SlideShare uma empresa Scribd logo
TCTC
TomografiaTomografia
ComputadorizadaComputadorizada
HistóricoHistórico
18951895 –– Descoberta dos Raios-XDescoberta dos Raios-X
(Roentgem)(Roentgem)
19721972 –– Londres (Hounsfield e Ambrose)Londres (Hounsfield e Ambrose)
1° TC1° TC
1979 - Prêmio Nobel de Medicina1979 - Prêmio Nobel de Medicina
(Hounsfield)(Hounsfield)
1982 - Introdu1982 - Introduçção da Tomografiaão da Tomografia
Computadorizada EspiralComputadorizada Espiral
•Protótipo
•O primeiro
•Modelo atual
FuncionamentoFuncionamento
Desde o 1o. tomógrafo, osDesde o 1o. tomógrafo, os
princípios básicos de funcionamentoprincípios básicos de funcionamento
permanecem até hoje, com um tubopermanecem até hoje, com um tubo
de raios-X que gira em torno dode raios-X que gira em torno do
paciente, emitindo radiação depaciente, emitindo radiação de
forma constante através de umforma constante através de um
feixe extremamente colimado.feixe extremamente colimado.
FuncionamentoFuncionamento
• Esta radiação atravessa oEsta radiação atravessa o
paciente e atinge uma camadapaciente e atinge uma camada
de detectores no lado oposto dode detectores no lado oposto do
tubotubo
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Princípios FísicosPrincípios Físicos
Produção dos Raios-XProdução dos Raios-X
Voltagem (kV) = forçaVoltagem (kV) = força
Corrente (mAs) = intensidadeCorrente (mAs) = intensidade
Atenuação dos Raios-XAtenuação dos Raios-X
Princípios FísicosPrincípios Físicos
A ampola de raios-x éA ampola de raios-x é
semelhante a convencional,semelhante a convencional,
porém o KV é fixo (120 e 140)porém o KV é fixo (120 e 140)
e os raios são filtrados dee os raios são filtrados de
maneira que se obtenha apenasmaneira que se obtenha apenas
radiação de alta energiaradiação de alta energia
Princípios FísicosPrincípios Físicos
O feixe de radiação é colimado deO feixe de radiação é colimado de
modo a formar um lequemodo a formar um leque
Esse parâmetro pode ser ajustadoEsse parâmetro pode ser ajustado
pelo operador antes de iniciar opelo operador antes de iniciar o
exameexame
A espessura da imagem obtida =A espessura da imagem obtida =
espessura do feixe de raios-xespessura do feixe de raios-x
programadoprogramado
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Gerações da TCGerações da TC
1ª geração1ª geração
movimento demovimento de
translação/rotaçãotranslação/rotação
detector únicodetector único
tempo de corte: 5tempo de corte: 5
minmin
Gerações da TCGerações da TC
2ª geração2ª geração
movimento demovimento de
translação/rotaçãotranslação/rotação
feixe em lequefeixe em leque
nº detectoresnº detectores
tempo de corte:tempo de corte:
18 seg18 seg
Gerações da TCGerações da TC
3ª geração3ª geração
movimento demovimento de
rotaçãorotação
feixe em lequefeixe em leque
nº detectoresnº detectores
tempo de corte:tempo de corte:
2 a 10 seg2 a 10 seg
Gerações da TCGerações da TC
4ª geração4ª geração
movimento demovimento de
rotaçãorotação
feixe em lequefeixe em leque
detectoresdetectores
estacionáriosestacionários
tempo de corte:tempo de corte:
2 segundos2 segundos
Gerações da TCGerações da TC
5ª geração5ª geração
(Helicoidal)(Helicoidal)
Movimento de rotaçãoMovimento de rotação
do tubo de raio-Xdo tubo de raio-X
com translação dacom translação da
mesa, permitindomesa, permitindo
aquisição volumétricaaquisição volumétrica
de dados ede dados e
conseqüentemente,conseqüentemente,
estudos vasculares,porestudos vasculares,por
fases e reconstruçõesfases e reconstruções
multiplanares 2D e 3Dmultiplanares 2D e 3D..
O AparelhoO Aparelho
GantryGantry
Maca dinâmicaMaca dinâmica
Equipamentos médicosEquipamentos médicos
Console e monitorConsole e monitor
Estação de trabalhoEstação de trabalho
COMPONENTES DA TCCOMPONENTES DA TC
( vista externa)( vista externa)
GANTRYGANTRY
MESAMESA
GERADORGERADOR
CONSOLECONSOLE
COMPUTADORCOMPUTADOR
CONSOLE
COMPUTADO
R
Mesa
Gantry
GERADOR
TUBOTUBO
DETECTORDETECTOR
TUBO
DETECTOR
COMPONENTES DA TCCOMPONENTES DA TC
( vista interna)( vista interna)
DETECTORESDETECTORES
TIPOS DETIPOS DE
DETECTORESDETECTORES
GÁS (Xenônio)GÁS (Xenônio)
SÓLIDO (cristaisSÓLIDO (cristais
de cintilaçãode cintilação
DETECTORESDETECTORES
Convertem a radiação X emConvertem a radiação X em
sinais elétricos, os quais sãosinais elétricos, os quais são
enviados a um computador que osenviados a um computador que os
transforma em imagens atravéstransforma em imagens através
de complexos cálculosde complexos cálculos
matemáticos.matemáticos.
SISTEMA COM DETECTOR A GÁS
XENÔNIO
OSSO
OSSO
TECIDOS
MOLES
GORDURA
ÁGUA
AR
R
A
I
O
S
X
DETECTOR
i
i
i
i
i
COMPUTADOR
CABOS
1
3
5
8
10
OS RAIOS-X SÃO CONVERTIDOS DIRETAMENTEOS RAIOS-X SÃO CONVERTIDOS DIRETAMENTE
EM SINAL ELÉTRICO (PROCESSO DE ESTÁGIOEM SINAL ELÉTRICO (PROCESSO DE ESTÁGIO
ÚNICO)ÚNICO)
Formação da ImagemFormação da Imagem
Representação de
um objeto por
múltiplas
projeções de raio
Quando o feixe de raios-x atravessa oQuando o feixe de raios-x atravessa o
paciente, ele sofre maior ou menorpaciente, ele sofre maior ou menor
atenuação e atinge os detectores no ladoatenuação e atinge os detectores no lado
oposto do tubooposto do tubo
Estes transformam as diversasEstes transformam as diversas
intensidades de radiação em impulsosintensidades de radiação em impulsos
elétricos, que são transferidos para umelétricos, que são transferidos para um
computadorcomputador
Formação da ImagemFormação da Imagem
Representação de
um objeto por
múltiplas
projeções de
raio
A área onde o paciente está é dividida,A área onde o paciente está é dividida,
virtualmente, em quadrados, formandovirtualmente, em quadrados, formando
uma grade.uma grade.
Cada quadrado éCada quadrado é
denominadodenominado PIXELPIXEL
Formação da ImagemFormação da Imagem
Representação de
um objeto por
múltiplas
projeções de
raio
A grade que é formada pelos pixelsA grade que é formada pelos pixels
tem sempre um formato quadrado outem sempre um formato quadrado ou
retangular e é denominadaretangular e é denominada MATRIZMATRIZ
35 36 3934 33
31 34 33 35 32
31 80 85 9078
Formação da ImagemFormação da Imagem
Representação de
um objeto por
múltiplas
projeções de
raio
Quanto maior o no. de pixels atribuídoQuanto maior o no. de pixels atribuído
para uma determinada área, menor opara uma determinada área, menor o
tamanho dos mesmos e,tamanho dos mesmos e,
conseqüentemente, maior a definição daconseqüentemente, maior a definição da
imagem.imagem.
Melhorar a definição da imagem =Melhorar a definição da imagem =
aumentar no. de pixels =aumentar no. de pixels = aumentar aaumentar a
matrizmatriz
Formação da ImagemFormação da Imagem
Representação de
um objeto por
múltiplas
projeções de
raio
Como cada imagem gerada possui umaComo cada imagem gerada possui uma
espessura o VOXEL é um cubo cuja alturaespessura o VOXEL é um cubo cuja altura
é formada pela espessura do corteé formada pela espessura do corte
Formação da ImagemFormação da Imagem
Representação de
um objeto por
múltiplas
projeções de raio
RESUMORESUMO
VoxelVoxel (elemento de(elemento de
volume)volume)
PixelPixel (elemento de(elemento de
imagem)imagem)
Escala de cinzaEscala de cinza
(Hounsfield)(Hounsfield)
Valor de densidadeValor de densidade
MatrizMatriz
FOVFOV
F.O.V. = Field of View = campo deF.O.V. = Field of View = campo de
visãovisão
Quando colocamos um paciente naQuando colocamos um paciente na
mesa, o aparelho entende que toda amesa, o aparelho entende que toda a
área entre o tubo e os detectores estáárea entre o tubo e os detectores está
sendo examinada, e a ela aplica umasendo examinada, e a ela aplica uma
matriz fixa.matriz fixa.
Matriz fixa em área grande =Matriz fixa em área grande = pixelpixel
maior =maior = menor qualidade da imagemmenor qualidade da imagem
CT = 1000 (Cada estrutura no corpo humanoCada estrutura no corpo humano
tem uma densidade diferente.tem uma densidade diferente.
Os coeficientes de atenuação sãoOs coeficientes de atenuação são
medidos em Unidades Hounsfieldmedidos em Unidades Hounsfield
(UH)(UH)
Nesta escala, é atribuído o valorNesta escala, é atribuído o valor
0 para a água e -1.000 para o ar.0 para a água e -1.000 para o ar.
Esses valores são representadosEsses valores são representados
na imagem por tons de cinza.na imagem por tons de cinza.
Número CTNúmero CT
CT = 1000 (A água é utilizada como referência porqueA água é utilizada como referência porque
seu coeficiente de atenuação é similar aoseu coeficiente de atenuação é similar ao
dos tecidos moles, e é um material fácil dedos tecidos moles, e é um material fácil de
se obter para calibrar os aparelhos. Ose obter para calibrar os aparelhos. O
coeficiente 1000 é utilizado para obtercoeficiente 1000 é utilizado para obter
números inteiros. O número CT, ounúmeros inteiros. O número CT, ou
coeficiente de Hounsfield, é definido comocoeficiente de Hounsfield, é definido como
-1000 para o ar e 0 para a água. Para os-1000 para o ar e 0 para a água. Para os
tecidos em geral, ele depende da energiatecidos em geral, ele depende da energia
do feixe empregado. O número CT dosdo feixe empregado. O número CT dos
ossos é de +1000.ossos é de +1000.
Número CTNúmero CT
Padrões de AtenuaçãoPadrões de Atenuação
Padrão “ar”Padrão “ar”
Padrão “água”Padrão “água”
Padrão “cálcio”Padrão “cálcio”
Escala de HounsfieldEscala de Hounsfield
Janela
+1000
-1000
0 Nível
Ossos
Água
Ar
Tecido CT
Ar -1000
Pulmão -900 a -400
Gordura -110 a -65
Água 0
Rim 30
Sangue normal 35 a 55
Sangue coagulado 80
Músculo 40 a 60
Fígado 50 a 85
Ossos 600 a 1000
Número CTNúmero CT
VALOR DE DENSIDADE DE TECIDOS
VALOR DE DENSIDADE DE TECIDOS
U H :
UNIDADES
HOUNSFIELD
+ 1000
+ 60
+ 40
0
- 1000
- 400
- 200
-100
ÁGUA
MAMA
AR
OSSO
CORTICAL
OSSO
MEDULAR BAÇO
G
O
R
D
U
R
A
PAN-
CREAS
RINS
P
U
L
M
Ã
O
SUPRA
RENAL
S
A
N
G
U
E
F
Í
G
A
D
O INTES-
TINO
CORA-
ÇÃO
T
U
M
O
R BEXI-
GA
CT = 1000 (Na TC helicoidal, o tubo deNa TC helicoidal, o tubo de
raios-x efetua giros de 360raios-x efetua giros de 360
graus ininterruptamente aograus ininterruptamente ao
redor do paciente.redor do paciente.
A mesa de exame se deslocaA mesa de exame se desloca
com velocidade constante pré-com velocidade constante pré-
programada através do gantryprogramada através do gantry
PITCHPITCH
CT = 1000 (
Essa velocidade da mesa éEssa velocidade da mesa é
regulada peloregulada pelo PITCHPITCH
Aumentando o pitch, aumentaAumentando o pitch, aumenta
a velocidade de progressão daa velocidade de progressão da
mesamesa
O tamanho do Pitch refere-seO tamanho do Pitch refere-se
ao espaço entre as voltas aao espaço entre as voltas a
cada 360 graus e o movimentocada 360 graus e o movimento
da mesa.da mesa.
PITCHPITCH
Pitch
“Distância
entre as
voltas da
mola”
PITCHPITCH
PITCH :PITCH :
MOVIMENTO DA MESA POR ROTAÇÃO DIVIDIDO PELAMOVIMENTO DA MESA POR ROTAÇÃO DIVIDIDO PELA
ESPESSURA DE CORTEESPESSURA DE CORTE
PITCH =
Movimento da mesa / rotação
Espessura de corte
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Pitch menor implica em maior
aquisição (rotações completas ou
duplicadas), mais informação e
melhor imagem
Pitch maior que 1,5 (single
channel) implica em “voltas
incompletas” e perda equivalente
da qualidade da imagem.
Quanto < pitch = > dose
radiação = > resolução
espacial = > tempo de apnéia
Quanto > pitch = < dose
radiação = < resolução
espacial = < tempo de apnéia
TomografiaTomografia
ComputadorizadaComputadorizada
RESUMORESUMO
COMO FUNCIONA A TC ?COMO FUNCIONA A TC ?
RECON &
PÓS-
PROCESSAMENTO
RECON &
PÓS-
PROCESSAMENTO
AQUISIÇÃO DE DADOSAQUISIÇÃO DE DADOS
GERAÇÃO DO RAIO-XGERAÇÃO DO RAIO-X
O “SLICE”O “SLICE”
* O RAIO-X PASSA ATRAVÉS DO COLIMADOR DE FORMAO RAIO-X PASSA ATRAVÉS DO COLIMADOR DE FORMA
QUE ESSE SOMENTE PENETRA NA CAMADA AXIAL DOQUE ESSE SOMENTE PENETRA NA CAMADA AXIAL DO
OBJETO, CHAMADO DEOBJETO, CHAMADO DE "SLICE""SLICE"
* O SLICE É ARTIFICIALMENTEO SLICE É ARTIFICIALMENTE
DIVIDIDO EM PEQUENOSDIVIDIDO EM PEQUENOS
ELEMENTOS DE VOLUMEELEMENTOS DE VOLUME
CHAMADOSCHAMADOS "VOXELS" ."VOXELS" .
* NO PLANO, OS ELEMENTOS* NO PLANO, OS ELEMENTOS
DA FIGURA SÃO CHAMADOSDA FIGURA SÃO CHAMADOS
DEDE “PIXELS”“PIXELS”
O “VOXEL” E O “PIXEL”O “VOXEL” E O “PIXEL”
* O VALOR DA ATENUAÇÃO DA RADIAÇÃO* O VALOR DA ATENUAÇÃO DA RADIAÇÃO
É MEDIDO, CODIFICADO E TRANSFERIDOÉ MEDIDO, CODIFICADO E TRANSFERIDO
PARA O COMPUTADOR.PARA O COMPUTADOR.
A “MATRIZ”A “MATRIZ”
35 36 3934 33
31 34 33 35 32
31 80 85 9078
A MATRIZ NUMÉRICA É CONVERTIDA EMA MATRIZ NUMÉRICA É CONVERTIDA EM
IMAGEM PRETO E BRANCOIMAGEM PRETO E BRANCO
CORRESPONDENTE A UMA ESCALA DECORRESPONDENTE A UMA ESCALA DE
CINZA.CINZA.
GERAÇÃO DA IMAGEMGERAÇÃO DA IMAGEM
35 36 3934 33
31 3433 35 32
31 80 85 9078
Tomografia
Computadorizada
Espiral (TCE)
Tomografia Helicoidal
Aquisição volumétrica de dados, feitaAquisição volumétrica de dados, feita
de modo contínuo, enquanto a mesa éde modo contínuo, enquanto a mesa é
movida para o interior do gantry numamovida para o interior do gantry numa
velocidade constantevelocidade constante
 A fonte de Raio-X faz rotações aoA fonte de Raio-X faz rotações ao
redor do pacienteredor do paciente
 A mesa move-se numa velocidadeA mesa move-se numa velocidade
constanteconstante
A RESPIRAÇÃO ERA O PROBLEMA...A RESPIRAÇÃO ERA O PROBLEMA...
SOLUÇÃO : TC ESPIRAL ou
HELICOIDAL
Caro paciente, sua lesão não foi
detectada porque você não
manteve o mesmo nível de
respiração em cada scan...
2D CORTE 3D VOLUME
TC CONVENCIONAL VS. TC SPIRAL ...TC CONVENCIONAL VS. TC SPIRAL ...
• ROTAÇÃO DO TUBO/DETECTORROTAÇÃO DO TUBO/DETECTOR CONTÍNUACONTÍNUA
• RADIAÇÃORADIAÇÃO CONTÍNUACONTÍNUA
• AQUISIÇÃO DE DADOSAQUISIÇÃO DE DADOS CONTÍNUACONTÍNUA
• MOVIMENTO DA MESAMOVIMENTO DA MESA CONTÍNUOCONTÍNUO
TC ESPIRAL = SCAN VOLUMÉTRICO
OS 4 “C”s DA TC ESPIRALOS 4 “C”s DA TC ESPIRAL
SCAN DE UM VOLUME INTEIRO EM UMASCAN DE UM VOLUME INTEIRO EM UMA
RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO
NENHUM “VAZIO” NA INFORMAÇÃONENHUM “VAZIO” NA INFORMAÇÃO
IMAGENS SOBREPOSTAS (OVERLAPPING) PODEMIMAGENS SOBREPOSTAS (OVERLAPPING) PODEM
SER RECONSTRUÍDAS SEM DOSE ADICIONALSER RECONSTRUÍDAS SEM DOSE ADICIONAL
ALTA QUALIDADE DE DADOS PARAALTA QUALIDADE DE DADOS PARA
VISUALIZAÇÃO 3DVISUALIZAÇÃO 3D
E OUTROS PÓS-PROCESSAMENTOSE OUTROS PÓS-PROCESSAMENTOS
VANTAGENS DA TC ESPIRAL...VANTAGENS DA TC ESPIRAL...
Vantagens da TCE
Redução dos artefatos
respiratórios e de movimentos
Redução nos tempos de exame
Maior conforto para o paciente
Menor dose de radiação
Melhor visualização de
estruturas vasculares
Vantagens da TCE
Menor quantidade de contraste
Reconstrução retrospectiva de cortes
Reconstruções multiplanares (MPR) e
tridimensionais (3D)
Angiotomografia e Endoscopia Virtual
Imagens contínuas sem a perda de
lesões por deslocamento dos órgãos
internos
Artefatos
1.Artefatos metálicos (próteses)
2.Movimentos fisiológicos detectáveis
(cardíaco)
3.Materiais resinados de alta densidade
(próteses)
4.Diferença extrema de densidade
entre tecidos adjacentes
5.Escolha imprópria da técnica de
exame
O que pode causar artefatos:
Vehicles Mobile CT Systems
Vehicles Mobile
CT Systems
Planejamento
para
Radioterapia
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio LinharesExames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Mardônio Linhares
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
Rodrigo Ribeiro Jr.
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
Profissão Professor
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
Amanda Azevêdo
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
Nilton Campos
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
grtalves
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Rafael Sciammarella
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
Valdetrudes Júnior
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
Willian R. Bandeira
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
Ailton de Sousa Gonçalves
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Pedro Antonio
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
radiomed
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
Davi Alves da Silva
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICARADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Paulo Fonseca
 
Reconstruções: TC e RM
Reconstruções: TC e RMReconstruções: TC e RM
Reconstruções: TC e RM
Herculys Douglas Clímaco Marques
 

Mais procurados (20)

Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio LinharesExames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
Exames Radiológicos-Otimização de Imagens - TR Mardônio Linhares
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
Ressonancia magnetica
Ressonancia magneticaRessonancia magnetica
Ressonancia magnetica
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
 
Ressonancia Magnetica
Ressonancia MagneticaRessonancia Magnetica
Ressonancia Magnetica
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
Radiologia digital
Radiologia digitalRadiologia digital
Radiologia digital
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICARADIOLOGIA PEDIÁTRICA
RADIOLOGIA PEDIÁTRICA
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
Reconstruções: TC e RM
Reconstruções: TC e RMReconstruções: TC e RM
Reconstruções: TC e RM
 

Destaque

Aula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância Magnética
Aula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância MagnéticaAula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância Magnética
Aula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância Magnética
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Jaqueline Almeida
 
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Jaqueline Almeida
 
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento BacterianoBacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacterianoAula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Jaqueline Almeida
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Jaqueline Almeida
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de ÓrgãosAula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Jaqueline Almeida
 

Destaque (18)

Aula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância Magnética
Aula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância MagnéticaAula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância Magnética
Aula de Imagenologia sobre Segurança em Ressonância Magnética
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento BacterianoBacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacterianoAula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
Aula de Microbiologia Clínica sobre Metabolismo bacteriano
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de ÓrgãosAula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
 

Semelhante a Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada

Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
Joel Rodrigues
 
Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
rafael severin
 
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptxEQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
SrgioMAntnio
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
Luanapqt
 
Capítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_posCapítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_pos
Gilberto Pimentel
 
Som
SomSom
Aula 22 realizando o ensaio de ultra-som
Aula 22   realizando o ensaio de ultra-somAula 22   realizando o ensaio de ultra-som
Aula 22 realizando o ensaio de ultra-som
Renaldo Adriano
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
Gabriel da Cruz
 
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Apostila tomografia   prof. ricardo pereiraApostila tomografia   prof. ricardo pereira
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Marcelo Martelli Rossilho
 
osciloscópio fácil .pdf
osciloscópio fácil .pdfosciloscópio fácil .pdf
osciloscópio fácil .pdf
ArizioAmorimRochaJun
 
Principio básico de funcionamento sensor de estacionamento Ibertec
Principio básico de funcionamento sensor de estacionamento IbertecPrincipio básico de funcionamento sensor de estacionamento Ibertec
Principio básico de funcionamento sensor de estacionamento Ibertec
ibertec
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
MonicaTapety
 
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TCTOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
FlavioDonatoRodrigue
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
Luanapqt
 
1ª tc[1].ppt cópia
1ª tc[1].ppt   cópia1ª tc[1].ppt   cópia
1ª tc[1].ppt cópia
Douglas Henrique
 
Tomografos
TomografosTomografos
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
Alexandre Souza Rodrigues
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
Lorem Morais
 
Seminário OCT
Seminário OCTSeminário OCT
Seminário OCT
Mariana Carvalho
 
Largura de banda.docx
Largura de banda.docxLargura de banda.docx
Largura de banda.docx
JeanLima84
 

Semelhante a Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada (20)

Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
 
Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
 
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptxEQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Capítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_posCapítulo 3 2014_pos
Capítulo 3 2014_pos
 
Som
SomSom
Som
 
Aula 22 realizando o ensaio de ultra-som
Aula 22   realizando o ensaio de ultra-somAula 22   realizando o ensaio de ultra-som
Aula 22 realizando o ensaio de ultra-som
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
 
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Apostila tomografia   prof. ricardo pereiraApostila tomografia   prof. ricardo pereira
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
 
osciloscópio fácil .pdf
osciloscópio fácil .pdfosciloscópio fácil .pdf
osciloscópio fácil .pdf
 
Principio básico de funcionamento sensor de estacionamento Ibertec
Principio básico de funcionamento sensor de estacionamento IbertecPrincipio básico de funcionamento sensor de estacionamento Ibertec
Principio básico de funcionamento sensor de estacionamento Ibertec
 
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdfOficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
Oficina_Raios-X_agosto2011_Mario.pdf
 
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TCTOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
TOMO_AULA_02_Fisica.pdf TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E FISICA DA TC
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
 
1ª tc[1].ppt cópia
1ª tc[1].ppt   cópia1ª tc[1].ppt   cópia
1ª tc[1].ppt cópia
 
Tomografos
TomografosTomografos
Tomografos
 
Ensaio por raio x
Ensaio por raio xEnsaio por raio x
Ensaio por raio x
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
 
Seminário OCT
Seminário OCTSeminário OCT
Seminário OCT
 
Largura de banda.docx
Largura de banda.docxLargura de banda.docx
Largura de banda.docx
 

Mais de Jaqueline Almeida

Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma LattesAula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Jaqueline Almeida
 
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológicoAula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
Jaqueline Almeida
 
Aula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológico
Aula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológicoAula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológico
Aula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológico
Jaqueline Almeida
 
Aula de Engenharia Genética sobre PCR
Aula de Engenharia Genética sobre PCRAula de Engenharia Genética sobre PCR
Aula de Engenharia Genética sobre PCR
Jaqueline Almeida
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e AmostrasAula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Jaqueline Almeida
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre PipetagemAula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Jaqueline Almeida
 
Atividade de IMAGENS
Atividade de IMAGENSAtividade de IMAGENS
Atividade de IMAGENS
Jaqueline Almeida
 
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPVAula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Jaqueline Almeida
 
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNAAula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Jaqueline Almeida
 

Mais de Jaqueline Almeida (12)

Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
 
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma LattesAula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
 
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológicoAula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
 
Aula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológico
Aula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológicoAula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológico
Aula sobre Carcinoma – aspecto clínico e citológico
 
Aula de Engenharia Genética sobre PCR
Aula de Engenharia Genética sobre PCRAula de Engenharia Genética sobre PCR
Aula de Engenharia Genética sobre PCR
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e AmostrasAula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Coleta e Amostras
 
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre PipetagemAula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
Aula de Instrumentação Biomédica sobre Pipetagem
 
Atividade de IMAGENS
Atividade de IMAGENSAtividade de IMAGENS
Atividade de IMAGENS
 
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPVAula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
Aula sobre Papiloma Vírus Humano HPV
 
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNAAula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
Aula de Clonagem e Vetores e bibliotecas de DNA
 

Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada

  • 2. HistóricoHistórico 18951895 –– Descoberta dos Raios-XDescoberta dos Raios-X (Roentgem)(Roentgem) 19721972 –– Londres (Hounsfield e Ambrose)Londres (Hounsfield e Ambrose) 1° TC1° TC 1979 - Prêmio Nobel de Medicina1979 - Prêmio Nobel de Medicina (Hounsfield)(Hounsfield) 1982 - Introdu1982 - Introduçção da Tomografiaão da Tomografia Computadorizada EspiralComputadorizada Espiral
  • 4. FuncionamentoFuncionamento Desde o 1o. tomógrafo, osDesde o 1o. tomógrafo, os princípios básicos de funcionamentoprincípios básicos de funcionamento permanecem até hoje, com um tubopermanecem até hoje, com um tubo de raios-X que gira em torno dode raios-X que gira em torno do paciente, emitindo radiação depaciente, emitindo radiação de forma constante através de umforma constante através de um feixe extremamente colimado.feixe extremamente colimado.
  • 5. FuncionamentoFuncionamento • Esta radiação atravessa oEsta radiação atravessa o paciente e atinge uma camadapaciente e atinge uma camada de detectores no lado oposto dode detectores no lado oposto do tubotubo
  • 7. Princípios FísicosPrincípios Físicos Produção dos Raios-XProdução dos Raios-X Voltagem (kV) = forçaVoltagem (kV) = força Corrente (mAs) = intensidadeCorrente (mAs) = intensidade Atenuação dos Raios-XAtenuação dos Raios-X
  • 8. Princípios FísicosPrincípios Físicos A ampola de raios-x éA ampola de raios-x é semelhante a convencional,semelhante a convencional, porém o KV é fixo (120 e 140)porém o KV é fixo (120 e 140) e os raios são filtrados dee os raios são filtrados de maneira que se obtenha apenasmaneira que se obtenha apenas radiação de alta energiaradiação de alta energia
  • 9. Princípios FísicosPrincípios Físicos O feixe de radiação é colimado deO feixe de radiação é colimado de modo a formar um lequemodo a formar um leque Esse parâmetro pode ser ajustadoEsse parâmetro pode ser ajustado pelo operador antes de iniciar opelo operador antes de iniciar o exameexame A espessura da imagem obtida =A espessura da imagem obtida = espessura do feixe de raios-xespessura do feixe de raios-x programadoprogramado
  • 11. Gerações da TCGerações da TC 1ª geração1ª geração movimento demovimento de translação/rotaçãotranslação/rotação detector únicodetector único tempo de corte: 5tempo de corte: 5 minmin
  • 12. Gerações da TCGerações da TC 2ª geração2ª geração movimento demovimento de translação/rotaçãotranslação/rotação feixe em lequefeixe em leque nº detectoresnº detectores tempo de corte:tempo de corte: 18 seg18 seg
  • 13. Gerações da TCGerações da TC 3ª geração3ª geração movimento demovimento de rotaçãorotação feixe em lequefeixe em leque nº detectoresnº detectores tempo de corte:tempo de corte: 2 a 10 seg2 a 10 seg
  • 14. Gerações da TCGerações da TC 4ª geração4ª geração movimento demovimento de rotaçãorotação feixe em lequefeixe em leque detectoresdetectores estacionáriosestacionários tempo de corte:tempo de corte: 2 segundos2 segundos
  • 15. Gerações da TCGerações da TC 5ª geração5ª geração (Helicoidal)(Helicoidal) Movimento de rotaçãoMovimento de rotação do tubo de raio-Xdo tubo de raio-X com translação dacom translação da mesa, permitindomesa, permitindo aquisição volumétricaaquisição volumétrica de dados ede dados e conseqüentemente,conseqüentemente, estudos vasculares,porestudos vasculares,por fases e reconstruçõesfases e reconstruções multiplanares 2D e 3Dmultiplanares 2D e 3D..
  • 16. O AparelhoO Aparelho GantryGantry Maca dinâmicaMaca dinâmica Equipamentos médicosEquipamentos médicos Console e monitorConsole e monitor Estação de trabalhoEstação de trabalho
  • 17. COMPONENTES DA TCCOMPONENTES DA TC ( vista externa)( vista externa) GANTRYGANTRY MESAMESA GERADORGERADOR CONSOLECONSOLE COMPUTADORCOMPUTADOR CONSOLE COMPUTADO R Mesa Gantry GERADOR
  • 19. DETECTORESDETECTORES TIPOS DETIPOS DE DETECTORESDETECTORES GÁS (Xenônio)GÁS (Xenônio) SÓLIDO (cristaisSÓLIDO (cristais de cintilaçãode cintilação
  • 20. DETECTORESDETECTORES Convertem a radiação X emConvertem a radiação X em sinais elétricos, os quais sãosinais elétricos, os quais são enviados a um computador que osenviados a um computador que os transforma em imagens atravéstransforma em imagens através de complexos cálculosde complexos cálculos matemáticos.matemáticos.
  • 21. SISTEMA COM DETECTOR A GÁS XENÔNIO OSSO OSSO TECIDOS MOLES GORDURA ÁGUA AR R A I O S X DETECTOR i i i i i COMPUTADOR CABOS 1 3 5 8 10 OS RAIOS-X SÃO CONVERTIDOS DIRETAMENTEOS RAIOS-X SÃO CONVERTIDOS DIRETAMENTE EM SINAL ELÉTRICO (PROCESSO DE ESTÁGIOEM SINAL ELÉTRICO (PROCESSO DE ESTÁGIO ÚNICO)ÚNICO)
  • 22. Formação da ImagemFormação da Imagem Representação de um objeto por múltiplas projeções de raio Quando o feixe de raios-x atravessa oQuando o feixe de raios-x atravessa o paciente, ele sofre maior ou menorpaciente, ele sofre maior ou menor atenuação e atinge os detectores no ladoatenuação e atinge os detectores no lado oposto do tubooposto do tubo Estes transformam as diversasEstes transformam as diversas intensidades de radiação em impulsosintensidades de radiação em impulsos elétricos, que são transferidos para umelétricos, que são transferidos para um computadorcomputador
  • 23. Formação da ImagemFormação da Imagem Representação de um objeto por múltiplas projeções de raio A área onde o paciente está é dividida,A área onde o paciente está é dividida, virtualmente, em quadrados, formandovirtualmente, em quadrados, formando uma grade.uma grade. Cada quadrado éCada quadrado é denominadodenominado PIXELPIXEL
  • 24. Formação da ImagemFormação da Imagem Representação de um objeto por múltiplas projeções de raio A grade que é formada pelos pixelsA grade que é formada pelos pixels tem sempre um formato quadrado outem sempre um formato quadrado ou retangular e é denominadaretangular e é denominada MATRIZMATRIZ 35 36 3934 33 31 34 33 35 32 31 80 85 9078
  • 25. Formação da ImagemFormação da Imagem Representação de um objeto por múltiplas projeções de raio Quanto maior o no. de pixels atribuídoQuanto maior o no. de pixels atribuído para uma determinada área, menor opara uma determinada área, menor o tamanho dos mesmos e,tamanho dos mesmos e, conseqüentemente, maior a definição daconseqüentemente, maior a definição da imagem.imagem. Melhorar a definição da imagem =Melhorar a definição da imagem = aumentar no. de pixels =aumentar no. de pixels = aumentar aaumentar a matrizmatriz
  • 26. Formação da ImagemFormação da Imagem Representação de um objeto por múltiplas projeções de raio Como cada imagem gerada possui umaComo cada imagem gerada possui uma espessura o VOXEL é um cubo cuja alturaespessura o VOXEL é um cubo cuja altura é formada pela espessura do corteé formada pela espessura do corte
  • 27. Formação da ImagemFormação da Imagem Representação de um objeto por múltiplas projeções de raio
  • 28. RESUMORESUMO VoxelVoxel (elemento de(elemento de volume)volume) PixelPixel (elemento de(elemento de imagem)imagem) Escala de cinzaEscala de cinza (Hounsfield)(Hounsfield) Valor de densidadeValor de densidade MatrizMatriz
  • 29. FOVFOV F.O.V. = Field of View = campo deF.O.V. = Field of View = campo de visãovisão Quando colocamos um paciente naQuando colocamos um paciente na mesa, o aparelho entende que toda amesa, o aparelho entende que toda a área entre o tubo e os detectores estáárea entre o tubo e os detectores está sendo examinada, e a ela aplica umasendo examinada, e a ela aplica uma matriz fixa.matriz fixa. Matriz fixa em área grande =Matriz fixa em área grande = pixelpixel maior =maior = menor qualidade da imagemmenor qualidade da imagem
  • 30. CT = 1000 (Cada estrutura no corpo humanoCada estrutura no corpo humano tem uma densidade diferente.tem uma densidade diferente. Os coeficientes de atenuação sãoOs coeficientes de atenuação são medidos em Unidades Hounsfieldmedidos em Unidades Hounsfield (UH)(UH) Nesta escala, é atribuído o valorNesta escala, é atribuído o valor 0 para a água e -1.000 para o ar.0 para a água e -1.000 para o ar. Esses valores são representadosEsses valores são representados na imagem por tons de cinza.na imagem por tons de cinza. Número CTNúmero CT
  • 31. CT = 1000 (A água é utilizada como referência porqueA água é utilizada como referência porque seu coeficiente de atenuação é similar aoseu coeficiente de atenuação é similar ao dos tecidos moles, e é um material fácil dedos tecidos moles, e é um material fácil de se obter para calibrar os aparelhos. Ose obter para calibrar os aparelhos. O coeficiente 1000 é utilizado para obtercoeficiente 1000 é utilizado para obter números inteiros. O número CT, ounúmeros inteiros. O número CT, ou coeficiente de Hounsfield, é definido comocoeficiente de Hounsfield, é definido como -1000 para o ar e 0 para a água. Para os-1000 para o ar e 0 para a água. Para os tecidos em geral, ele depende da energiatecidos em geral, ele depende da energia do feixe empregado. O número CT dosdo feixe empregado. O número CT dos ossos é de +1000.ossos é de +1000. Número CTNúmero CT
  • 32. Padrões de AtenuaçãoPadrões de Atenuação Padrão “ar”Padrão “ar” Padrão “água”Padrão “água” Padrão “cálcio”Padrão “cálcio”
  • 33. Escala de HounsfieldEscala de Hounsfield Janela +1000 -1000 0 Nível Ossos Água Ar
  • 34. Tecido CT Ar -1000 Pulmão -900 a -400 Gordura -110 a -65 Água 0 Rim 30 Sangue normal 35 a 55 Sangue coagulado 80 Músculo 40 a 60 Fígado 50 a 85 Ossos 600 a 1000 Número CTNúmero CT
  • 35. VALOR DE DENSIDADE DE TECIDOS VALOR DE DENSIDADE DE TECIDOS U H : UNIDADES HOUNSFIELD + 1000 + 60 + 40 0 - 1000 - 400 - 200 -100 ÁGUA MAMA AR OSSO CORTICAL OSSO MEDULAR BAÇO G O R D U R A PAN- CREAS RINS P U L M Ã O SUPRA RENAL S A N G U E F Í G A D O INTES- TINO CORA- ÇÃO T U M O R BEXI- GA
  • 36. CT = 1000 (Na TC helicoidal, o tubo deNa TC helicoidal, o tubo de raios-x efetua giros de 360raios-x efetua giros de 360 graus ininterruptamente aograus ininterruptamente ao redor do paciente.redor do paciente. A mesa de exame se deslocaA mesa de exame se desloca com velocidade constante pré-com velocidade constante pré- programada através do gantryprogramada através do gantry PITCHPITCH
  • 37. CT = 1000 ( Essa velocidade da mesa éEssa velocidade da mesa é regulada peloregulada pelo PITCHPITCH Aumentando o pitch, aumentaAumentando o pitch, aumenta a velocidade de progressão daa velocidade de progressão da mesamesa O tamanho do Pitch refere-seO tamanho do Pitch refere-se ao espaço entre as voltas aao espaço entre as voltas a cada 360 graus e o movimentocada 360 graus e o movimento da mesa.da mesa. PITCHPITCH
  • 39. PITCHPITCH PITCH :PITCH : MOVIMENTO DA MESA POR ROTAÇÃO DIVIDIDO PELAMOVIMENTO DA MESA POR ROTAÇÃO DIVIDIDO PELA ESPESSURA DE CORTEESPESSURA DE CORTE PITCH = Movimento da mesa / rotação Espessura de corte
  • 41. Pitch menor implica em maior aquisição (rotações completas ou duplicadas), mais informação e melhor imagem Pitch maior que 1,5 (single channel) implica em “voltas incompletas” e perda equivalente da qualidade da imagem.
  • 42. Quanto < pitch = > dose radiação = > resolução espacial = > tempo de apnéia Quanto > pitch = < dose radiação = < resolução espacial = < tempo de apnéia
  • 44. COMO FUNCIONA A TC ?COMO FUNCIONA A TC ? RECON & PÓS- PROCESSAMENTO RECON & PÓS- PROCESSAMENTO AQUISIÇÃO DE DADOSAQUISIÇÃO DE DADOS GERAÇÃO DO RAIO-XGERAÇÃO DO RAIO-X
  • 45. O “SLICE”O “SLICE” * O RAIO-X PASSA ATRAVÉS DO COLIMADOR DE FORMAO RAIO-X PASSA ATRAVÉS DO COLIMADOR DE FORMA QUE ESSE SOMENTE PENETRA NA CAMADA AXIAL DOQUE ESSE SOMENTE PENETRA NA CAMADA AXIAL DO OBJETO, CHAMADO DEOBJETO, CHAMADO DE "SLICE""SLICE"
  • 46. * O SLICE É ARTIFICIALMENTEO SLICE É ARTIFICIALMENTE DIVIDIDO EM PEQUENOSDIVIDIDO EM PEQUENOS ELEMENTOS DE VOLUMEELEMENTOS DE VOLUME CHAMADOSCHAMADOS "VOXELS" ."VOXELS" . * NO PLANO, OS ELEMENTOS* NO PLANO, OS ELEMENTOS DA FIGURA SÃO CHAMADOSDA FIGURA SÃO CHAMADOS DEDE “PIXELS”“PIXELS” O “VOXEL” E O “PIXEL”O “VOXEL” E O “PIXEL”
  • 47. * O VALOR DA ATENUAÇÃO DA RADIAÇÃO* O VALOR DA ATENUAÇÃO DA RADIAÇÃO É MEDIDO, CODIFICADO E TRANSFERIDOÉ MEDIDO, CODIFICADO E TRANSFERIDO PARA O COMPUTADOR.PARA O COMPUTADOR. A “MATRIZ”A “MATRIZ” 35 36 3934 33 31 34 33 35 32 31 80 85 9078
  • 48. A MATRIZ NUMÉRICA É CONVERTIDA EMA MATRIZ NUMÉRICA É CONVERTIDA EM IMAGEM PRETO E BRANCOIMAGEM PRETO E BRANCO CORRESPONDENTE A UMA ESCALA DECORRESPONDENTE A UMA ESCALA DE CINZA.CINZA. GERAÇÃO DA IMAGEMGERAÇÃO DA IMAGEM 35 36 3934 33 31 3433 35 32 31 80 85 9078
  • 50. Tomografia Helicoidal Aquisição volumétrica de dados, feitaAquisição volumétrica de dados, feita de modo contínuo, enquanto a mesa éde modo contínuo, enquanto a mesa é movida para o interior do gantry numamovida para o interior do gantry numa velocidade constantevelocidade constante  A fonte de Raio-X faz rotações aoA fonte de Raio-X faz rotações ao redor do pacienteredor do paciente  A mesa move-se numa velocidadeA mesa move-se numa velocidade constanteconstante
  • 51. A RESPIRAÇÃO ERA O PROBLEMA...A RESPIRAÇÃO ERA O PROBLEMA... SOLUÇÃO : TC ESPIRAL ou HELICOIDAL Caro paciente, sua lesão não foi detectada porque você não manteve o mesmo nível de respiração em cada scan...
  • 52. 2D CORTE 3D VOLUME TC CONVENCIONAL VS. TC SPIRAL ...TC CONVENCIONAL VS. TC SPIRAL ...
  • 53. • ROTAÇÃO DO TUBO/DETECTORROTAÇÃO DO TUBO/DETECTOR CONTÍNUACONTÍNUA • RADIAÇÃORADIAÇÃO CONTÍNUACONTÍNUA • AQUISIÇÃO DE DADOSAQUISIÇÃO DE DADOS CONTÍNUACONTÍNUA • MOVIMENTO DA MESAMOVIMENTO DA MESA CONTÍNUOCONTÍNUO TC ESPIRAL = SCAN VOLUMÉTRICO OS 4 “C”s DA TC ESPIRALOS 4 “C”s DA TC ESPIRAL
  • 54. SCAN DE UM VOLUME INTEIRO EM UMASCAN DE UM VOLUME INTEIRO EM UMA RESPIRAÇÃORESPIRAÇÃO NENHUM “VAZIO” NA INFORMAÇÃONENHUM “VAZIO” NA INFORMAÇÃO IMAGENS SOBREPOSTAS (OVERLAPPING) PODEMIMAGENS SOBREPOSTAS (OVERLAPPING) PODEM SER RECONSTRUÍDAS SEM DOSE ADICIONALSER RECONSTRUÍDAS SEM DOSE ADICIONAL ALTA QUALIDADE DE DADOS PARAALTA QUALIDADE DE DADOS PARA VISUALIZAÇÃO 3DVISUALIZAÇÃO 3D E OUTROS PÓS-PROCESSAMENTOSE OUTROS PÓS-PROCESSAMENTOS VANTAGENS DA TC ESPIRAL...VANTAGENS DA TC ESPIRAL...
  • 55. Vantagens da TCE Redução dos artefatos respiratórios e de movimentos Redução nos tempos de exame Maior conforto para o paciente Menor dose de radiação Melhor visualização de estruturas vasculares
  • 56. Vantagens da TCE Menor quantidade de contraste Reconstrução retrospectiva de cortes Reconstruções multiplanares (MPR) e tridimensionais (3D) Angiotomografia e Endoscopia Virtual Imagens contínuas sem a perda de lesões por deslocamento dos órgãos internos
  • 57. Artefatos 1.Artefatos metálicos (próteses) 2.Movimentos fisiológicos detectáveis (cardíaco) 3.Materiais resinados de alta densidade (próteses) 4.Diferença extrema de densidade entre tecidos adjacentes 5.Escolha imprópria da técnica de exame O que pode causar artefatos:

Notas do Editor

  1. Übersicht: Klassen: Ein bzw Zwei-Stufen-Prozesse Typen: Einkristall vs. Keramik
  2. Übersicht: Klassen: Ein bzw Zwei-Stufen-Prozesse Typen: Einkristall vs. Keramik
  3. Wirkungsweise Xenon: danach folgt Dia vom Xe-Det 1) Prinzip (altes Dia) 2) Reinraumbild CR als Backup: Dia vom Mittelelektroden-Prinzip