SlideShare uma empresa Scribd logo
Unindo conhecimento em prol
Plantio e Adubação
do Girassol
Gabriel Vettorazzi Levandowski
 Época de plantio;
 Preparo do solo;
 Calagem e Gessagem;
 Plantio;
 Função e dinâmica de nutrientes;
 Recomendação de Adubação;
 Boro;
 Cultivares.
Sumário
2
 Pode ser cultivado o ano todo;
 Cultivado em todo o país.
Épocas de plantio
3
Baixa sensibilidade fotoperiódica
 Segunda safra no Centro-Oeste: Janeiro a Fevereiro:
 Regiões altas (800-1200 m): 25/02 a 15/03;
 Regiões baixas (450-600 m): 15/02 a 05/03.
Preparo do solo
4
 O que é um bom preparo de solo?
 Pode ser Plantio Convencional ou Semeadura Direta:
 Convencional: Grade destorroadora + arado de aiveca ou
escarificador a 30 cm;
 Semeadura Direta.
 Topografia: Plana ou suavemente ondulada;
 Para Cerrado: área com soja ou milho por mais de 3 anos.
 Saturação por bases: 50%;
Artigo Compactação X Produtividade
5
 Sistema radicular e componentes produtivos do girassol em
solo compactado (A. Scapinelli et al.,2016.)
 5 tratamentos:
 Sem tráfego , 1, 3, 6 e 11 passadas de trator.
 Profundidades avaliadas:
 0 – 5 cm, 5 – 10 cm, 10 – 15 cm e 15 – 20 cm.
 Avaliações:
 Anatomia da planta e produtividade.
Preparo do solo
6
Fonte: A. Scapinelli et al.,2016.
Preparo do solo
7Fonte:A.Scapinellietal.,2016.
 C0
 C3
 C11
 Variações morfológicas
nas raízes;
 Variações morfológicas na
parte aérea.
 Escolha do calcário:
 Manter teor de Mg no solo de 0,5 a 1,0 cmolc /dm³.
 pH ideal: 6,2. Não tolera abaixo de 5,2;
 Recomendada para 60 dias antes da semeadura. ( incompatível
com a 2ª safra ).
Calagem e Gessagem
8
 Gessagem: quando na profundidade de 20 - 40 cm:
 Saturação por Al > 10% ou
 Ca < 0,5 cmolc / dm³.
 Recomendações em função da textura do solo:
Calagem e Gessagem
9
Textura kg/ha
Arenosa 700
Média 1200
Argilosa 2200
Muito Argilosa 3200
Fonte: Adaptado EMBRAPA,2008.
Plantio
10
 População: 40.000 – 45.000 plantas por hectare;
 Espaçamentos: 50 cm ou 90 cm (mesmo do milho);
 Profundidade: de 4 cm a 5 cm;
 Finalidades: Grão ou Silagem;
 Velocidade de plantio: 5km/h;
 Custo da semente;
 Cuidado na dessecação pré-plantio: não usar atrazina.
Plantio
11
 Tratamento de semente:
 Certeza N – para controle de Sclerotinia sclerotiorum
 Tiofanato-metílico + Fluazinam
 + Fipronil (ingrediente ativo)
 Benefícios do tratamento de sementes;
 TS On Farm;
 Custo do tratamento de sementes.
Plantio
12
Fonte: Portal Syngenta,2019.
 Diferenças de TS em soja.
13
 Semeadora
 1- Disco de corte;
 2- Disco sulcador do
adubo;
 4- Disco sulcador da
semente;
 5- Regulador de
profundidade;
 6- Disco
compactador em V.
1
2
Plantio
14
 Semeadora
Plantio
Fonte: Adaptado de Tanaka, acesso em 2019
15
Fonte: Agrostore, acesso em 2019
 Disco e anel para Girassol
Plantio
16
Fonte:Jassy,acessoem2019
Plantio
17
 Distribuidora a vácuo
Fonte: Precision Planting,2019.
Plantio
18
 Comparação de PMS
Fonte: Lobo et al.,2013.
 Milho : 357g/1000 s.
 Soja : 170g/1000 s.
Plantio
Plantio
19
 Fórmula para cálculo de sementes/metro:
Fonte: Embrapa,acesso em 2019.
Função e dinâmica dos nutrientes
20
 Classificações dos nutrientes;
 Essencialidade;
 Macro vs micro;
Macro: N, P, K, Ca, Mg, S.
Micro: Cl, Fe, B, Mn, Zn, Cu ,Mo.
1 – A planta não completa seu ciclo sem o nutriente;
2 – Outro nutriente não pode substituí-lo;
3 – Diretamente envolvido na nutrição da planta.
Função e dinâmica dos nutrientes
21
 Classificação: papel bioquímico e função fisiológica;
Grupo 1
Grupo 2
Grupo 3
Grupo 4
Grupo 1 – São partes de compostos carbônicos. Plantas assimilam via
oxidação ou redução.
Grupo 2 – Importantes no armazenamento de energia e estrutura.
Grupo 3 – Se mantém na forma iônica ou ligados por lig. iônica.
Grupo 4 – Envolvidos em reações com transferência de elétrons.
N P K Ca Mg S B Si Fe Zn Cu Ni Mo Cl Mn Na
N
P
K Ca Mg
S
B
Fe Zn Cu Ni Mo
Si
Cl Mn Na
Função e dinâmica dos nutrientes
22
N P K
Forma de
absorção
Mobilidade no
solo
Mobilidade na
planta
NO3
-
NH4
+ H2PO4
- K+
AltaAlta Baixa
Alta Alta Alta
 Por expectativa de rendimento:
Recomendação de adubação
23
Adequado Alto Adequado Alto
t/ha kg/ha
2 10 60 30 40 20
3 10 70 35 60 30
4 10 80 40 80 40
SEMEADURA
N
Expectativa de
rendimento
P extraível K extraível
kg/ha de P2O5 kg/ha de K2O
Fonte: Adaptado de Sousa et al.,2004
 K2O > 60 kg/ha – Parcelar em 2x
 Por expectativa de rendimento:
Recomendação de adubação
24
COBERTURA
t/ha
2
3
4
Expectativa de rendimento N
kg/ha
40
60
80
Fonte: Adaptado de Sousa et al.,2004
 - 40 % : área de baixo potencial de resposta;
 + 20 %: área de alto potencial de resposta.
25
Recomendação de adubação
 Manejo de produtor– produtividade de 35 – 38 sc/ha:
Pontos (NPK) Dois manejos Resultado
Máximo 200 kg 2-20-18 + ureia (cobertura)
45-45-45 300 kg 15-15-15 (base)
Sem diferença
 Neste caso, qual escolher?
 Observar custo;
 Facilidade operacional;
 Outras recomendações: 40-40-40, 50-50-50, 60-60-60;
 Custo médio da adubação: R$375,00/ha + R$174,00/ha. (cob.)
26
Recomendação de adubação
Fonte: Zobiole et al., 2010
 Quando fazer a aplicação de cobertura?
 Se atentar para o
desenvolvimento da
cultura;
 Recomendado: 30 Dias
após emergência.
27
Exportação de nutrientes
N
Fonte: Adaptado de Zobiole et al., 2010
KP  O potássio continua em grande parte na
área;
 Função de sustentação do potássio;
 N e P com alta exportação.
 98 DAE
28
Fonte: UFSM, 2015
Boro
29
Fonte: UFLA, acesso em 2019.
Boro
 Aplicação foliar ou no solo ?
 Absorção na forma de: H3BO3;
 Valor crítico: 0,4mg/dm³ de solo de B;
 Cultura altamente responsiva a este nutriente.
 O que pode bloquear a assimilação do boro ?
 pH < 5,0 ou > 7,0;
 Excesso de matéria orgânica no solo;
 Elevados teores de Fe ou Al; Alto teor de K.
Boro
30
Boro
31
 Importante: Alcançar cerca de 2 – 3 kg de B
durante o ciclo.
 15-15-15 + 0,5% Boro (base)
 Intercalar: 4 a 6 kg ácido bórico /ha durante o
ciclo + foliar com fungicidas.
Fonte:Quimifol,acessoem2019.
Exemplo: Quimifol Boro: aplicar de 1,0 a 1,5
kg/ha aos 25 e aos 45 d.a.e.
 Formas de aplicação de boro:
 Vantagens e desvantagens do ácido bórico;
 Preço: cerca de R$ 7,50/ha. (Ácido bórico).
Boro
32
Fonte de boro: % B
Ácido Bórico 17,5
Octaborato de dissódico tetrahidratado 21
Bórax 10,5
Bórax Pentahidratado 16
Pentaborato de Sódio Decahidratado 18
Colemanita 8
Boro
33
Fonte: Ana Flávia de Oliveira Soares, 2019
Fonte:IFAG,2018
 Comparação de preços: Octoborato x Ácido bórico:
 Octoborato: R$ 13,00 /ha
 Ácido Bórico: R$ 7,47 /ha
s
s
Cultivares
34
BRS 323 – Embrapa
 Híbrido simples;
 40 a 44% de teor de óleo;
 40.000 – 45.000 plantas/ha;
 Maturação fisiológica 80 - 98 dias.
Cultivares
35
NUSOL 4170 CL PLUS
 Atlântica Sementes
Fonte: Atlântica Sementes
 População: 40.000 – 45.000 sementes/ha.
Cultivares
36
Altis 99
 Atlântica Sementes
Fonte:AtlânticaSementes
Cultivares
37
Aguará 6
 Atlântica Sementes
Fonte: Atlântica Sementes
Unindo conhecimento em prol
Gabriel Vettorazzi Levandowski
gabriel.vl@basevis.com.br
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
Killer Max
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
Geagra UFG
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Geagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
Geagra UFG
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Geagra UFG
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
Geagra UFG
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
Geagra UFG
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
A Cultura do Arroz
A Cultura do ArrozA Cultura do Arroz
A Cultura do Arroz
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e HelmintosporioseManejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
Manejo de Podridão de Colmo, Raiz, Espigas, Grãos ardidos e Helmintosporiose
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.
 
Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro Manejo de pragas no feijoeiro
Manejo de pragas no feijoeiro
 
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto  Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
Manejo de Doenças no Sorgo e Milheto
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 

Semelhante a Plantio e adubação do girassol

Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
Geagra UFG
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
Fattore
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
LUCIANOMAURCIOBEZERR3
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
Carla Pádua Martins
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 
Adubação no Dendêzeiro
Adubação no DendêzeiroAdubação no Dendêzeiro
Adubação no Dendêzeiro
Leandro Araujo
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
Geagra UFG
 
Fertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiroFertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiro
Agricultura Sao Paulo
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Rikardy Tooge
 
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granjaArtigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Agricultura Sao Paulo
 
Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
Gustavo Avila
 
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROSUSO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
Leandro Araujo
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
Tayza Taveira
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
Geagra UFG
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Rural Pecuária
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Plantio e Nutrição do Sorgo e Milheto
Plantio e Nutrição do Sorgo e MilhetoPlantio e Nutrição do Sorgo e Milheto
Plantio e Nutrição do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 

Semelhante a Plantio e adubação do girassol (20)

Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
 
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
 
Resumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalqResumo simpósio café esalq
Resumo simpósio café esalq
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 
Adubação no Dendêzeiro
Adubação no DendêzeiroAdubação no Dendêzeiro
Adubação no Dendêzeiro
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Fertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiroFertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiro
 
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
Relatório Técnico - Projeto Soja Brasil 2015/2016
 
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granjaArtigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
Artigo Adubação do Milho safrinha - Revista A granja
 
Adubação Potassica Soja
Adubação Potassica SojaAdubação Potassica Soja
Adubação Potassica Soja
 
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROSUSO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
USO DE FERTILIZANTES DE LIBERAÇÃO LENTA NA FORMAÇÃO DE POMARES DE CITROS
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Plantio e Nutrição do Sorgo e Milheto
Plantio e Nutrição do Sorgo e MilhetoPlantio e Nutrição do Sorgo e Milheto
Plantio e Nutrição do Sorgo e Milheto
 

Mais de Geagra UFG

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
Geagra UFG
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
Geagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
Geagra UFG
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
Geagra UFG
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Geagra UFG
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
Geagra UFG
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
Geagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
Geagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
Geagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
Geagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
Geagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Palestrante: Aline Castro
 
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARESBIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
BIOTECNOLOGIA E POSICIONAMENTO DE CULTIVARES
 
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptxMACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
MACRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA.pptx
 
Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .Biotecnologias e manejos de cultivares .
Biotecnologias e manejos de cultivares .
 
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
REGULADORES DE CRESCIMENTO, DESFOLHANTES E MATURADORES.
 
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptxINTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
INTRODUÇÃO À COTONICULTURA - THAÍS MOREIRA.pptx
 
Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 

Último

APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptxAPRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
thiago718348
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
E-Commerce Brasil
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
EMERSON BRITO
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
E-Commerce Brasil
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
E-Commerce Brasil
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Leonardo Espírito Santo
 

Último (14)

APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptxAPRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
APRESENTAÇÃO PTA NR 18 trabalho - R2.pptx
 
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
Conferência Goiás I As tendências para logística em 2024 e o impacto positivo...
 
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
Conferência Goiás I Estratégias de aquisição e fidelização de clientes e opor...
 
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊMANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
MANUAL DO REVENDEDOR TEGG TELECOM - O 5G QUE PAGA VOCÊ
 
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
Conferência Goiás I Prevenção à fraude em negócios B2B e B2C: boas práticas e...
 
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
Conferência Goiás I E-commerce Inteligente: o papel crucial da maturidade dig...
 
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
Conferência Goiás I Os impactos da digitalização do Atacarejo no Brasil.
 
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
Conferência Goiás I Uma experiência excelente começa quando ela ainda nem seq...
 
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
Conferência Goiás I Moda e E-commerce: transformando a experiência do consumi...
 
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
Conferência Goiás I Como uma boa experiência na logística reversa pode impact...
 
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
Conferência Goiás I Conteúdo que vende: Estratégias para o aumento de convers...
 
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
Conferência Goiás I Perspectivas do Pix 2024: novidades e impactos no varejo ...
 
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
Conferência Goiás I Fraudes no centro-oeste em 2023
 
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamentoGuia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
Guia Definitivo do Feedback 2.0 como vc ter maturidade de relacionamento
 

Plantio e adubação do girassol

  • 1. Unindo conhecimento em prol Plantio e Adubação do Girassol Gabriel Vettorazzi Levandowski
  • 2.  Época de plantio;  Preparo do solo;  Calagem e Gessagem;  Plantio;  Função e dinâmica de nutrientes;  Recomendação de Adubação;  Boro;  Cultivares. Sumário 2
  • 3.  Pode ser cultivado o ano todo;  Cultivado em todo o país. Épocas de plantio 3 Baixa sensibilidade fotoperiódica  Segunda safra no Centro-Oeste: Janeiro a Fevereiro:  Regiões altas (800-1200 m): 25/02 a 15/03;  Regiões baixas (450-600 m): 15/02 a 05/03.
  • 4. Preparo do solo 4  O que é um bom preparo de solo?  Pode ser Plantio Convencional ou Semeadura Direta:  Convencional: Grade destorroadora + arado de aiveca ou escarificador a 30 cm;  Semeadura Direta.  Topografia: Plana ou suavemente ondulada;  Para Cerrado: área com soja ou milho por mais de 3 anos.  Saturação por bases: 50%;
  • 5. Artigo Compactação X Produtividade 5  Sistema radicular e componentes produtivos do girassol em solo compactado (A. Scapinelli et al.,2016.)  5 tratamentos:  Sem tráfego , 1, 3, 6 e 11 passadas de trator.  Profundidades avaliadas:  0 – 5 cm, 5 – 10 cm, 10 – 15 cm e 15 – 20 cm.  Avaliações:  Anatomia da planta e produtividade.
  • 6. Preparo do solo 6 Fonte: A. Scapinelli et al.,2016.
  • 7. Preparo do solo 7Fonte:A.Scapinellietal.,2016.  C0  C3  C11  Variações morfológicas nas raízes;  Variações morfológicas na parte aérea.
  • 8.  Escolha do calcário:  Manter teor de Mg no solo de 0,5 a 1,0 cmolc /dm³.  pH ideal: 6,2. Não tolera abaixo de 5,2;  Recomendada para 60 dias antes da semeadura. ( incompatível com a 2ª safra ). Calagem e Gessagem 8
  • 9.  Gessagem: quando na profundidade de 20 - 40 cm:  Saturação por Al > 10% ou  Ca < 0,5 cmolc / dm³.  Recomendações em função da textura do solo: Calagem e Gessagem 9 Textura kg/ha Arenosa 700 Média 1200 Argilosa 2200 Muito Argilosa 3200 Fonte: Adaptado EMBRAPA,2008.
  • 10. Plantio 10  População: 40.000 – 45.000 plantas por hectare;  Espaçamentos: 50 cm ou 90 cm (mesmo do milho);  Profundidade: de 4 cm a 5 cm;  Finalidades: Grão ou Silagem;  Velocidade de plantio: 5km/h;  Custo da semente;  Cuidado na dessecação pré-plantio: não usar atrazina.
  • 11. Plantio 11  Tratamento de semente:  Certeza N – para controle de Sclerotinia sclerotiorum  Tiofanato-metílico + Fluazinam  + Fipronil (ingrediente ativo)  Benefícios do tratamento de sementes;  TS On Farm;  Custo do tratamento de sementes.
  • 12. Plantio 12 Fonte: Portal Syngenta,2019.  Diferenças de TS em soja.
  • 13. 13  Semeadora  1- Disco de corte;  2- Disco sulcador do adubo;  4- Disco sulcador da semente;  5- Regulador de profundidade;  6- Disco compactador em V. 1 2 Plantio
  • 14. 14  Semeadora Plantio Fonte: Adaptado de Tanaka, acesso em 2019
  • 15. 15 Fonte: Agrostore, acesso em 2019  Disco e anel para Girassol Plantio
  • 17. 17  Distribuidora a vácuo Fonte: Precision Planting,2019. Plantio
  • 18. 18  Comparação de PMS Fonte: Lobo et al.,2013.  Milho : 357g/1000 s.  Soja : 170g/1000 s. Plantio
  • 19. Plantio 19  Fórmula para cálculo de sementes/metro: Fonte: Embrapa,acesso em 2019.
  • 20. Função e dinâmica dos nutrientes 20  Classificações dos nutrientes;  Essencialidade;  Macro vs micro; Macro: N, P, K, Ca, Mg, S. Micro: Cl, Fe, B, Mn, Zn, Cu ,Mo. 1 – A planta não completa seu ciclo sem o nutriente; 2 – Outro nutriente não pode substituí-lo; 3 – Diretamente envolvido na nutrição da planta.
  • 21. Função e dinâmica dos nutrientes 21  Classificação: papel bioquímico e função fisiológica; Grupo 1 Grupo 2 Grupo 3 Grupo 4 Grupo 1 – São partes de compostos carbônicos. Plantas assimilam via oxidação ou redução. Grupo 2 – Importantes no armazenamento de energia e estrutura. Grupo 3 – Se mantém na forma iônica ou ligados por lig. iônica. Grupo 4 – Envolvidos em reações com transferência de elétrons. N P K Ca Mg S B Si Fe Zn Cu Ni Mo Cl Mn Na N P K Ca Mg S B Fe Zn Cu Ni Mo Si Cl Mn Na
  • 22. Função e dinâmica dos nutrientes 22 N P K Forma de absorção Mobilidade no solo Mobilidade na planta NO3 - NH4 + H2PO4 - K+ AltaAlta Baixa Alta Alta Alta
  • 23.  Por expectativa de rendimento: Recomendação de adubação 23 Adequado Alto Adequado Alto t/ha kg/ha 2 10 60 30 40 20 3 10 70 35 60 30 4 10 80 40 80 40 SEMEADURA N Expectativa de rendimento P extraível K extraível kg/ha de P2O5 kg/ha de K2O Fonte: Adaptado de Sousa et al.,2004  K2O > 60 kg/ha – Parcelar em 2x
  • 24.  Por expectativa de rendimento: Recomendação de adubação 24 COBERTURA t/ha 2 3 4 Expectativa de rendimento N kg/ha 40 60 80 Fonte: Adaptado de Sousa et al.,2004  - 40 % : área de baixo potencial de resposta;  + 20 %: área de alto potencial de resposta.
  • 25. 25 Recomendação de adubação  Manejo de produtor– produtividade de 35 – 38 sc/ha: Pontos (NPK) Dois manejos Resultado Máximo 200 kg 2-20-18 + ureia (cobertura) 45-45-45 300 kg 15-15-15 (base) Sem diferença  Neste caso, qual escolher?  Observar custo;  Facilidade operacional;  Outras recomendações: 40-40-40, 50-50-50, 60-60-60;  Custo médio da adubação: R$375,00/ha + R$174,00/ha. (cob.)
  • 26. 26 Recomendação de adubação Fonte: Zobiole et al., 2010  Quando fazer a aplicação de cobertura?  Se atentar para o desenvolvimento da cultura;  Recomendado: 30 Dias após emergência.
  • 27. 27 Exportação de nutrientes N Fonte: Adaptado de Zobiole et al., 2010 KP  O potássio continua em grande parte na área;  Função de sustentação do potássio;  N e P com alta exportação.  98 DAE
  • 29. 29 Fonte: UFLA, acesso em 2019. Boro
  • 30.  Aplicação foliar ou no solo ?  Absorção na forma de: H3BO3;  Valor crítico: 0,4mg/dm³ de solo de B;  Cultura altamente responsiva a este nutriente.  O que pode bloquear a assimilação do boro ?  pH < 5,0 ou > 7,0;  Excesso de matéria orgânica no solo;  Elevados teores de Fe ou Al; Alto teor de K. Boro 30
  • 31. Boro 31  Importante: Alcançar cerca de 2 – 3 kg de B durante o ciclo.  15-15-15 + 0,5% Boro (base)  Intercalar: 4 a 6 kg ácido bórico /ha durante o ciclo + foliar com fungicidas. Fonte:Quimifol,acessoem2019. Exemplo: Quimifol Boro: aplicar de 1,0 a 1,5 kg/ha aos 25 e aos 45 d.a.e.
  • 32.  Formas de aplicação de boro:  Vantagens e desvantagens do ácido bórico;  Preço: cerca de R$ 7,50/ha. (Ácido bórico). Boro 32 Fonte de boro: % B Ácido Bórico 17,5 Octaborato de dissódico tetrahidratado 21 Bórax 10,5 Bórax Pentahidratado 16 Pentaborato de Sódio Decahidratado 18 Colemanita 8
  • 33. Boro 33 Fonte: Ana Flávia de Oliveira Soares, 2019 Fonte:IFAG,2018  Comparação de preços: Octoborato x Ácido bórico:  Octoborato: R$ 13,00 /ha  Ácido Bórico: R$ 7,47 /ha s s
  • 34. Cultivares 34 BRS 323 – Embrapa  Híbrido simples;  40 a 44% de teor de óleo;  40.000 – 45.000 plantas/ha;  Maturação fisiológica 80 - 98 dias.
  • 35. Cultivares 35 NUSOL 4170 CL PLUS  Atlântica Sementes Fonte: Atlântica Sementes  População: 40.000 – 45.000 sementes/ha.
  • 36. Cultivares 36 Altis 99  Atlântica Sementes Fonte:AtlânticaSementes
  • 37. Cultivares 37 Aguará 6  Atlântica Sementes Fonte: Atlântica Sementes
  • 38. Unindo conhecimento em prol Gabriel Vettorazzi Levandowski gabriel.vl@basevis.com.br Obrigado!

Notas do Editor

  1. +Segunda safra. Em outros estados aparecem em outros períodos: SP+SUL+MS = Ago,set,outubro.
  2. +Topografia: O importante é que permita o uso de máquinas;
  3. +Topografia: O importante é que permita o uso de máquinas;
  4. +Topografia: O importante é que permita o uso de máquinas;
  5. +Topografia: O importante é que permita o uso de máquinas;
  6. Abaixo de 5,2 o girassol possui grandes problemas para desenvolver seu sistema radicular.
  7. Abaixo de 5,2 o girassol possui grandes problemas para desenvolver seu sistema radicular.
  8. +Sentido de maior ventilação: para evitar o acamamento de plantas, o aparecimento de doenças e a redução dos capítulos. +Sanny 66: 3,6 sc/ha semente.sc de 60 reais. +custo de plantio: 18sc. +Velocidade de Semeadura: a velocidade precisa ser mais baixa que o milho, ficando em 5km/h, para garantir que a leveza da semente não resulte numa lavoura desuniforme. Dicas como colocar um saco de areia dentro da semeadora para fazer peso e misturar grafite à semente para dar mobilidade no disco podem ajudar.
  9. +Em torno de R$3,90 por hectare ( com o uso de Standak Top (inset + fungi)) de acordo com o SENAR/IFAG +Benef: Minimiza a exposição aos fungos e insetos. + O que é o sclerotinia sclerotiorum +Industrial: menor risco de exposição da equipe, melhor distribuição do produto ,mais caro. +Baixo risco de operação e menor exposição do operador e agricultor (a toxicologia, contato, cheiro, etc.), maior longevidade de armazenamento, assegurando maior germinação e expressão do potencial produtivo e utilização de polímeros que protegem a tecnologia e o germoplasma são mais alguns dos benefícios destacados no Tratamento de Sementes Industrial.
  10. +Isso é soja
  11. 1 2 4 5 6
  12. 1 2 4 5 6
  13. Caramuru fornece.
  14. +Falar qual é mais usada: a de disco normal pois a semente é muito leve. + PMS: Milho maximus viptera 3: 357g/1000grãos;girassol 78,8 g/mil grãos
  15. +Soja:variam, entre 140 a 220g/1000 grãos,, para fins de estimativa 170g/1000 grãos. +Milho maximus viptera 3
  16. +Sentido de maior ventilação: para evitar o acamamento de plantas, o aparecimento de doenças e a redução dos capítulos. +Sanny 66: 3,6 sc/ha semente.sc de 60 reais. +custo de plantio: 18sc. +Velocidade de Semeadura: a velocidade precisa ser mais baixa que o milho, ficando em 5km/h, para garantir que a leveza da semente não resulte numa lavoura desuniforme. Dicas como colocar um saco de areia dentro da semeadora para fazer peso e misturar grafite à semente para dar mobilidade no disco podem ajudar.
  17. Ideia do Ximenes. “Quem foi na aula do Ximenens n fala”
  18. Doses de K2O maiores que 60 kg/ha: Parcelamento 50% semeadura e 50% primeira cobertura.
  19. Perguntar: o q voce entende por área de baixo potencial de resposta?
  20. Observar a relação P/N
  21. ++Pergunta : para que fazer adubação de cobertura/?? +Pergunta pra patrícia: como na soja, o que faz o ciclo encurtar é a mudança do vegetativo?; Peguei a indicação do Cerrado, mas já vi também 50 e 55 dias. Muda pela cultivar também. Pelo ciclo.
  22. Pergunta pra patrícia: como na soja, o que faz o ciclo encurtar é a mudança do vegetativo?; Peguei a indicação do Cerrado, mas já vi também 50 e 55 dias. Muda pela cultivar também. Pelo ciclo.
  23. Folhas:folhas jovens: folhas pequenas ou malformadas, grossas, endurecidas e quebradiças, com coloração bronzeada, evoluindo para necrose marrom Caules e pecíolos: manchas marrons evoluindo pra necróticas. No pecíolo: mais próximas do caule. Capítulo: começa um pouco mais tarde: abortamento floral.
  24. + 300 kg de 15-15-15 0,5%. + Lembrar: Observar a curva de absorção. “aplicar nas épocas de maior necessidade”. Lembrar: ácido bórico não aplica com Fungi
  25. Vantagem ácido bórico: mais barato. Desvantagem: incompatível com a aplicação de fungicida.
  26. Sanny 66: 3,6sc/ha custo da semente: girassol RS60/sc