • 73. CÂMARA ESCURA Piso anticorrosivo, impermeável e antiderrapante. Sistema de iluminação de segurança com lâmpadas localizado a uma distância não inferior a 1,2 m do local de manipulação. A câmara escura para revelação manual deve ser provida de cronômetro, termômetro e tabela de revelação Deve possuir local adequado para o armazenamento de filmes radiográficos
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79. CÂMARA ESCURA CUIDADOS: Manter limpa a câmara escura e assegurar a sua utilização exclusiva para a finalidade a que se destina. Monitorar rotineiramente a temperatura e umidade da câmara escura.