O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

07 medicamentos - FARMACOLOGIA

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Manual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição Médica
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 41 Anúncio

07 medicamentos - FARMACOLOGIA

Baixar para ler offline

FARMACOLOGIA - AULA MEMBRANAS BIOLÓGICAS, FARMACOLOGIA, ABSORÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, ELIMINAÇÃO... Indepente da via de administração empregada a maioria dos fármacos tem como destino final a corrente sanguínea. Ao chegar ao sangue tem inicio um outro parâmetro farmacocinético conhecido como distribuição. Enquanto que a absorção é caracterizada como a passagem do fármaco do local onde foi administrado para a corrente sanguínea, a distribuição é caracterizada como a passagem do fármaco da corrente sanguínea para os órgãos e tecidos.
Fatores que afetam a quantidade de proteína total do organismo podem, consequentemente, afetar a distribuição de fármacos. Estes fatores podem ser divididos em: Patológicos e Fisiológicos.
Se conseguir atravessar o endotélio vascular, o fármaco se distribuirá no liquido extracelular (líquido intersticial e plasma) dos tecidos, esse liquido representa cerca de 15L. Se a droga atravessar as membranas celulares, então haverá mais 28L para a distribuição. Ao se somar o liquido extracellular com o intracellular, tem-se um volume total de 43L, em um homem adulto de 70Kg. Esse volume representa o volume real de distribuição, e nunca deve exceeder os 43L.

FARMACOLOGIA - AULA MEMBRANAS BIOLÓGICAS, FARMACOLOGIA, ABSORÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, ELIMINAÇÃO... Indepente da via de administração empregada a maioria dos fármacos tem como destino final a corrente sanguínea. Ao chegar ao sangue tem inicio um outro parâmetro farmacocinético conhecido como distribuição. Enquanto que a absorção é caracterizada como a passagem do fármaco do local onde foi administrado para a corrente sanguínea, a distribuição é caracterizada como a passagem do fármaco da corrente sanguínea para os órgãos e tecidos.
Fatores que afetam a quantidade de proteína total do organismo podem, consequentemente, afetar a distribuição de fármacos. Estes fatores podem ser divididos em: Patológicos e Fisiológicos.
Se conseguir atravessar o endotélio vascular, o fármaco se distribuirá no liquido extracelular (líquido intersticial e plasma) dos tecidos, esse liquido representa cerca de 15L. Se a droga atravessar as membranas celulares, então haverá mais 28L para a distribuição. Ao se somar o liquido extracellular com o intracellular, tem-se um volume total de 43L, em um homem adulto de 70Kg. Esse volume representa o volume real de distribuição, e nunca deve exceeder os 43L.

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (18)

Semelhante a 07 medicamentos - FARMACOLOGIA (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

07 medicamentos - FARMACOLOGIA

  1. 1. MEDICAMENTOS
  2. 2. O QUE É REMÉDIO?
  3. 3. REMÉDIO Todo e qualquer tipo de cuidado utilizado para curar ou aliviar doenças, sintomas, desconforto e mal-estar.
  4. 4. EXEMPLOS REMÉDIO - BANHO QUENTE ou MASSAGEM para diminuir as tensões. - chazinho caseiro. - repouso em caso de resfriado. - hábitos alimentares saudáveis e prática de atividades físicas para evitar o desenvolvimento de doenças crônicas não- transmissíveis. - MEDICAMENTOS PARA CURAR DOENÇAS.
  5. 5. O QUE É MEDICAMENTO?
  6. 6. MEDICAMENTO São produtos farmacêuticos, ELABORADOS E OBTIDOS TECNICAMENTE, com a finalidade de diagnosticar, prevenir, curar doenças ou aliviar seus sintomas, sendo produzidos com rigoroso controle técnico para atender as especificações determinadas pela Anvisa.
  7. 7. TODO MEDICAMENTO É UM REMÉDIO, MAS NEM TODO REMÉDIO É UM MEDICAMENTO
  8. 8. Quem nunca recebeu um chazinho da mamãe ou da vovó durante uma gripe ou um resfriado? PLANTAS MEDICINAIS & FITOTERÁPICOS
  9. 9. FINALIDADES DO USO DE MEDICAMENTOS
  10. 10. Curativa Profilática Fins Diagnósticos Paliativa FINALIDADES DO USO DE MEDICAMENTOS é a aplicação de meios tendentes a evitar as doenças ou a sua propagação Ex. Vacinas que só tem eficácia momentânea ou incompleta; que serve apenas para aliviar sintomas Ex. Analgésicos Ex. Antibióticos, antivirais promover a recuperação e cura Ex. Raio X com contraste é conhecimento feito pelo médico, acerca das características de uma doença ou de um quadro clínico
  11. 11. FORMA FARMACÊUTICA DE UM MEDICAMENTO - Gosto extremamente ruim. - Formas farmacêuticas: facilitam a administração do princípio ativo e obtenção do melhor efeito terapêutico. - Forma física do medicamento para possibilitar o seu uso pelo paciente. - Princípios ativos dos medicamentos: pós ou cristais, semelhante ao sal de cozinha, sendo inviável a sua administração sem uma preparação (dosagem correta).
  12. 12. SEMI-SÓLIDAS: géis, loções, ungüentos, linimentos, ceratos, pastas, cremes e pomadas. CLASSIFICAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS
  13. 13. CLASSIFICAÇÃO DAS FORMAS FARMACÊUTICAS LÍQUIDAS: soluções, xaropes, elixires, suspensões, emulsões, injetáveis, tinturas e extratos. SÓLIDAS: pós, granulados, comprimidos, drágeas, cápsulas, supositórios e óvulos. GASOSAS: aerossóis (sprays)
  14. 14. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO
  15. 15. VIA ORAL VIA SUBLINGUAL VIA RETAL VIA NASAL
  16. 16. VIA PARENTERAL
  17. 17. USO TÓPICO USO VAGINAL
  18. 18. » Os comprimidos, cápsulas e drágeas devem ser tomados com um copo cheio de água, e o paciente deve estar em pé ou sentado. » As cápsulas não devem ser abertas (engolir inteiras) e os comprimidos não devem ser triturados, diluídos, mastigados, misturado com alimentos, líquidos ou outro medicamento, partidos ao meio, exceto por recomendação do médico ou do farmacêutico. » Quando tiver dúvidas sobre como ingerir o medicamento (água, leite, suco), utilizar apenas água. » Caso a orientação seja utilizar o medicamento em jejum, ele deve ser ingerido com o estômago vazio. » Em caso de medicamentos líquidos, sempre devem ser utilizadas as colheres ou copinhos que acompanham o produto. ADMINISTRAÇÃO CORRETA DE MEDICAMENTOS
  19. 19. EXEMPLO DE NOME DE MEDICAMENTOS Nome genérico: como os nomes químicos são geralmente muito longos e complexos, as substâncias ativas recebem também um nome genérico, que é uma denominação mais simples e padronizada. Dipirona sódica Nome químico: indica a composição química da substância ativa (responsável pela ação terapêutica). [(2,3-diidro-1,5-dimetil-3-oxo-2-fenil-1H-pirazol-4- il)metilamino] metanossulfonato sódico Nome comercial: é o nome que o laboratório escolhe para o medicamento que produz
  20. 20. MEDICAMENTOS REFERÊNCIA, GENÉRICOS, SIMILARES, FITOTERÁPICOS E MANIPULADOS
  21. 21. Caracteriza-se como um medicamento inovador, o primeiro e único a ser produzido durante determinado período de tempo. - Proteção Patentária junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) - Garantia de direitos exclusivos de produção, exploração e comercialização do seu produto, sem concorrência (por um período de tempo determinado). MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA
  22. 22. O medicamento genérico é aquele que contém o mesmo princípio ativo, na mesma dose e forma farmacêutica, é administrado pela mesma via e com a mesma posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência. O medicamento genérico apresenta eficácia e segurança equivalentes à do medicamento de referência podendo, com este, ser intercambiável. MEDICAMENTOS GENÉRICOS TESTE DE BIOEQUIVALÊNCIA comprova que o medicamento genérico apresenta a mesma taxa e velocidade de absorção que o medicamento de referência, garantindo assim os mesmos perfis de segurança, eficácia e qualidade.
  23. 23. MEDICAMENTOS GENÉRICOS - Intercambiável, pode substituir o medicamento de referência. - Costumam ser significativamente mais baratos: os fabricantes de medicamentos genéricos não necessitam realizar todas as pesquisas que são realizadas quando se desenvolve um medicamento inovador, visto que suas características são as mesmas do medicamento de referência, com o qual são comparados. - Sem gastos com publicidade
  24. 24. MEDICAMENTOS GENÉRICOS
  25. 25. Medicamento similar é aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, e que é equivalente ao medicamento de referência, podendo diferir somente em características relativas ao tamanho e forma do produto, prazo de validade, embalagem, rotulagem, excipientes e veículo, devendo sempre ser identificado por nome comercial ou marca. MEDICAMENTOS SIMILARES
  26. 26. Como identificar e diferenciar medicamentos de referência, genéricos e similares? Referência Genérico Similar
  27. 27. PLANTAS MEDICINAIS & FITOTERÁPICOS FIQUE ATENTO: - a mesma planta contém diversas outras substâncias, além do princípio ativo. - induzir a reações alérgicas. - interação com outros medicamentos - causar danos a saúde.
  28. 28. Cuidados que devem ser tomados: » informar ao médico sobre a utilização de plantas medicinais. » utilizar somente plantas conhecidas. » prestar bastante atenção no estado das plantas,evitando usar aquelas que estejam murchas, mofadas ou velhas. » preparar e consumir no mesmo dia os remédios caseiros a base de plantas medicinais. » consumir na dose (quantidade) e indicação corretas. » saber em qual horário deve-se tomar o remédio, se em jejum ou após as refeições. » evitar o uso contínuo ou o uso abusivo de chás caseiros. » não ingerir chás sem consentimento médico em caso de gravidez.
  29. 29. PLANTAS MEDICINAIS Espécie vegetal cultivada ou não, utilizada com propósito de prevenir, curar ou aliviar sintomas e/ou doenças. Produto obtido de planta medicinal, ou de seus derivados, exceto substâncias isoladas, com finalidade de prevenir, curar ou aliviar sintomas e/ou doenças. Ex.: tinturas, xaropes, comprimidos MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS
  30. 30. - Todo medicamento fitoterápico deve ter registro na ANVISA. - Número de inscrição do medicamento no Ministério da Saúde está na embalagem. - Sigla MS seguida de um número contendo 9 ou 13 dígitos, iniciado sempre por 1. Exemplo: MS – 1.9526.2555.001-8 MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS
  31. 31. Medicamentos Manipulados É aquele preparada na farmácia, a partir da uma prescrição de profissional habilitado (magistral) ou através de uma fórmula descrita em um compêndio oficial (oficinal), destinada a um paciente individualizado, com estabelecimento claro da composição, forma farmacêutica e modo de usar.
  32. 32. EMBALAGEM DO MEDICAMENTO - Transmitir tudo o que possa interessar sobre o produto, contribuindo para o seu perfeito conhecimento. - Algumas vezes, são os únicos canais de informação disponíveis sobre o produto. - Medicamentos: embalagens devem conter informações obrigatórias, estabelecidas por regulamentos técnicos publicados pela Anvisa.
  33. 33. MECANISMOS DE SEGURANÇA NAS EMBALAGENS » Símbolo que ao ser raspado com material metalizado, tal como as "raspadinhas“ lotéricas, expõe a palavra “QUALIDADE" e a logomarca do fabricante. » A palavra “QUALIDADE” e a logomarca são impressas com tinta reativa que ao ser retirada a tinta reage com o ar. » Lacre para caixas e frascos. Via oral Uso adulto XXX mg
  34. 34. CLASSIFICAÇÃO DE VENDA DOS MEDICAMENTOS SEM tarja: são vendidos sem a prescrição médica COM tarja vermelha: necessitam de prescrição médica para serem vendidos COM tarja preta: são vendidos com prescrição médica que deve ficar retida na drogaria Também podem ser de venda com retenção de receita
  35. 35. ENTENDENDO A BULA DE MEDICAMENTOS As bulas de medicamentos possuem novas regras (RDC nº. 47/2009): - pretende facilitar o entendimento do consumidor, melhorar a visibilidade dos textos e evitar equívocos no momento da prescrição e utilização de medicamentos; - informações mais claras, linguagem objetiva, e conteúdos padronizados Atualmente todos os medicamentos já apresentam a nova bula
  36. 36. BULA DE MEDICAMENTOS DO PACIENTE: Antiga
  37. 37. BULA DE MEDICAMENTOS DO PACIENTE: Nova Nome comercial Nome princípio ativo Composição Quantidade princípio ativo Via administração Restrição de faixa etária Forma farmacêutica Forma apresentação Indicação, como funciona e tempo de efeito do medicamento Contra indicações Precauções e advertências Interações medicamentosas e possíveis alterações Cuidados e armazenamentos
  38. 38. BULA DE MEDICAMENTOS DO PACIENTE: Nova Posologia Reações adversas Superdosagem
  39. 39. ARMAZENAMENTO E CONSERVAÇÃO DE MEDICAMENTOS
  40. 40. » Se é de fácil acesso, seguro e fora do alcance das crianças para evitar uma ingestão acidental de medicamento. » Se está protegido da luz direta, do calor e da umidade. PRINCIPAIS ASPECTOS OBSERVADOS NO ARMAZENAMENTO: Locais quentes, como a cozinha, e úmidos como o banheiro não são adequados para guardar medicamentos. A UMIDADE e o CALOR podem causar alterações na composição do medicamento, diminuindo a eficácia ou causando efeitos tóxicos, mesmo estando dentro do prazo de validade.
  41. 41. » Respeitar a temperatura de conservação do medicamento contida na bula e/ou no rótulo. » Não congelar os medicamentos líquidos e nem guardar nenhum produto na geladeira, exceto nos casos recomendados pelo fabricante. » Conservar o medicamento na embalagem original, bem tampada, e com a respectiva bula. » Não remover o rótulo das embalagens. » Não armazenar, para uso posterior, medicamentos líquidos que tiveram seu lacre rompido e não foram utilizados completamente. » Não reaproveitar frascos usados de medicamentos para colocar outros líquidos. » Observar a data de validade. » Guardar os medicamentos de uso contínuo separados dos demais, para não haver trocas na hora de sua administração. » Evitar deixar o medicamento no interior do carro por muito tempo. » Evitar levar medicamentos na mala, em caso de viagens. O local onde ficam guardadas geralmente possui temperaturas não adequadas. CUIDADOS NO ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS:

×