SlideShare uma empresa Scribd logo
Doenças
Arroz

do

Ione de Jesus, Jerry Ferreira, Jefersson
Igor, Kamylla
Rebeka, Kássia Rios, Luis
Caliel,
Marcus
Vinícius,
Natália
Machado, Natália Vieira, Pedro Vinícius.
Diferença
Doenças

entre

Pragas

e

Pragas:

insetos
Doenças:
Causadas
por
fungos, vírus, bactérias e nematóides.

2
Doenças
3
Redução no rendimento da cultura
causados por manchas foliares podem
ser de até 50%.

atingidas
não ating.

4
Brusone (Magnaporthe grisea)
A brusone é uma das doenças que causam
maior prejuízo aos Orizicultores.
A
brusone
causa
manchas
nas
folhas, colmos, panículas e grãos. Nas folhas e
nas panículas a doença aumenta com altas doses
de nitrogênio.

5
Nos nós são lesões de cor marrom.
As lesões provocam ruptura do tecido
da região nodal, causando a morte
das partes situadas acima deste ponto
e a quebra do colmo, que, no
entanto, permanece ligado à planta.

6
As manchas encontradas na raque e
nas ramificações são marrons e
normalmente não apresentam forma
definida; os grãos originados destas
ramificações são chochos.

7
Nas folhas, os sintomas típicos
iniciam-se por pequenos pontos de
coloração castanha, que evoluem.
Quando a doença ocorre severamente
nos
estádios
iniciais
de
desenvolvimento da planta, o impacto
é tão grande que a queima das folhas
acaba por levar a planta à morte.

8
Escaldadura
das
Folhas
(Monographella albescens)
A doença é detectada frequentemente
em Roraima em arroz de terras altas e
paralisa o crescimento da planta no
início
do
emborrachamento,
principalmente
quando ocorre nessa fase alta
precipitação pluviométrica. O fungo
sobrevive em sementes, restos de
cultura e plantas voluntárias e a
disseminação dos conídios à longa
distância ocorre pelo vento. A doença é
favorecida pelas temperaturas entre 25 e
32ºC.
9
sintomas:

Os sintomas são manchas de coloração
verde-oliva que se iniciam pelo ápice e/ou
pelas margens das folhas (Figura 3). O
sintoma característico é o aspecto de
faixas
concêntricas
formado
pela
alternância de faixas marrom-claro e faixas
marrom-escuro
(Figura 4).

Figura 3
Figura 4

10
11
Mancha Parda
miyabeanus)

(Cochliobolus

Os danos associados à doença são
decorrentes da infecção dos grãos, da
redução
na
germinação
das
sementes, da morte de plântulas
originadas de sementes infectadas e da
destruição de área foliar.

12
Queima-das-Bainhas
(Thanatephorus cucumeris )
A doença ocorre nas bainhas e no
colmo na forma de manchas ovaladas
ou arredondadas, de coloração cinza
e bordas marrons bem definidas . Em
casos
severos
observam-se
manchas de aspecto irregular em
folhas .

13
14
Ponta branca
besseyi)

(Aphelenchoides

Os sintomas mais característicos
aparecem na fase adulta da planta. O
ápice das folhas exibe uma clorose
bastante evidente que se torna
esbranquiçada. As plantas afetadas
podem apresentar subdesenvolvimento;
produzem panículas pequenas com
menor número de grãos.

15
Mancha Estreita (Cercospora
oryzae)
As
manchas
típicas
aparecem
nas folhas, porem
podem
ser
encontradas
nas
bainhas, colmos e
glumas. As lesões
são
estreitas, alongadas
no
sentido
das
nervuras,
com
coloração marrom
avermelhada.
16
Queima Das Glumelas (Phoma
sorghina)
Atacar
as
panículas desde o
início da emissão até
o estádio de grão
maduro.
Quando
ocorre
infecção
inicial, as panículas
emergem com grãos
manchados,
que
surgem
na
extremidade apical e
gradualmente
se
espalham por todo o
grão.
17
Falso carvão ou Carvão verde
(Ustilaginoidea virens )
Atinge as plantas
de
arroz
principalmente
durante o estádio
de
emborrachamento,
Períodos
muito
chuvosos,
alta
umidade
e
excesso
de
nitrogênio
favorecem
o
aparecimento da
doença.

18
Mancha de Grãos (Phoma
sorghina)
Esta doença pode ocorrer desde a
emissão
das
panículas
até
seu
amadurecimento. Em condições de elevada
incidência, todos os grãos da panícula são
manchados, resultando na formação de
espiguetas chochas ou na redução da
massa dos grãos.

19
Pragas

20
Pragas
Qualquer animal que de alguma
maneira possa competir com o
homem pelo alimento é considerado
uma praga, portanto, os animais são
considerados pragas quando sua
densidade
populacional
acarreta
perdas econômicas ao homem.

21
Cascudo preto (Eutheola humilis)
É
um
inseto
causa danos às
raízes antes da
inundação
da
lavoura. Na fase
larval, alimentamse das raízes e na
fase
adulta
danificam a base
da planta.
22
Pulgão da raiz
rufiabdominal)
É um insetopraga
que
provoca alguns
danos
diretos
ao se alimentar
e injeta toxinas
e
suga
a
seiva, causando
o
amarelecimento
das
folhas, paralisan
do
o
crescimento da

(Rhopalosiphum

23
Cigarrinhas
das
(Deois flavopicta)

pastagens

As cigarrinhas das pastagens sugam as
plantas de arroz, tanto os adultos
como os seus filhotes, introduzem
toxinas, deixando as plantas amarelas
e necrosadas.

24
Lagarta da
frugiperda)

folha

(Spodoptera

Alimentam-se das
folhas e cortam os
colmos (caule) novos
rentes ao solo. O
ataque vai desde a
emergência até a
inundação
da
lavoura. As lagartas
abrigam-se durante o
dia, atacando as
plantas a noite.
25
Bicheira da raiz (Orizophagus
oryzae) arroz “irrigado”
Ela causando redução
no rendimento dos grãos
pelo ataque de larvas.
Estas ao cortarem as
raízes
diminuem
a
absorção dos nutrientes.
A denominação “Bicheira
da raiz” é dada devido às
larvas
danificarem
o
sistema radicular. Os
adultos atacam as folhas
e as larvas atacam as
raízes.
26
Gorgulhos aquáticos
(Oryzophagus oryzae)
Os
ovos
são
postos
isoladamente no interior do
tecido vegetal, nas lacunas
aeríferas da porção da bainha
da folha que fica submersa.
O casulo fica fortemente aderido
a uma raiz jovem e, através
desta, a pupa recebe o
suprimento
de
oxigênio
necessário
para
a
sua
sobrevivência
27
28
Paquinhas (Neocurtilla hexadactyla)
Destroem as
raízes causando
secamento das
plantas em arroz
de sequeiro.

29
Larva-arame
scalaris)

(Conoderus

As
larvas-arame
destroem
as
raízes,
causando
amarelecimento e
morte
das
plantas, sendo que
as
touceiras
atacadas
com
facilidade.
30
Largata-boiadeira
indomitalis)

(Nymphula

Trata-se de uma mariposa pequena de
coloração branca, cujas lagartas, cortando
as folhas por ocasião dos primeiros
“banhos” do arroz, protegem-se no interior
dos cartuchos feito com essa folha
cortada, que flutuam na água e espalhamse pela cultura. Cortam folhas de plantas
novas à noite, quando saem dos
cartuchos flutuantes para as plantas para
se alimentar. Seu ataque é percebido
pelas manchas esbranquiçadas nas folhas
cortadas, flutuando na água.
31
mariposa

lagarta

32
Percevejos-do-grão-do-arroz
(Oebalus poecilus)
São consideráveis vorazes, sugam os
grãos, pois muitas vezes o amido se
encontra em estado leitoso. Em
consequência dessa sucção, as
sementes não se formam, isto
é, deixam a casca vazia.
Grão solido:provocam uma mancha
característica
de
cor
marromescura.Esses
grãos
torna-se
“gessados” e quebram-se facilmente.
33
34
Percevejo do colmo (Tibraca
limbativentris)
São
percevejos
marrons
e
pequenos, sugam os colmos das
plantas, tornando as panículas chochas
e introduzem na planta toxinas

35
Cupins
ou
formigas
(Procornitermes triacifer)

brancas

Vivem debaixo do solo.
Os cupins atacam as raízes
das plantas do arroz que foi
semeado, reduzindo o número
de plantas por hectare, ou
seja,
o
campo
fica
apresentando
falhas,
reduzindo
a
Produtividade;
quando
o
cupim ataca, a planta fica com
aspecto seco e desprende-se
do solo facilmente.
36
Cigarrinha-do-arroz (Tagosodes
oriziola)
Sugam a seiva, essa espécie inocula
toxina na planta. Todavia, o dano maior
ocorre quando ela transmite os vírus
causador da doença hoja blanca, que
acarreta perda de produção.

37
Noiva-do-arroz ou broca-docolmo (Rupela albinella)
As lagartinhas penetram no talo do
arroz logo que eclodem e broqueiam a
região tenra da medula. Isto
normalmente ocasiona murchamentos
e culmina com os sintomas típicos de
coração morto ou panícula branca.

38
Broca-do-colo (Elasrnopalpus
lignosellus)

39
Controle:
Inseticidas seletivos, ou seja, que mata a
praga e preserva os inimigos naturais.
Respeite o período de carência do
produto; Usando inseticida, não se
esqueça de usar equipamento de
proteção individual..

40
Rotação de cultura, como feijão

boa aração e gradagem;
período em repouso
41
Rizipsicultura.
A Rizipsicultura é o consorcio de plantios
de
arroz
pré-germinados
irrigado
juntamente com a criação de peixes.
Além de ser outra atividade lucrativa o
peixe também consome larvas de
insetos, caramujo, bicheira da raiz do
arroz , sementes de arroz perdidas na
colheita e restos culturais da lavoura que
são focos de fungos como a brusone.

42
43
Marreco

44
Manter

as

florestas nas
propriedades

nossas

45
Inimigos

naturais.
Quando
usamos
inseticidas
continuadamente para
controlar
as
pragas,
também
acabamos agindo nos
animais considerados
benéficos

46
Já existe nos mercados fungos e
bactérias que causam doenças em
insetos pragas. A bactéria se chama
Bacillus, sendo vendidas por empresas
no Brasil. Não se preocupem esta
bactéria é completamente inofensiva para
as aves, os mamíferos, incluindo o
homem, e para as plantas, além de não
ter efeito poluente no ambiente.
Mata apenas as lagartas quando
pequenas.
47
48
fungos também matam
insetos

Esses fungos são
produzidos
no
Brasil,
lembrando
que
deve
ser
pulverizado no fim do
dia por causa dos
raios ultra violeta do
sol da manhã bem
como em períodos
de alta
umidade relativa do
ar para que o fungo
germine e mate as
lagartas.

49
lagartas morrem duras e em
geral brancas

50
51

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
Jadson Belem de Moura
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
Sabrina Nascimento
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
Geagra UFG
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Geagra UFG
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
Geovani Santana
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Geagra UFG
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Geagra UFG
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Geagra UFG
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIROFENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DO FEIJOEIRO
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
 

Semelhante a Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais

Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
UEM
 
Curso básico de jardinagem Parte 6/6
Curso básico de jardinagem   Parte 6/6Curso básico de jardinagem   Parte 6/6
Curso básico de jardinagem Parte 6/6
ABCursos OnLine
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
deniseterceiroano
 
Doenças em lactuca sativa l
Doenças em lactuca sativa lDoenças em lactuca sativa l
Doenças em lactuca sativa l
Leonardo Minaré Braúna
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
Leandro A. Machado de Moura
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Doenças do-eucalipto
Doenças do-eucaliptoDoenças do-eucalipto
Doenças do-eucalipto
Jucelaine Haas
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
Cristieli Mendes
 
Apresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologiaApresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologia
Diego Cardoso
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
Ediney Dias
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Poster pragas em hortaliças ok
Poster pragas em hortaliças okPoster pragas em hortaliças ok
Poster pragas em hortaliças ok
arboreo.net
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Killer Max
 
Controle fitossanit hortic_ecolog2006
Controle fitossanit hortic_ecolog2006Controle fitossanit hortic_ecolog2006
Controle fitossanit hortic_ecolog2006
Joyce Muzy
 
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
Antonio Inácio Ferraz
 
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Poster castanea sativa ok
Poster castanea sativa okPoster castanea sativa ok
Poster castanea sativa ok
arboreo.net
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
David Rodrigues
 
Escaldadura cana embrapa
Escaldadura cana   embrapaEscaldadura cana   embrapa
Escaldadura cana embrapa
Camila Oliveira
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
MarcosSantiago69
 

Semelhante a Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais (20)

Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
 
Curso básico de jardinagem Parte 6/6
Curso básico de jardinagem   Parte 6/6Curso básico de jardinagem   Parte 6/6
Curso básico de jardinagem Parte 6/6
 
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptxTrabalho de agroecologia ppx.pptx
Trabalho de agroecologia ppx.pptx
 
Doenças em lactuca sativa l
Doenças em lactuca sativa lDoenças em lactuca sativa l
Doenças em lactuca sativa l
 
Controle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na JardinagemControle de Pragas na Jardinagem
Controle de Pragas na Jardinagem
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Doenças do-eucalipto
Doenças do-eucaliptoDoenças do-eucalipto
Doenças do-eucalipto
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
 
Apresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologiaApresentação fitopatologia
Apresentação fitopatologia
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Poster pragas em hortaliças ok
Poster pragas em hortaliças okPoster pragas em hortaliças ok
Poster pragas em hortaliças ok
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Controle fitossanit hortic_ecolog2006
Controle fitossanit hortic_ecolog2006Controle fitossanit hortic_ecolog2006
Controle fitossanit hortic_ecolog2006
 
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
 
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
 
Poster castanea sativa ok
Poster castanea sativa okPoster castanea sativa ok
Poster castanea sativa ok
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Escaldadura cana embrapa
Escaldadura cana   embrapaEscaldadura cana   embrapa
Escaldadura cana embrapa
 
Pragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docxPragas e Doenças Cana.docx
Pragas e Doenças Cana.docx
 

Último

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 

Último (20)

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 

Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais

  • 1. Doenças Arroz do Ione de Jesus, Jerry Ferreira, Jefersson Igor, Kamylla Rebeka, Kássia Rios, Luis Caliel, Marcus Vinícius, Natália Machado, Natália Vieira, Pedro Vinícius.
  • 4. Redução no rendimento da cultura causados por manchas foliares podem ser de até 50%. atingidas não ating. 4
  • 5. Brusone (Magnaporthe grisea) A brusone é uma das doenças que causam maior prejuízo aos Orizicultores. A brusone causa manchas nas folhas, colmos, panículas e grãos. Nas folhas e nas panículas a doença aumenta com altas doses de nitrogênio. 5
  • 6. Nos nós são lesões de cor marrom. As lesões provocam ruptura do tecido da região nodal, causando a morte das partes situadas acima deste ponto e a quebra do colmo, que, no entanto, permanece ligado à planta. 6
  • 7. As manchas encontradas na raque e nas ramificações são marrons e normalmente não apresentam forma definida; os grãos originados destas ramificações são chochos. 7
  • 8. Nas folhas, os sintomas típicos iniciam-se por pequenos pontos de coloração castanha, que evoluem. Quando a doença ocorre severamente nos estádios iniciais de desenvolvimento da planta, o impacto é tão grande que a queima das folhas acaba por levar a planta à morte. 8
  • 9. Escaldadura das Folhas (Monographella albescens) A doença é detectada frequentemente em Roraima em arroz de terras altas e paralisa o crescimento da planta no início do emborrachamento, principalmente quando ocorre nessa fase alta precipitação pluviométrica. O fungo sobrevive em sementes, restos de cultura e plantas voluntárias e a disseminação dos conídios à longa distância ocorre pelo vento. A doença é favorecida pelas temperaturas entre 25 e 32ºC. 9
  • 10. sintomas: Os sintomas são manchas de coloração verde-oliva que se iniciam pelo ápice e/ou pelas margens das folhas (Figura 3). O sintoma característico é o aspecto de faixas concêntricas formado pela alternância de faixas marrom-claro e faixas marrom-escuro (Figura 4). Figura 3 Figura 4 10
  • 11. 11
  • 12. Mancha Parda miyabeanus) (Cochliobolus Os danos associados à doença são decorrentes da infecção dos grãos, da redução na germinação das sementes, da morte de plântulas originadas de sementes infectadas e da destruição de área foliar. 12
  • 13. Queima-das-Bainhas (Thanatephorus cucumeris ) A doença ocorre nas bainhas e no colmo na forma de manchas ovaladas ou arredondadas, de coloração cinza e bordas marrons bem definidas . Em casos severos observam-se manchas de aspecto irregular em folhas . 13
  • 14. 14
  • 15. Ponta branca besseyi) (Aphelenchoides Os sintomas mais característicos aparecem na fase adulta da planta. O ápice das folhas exibe uma clorose bastante evidente que se torna esbranquiçada. As plantas afetadas podem apresentar subdesenvolvimento; produzem panículas pequenas com menor número de grãos. 15
  • 16. Mancha Estreita (Cercospora oryzae) As manchas típicas aparecem nas folhas, porem podem ser encontradas nas bainhas, colmos e glumas. As lesões são estreitas, alongadas no sentido das nervuras, com coloração marrom avermelhada. 16
  • 17. Queima Das Glumelas (Phoma sorghina) Atacar as panículas desde o início da emissão até o estádio de grão maduro. Quando ocorre infecção inicial, as panículas emergem com grãos manchados, que surgem na extremidade apical e gradualmente se espalham por todo o grão. 17
  • 18. Falso carvão ou Carvão verde (Ustilaginoidea virens ) Atinge as plantas de arroz principalmente durante o estádio de emborrachamento, Períodos muito chuvosos, alta umidade e excesso de nitrogênio favorecem o aparecimento da doença. 18
  • 19. Mancha de Grãos (Phoma sorghina) Esta doença pode ocorrer desde a emissão das panículas até seu amadurecimento. Em condições de elevada incidência, todos os grãos da panícula são manchados, resultando na formação de espiguetas chochas ou na redução da massa dos grãos. 19
  • 21. Pragas Qualquer animal que de alguma maneira possa competir com o homem pelo alimento é considerado uma praga, portanto, os animais são considerados pragas quando sua densidade populacional acarreta perdas econômicas ao homem. 21
  • 22. Cascudo preto (Eutheola humilis) É um inseto causa danos às raízes antes da inundação da lavoura. Na fase larval, alimentamse das raízes e na fase adulta danificam a base da planta. 22
  • 23. Pulgão da raiz rufiabdominal) É um insetopraga que provoca alguns danos diretos ao se alimentar e injeta toxinas e suga a seiva, causando o amarelecimento das folhas, paralisan do o crescimento da (Rhopalosiphum 23
  • 24. Cigarrinhas das (Deois flavopicta) pastagens As cigarrinhas das pastagens sugam as plantas de arroz, tanto os adultos como os seus filhotes, introduzem toxinas, deixando as plantas amarelas e necrosadas. 24
  • 25. Lagarta da frugiperda) folha (Spodoptera Alimentam-se das folhas e cortam os colmos (caule) novos rentes ao solo. O ataque vai desde a emergência até a inundação da lavoura. As lagartas abrigam-se durante o dia, atacando as plantas a noite. 25
  • 26. Bicheira da raiz (Orizophagus oryzae) arroz “irrigado” Ela causando redução no rendimento dos grãos pelo ataque de larvas. Estas ao cortarem as raízes diminuem a absorção dos nutrientes. A denominação “Bicheira da raiz” é dada devido às larvas danificarem o sistema radicular. Os adultos atacam as folhas e as larvas atacam as raízes. 26
  • 27. Gorgulhos aquáticos (Oryzophagus oryzae) Os ovos são postos isoladamente no interior do tecido vegetal, nas lacunas aeríferas da porção da bainha da folha que fica submersa. O casulo fica fortemente aderido a uma raiz jovem e, através desta, a pupa recebe o suprimento de oxigênio necessário para a sua sobrevivência 27
  • 28. 28
  • 29. Paquinhas (Neocurtilla hexadactyla) Destroem as raízes causando secamento das plantas em arroz de sequeiro. 29
  • 31. Largata-boiadeira indomitalis) (Nymphula Trata-se de uma mariposa pequena de coloração branca, cujas lagartas, cortando as folhas por ocasião dos primeiros “banhos” do arroz, protegem-se no interior dos cartuchos feito com essa folha cortada, que flutuam na água e espalhamse pela cultura. Cortam folhas de plantas novas à noite, quando saem dos cartuchos flutuantes para as plantas para se alimentar. Seu ataque é percebido pelas manchas esbranquiçadas nas folhas cortadas, flutuando na água. 31
  • 33. Percevejos-do-grão-do-arroz (Oebalus poecilus) São consideráveis vorazes, sugam os grãos, pois muitas vezes o amido se encontra em estado leitoso. Em consequência dessa sucção, as sementes não se formam, isto é, deixam a casca vazia. Grão solido:provocam uma mancha característica de cor marromescura.Esses grãos torna-se “gessados” e quebram-se facilmente. 33
  • 34. 34
  • 35. Percevejo do colmo (Tibraca limbativentris) São percevejos marrons e pequenos, sugam os colmos das plantas, tornando as panículas chochas e introduzem na planta toxinas 35
  • 36. Cupins ou formigas (Procornitermes triacifer) brancas Vivem debaixo do solo. Os cupins atacam as raízes das plantas do arroz que foi semeado, reduzindo o número de plantas por hectare, ou seja, o campo fica apresentando falhas, reduzindo a Produtividade; quando o cupim ataca, a planta fica com aspecto seco e desprende-se do solo facilmente. 36
  • 37. Cigarrinha-do-arroz (Tagosodes oriziola) Sugam a seiva, essa espécie inocula toxina na planta. Todavia, o dano maior ocorre quando ela transmite os vírus causador da doença hoja blanca, que acarreta perda de produção. 37
  • 38. Noiva-do-arroz ou broca-docolmo (Rupela albinella) As lagartinhas penetram no talo do arroz logo que eclodem e broqueiam a região tenra da medula. Isto normalmente ocasiona murchamentos e culmina com os sintomas típicos de coração morto ou panícula branca. 38
  • 40. Controle: Inseticidas seletivos, ou seja, que mata a praga e preserva os inimigos naturais. Respeite o período de carência do produto; Usando inseticida, não se esqueça de usar equipamento de proteção individual.. 40
  • 41. Rotação de cultura, como feijão boa aração e gradagem; período em repouso 41
  • 42. Rizipsicultura. A Rizipsicultura é o consorcio de plantios de arroz pré-germinados irrigado juntamente com a criação de peixes. Além de ser outra atividade lucrativa o peixe também consome larvas de insetos, caramujo, bicheira da raiz do arroz , sementes de arroz perdidas na colheita e restos culturais da lavoura que são focos de fungos como a brusone. 42
  • 43. 43
  • 47. Já existe nos mercados fungos e bactérias que causam doenças em insetos pragas. A bactéria se chama Bacillus, sendo vendidas por empresas no Brasil. Não se preocupem esta bactéria é completamente inofensiva para as aves, os mamíferos, incluindo o homem, e para as plantas, além de não ter efeito poluente no ambiente. Mata apenas as lagartas quando pequenas. 47
  • 48. 48
  • 49. fungos também matam insetos Esses fungos são produzidos no Brasil, lembrando que deve ser pulverizado no fim do dia por causa dos raios ultra violeta do sol da manhã bem como em períodos de alta umidade relativa do ar para que o fungo germine e mate as lagartas. 49
  • 50. lagartas morrem duras e em geral brancas 50
  • 51. 51