SlideShare uma empresa Scribd logo
Unindo conhecimento em prol
Fenologia e Fisiologia
do Girassol
Amanda Cândida Ferreira da Silva
 Tipos de girassol;
 Classificação científica;
 História e cenário;
 Morfologia;
 Fenologia;
 Ponto de colheita;
 Ecofisiologia.
Sumário
2
Fonte: Melkberg, 2017.
 Três grupos de girassol.
Girassol
3
Fonte: Ideal MT, 2016.
Não ramificados, destinados a alimentação
Girassol
4
Fonte: Pixabay, 2019.
Não ramificados, destinados ao paisagismo
 Reino:
 Clado:
 Ordem:
 Família:
 Gênero:
 Espécie:
Classificação científica
5
Fonte: Fetaemg, 2018.
Plantae;
Eudicotiledóneas;
 Asterales;
 Asteraceae;
 Helianthus;
 Helianthus annuus;
 Originário do México e EUA;
 Chegada a Europa no século XVI;
 Difusão pelo continente europeu;
 Importância para a Rússia no século XVIII;
 Chegada ao Brasil no século XX;
 Expansão e declínio no Brasil.
História
6
 Produção mundial de óleo de girassol:
 1º Rússia;
 2º Ucrânia.
Cenário mundial
7
Fonte: Actualitix, 2016.
 Produção: 104,6 mil toneladas;
 Produtividade: 27.75 sc/ha.
Cenário nacional
8
Fonte: Conab, 2019.
 Sistema radicular:
 Profundidade de alcance:150 a 300 cm;
 65% encontradas 0 a 40 cm;
 Relação raiz/parte aérea;
 Raízes secundárias:
 Profundidade: 10 a 15 cm;
 Distância: 10 a 40 cm.
Sistema radicular
9
Fonte: Soil and health libraly, 2019.
 pivotante;
 Tipo: herbáceo ereto;
 Pubescente;
 Tamanho: 60 a 220 cm;
 Diâmetro:1,8 a 5 cm;
 Hipocótilo com cores variadas.
Caule
10
Fonte: Pixabay, 2019.
 Quantidade variável;
 Formas e filotaxia:
 Cotilédones
 Primeiros pares de folhas
 Demais folhas
 Folhas terminais sofrem diferenciação.
Folhas
11
oposta;
alternadas;
oposta;
Folhas
12
Fonte: Pixabay, 2019.
 Antagonista a Bidens pilosa.
Folhas
13
Fonte: Pixabay, 2019.
 Tipo:
 Tipo de fecundação:
 Diâmetro e quantidade de flores.
Inflorescência
14
Fonte: Pixabay, 2019.
capítulo;
alógama;
Inflorescência
15
Fonte: Adobe stock, 2019.
 Período de ocorrência;
 Rotação do caule;
 Ereção das folhas;
 Controlado pelo ritmo circadiano;
 Auxinas e polinização.
Heliotropismo
16
 Tipo:
 Formato: achatado e oblonco;
 Redução de tamanho.
Frutos
17
Fonte: Pixabay, 2018.
 aquênio;
 Cor branco-estriada, parda, negra, ou negro-estriada;
Frutos
18
Fonte: Pixabay, 2018.
 Constituído por
 Germinação
 Relação casca/amêndoa;
 Classificação quanto a utilização.
Sementes
19
Fonte: ESALQ, 2012.
 endosperma e embrião;
 epígea;
 Vegetativo e reprodutivo;
 VE: aparecimento dos cotilédones e primeiro par de folhas
verdadeiras menores que 4 cm;
 V1 a Vn: folhas verdadeiras com no mínimo 4 cm;
 V8 a V10: determinação do potencial de aquênios.
Fenologia
20
 R1: inflorescência circundada pela bráctea imatura,
“estádio estrela”;
Fenologia
21
Fonte: Pixabay, 2019.
 R2:internódio abaixo da base do botão floral alonga-se de
0,5 a 2,0 cm acima da ultima folha;
 R3: alongamento superior a 2 cm;
 R4: inflorescência começa a abrir;
 R5: plena abertura e disco visível, subdivisão:
 Porcentagem de flores tubulares do capítulo que estão
liberando pólen, indo de R5.1 (10%) a R5.10 (100%).
Fenologia
22
 R6: plena abertura das flores tubulares e perda de turgidez
das flores liguladas;
 R7: início do desenvolvimento dos aquênios e dorso do
capítulo amarelo claro;
 R8: dorso amarelo e brácteas verdes;
 R9: maturação dos aquênios com umidade de 30 a 32%.
Fenologia
23
 Identificação por cor do dorso e das brácteas, queda de folhas;
 Umidade ideal:
 Teor recomendado: 14 a 16% e demais partes com 25%;
 Teor entre 6 e 8% perdas de colheita entre 8 e 12%;
 Colheita com umidade inferior a 9%, perda de peso;
 Teor entre 20 e 25% passa por secagem.
Colheita
24
10 a 12% com perdas de 2,7%;
Ecofisiologia
25
 Polinizadores;
 Teor e composição de óleo na semente;
 Fotoperíodo;
 Radiação solar;
 Vento.
Ecofisiologia
26
 Exigência: regulação inadequada;
 Relação água/matéria seca;
 Varia de acordo com:
 Fase de desenvolvimento;
 Características da cultivar;
 Translocação de assimilados pela água.
Demanda hídrica
27
 Bom desenvolvimento: 20 a 25ºC;
 Suporta: 8 a 35ºC;
 Efeitos de baixas temperaturas;
 Emergência;
 Altas temperaturas/formação do botão floral;
 Temperaturas amenas/ florescimento.
Temperatura
28
 GAZZOLA, Adriano et al. Acultura do Girassol. Escola superior de
agricultura Luiz de Queiroz, v. 4, n. spe, p. 14-25, 2012. Disponível
em:
<http://docente.ifsc.edu.br/roberto.komatsu/MaterialDidatico/Agroec
ologia_4%C2%B0M%C3%B3duloGr%C3%A3os/Girassol/LPV-
0506%20-%20GIRASSOL%20APOSTILaO%202012%20(1).pdf>;
 ACTUALITIX WOLD ATLAS. Disponível em:
<https://pt.actualitix.com/pais/bra/brasil-oleo-de-girassol-
producao.php>. Acesso 1 de setembro de 2019.
 BBC. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-
37040422>. Acesso em 5 de setembro de 2019.
 CASTRO, C de et al. A cultura do girassol. Londrina, EMBRAPA-
CNPSo, v. 1, n. spe, p. 03-25, 1982.
Referências
29
Unindo conhecimento em prol
Amanda Cândida Ferreira da Silva
amandacandidaf@gmail.com
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Geagra UFG
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Geagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Geagra UFG
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Manejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiroManejo de doenças no algodoeiro
Manejo de doenças no algodoeiro
 
Inseticidas
InseticidasInseticidas
Inseticidas
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
Fenologia e Fisiologia do sorgo e milheto
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 

Semelhante a Fenologia e Fisiologia do Girassol

aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdfaspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
FabrizioAranha2
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
Geagra UFG
 

Semelhante a Fenologia e Fisiologia do Girassol (20)

aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdfaspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
aspectosmorfologicosefisiologicosdoalgodo-170914215756.pdf
 
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Posicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milhoPosicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milho
 
Milho pipoca
Milho pipocaMilho pipoca
Milho pipoca
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
 
Cultura da melancia
Cultura da melanciaCultura da melancia
Cultura da melancia
 
P oaceae aula 5jj
P oaceae   aula 5jjP oaceae   aula 5jj
P oaceae aula 5jj
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 
Reino Metaphyta
Reino MetaphytaReino Metaphyta
Reino Metaphyta
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 

Mais de Geagra UFG

Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 

Fenologia e Fisiologia do Girassol

  • 1. Unindo conhecimento em prol Fenologia e Fisiologia do Girassol Amanda Cândida Ferreira da Silva
  • 2.  Tipos de girassol;  Classificação científica;  História e cenário;  Morfologia;  Fenologia;  Ponto de colheita;  Ecofisiologia. Sumário 2 Fonte: Melkberg, 2017.
  • 3.  Três grupos de girassol. Girassol 3 Fonte: Ideal MT, 2016. Não ramificados, destinados a alimentação
  • 4. Girassol 4 Fonte: Pixabay, 2019. Não ramificados, destinados ao paisagismo
  • 5.  Reino:  Clado:  Ordem:  Família:  Gênero:  Espécie: Classificação científica 5 Fonte: Fetaemg, 2018. Plantae; Eudicotiledóneas;  Asterales;  Asteraceae;  Helianthus;  Helianthus annuus;
  • 6.  Originário do México e EUA;  Chegada a Europa no século XVI;  Difusão pelo continente europeu;  Importância para a Rússia no século XVIII;  Chegada ao Brasil no século XX;  Expansão e declínio no Brasil. História 6
  • 7.  Produção mundial de óleo de girassol:  1º Rússia;  2º Ucrânia. Cenário mundial 7 Fonte: Actualitix, 2016.
  • 8.  Produção: 104,6 mil toneladas;  Produtividade: 27.75 sc/ha. Cenário nacional 8 Fonte: Conab, 2019.
  • 9.  Sistema radicular:  Profundidade de alcance:150 a 300 cm;  65% encontradas 0 a 40 cm;  Relação raiz/parte aérea;  Raízes secundárias:  Profundidade: 10 a 15 cm;  Distância: 10 a 40 cm. Sistema radicular 9 Fonte: Soil and health libraly, 2019.  pivotante;
  • 10.  Tipo: herbáceo ereto;  Pubescente;  Tamanho: 60 a 220 cm;  Diâmetro:1,8 a 5 cm;  Hipocótilo com cores variadas. Caule 10 Fonte: Pixabay, 2019.
  • 11.  Quantidade variável;  Formas e filotaxia:  Cotilédones  Primeiros pares de folhas  Demais folhas  Folhas terminais sofrem diferenciação. Folhas 11 oposta; alternadas; oposta;
  • 13.  Antagonista a Bidens pilosa. Folhas 13 Fonte: Pixabay, 2019.
  • 14.  Tipo:  Tipo de fecundação:  Diâmetro e quantidade de flores. Inflorescência 14 Fonte: Pixabay, 2019. capítulo; alógama;
  • 16.  Período de ocorrência;  Rotação do caule;  Ereção das folhas;  Controlado pelo ritmo circadiano;  Auxinas e polinização. Heliotropismo 16
  • 17.  Tipo:  Formato: achatado e oblonco;  Redução de tamanho. Frutos 17 Fonte: Pixabay, 2018.  aquênio;
  • 18.  Cor branco-estriada, parda, negra, ou negro-estriada; Frutos 18 Fonte: Pixabay, 2018.
  • 19.  Constituído por  Germinação  Relação casca/amêndoa;  Classificação quanto a utilização. Sementes 19 Fonte: ESALQ, 2012.  endosperma e embrião;  epígea;
  • 20.  Vegetativo e reprodutivo;  VE: aparecimento dos cotilédones e primeiro par de folhas verdadeiras menores que 4 cm;  V1 a Vn: folhas verdadeiras com no mínimo 4 cm;  V8 a V10: determinação do potencial de aquênios. Fenologia 20
  • 21.  R1: inflorescência circundada pela bráctea imatura, “estádio estrela”; Fenologia 21 Fonte: Pixabay, 2019.
  • 22.  R2:internódio abaixo da base do botão floral alonga-se de 0,5 a 2,0 cm acima da ultima folha;  R3: alongamento superior a 2 cm;  R4: inflorescência começa a abrir;  R5: plena abertura e disco visível, subdivisão:  Porcentagem de flores tubulares do capítulo que estão liberando pólen, indo de R5.1 (10%) a R5.10 (100%). Fenologia 22
  • 23.  R6: plena abertura das flores tubulares e perda de turgidez das flores liguladas;  R7: início do desenvolvimento dos aquênios e dorso do capítulo amarelo claro;  R8: dorso amarelo e brácteas verdes;  R9: maturação dos aquênios com umidade de 30 a 32%. Fenologia 23
  • 24.  Identificação por cor do dorso e das brácteas, queda de folhas;  Umidade ideal:  Teor recomendado: 14 a 16% e demais partes com 25%;  Teor entre 6 e 8% perdas de colheita entre 8 e 12%;  Colheita com umidade inferior a 9%, perda de peso;  Teor entre 20 e 25% passa por secagem. Colheita 24 10 a 12% com perdas de 2,7%;
  • 26.  Polinizadores;  Teor e composição de óleo na semente;  Fotoperíodo;  Radiação solar;  Vento. Ecofisiologia 26
  • 27.  Exigência: regulação inadequada;  Relação água/matéria seca;  Varia de acordo com:  Fase de desenvolvimento;  Características da cultivar;  Translocação de assimilados pela água. Demanda hídrica 27
  • 28.  Bom desenvolvimento: 20 a 25ºC;  Suporta: 8 a 35ºC;  Efeitos de baixas temperaturas;  Emergência;  Altas temperaturas/formação do botão floral;  Temperaturas amenas/ florescimento. Temperatura 28
  • 29.  GAZZOLA, Adriano et al. Acultura do Girassol. Escola superior de agricultura Luiz de Queiroz, v. 4, n. spe, p. 14-25, 2012. Disponível em: <http://docente.ifsc.edu.br/roberto.komatsu/MaterialDidatico/Agroec ologia_4%C2%B0M%C3%B3duloGr%C3%A3os/Girassol/LPV- 0506%20-%20GIRASSOL%20APOSTILaO%202012%20(1).pdf>;  ACTUALITIX WOLD ATLAS. Disponível em: <https://pt.actualitix.com/pais/bra/brasil-oleo-de-girassol- producao.php>. Acesso 1 de setembro de 2019.  BBC. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil- 37040422>. Acesso em 5 de setembro de 2019.  CASTRO, C de et al. A cultura do girassol. Londrina, EMBRAPA- CNPSo, v. 1, n. spe, p. 03-25, 1982. Referências 29
  • 30. Unindo conhecimento em prol Amanda Cândida Ferreira da Silva amandacandidaf@gmail.com Obrigada!