SlideShare uma empresa Scribd logo
Geração e aplicação dos Raios-X
ementa
• Inicio
• Término
• C.H
Ementa
• Conceito;
• Aplicabilidade;
• Formas de geração dos raios-x;
• Consequências.
Histórico
Os raios X foram descobertos
em 8 de novembro de 1895,
quando o físico alemão
Wilhelm Conrad Roentgen
realizava experimentos com os
raios catódicos.
Em 22 de dezembro 1895,
realizou a primeira radiografia
da história ( radiografia da mão
de Bertha Roentgen, sua
esposa).
conceito
• Os raios X são ondas
eletromagnéticas .
• Tipos de ondas: Ondas
de rádio, Micro-ondas,
luz visível, Raios gama,
etc.
Propriedades dos Raios-X
• Atravessar objetos;
• Ser absorvido pelo
objeto que atravessa;
• Produzir radiações
secundárias em todos
os corpos que
atravessam;
• Fazer fluorescer
certos sais metálicos;
• Enegrecer emulsões
fotográficas;
• Propagar-se em linha
reta;
• Ionização;
• Exercer efeito
biológico;
Exercício
EQUIPAMENTO
GERADOR DE RAIOS-X
Noções de
eletricidade
Corrente Elétrica
• Corresponde ao movimento ordenado de cargas
elétricas em um condutor.
• Continua CC:
• Alternada CA:
Corrente Contínua
• Único sentido;
• Ex: gerada por
baterias e pilhas;
• Existira um
terminal positivo
(+) e outro (-).
Corrente Alternada
• Circula ora num sentido, ora
no sentido oposto;
• Ex: Corrente existente nas
residências;
• Existe uma inversão de
polaridade;
• O espaço de tempo
compreendido entre o início
de uma polaridade (+) e o
inicio da próxima polaridade
(+) : ciclo ou período.
• Pode ser periódica, ou não.
INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA
• Carga elétrica total que
atravessa uma seção
transversal de um condutor
num intervalo de tempo.
• Unidade de medida: ampere
(A);
• No tubo de raios-X é medida
em miliamperes: (mA)
1 mA = 0,001 A
TENSÃO ELÉTRICA
• Diferença de potencial entre
dois pontos de um condutor(
força que impulsiona os
elétrons);
• Unidade de medida: Volt (V);
• No tubo de raios-X é medida
em quilovolts (KV):
1 KV= 1.000 V
POTÊNCIA
• É a energia elétrica produzida
ou consumida em um intervalo
de tempo;
• Unidade de medida: Watt (W);
• No tubo de raios-X é medida
em quilowatts (KW).
1KW = 1.000W
Retificadores de
corrente:
• Convertem a
corrente
alternada em
corrente
contínua.
Transformadores
• Possuem a função
de elevar, reduzir
e regular tensões.
• Composição:
• Bobina de
entrada;
• Núcleo de ferro;
• Bobina de saída.
PARTE GERADORA DO EQUIPAMENTO DE
RAIOS-X
• Responsável pela geração do feixe de radiação;
• Composta por: transformador de alta tensão
com retificadores;
• Mesa de comando;
• Sistema emissor de raios-x ( ampola);
• Cabos elétricos ( mesa de comando→ gerador);
• Cabos de alta tensão (gerador → tubo de raios-x).
TRANSFORMAÇÃO DA CORRENTE
ELÉTRICA → PRODUÇÃO DE RAIOS-X
• Corrente alternada da rede de distribuição
(220V) →transformador →corrente alternada de alta
tensão (KV)→retificadores→corrente contínua de
alta tensão.
TRANSFORMADORES- MONOFÁSICO
• Alimentado por uma corrente monofásica de 2
pulsos por ciclo;
• Apresenta baixo desempenho na produção de
raios-x;
• A tensão elétrica gerada no tubo está longe da
tensão de pico determinada (KV);
TRANSFORMADOR –TRIFÁSICO DE 6 E 12
PULSOS
• Alimentado por uma corrente elétrica trifásica
de 6 e 12 pulsos por ciclo;
• Possui melhor rendimento na produção de raios-
x;
• A tensão elétrica gerada no tubo está mais
próxima da tensão de pico determinada;
• Ou seja quanto mais pulsos por ciclo maior a
tensão elétrica aplicada no tubo (maior
rendimento).
Exercício
1) De acordo com a apostila e a explicação, defina
com suas palavras o que é corrente elétrica,
corrente elétrica contínua e alternada.
Exemplifique CC e CA:
2) O que é intensidade da corrente elétrica e de
que forma é medida no tubo de raios-x?
3) O que é tensão elétrica e de que forma é medida
no tubo de raios-x?
4) Defina potência elétrica:
5) Qual a função dos retificadores de corrente e
dos transformadores?
6) Como é composto o transformador utilizado no
setor de raios-x?
7) Por quais equipamentos é composto a parte
geradora de raios-x?
8) Explique o esquema funcional de geração de
raios-x:
9) Cite as principais diferenças dos
transformadores monofásicos de 2 pulsos por
ciclo e trifásicos de 6 e 12 pulsos por ciclo:
MESA DE COMANDO• Local onde se comanda a produção dos raios-x;
• Composta por: botão ligar/desligar o
equipamento;
• Controle da entrada de corrente ( alguns são
automáticos);
• Controle do KV;
• Controle do mAs;
• Seleção foco fino foco grosso.
MESA DE COMANDO
• Comando para radioscopia/radiografia (alguns);
• Exposímetro automático (alguns);
• Botão de preparo;
• Botão de disparo;
CABOS ELÉTRICOS
• Ligam a mesa de comando ao transformador →
transformador ao tubo;
• Os cabos que ligam o transformador ao tubo são
devidamente isolados;
MECANISMOS DE SEGURANÇA DO
EQUIPAMENTO GERADOR DE RAIOS-X
• Segurança de rotação do ânodo;
• Segurança contra o excesso de carga;
• Segurança contra o excesso de aquecimento do
filamento;
• Segurança contra o excesso de calor no tubo de
raios-x e na cúpula.
SISTEMA EMISSOR DE RAIOS-X
• Também chamado de cabeçote;
• Constituído:
• Ampola;
• Cúpula;
• Ampola: é constituída por um envoltório
(geralmente de vidro pirex, resistente ao calor,
lacrado e com vácuo.
no seu interior estão o cátodo (+) e o ânodo(-).
O CÁTODO
• Responsável pela liberação dos elétrons, que irão
se chocar no ânodo produzindo os raios-x e
calor;
• Constituído: 2 filamentos helicoidais de
tungstênio que suportam temperaturas elevadas
( 2.000 C);
• Localizado: copo raso - coletor eletrônico;
• Coletor eletrônico: função – impedir a dispersão
dos elétrons.
ÂNODO
• Placa metálica de tungstênio ou molibdênio
(mamógrafos) ;
• Possui uma angulação com o eixo do tubo (?);
• Suporta altas temperaturas resultantes do
choque dos elétrons.
Angulação do ânodo fixo e giratório
Características físicas de um ânodo
• Alto posto de fusão;
• Alta taxa de dissipação do calor;
• Alto numero atômico;
A eficiência na produção dos raios-x é
diretamente proporcional ao número
atômico dos átomos dos alvos;
• O material do alvo é o tungstênio(W) Z=74,
ponto de fusão = 3.410 C.
Tipos de ânodo• Fixo: possui o corpo de cobre e o ponto focal de
tungstênio;
• Ânodo giratório: é um disco feito de uma liga
de tungstênio, fixado sobre um eixo de
molibdênio ou cobre e o ponto de impacto dos
elétrons é chamado de pista focal.
• O rotor localizado dentro do tubo realiza a
rotação do ânodo,
• O estator localizado dentro da cúpula aciona o
rotor.
ÂNGULO DO ANODO
• Todo ânodo possui essa angulação : ângulo do
anodo ou ângulo de face;
• Possui relação direta com a eficácia do feixe de
radiação e nitidez da imagem;
• O foco corresponde a uma projeção do ponto de
impacto dos elétrons denominado foco real e da
emergência do feixe do feixe útil de radiação
denominado foco efetivo.
ÂNGULO DO ANODO• O tamanho do foco
efetivo depende do
tamanho do filamento
do cátodo e do ângulo
da face do ânodo;
• Ou seja: quanto
menor o filamento e o
ângulo, menor será o
foco efetivo ( a
qualidade da imagem
será melhor)
EFEITO ÂNODICO
• A redução do
ângulo do ânodo
possui uma
limitação (15 );
• Ângulos muito
pequenos aumentam
o fenômeno : efeito
ânodico
RESFRIAMENTO DO ÂNODO
• O calor é absorvido
pelo óleo existente
no interior da
cúpula.
• O resfriamento faz-
se necessário para
evitar evaporação
ou danos na
superfície do
ânodo.
• A quantidade de
calor transferida
ao ânodo é medida
em unidade de
calor (uc).
uc = KV x mAs
A CÚPULA
• Invólucro metálico, revestido
internamente de chumbo.
• Função: proteger princípios
mecânicos e elétricos do tubo,
dissipar o calor e absorver a
radiação extrafocal.
• Possui um orifício (janela)de
vidro por onde passa os raios-
x.
Tubo de raio-x• É denominado em
função do KV
Maximo
suportado, seguido
pela potencia
máxima suportada
pelo foco fino e
grosso;
EX: tubo de raios-x tipo
150/30/50.
150= kv máximo suportado;
30= potência (watt) máxima
suportado pelo tubo no foco
fino;
50= potência (watt) máxima
suportada pelo tubo no foco
grosso.
RADIOLOGIA
INDUSTRIAL
Introdução
• A Radiografia e o Ultrassom são poderosos
métodos que podem detectar com alta
sensibilidade descontinuidades com poucos
milímetros de extensão.
• Usados principalmente nas indústrias de petróleo
e petroquímica, nuclear, alimentícia, farmacêutica,
geração de energia para inspeção principalmente
de soldas e fundidos, e ainda na indústria bélica
para inspeção de explosivos, armamento e mísseis,
a radiografia e o ultrassom desempenham papel
importante na comprovação da qualidade da peça
ou componente em conformidade com os
requisitos das normas , especificações e códigos de
fabricação.
• Usados também na qualificação de soldadores e
operadores de soldagem, a radiografia e ultrassom
proporcionam registros importantes para a
documentação da qualidade.
• Em juntas soldadas, a radiografia e o
ultrassom são dois métodos
frequentemente referenciados pelos
Códigos de fabricação de peças ou
estruturas de responsabilidade para
determinação da eficiência da base de
cálculo pela engenharia.
• A radiologia industrial desempenha um papel
importante e de certa forma insuperável na
documentação da qualidade do produto
inspecionado, pois a imagem projetada do filme
radiográfico representa a "fotografia" interna da
peça, o que nenhum outro ensaio não destrutivo
é capaz de mostrar na área industrial.
Princípios e Fundamentos
• A radiografia é um método usado para inspeção não
destrutiva que baseia-se na absorção diferenciada
da radiação penetrante pela peça que está sendo
inspecionada.
• Devido às diferenças na densidade e variações na
espessura do material, ou mesmo diferenças nas
características de absorção causadas por variações
na composição do material, diferentes regiões de
uma peça absorverão quantidades diferentes da
radiação penetrante.
• Essa absorção diferenciada da radiação poderá
ser detectada através de um filme, ou através de
um tubo de imagem ou mesmo medida por
detectores eletrônicos de radiação.
• Essa variação na quantidade de radiação
absorvida, detectada através de um meio, irá nos
indicar, entre outras coisas, a existência de uma
falha interna ou defeito no material
Os Raios X, destinados ao uso industrial, são gerados numa
ampola de vidro denominada tubo de Coolidge, que possui
duas partes distintas: o ânodo e o cátodo.
Desvantagens dos aparelhos
radiológicos industriais.
• As peças tem que ser levadas ate eles uma vez
que é impraticável deslocar os aparelhos de
grande porte;
• Depende de forte de energia;
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x
Intriducai a Geração e aplicação dos raios x

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Proteçao radiologica
Proteçao radiologicaProteçao radiologica
Proteçao radiologica
Álex Jesus
 
Equipamentos Radiológicos
Equipamentos RadiológicosEquipamentos Radiológicos
Equipamentos Radiológicos
jose vanderlei oliveira dos reis
 
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaAula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
radiomed
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
radiomed
 
História da radiologia no mundo aula 1
História da radiologia no mundo   aula 1História da radiologia no mundo   aula 1
História da radiologia no mundo aula 1
Magno Cavalheiro
 
Física das Radiações 2a
Física das Radiações 2aFísica das Radiações 2a
Física das Radiações 2a
Renata Cristina
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Manu Medeiros
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
Thyago Soares
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...
Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...
Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...
Rodrigo Penna
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Filmes e processamento aula 1
Filmes e processamento   aula 1Filmes e processamento   aula 1
Filmes e processamento aula 1
Magno Cavalheiro
 
Aula 02 física do raio x e bases de exames
Aula 02 física do raio x e bases de examesAula 02 física do raio x e bases de exames
Aula 02 física do raio x e bases de exames
Ricardo Aguiar
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográfico
arianepenna
 
Radioproteção.
Radioproteção.Radioproteção.
Radioproteção.
Valéria Alves
 
Telas Intensificadoras
Telas IntensificadorasTelas Intensificadoras
Telas Intensificadoras
Alex Eduardo Ribeiro
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Cristiane Dias
 

Mais procurados (20)

Proteçao radiologica
Proteçao radiologicaProteçao radiologica
Proteçao radiologica
 
Equipamentos Radiológicos
Equipamentos RadiológicosEquipamentos Radiológicos
Equipamentos Radiológicos
 
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhadaAula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
Aula 3 imaginologia contraste da imagem e radiação espalhada
 
Técnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicosTécnicas de exames radiológicos
Técnicas de exames radiológicos
 
História da radiologia no mundo aula 1
História da radiologia no mundo   aula 1História da radiologia no mundo   aula 1
História da radiologia no mundo aula 1
 
Física das Radiações 2a
Física das Radiações 2aFísica das Radiações 2a
Física das Radiações 2a
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
 
Evolução Radiologia
Evolução RadiologiaEvolução Radiologia
Evolução Radiologia
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...
Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...
Blindagem, Radioproteção e Aspectos do Trabalho em Raios X Convencionais ; Pa...
 
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS XRADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
RADIOLOGIA CONVENCIONAL E FORMAÇÃO DOS RAIOS X
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 
Filmes e processamento aula 1
Filmes e processamento   aula 1Filmes e processamento   aula 1
Filmes e processamento aula 1
 
Aula 02 física do raio x e bases de exames
Aula 02 física do raio x e bases de examesAula 02 física do raio x e bases de exames
Aula 02 física do raio x e bases de exames
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Processamento Radiográfico
Processamento RadiográficoProcessamento Radiográfico
Processamento Radiográfico
 
Radioproteção.
Radioproteção.Radioproteção.
Radioproteção.
 
Telas Intensificadoras
Telas IntensificadorasTelas Intensificadoras
Telas Intensificadoras
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 

Semelhante a Intriducai a Geração e aplicação dos raios x

Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8   ensaios mecnicos e end - radiografiaAula 8   ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
Alex Leal
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
Willian R. Bandeira
 
Aula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdf
Aula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdfAula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdf
Aula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdf
carlaindira
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Aula3 soldagem a arco elétrico
Aula3   soldagem a arco elétricoAula3   soldagem a arco elétrico
Aula3 soldagem a arco elétrico
João Paulo sousa
 
Projeto complet de oscilador senoidal.pdf
Projeto complet de oscilador senoidal.pdfProjeto complet de oscilador senoidal.pdf
Projeto complet de oscilador senoidal.pdf
jlguedes2
 
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptxCurso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Alan539599
 
Transformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptxTransformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptx
Narah Rank
 
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
Olney joner
 
Palestra98
Palestra98Palestra98
Palestra98
Gerciane Neves
 
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptxEQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
SrgioMAntnio
 
Princípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância MagnéticaPrincípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância Magnética
Alex Eduardo Ribeiro
 
história da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptxhistória da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptx
Wellyson Rocha
 
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
Tomaz13
 
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdfAula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
EMERSON EDUARDO RODRIGUES
 
Simbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.docSimbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.doc
JooPedroVilela4
 
Ap. modulo1 midias.
Ap. modulo1 midias.Ap. modulo1 midias.
Ap. modulo1 midias.
Cley Cesar
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
Lorena Incutto Bastos
 
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Ginho_Neder
 
Aula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicos
Aula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicosAula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicos
Aula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicos
anapsantana
 

Semelhante a Intriducai a Geração e aplicação dos raios x (20)

Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8   ensaios mecnicos e end - radiografiaAula 8   ensaios mecnicos e end - radiografia
Aula 8 ensaios mecnicos e end - radiografia
 
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIAEQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS DE RADIOLOGIA
 
Aula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdf
Aula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdfAula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdf
Aula3_Fusiveis_seccionadoras_Disj.pdf
 
Radiografia industrial
Radiografia industrialRadiografia industrial
Radiografia industrial
 
Aula3 soldagem a arco elétrico
Aula3   soldagem a arco elétricoAula3   soldagem a arco elétrico
Aula3 soldagem a arco elétrico
 
Projeto complet de oscilador senoidal.pdf
Projeto complet de oscilador senoidal.pdfProjeto complet de oscilador senoidal.pdf
Projeto complet de oscilador senoidal.pdf
 
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptxCurso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
 
Transformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptxTransformadores de comando e isolamento pptx
Transformadores de comando e isolamento pptx
 
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
 
Palestra98
Palestra98Palestra98
Palestra98
 
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptxEQUIPAMENTO DE RX.pptx
EQUIPAMENTO DE RX.pptx
 
Princípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância MagnéticaPrincípios Físicos Ressonância Magnética
Princípios Físicos Ressonância Magnética
 
história da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptxhistória da radioterapia.pptx
história da radioterapia.pptx
 
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
pdfcoffee.com_aulacomandoseletricosindustriais-prof-carlos-matsumipdf-pdf-fre...
 
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdfAula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
Aula_Comandos_Eletricos_Industriais.pdf
 
Simbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.docSimbologia ELETRICA.doc
Simbologia ELETRICA.doc
 
Ap. modulo1 midias.
Ap. modulo1 midias.Ap. modulo1 midias.
Ap. modulo1 midias.
 
Apostila end andreucci
Apostila end   andreucciApostila end   andreucci
Apostila end andreucci
 
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
Soldagemcomeletrodorevestido finalizado-120509142545-phpapp02
 
Aula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicos
Aula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicosAula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicos
Aula 01 de Projeto Eletricos - Conceitos basicos
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

Intriducai a Geração e aplicação dos raios x

  • 3. Ementa • Conceito; • Aplicabilidade; • Formas de geração dos raios-x; • Consequências.
  • 4. Histórico Os raios X foram descobertos em 8 de novembro de 1895, quando o físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen realizava experimentos com os raios catódicos. Em 22 de dezembro 1895, realizou a primeira radiografia da história ( radiografia da mão de Bertha Roentgen, sua esposa).
  • 5. conceito • Os raios X são ondas eletromagnéticas . • Tipos de ondas: Ondas de rádio, Micro-ondas, luz visível, Raios gama, etc.
  • 6. Propriedades dos Raios-X • Atravessar objetos; • Ser absorvido pelo objeto que atravessa; • Produzir radiações secundárias em todos os corpos que atravessam; • Fazer fluorescer certos sais metálicos; • Enegrecer emulsões fotográficas; • Propagar-se em linha reta; • Ionização; • Exercer efeito biológico;
  • 9. Corrente Elétrica • Corresponde ao movimento ordenado de cargas elétricas em um condutor. • Continua CC: • Alternada CA:
  • 10. Corrente Contínua • Único sentido; • Ex: gerada por baterias e pilhas; • Existira um terminal positivo (+) e outro (-).
  • 11. Corrente Alternada • Circula ora num sentido, ora no sentido oposto; • Ex: Corrente existente nas residências; • Existe uma inversão de polaridade; • O espaço de tempo compreendido entre o início de uma polaridade (+) e o inicio da próxima polaridade (+) : ciclo ou período. • Pode ser periódica, ou não.
  • 12. INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA • Carga elétrica total que atravessa uma seção transversal de um condutor num intervalo de tempo. • Unidade de medida: ampere (A); • No tubo de raios-X é medida em miliamperes: (mA) 1 mA = 0,001 A
  • 13. TENSÃO ELÉTRICA • Diferença de potencial entre dois pontos de um condutor( força que impulsiona os elétrons); • Unidade de medida: Volt (V); • No tubo de raios-X é medida em quilovolts (KV): 1 KV= 1.000 V
  • 14. POTÊNCIA • É a energia elétrica produzida ou consumida em um intervalo de tempo; • Unidade de medida: Watt (W); • No tubo de raios-X é medida em quilowatts (KW). 1KW = 1.000W
  • 15. Retificadores de corrente: • Convertem a corrente alternada em corrente contínua. Transformadores • Possuem a função de elevar, reduzir e regular tensões. • Composição: • Bobina de entrada; • Núcleo de ferro; • Bobina de saída.
  • 16. PARTE GERADORA DO EQUIPAMENTO DE RAIOS-X • Responsável pela geração do feixe de radiação; • Composta por: transformador de alta tensão com retificadores; • Mesa de comando; • Sistema emissor de raios-x ( ampola); • Cabos elétricos ( mesa de comando→ gerador); • Cabos de alta tensão (gerador → tubo de raios-x).
  • 17. TRANSFORMAÇÃO DA CORRENTE ELÉTRICA → PRODUÇÃO DE RAIOS-X • Corrente alternada da rede de distribuição (220V) →transformador →corrente alternada de alta tensão (KV)→retificadores→corrente contínua de alta tensão.
  • 18. TRANSFORMADORES- MONOFÁSICO • Alimentado por uma corrente monofásica de 2 pulsos por ciclo; • Apresenta baixo desempenho na produção de raios-x; • A tensão elétrica gerada no tubo está longe da tensão de pico determinada (KV);
  • 19. TRANSFORMADOR –TRIFÁSICO DE 6 E 12 PULSOS • Alimentado por uma corrente elétrica trifásica de 6 e 12 pulsos por ciclo; • Possui melhor rendimento na produção de raios- x; • A tensão elétrica gerada no tubo está mais próxima da tensão de pico determinada; • Ou seja quanto mais pulsos por ciclo maior a tensão elétrica aplicada no tubo (maior rendimento).
  • 20. Exercício 1) De acordo com a apostila e a explicação, defina com suas palavras o que é corrente elétrica, corrente elétrica contínua e alternada. Exemplifique CC e CA: 2) O que é intensidade da corrente elétrica e de que forma é medida no tubo de raios-x? 3) O que é tensão elétrica e de que forma é medida no tubo de raios-x?
  • 21. 4) Defina potência elétrica: 5) Qual a função dos retificadores de corrente e dos transformadores? 6) Como é composto o transformador utilizado no setor de raios-x? 7) Por quais equipamentos é composto a parte geradora de raios-x?
  • 22. 8) Explique o esquema funcional de geração de raios-x: 9) Cite as principais diferenças dos transformadores monofásicos de 2 pulsos por ciclo e trifásicos de 6 e 12 pulsos por ciclo:
  • 23. MESA DE COMANDO• Local onde se comanda a produção dos raios-x; • Composta por: botão ligar/desligar o equipamento; • Controle da entrada de corrente ( alguns são automáticos); • Controle do KV; • Controle do mAs; • Seleção foco fino foco grosso.
  • 24. MESA DE COMANDO • Comando para radioscopia/radiografia (alguns); • Exposímetro automático (alguns); • Botão de preparo; • Botão de disparo;
  • 25. CABOS ELÉTRICOS • Ligam a mesa de comando ao transformador → transformador ao tubo; • Os cabos que ligam o transformador ao tubo são devidamente isolados;
  • 26. MECANISMOS DE SEGURANÇA DO EQUIPAMENTO GERADOR DE RAIOS-X • Segurança de rotação do ânodo; • Segurança contra o excesso de carga; • Segurança contra o excesso de aquecimento do filamento; • Segurança contra o excesso de calor no tubo de raios-x e na cúpula.
  • 27. SISTEMA EMISSOR DE RAIOS-X • Também chamado de cabeçote; • Constituído: • Ampola; • Cúpula; • Ampola: é constituída por um envoltório (geralmente de vidro pirex, resistente ao calor, lacrado e com vácuo. no seu interior estão o cátodo (+) e o ânodo(-).
  • 28. O CÁTODO • Responsável pela liberação dos elétrons, que irão se chocar no ânodo produzindo os raios-x e calor; • Constituído: 2 filamentos helicoidais de tungstênio que suportam temperaturas elevadas ( 2.000 C); • Localizado: copo raso - coletor eletrônico; • Coletor eletrônico: função – impedir a dispersão dos elétrons.
  • 29.
  • 30. ÂNODO • Placa metálica de tungstênio ou molibdênio (mamógrafos) ; • Possui uma angulação com o eixo do tubo (?); • Suporta altas temperaturas resultantes do choque dos elétrons.
  • 31. Angulação do ânodo fixo e giratório
  • 32. Características físicas de um ânodo • Alto posto de fusão; • Alta taxa de dissipação do calor; • Alto numero atômico; A eficiência na produção dos raios-x é diretamente proporcional ao número atômico dos átomos dos alvos; • O material do alvo é o tungstênio(W) Z=74, ponto de fusão = 3.410 C.
  • 33. Tipos de ânodo• Fixo: possui o corpo de cobre e o ponto focal de tungstênio; • Ânodo giratório: é um disco feito de uma liga de tungstênio, fixado sobre um eixo de molibdênio ou cobre e o ponto de impacto dos elétrons é chamado de pista focal. • O rotor localizado dentro do tubo realiza a rotação do ânodo, • O estator localizado dentro da cúpula aciona o rotor.
  • 34. ÂNGULO DO ANODO • Todo ânodo possui essa angulação : ângulo do anodo ou ângulo de face; • Possui relação direta com a eficácia do feixe de radiação e nitidez da imagem; • O foco corresponde a uma projeção do ponto de impacto dos elétrons denominado foco real e da emergência do feixe do feixe útil de radiação denominado foco efetivo.
  • 35. ÂNGULO DO ANODO• O tamanho do foco efetivo depende do tamanho do filamento do cátodo e do ângulo da face do ânodo; • Ou seja: quanto menor o filamento e o ângulo, menor será o foco efetivo ( a qualidade da imagem será melhor)
  • 36. EFEITO ÂNODICO • A redução do ângulo do ânodo possui uma limitação (15 ); • Ângulos muito pequenos aumentam o fenômeno : efeito ânodico
  • 37. RESFRIAMENTO DO ÂNODO • O calor é absorvido pelo óleo existente no interior da cúpula. • O resfriamento faz- se necessário para evitar evaporação ou danos na superfície do ânodo. • A quantidade de calor transferida ao ânodo é medida em unidade de calor (uc). uc = KV x mAs
  • 38. A CÚPULA • Invólucro metálico, revestido internamente de chumbo. • Função: proteger princípios mecânicos e elétricos do tubo, dissipar o calor e absorver a radiação extrafocal. • Possui um orifício (janela)de vidro por onde passa os raios- x.
  • 39. Tubo de raio-x• É denominado em função do KV Maximo suportado, seguido pela potencia máxima suportada pelo foco fino e grosso; EX: tubo de raios-x tipo 150/30/50. 150= kv máximo suportado; 30= potência (watt) máxima suportado pelo tubo no foco fino; 50= potência (watt) máxima suportada pelo tubo no foco grosso.
  • 41. Introdução • A Radiografia e o Ultrassom são poderosos métodos que podem detectar com alta sensibilidade descontinuidades com poucos milímetros de extensão.
  • 42. • Usados principalmente nas indústrias de petróleo e petroquímica, nuclear, alimentícia, farmacêutica, geração de energia para inspeção principalmente de soldas e fundidos, e ainda na indústria bélica para inspeção de explosivos, armamento e mísseis, a radiografia e o ultrassom desempenham papel importante na comprovação da qualidade da peça ou componente em conformidade com os requisitos das normas , especificações e códigos de fabricação. • Usados também na qualificação de soldadores e operadores de soldagem, a radiografia e ultrassom proporcionam registros importantes para a documentação da qualidade.
  • 43. • Em juntas soldadas, a radiografia e o ultrassom são dois métodos frequentemente referenciados pelos Códigos de fabricação de peças ou estruturas de responsabilidade para determinação da eficiência da base de cálculo pela engenharia.
  • 44. • A radiologia industrial desempenha um papel importante e de certa forma insuperável na documentação da qualidade do produto inspecionado, pois a imagem projetada do filme radiográfico representa a "fotografia" interna da peça, o que nenhum outro ensaio não destrutivo é capaz de mostrar na área industrial.
  • 46. • A radiografia é um método usado para inspeção não destrutiva que baseia-se na absorção diferenciada da radiação penetrante pela peça que está sendo inspecionada. • Devido às diferenças na densidade e variações na espessura do material, ou mesmo diferenças nas características de absorção causadas por variações na composição do material, diferentes regiões de uma peça absorverão quantidades diferentes da radiação penetrante.
  • 47. • Essa absorção diferenciada da radiação poderá ser detectada através de um filme, ou através de um tubo de imagem ou mesmo medida por detectores eletrônicos de radiação. • Essa variação na quantidade de radiação absorvida, detectada através de um meio, irá nos indicar, entre outras coisas, a existência de uma falha interna ou defeito no material
  • 48.
  • 49. Os Raios X, destinados ao uso industrial, são gerados numa ampola de vidro denominada tubo de Coolidge, que possui duas partes distintas: o ânodo e o cátodo.
  • 50.
  • 51.
  • 52. Desvantagens dos aparelhos radiológicos industriais. • As peças tem que ser levadas ate eles uma vez que é impraticável deslocar os aparelhos de grande porte; • Depende de forte de energia;