SlideShare uma empresa Scribd logo
Unindo conhecimento em prol
Manejo de cigarrinha
Arthur Braga Aranha
e
João Victor L. Souto
 Introdução;
 Doenças transmitidas;
 Controle Cultural;
 Controle Químico;
 Controle Biológico.
Sumário
2
Dalbulus maidis
3
(Fonte: Aristides Garcia, 2021).
• Identificação;
• Aproximadamente 0,5cm;
• Coloração branco acinzentada;
• Alimentam-se na maioria das
vezes próximas às folhas do
cartucho;
• Manchas próximas aos ocelos.
Dalbulus maidis
4
(Fonte: Aristides Garcia, 2021).
• Ovoposição e ninfas;
• Sempre na região do
cartucho;
• Atividade das ninfas.
Dalbulus maidis
5
• Ovoposição e ninfas.
(Fonte: Embrapa, 2004).
(Fonte: Embrapa, 2004).
Dalbulus maidis
6
• Influência da temperatura;
(Fonte: Embrapa, 2004).
Temperaturas abaixo de 20ºC
impedem a eclosão, porém não
inviabilizam as ninfas;
Velocidade do ciclo.
Dalbulus maidis
7
• Ciclo de vida hemimetábolos.
(Fonte: Blog aegro, 2018).
Dalbulus maidis
8
(Fonte: Phytusclub, 2021).
 Aparelho bucal;
 Alimentação através
da sucção de seiva.
 Enfezamento vermelho (Maize Bushy Stunt Phytoplasma);
 Enfezamento pálido (Corn Stunt Spiroplasma);
 Risca (Maize rayado fino virus).
Doenças Transmitidas
9
 Pode ocorrer em 100% das plantas;
 Plantio em mais de uma época do ano;
 É causado pelo Fitoplasma, da classe dos Mollicutes;
 Encontrado no floema;
 No Brasil, o milho é o único hospedeiro do Fitoplasma e da
cigarrinha.
Enfezamento vermelho
10
 A cigarrinha alimenta-se de plantas infectadas;
 Pode ser adquirido após 2 horas de alimentação;
 Após 22-28 dias ela passa a transmitir;
 Inoculação a partir de 0,5 hora;
 Retenção no vetor de 29-48 dias;
 Inicio de uma lavoura e o final de outra favorece a
disseminação da cigarrinha.
Enfezamento vermelho
11
 Avermelhamento intenso e generalizado da planta;
 Inicia no ápice e nas margens das folhas;
 Posteriormente ocorre a seca das folhas;
 Algumas cultivares perfilham na base ou nas axilas foliares;
 Os sintomas manifestam-se durante o florescimento e
enchimento de grãos.
Enfezamento vermelho
12
 Prejudica o crescimento das espigas e dos grãos;
 Multiespigamento;
 Os grãos ficam pequenos, manchados, frouxos na espiga ou
chochos;
 Encurtamento de internódios;
 Secam e tombam rapidamente.
Enfezamento vermelho
13
Enfezamento vermelho
14
(Fonte:
EMBRAPA,
2004).
(Fonte:
EMBRAPA,
2004).
 Pode ocorrer em 100% das plantas;
 Plantio em mais de uma época do ano;
 É causado pelo Spiroplasma kunkelii, da classe dos
Mollicutes;
 Encontrado no floema;
 No Brasil, o milho é o único hospedeiro do Spiroplasma
kunkelii e da cigarrinha.
Enfezamento pálido
15
 A cigarrinha alimenta-se de plantas infectadas;
 Pode ser adquirido após 1 horas de alimentação;
 Após 17-23 dias ela passa a transmitir;
 Inoculação a partir de 1 hora;
 Retenção no de vetor de 42 dias;
 Inicio de uma lavoura e o final de outra favorece a
disseminação da cigarrinha.
Enfezamento pálido
16
 Formação de estrias esbranquiçadas irregulares, nas folhas, a
partir da base;
 Crescimento drasticamente reduzido;
 Os grãos ficam pequenos, manchados, frouxos na espiga ou
chochos.
Enfezamento pálido
17
Enfezamento pálido
18
 Multiespigamento;
 As plantas ficam enfraquecidas e secam rapidamente, de
maneira precoce e atípica;
 Sintomas variam de acordo com a idade e tolerância dos
híbridos.
Enfezamento pálido
19
(Fonte: EMBRAPA, 2005).
Enfezamento pálido
20
(Fonte:
EMBRAPA,
2004).
(Fonte: EMBRAPA, 2004).
Enfezamentos
21
(Fonte:
EMBRAPA,
2004).
(Fonte:
EMBRAPA,(2004).
 Virose;
 Pode causar reduções na produção de até 30%;
 Transmitido pela cigarrinha;
 Ocorre simultaneamente com os enfezamentos;
 Com uma incidência menor.
Risca
22
 Pequenos pontos cloróticos na base e ao longo das nervuras;
 Folhas jovens;
 Os pontos de unem formando riscas curtas;
 Os primeiros sintomas aparecem em plantas jovens;
 Plantas apresentam espigas e grãos menores que o normal.
Risca
23
 A cigarrinha alimenta-se de plantas infectadas;
 Após 1-6 semanas ela passa a transmitir;
 Taxa de transmissão decresce com o tempo;
 Inicio de uma lavoura e o final de outra favorece a
disseminação da cigarrinha.
Risca
24
Risca
25
(Fonte:
EMBRAPA,
2004).
Risca
26
(Fonte: EMBRAPA, 2004).
 Rotação de culturas.
Controle Cultural
27
(Fonte: Boas práticas agronômicas, 2017).
 Preferencia do produtor em
relação ao mercado em fazer
alternância de culturas.
 Ponte verde;
 Problema de produtividade para soja.
Controle Cultural
28
(Fonte: Pioneer, 2019).
 Controlar no início do ciclo da soja;
 Quanto maiores, mais difíceis o controle.
Controle Cultural
29
(Fonte: Pioneer, 2019).
 Grupos Químicos (FOPs vs DIMS);
 Eficiência dos FOPs superior em plantas em estádios
reprodutivos.
Controle Cultural
30
(Fonte: Pioneer, 2019).
Controle Cultural
31
Produto Targa Max
Empresa Ihara
Ingrediente ativo Quizalofope-p-etílico
Dose 500 – 2000ml/ha
Preço 200 R$ 5L
Custo/ha 20 - 80R$/ha
(Fonte: IHARA, 2021).
Controle Cultural
32
Produto Select one pack
Empresa UPL
Ingrediente ativo Clethodim
Dose 700 – 900ml/ha (até 4 folhas)
Preço 178 R$ 5L
Custo/ha 24,92 – 32,04R$/ha
(Fonte: UPL, 2021).
Situação de campo 1
33
(Fonte: Grupo Cultivar, 2020).
Situação de campo 2
34
(Fonte: Embrapa, 2015).
 Escolha do híbrido.
Controle cultural
35
(Fonte: Forseed, 2021).
(Fonte: Morgan, 2021).
(Fonte: Pioneer, 2021).
 Grau de tolerância do híbrido.
Controle cultural
36
 Variedade de híbridos do mercado;
 Optar, por variedades com sanidade de colmo.
Controle cultural
37
Híbrido Empresa
FS575PWU Forseed
FS700PWU Forseed
P3707PYH Pioneer
P3898 Pioneer
MG593PWU Morgan
MG607PWU Morgan
 Escalonar ao mínimo a janela de plantio.
Controle cultural
38
(Fonte: Pioneer, 2019).
 Sincronização do plantio.
Controle cultural
39
(Fonte: IPNI, acesso em 2021).
 Tratamento de sementes.
Controle Químico
40
(Fonte: Syngenta, 2021).
 Tratamento de sementes;
 Neonicotinóides:
 Tiametoxam;
 Imidacloprido;
 Clotianidina.
Controle Químico
41
 Produtos para TS.
Controle Químico
42
Cropstar Bayer
Igredientes ativos Imidacloprido e Tiodicarbe
Grupo Químico Neonicotiníde (4A) e
Carbamato (1A)
Classe Sistêmico, contato e ingestão
Dosagem 300 – 350 ml/ 60 mil sementes (Fonte: Bayer, 2021).
 Produtos para TS.
Controle Químico
43
Poncho BASF
Ingrediente ativo Clotiadinina
Grupo químico Neonicotiníde (4A)
Classe Sistêmico
Dosagem 80ml/100 mil sementes
(Fonte: BASF, 2021).
 Produtos para TS.
Controle Químico
44
Cruiser 600FS Syngenta
Ingrediente ativo Tiametoxan
Grupo Químico Neonicotinóide (4A)
Classe Sistêmico
Dosagem 230ml/100kg de semente
Preço 95,00 R$ 250ml
(Fonte: Syngenta, 2021).
 Monitoramento e nível de controle;
Controle Químico
45
(Fonte: Blog aegro, 2018).
 Ausência e presença.
 Aplicações sequenciais de V1 à V9.
Controle Químico
46
(Fonte: Grupo Cultivar, 2021).
 Produtos para aplicação aérea.
Controle Químico
47
Engeo Pleno S Syngenta
Ingredientes ativos Tiametoxan e Lambda-
cialotrina
Grupo Químico Neonicotinóide (4A) e
Piretróide (3A)
Classe Sistêmico, contado e ingestão
Dosagem 250 ml/ha
Preço 3835,89 R$ 20L
Custo/ha 47,94 R$/ha
(Fonte: Syngenta, 2021).
 Produtos para aplicação aérea.
Controle Químico
48
Orthene 750BR UPL
Ingrediente Ativo Acefato
Grupo Químico Organofosforado (1B)
Classe Sistêmico, contato e ingestão.
Dosagem 1000-1200g/ha
Preço 278,00 R$ 5kg
Custo/ha 55,69 – 66,83 R$/ha
(Fonte: UPL, 2021).
 Produtos para aplicação aérea.
Controle Químico
49
Galil SC Adama
Ingredientes ativos Imidacloprido e Bifentrina
Grupo químico Neonicotinoide (4A) e
Piretróide (3A)
Classe Sistêmico, contato e ingestão.
Dosagem 200-300 ml/ha
Preço 2690,90 R$ 20L
Custo/ha 26,20 – 40,36 R$/ha
(Fonte: Adama, 2021).
 Produtos para aplicação aérea.
Controle Químico
50
Sperto WG UPL
Ingredientes ativos Acetamiprido e Bifentrina
Grupo químico Neonicotinoide (4A) e
Piretróide (3A)
Classe Sistêmico, contato e ingestão.
Dosagem 200-300 mg/ha
Preço 2690,90 R$ 20L
Custo/ha 40,11 – 60,17 R$/ha
(Fonte:UPL, 2021).
 Isaria fumosorosea.
Controle Biológico
51
(Fonte: Blog agrointeli, 2020).
 Produtos para aplicação aérea.
Controle Biológico
52
Octane Koppert
Isaria fumosorosea Cepa Esalq-1296
Classe Inseticida microbiológico
Dosagem 0,5 – 0,8L/ha
Custo/ha Aprox. 60 R$/ha
(Fonte: Koppert, 2021).
 AGÊNCIA DE DEFESAAGROPECUÁRIA DO PARANÁ. Adapar e Embrapa
orientam sobre o controle da cigarrinha do milho. Disponível em: <
http://www.adapar.pr.gov.br/2020/03/611/Adapar-e-Embrapa-orientam-sobre-o-
controle-da-cigarrinha-do-milho-.html>.
 AGROFIT. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em:
<http://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit_cons/principal_agrofit_cons>.
 Embrapa. Controle da cigarrinha do milho: Enfezamentos por molicutes e
cigarrinha no milho, 2018. Disponível em: <
https://www.embrapa.br/en/controle-da-cigarrinha-do-milho>.
Referências
53
 WAQUIL, José M. Amostragem e abundância de cigarrinhas e danos de Dalbulus
maidis (DeLong & Wolcott)(Homoptera: Cicadellidae) em plântulas de
milho. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 26, n. 1, p. 27-33, 1997.
 SABATO, E. de O.; BARROS, AC da S.; DE OLIVEIRA, I. R. Cenário e manejo
de doenças disseminadas pela cigarrinha no milho. Embrapa Milho e Sorgo-
Fôlder/Folheto/Cartilha (INFOTECA-E), 2016.
 OLIVEIRA, Charles Martins de et al. Eficiência de inseticidas em tratamento de
sementes de milho no controle da cigarrinha Dalbulus maidis (Hemiptera:
Cicadellidae) em viveiro telado. Ciência Rural, v. 38, n. 1, p. 231-235, 2008.
Referências
54
Unindo conhecimento em prol
arthuraranha.agro@gmail.com
jv_souto@discente.ufg.br
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidasManejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Geagra UFG
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
Geagra UFG
 
Aplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no MilhoAplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no Milho
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Geagra UFG
 
Posicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milhoPosicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milho
Geagra UFG
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
Geagra UFG
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Geagra UFG
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
Geagra UFG
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
Geagra UFG
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadoresReguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
Reguladores de crescimento, desfolhantes e maturadores
 
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIROBIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
BIOTECNOLOGIAS DO ALGODOEIRO
 
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidasManejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
Manejo de Doenças: posicionamento de fungicidas
 
Plantas de cobertura
Plantas de coberturaPlantas de cobertura
Plantas de cobertura
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO MILHO.pptx
 
Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.Biotecnologia do algodoeiro.
Biotecnologia do algodoeiro.
 
Aplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no MilhoAplicação de Herbicidas no Milho
Aplicação de Herbicidas no Milho
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
Manejo de mancha branca, cercosporiose, bipolares e diplodia no milho.
 
Posicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milhoPosicionamento de fungicidas no milho
Posicionamento de fungicidas no milho
 
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
HERBICIDAS ( Inibidores de Protox, ALS e EPSPS )
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
 
Fungicidas
FungicidasFungicidas
Fungicidas
 
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da sojaPosicionamento de inseticidas na cultura da soja
Posicionamento de inseticidas na cultura da soja
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 

Semelhante a Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.

Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Juliana Queiroz
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
Geagra UFG
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
Geagra UFG
 
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃOMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
Geagra UFG
 
Ems cont biol_ivan_cruz
Ems cont biol_ivan_cruzEms cont biol_ivan_cruz
Ems cont biol_ivan_cruz
Embrapa Milho e Sorgo
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Sávio Sardinha
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
CarmenRamos248457
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
João Felix
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Cristiane Assis
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
Agricultura Sao Paulo
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Geagra UFG
 
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURAENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
Geagra UFG
 
Manejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milhetoManejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milheto
Geagra UFG
 

Semelhante a Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho. (20)

Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Manejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da SojaManejo de Pragas da Soja
Manejo de Pragas da Soja
 
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLEMANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
MANEJO DO BICUDO NO ALGODOEIRO E ALTERNATIVAS DE CONTROLE
 
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
Manejo de Pragas no Sorgo e no Milheto
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃOMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NO FEIJÃO
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
Mecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidasMecanismo de ação de inseticidas
Mecanismo de ação de inseticidas
 
Ems cont biol_ivan_cruz
Ems cont biol_ivan_cruzEms cont biol_ivan_cruz
Ems cont biol_ivan_cruz
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdfPalestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
Palestra-Mais-que-mel_SMA.pdf
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importadoErradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
Erradicação de fungos em germoplasma vegetal importado
 
Pragas da cana
Pragas da canaPragas da cana
Pragas da cana
 
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procaféSituação atual no controle de nematóides andré procafé
Situação atual no controle de nematóides andré procafé
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURAENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
ENTRAVES FITOSSANITÁRIOS NA AGRICULTURA
 
Manejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milhetoManejo de doenças no sorgo e milheto
Manejo de doenças no sorgo e milheto
 

Mais de Geagra UFG

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
Geagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptxApresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
Apresentação de Manejo do solo - Slides.pptx
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 

Último

Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdfrepresentações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
EVERALDODEOLIVEIRA2
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
SETCESP - Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região
 
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUSCAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (8)

Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdfrepresentações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
representações gráficas que apresentam dados climáticos climogramas .pdf
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESPJornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
Jornada da Sustentabilidade - Encontro ESG - SETCESP
 
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUSCAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
CAMELOS E DROMEDÁRIOS, MARAVILHAS DE DEUS
 

Manejo de cigarrinha, enfezamento, raiado e mosaico no milho.

  • 1. Unindo conhecimento em prol Manejo de cigarrinha Arthur Braga Aranha e João Victor L. Souto
  • 2.  Introdução;  Doenças transmitidas;  Controle Cultural;  Controle Químico;  Controle Biológico. Sumário 2
  • 3. Dalbulus maidis 3 (Fonte: Aristides Garcia, 2021). • Identificação; • Aproximadamente 0,5cm; • Coloração branco acinzentada; • Alimentam-se na maioria das vezes próximas às folhas do cartucho; • Manchas próximas aos ocelos.
  • 4. Dalbulus maidis 4 (Fonte: Aristides Garcia, 2021). • Ovoposição e ninfas; • Sempre na região do cartucho; • Atividade das ninfas.
  • 5. Dalbulus maidis 5 • Ovoposição e ninfas. (Fonte: Embrapa, 2004). (Fonte: Embrapa, 2004).
  • 6. Dalbulus maidis 6 • Influência da temperatura; (Fonte: Embrapa, 2004). Temperaturas abaixo de 20ºC impedem a eclosão, porém não inviabilizam as ninfas; Velocidade do ciclo.
  • 7. Dalbulus maidis 7 • Ciclo de vida hemimetábolos. (Fonte: Blog aegro, 2018).
  • 8. Dalbulus maidis 8 (Fonte: Phytusclub, 2021).  Aparelho bucal;  Alimentação através da sucção de seiva.
  • 9.  Enfezamento vermelho (Maize Bushy Stunt Phytoplasma);  Enfezamento pálido (Corn Stunt Spiroplasma);  Risca (Maize rayado fino virus). Doenças Transmitidas 9
  • 10.  Pode ocorrer em 100% das plantas;  Plantio em mais de uma época do ano;  É causado pelo Fitoplasma, da classe dos Mollicutes;  Encontrado no floema;  No Brasil, o milho é o único hospedeiro do Fitoplasma e da cigarrinha. Enfezamento vermelho 10
  • 11.  A cigarrinha alimenta-se de plantas infectadas;  Pode ser adquirido após 2 horas de alimentação;  Após 22-28 dias ela passa a transmitir;  Inoculação a partir de 0,5 hora;  Retenção no vetor de 29-48 dias;  Inicio de uma lavoura e o final de outra favorece a disseminação da cigarrinha. Enfezamento vermelho 11
  • 12.  Avermelhamento intenso e generalizado da planta;  Inicia no ápice e nas margens das folhas;  Posteriormente ocorre a seca das folhas;  Algumas cultivares perfilham na base ou nas axilas foliares;  Os sintomas manifestam-se durante o florescimento e enchimento de grãos. Enfezamento vermelho 12
  • 13.  Prejudica o crescimento das espigas e dos grãos;  Multiespigamento;  Os grãos ficam pequenos, manchados, frouxos na espiga ou chochos;  Encurtamento de internódios;  Secam e tombam rapidamente. Enfezamento vermelho 13
  • 15.  Pode ocorrer em 100% das plantas;  Plantio em mais de uma época do ano;  É causado pelo Spiroplasma kunkelii, da classe dos Mollicutes;  Encontrado no floema;  No Brasil, o milho é o único hospedeiro do Spiroplasma kunkelii e da cigarrinha. Enfezamento pálido 15
  • 16.  A cigarrinha alimenta-se de plantas infectadas;  Pode ser adquirido após 1 horas de alimentação;  Após 17-23 dias ela passa a transmitir;  Inoculação a partir de 1 hora;  Retenção no de vetor de 42 dias;  Inicio de uma lavoura e o final de outra favorece a disseminação da cigarrinha. Enfezamento pálido 16
  • 17.  Formação de estrias esbranquiçadas irregulares, nas folhas, a partir da base;  Crescimento drasticamente reduzido;  Os grãos ficam pequenos, manchados, frouxos na espiga ou chochos. Enfezamento pálido 17
  • 18. Enfezamento pálido 18  Multiespigamento;  As plantas ficam enfraquecidas e secam rapidamente, de maneira precoce e atípica;  Sintomas variam de acordo com a idade e tolerância dos híbridos.
  • 22.  Virose;  Pode causar reduções na produção de até 30%;  Transmitido pela cigarrinha;  Ocorre simultaneamente com os enfezamentos;  Com uma incidência menor. Risca 22
  • 23.  Pequenos pontos cloróticos na base e ao longo das nervuras;  Folhas jovens;  Os pontos de unem formando riscas curtas;  Os primeiros sintomas aparecem em plantas jovens;  Plantas apresentam espigas e grãos menores que o normal. Risca 23
  • 24.  A cigarrinha alimenta-se de plantas infectadas;  Após 1-6 semanas ela passa a transmitir;  Taxa de transmissão decresce com o tempo;  Inicio de uma lavoura e o final de outra favorece a disseminação da cigarrinha. Risca 24
  • 27.  Rotação de culturas. Controle Cultural 27 (Fonte: Boas práticas agronômicas, 2017).  Preferencia do produtor em relação ao mercado em fazer alternância de culturas.
  • 28.  Ponte verde;  Problema de produtividade para soja. Controle Cultural 28 (Fonte: Pioneer, 2019).
  • 29.  Controlar no início do ciclo da soja;  Quanto maiores, mais difíceis o controle. Controle Cultural 29 (Fonte: Pioneer, 2019).
  • 30.  Grupos Químicos (FOPs vs DIMS);  Eficiência dos FOPs superior em plantas em estádios reprodutivos. Controle Cultural 30 (Fonte: Pioneer, 2019).
  • 31. Controle Cultural 31 Produto Targa Max Empresa Ihara Ingrediente ativo Quizalofope-p-etílico Dose 500 – 2000ml/ha Preço 200 R$ 5L Custo/ha 20 - 80R$/ha (Fonte: IHARA, 2021).
  • 32. Controle Cultural 32 Produto Select one pack Empresa UPL Ingrediente ativo Clethodim Dose 700 – 900ml/ha (até 4 folhas) Preço 178 R$ 5L Custo/ha 24,92 – 32,04R$/ha (Fonte: UPL, 2021).
  • 33. Situação de campo 1 33 (Fonte: Grupo Cultivar, 2020).
  • 34. Situação de campo 2 34 (Fonte: Embrapa, 2015).
  • 35.  Escolha do híbrido. Controle cultural 35 (Fonte: Forseed, 2021). (Fonte: Morgan, 2021). (Fonte: Pioneer, 2021).
  • 36.  Grau de tolerância do híbrido. Controle cultural 36
  • 37.  Variedade de híbridos do mercado;  Optar, por variedades com sanidade de colmo. Controle cultural 37 Híbrido Empresa FS575PWU Forseed FS700PWU Forseed P3707PYH Pioneer P3898 Pioneer MG593PWU Morgan MG607PWU Morgan
  • 38.  Escalonar ao mínimo a janela de plantio. Controle cultural 38 (Fonte: Pioneer, 2019).
  • 39.  Sincronização do plantio. Controle cultural 39 (Fonte: IPNI, acesso em 2021).
  • 40.  Tratamento de sementes. Controle Químico 40 (Fonte: Syngenta, 2021).
  • 41.  Tratamento de sementes;  Neonicotinóides:  Tiametoxam;  Imidacloprido;  Clotianidina. Controle Químico 41
  • 42.  Produtos para TS. Controle Químico 42 Cropstar Bayer Igredientes ativos Imidacloprido e Tiodicarbe Grupo Químico Neonicotiníde (4A) e Carbamato (1A) Classe Sistêmico, contato e ingestão Dosagem 300 – 350 ml/ 60 mil sementes (Fonte: Bayer, 2021).
  • 43.  Produtos para TS. Controle Químico 43 Poncho BASF Ingrediente ativo Clotiadinina Grupo químico Neonicotiníde (4A) Classe Sistêmico Dosagem 80ml/100 mil sementes (Fonte: BASF, 2021).
  • 44.  Produtos para TS. Controle Químico 44 Cruiser 600FS Syngenta Ingrediente ativo Tiametoxan Grupo Químico Neonicotinóide (4A) Classe Sistêmico Dosagem 230ml/100kg de semente Preço 95,00 R$ 250ml (Fonte: Syngenta, 2021).
  • 45.  Monitoramento e nível de controle; Controle Químico 45 (Fonte: Blog aegro, 2018).  Ausência e presença.
  • 46.  Aplicações sequenciais de V1 à V9. Controle Químico 46 (Fonte: Grupo Cultivar, 2021).
  • 47.  Produtos para aplicação aérea. Controle Químico 47 Engeo Pleno S Syngenta Ingredientes ativos Tiametoxan e Lambda- cialotrina Grupo Químico Neonicotinóide (4A) e Piretróide (3A) Classe Sistêmico, contado e ingestão Dosagem 250 ml/ha Preço 3835,89 R$ 20L Custo/ha 47,94 R$/ha (Fonte: Syngenta, 2021).
  • 48.  Produtos para aplicação aérea. Controle Químico 48 Orthene 750BR UPL Ingrediente Ativo Acefato Grupo Químico Organofosforado (1B) Classe Sistêmico, contato e ingestão. Dosagem 1000-1200g/ha Preço 278,00 R$ 5kg Custo/ha 55,69 – 66,83 R$/ha (Fonte: UPL, 2021).
  • 49.  Produtos para aplicação aérea. Controle Químico 49 Galil SC Adama Ingredientes ativos Imidacloprido e Bifentrina Grupo químico Neonicotinoide (4A) e Piretróide (3A) Classe Sistêmico, contato e ingestão. Dosagem 200-300 ml/ha Preço 2690,90 R$ 20L Custo/ha 26,20 – 40,36 R$/ha (Fonte: Adama, 2021).
  • 50.  Produtos para aplicação aérea. Controle Químico 50 Sperto WG UPL Ingredientes ativos Acetamiprido e Bifentrina Grupo químico Neonicotinoide (4A) e Piretróide (3A) Classe Sistêmico, contato e ingestão. Dosagem 200-300 mg/ha Preço 2690,90 R$ 20L Custo/ha 40,11 – 60,17 R$/ha (Fonte:UPL, 2021).
  • 51.  Isaria fumosorosea. Controle Biológico 51 (Fonte: Blog agrointeli, 2020).
  • 52.  Produtos para aplicação aérea. Controle Biológico 52 Octane Koppert Isaria fumosorosea Cepa Esalq-1296 Classe Inseticida microbiológico Dosagem 0,5 – 0,8L/ha Custo/ha Aprox. 60 R$/ha (Fonte: Koppert, 2021).
  • 53.  AGÊNCIA DE DEFESAAGROPECUÁRIA DO PARANÁ. Adapar e Embrapa orientam sobre o controle da cigarrinha do milho. Disponível em: < http://www.adapar.pr.gov.br/2020/03/611/Adapar-e-Embrapa-orientam-sobre-o- controle-da-cigarrinha-do-milho-.html>.  AGROFIT. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <http://agrofit.agricultura.gov.br/agrofit_cons/principal_agrofit_cons>.  Embrapa. Controle da cigarrinha do milho: Enfezamentos por molicutes e cigarrinha no milho, 2018. Disponível em: < https://www.embrapa.br/en/controle-da-cigarrinha-do-milho>. Referências 53
  • 54.  WAQUIL, José M. Amostragem e abundância de cigarrinhas e danos de Dalbulus maidis (DeLong & Wolcott)(Homoptera: Cicadellidae) em plântulas de milho. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, v. 26, n. 1, p. 27-33, 1997.  SABATO, E. de O.; BARROS, AC da S.; DE OLIVEIRA, I. R. Cenário e manejo de doenças disseminadas pela cigarrinha no milho. Embrapa Milho e Sorgo- Fôlder/Folheto/Cartilha (INFOTECA-E), 2016.  OLIVEIRA, Charles Martins de et al. Eficiência de inseticidas em tratamento de sementes de milho no controle da cigarrinha Dalbulus maidis (Hemiptera: Cicadellidae) em viveiro telado. Ciência Rural, v. 38, n. 1, p. 231-235, 2008. Referências 54
  • 55. Unindo conhecimento em prol arthuraranha.agro@gmail.com jv_souto@discente.ufg.br Obrigado!