SlideShare uma empresa Scribd logo
Fitoterápicos



      Recife, setembro de 2012
“A medicina
       popular
      exerce um
     importante
 papel na atenção
      primária,
principalmente nos
       países
      em que a
população não tem
    acesso fácil à
 medicamentos.”
A utilização de plantas medicinais




         Garantia de eficácia e
              segurança



      Comprovação com base em
    literatura de uso tradicional ou
     estudos científicos realizados
         com a espécie vegetal.
   Planta Medicinal
    Espécie vegetal, cultivada ou não, com
    propósitos terapêuticos. Pode ser: fresca ou seca
   Droga vegetal
    Quando a planta é seca, rasurada ou triturada. Tanto a droga
    vegetal quanto a planta são denominadas matéria prima
    vegetal.
   Derivado vegetal
      Produto obtido por processo extrativo da matéria prima
    vegetal ou por prensagem, utilizando a planta seca ou fresca.
    Ex: Óleos
   Medicamento fitoterápico

      É aquele obtido utilizando exclusivamente matérias primas
    ativas vegetais. É caracterizado pelo conhecimento da
    eficácia, e dos riscos de seu uso, assim como, pela
    reprodutibilidade e constância de sua qualidade.
     Pode ser:
     Simples – utilização de 1 espécie.
     Composto – utilização de mais de 1 espécie.
   Fitoterápico

    Qualquer produto obtido de planta medicinal, com fins curativos
    ou paliativos, seja ele manipulado, industrializado, produzido de
    maneira caseira, por raizeiros ou benzedeiras.


   Fitoterapia

    É uma terapêutica caracterizada pelo uso de plantas medicinais
    em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de
    substâncias ativas isoladas, ainda que de origem vegetal.
 Resposta terapêutica satisfatória
 Fácil acesso

 Boa aceitação

 Baixo custo
A partir desta década, com as
novas tendências globais, com a
preocupação da biodiversidade e
as idéias de desenvolvimento
sustentável, diversos documentos
foram elaborados, enfatizando a
introdução de plantas medicinais
e fitoterápicos na atenção básica
no sistema público.
   RENISUS (71 Espécies Vegetais)
     Objetivos:
         Inserir com segurança, eficácia e qualidade plantas
    medicinais, fitoterápicos e serviços relacionados ao SUS
     Promover e reconhecer as práticas populares e tradicionais
    de uso de plantas medicinais e remédios caseiros.

   RDC 10
Notificação de espécies vegetais.
66 Espécies Vegetais
   Orientações ao paciente:
    Se o mesmo utiliza medicamentos de uso contínuo, buscar orientação
    de profissional de saúde antes de utilizar a droga vegetal;
     Drogas vegetais não devem ser utilizadas por período superior ao
    indicado, ou continuamente, a não ser por orientação de profissionais
    de saúde;
    Preparar a infusão ou decocção imediatamente antes do uso;
    As drogas vegetais podem ser utilizadas sem prescrição médica para
    o alívio sintomático de doenças de baixa gravidade por períodos
    curtos. Caso os sintomas persistam ou piorem, ou apareçam reações
    indesejadas não descritas, interromper o uso e procure orientação de
    profissional de saúde.
   Medidas de referência:
I - colher das de sopa: 15 mL / 3 g;
II - colher das de sobremesa: 10 mL / 2 g;
III - colher das de chá: 5 mL / 1 g;
IV - colher das de café: 2 mL / 0,5 g;
V - xícara das de chá ou copo: 150 mL;
VI - xícara das de café: 50 mL; e
VII - cálice: 30 mL.


Deverá constar na embalagem:
“ESTE PRODUTO É INDICADO COM BASE NO SEU USO
  TRADICIONAL”


As alegações terapêuticas devem seguir o formato:
“USADO TRADICIONALMENTE NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO
  DE”
Medicamentos escolhidos pelo Município de Recife

      FITOTERÁPICO                                  INDICAÇÃO
       Arnica montana (Arnica)            Hematomas, contusões.
   Hypericum perforatum (Hipérico)        Estados depressivos leves a
                                          moderados.
 Maytenus ilicifolia (Espinheira santa)   Dispepsia, coadjuvante no tratamento
                                          de gastrite e úlcera.
 Mikania glomerata (Guaco)                Expectorante, Broncodilatador
   Pneumos boldus (Boldo do chile)        Dispepsia
 Valeriana oficinales (Valeriana)         Sedativo moderado, no tratamento de
                                          distúrbios do sono associados à
                                          ansiedade.
   Família: Asteraceae
   Origem: Europa
   Parte utilizada: Flores
   Forma de utilização:
Infusão (3g em 150mL de água, 2 a 3x ao dia).
   Via: Tópico
   Compostos químicos: Lactonas sesquiterpênicas.
   Indicação: Anti-inflamatório em contusões e distensões, nos
    casos de equimoses e hematomas.
   Advertência: Não utilizar por via oral e em lesões abertas. Em
    casos isolados pode provocar reações alérgicas com formação
    de vesículas e necrose. Não utilizar por um período superior a
    sete dias e em concentração acima da recomendada.
   Família: Asteraceae
   Origem: Sul do Brasil
   Compostos químicos: Cumarina
   Parte utilizada: Folhas
   Forma de utilização: Infusão (3g em 150mL de água, 1 a 3x dia).
   Via: Oral
   Indicação: Gripes e resfriados, bronquites alérgica e infecciosa,
    como expectorante.
   Advertência: Não utilizar em caso de tratamento com anti-
    inflamatórios não esteroides e anticoagualntes. Pacientes com
    problemas hepáticos não devem fazer uso prolongado. Doses
    acima das recomendadas podem provocar vômitos e diarréia .
   Família: Hypericaceae.
   Parte utilizada: partes aéreas.
   Composto químico: Hipericina.
   Forma farmacêutica: cápsulas gelatinosas.
   Indicação: estados depressivos leves a moderados .
   Contra indicação: em casos de hipersensibilidade, crianças com
    menos de 6 anos, gravidez, lactante.
   Reações adversas:
   Pode causar reações fotossensibilizantes.
   Em casos raros, podem aparecer irritações gastrintestinais, reações
    alérgicas, fadiga e agitação.
   Interações medicamentosas: anticonceptivo oral e anticonvulsivante.
   Família: Valerianaceae.
   Parte utilizada: raíz.
   Composto químico: Ácidos valerênicos.
   Forma farmacêutica: cápsulas gelatinosas.
   Indicação: sedativo moderado e no tratamento de distúrbios do sono
    associados à ansiedade.
   Contra indicação: em casos de hipersensibilidade, crianças com
    menos de 3 anos, gravidez, lactante.
   Reações adversas:
   Tontura, indisposição gastrintestinal, alergias de contato, cefaleia e
    midríase.
   Com o uso a longo prazo, pode ocorrer: cefaleia, cansaço, insônia e
    problemas cardíacos. Não deve ser utilizada junto ao consumo de
    bebidas alcoólicas.
   Família: Monimiaceae
   Origem: Chile
   Composto químico: Boldina
   Parte utilizada: Folhas
   Forma de utilização: Infusão (1 a 2g em 150mL, 2x dia)
   Via: Oral
   Outras indicações: Colagogo e coletérico
   Contra indicação: Pessoas com obstrução das vias biliares e
    gravidez, crianças com menos de 6 anos, pacientes com quadro
    de doenças severa no fígado.
   Família: Celastraceae
   Parte utilizada: Folhas
   Via: oral
   Compostos químicos: Presença de terpenos, taninos, flavonóides
   Forma de utilização: Infusão (6 a 9g em 150mL de água, 3 a 4x dia)
   Outras indicações: Azia e gastrite
   Contra indicação: Crianças abaixo de 12 anos, não utilizar em
    grávidas e lactantes.
   ADVERTÊNCIA
    O uso pode provocar secura, gosto estranho na boca e naúseas.
   Cápsulas _ extrato seco 380mg deste, 13,3mg de taninos
    totais.
   Forma farmacêutica: cápsulas gelatinosas duras.
   Posologia: 2 cápsula 3 vezes ao dia.
   Indicação: Dispepsia, gastrite.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
sedis-suporte
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
Márcio Ravazoli
 
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundarioAula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Prefeitura Municipal de Bandeirantes,PR
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
Far Cavalcante
 
Plantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãOPlantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãO
PRISCILA7PIVA
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
Erica Marcela
 
C:\Fakepath\Fitoterapia
C:\Fakepath\FitoterapiaC:\Fakepath\Fitoterapia
C:\Fakepath\Fitoterapia
guestb8a1440
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
Safia Naser
 
2ª aula origem e evolução da farmácia
2ª aula   origem e evolução da farmácia2ª aula   origem e evolução da farmácia
2ª aula origem e evolução da farmácia
Claudio Luis Venturini
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Julia Martins Ulhoa
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
sedis-suporte
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Maria Luiza
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
Sheilla Sandes
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
RAYANE DORNELAS
 
Origem e evolução da farmácia
Origem e evolução da farmáciaOrigem e evolução da farmácia
Origem e evolução da farmácia
Click Farma
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
Click Farma
 
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosMedicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Ítalo Arrais
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
sedis-suporte
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
Claudio Luis Venturini
 

Mais procurados (20)

C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
 
Aula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundarioAula metabolismo-vegetal-secundario
Aula metabolismo-vegetal-secundario
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Plantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãOPlantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãO
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
C:\Fakepath\Fitoterapia
C:\Fakepath\FitoterapiaC:\Fakepath\Fitoterapia
C:\Fakepath\Fitoterapia
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
2ª aula origem e evolução da farmácia
2ª aula   origem e evolução da farmácia2ª aula   origem e evolução da farmácia
2ª aula origem e evolução da farmácia
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativosFarmacognosia- drogas e princípio ativos
Farmacognosia- drogas e princípio ativos
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
Origem e evolução da farmácia
Origem e evolução da farmáciaOrigem e evolução da farmácia
Origem e evolução da farmácia
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosMedicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificados
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 

Semelhante a Matriciamento fitoterapicos .ppt

Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
LUANALETICIAVILADONA
 
Apostila Cha
Apostila ChaApostila Cha
Apostila Cha
Medusa Fabula
 
Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)
Simone Dreher
 
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
Antonio Adailton de Morais
 
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoApostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Augusto Santana
 
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia ChinesaApostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Rogério Versolatto
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
Raquel Souza
 
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdf
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdfAula Plantas medicinais I-2-53.pdf
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdf
MARCIARODRIGUES121891
 
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistemaPlantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Eva Yunus Ornay
 
Apresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdfApresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdf
grupo1unb
 
Apresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdfApresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdf
grupo1unb
 
Cartilha plantas
Cartilha plantasCartilha plantas
Cartilha plantas
Bruna Oliveira
 
Plantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãOPlantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãO
PRISCILA7PIVA
 
Fitoterapia (1)
Fitoterapia (1)Fitoterapia (1)
Fitoterapia (1)
Betina Veiga
 
Cartilha Informativa de Plantas Medicinais
Cartilha Informativa de Plantas MedicinaisCartilha Informativa de Plantas Medicinais
Cartilha Informativa de Plantas Medicinais
PET Agronomia IFPA
 
Administração de medicamentos em suma
Administração de medicamentos em sumaAdministração de medicamentos em suma
Administração de medicamentos em suma
Oséias Ferreira
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
Bruno Anacleto
 

Semelhante a Matriciamento fitoterapicos .ppt (20)

Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
Emprego terapêutico de plantas medicinais e fitoterápicos - sistema nervoso e...
 
Apostila Cha
Apostila ChaApostila Cha
Apostila Cha
 
Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)
 
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
Nadia Poletti
 
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA07 medicamentos - FARMACOLOGIA
07 medicamentos - FARMACOLOGIA
 
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoApostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
 
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia ChinesaApostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
Apostila do Curso de Fitoterapia Chinesa
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdfINTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
INTRODUCAO A FARMACOLOGIA ENFERMAGEM.pdf
 
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdf
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdfAula Plantas medicinais I-2-53.pdf
Aula Plantas medicinais I-2-53.pdf
 
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistemaPlantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
 
Apresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdfApresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdf
 
Apresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdfApresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdf
 
Cartilha plantas
Cartilha plantasCartilha plantas
Cartilha plantas
 
Plantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãOPlantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãO
 
Fitoterapia (1)
Fitoterapia (1)Fitoterapia (1)
Fitoterapia (1)
 
Cartilha Informativa de Plantas Medicinais
Cartilha Informativa de Plantas MedicinaisCartilha Informativa de Plantas Medicinais
Cartilha Informativa de Plantas Medicinais
 
Administração de medicamentos em suma
Administração de medicamentos em sumaAdministração de medicamentos em suma
Administração de medicamentos em suma
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
 

Matriciamento fitoterapicos .ppt

  • 1. Fitoterápicos Recife, setembro de 2012
  • 2. “A medicina popular exerce um importante papel na atenção primária, principalmente nos países em que a população não tem acesso fácil à medicamentos.”
  • 3. A utilização de plantas medicinais Garantia de eficácia e segurança Comprovação com base em literatura de uso tradicional ou estudos científicos realizados com a espécie vegetal.
  • 4. Planta Medicinal Espécie vegetal, cultivada ou não, com propósitos terapêuticos. Pode ser: fresca ou seca  Droga vegetal Quando a planta é seca, rasurada ou triturada. Tanto a droga vegetal quanto a planta são denominadas matéria prima vegetal.  Derivado vegetal Produto obtido por processo extrativo da matéria prima vegetal ou por prensagem, utilizando a planta seca ou fresca. Ex: Óleos
  • 5. Medicamento fitoterápico É aquele obtido utilizando exclusivamente matérias primas ativas vegetais. É caracterizado pelo conhecimento da eficácia, e dos riscos de seu uso, assim como, pela reprodutibilidade e constância de sua qualidade. Pode ser: Simples – utilização de 1 espécie. Composto – utilização de mais de 1 espécie.
  • 6. Fitoterápico Qualquer produto obtido de planta medicinal, com fins curativos ou paliativos, seja ele manipulado, industrializado, produzido de maneira caseira, por raizeiros ou benzedeiras.  Fitoterapia É uma terapêutica caracterizada pelo uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda que de origem vegetal.
  • 7.  Resposta terapêutica satisfatória  Fácil acesso  Boa aceitação  Baixo custo
  • 8. A partir desta década, com as novas tendências globais, com a preocupação da biodiversidade e as idéias de desenvolvimento sustentável, diversos documentos foram elaborados, enfatizando a introdução de plantas medicinais e fitoterápicos na atenção básica no sistema público.
  • 9. RENISUS (71 Espécies Vegetais) Objetivos: Inserir com segurança, eficácia e qualidade plantas medicinais, fitoterápicos e serviços relacionados ao SUS Promover e reconhecer as práticas populares e tradicionais de uso de plantas medicinais e remédios caseiros.  RDC 10 Notificação de espécies vegetais. 66 Espécies Vegetais
  • 10. Orientações ao paciente: Se o mesmo utiliza medicamentos de uso contínuo, buscar orientação de profissional de saúde antes de utilizar a droga vegetal; Drogas vegetais não devem ser utilizadas por período superior ao indicado, ou continuamente, a não ser por orientação de profissionais de saúde; Preparar a infusão ou decocção imediatamente antes do uso; As drogas vegetais podem ser utilizadas sem prescrição médica para o alívio sintomático de doenças de baixa gravidade por períodos curtos. Caso os sintomas persistam ou piorem, ou apareçam reações indesejadas não descritas, interromper o uso e procure orientação de profissional de saúde.
  • 11. Medidas de referência: I - colher das de sopa: 15 mL / 3 g; II - colher das de sobremesa: 10 mL / 2 g; III - colher das de chá: 5 mL / 1 g; IV - colher das de café: 2 mL / 0,5 g; V - xícara das de chá ou copo: 150 mL; VI - xícara das de café: 50 mL; e VII - cálice: 30 mL. Deverá constar na embalagem: “ESTE PRODUTO É INDICADO COM BASE NO SEU USO TRADICIONAL” As alegações terapêuticas devem seguir o formato: “USADO TRADICIONALMENTE NO TRATAMENTO SINTOMÁTICO DE”
  • 12. Medicamentos escolhidos pelo Município de Recife FITOTERÁPICO INDICAÇÃO Arnica montana (Arnica) Hematomas, contusões. Hypericum perforatum (Hipérico) Estados depressivos leves a moderados. Maytenus ilicifolia (Espinheira santa) Dispepsia, coadjuvante no tratamento de gastrite e úlcera. Mikania glomerata (Guaco) Expectorante, Broncodilatador Pneumos boldus (Boldo do chile) Dispepsia Valeriana oficinales (Valeriana) Sedativo moderado, no tratamento de distúrbios do sono associados à ansiedade.
  • 13. Família: Asteraceae  Origem: Europa  Parte utilizada: Flores  Forma de utilização: Infusão (3g em 150mL de água, 2 a 3x ao dia).  Via: Tópico  Compostos químicos: Lactonas sesquiterpênicas.  Indicação: Anti-inflamatório em contusões e distensões, nos casos de equimoses e hematomas.  Advertência: Não utilizar por via oral e em lesões abertas. Em casos isolados pode provocar reações alérgicas com formação de vesículas e necrose. Não utilizar por um período superior a sete dias e em concentração acima da recomendada.
  • 14. Família: Asteraceae  Origem: Sul do Brasil  Compostos químicos: Cumarina  Parte utilizada: Folhas  Forma de utilização: Infusão (3g em 150mL de água, 1 a 3x dia).  Via: Oral  Indicação: Gripes e resfriados, bronquites alérgica e infecciosa, como expectorante.  Advertência: Não utilizar em caso de tratamento com anti- inflamatórios não esteroides e anticoagualntes. Pacientes com problemas hepáticos não devem fazer uso prolongado. Doses acima das recomendadas podem provocar vômitos e diarréia .
  • 15. Família: Hypericaceae.  Parte utilizada: partes aéreas.  Composto químico: Hipericina.  Forma farmacêutica: cápsulas gelatinosas.  Indicação: estados depressivos leves a moderados .  Contra indicação: em casos de hipersensibilidade, crianças com menos de 6 anos, gravidez, lactante.  Reações adversas:  Pode causar reações fotossensibilizantes.  Em casos raros, podem aparecer irritações gastrintestinais, reações alérgicas, fadiga e agitação.  Interações medicamentosas: anticonceptivo oral e anticonvulsivante.
  • 16. Família: Valerianaceae.  Parte utilizada: raíz.  Composto químico: Ácidos valerênicos.  Forma farmacêutica: cápsulas gelatinosas.  Indicação: sedativo moderado e no tratamento de distúrbios do sono associados à ansiedade.  Contra indicação: em casos de hipersensibilidade, crianças com menos de 3 anos, gravidez, lactante.  Reações adversas:  Tontura, indisposição gastrintestinal, alergias de contato, cefaleia e midríase.  Com o uso a longo prazo, pode ocorrer: cefaleia, cansaço, insônia e problemas cardíacos. Não deve ser utilizada junto ao consumo de bebidas alcoólicas.
  • 17. Família: Monimiaceae  Origem: Chile  Composto químico: Boldina  Parte utilizada: Folhas  Forma de utilização: Infusão (1 a 2g em 150mL, 2x dia)  Via: Oral  Outras indicações: Colagogo e coletérico  Contra indicação: Pessoas com obstrução das vias biliares e gravidez, crianças com menos de 6 anos, pacientes com quadro de doenças severa no fígado.
  • 18. Família: Celastraceae  Parte utilizada: Folhas  Via: oral  Compostos químicos: Presença de terpenos, taninos, flavonóides  Forma de utilização: Infusão (6 a 9g em 150mL de água, 3 a 4x dia)  Outras indicações: Azia e gastrite  Contra indicação: Crianças abaixo de 12 anos, não utilizar em grávidas e lactantes.  ADVERTÊNCIA O uso pode provocar secura, gosto estranho na boca e naúseas.
  • 19. Cápsulas _ extrato seco 380mg deste, 13,3mg de taninos totais.  Forma farmacêutica: cápsulas gelatinosas duras.  Posologia: 2 cápsula 3 vezes ao dia.  Indicação: Dispepsia, gastrite.