SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
THAÍS MOREIRA SILVA
MANEJO DE PRAGAS NO
ALGODOEIRO
2
• Introdução;
• Manejo integrado;
• Principais pragas limitantes;
• Hospedeiros alternativos do A. grandis;
• Programas de manejo do A. grandis;
• Métodos de controle;
• Armadilhas;
• Importância do ciclo curto;
• Amostragens na cultura;
• Produtos químicos;
• Compatibilidade de produtos.
Foto: Reprodução/TV TEM, 2021.
Sumário
3
• Desafios a cada safra;
• Repetição de lavouras;
• Diversidade e simultaneidade;
• Complexo significativo de pragas;
• Todos os órgãos da planta;
• Identificação da praga em seus estágios e danos;
• Amostragem e antecipação aos danos;
• Manejo criterioso e em tempo hábil.
Introdução
Imagem: Pngall, 2018.
4
Manejo integrado de pragas
Fonte: Amici mecanização agrícola, 2021.
Imagem: Aegro, 2018.
5
Manejo integrado de pragas
Fonte: Amici mecanização agrícola, 2021.
6
Principais pragas limitantes
Fonte: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
7
• Ovos no solo (próximos do coleto);
• Lagarta tece um casulo (terra e teia)
• Formação de galerias;
• Secamento e morte das plantas jovens;
• Redução do estande;
• Necessidade de replantio.
0 a 15 dias
Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignoselus)
Imagens: Manual de Pragas do Algodoeiro, 2021.
8
• Alto número de postura;
• Hábito noturno;
• Após eclosão se alimentam inicialmente de folhas;
• A seguir se dirigem ao coleto;
• Cortam plantas jovens tombamento;
redução do estande.
Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)
Imagem 1: Blog Aegro, 2021.
Imagens 2 e 3: Manual de Pragas do Algodoeiro, 2021.
9
Um planta com crescimento retardado, folhas amarelo-avermelhadas e
raízes com manchas escuras, apresenta sintomas de ataque por qual
praga?
Imagem: Publicdomainpictures, 2021.
PERCEVEJO-CASTANHO
10
• Patas para escavação - hábitos subterrâneos;
• Em períodos de estiagem ficam entre 20 cm e 40cm
de profundidade (câmara ovalada);
• Dispersão por revoadas (mediante excedente hídrico);
• Polífaga;
• 2 gerações a. a.
0 a 45 dias
Percevejo-castanho (Scaptocoris castanea e Atarsocoris
brachiariae)
11
• Crescimento retardado, amarelo–avermelhadas;
• Manchas escuras nas raízes atacadas;
• Sucção continuada de seiva;
• Diferença no porte e produção;
• Redução do estande.
Percevejo-castanho
12
Amostragens no solo com
enxadão (1m – 1,5m);
Ele possui hábito noturno
e odor de Maria Fedida;
Ver se há histórico de
infestação cerca de 20
dias;
Na literatura: se presente,
a área deve ser evitada;
Na prática: pode ser feita a
aração e gradação, em
seguida aplicar inseticida.
Controle biológico mais
eficiente e lento;
Fungo Metarhizium
anisopliae, age por
contato e promove uma
infecção generalizada no
inseto, levando-o à morte.
#Conselho de especialistas
13
Spodoptera cosmioides
• Ovo verde claro forma de “massa”;
• Ovos na base do ponteiro, a partir da
• 5ª e 6ª folha expandida;
• Ataque: fase inicial da emissão dos botões florais
• e pleno florescimento;
• Perfurações nas estruturas reprodutivas;
• Raspam parênquima;
• Folhas necrosadas e translúcidas;
• Desfolhadoras.
Spodoptera spp
Asas posteriores cor
branco-pérola.
Asas anteriores cinza
e na fêmea
com preta e bege.
3 listras longitudinais
alaranjadas
com pontos brancos.
Triângulos pretos
apontando para o dorso.
Cor marrom escura
Imagem 1: Embrapa, 2021.
Imagens 2 e 3: Manual de Pragas do Algodoeiro, 2021.
14
• Quatro pontos escuros;
• Pupa marrom escura.
Spodoptera ssp
Spodoptera eridania
Fonte: Mais Soja, 2021.
Ao eclodirem são
verde e com
cabeça preta.
Três listras
longitudionais
amarelas.
Imagem 1 e 2: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
15
• “V” (mariposas e crisálidas);
• “Y” na lagarta;
• Ciclo de vida: 38 a 53 dias;
• Período de incidência: estabelecimento da cultura;
• Causam desfolhamento;
• Perfuração e raspagem de botões florais, flores e maçãs;
• Gramíneas favorecem a multiplicação.
Spodoptera ssp
Spodoptera frugiperda
Imagem 1: Pioneer sementes, 2021.
Imagens 2 e 3: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
16
• Insetos raspadores-sugadores;
• Veranico é favorável;
• Danos: folhas coriáceas e quebradiças ;
• Encarquilhamento e espessamento
das folhas do ponteiro;
• Coloração verde-brillhante e manchas prateadas;
• Plantas com 2 a 4 pares de folhas com
superbrotamento (morte gema apical).
Tripes (Frankliniella schultzei e Thrips tabaci)
Formas jovens mais
claras e ápteras.
Asas franjadas e
corpo afilado.
Imagem 3 e 4: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
17
• Ovos verde-azulados na parte inferior do ponteiro;
• Lagarta com coloração geral verde amarelada, inicialmente quase incolor;
• Mariposas migram para regiões quentes;
• Fêmea produz 63 ovos/dia.
80 a 135 dias
Curuquerê (Alabama argillacea)
Linha branca
mediana.
Duas filas de tubérculos
escuros circuncidados de
branco.
Listras brancas e amarelas
subdorsalmente.
Cilíndrica e afilada na
parte posterior.
Presa por fio de seda.
Cor pardo-argiloso-clara,
com duas manchas circulares
no centro das asas anteriores.
Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
18
• Maior incidência de ataque: final do 4° instar;
• Raspam o parênquima das folhas;
• Desfolhamento descendente;
• Maturação forçada de maçãs;
• Deposição de fezes.
Alabama argillacea
Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
19
• Possui 1mm;
• 110 ovos (presos por um pedúnculo);
• Maior incidência em período de estiagem;
• Ativos de manhã;
• Succionam o floema;
• Pontuações brancas e amareladas - face dorsal;
• Manchas cloróticas brilhantes - face ventral;
• Mela e queda das folhas;
• Propicia a fumagina;
100 a 170 dias
Mosca-branca (Bemisia tabaci)
Imagens 2,3 e 4: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
Imagem: Syngenta oficial, 2021.
20
Em qual virose a mosca branca atua como vetor?
Imagem: Publicdomainpictures, 2021.
MOSAICO COMUM.
Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
21
• Formas aladas e ápteras;
• Em 20 dias – 120 descendentes;
• Polifagia;
• Sugadores de seiva;
• Curvatura limbo foliar e encarquilhamento;
• “Algodão doce/caramelizado”;
• Vetor de “vermelhão”;
• “Mosaico das nervuras”(DA);
• Inimigos naturais insuficientes.
Todo o ciclo
Pulgão-do-algodoeiro (Aphis gossypii)
Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
22
• Lagartas verdes ao marrom;
• Presença de microcerdas sobre os
tubérculos do 2° e 8° segmentos;
• Mariposas aparecem ao entardecer;
• Fêmea produz 600 ovos;
• Diapausa;
• Umidade elevada é favorável;
15 a 170 dias
Lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens)
Asas anteriores de coloração
verde oliva pardacenta
(posteriores semi-hialinas).
Três linhas oblíquas
margeadas de preto.
Faixas longitudinais
escuras e claras,
alternadas.
23
• Atacam o nectário das flores;
• Uma lagarta ataca 6 botões e 2 maçãs/planta.
Heliothis virescens
Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
24
• Semelhante a H. zea;
• Polífaga (não pode passar do 2° instar);
• Fêmea produz 1000 ovos;
• Diapausa pupal facultativa
(fotoperíodo e temperatura);
• Pelos saem de protuberâncias lisas
nos segmentos 2, 3 e 8;
• Preferência pelos nectários das flores;
• Ataque a todos os órgãos;
• 2 lagartas -> 15 dias -> destruição completa.
Helicoverpa armigera
Fonte: Mais Soja, 2021.
25
• Ovos entre os fios que as fêmeas tecem;
• Machos < e avermelhados;
• Fêmea produz 60 ovos;
• Ciclo de vida: 14 dias;
• Veranico favorável;
• Polífaga;
• Soja é hospedeira;
• Espalhados em maquinários e
na sede da fazenda.
65 a 170 dias
Ácaro rajado (Tetranychus urtcae)
Duas manchas verde-
escuras em cada
lado do dorso.
Fêmea com cor
amarelada.
26
Tetranychus urtcae
• Emaranhado de fios em forma de teia;
• Raspam face interior da folha;
• Lesões descoradas;
• Reboleira;
• Manchas avermelhadas na parte superior;
• Queda estruturas reprodutivas;
• Desfolhamento;
• Carimã;
• Capulho de baixo peso;
• Fibra de qualidade baixa.
Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
27
O que é carimã?
Imagem: Publicdomainpictures, 2021.
Maçã defeituosa que não se abre normalmente.
28
• Migração no final do ciclo da soja;
• 60 e 70 dias após a emergência;
• Bordaduras das lavouras;
• Sucção de seiva;
• Inoculação de toxinas;
• Queda e/ou apodrecimento
de botões florais e maçãs.
Percevejos-migrantes da soja
Imagem 1: IRAC – BR, 2021.
Imagens 2 e 3: Agrolink, 2021.
29
• Adulto: machos <, e de abdômen delgado;
• Mariposa: 3 manchas escuras e franjadas;
• Lagarta: 5 pares de patas com unhas;
• Fêmea produz 200 ovos;
• Ataque: fase inicial maturação das plantas;
• Diapausa na entressafra;
• Até 5 gerações por safra;
• Formação de “Rosetas” e “Carimãs”;
• Destruição das sementes e fibras;
• Dispersão de até 55km.
100 dias a 170
Lagarta-rosada (Pectinophora gossypiella)
Foto: Agrolink, 2021.
Imagens 1 e 2: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
Imagem: Maneje bem, 2021.
30
• Fêmur com duas aristas (espinhos);
• Reprodução sexuada, 100-300 ovos;
• Escondido abaixo das brácteas dos botões e das maçãs;
• Tanatose;
• Diurno;
• Diapausa*.
Bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis)
Foto: Anyi Mazo- Vargas, University of Puerto Rico,
Bugwood.org, 2010.
Imagem: “The Mexican cotton-boll weevil”, 1897. Foto: Sebastião José de Araújo, 2017.
31
Ciclo Anthonomus grandis
Foto: Mississipi State University, 2017.
Ovos: 4-5 dias Larva: 8-9 dias Pupa: 6-7 dias Adulto: 40-45 dias
32
• Alimentação e oviposição (rolha do bicudo);
• Destruição de até 70% da lavoura;
• “Flor em balão”;
• Perfuram estrutura reprodutiva ->
amarelecimento ->queda do botão;
• Provoca porte elevado;
• Ataque as fibras e semente;
• “Carimãs”;
• Senescência em uma semana.
Danos do bicudo na lavoura
Imagens: Manual de Pragas do Algodoeiro,2021.
33
Em suma...
Fonte: AMPA, 2021.
34
• Família Malvaceae (Ordem Malvales);
• Preferência pela tribo Gossypieae;
• 25/36 espécies do gênero Gossypium são hospedeiras;
• Só se reproduz no algodoeiro.
Hospedeiros alternativos do A. grandis
H. rosa-sinensis
Thespesia
populnea
Imagens: Wikipédia, 2021.
Matas
próximas
Soqueira
Imagem: Thaís Moreira, 2021.
35
• Pioneirismo goiano;
• Criação de áreas-pilotos de supressão
populacional;
• Preparo do solo antecipado (≈ 40 dias)
para “desalojar”;
• Semeadura por região (até 30-40 dias);
• Inseticida nas bordaduras (30 m) desde a
2ª folha até 1ª maçã;
• Intervalos: 5 a 7 dias a partir dos
primeiros botões florais.
Programas de manejo do A. grandis
Imagens: Agrolink, 2021.
36
• Dificuldade de efetivação;
• 10 espécies de predadores;
• 13 espécies de parasitóides;
• Parasitas em larvas, no final do ciclo.
Controle biológico
Imagem: Bugwoodcloud, 2021.
Geocoris spp Bracon
vulgaris
Catolaccus
grandis
Imagem: Wikipédia, 2021.
Imagem: Wikimedia, 2021.
37
• Entressafra -> vazio sanitário (130 dias);
• Destruição de tigueras e soqueiras (obrigatória, amparo da lei);
• Preferência mecânica;
• Herbicidas (2, 4-D e glifosato);
Controle cultural
Imagem: Embrapa, 2014.
15/09 a
25/11
20/09 a
30/11
10/09 a
19/11
10/11 a
20/01
Imagem: Agrodefesa, 2020.
38
• Fase B1 com base nos dados das armadilhas;
• Alternância entre grupos químicos;
• O bicudo geralmente se encontra na
parte mediana do dossel e sob as brácteas;
• Formulações UBV, SC, EW e BVO + ÓLEO DE ALGODÃO;
• Malathion -> erradicação do bicudo nos EUA;
• Ajustar tecnologia UBV e BVO no Brasil.
Controle químico A. grandis
Imagem: Mfmagazine, 2021.
39
• TMB® - pré-plantio (50 dias antes)
e pós-colheita;
• Feromônio sexual sintético (grandlure);
• 250 botões florais/talhão (0,6 cm);
• Atração e 2 capturas/semana (9 semanas);
• Perímetro dos talhões:
intervalos de ≈ 200m;
• Troca dos dispersores conforme fabricante.
Armadilhas
Índice BAS
> 2 BAS ZONA VERMELHA 3 APLICAÇÕES
1-2 BAS ZONA AMARELA 2 APLICAÇÕES
0-1 BAS ZONA AZUL 1 APLICAÇÃO
0 BAS ZONA VERDE SEM APLICAÇÃO
Fonte: ABRAPA, tabela elaborada por Thaís Moreira, 2021.
40
• Isca e TMB®.
Armadilhas e dispositivo “Atrai-e-mata”
Foto 1: Eduardo M. Barros. Foto 2: Embrapa, 2007.
41
• Cultivares precoces representam economia de inseticidas;
• Romper ciclo das pragas;
• Redução tempo de exposição à colonização e infestação;
• Ponto negativo: comparada as outras há menor produtividade (-30% em relação a
cultivares de ciclo normal) e menor resistência de fibras.
Importância do ciclo curto
42
• Coleta e reúne informações;
• Identificar a praga;
• Reconhecer danos;
• Maior economia em relação à aplicação calendarizada;
• Quantificar a intensidade da ocorrência;
• Tamanho, periodicidade e forma;
• 2 plantas/ha ou 2 pontos de 10 plantas por 10 ha (20 plantas).
Amostragens na cultura
Fonte: IBA, 2017.
Fonte: Stock, 2021.
43
• 1 planta -> caminhar mais -> visão mais generalizada do talhão;
• Amostragem por pontos -> mais precisa;
• Virose mosaico das nervuras ( a cada três ou cinco dias);
• Até o surgimento dos capulhos inspeção com períodos < 7 dias;
• GPS obrigatório -> maior confiabilidade.
Modo da amostragem
Estabelecimento
da cultura
Formação dos botões
- fechamento das linhas
Fase de enchimento e
maturação das maçãs
44
Antes do surgimento dos capulhos a inspeção deve ser feita em até no
máximo quantos dias?
Imagem: Publicdomainpictures, 2021.
7 dias
45
IA : Malationa;
GQ: Organofosforado;
Inseticida de contato e ingestão;
Formulação: EC;
Bicudo, curuquerê e pulgão-das-inflorescências;
Dose: 1,0 – 2,0 L/ha;
Intervalo: 7 dias;
Calda: 600 – 800 L/ha;
Custo: R$ 67,00 (1 L do Malathion 500).
Produtos químicos
Malathion 1000 - FMC
Imagem: Nordeste Atacado, 2017.
46
IA: Clorfenapir;
GQ: análogo de pirazol;
Formulação: SC;
Inseticida e acaricida de contato e ingestão;
Lagarta-das-maçãs, lagarta-armígera, ácaro-rajado, lagarta-do-
cartucho;
Dose: 0,8 – 1,5 L p.c./ha;
Intervalo: 5 dias e ao máximo 4 aplicações.
Pirate - BASF
Imagem: Nordeste Atacado, 2021.
47
IA: Espinetoram;
GQ: espinozinas;
Formulação: SC;
Inseticida não sistêmico;
Helicoverpa, tripes, e lagarta do cartucho;
Dose: 100 – 150 mL/ha;
Intervalo: a partir de reinfestação;
Ao máximo 4 aplicações.
Calda terrestre: 100 – 200 L/ha.
Exalt - CORTEVA
Foto: Mercado Livre, 2021.
48
IA: Etiprole;
GQ: Fenilpirazol;
Formulação: SC;
Inseticida de contato e ingestão;
Bicudo;
Dose: 0,5 – 1 L p.c./ha;
Intervalo: 3 dias e ao máximo 3 aplicações;
Calda terrestre: 100-200 L/ha.
Curbix - BAYER
Imagem: Agro Bayer Brasil, 2021.
49
IA: Lambda-Cialotrina e Clorantraniliprole;
GQ: Piretroide e Antranilamida;
Formulação: SC;
Inseticida de contato e ingestão;
Lagarta-do-cartucho, lagarta-do-algodoeiro e bicudo;
Dose: 100 – 400 mL/ha;
Intervalo: 5-7 dias e ao máximo 3 aplicações;
Calda terrestre: 150 L/ha;
Custo: R$ 1854,00 ( 5 L).
Ampligo - Syngenta
Imagem: Cativa Agro, 2021.
50
IA: Acetamiprido e Fenpropatrina;
GQ: Piretroide e Neonicotinoide;
Formulação: EW;
Inseticida de contato, ingestão, translaminar e
sistêmico;
Pulgão-do-algodoeiro, mosca branca, lagarta-do-
cartucho, ácaro rajado e bicudo;
Dose: 200 – 1500 mL p. c./ha;
Intervalo: 5 dias e no máximo 4 aplicações;
Calda terrestre: 200 L/ha;
Custo: R$ 419,00 ( 5 L).
Bold - Iharabras
Imagem: InstaAgro, 2021.
51
IA: Tiametoxan e Lambda-cialotrina;
GQ: Piretroide e Neonicotinoide;
Formulação: CS e SC (ZC);
Inseticida de contato, ingestão e sistêmico;
Bicudo;
Dose: 200 – 250 mL/ha;
Intervalo: 7 dias e no máximo 3 aplicações;
Calda terrestre: 150 L/ha;
Custo: R$ 4008,00 (20 L).
Engeo Pleno - Syngenta
Imagem: Camposhop, 2021.
52
IA: Fipronil;
GQ: Pirazol;
Formulação: SC;
Inseticida e cupinicida de contato e ingestão;
Bicudo e curuquerê;
Dose: 300 – 350 mL/ha;
Intervalo: 7 dias e no máximo 3 aplicações;
Calda terrestre: 250-300 L/ha;
Custo: R$ 1036,00 (5 L).
Fipronil - Nortox
Imagem: Nortox, 2017.
53
IA: Lambda-Cialotrina;
GQ: Piretroide;
Formulação: CS;
Inseticida de contato e ingestão;
Bicudo e curuquerê, lagarta rosada, lagarta da maça e
percevejo rajado;
Dose: 300 – 350 mL/ha;
Intervalo: 7 dias e no máximo 3 aplicações;
Calda terrestre: 250-300 L/ha;
Custo: R$ 2370,00 (20 L).
Karate Zeon 250- Nortox
Imagem: AgroWap, 2017.
54
IA: Cipermetrina e Profenofós;
GQ: Profenofós: Organofosforado; Cipermetrina:
Piretroide ;
Formulação: EC;
Inseticida de contato e ingestão;
Bicudo e curuquerê, lagarta rosada, lagarta da maça,
tripes, bicudo, curuquerê, percevejo rajado, ácaro
branco e o rajado;
Dose: 0,15 – 1 L/ha;
Intervalo: variável e no máximo 4 aplicações;
Calda terrestre: 80-200 L/ha;
Custo: R$ 96,00 (1 L).
Polytrin® - Syngenta
Imagem: Indiamart, 2020.
55
IA: Acetamiprido e Bifentrina;
GQ: Neocotinóide e Piretróide ;
Formulação: WG;
Inseticida de contato, ingestão e sistêmico;
Bicudo, pulgão do algodoeiro e mosca branca;
Dose: 80 – 200 g/ha;
Intervalo: 7 dias e no máximo 4 aplicações;
Calda terrestre: 100-300 L/ha;
Custo: R$ 215,00 (1 kg).
Sperto® - UPL
Imagem: Verde Vale, 2021.
56
IA: Lambda-Cialotrina;
GQ: Piretróide e Hidrocarboneto aromático (nafta leve
do petróleo);
Formulação: CS;
Inseticida de contato e ingestão;
Bicudo e curuquerê;
Dose: 20–60 mL/ha;
Intervalo: 7-8 dias e no máximo 3 aplicações;
Calda terrestre: 50-200 L/ha;
Custo: R$ 131,00 (1 L).
Trinca Caps® - UPL
Imagem: Confiagro, 2021.
57
Compatibilidade de produtos
97%
misturam.
3% não
misturam.
MISTURAM
Fonte: Grazieiro, 2015. Gráfico elaborado por Thaís Moreira, 2021.
• Mistura é permitida por lei atualmente;
• Redução dos custos e tempo para realizar o trabalho;
• Menor exposição do trabalhador;
WG – Granulado para suspensão aquosa
WP – Pó molhável
SC- Suspensão concentrada
OD- Suspensão concentrada em óleo
CS- Suspensão de encapsulado
SE – Suspo - emulsão
EC- Concentrado emulsionável
EO – Emulsão ( água em óleo)
EW – Emulsão (óleo em água)
ME- Micro emulsão
SG – Grânulos solúveis
SP – Pó solúvel
SL – Solução solúvel
Sólidos
insolúveis
Suspensões
Intermediário
Emulsões
Formulações
solúveis
Adição
Agitação
Sólidos
insolúveis
58
Dinâmica: sugestão de manejo por zona (5 zonas)
Fonte: Embrapa, 2019. Adaptada por Thaís Moreira, 2021.
elasmo
Lagarta rosca -
59
• Fase 1 (elasmo, rosca e tripes):
i. Standack top da BASF (lagarta elasmo, broca do algodoeiro e tripes). Dose e aplicações: 40-60 mL p.c/ha ( 1 aplicação de
TS);
ii. Ou Cartarys da UPL ( curuquerê, broca-da-raiz, broca-do-algodoeiro, lagarta rosca e a mede-palmo e a falsa-medideira).
Dose e aplicações: 1,0 -1,5 kg p.c./ha (2 aplicações).
• Fase 2 (pulgão, cochonilha, curuquerê e mosca branca):
i. Closer SC da Dow Agrosciences/Corteva (mosca-branca e pulgão). Dose e aplicações: 60-400 mL/ha (4 aplicações).
• Fase 3 (bicudo, spodoptera, lagarta-das-maçãs e ácaros.):
i. Akito da UPL (bicudo, lagarta-das-maçãs, lagarta rosada e curuquerê). Dose e aplicações 100-500 mL/ha (4 aplicações no
máximo);
ii. Ampligo da Syngenta;
iii. Abamectin Nortox (ácaros). Dose e aplicação: 0,30-0,60 L/ha(p.c.) (2 aplicações).
• Fase 4 (percevejos) e 5 (lagarta-rosada):
i. Counter 150 G da AMVAC ( percevejo castanho, tripes e pulgão). Dose e aplicação: 13-27 kg/ha;
ii. Avatar da FMC (manchadores, percevejo manchador, lagarta do cartucho, lagarta-do-algodão, spodoptera, lagarta-das-maçãs,
curuquerê e rosada). Dose e aplicações: 400-800 mL/ha (4 aplicações no máximo).
iii. Talisman da FMC (pulgão, mosca branca e ácaro rajado, bicudo, lagarta-das-maçãs, percevejo manchador, percevejo
marrom, lagarta do algodão, do cartucho e curuquerê). Dose e aplicações: 500-2000 mL p.c./ha (1 aplicação).
Sugestão de manejo
60
“Cantando alegre ai, ai, ai, ai, ai
Sertanejo do norte
Vamos plantar algodão
Ouro branco que faz nosso povo feliz
Que tanto enriquece o país”.
(Luiz Gonzaga)
Ex-presidente Michel Temer e ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi.
Foto: Alan Santos, 2017.
Entre em contato conosco:
www.geagra.com
geagracontato@gmail.com
GEAGRA UFG
@geagraufg
UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA!
MANEJO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
thaismsilvasouza@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOGeagra UFG
 
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.Leandro Araujo
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASGeagra UFG
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Geagra UFG
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaGeagra UFG
 
Introdução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaIntrodução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaGeagra UFG
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroDavid Rodrigues
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAGeagra UFG
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasAndré Fontana Weber
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaSophie Gris
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaGeagra UFG
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Pragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiroPragas do algodoeiro
Pragas do algodoeironetoneves
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaGeagra UFG
 
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJACONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJAGeagra UFG
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃOPLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
PLANTAS DE COBERTURA E SUA UTILIZAÇÃO
 
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
ALGODÃO: PRAGAS, DOENÇAS E PLANTAS DANINHAS.
 
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDASMECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
MECANISMO DE AÇÃO DOS HERBICIDAS
 
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Introdução a cotonicultura
Introdução a cotoniculturaIntrodução a cotonicultura
Introdução a cotonicultura
 
Princiapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiroPrinciapais doenças do algodoeiro
Princiapais doenças do algodoeiro
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da soja
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da soja
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Pragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiroPragas do algodoeiro
Pragas do algodoeiro
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJACONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
CONTROLE BIOLÓGICO NA SOJA
 
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no MilhoManejo de Lagartas e Percevejos no Milho
Manejo de Lagartas e Percevejos no Milho
 

Semelhante a Manejo de pragas no algodoeiro

Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Geagra UFG
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroKiller Max
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA Geagra UFG
 
Ficha técnica - Sogata
Ficha técnica - SogataFicha técnica - Sogata
Ficha técnica - Sogataehickel
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencasUEM
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoGeagra UFG
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasSávio Sardinha
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozGeagra UFG
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxJosFranciscoNogueira3
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
Manejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milhetoManejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milhetoGeagra UFG
 
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...Antonio Inácio Ferraz
 
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...ANTONIO INACIO FERRAZ
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO Geagra UFG
 

Semelhante a Manejo de pragas no algodoeiro (20)

Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Pragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do FeijoeiroPragas e Doenças do Feijoeiro
Pragas e Doenças do Feijoeiro
 
Produção de olerícolas e futíferas
Produção de olerícolas e futíferasProdução de olerícolas e futíferas
Produção de olerícolas e futíferas
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
PRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATEPRAGAS DA ERVA-MATE
PRAGAS DA ERVA-MATE
 
Ficha técnica - Sogata
Ficha técnica - SogataFicha técnica - Sogata
Ficha técnica - Sogata
 
Pragas e doencas
Pragas e doencasPragas e doencas
Pragas e doencas
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Insetos-Pragas
 Insetos-Pragas Insetos-Pragas
Insetos-Pragas
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptxPRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
PRAGAS DAS PLANTAS CULTIVADAS - CITRICULTURA - JOSÉ e TALES.pptx
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
Manejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milhetoManejo de pragas no sorgo e milheto
Manejo de pragas no sorgo e milheto
 
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
CANA-DE-AÇÚCAR DOENÇAS E PRAGAS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/...
 
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
cana-de-açucar-doenças e pragas-antonio inacio ferraz-técnico em eletronica/a...
 
Mosca de abobora
Mosca de aboboraMosca de abobora
Mosca de abobora
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NO FEIJÃO
 

Mais de Geagra UFG

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroGeagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESGeagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxGeagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxGeagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfReservadaBiosferadaM
 
poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024LorenaRocha85
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...atendimento93
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxReservadaBiosferadaM
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdfHELLEN CRISTINA
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPReservadaBiosferadaM
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptxReservadaBiosferadaM
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ReservadaBiosferadaM
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfReservadaBiosferadaM
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdfReservadaBiosferadaM
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAReservadaBiosferadaM
 

Último (14)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdf
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 

Manejo de pragas no algodoeiro

  • 1. THAÍS MOREIRA SILVA MANEJO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO
  • 2. 2 • Introdução; • Manejo integrado; • Principais pragas limitantes; • Hospedeiros alternativos do A. grandis; • Programas de manejo do A. grandis; • Métodos de controle; • Armadilhas; • Importância do ciclo curto; • Amostragens na cultura; • Produtos químicos; • Compatibilidade de produtos. Foto: Reprodução/TV TEM, 2021. Sumário
  • 3. 3 • Desafios a cada safra; • Repetição de lavouras; • Diversidade e simultaneidade; • Complexo significativo de pragas; • Todos os órgãos da planta; • Identificação da praga em seus estágios e danos; • Amostragem e antecipação aos danos; • Manejo criterioso e em tempo hábil. Introdução Imagem: Pngall, 2018.
  • 4. 4 Manejo integrado de pragas Fonte: Amici mecanização agrícola, 2021. Imagem: Aegro, 2018.
  • 5. 5 Manejo integrado de pragas Fonte: Amici mecanização agrícola, 2021.
  • 6. 6 Principais pragas limitantes Fonte: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 7. 7 • Ovos no solo (próximos do coleto); • Lagarta tece um casulo (terra e teia) • Formação de galerias; • Secamento e morte das plantas jovens; • Redução do estande; • Necessidade de replantio. 0 a 15 dias Lagarta-elasmo (Elasmopalpus lignoselus) Imagens: Manual de Pragas do Algodoeiro, 2021.
  • 8. 8 • Alto número de postura; • Hábito noturno; • Após eclosão se alimentam inicialmente de folhas; • A seguir se dirigem ao coleto; • Cortam plantas jovens tombamento; redução do estande. Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Imagem 1: Blog Aegro, 2021. Imagens 2 e 3: Manual de Pragas do Algodoeiro, 2021.
  • 9. 9 Um planta com crescimento retardado, folhas amarelo-avermelhadas e raízes com manchas escuras, apresenta sintomas de ataque por qual praga? Imagem: Publicdomainpictures, 2021. PERCEVEJO-CASTANHO
  • 10. 10 • Patas para escavação - hábitos subterrâneos; • Em períodos de estiagem ficam entre 20 cm e 40cm de profundidade (câmara ovalada); • Dispersão por revoadas (mediante excedente hídrico); • Polífaga; • 2 gerações a. a. 0 a 45 dias Percevejo-castanho (Scaptocoris castanea e Atarsocoris brachiariae)
  • 11. 11 • Crescimento retardado, amarelo–avermelhadas; • Manchas escuras nas raízes atacadas; • Sucção continuada de seiva; • Diferença no porte e produção; • Redução do estande. Percevejo-castanho
  • 12. 12 Amostragens no solo com enxadão (1m – 1,5m); Ele possui hábito noturno e odor de Maria Fedida; Ver se há histórico de infestação cerca de 20 dias; Na literatura: se presente, a área deve ser evitada; Na prática: pode ser feita a aração e gradação, em seguida aplicar inseticida. Controle biológico mais eficiente e lento; Fungo Metarhizium anisopliae, age por contato e promove uma infecção generalizada no inseto, levando-o à morte. #Conselho de especialistas
  • 13. 13 Spodoptera cosmioides • Ovo verde claro forma de “massa”; • Ovos na base do ponteiro, a partir da • 5ª e 6ª folha expandida; • Ataque: fase inicial da emissão dos botões florais • e pleno florescimento; • Perfurações nas estruturas reprodutivas; • Raspam parênquima; • Folhas necrosadas e translúcidas; • Desfolhadoras. Spodoptera spp Asas posteriores cor branco-pérola. Asas anteriores cinza e na fêmea com preta e bege. 3 listras longitudinais alaranjadas com pontos brancos. Triângulos pretos apontando para o dorso. Cor marrom escura Imagem 1: Embrapa, 2021. Imagens 2 e 3: Manual de Pragas do Algodoeiro, 2021.
  • 14. 14 • Quatro pontos escuros; • Pupa marrom escura. Spodoptera ssp Spodoptera eridania Fonte: Mais Soja, 2021. Ao eclodirem são verde e com cabeça preta. Três listras longitudionais amarelas. Imagem 1 e 2: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 15. 15 • “V” (mariposas e crisálidas); • “Y” na lagarta; • Ciclo de vida: 38 a 53 dias; • Período de incidência: estabelecimento da cultura; • Causam desfolhamento; • Perfuração e raspagem de botões florais, flores e maçãs; • Gramíneas favorecem a multiplicação. Spodoptera ssp Spodoptera frugiperda Imagem 1: Pioneer sementes, 2021. Imagens 2 e 3: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 16. 16 • Insetos raspadores-sugadores; • Veranico é favorável; • Danos: folhas coriáceas e quebradiças ; • Encarquilhamento e espessamento das folhas do ponteiro; • Coloração verde-brillhante e manchas prateadas; • Plantas com 2 a 4 pares de folhas com superbrotamento (morte gema apical). Tripes (Frankliniella schultzei e Thrips tabaci) Formas jovens mais claras e ápteras. Asas franjadas e corpo afilado. Imagem 3 e 4: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 17. 17 • Ovos verde-azulados na parte inferior do ponteiro; • Lagarta com coloração geral verde amarelada, inicialmente quase incolor; • Mariposas migram para regiões quentes; • Fêmea produz 63 ovos/dia. 80 a 135 dias Curuquerê (Alabama argillacea) Linha branca mediana. Duas filas de tubérculos escuros circuncidados de branco. Listras brancas e amarelas subdorsalmente. Cilíndrica e afilada na parte posterior. Presa por fio de seda. Cor pardo-argiloso-clara, com duas manchas circulares no centro das asas anteriores. Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 18. 18 • Maior incidência de ataque: final do 4° instar; • Raspam o parênquima das folhas; • Desfolhamento descendente; • Maturação forçada de maçãs; • Deposição de fezes. Alabama argillacea Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 19. 19 • Possui 1mm; • 110 ovos (presos por um pedúnculo); • Maior incidência em período de estiagem; • Ativos de manhã; • Succionam o floema; • Pontuações brancas e amareladas - face dorsal; • Manchas cloróticas brilhantes - face ventral; • Mela e queda das folhas; • Propicia a fumagina; 100 a 170 dias Mosca-branca (Bemisia tabaci) Imagens 2,3 e 4: Manual de pragas do algodoeiro, 2021. Imagem: Syngenta oficial, 2021.
  • 20. 20 Em qual virose a mosca branca atua como vetor? Imagem: Publicdomainpictures, 2021. MOSAICO COMUM. Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 21. 21 • Formas aladas e ápteras; • Em 20 dias – 120 descendentes; • Polifagia; • Sugadores de seiva; • Curvatura limbo foliar e encarquilhamento; • “Algodão doce/caramelizado”; • Vetor de “vermelhão”; • “Mosaico das nervuras”(DA); • Inimigos naturais insuficientes. Todo o ciclo Pulgão-do-algodoeiro (Aphis gossypii) Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 22. 22 • Lagartas verdes ao marrom; • Presença de microcerdas sobre os tubérculos do 2° e 8° segmentos; • Mariposas aparecem ao entardecer; • Fêmea produz 600 ovos; • Diapausa; • Umidade elevada é favorável; 15 a 170 dias Lagarta-das-maçãs (Heliothis virescens) Asas anteriores de coloração verde oliva pardacenta (posteriores semi-hialinas). Três linhas oblíquas margeadas de preto. Faixas longitudinais escuras e claras, alternadas.
  • 23. 23 • Atacam o nectário das flores; • Uma lagarta ataca 6 botões e 2 maçãs/planta. Heliothis virescens Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 24. 24 • Semelhante a H. zea; • Polífaga (não pode passar do 2° instar); • Fêmea produz 1000 ovos; • Diapausa pupal facultativa (fotoperíodo e temperatura); • Pelos saem de protuberâncias lisas nos segmentos 2, 3 e 8; • Preferência pelos nectários das flores; • Ataque a todos os órgãos; • 2 lagartas -> 15 dias -> destruição completa. Helicoverpa armigera Fonte: Mais Soja, 2021.
  • 25. 25 • Ovos entre os fios que as fêmeas tecem; • Machos < e avermelhados; • Fêmea produz 60 ovos; • Ciclo de vida: 14 dias; • Veranico favorável; • Polífaga; • Soja é hospedeira; • Espalhados em maquinários e na sede da fazenda. 65 a 170 dias Ácaro rajado (Tetranychus urtcae) Duas manchas verde- escuras em cada lado do dorso. Fêmea com cor amarelada.
  • 26. 26 Tetranychus urtcae • Emaranhado de fios em forma de teia; • Raspam face interior da folha; • Lesões descoradas; • Reboleira; • Manchas avermelhadas na parte superior; • Queda estruturas reprodutivas; • Desfolhamento; • Carimã; • Capulho de baixo peso; • Fibra de qualidade baixa. Imagens: Manual de pragas do algodoeiro, 2021.
  • 27. 27 O que é carimã? Imagem: Publicdomainpictures, 2021. Maçã defeituosa que não se abre normalmente.
  • 28. 28 • Migração no final do ciclo da soja; • 60 e 70 dias após a emergência; • Bordaduras das lavouras; • Sucção de seiva; • Inoculação de toxinas; • Queda e/ou apodrecimento de botões florais e maçãs. Percevejos-migrantes da soja Imagem 1: IRAC – BR, 2021. Imagens 2 e 3: Agrolink, 2021.
  • 29. 29 • Adulto: machos <, e de abdômen delgado; • Mariposa: 3 manchas escuras e franjadas; • Lagarta: 5 pares de patas com unhas; • Fêmea produz 200 ovos; • Ataque: fase inicial maturação das plantas; • Diapausa na entressafra; • Até 5 gerações por safra; • Formação de “Rosetas” e “Carimãs”; • Destruição das sementes e fibras; • Dispersão de até 55km. 100 dias a 170 Lagarta-rosada (Pectinophora gossypiella) Foto: Agrolink, 2021. Imagens 1 e 2: Manual de pragas do algodoeiro, 2021. Imagem: Maneje bem, 2021.
  • 30. 30 • Fêmur com duas aristas (espinhos); • Reprodução sexuada, 100-300 ovos; • Escondido abaixo das brácteas dos botões e das maçãs; • Tanatose; • Diurno; • Diapausa*. Bicudo-do-algodoeiro (Anthonomus grandis) Foto: Anyi Mazo- Vargas, University of Puerto Rico, Bugwood.org, 2010. Imagem: “The Mexican cotton-boll weevil”, 1897. Foto: Sebastião José de Araújo, 2017.
  • 31. 31 Ciclo Anthonomus grandis Foto: Mississipi State University, 2017. Ovos: 4-5 dias Larva: 8-9 dias Pupa: 6-7 dias Adulto: 40-45 dias
  • 32. 32 • Alimentação e oviposição (rolha do bicudo); • Destruição de até 70% da lavoura; • “Flor em balão”; • Perfuram estrutura reprodutiva -> amarelecimento ->queda do botão; • Provoca porte elevado; • Ataque as fibras e semente; • “Carimãs”; • Senescência em uma semana. Danos do bicudo na lavoura Imagens: Manual de Pragas do Algodoeiro,2021.
  • 34. 34 • Família Malvaceae (Ordem Malvales); • Preferência pela tribo Gossypieae; • 25/36 espécies do gênero Gossypium são hospedeiras; • Só se reproduz no algodoeiro. Hospedeiros alternativos do A. grandis H. rosa-sinensis Thespesia populnea Imagens: Wikipédia, 2021. Matas próximas Soqueira Imagem: Thaís Moreira, 2021.
  • 35. 35 • Pioneirismo goiano; • Criação de áreas-pilotos de supressão populacional; • Preparo do solo antecipado (≈ 40 dias) para “desalojar”; • Semeadura por região (até 30-40 dias); • Inseticida nas bordaduras (30 m) desde a 2ª folha até 1ª maçã; • Intervalos: 5 a 7 dias a partir dos primeiros botões florais. Programas de manejo do A. grandis Imagens: Agrolink, 2021.
  • 36. 36 • Dificuldade de efetivação; • 10 espécies de predadores; • 13 espécies de parasitóides; • Parasitas em larvas, no final do ciclo. Controle biológico Imagem: Bugwoodcloud, 2021. Geocoris spp Bracon vulgaris Catolaccus grandis Imagem: Wikipédia, 2021. Imagem: Wikimedia, 2021.
  • 37. 37 • Entressafra -> vazio sanitário (130 dias); • Destruição de tigueras e soqueiras (obrigatória, amparo da lei); • Preferência mecânica; • Herbicidas (2, 4-D e glifosato); Controle cultural Imagem: Embrapa, 2014. 15/09 a 25/11 20/09 a 30/11 10/09 a 19/11 10/11 a 20/01 Imagem: Agrodefesa, 2020.
  • 38. 38 • Fase B1 com base nos dados das armadilhas; • Alternância entre grupos químicos; • O bicudo geralmente se encontra na parte mediana do dossel e sob as brácteas; • Formulações UBV, SC, EW e BVO + ÓLEO DE ALGODÃO; • Malathion -> erradicação do bicudo nos EUA; • Ajustar tecnologia UBV e BVO no Brasil. Controle químico A. grandis Imagem: Mfmagazine, 2021.
  • 39. 39 • TMB® - pré-plantio (50 dias antes) e pós-colheita; • Feromônio sexual sintético (grandlure); • 250 botões florais/talhão (0,6 cm); • Atração e 2 capturas/semana (9 semanas); • Perímetro dos talhões: intervalos de ≈ 200m; • Troca dos dispersores conforme fabricante. Armadilhas Índice BAS > 2 BAS ZONA VERMELHA 3 APLICAÇÕES 1-2 BAS ZONA AMARELA 2 APLICAÇÕES 0-1 BAS ZONA AZUL 1 APLICAÇÃO 0 BAS ZONA VERDE SEM APLICAÇÃO Fonte: ABRAPA, tabela elaborada por Thaís Moreira, 2021.
  • 40. 40 • Isca e TMB®. Armadilhas e dispositivo “Atrai-e-mata” Foto 1: Eduardo M. Barros. Foto 2: Embrapa, 2007.
  • 41. 41 • Cultivares precoces representam economia de inseticidas; • Romper ciclo das pragas; • Redução tempo de exposição à colonização e infestação; • Ponto negativo: comparada as outras há menor produtividade (-30% em relação a cultivares de ciclo normal) e menor resistência de fibras. Importância do ciclo curto
  • 42. 42 • Coleta e reúne informações; • Identificar a praga; • Reconhecer danos; • Maior economia em relação à aplicação calendarizada; • Quantificar a intensidade da ocorrência; • Tamanho, periodicidade e forma; • 2 plantas/ha ou 2 pontos de 10 plantas por 10 ha (20 plantas). Amostragens na cultura Fonte: IBA, 2017. Fonte: Stock, 2021.
  • 43. 43 • 1 planta -> caminhar mais -> visão mais generalizada do talhão; • Amostragem por pontos -> mais precisa; • Virose mosaico das nervuras ( a cada três ou cinco dias); • Até o surgimento dos capulhos inspeção com períodos < 7 dias; • GPS obrigatório -> maior confiabilidade. Modo da amostragem Estabelecimento da cultura Formação dos botões - fechamento das linhas Fase de enchimento e maturação das maçãs
  • 44. 44 Antes do surgimento dos capulhos a inspeção deve ser feita em até no máximo quantos dias? Imagem: Publicdomainpictures, 2021. 7 dias
  • 45. 45 IA : Malationa; GQ: Organofosforado; Inseticida de contato e ingestão; Formulação: EC; Bicudo, curuquerê e pulgão-das-inflorescências; Dose: 1,0 – 2,0 L/ha; Intervalo: 7 dias; Calda: 600 – 800 L/ha; Custo: R$ 67,00 (1 L do Malathion 500). Produtos químicos Malathion 1000 - FMC Imagem: Nordeste Atacado, 2017.
  • 46. 46 IA: Clorfenapir; GQ: análogo de pirazol; Formulação: SC; Inseticida e acaricida de contato e ingestão; Lagarta-das-maçãs, lagarta-armígera, ácaro-rajado, lagarta-do- cartucho; Dose: 0,8 – 1,5 L p.c./ha; Intervalo: 5 dias e ao máximo 4 aplicações. Pirate - BASF Imagem: Nordeste Atacado, 2021.
  • 47. 47 IA: Espinetoram; GQ: espinozinas; Formulação: SC; Inseticida não sistêmico; Helicoverpa, tripes, e lagarta do cartucho; Dose: 100 – 150 mL/ha; Intervalo: a partir de reinfestação; Ao máximo 4 aplicações. Calda terrestre: 100 – 200 L/ha. Exalt - CORTEVA Foto: Mercado Livre, 2021.
  • 48. 48 IA: Etiprole; GQ: Fenilpirazol; Formulação: SC; Inseticida de contato e ingestão; Bicudo; Dose: 0,5 – 1 L p.c./ha; Intervalo: 3 dias e ao máximo 3 aplicações; Calda terrestre: 100-200 L/ha. Curbix - BAYER Imagem: Agro Bayer Brasil, 2021.
  • 49. 49 IA: Lambda-Cialotrina e Clorantraniliprole; GQ: Piretroide e Antranilamida; Formulação: SC; Inseticida de contato e ingestão; Lagarta-do-cartucho, lagarta-do-algodoeiro e bicudo; Dose: 100 – 400 mL/ha; Intervalo: 5-7 dias e ao máximo 3 aplicações; Calda terrestre: 150 L/ha; Custo: R$ 1854,00 ( 5 L). Ampligo - Syngenta Imagem: Cativa Agro, 2021.
  • 50. 50 IA: Acetamiprido e Fenpropatrina; GQ: Piretroide e Neonicotinoide; Formulação: EW; Inseticida de contato, ingestão, translaminar e sistêmico; Pulgão-do-algodoeiro, mosca branca, lagarta-do- cartucho, ácaro rajado e bicudo; Dose: 200 – 1500 mL p. c./ha; Intervalo: 5 dias e no máximo 4 aplicações; Calda terrestre: 200 L/ha; Custo: R$ 419,00 ( 5 L). Bold - Iharabras Imagem: InstaAgro, 2021.
  • 51. 51 IA: Tiametoxan e Lambda-cialotrina; GQ: Piretroide e Neonicotinoide; Formulação: CS e SC (ZC); Inseticida de contato, ingestão e sistêmico; Bicudo; Dose: 200 – 250 mL/ha; Intervalo: 7 dias e no máximo 3 aplicações; Calda terrestre: 150 L/ha; Custo: R$ 4008,00 (20 L). Engeo Pleno - Syngenta Imagem: Camposhop, 2021.
  • 52. 52 IA: Fipronil; GQ: Pirazol; Formulação: SC; Inseticida e cupinicida de contato e ingestão; Bicudo e curuquerê; Dose: 300 – 350 mL/ha; Intervalo: 7 dias e no máximo 3 aplicações; Calda terrestre: 250-300 L/ha; Custo: R$ 1036,00 (5 L). Fipronil - Nortox Imagem: Nortox, 2017.
  • 53. 53 IA: Lambda-Cialotrina; GQ: Piretroide; Formulação: CS; Inseticida de contato e ingestão; Bicudo e curuquerê, lagarta rosada, lagarta da maça e percevejo rajado; Dose: 300 – 350 mL/ha; Intervalo: 7 dias e no máximo 3 aplicações; Calda terrestre: 250-300 L/ha; Custo: R$ 2370,00 (20 L). Karate Zeon 250- Nortox Imagem: AgroWap, 2017.
  • 54. 54 IA: Cipermetrina e Profenofós; GQ: Profenofós: Organofosforado; Cipermetrina: Piretroide ; Formulação: EC; Inseticida de contato e ingestão; Bicudo e curuquerê, lagarta rosada, lagarta da maça, tripes, bicudo, curuquerê, percevejo rajado, ácaro branco e o rajado; Dose: 0,15 – 1 L/ha; Intervalo: variável e no máximo 4 aplicações; Calda terrestre: 80-200 L/ha; Custo: R$ 96,00 (1 L). Polytrin® - Syngenta Imagem: Indiamart, 2020.
  • 55. 55 IA: Acetamiprido e Bifentrina; GQ: Neocotinóide e Piretróide ; Formulação: WG; Inseticida de contato, ingestão e sistêmico; Bicudo, pulgão do algodoeiro e mosca branca; Dose: 80 – 200 g/ha; Intervalo: 7 dias e no máximo 4 aplicações; Calda terrestre: 100-300 L/ha; Custo: R$ 215,00 (1 kg). Sperto® - UPL Imagem: Verde Vale, 2021.
  • 56. 56 IA: Lambda-Cialotrina; GQ: Piretróide e Hidrocarboneto aromático (nafta leve do petróleo); Formulação: CS; Inseticida de contato e ingestão; Bicudo e curuquerê; Dose: 20–60 mL/ha; Intervalo: 7-8 dias e no máximo 3 aplicações; Calda terrestre: 50-200 L/ha; Custo: R$ 131,00 (1 L). Trinca Caps® - UPL Imagem: Confiagro, 2021.
  • 57. 57 Compatibilidade de produtos 97% misturam. 3% não misturam. MISTURAM Fonte: Grazieiro, 2015. Gráfico elaborado por Thaís Moreira, 2021. • Mistura é permitida por lei atualmente; • Redução dos custos e tempo para realizar o trabalho; • Menor exposição do trabalhador; WG – Granulado para suspensão aquosa WP – Pó molhável SC- Suspensão concentrada OD- Suspensão concentrada em óleo CS- Suspensão de encapsulado SE – Suspo - emulsão EC- Concentrado emulsionável EO – Emulsão ( água em óleo) EW – Emulsão (óleo em água) ME- Micro emulsão SG – Grânulos solúveis SP – Pó solúvel SL – Solução solúvel Sólidos insolúveis Suspensões Intermediário Emulsões Formulações solúveis Adição Agitação Sólidos insolúveis
  • 58. 58 Dinâmica: sugestão de manejo por zona (5 zonas) Fonte: Embrapa, 2019. Adaptada por Thaís Moreira, 2021. elasmo Lagarta rosca -
  • 59. 59 • Fase 1 (elasmo, rosca e tripes): i. Standack top da BASF (lagarta elasmo, broca do algodoeiro e tripes). Dose e aplicações: 40-60 mL p.c/ha ( 1 aplicação de TS); ii. Ou Cartarys da UPL ( curuquerê, broca-da-raiz, broca-do-algodoeiro, lagarta rosca e a mede-palmo e a falsa-medideira). Dose e aplicações: 1,0 -1,5 kg p.c./ha (2 aplicações). • Fase 2 (pulgão, cochonilha, curuquerê e mosca branca): i. Closer SC da Dow Agrosciences/Corteva (mosca-branca e pulgão). Dose e aplicações: 60-400 mL/ha (4 aplicações). • Fase 3 (bicudo, spodoptera, lagarta-das-maçãs e ácaros.): i. Akito da UPL (bicudo, lagarta-das-maçãs, lagarta rosada e curuquerê). Dose e aplicações 100-500 mL/ha (4 aplicações no máximo); ii. Ampligo da Syngenta; iii. Abamectin Nortox (ácaros). Dose e aplicação: 0,30-0,60 L/ha(p.c.) (2 aplicações). • Fase 4 (percevejos) e 5 (lagarta-rosada): i. Counter 150 G da AMVAC ( percevejo castanho, tripes e pulgão). Dose e aplicação: 13-27 kg/ha; ii. Avatar da FMC (manchadores, percevejo manchador, lagarta do cartucho, lagarta-do-algodão, spodoptera, lagarta-das-maçãs, curuquerê e rosada). Dose e aplicações: 400-800 mL/ha (4 aplicações no máximo). iii. Talisman da FMC (pulgão, mosca branca e ácaro rajado, bicudo, lagarta-das-maçãs, percevejo manchador, percevejo marrom, lagarta do algodão, do cartucho e curuquerê). Dose e aplicações: 500-2000 mL p.c./ha (1 aplicação). Sugestão de manejo
  • 60. 60 “Cantando alegre ai, ai, ai, ai, ai Sertanejo do norte Vamos plantar algodão Ouro branco que faz nosso povo feliz Que tanto enriquece o país”. (Luiz Gonzaga) Ex-presidente Michel Temer e ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Foto: Alan Santos, 2017.
  • 61. Entre em contato conosco: www.geagra.com geagracontato@gmail.com GEAGRA UFG @geagraufg UNINDO CONHECIMENTO EM PROL DA AGRICULTURA! MANEJO DE PRAGAS NO ALGODOEIRO thaismsilvasouza@gmail.com