SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
INTRODUÇÃO À
 RADIOLOGIA


  Prof. Dr. Carlos Jesus Pereira Haygert
                  Mon. Giordano Alves
SUMÁRIO

   Introdução à Radiologia

   Métodos de imagem:

     Radiografia (Raio X)
     Tomografia Computadorizada (TC)

     Ultrassonografia (US)

     Ressonância Magnética (RM)
Introdução à Radiologia
   Em 1895, o físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen
    publicou estudos observando a emissão de “luz” em
    ampolas a vácuo;

   Descreveu que tais raios, denominados “raios X”
    atravessavam corpos como vidro e madeira, mas eram
    bloqueados por metais como o chumbo;

   A prova de sua experiência foi uma radiografia das mãos
    dele e da esposa. (Prêmio Nobel de Física de 1896)
Wilhelm
           Radiografia da mão da esposa de
Roentgen
                                 Roentgen
Introdução à Radiologia
   A partir de Roentgen, outros métodos foram
    descobertos, como a Tomografia Computadorizada
    (1970), o Ultrassom (II Guerra Mundial) e mais tarde a
    Ressonância Magnética.

   Como veremos, a Radiologia é uma especialidade que
    utiliza qualquer forma de radiação, seja ela ionizante,
    sonora ou magnética, passível de transformação em
    imagens.
SUMÁRIO

   Introdução à Radiologia

   Métodos de imagem:

     Radiografia (Raio X)
     Tomografia Computadorizada (TC)

     Ultrassonografia (US)

     Ressonância Magnética (RM)
Radiografia
   Formação da radiação X:

    O   tubo de raios X é a sua fonte geradora;

    O  interior do tubo é um ambiente à vácuo e
      dois pólos: o ânodo (+) e o cátodo (-);
Radiografia

Por vezes, ocorre confusão nesses conceitos.
Vamos reforçá-los:


- Ânodo: pólo que atrai os ânions.


- Cátodo: pólo que atrai os cátions, e de
onde os elétrons são liberados.
Radiografia
   Cátodo (-):

     Composto por um filamento de tungstênio
      que, sob corrente elétrica, torna-se aquecido e
      libera elétrons.

   A diferença de potencial entre Cátodo (-) e
    Ânodo (+) induzem a migração de elétrons de –
    para +;
Radiografia
   Ao colidirem com o Ânodo (+), haverá geração de
    calor (99%) e de radiação X (1%). O Ânodo possui um
    sistema próprio de refrigeração (óleo especial).

   O receptor de elétrons do ânodo é uma placa, giratória
    e aderida a uma base de cobre.

   A ampola é envolvida por uma blindagem de chumbo,
    possuindo uma única abertura, por onde passará o feixe
    de raios X.
Radiografia
http://static.hsw.com.b
r/gif/x-ray-diagram.jpg
Modelo de sala para realização de Radiografias
Radiografia
   Os filmes de raio X contêm uma película
    composta de haletos de prata (Ag) que, ao serem
    expostos à luz ou aos raios X, “queimam”
    (sensibilizados), tornando o filme preto;

   Os raios que são absorvidos pelo corpo não
    sensibilizam o filme, de modo que as áreas
    correspondentes ficarão brancas no filme.
Radiografia
   Dependendo do peso atômico e espessura das
    estruturas atravessadas pelos raios X, a
    tonalidade irá variar do preto ao branco
    (densidade radiológica);

   As imagens brancas são referidas como
    radiopacas (alta atenuação), enquanto as pretas
    são ditas radiotransparentes ou radiolucentes
    (baixa atenuação).
Radiografia
Existem 5 densidades básicas:
Densidade           Absorção corporal Imagem no filme

Metal               Total           Branca

Cálcio (osso)       Grande          Menos branca

Água (tec. moles)   Média           Cinza

Gordura             Pouca           Quase preta

Ar                  Nenhuma         Preta
Radiografia
   O filme de raio X possui um revestimento para
    que não seja sensibilizado pela luz ambiente;

   Chassi é o estojo metálico onde é colocado;

   Ecrã é uma folha que fica em íntimo contato
    com o filme, possui material fluorescente que
    diminui o uso da radiação (tempo) e também
    melhora a imagem (efeito fotoquímico).
http://www.sure-quality.com/screen2.jpg
Modelo padrão de chassi, ecrã e filme de raio X.



                                           Fundamentals of Diagnostic Imaging,
                                                   Brent & Helms, 3rd edition.
Radiografia
   Qualidade da imagem:

       Contraste: é dado pela dosagem equilibrada da
        quilovoltagem (kV) e da miliamperagem (mAs)

       Nitidez: depende basicamente da imobilidade
        corporal, distância do tubo, tamanho do foco
        (sistema de diafragmas e colimadores), e grade
        antidifusora ou bucky (absorve radiação secundária).
The WHO Manual of Diagnostic Imaging
Radiografia
   Incidências básicas:

     Póstero-Anterior (PA):  raios X atravessam o
      corpo no sentido póstero-anterior. As
      estruturas mais anteriores do corpo serão
      melhor representadas no filme.
http://www.lucianosantarita.pro.br/images/Incid6.jpg
http://2.bp.blogspot.com/_8tRxq5DT_zI/SWqPPOMZGHI/AAAAAAAAB7A/NRSLeVtWDFU/s320/PA.jpg
http://www.ieja.org/portugues/Estudos/Artigos/Boletim_504_1.jpg
Radiografia
   Incidências básicas:


       Antero-Posterior: raios
        X atravessam o corpo
        no sentido antero-
        posterior. Esta posição
        é utilizada para exames
        no leito, por exemplo.
Radiografia
   Incidências básicas:

       Perfil ou látero-lateral: os
        raios X atravessam o
        corpo no sentido látero-
        lateral. No tórax,
        colocamos o lado
        esquerdo mais próximo do
        filme, para que a imagem
        cardíaca seja mais
        representativa do real.
Radiografia

   Principais utilidades:

     Seios da face
     Tórax
     Abdome
     Pelve
     Ossos
     Exames contrastados

    (ex.: esôfago)
Radiografia
Radiografia
Radiografia
Radiografia
SUMÁRIO

   Introdução à Radiologia

   Métodos de imagem:

     Radiografia (Raio X)
     Tomografia Computadorizada (TC)

     Ultrassonografia (US)

     Ressonância Magnética (RM)
Tomografia Computadorizada
   Permite a aquisição de imagens através de cortes
    (secção, do prefixo grego tomo);

   Possui três unidades básicas:

     Unidade de varredura (gantry) = ampola + detectores
     Unidade de computação
     Unidade de apresentação da imagem (monitor e
      câmeras multiformato)
Tomografia Computadorizada
   Neste método, um feixe fino e altamente
    colimado de raios X, após atravessar o corpo, é
    captado por detectores de cintilação que se
    movem de 180-360 graus;

   As imagens são obtidas isoladamente, e
    reconstruídas em grupo nos planos axial, sagital
    ou coronal.
Fundamentals
 of Diagnostic
Imaging, Brent
  & Helms, 3rd
       edition.
Tomografia Computadorizada
   A imagem que vemos na tela do monitor
    (bidimensional, os pixels) é na verdade a
    representação de elementos com volume
    (voxels);

   Quanto maior for a espessura da secção, maior
    será a sobreposição de elementos na imagem
    formada.
Em A, nódulo pulmonar visto no monitor do      Em B, esquema representativo do
     tomógrafo, bidimensionalmente              voxel e das diferentes densidades



                                            Fundamentals of Diagnostic Imaging,
                                                    Brent & Helms, 3rd edition.
Tomografia Computadorizada
   Na radiografia usamos os termos opacidade x
    transparência; na TC, utilizaremos densidade.
    Ela varia de valores positivos a negativos.

   A unidade utilizada para medir a densidade chama-
    se unidade Hounsfield (criador do método);

   A água é utilizada como referência (0 Hounsfield).
TECIDO             UNIDADES (HU)
Ar                 -1000

Pulmão             -900 a -400
Gordura            -110 a -65
Água               0
Líquor             0 a 10
Sangue normal      35 a 55
Sangue coagulado   80
Músculo            40 a 60
Fígado             50 a 85
Ossos              130 a 2.000
VALORES
           AR = - 1000 HU    PRÓXIMOS
                            HIPODENSOS


                              VALORES
REFERÊNCIA = ÁGUA = ZERO     PRÓXIMOS
                            ISODENSOS


                              VALORES
      OSSOS = ATÉ 2000 HU    PRÓXIMOS
                            HIPERDENSOS
Tomografia Computadorizada
   Vantagens:

     Sem (ou pouca) superposição de imagens;
     Capta diferenças mínimas de densidade tissular;

     Processa imagens em diversos planos;

     Rápido (usado em emergências);

     Permite procedimentos concomitantes, como biópsias;

     É um exame não-invasivo;

     Permite o uso de substância de contraste;
Tomografia Computadorizada
     Desvantagens:

       Maior quantidade de radiação ionizante;
       Maior número de artefatos na imagem (metais);

       Método mais caro que radiografia e ultrassom;

       Alguns pacientes não podem utilizar contraste;

   PACIENTES ALÉRGICOS AO CONTRASTE IODADO
   PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL (CR>1,3)
PACIENTES EM USO DE METFORMINA, INTERFERON
                          E INTERLEUCINA II
           PACIENTES COM MIELOMA MÚLTIPLO
Tomografia Computadorizada
   Principais utilidades:

     Crânio e SNC (AVE e trauma)
     Coluna (discopatias, trauma)

     Tórax (doenças pulmonares, focais e/ou difusas)
           TCAR (TC de Alta Resolução) ou não?
     Abdome (massas abdominais, trauma, entre outros)
     Estadiamento de tumores
Reconstrução
 Multiplanar
Reconstrução 3D
SUMÁRIO

   Introdução à Radiologia

   Métodos de imagem:

     Radiografia (Raio X)
     Tomografia Computadorizada (TC)

     Ultrassonografia (US)

     Ressonância Magnética (RM)
Ultrassonografia
   Por definição, envolve o espectro de ondas
    acima da faixa do som audível (> 20.000
    ciclos/segundo);

   Basicamente, o aparelho emite ondas de
    ultrassom que interagem com corpos/estruturas,
    gerando ecos, que são captados de volta e
    convertidos em imagem.
Ultrassonografia
   O aparelho possui um transdutor especial, com
    propriedades piezoelétricas que, quando
    submetidas a corrente elétrica alternada, vibram,
    produzindo o ultrassom;

   Quando a onda é refletida, ocorre o inverso: o
    cristal deforma-se e gera energia elétrica, que
    será processada em imagem na tela.
Ultrassonografia
   O transdutor varia sua frequência conforme a
    região a ser estudada;

   Quanto mais profundo o órgão a ser analisado,
    menor deve ser a frequencia, pois o
    comprimento de onda será maior;

   Exemplo: fígado  3,5 MHz
             tireóide  7,5-10 MHz
Ultrassonografia
   Interpretação da imagem:

       Anecóica: não emite eco, propagando a onda. Não
        havendo retorno, sua cor é preta. Exemplo: líquido,
        bile, urina, líquor. Gera reforço acústico posterior.

       Hipoecóica: ocorre quando a onda atravessa tecidos
        com densidades de partes moles, como rim e
        pâncreas. Não gera reforço acústico posterior.
Ultrassonogafria
   Interpretação da imagem:

       Hiperecóica: o som não ultrapassa a estrutura (cálcio,
        cálculos, ossos) ou interage com ela e se dispersa
        (gases). Há formação de sombra acústica posterior.
Ultrassonografia
   Cuidados que melhoram a qualidade do exame:

       Gel aquoso: maior aderência transdutor x tecido
       Transdutor adequado: transvaginal, transesofágico
       Jejum e uso de laxativos para eliminar gases e fezes
       Encher o estômago com líquido para facilitar acesso
        ao pâncreas, também para bexiga e órgãos pélvicos.
Ultrassonografia
   Principais utilidades:

     SNC em crianças (transfontanelar)
     Estudo da retina

     Ecocardiografia (estrutura e função cardíaca)

     Abdome (fígado, baço, pâncreas, rins, vasos)

     Mama, tireóide, glândulas salivares, testículos

     Sistema musculoesquelético

     Pesquisa de líquido em cavidades
SUMÁRIO

   Introdução à Radiologia

   Métodos de imagem:

     Radiografia (Raio X)
     Tomografia Computadorizada (TC)

     Ultrassonografia (US)

     Ressonância Magnética (RM)
Ressonância Magnética
(ou Ressonância Nuclear Magnética (RNM ou RM)

   Baseia-se no comportamento dos prótons de
    hidrogênio (H+), que é o mais abundante do
    corpo humano (70% de água);

   Ao entrar em um campo magnético intenso,
    dentro da sala do exame, os spins dos íons se
    alinham;
Ressonância Magnética
   Ao receberem uma frequencia de pulso (RF, ou
    pulso de radiofrequência), os spins deixam a
    posição inicial, havendo movimento; após a
    cessação do pulso, retornam ao alinhamento de
    origem;

   A energia liberada desse processo é captada por
    antenas e transmitida ao computador, que
    formará a imagem.
Ressonância Magnética

   Pulsos de radiofrequências e periodicidades
    diferentes formarão imagens (sequências)
    diferentes para uma mesma região. (Ex: T1, T2,
    GE, FLAIR, STIR…)
Ressonância Magnética
   Componentes da RM:

     Campo magnético principal
     Sistema de estimulação-recepção

     Sistema gradiente do campo magnético
      (pequenos ímãs de campos e locaizações variáveis
      que permitem as reconstruções tridimensionais das
      imagens)
     Sistema de tratamento da imagem

     Sistema de informatização
Ressonância Magnética
   Os pulsos são repetidos regularmente a
    intervalos chamados tempo de repetição (TR);

   O tempo entre a emissão do FR e da chegada do
    sinal ao detector é chamado tempo de eco (TE);

   Estas duas variáveis permitem formar imagens
    em T1 e T2 (essas siglas são padrões de
    tempo).
Ressonância Magnética
   Na RM, utiliza-se o termo intensidade para
    caracterizar as imagens obtidas:

       Hipointensidade (ou hipossinal): escura

       Isointensidade: média

       Hiperintensidade: clara (branco)
Ressonância Magnética
   O contraste utilizado neste exame é o
    gadolíneo (substância paramagnética);

   O uso é amplo (como na TC).
    Situações especiais:

     Gravidez (utilizado)
     Alergia conhecida ao iodo (TC)

     Marca-passo cardíaco (contraindicado), e próteses
      metálicas de forma geral
Ressonância Magnética
   Vantagens:
       Melhor detalhamento de estruturas
       Aquisição de várias sequências e planos anatômicos
       Não utiliza radiação ionizante
       Baixo índice de reações adversas ao contraste
   Desvantagens:
       Exame demorado (pouco útil na emergência)
       Contra-indicações absolutas e relativas
Referências Bibliográficas
   Bushong, Ciência Radiológica para tecnólogos, 9a ed.
    Elsevier, 2010.

   Marchiori, Introdução à Radiologia, 1a ed. Guanabara
    Koogan, 2009.

   Brant & Helms, Fundamentos de Radiologia, 3a ed.
    Gen, 2008.

   Novelline, Fundamentos de Radiologia de Squire, 5a ed.
    Artmed, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da radiologia aula
História da radiologia aulaHistória da radiologia aula
História da radiologia aulaDouglas Henrique
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XPaulo Fonseca
 
História da radiologia no mundo aula 1
História da radiologia no mundo   aula 1História da radiologia no mundo   aula 1
História da radiologia no mundo aula 1Magno Cavalheiro
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução RadiologiaThyago Soares
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira Wendesor Oliveira
 
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]Guillermo Alberto López
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemPollyanna Medeiros
 
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasProcessamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasThamires Marinho
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranCristiane Dias
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Rodrigo Ribeiro Jr.
 

Mais procurados (20)

História da radiologia aula
História da radiologia aulaHistória da radiologia aula
História da radiologia aula
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
História da radiologia no mundo aula 1
História da radiologia no mundo   aula 1História da radiologia no mundo   aula 1
História da radiologia no mundo aula 1
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
2. Meios de contraste.pptx
2. Meios de contraste.pptx2. Meios de contraste.pptx
2. Meios de contraste.pptx
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
 
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
Processamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficasProcessamento de filme e Imagens radiográficas
Processamento de filme e Imagens radiográficas
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
Aula 06 densitometria
Aula 06 densitometriaAula 06 densitometria
Aula 06 densitometria
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 

Destaque

Mapeamento de varizes
Mapeamento de varizesMapeamento de varizes
Mapeamento de varizesIared
 
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Marcella Reis Goulart
 
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Germano Correia
 
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaBiofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaDalvânia Santos
 
Cirrose Hepática
Cirrose HepáticaCirrose Hepática
Cirrose Hepáticaivanaferraz
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicachirlei ferreira
 
Efeito Doppler - Física
Efeito Doppler - FísicaEfeito Doppler - Física
Efeito Doppler - FísicaFilllipe
 
Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?
Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?
Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?FromDoppler
 
Indicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animaisIndicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animaisCibele Carvalho
 
Aula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaAula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaradiomed
 
Aula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaAula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaradiomed
 
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaPrincípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaIared
 

Destaque (20)

Mapeamento de varizes
Mapeamento de varizesMapeamento de varizes
Mapeamento de varizes
 
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
 
26 ondas sonoras
26  ondas sonoras26  ondas sonoras
26 ondas sonoras
 
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
Ecografia das Artérias Carótidas e Vertebrais
 
Efeito doppler
Efeito dopplerEfeito doppler
Efeito doppler
 
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografiaBiofísica aplicada à ultra-sonografia
Biofísica aplicada à ultra-sonografia
 
Doppler fisica
Doppler fisicaDoppler fisica
Doppler fisica
 
Cirrose Hepática
Cirrose HepáticaCirrose Hepática
Cirrose Hepática
 
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmicaCorrelacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
Correlacao entre achados do doppler da arteria oftalmica
 
Embolia Pulmonar
Embolia PulmonarEmbolia Pulmonar
Embolia Pulmonar
 
Efeito Doppler - Física
Efeito Doppler - FísicaEfeito Doppler - Física
Efeito Doppler - Física
 
Efeito Doppler
Efeito DopplerEfeito Doppler
Efeito Doppler
 
Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?
Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?
Por que escolher o Doppler para o seu e-mail marketing?
 
Indicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animaisIndicações do us doppler em pequenos animais
Indicações do us doppler em pequenos animais
 
Úlceras Vasculogênicas
Úlceras VasculogênicasÚlceras Vasculogênicas
Úlceras Vasculogênicas
 
Imaginologia
ImaginologiaImaginologia
Imaginologia
 
Aula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologiaAula 2 imaginologia
Aula 2 imaginologia
 
Efeito doppler sv
Efeito doppler svEfeito doppler sv
Efeito doppler sv
 
Aula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaAula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologia
 
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaPrincípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
 

Semelhante a Introdução aos principais métodos de imagem em Radiologia

Imaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Imaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxImaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Imaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxLeonardoArajo96
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfMonicaTapety
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introduçãocelais0814
 
Introdução Radiologia
Introdução Radiologia Introdução Radiologia
Introdução Radiologia FionaMartins
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaLorem Morais
 
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfPatriciaFarias81
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicinaguest573ee4
 
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentosTomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentoswelberrj
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Lucas Senna
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XProfªThaiza Montine
 
As ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografiaAs ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografiaMiguel De Lima
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3marioaraujorosas1
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosPedro Antonio
 

Semelhante a Introdução aos principais métodos de imagem em Radiologia (20)

Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Apostila tomografia   prof. ricardo pereiraApostila tomografia   prof. ricardo pereira
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
 
Imaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Imaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxImaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Imaginologia.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Imagenologia
ImagenologiaImagenologia
Imagenologia
 
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner SáDiagnóStico Por Imagem   Prof  Vagner Sá
DiagnóStico Por Imagem Prof Vagner Sá
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
 
Introdução Radiologia
Introdução Radiologia Introdução Radiologia
Introdução Radiologia
 
Modulo 21
Modulo 21Modulo 21
Modulo 21
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
 
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdfRessonancia magnetica professor desconhecido.pdf
Ressonancia magnetica professor desconhecido.pdf
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicina
 
Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
 
Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
 
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentosTomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios X
 
As ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografiaAs ondas e a ultrassonografia
As ondas e a ultrassonografia
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
 

Último

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Introdução aos principais métodos de imagem em Radiologia

  • 1. INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA Prof. Dr. Carlos Jesus Pereira Haygert Mon. Giordano Alves
  • 2. SUMÁRIO  Introdução à Radiologia  Métodos de imagem:  Radiografia (Raio X)  Tomografia Computadorizada (TC)  Ultrassonografia (US)  Ressonância Magnética (RM)
  • 3. Introdução à Radiologia  Em 1895, o físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen publicou estudos observando a emissão de “luz” em ampolas a vácuo;  Descreveu que tais raios, denominados “raios X” atravessavam corpos como vidro e madeira, mas eram bloqueados por metais como o chumbo;  A prova de sua experiência foi uma radiografia das mãos dele e da esposa. (Prêmio Nobel de Física de 1896)
  • 4. Wilhelm Radiografia da mão da esposa de Roentgen Roentgen
  • 5. Introdução à Radiologia  A partir de Roentgen, outros métodos foram descobertos, como a Tomografia Computadorizada (1970), o Ultrassom (II Guerra Mundial) e mais tarde a Ressonância Magnética.  Como veremos, a Radiologia é uma especialidade que utiliza qualquer forma de radiação, seja ela ionizante, sonora ou magnética, passível de transformação em imagens.
  • 6. SUMÁRIO  Introdução à Radiologia  Métodos de imagem:  Radiografia (Raio X)  Tomografia Computadorizada (TC)  Ultrassonografia (US)  Ressonância Magnética (RM)
  • 7. Radiografia  Formação da radiação X: O tubo de raios X é a sua fonte geradora; O interior do tubo é um ambiente à vácuo e dois pólos: o ânodo (+) e o cátodo (-);
  • 8. Radiografia Por vezes, ocorre confusão nesses conceitos. Vamos reforçá-los: - Ânodo: pólo que atrai os ânions. - Cátodo: pólo que atrai os cátions, e de onde os elétrons são liberados.
  • 9. Radiografia  Cátodo (-):  Composto por um filamento de tungstênio que, sob corrente elétrica, torna-se aquecido e libera elétrons.  A diferença de potencial entre Cátodo (-) e Ânodo (+) induzem a migração de elétrons de – para +;
  • 10. Radiografia  Ao colidirem com o Ânodo (+), haverá geração de calor (99%) e de radiação X (1%). O Ânodo possui um sistema próprio de refrigeração (óleo especial).  O receptor de elétrons do ânodo é uma placa, giratória e aderida a uma base de cobre.  A ampola é envolvida por uma blindagem de chumbo, possuindo uma única abertura, por onde passará o feixe de raios X.
  • 13. Modelo de sala para realização de Radiografias
  • 14. Radiografia  Os filmes de raio X contêm uma película composta de haletos de prata (Ag) que, ao serem expostos à luz ou aos raios X, “queimam” (sensibilizados), tornando o filme preto;  Os raios que são absorvidos pelo corpo não sensibilizam o filme, de modo que as áreas correspondentes ficarão brancas no filme.
  • 15. Radiografia  Dependendo do peso atômico e espessura das estruturas atravessadas pelos raios X, a tonalidade irá variar do preto ao branco (densidade radiológica);  As imagens brancas são referidas como radiopacas (alta atenuação), enquanto as pretas são ditas radiotransparentes ou radiolucentes (baixa atenuação).
  • 16. Radiografia Existem 5 densidades básicas: Densidade Absorção corporal Imagem no filme Metal Total Branca Cálcio (osso) Grande Menos branca Água (tec. moles) Média Cinza Gordura Pouca Quase preta Ar Nenhuma Preta
  • 17. Radiografia  O filme de raio X possui um revestimento para que não seja sensibilizado pela luz ambiente;  Chassi é o estojo metálico onde é colocado;  Ecrã é uma folha que fica em íntimo contato com o filme, possui material fluorescente que diminui o uso da radiação (tempo) e também melhora a imagem (efeito fotoquímico).
  • 19. Modelo padrão de chassi, ecrã e filme de raio X. Fundamentals of Diagnostic Imaging, Brent & Helms, 3rd edition.
  • 20. Radiografia  Qualidade da imagem:  Contraste: é dado pela dosagem equilibrada da quilovoltagem (kV) e da miliamperagem (mAs)  Nitidez: depende basicamente da imobilidade corporal, distância do tubo, tamanho do foco (sistema de diafragmas e colimadores), e grade antidifusora ou bucky (absorve radiação secundária).
  • 21. The WHO Manual of Diagnostic Imaging
  • 22. Radiografia  Incidências básicas:  Póstero-Anterior (PA): raios X atravessam o corpo no sentido póstero-anterior. As estruturas mais anteriores do corpo serão melhor representadas no filme.
  • 26. Radiografia  Incidências básicas:  Antero-Posterior: raios X atravessam o corpo no sentido antero- posterior. Esta posição é utilizada para exames no leito, por exemplo.
  • 27. Radiografia  Incidências básicas:  Perfil ou látero-lateral: os raios X atravessam o corpo no sentido látero- lateral. No tórax, colocamos o lado esquerdo mais próximo do filme, para que a imagem cardíaca seja mais representativa do real.
  • 28. Radiografia  Principais utilidades:  Seios da face  Tórax  Abdome  Pelve  Ossos  Exames contrastados (ex.: esôfago)
  • 33. SUMÁRIO  Introdução à Radiologia  Métodos de imagem:  Radiografia (Raio X)  Tomografia Computadorizada (TC)  Ultrassonografia (US)  Ressonância Magnética (RM)
  • 34. Tomografia Computadorizada  Permite a aquisição de imagens através de cortes (secção, do prefixo grego tomo);  Possui três unidades básicas:  Unidade de varredura (gantry) = ampola + detectores  Unidade de computação  Unidade de apresentação da imagem (monitor e câmeras multiformato)
  • 35. Tomografia Computadorizada  Neste método, um feixe fino e altamente colimado de raios X, após atravessar o corpo, é captado por detectores de cintilação que se movem de 180-360 graus;  As imagens são obtidas isoladamente, e reconstruídas em grupo nos planos axial, sagital ou coronal.
  • 36. Fundamentals of Diagnostic Imaging, Brent & Helms, 3rd edition.
  • 37. Tomografia Computadorizada  A imagem que vemos na tela do monitor (bidimensional, os pixels) é na verdade a representação de elementos com volume (voxels);  Quanto maior for a espessura da secção, maior será a sobreposição de elementos na imagem formada.
  • 38. Em A, nódulo pulmonar visto no monitor do Em B, esquema representativo do tomógrafo, bidimensionalmente voxel e das diferentes densidades Fundamentals of Diagnostic Imaging, Brent & Helms, 3rd edition.
  • 39. Tomografia Computadorizada  Na radiografia usamos os termos opacidade x transparência; na TC, utilizaremos densidade. Ela varia de valores positivos a negativos.  A unidade utilizada para medir a densidade chama- se unidade Hounsfield (criador do método);  A água é utilizada como referência (0 Hounsfield).
  • 40. TECIDO UNIDADES (HU) Ar -1000 Pulmão -900 a -400 Gordura -110 a -65 Água 0 Líquor 0 a 10 Sangue normal 35 a 55 Sangue coagulado 80 Músculo 40 a 60 Fígado 50 a 85 Ossos 130 a 2.000
  • 41. VALORES AR = - 1000 HU PRÓXIMOS HIPODENSOS VALORES REFERÊNCIA = ÁGUA = ZERO PRÓXIMOS ISODENSOS VALORES OSSOS = ATÉ 2000 HU PRÓXIMOS HIPERDENSOS
  • 42. Tomografia Computadorizada  Vantagens:  Sem (ou pouca) superposição de imagens;  Capta diferenças mínimas de densidade tissular;  Processa imagens em diversos planos;  Rápido (usado em emergências);  Permite procedimentos concomitantes, como biópsias;  É um exame não-invasivo;  Permite o uso de substância de contraste;
  • 43. Tomografia Computadorizada  Desvantagens:  Maior quantidade de radiação ionizante;  Maior número de artefatos na imagem (metais);  Método mais caro que radiografia e ultrassom;  Alguns pacientes não podem utilizar contraste; PACIENTES ALÉRGICOS AO CONTRASTE IODADO PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL (CR>1,3) PACIENTES EM USO DE METFORMINA, INTERFERON E INTERLEUCINA II PACIENTES COM MIELOMA MÚLTIPLO
  • 44. Tomografia Computadorizada  Principais utilidades:  Crânio e SNC (AVE e trauma)  Coluna (discopatias, trauma)  Tórax (doenças pulmonares, focais e/ou difusas)  TCAR (TC de Alta Resolução) ou não?  Abdome (massas abdominais, trauma, entre outros)  Estadiamento de tumores
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 53. SUMÁRIO  Introdução à Radiologia  Métodos de imagem:  Radiografia (Raio X)  Tomografia Computadorizada (TC)  Ultrassonografia (US)  Ressonância Magnética (RM)
  • 54. Ultrassonografia  Por definição, envolve o espectro de ondas acima da faixa do som audível (> 20.000 ciclos/segundo);  Basicamente, o aparelho emite ondas de ultrassom que interagem com corpos/estruturas, gerando ecos, que são captados de volta e convertidos em imagem.
  • 55. Ultrassonografia  O aparelho possui um transdutor especial, com propriedades piezoelétricas que, quando submetidas a corrente elétrica alternada, vibram, produzindo o ultrassom;  Quando a onda é refletida, ocorre o inverso: o cristal deforma-se e gera energia elétrica, que será processada em imagem na tela.
  • 56.
  • 57. Ultrassonografia  O transdutor varia sua frequência conforme a região a ser estudada;  Quanto mais profundo o órgão a ser analisado, menor deve ser a frequencia, pois o comprimento de onda será maior;  Exemplo: fígado  3,5 MHz tireóide  7,5-10 MHz
  • 58. Ultrassonografia  Interpretação da imagem:  Anecóica: não emite eco, propagando a onda. Não havendo retorno, sua cor é preta. Exemplo: líquido, bile, urina, líquor. Gera reforço acústico posterior.  Hipoecóica: ocorre quando a onda atravessa tecidos com densidades de partes moles, como rim e pâncreas. Não gera reforço acústico posterior.
  • 59. Ultrassonogafria  Interpretação da imagem:  Hiperecóica: o som não ultrapassa a estrutura (cálcio, cálculos, ossos) ou interage com ela e se dispersa (gases). Há formação de sombra acústica posterior.
  • 60.
  • 61.
  • 62. Ultrassonografia  Cuidados que melhoram a qualidade do exame:  Gel aquoso: maior aderência transdutor x tecido  Transdutor adequado: transvaginal, transesofágico  Jejum e uso de laxativos para eliminar gases e fezes  Encher o estômago com líquido para facilitar acesso ao pâncreas, também para bexiga e órgãos pélvicos.
  • 63. Ultrassonografia  Principais utilidades:  SNC em crianças (transfontanelar)  Estudo da retina  Ecocardiografia (estrutura e função cardíaca)  Abdome (fígado, baço, pâncreas, rins, vasos)  Mama, tireóide, glândulas salivares, testículos  Sistema musculoesquelético  Pesquisa de líquido em cavidades
  • 64. SUMÁRIO  Introdução à Radiologia  Métodos de imagem:  Radiografia (Raio X)  Tomografia Computadorizada (TC)  Ultrassonografia (US)  Ressonância Magnética (RM)
  • 65. Ressonância Magnética (ou Ressonância Nuclear Magnética (RNM ou RM)  Baseia-se no comportamento dos prótons de hidrogênio (H+), que é o mais abundante do corpo humano (70% de água);  Ao entrar em um campo magnético intenso, dentro da sala do exame, os spins dos íons se alinham;
  • 66. Ressonância Magnética  Ao receberem uma frequencia de pulso (RF, ou pulso de radiofrequência), os spins deixam a posição inicial, havendo movimento; após a cessação do pulso, retornam ao alinhamento de origem;  A energia liberada desse processo é captada por antenas e transmitida ao computador, que formará a imagem.
  • 67. Ressonância Magnética  Pulsos de radiofrequências e periodicidades diferentes formarão imagens (sequências) diferentes para uma mesma região. (Ex: T1, T2, GE, FLAIR, STIR…)
  • 68. Ressonância Magnética  Componentes da RM:  Campo magnético principal  Sistema de estimulação-recepção  Sistema gradiente do campo magnético (pequenos ímãs de campos e locaizações variáveis que permitem as reconstruções tridimensionais das imagens)  Sistema de tratamento da imagem  Sistema de informatização
  • 69.
  • 70.
  • 71. Ressonância Magnética  Os pulsos são repetidos regularmente a intervalos chamados tempo de repetição (TR);  O tempo entre a emissão do FR e da chegada do sinal ao detector é chamado tempo de eco (TE);  Estas duas variáveis permitem formar imagens em T1 e T2 (essas siglas são padrões de tempo).
  • 72. Ressonância Magnética  Na RM, utiliza-se o termo intensidade para caracterizar as imagens obtidas:  Hipointensidade (ou hipossinal): escura  Isointensidade: média  Hiperintensidade: clara (branco)
  • 73.
  • 74.
  • 75. Ressonância Magnética  O contraste utilizado neste exame é o gadolíneo (substância paramagnética);  O uso é amplo (como na TC). Situações especiais:  Gravidez (utilizado)  Alergia conhecida ao iodo (TC)  Marca-passo cardíaco (contraindicado), e próteses metálicas de forma geral
  • 76. Ressonância Magnética  Vantagens:  Melhor detalhamento de estruturas  Aquisição de várias sequências e planos anatômicos  Não utiliza radiação ionizante  Baixo índice de reações adversas ao contraste  Desvantagens:  Exame demorado (pouco útil na emergência)  Contra-indicações absolutas e relativas
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80. Referências Bibliográficas  Bushong, Ciência Radiológica para tecnólogos, 9a ed. Elsevier, 2010.  Marchiori, Introdução à Radiologia, 1a ed. Guanabara Koogan, 2009.  Brant & Helms, Fundamentos de Radiologia, 3a ed. Gen, 2008.  Novelline, Fundamentos de Radiologia de Squire, 5a ed. Artmed, 1999.