SlideShare uma empresa Scribd logo
Farmacodinâmica

    Prof. MSc. Vinicius Henrique
           Farmacêutico Clínico
FARMACODINÂMICA
   Área da farmacologia que estuda os mecanismos de
    ação dos fármacos, assim como sua interação com
    o alvo.
Fármacos não CRIAM efeitos no
organismo, eles MODIFICAM uma
      função já existente!!!!!
MECANISMOS GERAIS DE SINALIZAÇÃO
CELULAR
MECANISMOS GERAIS DE SINALIZAÇÃO
CELULAR
MECANISMOS GERAIS DE SINALIZAÇÃO
CELULAR
Um pouco de Eletrofisiologia...




Luigi Galvani (1737 - 1798)
Princípios da Eletrofisiologia
   Células excitáveis:
-   Células musculares
-   Células nervosas
A excitação celular
   A excitação celular é desencadeada por um
    processo denominado DESPOLARIZAÇÃO
    CELULAR
   Este processo inclui 4 etapas bem definidas:
-   Estímulo
-   Despolarização
-   Repolarização
-   Hiperpolarização

              Relacionado com a CARGA
                      ELÉTRICA
Regrinhas Básicas


          Despolarização  EXCITAÇÃO Celular
          Hiperpolarização  INIBIÇÃO Celular




Entrada de íons POSITIVOS e/ou saída de íons NEGATIVOS 
                      Despolarização


Entrada de íons NEGATIVOS e/ou saída de íons POSITIVOS 
                    Hiperpolarização
Aumento de carga POSITIVA no interior
    da célula  Despolarização

Aumento de carga NEGATIVA no interior
    da célula  Hiperpolarização
ALVOS DE AÇÃO DOS FÁRMACOS
PRINCIPAIS FUNÇÕES DAS PROTEÍNAS
 Receptores
 Canais iônicos
 Transportadores
 Enzimas
 Proteínas estruturais
Proteínas
   São constituídas por aminoácidos
Estrutura proteica
SÍNTESE DE PROTEÍNAS
TRANSCRIÇÃO
TRADUÇÃO
RECEPTORES



        Agonistas


      Antagonistas
RECEPTORES
TIPOS DE RECEPTORES
           Ionotrópicos
          Metabotrópicos
            Catalíticos
          Intracelulares
Receptores Ionotrópicos




 Neurotransmissores
RECEPTORES IONOTRÓPICOS
   Também chamados de canais iônicos dependentes
    de ligante
RECEPTORES IONOTRÓPICOS
RECEPTORES IONOTRÓPICOS
CANAIS IÔNICOS
CLASSIFICAÇÃO DOS CANAIS IÔNICOS
 Dependentes   de Ligantes
  (ionotrópicos)
 Dependentes de Voltagem
 Dependentes de Metabólitos
DEPENDENTES DE VOLTAGEM
Fármacos que atuam em Canais Iônicos
Dependentes de Voltagem
DEPENDENTES DE METABÓLITOS
Receptores Metabotrópicos




Neurotransmissores
    Hormônios
    Citocinas
RECEPTORES METABOTRÓPICOS
   São receptores inicialmente ligados ao metabolismo
   São frequentemente chamados de receptores
    acoplados a Proteína G (GPCR)
RECEPTORES METABOTRÓPICOS
RECEPTORES METABOTRÓPICOS
RECEPTORES METABOTRÓPICOS




                            Soares, 2012
RECEPTORES METABOTRÓPICOS
RECEPTORES METABOTRÓPICOS
RECEPTORES METABOTRÓPICOS (AC)
RECEPTORES METABOTRÓPICOS (AC)
RECEPTORES METABOTRÓPICOS (PLC)
RECEPTORES METABOTRÓPICOS (PLC)
GPCR E CANAIS IÔNICOS
RECEPTORES METABOTRÓPICOS




                      Soares , 2012
SINALIZAÇÃO POR ÓXIDO NÍTRICO (NO)
   Molécula gasosa solúvel
   Importante sinalizador celular
   É sintetizado a partir do aminoácido L-arginina
   A enzima que catalisa a formação do NO é a NOS
    (óxido nítrico sintase), está presente
    predominantemente em células endoteliais e
    neurônios (eNOS e nNOS, respectivamente)
   Tipos de NOS:
-   cNOS (Constitutiva)
-   iNOS (Induzida)
SINALIZAÇÃO POR ÓXIDO NÍTRICO (NO)
SINALIZAÇÃO POR ÓXIDO NÍTRICO (NO)
SINALIZAÇÃO POR ÓXIDO NÍTRICO (NO)
Receptores Catalíticos

   Fatores de Crescimento
          Citocinas
       Fatores Tróficos
         Hormônios
RECEPTORES CATALÍTICOS
   São proteínas transmembrana que possuem
    atividade catalítica intrínseca
   Possuem inúmeras funções celulares
   Quando são ativados, desencadeiam uma cascata
    de ativação de proteínas intracelulares por meio da
    fosforilação de resíduos de tirosina (tirosina
    quinases) ou serina/treonina (serina/treonina
    quinases)


              O que é FOSFORILAÇÃO????
RECEPTORES CATALÍTICOS
RECEPTORES CATALÍTICOS
RECEPTORES CATALÍTICOS
RECEPTORES CATALÍTICOS
Cross-Talking
Cross-Talking
Receptores Intracelulares




 Hormônios
RECEPTORES INTRACELULARES
   São receptores localizados no interior das células
   São ativados por substâncias LIPOFÍLICAS!
   Atuam DIRETAMENTE no DNA da célula
   Ativam fatores de transcrição genéticos
RECEPTORES INTRACELULARES
TRANSPORTADORES PASSIVOS
TRANSPORTADORES ATIVOS (BOMBAS)




                         Omeprazol
ENZIMAS




          AINES
PROTEÍNAS ESTRUTURAIS
DNA
RNA




      Antibióticos
Interação Fármaco-Receptor
TIPOS DE INTERAÇÕES
   Interação eletrostática
   Interação dipolo-dipolo
   Interação hidrofóbica
   Pontes de Hidrogênio
   Força de Van der Waals
   Ligação iônica
   Ligação covalente
CONCENTRAÇÃO X EFEITO
Ka = Constante de afinidade




Determina a POTÊNCIA
      do fármaco
POTÊNCIA X EFICÁCIA
POTÊNCIA E EFICÁCIA
CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS
AGONISTAS TOTAIS

Produzem 100% do efeito  análogo as substâncias endógenas
AGONISTAS PARCIAIS

 Não produzem 100% da resposta, mesmo ocupando
              100% dos receptores
AGONISTAS INVERSOS
           Produzem efeito inverso do agonista



  NÃO é um
antagonista!!!!!!




“Desativação”
ANTAGONISTAS
   Bloqueiam a ação dos agonistas
   NÃO POSSUEM ATIVIDADE INTRÍNSECA
   Se ligam aos receptores BLOQUEANDO seu sítio
    de ligação
ANTAGONISTAS
DESSENSIBILIZAÇÃO OU TAQUIFILAXIA
Antibióticos e Antineoplásicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoJaqueline Almeida
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivosresenfe2013
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMECaio Maximino
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatóriosRenato Santos
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoMauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais procurados (20)

Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2Farmacodinâmica 2011 2
Farmacodinâmica 2011 2
 
Aula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - AnestésicosAula - SNC - Anestésicos
Aula - SNC - Anestésicos
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Inflamacao e dor
Inflamacao e dorInflamacao e dor
Inflamacao e dor
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
 

Destaque (14)

Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
 
Aula 4 Medicina
Aula 4 MedicinaAula 4 Medicina
Aula 4 Medicina
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Aula farmacocinética 2 distribuição
Aula farmacocinética 2 distribuiçãoAula farmacocinética 2 distribuição
Aula farmacocinética 2 distribuição
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
 
Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1Aula farmacocinética 1
Aula farmacocinética 1
 

Semelhante a Farmacodinâmica

Semelhante a Farmacodinâmica (20)

Hormonios
HormoniosHormonios
Hormonios
 
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdfMAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
 
PROTEÍNAS 2020
PROTEÍNAS 2020PROTEÍNAS 2020
PROTEÍNAS 2020
 
HormôNios IntroduçAo2000
HormôNios IntroduçAo2000HormôNios IntroduçAo2000
HormôNios IntroduçAo2000
 
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptxLOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
 
Aula1 proteinas
Aula1 proteinasAula1 proteinas
Aula1 proteinas
 
MEMBRANAS.pdf
MEMBRANAS.pdfMEMBRANAS.pdf
MEMBRANAS.pdf
 
principios-de-sinalizacao-celular
 principios-de-sinalizacao-celular principios-de-sinalizacao-celular
principios-de-sinalizacao-celular
 
Receptores
Receptores Receptores
Receptores
 
Comunicacao celular
Comunicacao celularComunicacao celular
Comunicacao celular
 
Aula introdução
Aula introduçãoAula introdução
Aula introdução
 
Aula 1 conceitos em biologia celular
Aula 1 conceitos em biologia celularAula 1 conceitos em biologia celular
Aula 1 conceitos em biologia celular
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Sinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdfSinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdf
 
Sinalização celular
Sinalização celularSinalização celular
Sinalização celular
 
Aula1 patologia
Aula1 patologiaAula1 patologia
Aula1 patologia
 
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
Sna by lazoinacio slide neuroliga 2011
 
Tipagem sanguinea
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguinea
 
995 aula de endocrinologia da reprodução
995 aula de endocrinologia da reprodução995 aula de endocrinologia da reprodução
995 aula de endocrinologia da reprodução
 

Último

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 

Último (20)

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 

Farmacodinâmica