SlideShare uma empresa Scribd logo
Tomografia Computadorizada
Tnr: Wendesor Souza de Oliveira
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
1
Tomografia Computadorizada ( TC )
•O que é ?
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
2
Tomografia Computadorizada ( TC )
• É um método de diagnóstico pôr imagem que
utiliza raios x e através de cortes axiais
proporciona um estudo detalhado de
diferentes estruturas do corpo humano,
facilitando a localização de patologias e
proporcionando maior precisão nas
intervenções clínicas e cirúrgicas . A TC
proporciona imagens de cortes anatômicos
nos planos axial, coronal e sagital, usando
um computador complexo e um sistema
mecânico de imagens.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
3
Tomografia Computadorizada ( TC )
• Avalia o indivíduo através de cortes anatômicos,
secções, ou fatias, cuja imagem é reconstruída por
métodos de cálculos em computador.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
4
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
5
Corte axial do crânio Corte axial do abdome
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
6
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
7
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
8
Tomografia Computadorizada ( TC )
• A tomografia trabalha com tubos de raios-X de
alta potência. Durante a aquisição de um corte
tomográfico, enquanto o tubo gira ao redor do
paciente, um feixe de radiação é emitido, indo
incidir nos detectores que coletam as
informações obtidas a partir de múltiplas
projeções. As informações são então enviadas ao
computador responsável pelo processamento
das imagens.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
9
Tomografia Computadorizada ( TC )
• Características do Método:
• 1 .– A Tomografia apresenta
feixe de aspecto laminar e em
forma de leque.
• 2. – A aquisição das imagens
ocorre no plano do “gantry” o
que, primariamente, gera
cortes transversais ao plano
do corpo.
• 3. – A imagem final é digital e
pode ser facilmente
manipulada por softwares.
• 4 .– Quanto maior a matriz
melhor será a resolução da
imagem.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
10
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
11
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
12
Tomografia Computadorizada ( TC )
• COMPONENTES DO
APARELHO
• O sistema é composto
de: Gantry, mesa de
exames, mesa de
comando, computador
para processamento
das imagens e o PDU
(Unidade de
Distribuição de Força).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
13
Tomografia Computadorizada ( TC )
GANTRY
• O GANTRY É O CORPO DO APARELHO E CONTÉM:
• Tubo de Raios-X
• Conjunto de Detectores
• Transformador de Anodo
• Transformador do Catodo
• Transformador do filamento
• Botões controladores dos movimentos da mesa e do gantry
• Painel identificador do posicionamento da mesa e do gantry
• Dispositivo LASER de posicionamento
• Motor para rotação do tubo
• Motor para angulação do gantry
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
14
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
15
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
16
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
17
Tomografia Computadorizada ( TC )
• DETECTORES
• Os detectores nos equipamentos de tomografia
são tão importantes quanto o tubo de raios-X. As
principais características dos detectores estão
relacionadas com: Custo. Eficiência. Estabilidade
e Velocidade.
• O custo dos detectores é o principal fator dos
altos preços dos TC atuais.
• Distinguem-se basicamente dois tipos de
detectores: Os de cristais luminescentes e, os de
câmara de ionização:
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
18
Tomografia Computadorizada ( TC )
• Detectores de Cristais Luminescentes:
• Esses detectores são formados a partir de
cristais de Iodeto de Sódio acoplados à
pequenas câmaras fotomultiplicadoras. Quando
o feixe interage com esses cristais, uma
pequena quantidade de luz é emitida na razão
diretamente proporcional a intensidade da
radiação incidente.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
19
Tomografia
Computadorizada ( TC )
• Um tubo fotomultiplicador acoplado à
estes cristais se encarrega de amplificar o
sinal recebido transformando-o numa
corrente elétrica de pequena intensidade.
O resultado final é armazenado na
memória do computador.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
20
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
21
Tomografia Computadorizada ( TC )
• Detectores de Câmara de Ionização.
• Os detectores que usam câmara de ionização,
são constituídos por pequenos tubos que
possuem gás nobre em seu interior,
frequentemente o xenônio, e que, em presença
de radiação, sofrem uma ionização temporária,
suficiente para fazer surgir uma pequena
corrente elétrica que levará a informação ao
computador. A corrente elétrica será
proporcional à ionização gerada no interior do
detector .
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
22
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
23
Tomografia Computadorizada ( TC )
Mesa de Comando
• A mesa de comando está constituída de dois
monitores de 20 polegadas.
• Um teclado alfa numérico com funções
específicas para “start” dos “scans”.
• Dispositivos para movimentos da mesa de
exames e de comunicação com o paciente e um
mouse.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
24
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
25
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
26
Tomografia Computadorizada ( TC )
• Mesa de Exame
• A mesa de exames é do tipo elevador,
assumindo a posição mais baixa à cerca de 38
cm do solo, podendo alcançar um altura de
93 cm. Apresenta tampo deslizante e é
totalmente constituída de material
radiotransparente.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
27
Tomografia
Computadorizada ( TC )
• A mesa está dimensionada para suportar
pacientes com até 180 Kg, mantendo-se a
eficácia de precisão nos deslocamentos. Possui
suporte para exames de crânio e extensão de
prolongamento, utilizada principalmente nos
exames de abdome e membros inferiores.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
28
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
29
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
30
Tomografia Computadorizada ( TC )
• PDU- Power
Distribution Unit:
• O PDU é o dispositivo
responsável pela
alimentação do
sistema de tomografia
computadorizada. O
sistema de
alimentação é trifásico
e a tensão de 480
volts.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
31
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
32
Impressora onde são
revelados os filmes
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
33
Bomba injetora. Equipamento utilizado para injeção
endovenosa de contraste no paciente.
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
34
Tomografia Computadorizada ( TC )
• Todo local sujeito à
radiação deve ser
devidamente
sinalizado com o
símbolo internacional
de radiação que é o
Trifólio.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
35
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
36
Tomografia Computadorizada ( TC )
• “A radiação X, desde a sua descoberta vem sendo
amplamente aplicada na indústria e na pesquisa,
e se tornou indispensável nas emergências
médicas e nas práticas clínicas.”
• “Como muitas descobertas, a tomografia
computadorizada é o resultado final de muitos
anos de trabalho de diversos pesquisadores, e
com a evolução dos computadores o tomógrafo é
um exemplo de equipamento que associa a
informática aos princípios de produção da
imagem por raios-x.”
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
37
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
38
Radiografias simples:
Sobreposição de sombras
Tomografia: Informação
focalizada sobre
um corte, proporcionando uma
amplitude de valores de
densidade.
Tomografia Computadorizada ( TC )
• 1972 – Os britânicos Godfrey Hounsfield e Allen Cormack
(mestres em ciências físicas), revelaram pela primeira vez as
partes internas de um cérebro;
• 1973 – Instalado o primeiro tomógrafo nos E.U.A;
• 1979 – Hounsfield recebeu o prêmio Nobel de medicina;
• 1982 – Introdução da Tomografia Computadorizada Espiral.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
39
Tomografia Computadorizada ( TC )
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
40Godfrey Hounsfield
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
1ª geração
• Surgiu no ano de
1972,
• Movimento de
translação e rotação
do tubo de raios-x e do
detector (180°),
• Feixe em forma de
lápis(pencil beam),
• Detector único,
• Tempo de corte: 5
minutos por imagem.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
41
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
1ª geração
Desvantagens:
• Processo de
varredura muito
demorado,
• Apenas uma
fatia é coletada
a cada
varredura.
Vantagens:
• Baixo custo,
• Processos de
varredura e aquisição
simples,
• Algoritmo de
reconstrução de
imagens simples,
• Maior qualidade de
imagens devido ao uso
de um único detector.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
42
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
2ª geração
• Surgiu no ano de 1974,
• Movimento de translação e
rotação do tubo de raios-x e
do detector,
• Feixe em forma de leque (fan
beam),
• Maior número de detectores
(25 a 80 detectores),
• Tempo de corte: em média 20
segundos por imagem.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
43
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
2ª geração
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
44
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
2ª geração
Vantagens:
• Múltiplos detectores com tempo de coleta de
dados menor,
Desvantagens:
• Pequenas variações entre as respostas dos
detectores que causa artefatos nas imagens
finais.
• Dados inúteis são sempre coletados no processo
de varredura.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
45
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
1ª e 2ª geração
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
46
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
3ª geração
• Surgiu no ano de 1975
– 1977,
• Movimento de rotação
do tubo de raios-x e
dos detectores (360°),
• Aumento do feixe em
leque,
• Aumento no número
de detectores (200 a
600),
• Tempo de corte: em
média 1 a 10
segundos.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
47
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
3ª geração
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
48
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
3ª geração
Vantagens:
• Apenas uma rotação para a coleta de
dados,
• Sistema mecânico mais simples,
• Menor tempo de varredura,
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
49
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE
TC 3ª geração
Desvantagens:
• O diâmetro é limitado pelo número de
detectores,
• Objetos menores coleta uma quantidade de
dados inúteis,
• Espaçamento é limitado pelo número de
detectores,
• Diferenças entre detectores causam artefatos em
forma de circunferência,
• Sistema mais caro (maior número de detectores).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
50
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
4ª geração
• Surgiu no ano de 1981,
• Movimento de rotação do
tubo de raios-x em (360°),
• Aumento do feixe em
leque,
• Detectores estacionários,
fixos (1000 a 2000),
• Tempo de corte: 1
segundo.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
51
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
4ª geração
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
52
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
4ª geração
Vantagens:
• Todos os pontos de cada projeção são adquiridos
simultaneamente,
• Apenas um movimento de rotação,
• Sistema mecânico para movimentar a fonte de raios-
x simples,
• Tempo reduzido pelo simples movimento de rotação
e ao feixe em leque cobrindo todo o objeto,
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
53
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE
TC 4ª geração
Desvantagens:
• Estudo limitado pelo feixe em leque produzido,
• Objetos menores resultam em coleta de dados
desnecessários,
• Custo muito elevado (grande número de
detectores),
• Número de raios por projeção limitado pelo
número de detectores coberto pelo feixe em
leque, limitando a resolução.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
54
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
3ª e 4ª geração
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
55
QUALIDADE DAS IMAGENS
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
56
1ª Geração – 5min
(1974)
4ª Geração – 1s
(1996)
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
57
Com este sistema, o paciente move-se de forma contínua e lenta para dentro
ou para fora do aparelho enquanto o tubo de raio-X e os detectores realizam
um movimento circular contínuo de 360º. A resultante dos movimentos é
equivalente a uma hélice ou espiral (aquisição helicoidal).
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
• O tubo de raio-X e os detectores realizam um
movimento circular contínuo de 360º,
• Deslocamento horizontal da mesa do paciente,
em velocidade constante, através do aparelho;
• O exame pode ser realizado em um curto
período de tempo e em uma única apneia.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
58
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
5ª geração (Helicoidal)
• A tecnologia helicoidal reduziu de forma drástica o
tempo de realização dos exames. Novas técnicas
foram implementadas e, com isto, o potencial
diagnóstico do método foi sensivelmente elevado.
• Novos conceitos foram introduzidos, destacando-se:
Revolução, Pitch e Interpolação.
• 1. REVOLUÇÃO : Compreende o giro de 360 graus do
conjunto tubo-detectores. O tempo de aquisição dos
cortes influencia a velocidade de rotação do
conjunto. Nos TCs helicoidais o tempo de revolução
médio é de 1 segundo.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
59
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
5ª geração (Helicoidal)
• 2. PITCH : Representa a razão entre o deslocamento da mesa
pela espessura de corte.
PITCH = Deslocamento da mesa
Espessura de corte
• Nas aquisições das imagens helicoidais com pitch de 1:1 ,
observamos que; a mesa se desloca na mesma proporção da
espessura do corte em cada revolução. Assim , se os cortes
forem de 10 mm, para cada imagem a mesa se deslocará 10
mm.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
60
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
61
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
• Se alterarmos a relação do Pitch para 2:1 a mesa se deslocará
numa distância equivalente ao dobro da espessura do corte
por revolução.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
62
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
63
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
• 3. INTERPOLAÇÃO : A aquisição dos dados em TC
helicoidal, gera imagens que, embora não
perceptíveis ao olho humano, apresentam um
aspecto em forma de hélice, resultado da
aquisição espiral.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
64
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
• O incremento de mesa varia de acordo com o
fabricante, que pode ser de 0 a 50 mm, assim
cada equipamento proporciona valores
específicos a cada modelo e fabricante.
• Então não tem como padronizar determinados
protocolos, por estar preso às especificações de
cada fabricante. Mesmo assim podem ser
promovidos três tipos de aquisição, aquisição
como espaçamento, faceamento e interpolação
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
65
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
66
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
67
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
68
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
• A espessura de corte (slice) varia conforme o
fabricante que pode ser de 1mm a 10 mm,
sendo assim cada equipamento irá proporcionar
valores específicos a cada modelo e fabricante,
não tem como padronizar determinados
protocolos, mas aproximá-los conforme a
necessidade do serviço.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
69
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC
5ª geração (Helicoidal)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
70
GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª
geração (Helicoidal)
• Pitch : relação entre velocidade de deslocamento da mesa
(mm/seg), e a espessura do corte (mm),
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
71
Pitch 0
Mesa Parada
Pitch 1
Velocidade =
Espessura
Pitch 2
Velocidade da
mesa 2
vezes maior que
a
espessura de
corte
Não utiliza
aquisição
volumétrica
Maior dose de
radiação
Maior resolução
Maior tempo de
apnéia
Menor dose de
radiação
Menor resolução
Menor tempo de
apnéia
Helicoidal/Multislice
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
72
Helicoidal/Multislice
• Tecnologia slip-ring
• A tecnologia dos anéis deslizantes possibilitou que
a TC helicoidal fosse implementada pois
possibilitava um movimento contínuo do gantry.
Estes anéis forneciam tensão ao tubo sem que o
mesmo ficasse preso a cabos
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
73
Helicoidal/Multislice
• Outra característica notável dos tomógrafos multi-
slice, está relacionado à velocidade com que o
conjunto tubo-detector gira no interior do gantry.
Observa-se, em alguns equipamentos, revoluções
de até 0,5 segundos ( tecnologia sub-second ).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
74
Helicoidal/Multislice
• Este reduzido tempo permitiu novos estudos de
tomografia com sincronização cardíaca. A
sincronização cardíaca, associado às pequenas
espessuras de corte, possibilitou o estudo do
coração com alta resolução anatômica, e melhor
definição das patologias das artérias coronárias.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
75
Helicoidal/Multislice
• VANTAGENS:
• Menor tempo de aquisição, um sistema de
64 cortes pode adquirir até 160 imagens por
segundo frente a 1 corte por segundo do
outro tomógrafo.
• Quantidade reduzida de meio de contraste,
uma redução na quantidade de meio de
contraste intravenosos pode ocorrer em
virtude do aumento da velocidade de
aquisição dos tomógrafos multislice.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
76
Helicoidal/Multislice
• Melhora da resolução espacial, a
espessura de corte milimétrica é possível
graças a à tecnologia multislice.
• Melhora da qualidade da imagem, a
qualidade é melhorada graças à espessura
mais fina dos cortes adquiridos.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
77
Helicoidal/Multislice
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
78
A obtenção de múltiplas imagens por segundo possibilitou ainda
o manuseio em tempo real das imagens, abrindo assim, novos
horizontes no estudo dinâmico dos vasos e nos procedimentos de
biópsia.
Helicoidal/Multislice
• Em 1992 equipamentos com 2 fileiras de detectores,
• Em 1998 aumento para 4 fileiras de detectores,
• Em 2002 aumento para 16 fileiras de detectores,
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
79
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Para que a imagem de tomografia possa ser
reconstruída de forma a demonstrar as
estruturas em sua forma real, faz-se necessário,
múltiplas tomadas de dados em diferentes
ângulos de projeção.
• A partir dos dados obtidos em cada leitura o
computador interpreta o grau de densidade dos
diferentes tecidos atribuindo a cada um o valor
correspondente de uma escala de cinza. O
resultado final é apresentado pelos pixels que
formam a imagem tomográfica.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
80
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
81
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
82
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
83
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
84
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Distinguir estruturas de órgãos e tecidos com
pequenas diferenças de densidade em especial
entre os tecidos moles.
• Imagem de um corte sem a superposição de
imagens das estruturas não pertencentes à seção
em estudo.
• As imagens das estruturas anatômicas conservam
as mesmas proporções, sem distorções.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
85
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Imagens digitais permitem medições
quantitativas das densidades dos tecidos e dos
tamanhos das estruturas.
• Admite reformatações e manipulações pós-
reconstrução, tais como: ampliação, suavização,
reformatação em outros planos (2D) e
reconstrução tridimensional (3D).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
86
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• A reconstrução da imagem utiliza uma série de
algoritmos de reconstrução:
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
87
Matriz Pixel Voxel
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• A matriz da imagem digital é composta por linhas e
colunas de pequenos blocos chamados pixels, que é,
por sua vez, a área resultante da intersecção das
linhas com a colunas.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
88
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• A resolução da imagem ou o grau de definição
das imagens, está relacionada com a matriz
utilizada. Quando maior a matriz, melhor será a
resolução, pois os pixels se apresentarão com
dimensões reduzidas.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
89
FOV = 250 mm
Matriz = 512 x 512
Tamanho do pixel =
= FOV/Matriz =
= 250/512 = 0,5 mm
Matriz = 1024 1024
= 250/1024 0,24
mm
Quanto > o pixel, < a resolução
espacial,
Quanto < o pixel, > a resolução
espacial;
↓
Matriz pequena diminui resolução
espacial,
Matriz alta aumenta a resolução
espacial.
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Pixel
• Um pixel é um dos
milhares de minúsculos
pontos que aparecem no
quadriculado de uma tela
ou de uma folha
impressa. Cada um desses
pixels é uma
representação
bidimensional de um
volume tridimensional de
um tecido do corte de TC.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
90
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Os volumes de tecido tridimensionais são
chamados de elementos de volume (VOXEL).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
91
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Os voxels possuem altura, largura e profundidade.
A profundidade é determinada pela espessura de
corte, cada voxel é representado por um pixel na
imagem bidimensional reconstruída.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
92
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• VOXEL ISOTRÓPICO: São voxels com dimensões iguais nos três
eixos ( altura, largura e profundidade). Dados isotrópicos
permitem excelentes imagens de M.R.P e 3D com a mesma
resolução espacial nos três planos.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
93
FORMAÇÃO DA IMAGEM EM
TOMOGRAFIA
• Uma vez que o grau de
atenuação de cada voxel
esteja determinado, o
corte de tecido
tridimensional é
mostrado no monitor do
computador como uma
imagem bidimensional
(pixel).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
94
ESCALA DE HOUNSFIELD
• Sendo a tomografia um método que mede a
radiação residual, é também um método que
avalia a densidade entre os diferentes tecidos.
Assim, adota-se uma escala de densidades
conhecida por Escala de Hounsfield.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
95
ESCALA DE HOUNSFIELD
• onde as unidades assumem valores pré-
estabelecidos a partir da atribuição do valor zero
(0) a densidade corresponde à água . Tecidos
com densidade maior que água assumem
valores positivos e, os de densidade menor que a
água, valores negativos. A escala de Hounsfield,
assume valores entre –1000 (ar) até + 1000
(osso).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
96
ESCALA DE HOUNSFIELD
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
97
ESCALA DE HOUNSFIELD
• Estruturas muito densas como os ossos provocam
hiperatenuação do feixe de raios-x e menos
quantidade de radiação atinge as câmeras de
detecção.
• Estruturas pouco densas como ar provocam
pequena atenuação no feixe de raios-x sendo
denominadas hipoatenuantes e apresentando-se
em tons escuros nas imagens de Tomografia
Computadorizada.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
98
ESCALA DE HOUNSFIELD
• Outros tecidos e órgãos tem atenuação
intermediaria sendo apresentada em
diferentes tons de cinza de preto a branco
.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
99
Escala de Hounsfield
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
100
Escala de Hounsfield
• Hiperdensa, Hipodensa e Hisodensa.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
101
PARÂMETROS DE AJUSTE
• KV : é o coeficiente de penetrabilidade de raios-x
(70,90,120,135).
• mA : quantidade de radiação (número de elétrons
que vão do catodo ao anodo), - representa a
corrente.
• mAs (miliamperagem/seg): mede o número de
elétrons por segundo que passam pelo tubo de
raios-x – uma corrente x tempo de exposição.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
102
PARÂMETROS DE AQUISIÇÃO
O CAMPO DE VISÃO - FOV (FIELD OF VIEW).
• O campo de visão refere-se à área examinada pela tomografia.
Normalmente o FOV é definido em centímetros. Assim, é normal
estabelecer um FOV de 22 cm para o estudo tomográfico do
crânio.
103
FOV = 220mm FOV = 400mm FOV = 260mm
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
104
PARÂMETROS DE AQUISIÇÃO
• Espessura : Esta relacionado com o tamanho do
corte. Quanto menor a espessura do corte maior o
detalhamento e maior ruído. Para reduzir o ruído
temos que aumentar a dose.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
105
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
106
PARÂMETROS DE AQUISIÇÃO
• INCREMENTO : distância entre um corte e o outro.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
107
PARÂMETROS DE RECONSTRUÇÃO
(FILTROS)
• FILTRO, recurso computacional que proporciona aumento na
resolução da imagem que é adquirida com a necessidade clínica
do usuário.
• A escolha do filtro adequado – qualidade da imagem;
• Contribui para a exposição desnecessária do paciente à radiação.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
108
JANELAS
Nível da Imagem ( Window Level ) – WL
Largura da Janela ( Window width) – WW
• A documentação tomográfica é a última etapa do
exame de tomografia computadorizada. Uma boa
documentação, além de demonstrar zelo com o
exame, pode ser decisiva para uma correta
interpretação do estudo.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
109
JANELAS
• As imagens devem ser documentadas levando-se
em consideração qual o tecido de maior
interesse (assunto) e, evidenciando-se, na
medida do possível, o contraste da imagem.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
110
JANELAS
• O tecido de interesse é estabelecido pelo nível da imagem (
Window Level ) e representado pelo valor WL. O contraste da
imagem depende da amplitude da Janela (Window Width )
representado por WW.
• Janelas muito amplas apresentam imagem tomográficas
acinzentadas e, portanto, de baixo contraste, mas podem
representar fator de qualidade, na medida em que, um maior
número de estruturas estarão presentes na imagem.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
111
JANELAS
JANELAS – ajuste na imagem para discriminar estruturas na escala de
cinzas:
• NÍVEL (WW): posição na escala de cinza onde a imagem é
centralizada (valor da densidade média),
• LARGURA (WL): faixa numérica de TC selecionada para
• amplificar a escala de cinza (“realce”).
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
112
Hemisférios Cerebrais WL 30 a 60 UH WW 60 a 120 UH
Parênquima Pulmonar - 400 a - 750 600 a 1500
Abdome 50 a 100 100 a 600
Óssea 100 a 500 1900 a 4000
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
• É um método matemático (complexo) utilizado na
reconstrução das imagens. Consiste basicamente
na obtenção de imagens em diferentes projeções,
com a correspondente somatória dos resultados
obtidos em cada projeção considera um valor
médio de atenuação para cada coluna ou linha da
imagem.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
113
ALGORITMOS DE
RECONSTRUÇÃO
• A partir desse pressuposto, compara os
resultados obtidos com a média previamente
estabelecida e, trata de fazer os ajustes
necessários adicionando e/ou subtraindo valores
em densidades para cada elemento da imagem,
até a sua reconstrução final.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
114
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
• Em tomografia computadorizada as imagens podem ser
reconstruídas utilizando-se algoritmos de reconstrução que
colocam em evidência alguns tecidos em particular . A classificação
está relacionada com a natureza do tecido estudado:
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
115
SOFT Tecidos moles em crianças
STANDARD Tecidos moles no adulto. Músculos e Vísceras.
DETAIL Tecidos de densidade intermediária entre músculos e
ossos.
BONE Ênfase aos tecidos ósseos.
EDGE Ênfase aos tecidos ósseos, filtro mais “duro”
LUNG Parênquima pulmonar.
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
116
STANDARD BONE
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
117
STANDAD LUNG
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
118
DETAIL EDGE
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
119
STANDARD LUNG
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
• M.P.R- Reformatação Multiplanar. A reformatação é
uma técnica que permite a reconstrução de
imagens em diferentes planos a partir de um bloco
de imagens previamente adquiridas com esta
finalidade. A técnica de reconstrução de imagens
em planos diferentes do originalmente adquirido é
conhecida por reformatação multiplanar. A
reformatação permite a reconstrução de imagens
nos planos: Axial , Coronal , Sagital , Oblíqua , Curva
, Radial.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
120
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
121
ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
122
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
• Distorções na forma, tamanho e posições geradas
pelo sistema de imagem;
• Artefatos são objetos que aparecem na imagem,
inclusos pelo sistema de imagem, mas que na
verdade não existem.
POSSÍVEIS CAUSAS :
• Interna – movimento do órgão/paciente, implantes
metálicos, etc
• Externa – Objetos de alta densidade (relógios,
colares, etc), parâmetros de ajuste não adequados,
etc
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
123
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
124
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
ARTEFATO DE VOLUME PARCIAL:
Os efeito de volume parcial ocorrem quando as estruturas toda a
espessura de uma fatia, quando um corte inclui parte de um corpo
vertebral e parte de um disco a anatomia será mal definida.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
125
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
O EFEITO DE VOLUME PARCIAL
• Em tomografia, a imagem final representa a
densidade correspondente de cada tecido através de
uma escala de cinzas. Particularmente nas imagens
com pouca resolução (matrizes baixas) um voxel pode
ser representado numa tonalidade de cinza não
correspondente ao tecido que representa. Isto pode
acontecer, por exemplo, quando um voxel representa
a imagem de um material de baixa densidade e
parcialmente a imagem de um material de alta
densidade.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
126
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
• Os cálculos efetuados pelo computador
podem atribuir uma tonalidade de cinza
correspondente a de um tecido muscular,
causando um artefato de imagem
conhecido por efeito de volume parcial.
Este efeito tende a ser reduzido nas
matrizes de alta resolução.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
127
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
ARTEFATO DE ANEL (RINGS ARTEFACTS)
• Os artefatos na imagem que se apresentam em forma de
anel, está inicialmente relacionado com problemas nos
detectores. Como os detectores necessitam de calibração
com o “ar” para reconhecimento dos demais tecidos,
ocasionalmente pode ocorrer de perderem os valores de
referência, o que ocasiona artefatos na imagem na forma de
anéis. O primeiro procedimento do operador nestas
circunstâncias é efetuar uma calibração nos detectores.
• A periocidade com que devemos fazer está calibração varia
de aparelho para aparelho. A maior parte dos equipamentos
modernos admite uma única calibração diária.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
128
ARTEFATO DE ANEL
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
129
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
MATERIAL DE ALTA DENSIDADE (STRIKE)
• Objetos metálicos produzem artefatos lineares de
alta densidade, devido aos altos coeficientes de
atenuação linear apresentados por este material. A
presença desses artefatos pode ser atenuada a
partir do uso de feixe de alta energia (120/ 140
KV), embora não possam ser evitados.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
130
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
131
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
MATERIAIS DE ALTO NÚMERO ATÔMICO
• Materiais de alto número atômico tendem a se
comportar como os materiais metálicos e,
produzir artefatos do tipo “Strike”. Os meios de
contrastes positivos como: o Iodo e o Bário em
altas concentrações, devem ser evitados, ou
usados com critérios.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
132
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
133
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
RUÍDO DE IMAGEM
• O ruído, aspecto que confere
granulosidade às imagens,
ocorre principalmente em
função da utilização de feixes
de baixa energia ou, quando o
objeto apresenta grandes
dimensões, como no caso dos
pacientes obesos. Nessas
condições, há de se aumentar a
dose de exposição, pelo
aumento da kilovoltagem, da
miliamperagem ou do tempo
de exposição.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
134
PROBLEMAS COMUNS EM TC
(ARTEFATOS)
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
135
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
• O uso de meios de contraste em TC são frequentemente
utilizados para a distinção entre tecido normal e
patológico.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
136
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
CONTRASTE VESICAL
• É administrado com objetivo de preencher a bexiga,
principalmente em estudos da região pélvica, para
melhor estudo deste órgão e outros adjacentes,
sendo mais utilizados em pacientes que não foram
submetidos a injeção do contraste venoso. A
quantidade de contraste é de 200ml diluído a 3% em
soro fisiológico.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
137
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
138
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
CONTRASTE ORAL
• É utilizado em exames abdominais, pois é necessário
para que as alças intestinais sejam preenchidas para
melhor visualização de todas outras estruturas e até
de patologias.
• Geralmente utiliza-se o sulfato de bário que é
apropriado para Tomografia Computadorizada ou o
contraste iodado diluído em torno de 3%, a
quantidade ingerida é em torno de 1.000 ml que
deve ser administrada em torno de 1 hora antes do
início do exame dividida em cinco doses sendo a
última ingerida antes de iniciar o exame.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
139
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
140
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
CONTRASTE RETAL
• É utilizado nos estudos pélvicos quando o
contraste oral não teve um boa progressão, ele
tem a finalidade de ajuda o diagnóstico, pois
preenche o reto e o sigmoide. A quantidade
injetada está em torno de 200ml, sendo mais
utilizado o contraste iodado diluído a 3%.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
141
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
142
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
CONTRASTE VENOSO
• O contraste venoso é dividido em 2 formulas: Meios
de contrastes iônicos e não iônicos. No uso de
contraste venoso o preparo do paciente é
indispensável, devendo realizar-se em jejum de 6
horas associados a medicamentos preventivos que
são a critério do serviço.
• Antes de qualquer exame de TC, é necessária a
elaboração de uma história clínica completa,
focalizando os fatores que possam representar uma
contraindicação ao uso de meios de contraste ou
indicar aumento na probabilidade de uma reação.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
143
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
Existem vários fatores que são considerados como de maior pré-
disposição a reações alérgicas ou complicações com uso do contraste.
- Qualquer tipo de alergia, como a iodo oral, cutâneo.
- Alergia a alimentos como camarão, frutos do mar, agrião.
- Alergia a medicamentos como sulfa, penicilina.
- Problemas respiratórios como renite alérgica, bronquite e asma .
- Cardíacos.
- Diabéticos.
- Portadores de insuficiência renal.
- Mieloma múltiplo
- Recém-nascidos.
- Paciente idosos.
-Anemia falciforme
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
144
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
• O contraste venoso esclarece o estudo de veias, artérias e
caracteriza uma melhor visualização e definição de
patologias. Ocorrem casos que a patologia só é
identificada com o contraste venoso devido ao poder de
captação da lesão, isso nos mostra que exame realizados
sem contraste venoso podem não ter um diagnóstico
eficiente. Por isso cabe ao médico avaliar o risco
benefício.
A quantidade de contraste venoso utilizado está
relacionada a fatores como:
- Peso do paciente.
- Região de estudo. - Velocidade do aparelho.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
145
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
146
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
147
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
148
MEIOS DE CONTRASTE NA TC
São consideradas reações adversas ao contraste
venoso: náuseas, calor, tosse, prurido, urticária, rubor,
rouquidão, espirros, dor no peito, dores abdominais,
palpitação, edema facial, parada cardíaca, perda de
consciência.
• As reações leves são reações cutâneas sem
necessidades de tratamento.
• As reações moderadas requerem tratamento
porém não envolvem risco de vida .
• A reações graves requerem tratamento de
urgência, pois envolvem risco de vida, necessitando
de internação hospitalar.
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
149
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
150
Atividade de Revisão
TomografiaComputadorizada-
ProfWendesor
151

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento
FLAVIO LOBATO
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
Amanda Azevêdo
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
Rodrigo Ribeiro Jr.
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
celais0814
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Paulo Fonseca
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Noara Thomaz
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICARESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Manu Medeiros
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Rafael Sciammarella
 
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIAHEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
grtalves
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
Kery Albuquerque
 
Densitometriaossea
DensitometriaosseaDensitometriaossea
Densitometriaossea
Nathália Roncada Dias
 
HEMODINÂMICA
HEMODINÂMICAHEMODINÂMICA
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Guillermo Alberto López
 

Mais procurados (20)

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃORESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA-ATUALIZAÇÃO
 
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
Tudo sobre Ressonância Magnética (RM)
 
Tomografia posicionamento
Tomografia posicionamentoTomografia posicionamento
Tomografia posicionamento
 
APOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIAAPOSTILA TOMOGRAFIA
APOSTILA TOMOGRAFIA
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITAL
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
 
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICARESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
 
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia ComputadorizadaEvolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
Evolução tecnológica em Tomografia Computadorizada
 
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIAHEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
HEMODINÂMICA - RADIOLOGIA
 
Introdução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordanoIntrodução à radiologia red. giordano
Introdução à radiologia red. giordano
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
Densitometriaossea
DensitometriaosseaDensitometriaossea
Densitometriaossea
 
HEMODINÂMICA
HEMODINÂMICAHEMODINÂMICA
HEMODINÂMICA
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
Tomografia computadorizada power point (1) [reparado]
 

Semelhante a Aula de tomografia - Wendesor Oliveira

Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
Joel Rodrigues
 
Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
rafael severin
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
FLAVIO LOBATO
 
DOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.pptDOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.ppt
Wellyson Rocha
 
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Apostila tomografia   prof. ricardo pereiraApostila tomografia   prof. ricardo pereira
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Marcelo Martelli Rossilho
 
TC (2).ppt
TC (2).pptTC (2).ppt
TC (2).ppt
Elany Maria
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
Luanapqt
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
Lorem Morais
 
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
Isabel Canova
 
Tomografia para tecnicos
Tomografia   para tecnicosTomografia   para tecnicos
Tomografia para tecnicos
Luanapqt
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
Gabriel da Cruz
 
aula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptxaula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptx
KarlosEduardo30
 
1ª tc[1].ppt cópia
1ª tc[1].ppt   cópia1ª tc[1].ppt   cópia
1ª tc[1].ppt cópia
Douglas Henrique
 
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Fabiano Ladislau
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
anatomia seccional e HD - aula 5.pptx
anatomia seccional e HD - aula 5.pptxanatomia seccional e HD - aula 5.pptx
anatomia seccional e HD - aula 5.pptx
CentrodeCapacitaoemS1
 
3 instrum osc-apres_3-2
3 instrum osc-apres_3-23 instrum osc-apres_3-2
3 instrum osc-apres_3-2
Adir Figueiredo
 
Cintilografia ossea instrumentação
Cintilografia  ossea instrumentaçãoCintilografia  ossea instrumentação
Cintilografia ossea instrumentação
Rodrigo Pina Almeida
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
Luanapqt
 
Redução da dose de radiação na tomografia
Redução da dose de radiação na tomografiaRedução da dose de radiação na tomografia
Redução da dose de radiação na tomografia
Marcelo Madureira Montroni
 

Semelhante a Aula de tomografia - Wendesor Oliveira (20)

Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
 
Tc apostila almir
Tc apostila almirTc apostila almir
Tc apostila almir
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
DOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.pptDOC-20230522-WA0030_.ppt
DOC-20230522-WA0030_.ppt
 
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
Apostila tomografia   prof. ricardo pereiraApostila tomografia   prof. ricardo pereira
Apostila tomografia prof. ricardo pereira
 
TC (2).ppt
TC (2).pptTC (2).ppt
TC (2).ppt
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Tomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em OdontologiaTomografia computadorizada em Odontologia
Tomografia computadorizada em Odontologia
 
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
 
Tomografia para tecnicos
Tomografia   para tecnicosTomografia   para tecnicos
Tomografia para tecnicos
 
Tomografia feixe conico
Tomografia feixe conicoTomografia feixe conico
Tomografia feixe conico
 
aula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptxaula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptx
 
1ª tc[1].ppt cópia
1ª tc[1].ppt   cópia1ª tc[1].ppt   cópia
1ª tc[1].ppt cópia
 
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
Renderização de volume aplicado a angiotomografia (atual)
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
 
anatomia seccional e HD - aula 5.pptx
anatomia seccional e HD - aula 5.pptxanatomia seccional e HD - aula 5.pptx
anatomia seccional e HD - aula 5.pptx
 
3 instrum osc-apres_3-2
3 instrum osc-apres_3-23 instrum osc-apres_3-2
3 instrum osc-apres_3-2
 
Cintilografia ossea instrumentação
Cintilografia  ossea instrumentaçãoCintilografia  ossea instrumentação
Cintilografia ossea instrumentação
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
 
Redução da dose de radiação na tomografia
Redução da dose de radiação na tomografiaRedução da dose de radiação na tomografia
Redução da dose de radiação na tomografia
 

Mais de Wendesor Oliveira

Pneumotorax e pneumonia
Pneumotorax e pneumoniaPneumotorax e pneumonia
Pneumotorax e pneumonia
Wendesor Oliveira
 
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Wendesor Oliveira
 
Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO -
Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO - Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO -
Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO -
Wendesor Oliveira
 
Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia
Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia
Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia
Wendesor Oliveira
 
Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem,
Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem, Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem,
Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem,
Wendesor Oliveira
 
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Wendesor Oliveira
 
Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos
Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos
Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos
Wendesor Oliveira
 

Mais de Wendesor Oliveira (7)

Pneumotorax e pneumonia
Pneumotorax e pneumoniaPneumotorax e pneumonia
Pneumotorax e pneumonia
 
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
Radioterapia - braquiterapia - teleterapia - introdução a radioterapia, colim...
 
Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO -
Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO - Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO -
Medicina nuclear - WENDESOR - RADIOLOGIA - INTRODUÇÃO -
 
Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia
Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia
Medicina nuclear introdução e assuntos pertinentes à radiologia
 
Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem,
Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem, Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem,
Anatomia do ombro, posicionamento, achados na imagem,
 
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
Anatomia radiológica, tipos de fraturas, achados radiográficos.
 
Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos
Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos
Anatomia e avaliação do tórax em exames radiológicos
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Aula de tomografia - Wendesor Oliveira

  • 1. Tomografia Computadorizada Tnr: Wendesor Souza de Oliveira TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 1
  • 2. Tomografia Computadorizada ( TC ) •O que é ? TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 2
  • 3. Tomografia Computadorizada ( TC ) • É um método de diagnóstico pôr imagem que utiliza raios x e através de cortes axiais proporciona um estudo detalhado de diferentes estruturas do corpo humano, facilitando a localização de patologias e proporcionando maior precisão nas intervenções clínicas e cirúrgicas . A TC proporciona imagens de cortes anatômicos nos planos axial, coronal e sagital, usando um computador complexo e um sistema mecânico de imagens. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 3
  • 4. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Avalia o indivíduo através de cortes anatômicos, secções, ou fatias, cuja imagem é reconstruída por métodos de cálculos em computador. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 4
  • 5. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 5 Corte axial do crânio Corte axial do abdome
  • 6. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 6
  • 7. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 7
  • 8. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 8
  • 9. Tomografia Computadorizada ( TC ) • A tomografia trabalha com tubos de raios-X de alta potência. Durante a aquisição de um corte tomográfico, enquanto o tubo gira ao redor do paciente, um feixe de radiação é emitido, indo incidir nos detectores que coletam as informações obtidas a partir de múltiplas projeções. As informações são então enviadas ao computador responsável pelo processamento das imagens. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 9
  • 10. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Características do Método: • 1 .– A Tomografia apresenta feixe de aspecto laminar e em forma de leque. • 2. – A aquisição das imagens ocorre no plano do “gantry” o que, primariamente, gera cortes transversais ao plano do corpo. • 3. – A imagem final é digital e pode ser facilmente manipulada por softwares. • 4 .– Quanto maior a matriz melhor será a resolução da imagem. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 10
  • 11. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 11
  • 12. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 12
  • 13. Tomografia Computadorizada ( TC ) • COMPONENTES DO APARELHO • O sistema é composto de: Gantry, mesa de exames, mesa de comando, computador para processamento das imagens e o PDU (Unidade de Distribuição de Força). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 13
  • 14. Tomografia Computadorizada ( TC ) GANTRY • O GANTRY É O CORPO DO APARELHO E CONTÉM: • Tubo de Raios-X • Conjunto de Detectores • Transformador de Anodo • Transformador do Catodo • Transformador do filamento • Botões controladores dos movimentos da mesa e do gantry • Painel identificador do posicionamento da mesa e do gantry • Dispositivo LASER de posicionamento • Motor para rotação do tubo • Motor para angulação do gantry TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 14
  • 15. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 15
  • 16. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 16
  • 17. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 17
  • 18. Tomografia Computadorizada ( TC ) • DETECTORES • Os detectores nos equipamentos de tomografia são tão importantes quanto o tubo de raios-X. As principais características dos detectores estão relacionadas com: Custo. Eficiência. Estabilidade e Velocidade. • O custo dos detectores é o principal fator dos altos preços dos TC atuais. • Distinguem-se basicamente dois tipos de detectores: Os de cristais luminescentes e, os de câmara de ionização: TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 18
  • 19. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Detectores de Cristais Luminescentes: • Esses detectores são formados a partir de cristais de Iodeto de Sódio acoplados à pequenas câmaras fotomultiplicadoras. Quando o feixe interage com esses cristais, uma pequena quantidade de luz é emitida na razão diretamente proporcional a intensidade da radiação incidente. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 19
  • 20. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Um tubo fotomultiplicador acoplado à estes cristais se encarrega de amplificar o sinal recebido transformando-o numa corrente elétrica de pequena intensidade. O resultado final é armazenado na memória do computador. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 20
  • 21. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 21
  • 22. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Detectores de Câmara de Ionização. • Os detectores que usam câmara de ionização, são constituídos por pequenos tubos que possuem gás nobre em seu interior, frequentemente o xenônio, e que, em presença de radiação, sofrem uma ionização temporária, suficiente para fazer surgir uma pequena corrente elétrica que levará a informação ao computador. A corrente elétrica será proporcional à ionização gerada no interior do detector . TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 22
  • 23. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 23
  • 24. Tomografia Computadorizada ( TC ) Mesa de Comando • A mesa de comando está constituída de dois monitores de 20 polegadas. • Um teclado alfa numérico com funções específicas para “start” dos “scans”. • Dispositivos para movimentos da mesa de exames e de comunicação com o paciente e um mouse. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 24
  • 25. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 25
  • 26. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 26
  • 27. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Mesa de Exame • A mesa de exames é do tipo elevador, assumindo a posição mais baixa à cerca de 38 cm do solo, podendo alcançar um altura de 93 cm. Apresenta tampo deslizante e é totalmente constituída de material radiotransparente. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 27
  • 28. Tomografia Computadorizada ( TC ) • A mesa está dimensionada para suportar pacientes com até 180 Kg, mantendo-se a eficácia de precisão nos deslocamentos. Possui suporte para exames de crânio e extensão de prolongamento, utilizada principalmente nos exames de abdome e membros inferiores. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 28
  • 29. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 29
  • 30. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 30
  • 31. Tomografia Computadorizada ( TC ) • PDU- Power Distribution Unit: • O PDU é o dispositivo responsável pela alimentação do sistema de tomografia computadorizada. O sistema de alimentação é trifásico e a tensão de 480 volts. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 31
  • 32. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 32 Impressora onde são revelados os filmes
  • 33. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 33 Bomba injetora. Equipamento utilizado para injeção endovenosa de contraste no paciente.
  • 34. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 34
  • 35. Tomografia Computadorizada ( TC ) • Todo local sujeito à radiação deve ser devidamente sinalizado com o símbolo internacional de radiação que é o Trifólio. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 35
  • 36. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 36
  • 37. Tomografia Computadorizada ( TC ) • “A radiação X, desde a sua descoberta vem sendo amplamente aplicada na indústria e na pesquisa, e se tornou indispensável nas emergências médicas e nas práticas clínicas.” • “Como muitas descobertas, a tomografia computadorizada é o resultado final de muitos anos de trabalho de diversos pesquisadores, e com a evolução dos computadores o tomógrafo é um exemplo de equipamento que associa a informática aos princípios de produção da imagem por raios-x.” TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 37
  • 38. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 38 Radiografias simples: Sobreposição de sombras Tomografia: Informação focalizada sobre um corte, proporcionando uma amplitude de valores de densidade.
  • 39. Tomografia Computadorizada ( TC ) • 1972 – Os britânicos Godfrey Hounsfield e Allen Cormack (mestres em ciências físicas), revelaram pela primeira vez as partes internas de um cérebro; • 1973 – Instalado o primeiro tomógrafo nos E.U.A; • 1979 – Hounsfield recebeu o prêmio Nobel de medicina; • 1982 – Introdução da Tomografia Computadorizada Espiral. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 39
  • 40. Tomografia Computadorizada ( TC ) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 40Godfrey Hounsfield
  • 41. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 1ª geração • Surgiu no ano de 1972, • Movimento de translação e rotação do tubo de raios-x e do detector (180°), • Feixe em forma de lápis(pencil beam), • Detector único, • Tempo de corte: 5 minutos por imagem. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 41
  • 42. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 1ª geração Desvantagens: • Processo de varredura muito demorado, • Apenas uma fatia é coletada a cada varredura. Vantagens: • Baixo custo, • Processos de varredura e aquisição simples, • Algoritmo de reconstrução de imagens simples, • Maior qualidade de imagens devido ao uso de um único detector. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 42
  • 43. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 2ª geração • Surgiu no ano de 1974, • Movimento de translação e rotação do tubo de raios-x e do detector, • Feixe em forma de leque (fan beam), • Maior número de detectores (25 a 80 detectores), • Tempo de corte: em média 20 segundos por imagem. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 43
  • 44. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 2ª geração TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 44
  • 45. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 2ª geração Vantagens: • Múltiplos detectores com tempo de coleta de dados menor, Desvantagens: • Pequenas variações entre as respostas dos detectores que causa artefatos nas imagens finais. • Dados inúteis são sempre coletados no processo de varredura. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 45
  • 46. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 1ª e 2ª geração TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 46
  • 47. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 3ª geração • Surgiu no ano de 1975 – 1977, • Movimento de rotação do tubo de raios-x e dos detectores (360°), • Aumento do feixe em leque, • Aumento no número de detectores (200 a 600), • Tempo de corte: em média 1 a 10 segundos. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 47
  • 48. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 3ª geração TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 48
  • 49. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 3ª geração Vantagens: • Apenas uma rotação para a coleta de dados, • Sistema mecânico mais simples, • Menor tempo de varredura, TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 49
  • 50. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 3ª geração Desvantagens: • O diâmetro é limitado pelo número de detectores, • Objetos menores coleta uma quantidade de dados inúteis, • Espaçamento é limitado pelo número de detectores, • Diferenças entre detectores causam artefatos em forma de circunferência, • Sistema mais caro (maior número de detectores). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 50
  • 51. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 4ª geração • Surgiu no ano de 1981, • Movimento de rotação do tubo de raios-x em (360°), • Aumento do feixe em leque, • Detectores estacionários, fixos (1000 a 2000), • Tempo de corte: 1 segundo. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 51
  • 52. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 4ª geração TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 52
  • 53. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 4ª geração Vantagens: • Todos os pontos de cada projeção são adquiridos simultaneamente, • Apenas um movimento de rotação, • Sistema mecânico para movimentar a fonte de raios- x simples, • Tempo reduzido pelo simples movimento de rotação e ao feixe em leque cobrindo todo o objeto, TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 53
  • 54. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 4ª geração Desvantagens: • Estudo limitado pelo feixe em leque produzido, • Objetos menores resultam em coleta de dados desnecessários, • Custo muito elevado (grande número de detectores), • Número de raios por projeção limitado pelo número de detectores coberto pelo feixe em leque, limitando a resolução. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 54
  • 55. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 3ª e 4ª geração TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 55
  • 56. QUALIDADE DAS IMAGENS TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 56 1ª Geração – 5min (1974) 4ª Geração – 1s (1996)
  • 57. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 57 Com este sistema, o paciente move-se de forma contínua e lenta para dentro ou para fora do aparelho enquanto o tubo de raio-X e os detectores realizam um movimento circular contínuo de 360º. A resultante dos movimentos é equivalente a uma hélice ou espiral (aquisição helicoidal).
  • 58. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • O tubo de raio-X e os detectores realizam um movimento circular contínuo de 360º, • Deslocamento horizontal da mesa do paciente, em velocidade constante, através do aparelho; • O exame pode ser realizado em um curto período de tempo e em uma única apneia. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 58
  • 59. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • A tecnologia helicoidal reduziu de forma drástica o tempo de realização dos exames. Novas técnicas foram implementadas e, com isto, o potencial diagnóstico do método foi sensivelmente elevado. • Novos conceitos foram introduzidos, destacando-se: Revolução, Pitch e Interpolação. • 1. REVOLUÇÃO : Compreende o giro de 360 graus do conjunto tubo-detectores. O tempo de aquisição dos cortes influencia a velocidade de rotação do conjunto. Nos TCs helicoidais o tempo de revolução médio é de 1 segundo. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 59
  • 60. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • 2. PITCH : Representa a razão entre o deslocamento da mesa pela espessura de corte. PITCH = Deslocamento da mesa Espessura de corte • Nas aquisições das imagens helicoidais com pitch de 1:1 , observamos que; a mesa se desloca na mesma proporção da espessura do corte em cada revolução. Assim , se os cortes forem de 10 mm, para cada imagem a mesa se deslocará 10 mm. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 60
  • 61. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 61
  • 62. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • Se alterarmos a relação do Pitch para 2:1 a mesa se deslocará numa distância equivalente ao dobro da espessura do corte por revolução. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 62
  • 63. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 63
  • 64. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • 3. INTERPOLAÇÃO : A aquisição dos dados em TC helicoidal, gera imagens que, embora não perceptíveis ao olho humano, apresentam um aspecto em forma de hélice, resultado da aquisição espiral. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 64
  • 65. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • O incremento de mesa varia de acordo com o fabricante, que pode ser de 0 a 50 mm, assim cada equipamento proporciona valores específicos a cada modelo e fabricante. • Então não tem como padronizar determinados protocolos, por estar preso às especificações de cada fabricante. Mesmo assim podem ser promovidos três tipos de aquisição, aquisição como espaçamento, faceamento e interpolação TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 65
  • 66. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 66
  • 67. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 67
  • 68. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 68
  • 69. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • A espessura de corte (slice) varia conforme o fabricante que pode ser de 1mm a 10 mm, sendo assim cada equipamento irá proporcionar valores específicos a cada modelo e fabricante, não tem como padronizar determinados protocolos, mas aproximá-los conforme a necessidade do serviço. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 69
  • 70. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 70
  • 71. GERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TC 5ª geração (Helicoidal) • Pitch : relação entre velocidade de deslocamento da mesa (mm/seg), e a espessura do corte (mm), TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 71 Pitch 0 Mesa Parada Pitch 1 Velocidade = Espessura Pitch 2 Velocidade da mesa 2 vezes maior que a espessura de corte Não utiliza aquisição volumétrica Maior dose de radiação Maior resolução Maior tempo de apnéia Menor dose de radiação Menor resolução Menor tempo de apnéia
  • 73. Helicoidal/Multislice • Tecnologia slip-ring • A tecnologia dos anéis deslizantes possibilitou que a TC helicoidal fosse implementada pois possibilitava um movimento contínuo do gantry. Estes anéis forneciam tensão ao tubo sem que o mesmo ficasse preso a cabos TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 73
  • 74. Helicoidal/Multislice • Outra característica notável dos tomógrafos multi- slice, está relacionado à velocidade com que o conjunto tubo-detector gira no interior do gantry. Observa-se, em alguns equipamentos, revoluções de até 0,5 segundos ( tecnologia sub-second ). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 74
  • 75. Helicoidal/Multislice • Este reduzido tempo permitiu novos estudos de tomografia com sincronização cardíaca. A sincronização cardíaca, associado às pequenas espessuras de corte, possibilitou o estudo do coração com alta resolução anatômica, e melhor definição das patologias das artérias coronárias. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 75
  • 76. Helicoidal/Multislice • VANTAGENS: • Menor tempo de aquisição, um sistema de 64 cortes pode adquirir até 160 imagens por segundo frente a 1 corte por segundo do outro tomógrafo. • Quantidade reduzida de meio de contraste, uma redução na quantidade de meio de contraste intravenosos pode ocorrer em virtude do aumento da velocidade de aquisição dos tomógrafos multislice. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 76
  • 77. Helicoidal/Multislice • Melhora da resolução espacial, a espessura de corte milimétrica é possível graças a à tecnologia multislice. • Melhora da qualidade da imagem, a qualidade é melhorada graças à espessura mais fina dos cortes adquiridos. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 77
  • 78. Helicoidal/Multislice TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 78 A obtenção de múltiplas imagens por segundo possibilitou ainda o manuseio em tempo real das imagens, abrindo assim, novos horizontes no estudo dinâmico dos vasos e nos procedimentos de biópsia.
  • 79. Helicoidal/Multislice • Em 1992 equipamentos com 2 fileiras de detectores, • Em 1998 aumento para 4 fileiras de detectores, • Em 2002 aumento para 16 fileiras de detectores, TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 79
  • 80. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Para que a imagem de tomografia possa ser reconstruída de forma a demonstrar as estruturas em sua forma real, faz-se necessário, múltiplas tomadas de dados em diferentes ângulos de projeção. • A partir dos dados obtidos em cada leitura o computador interpreta o grau de densidade dos diferentes tecidos atribuindo a cada um o valor correspondente de uma escala de cinza. O resultado final é apresentado pelos pixels que formam a imagem tomográfica. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 80
  • 81. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 81
  • 82. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 82
  • 83. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 83
  • 84. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 84
  • 85. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Distinguir estruturas de órgãos e tecidos com pequenas diferenças de densidade em especial entre os tecidos moles. • Imagem de um corte sem a superposição de imagens das estruturas não pertencentes à seção em estudo. • As imagens das estruturas anatômicas conservam as mesmas proporções, sem distorções. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 85
  • 86. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Imagens digitais permitem medições quantitativas das densidades dos tecidos e dos tamanhos das estruturas. • Admite reformatações e manipulações pós- reconstrução, tais como: ampliação, suavização, reformatação em outros planos (2D) e reconstrução tridimensional (3D). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 86
  • 87. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • A reconstrução da imagem utiliza uma série de algoritmos de reconstrução: TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 87 Matriz Pixel Voxel
  • 88. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • A matriz da imagem digital é composta por linhas e colunas de pequenos blocos chamados pixels, que é, por sua vez, a área resultante da intersecção das linhas com a colunas. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 88
  • 89. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • A resolução da imagem ou o grau de definição das imagens, está relacionada com a matriz utilizada. Quando maior a matriz, melhor será a resolução, pois os pixels se apresentarão com dimensões reduzidas. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 89 FOV = 250 mm Matriz = 512 x 512 Tamanho do pixel = = FOV/Matriz = = 250/512 = 0,5 mm Matriz = 1024 1024 = 250/1024 0,24 mm Quanto > o pixel, < a resolução espacial, Quanto < o pixel, > a resolução espacial; ↓ Matriz pequena diminui resolução espacial, Matriz alta aumenta a resolução espacial.
  • 90. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Pixel • Um pixel é um dos milhares de minúsculos pontos que aparecem no quadriculado de uma tela ou de uma folha impressa. Cada um desses pixels é uma representação bidimensional de um volume tridimensional de um tecido do corte de TC. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 90
  • 91. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Os volumes de tecido tridimensionais são chamados de elementos de volume (VOXEL). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 91
  • 92. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Os voxels possuem altura, largura e profundidade. A profundidade é determinada pela espessura de corte, cada voxel é representado por um pixel na imagem bidimensional reconstruída. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 92
  • 93. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • VOXEL ISOTRÓPICO: São voxels com dimensões iguais nos três eixos ( altura, largura e profundidade). Dados isotrópicos permitem excelentes imagens de M.R.P e 3D com a mesma resolução espacial nos três planos. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 93
  • 94. FORMAÇÃO DA IMAGEM EM TOMOGRAFIA • Uma vez que o grau de atenuação de cada voxel esteja determinado, o corte de tecido tridimensional é mostrado no monitor do computador como uma imagem bidimensional (pixel). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 94
  • 95. ESCALA DE HOUNSFIELD • Sendo a tomografia um método que mede a radiação residual, é também um método que avalia a densidade entre os diferentes tecidos. Assim, adota-se uma escala de densidades conhecida por Escala de Hounsfield. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 95
  • 96. ESCALA DE HOUNSFIELD • onde as unidades assumem valores pré- estabelecidos a partir da atribuição do valor zero (0) a densidade corresponde à água . Tecidos com densidade maior que água assumem valores positivos e, os de densidade menor que a água, valores negativos. A escala de Hounsfield, assume valores entre –1000 (ar) até + 1000 (osso). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 96
  • 98. ESCALA DE HOUNSFIELD • Estruturas muito densas como os ossos provocam hiperatenuação do feixe de raios-x e menos quantidade de radiação atinge as câmeras de detecção. • Estruturas pouco densas como ar provocam pequena atenuação no feixe de raios-x sendo denominadas hipoatenuantes e apresentando-se em tons escuros nas imagens de Tomografia Computadorizada. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 98
  • 99. ESCALA DE HOUNSFIELD • Outros tecidos e órgãos tem atenuação intermediaria sendo apresentada em diferentes tons de cinza de preto a branco . TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 99
  • 101. Escala de Hounsfield • Hiperdensa, Hipodensa e Hisodensa. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 101
  • 102. PARÂMETROS DE AJUSTE • KV : é o coeficiente de penetrabilidade de raios-x (70,90,120,135). • mA : quantidade de radiação (número de elétrons que vão do catodo ao anodo), - representa a corrente. • mAs (miliamperagem/seg): mede o número de elétrons por segundo que passam pelo tubo de raios-x – uma corrente x tempo de exposição. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 102
  • 103. PARÂMETROS DE AQUISIÇÃO O CAMPO DE VISÃO - FOV (FIELD OF VIEW). • O campo de visão refere-se à área examinada pela tomografia. Normalmente o FOV é definido em centímetros. Assim, é normal estabelecer um FOV de 22 cm para o estudo tomográfico do crânio. 103 FOV = 220mm FOV = 400mm FOV = 260mm
  • 105. PARÂMETROS DE AQUISIÇÃO • Espessura : Esta relacionado com o tamanho do corte. Quanto menor a espessura do corte maior o detalhamento e maior ruído. Para reduzir o ruído temos que aumentar a dose. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 105
  • 107. PARÂMETROS DE AQUISIÇÃO • INCREMENTO : distância entre um corte e o outro. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 107
  • 108. PARÂMETROS DE RECONSTRUÇÃO (FILTROS) • FILTRO, recurso computacional que proporciona aumento na resolução da imagem que é adquirida com a necessidade clínica do usuário. • A escolha do filtro adequado – qualidade da imagem; • Contribui para a exposição desnecessária do paciente à radiação. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 108
  • 109. JANELAS Nível da Imagem ( Window Level ) – WL Largura da Janela ( Window width) – WW • A documentação tomográfica é a última etapa do exame de tomografia computadorizada. Uma boa documentação, além de demonstrar zelo com o exame, pode ser decisiva para uma correta interpretação do estudo. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 109
  • 110. JANELAS • As imagens devem ser documentadas levando-se em consideração qual o tecido de maior interesse (assunto) e, evidenciando-se, na medida do possível, o contraste da imagem. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 110
  • 111. JANELAS • O tecido de interesse é estabelecido pelo nível da imagem ( Window Level ) e representado pelo valor WL. O contraste da imagem depende da amplitude da Janela (Window Width ) representado por WW. • Janelas muito amplas apresentam imagem tomográficas acinzentadas e, portanto, de baixo contraste, mas podem representar fator de qualidade, na medida em que, um maior número de estruturas estarão presentes na imagem. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 111
  • 112. JANELAS JANELAS – ajuste na imagem para discriminar estruturas na escala de cinzas: • NÍVEL (WW): posição na escala de cinza onde a imagem é centralizada (valor da densidade média), • LARGURA (WL): faixa numérica de TC selecionada para • amplificar a escala de cinza (“realce”). TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 112 Hemisférios Cerebrais WL 30 a 60 UH WW 60 a 120 UH Parênquima Pulmonar - 400 a - 750 600 a 1500 Abdome 50 a 100 100 a 600 Óssea 100 a 500 1900 a 4000
  • 113. ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO • É um método matemático (complexo) utilizado na reconstrução das imagens. Consiste basicamente na obtenção de imagens em diferentes projeções, com a correspondente somatória dos resultados obtidos em cada projeção considera um valor médio de atenuação para cada coluna ou linha da imagem. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 113
  • 114. ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO • A partir desse pressuposto, compara os resultados obtidos com a média previamente estabelecida e, trata de fazer os ajustes necessários adicionando e/ou subtraindo valores em densidades para cada elemento da imagem, até a sua reconstrução final. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 114
  • 115. ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO • Em tomografia computadorizada as imagens podem ser reconstruídas utilizando-se algoritmos de reconstrução que colocam em evidência alguns tecidos em particular . A classificação está relacionada com a natureza do tecido estudado: TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 115 SOFT Tecidos moles em crianças STANDARD Tecidos moles no adulto. Músculos e Vísceras. DETAIL Tecidos de densidade intermediária entre músculos e ossos. BONE Ênfase aos tecidos ósseos. EDGE Ênfase aos tecidos ósseos, filtro mais “duro” LUNG Parênquima pulmonar.
  • 120. ALGORITMOS DE RECONSTRUÇÃO • M.P.R- Reformatação Multiplanar. A reformatação é uma técnica que permite a reconstrução de imagens em diferentes planos a partir de um bloco de imagens previamente adquiridas com esta finalidade. A técnica de reconstrução de imagens em planos diferentes do originalmente adquirido é conhecida por reformatação multiplanar. A reformatação permite a reconstrução de imagens nos planos: Axial , Coronal , Sagital , Oblíqua , Curva , Radial. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 120
  • 123. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) • Distorções na forma, tamanho e posições geradas pelo sistema de imagem; • Artefatos são objetos que aparecem na imagem, inclusos pelo sistema de imagem, mas que na verdade não existem. POSSÍVEIS CAUSAS : • Interna – movimento do órgão/paciente, implantes metálicos, etc • Externa – Objetos de alta densidade (relógios, colares, etc), parâmetros de ajuste não adequados, etc TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 123
  • 125. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) ARTEFATO DE VOLUME PARCIAL: Os efeito de volume parcial ocorrem quando as estruturas toda a espessura de uma fatia, quando um corte inclui parte de um corpo vertebral e parte de um disco a anatomia será mal definida. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 125
  • 126. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) O EFEITO DE VOLUME PARCIAL • Em tomografia, a imagem final representa a densidade correspondente de cada tecido através de uma escala de cinzas. Particularmente nas imagens com pouca resolução (matrizes baixas) um voxel pode ser representado numa tonalidade de cinza não correspondente ao tecido que representa. Isto pode acontecer, por exemplo, quando um voxel representa a imagem de um material de baixa densidade e parcialmente a imagem de um material de alta densidade. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 126
  • 127. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) • Os cálculos efetuados pelo computador podem atribuir uma tonalidade de cinza correspondente a de um tecido muscular, causando um artefato de imagem conhecido por efeito de volume parcial. Este efeito tende a ser reduzido nas matrizes de alta resolução. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 127
  • 128. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) ARTEFATO DE ANEL (RINGS ARTEFACTS) • Os artefatos na imagem que se apresentam em forma de anel, está inicialmente relacionado com problemas nos detectores. Como os detectores necessitam de calibração com o “ar” para reconhecimento dos demais tecidos, ocasionalmente pode ocorrer de perderem os valores de referência, o que ocasiona artefatos na imagem na forma de anéis. O primeiro procedimento do operador nestas circunstâncias é efetuar uma calibração nos detectores. • A periocidade com que devemos fazer está calibração varia de aparelho para aparelho. A maior parte dos equipamentos modernos admite uma única calibração diária. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 128
  • 130. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) MATERIAL DE ALTA DENSIDADE (STRIKE) • Objetos metálicos produzem artefatos lineares de alta densidade, devido aos altos coeficientes de atenuação linear apresentados por este material. A presença desses artefatos pode ser atenuada a partir do uso de feixe de alta energia (120/ 140 KV), embora não possam ser evitados. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 130
  • 131. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 131
  • 132. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) MATERIAIS DE ALTO NÚMERO ATÔMICO • Materiais de alto número atômico tendem a se comportar como os materiais metálicos e, produzir artefatos do tipo “Strike”. Os meios de contrastes positivos como: o Iodo e o Bário em altas concentrações, devem ser evitados, ou usados com critérios. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 132
  • 134. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) RUÍDO DE IMAGEM • O ruído, aspecto que confere granulosidade às imagens, ocorre principalmente em função da utilização de feixes de baixa energia ou, quando o objeto apresenta grandes dimensões, como no caso dos pacientes obesos. Nessas condições, há de se aumentar a dose de exposição, pelo aumento da kilovoltagem, da miliamperagem ou do tempo de exposição. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 134
  • 135. PROBLEMAS COMUNS EM TC (ARTEFATOS) TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 135
  • 136. MEIOS DE CONTRASTE NA TC • O uso de meios de contraste em TC são frequentemente utilizados para a distinção entre tecido normal e patológico. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 136
  • 137. MEIOS DE CONTRASTE NA TC CONTRASTE VESICAL • É administrado com objetivo de preencher a bexiga, principalmente em estudos da região pélvica, para melhor estudo deste órgão e outros adjacentes, sendo mais utilizados em pacientes que não foram submetidos a injeção do contraste venoso. A quantidade de contraste é de 200ml diluído a 3% em soro fisiológico. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 137
  • 138. MEIOS DE CONTRASTE NA TC TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 138
  • 139. MEIOS DE CONTRASTE NA TC CONTRASTE ORAL • É utilizado em exames abdominais, pois é necessário para que as alças intestinais sejam preenchidas para melhor visualização de todas outras estruturas e até de patologias. • Geralmente utiliza-se o sulfato de bário que é apropriado para Tomografia Computadorizada ou o contraste iodado diluído em torno de 3%, a quantidade ingerida é em torno de 1.000 ml que deve ser administrada em torno de 1 hora antes do início do exame dividida em cinco doses sendo a última ingerida antes de iniciar o exame. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 139
  • 140. MEIOS DE CONTRASTE NA TC TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 140
  • 141. MEIOS DE CONTRASTE NA TC CONTRASTE RETAL • É utilizado nos estudos pélvicos quando o contraste oral não teve um boa progressão, ele tem a finalidade de ajuda o diagnóstico, pois preenche o reto e o sigmoide. A quantidade injetada está em torno de 200ml, sendo mais utilizado o contraste iodado diluído a 3%. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 141
  • 142. MEIOS DE CONTRASTE NA TC TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 142
  • 143. MEIOS DE CONTRASTE NA TC CONTRASTE VENOSO • O contraste venoso é dividido em 2 formulas: Meios de contrastes iônicos e não iônicos. No uso de contraste venoso o preparo do paciente é indispensável, devendo realizar-se em jejum de 6 horas associados a medicamentos preventivos que são a critério do serviço. • Antes de qualquer exame de TC, é necessária a elaboração de uma história clínica completa, focalizando os fatores que possam representar uma contraindicação ao uso de meios de contraste ou indicar aumento na probabilidade de uma reação. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 143
  • 144. MEIOS DE CONTRASTE NA TC Existem vários fatores que são considerados como de maior pré- disposição a reações alérgicas ou complicações com uso do contraste. - Qualquer tipo de alergia, como a iodo oral, cutâneo. - Alergia a alimentos como camarão, frutos do mar, agrião. - Alergia a medicamentos como sulfa, penicilina. - Problemas respiratórios como renite alérgica, bronquite e asma . - Cardíacos. - Diabéticos. - Portadores de insuficiência renal. - Mieloma múltiplo - Recém-nascidos. - Paciente idosos. -Anemia falciforme TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 144
  • 145. MEIOS DE CONTRASTE NA TC • O contraste venoso esclarece o estudo de veias, artérias e caracteriza uma melhor visualização e definição de patologias. Ocorrem casos que a patologia só é identificada com o contraste venoso devido ao poder de captação da lesão, isso nos mostra que exame realizados sem contraste venoso podem não ter um diagnóstico eficiente. Por isso cabe ao médico avaliar o risco benefício. A quantidade de contraste venoso utilizado está relacionada a fatores como: - Peso do paciente. - Região de estudo. - Velocidade do aparelho. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 145
  • 146. MEIOS DE CONTRASTE NA TC TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 146
  • 147. MEIOS DE CONTRASTE NA TC TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 147
  • 148. MEIOS DE CONTRASTE NA TC TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 148
  • 149. MEIOS DE CONTRASTE NA TC São consideradas reações adversas ao contraste venoso: náuseas, calor, tosse, prurido, urticária, rubor, rouquidão, espirros, dor no peito, dores abdominais, palpitação, edema facial, parada cardíaca, perda de consciência. • As reações leves são reações cutâneas sem necessidades de tratamento. • As reações moderadas requerem tratamento porém não envolvem risco de vida . • A reações graves requerem tratamento de urgência, pois envolvem risco de vida, necessitando de internação hospitalar. TomografiaComputadorizada- ProfWendesor 149