SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Com o advento das mudanças nas normas contábeis, há
alguns anos, o papel, a responsabilidade e a importância do
profissional da contabilidade obteve uma grande propagação,
principalmente no que tange ao reconhecimento de suas
atribuições e, considerando que a gestão empresarial passou
a buscar informações deste profissional que tanto conhece as
rotinas contábeis, que alcança desde a entrada da mercadoria,
passa pela apuração da lucratividade até a correta apuração
dos impostos. Desta forma, com as informações contábeis é
possível transformar os dados em um poderoso instrumento
de planejamento fiscal, muitas vezes relegada a segundo pla-
no. A base de um adequado planejamento fiscal é a existência
de dados regulares e confiáveis. A contabilidade, sendo um
sistema de registros permanentes das operações, é um pilar
de tal planejamento. Toda movimentação é registrada (escrit-
urada) com auxílio de um software contábil e estes registros
geram informações em livros contábeis e fiscais, podendo ser
eles em papel ou digital – pela introdução do SPED – Sistema
Público de Escrituração Digital. É a partir destes registros nest-
es livros que torna possível realização uma boa interpretação
dos fatos existentes e desenvolver a Elisão Fiscal, mecanismo
lícito de planejamento para otimização dos pagamentos exor-
bitantes referentes à carga tributária atual. Tal conjunto de in-
formações gerará os dados preliminares para análise tributária.
Obviamente, se desejamos reduzir tributos, temos que saber
quanto estamos gastando com eles na atualidade! Partimos de
um fato real (quanto gastamos) para compararmos com esti-
mativas econômicas (quanto pagaremos). Sem contabilidade,
o planejamento tributário ficará dependente de informações
avulsas, não regulares, sujeita a estimativas, erros e avaliações
equivocadas. Para que a contabilidade se preste ao planeja-
mento, a mesma deverá estar refletindo a situação real do pat-
rimônio e das receitas e despesas. Contas com saldos distorci-
dos, falta de atendimento do regime de competência, atrasos
na escrituração, conciliações incorretas, etc. são fatores que di-
minuem a qualidade da informação contábil. Por conseguinte,
diminuirão a qualidade do planejamento pretendido.
O planejamento, para ser sucesso na área tributária, irá
buscar, basicamente:
1. Informações precisas sobre os tributos (base de cálculo,
alíquotas, prazos de recolhimento, fato gerador, etc.).
2. Dados internos e externos do contribuinte (lucrativ-
idade, volume de negócios, forma de operações, entre
outros).
A partir da coleta de dados 1 e 2 supra, começará a com-
parar, analisar, verificar, deduzir, pressupor e idealizar alternati-
vas lícitas para redução fiscal.
Um exemplo: se o contribuinte está tributando seus resul-
tados pelo Lucro Presumido, (aplicação de uma alíquota sobre
o faturamento trimestral para presumir o lucro e determinar o
que será pago de Imposto de Renda na Pessoa Jurídica - IRPJ
e a Contribuição Social para o Lucro Líquido – CSLL) e realiza
corretamente a escrituração contábil, poderá avaliar, perio-
dicamente, a vantagem/desvantagem deste regime, com base
nos resultados gerados nos períodos a que se submeteu a esta
forma de tributação, comparativamente ao regime do Lucro
Real (forma de aplicar os impostos IRPJ e CSLL sobre o resulta-
do real – Lucro Real da empresa, deduzindo-se das vendas os
custos e todas as despesas permitidas pela legislação).
É importante ressaltar que tanto no regime de apuração
do Lucro Presumido quanto na apuração do Lucro Real, ex-
istem além dos impostos e contribuições IRPJ e CSLL outros
tributos que são calculados mensalmente, dependendo do
ramo de atividade, a saber:
PIS – Programa de Integração Social; COFINS – Con-
tribuição para Seguridade Social; ICMS – Imposto sobre a
Circulação de Mercadorias e Serviços...; ISS – Imposto sobre
Serviços; IPI – Imposto sobre o Produto Industrializado; II – Im-
posto sobre Importação; IE – Imposto sobre Exportação, den-
tre outros...
Quando se aplicar o planejamento pretendido, a ex-
ecução do mesmo precisa ser avaliada, à luz de critérios objeti-
vos. Novamente a contabilidade se prestará para tal, pois seus
registros evidenciarão, entre outros:
1. A execução do planejamento tributário trouxe redução
de impostos? Quanto?
2. Houve custos adicionais (administrativos, consultoria)
nesta implantação? Quais foram estes custos e seu re-
spectivo montante?
3. Baseado nos resultados já alcançados, pode-se afirmar
que o planejamento fiscal foi aplicado de forma eficaz,
econômica?
Balancetes “velhos” ou mal conciliados podem distorcer
seriamente a análise real da situação fiscal da empresa. É im-
prescindível que o reconhecimento de todas as receitas e des-
pesas se faça pelo chamado “regime de competência” e não
pelo regime de caixa.
Professor Ricardo Ribeiro
Pós-graduado em Controladoria,
Finanças, Planejamento Tributário e
Auditoria. Professor de Contabilidade
do Centro Paula Souza. Professor
de Contabilidade da Faculdade de
Ciências Gerenciais - FACIG. Licenciado
em Contabilidade e Perito Contador
Assistente do Banco do Brasil.
A Contabilidade como instrumento de Economia Fiscal Empresarial
Rua Maria Rosa da Silva, 151, Jardim Paraíso,
São Joaquim da Barra, SP - (16) 3818-3271

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides curso Planejamento Tributario videoaulas Unieducar
Slides curso Planejamento Tributario videoaulas UnieducarSlides curso Planejamento Tributario videoaulas Unieducar
Slides curso Planejamento Tributario videoaulas Unieducar
Unichristus Centro Universitário
 
Seminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio Simonaggio
Seminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio SimonaggioSeminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio Simonaggio
Seminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio Simonaggio
FecomercioSP
 
Contabilidade e a tomada de decisão
Contabilidade e a tomada de decisãoContabilidade e a tomada de decisão
Contabilidade e a tomada de decisão
fagneraasantos
 
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdfNocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
mariapsr
 

Mais procurados (20)

A contabilidade gerencial
A contabilidade gerencialA contabilidade gerencial
A contabilidade gerencial
 
Planejamento Tributário: Uma Ferramenta Primordial para Redução da Alta Carga...
Planejamento Tributário: Uma Ferramenta Primordial para Redução da Alta Carga...Planejamento Tributário: Uma Ferramenta Primordial para Redução da Alta Carga...
Planejamento Tributário: Uma Ferramenta Primordial para Redução da Alta Carga...
 
Benefícios da Contabilidade
Benefícios da ContabilidadeBenefícios da Contabilidade
Benefícios da Contabilidade
 
Workshop - Planejamento Tributário
Workshop - Planejamento TributárioWorkshop - Planejamento Tributário
Workshop - Planejamento Tributário
 
Conciliacao
ConciliacaoConciliacao
Conciliacao
 
Ebook planejamento tributario
Ebook planejamento tributarioEbook planejamento tributario
Ebook planejamento tributario
 
Auxiliar de Departamento Fiscal
Auxiliar de Departamento FiscalAuxiliar de Departamento Fiscal
Auxiliar de Departamento Fiscal
 
Slides curso Planejamento Tributario videoaulas Unieducar
Slides curso Planejamento Tributario videoaulas UnieducarSlides curso Planejamento Tributario videoaulas Unieducar
Slides curso Planejamento Tributario videoaulas Unieducar
 
Apresentação SeuApoio
Apresentação SeuApoioApresentação SeuApoio
Apresentação SeuApoio
 
Seminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio Simonaggio
Seminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio SimonaggioSeminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio Simonaggio
Seminário tributário e fiscal, 26/11/2012 - Apresentação de Sílvio Simonaggio
 
GTI - Gestão Tributária Integrada
GTI - Gestão Tributária IntegradaGTI - Gestão Tributária Integrada
GTI - Gestão Tributária Integrada
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
Aula 1 17-03-2015
Aula 1   17-03-2015Aula 1   17-03-2015
Aula 1 17-03-2015
 
Artigo científico contabilidade pública
Artigo científico contabilidade públicaArtigo científico contabilidade pública
Artigo científico contabilidade pública
 
Artigo Científico - Pós Graduação em Contabilidade Tributária
Artigo Científico - Pós Graduação em Contabilidade TributáriaArtigo Científico - Pós Graduação em Contabilidade Tributária
Artigo Científico - Pós Graduação em Contabilidade Tributária
 
Contabilidade e a tomada de decisão
Contabilidade e a tomada de decisãoContabilidade e a tomada de decisão
Contabilidade e a tomada de decisão
 
Contabilidade básica - conceitos introdutórios
Contabilidade básica - conceitos introdutóriosContabilidade básica - conceitos introdutórios
Contabilidade básica - conceitos introdutórios
 
Lucro real
Lucro realLucro real
Lucro real
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdfNocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
Nocoes de-contabilidade-basica-para-cursos-tecnicos-final-pdf
 

Destaque

Destaque (20)

FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
Facig news-2017-07
Facig news-2017-07Facig news-2017-07
Facig news-2017-07
 
Facig news-2017-06
Facig news-2017-06Facig news-2017-06
Facig news-2017-06
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS 04/2017
FACIG NEWS 04/2017FACIG NEWS 04/2017
FACIG NEWS 04/2017
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS-2017-05
FACIG NEWS-2017-05FACIG NEWS-2017-05
FACIG NEWS-2017-05
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
Facig news-2017-01
Facig news-2017-01Facig news-2017-01
Facig news-2017-01
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 
FACIG NEWS
FACIG NEWSFACIG NEWS
FACIG NEWS
 

Semelhante a FACIG NEWS

Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
Felipe Leo
 

Semelhante a FACIG NEWS (20)

Red&White E-SOCIAL 2014
Red&White E-SOCIAL 2014Red&White E-SOCIAL 2014
Red&White E-SOCIAL 2014
 
Anefac gt processos e riscos e social 8 out-2013 xrisk
Anefac gt processos e riscos e social 8 out-2013 xriskAnefac gt processos e riscos e social 8 out-2013 xrisk
Anefac gt processos e riscos e social 8 out-2013 xrisk
 
Principios da contabidade
Principios da contabidadePrincipios da contabidade
Principios da contabidade
 
9 DICAS PARA VOCÊ CONHECER MELHOR A CONTABILIDADE DA SUA EMPRESA
9 DICAS  PARA VOCÊ  CONHECER  MELHOR  A CONTABILIDADE  DA  SUA  EMPRESA 9 DICAS  PARA VOCÊ  CONHECER  MELHOR  A CONTABILIDADE  DA  SUA  EMPRESA
9 DICAS PARA VOCÊ CONHECER MELHOR A CONTABILIDADE DA SUA EMPRESA
 
Contabilidade finanças e investimentos!
Contabilidade finanças e investimentos!Contabilidade finanças e investimentos!
Contabilidade finanças e investimentos!
 
Telas do projeto simplificado webservice esocial
Telas do projeto simplificado webservice esocialTelas do projeto simplificado webservice esocial
Telas do projeto simplificado webservice esocial
 
Pwc ECF
Pwc ECFPwc ECF
Pwc ECF
 
EFD-REINF: Você está preparado para essa obrigatoriedade?
EFD-REINF: Você está preparado para essa obrigatoriedade?EFD-REINF: Você está preparado para essa obrigatoriedade?
EFD-REINF: Você está preparado para essa obrigatoriedade?
 
A importância e a obrigatoriedade de procedimentos eficazes na arrecadação da...
A importância e a obrigatoriedade de procedimentos eficazes na arrecadação da...A importância e a obrigatoriedade de procedimentos eficazes na arrecadação da...
A importância e a obrigatoriedade de procedimentos eficazes na arrecadação da...
 
Atps contabilidade intermediária
Atps   contabilidade intermediáriaAtps   contabilidade intermediária
Atps contabilidade intermediária
 
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
 
Planejamento Tributário - Plano de fiscalização do fisco nacional para 2019
Planejamento Tributário - Plano de fiscalização do fisco nacional para  2019Planejamento Tributário - Plano de fiscalização do fisco nacional para  2019
Planejamento Tributário - Plano de fiscalização do fisco nacional para 2019
 
Ifric 23 incertezas _imposto_de_renda
Ifric 23 incertezas _imposto_de_rendaIfric 23 incertezas _imposto_de_renda
Ifric 23 incertezas _imposto_de_renda
 
3º Encontro do Conhecimento PCASP
3º Encontro do Conhecimento PCASP3º Encontro do Conhecimento PCASP
3º Encontro do Conhecimento PCASP
 
Plano de contas
Plano de contasPlano de contas
Plano de contas
 
63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica63094155 lucro-real-teoria-pratica
63094155 lucro-real-teoria-pratica
 
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples NacionalApresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
Apresentação em slides Trabalho Acadêmico Simples Nacional
 
Você está preparado para o REINF?
Você está preparado para o REINF?Você está preparado para o REINF?
Você está preparado para o REINF?
 
Planejamento tributário.
Planejamento tributário.Planejamento tributário.
Planejamento tributário.
 
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 

FACIG NEWS

  • 1. Com o advento das mudanças nas normas contábeis, há alguns anos, o papel, a responsabilidade e a importância do profissional da contabilidade obteve uma grande propagação, principalmente no que tange ao reconhecimento de suas atribuições e, considerando que a gestão empresarial passou a buscar informações deste profissional que tanto conhece as rotinas contábeis, que alcança desde a entrada da mercadoria, passa pela apuração da lucratividade até a correta apuração dos impostos. Desta forma, com as informações contábeis é possível transformar os dados em um poderoso instrumento de planejamento fiscal, muitas vezes relegada a segundo pla- no. A base de um adequado planejamento fiscal é a existência de dados regulares e confiáveis. A contabilidade, sendo um sistema de registros permanentes das operações, é um pilar de tal planejamento. Toda movimentação é registrada (escrit- urada) com auxílio de um software contábil e estes registros geram informações em livros contábeis e fiscais, podendo ser eles em papel ou digital – pela introdução do SPED – Sistema Público de Escrituração Digital. É a partir destes registros nest- es livros que torna possível realização uma boa interpretação dos fatos existentes e desenvolver a Elisão Fiscal, mecanismo lícito de planejamento para otimização dos pagamentos exor- bitantes referentes à carga tributária atual. Tal conjunto de in- formações gerará os dados preliminares para análise tributária. Obviamente, se desejamos reduzir tributos, temos que saber quanto estamos gastando com eles na atualidade! Partimos de um fato real (quanto gastamos) para compararmos com esti- mativas econômicas (quanto pagaremos). Sem contabilidade, o planejamento tributário ficará dependente de informações avulsas, não regulares, sujeita a estimativas, erros e avaliações equivocadas. Para que a contabilidade se preste ao planeja- mento, a mesma deverá estar refletindo a situação real do pat- rimônio e das receitas e despesas. Contas com saldos distorci- dos, falta de atendimento do regime de competência, atrasos na escrituração, conciliações incorretas, etc. são fatores que di- minuem a qualidade da informação contábil. Por conseguinte, diminuirão a qualidade do planejamento pretendido. O planejamento, para ser sucesso na área tributária, irá buscar, basicamente: 1. Informações precisas sobre os tributos (base de cálculo, alíquotas, prazos de recolhimento, fato gerador, etc.). 2. Dados internos e externos do contribuinte (lucrativ- idade, volume de negócios, forma de operações, entre outros). A partir da coleta de dados 1 e 2 supra, começará a com- parar, analisar, verificar, deduzir, pressupor e idealizar alternati- vas lícitas para redução fiscal. Um exemplo: se o contribuinte está tributando seus resul- tados pelo Lucro Presumido, (aplicação de uma alíquota sobre o faturamento trimestral para presumir o lucro e determinar o que será pago de Imposto de Renda na Pessoa Jurídica - IRPJ e a Contribuição Social para o Lucro Líquido – CSLL) e realiza corretamente a escrituração contábil, poderá avaliar, perio- dicamente, a vantagem/desvantagem deste regime, com base nos resultados gerados nos períodos a que se submeteu a esta forma de tributação, comparativamente ao regime do Lucro Real (forma de aplicar os impostos IRPJ e CSLL sobre o resulta- do real – Lucro Real da empresa, deduzindo-se das vendas os custos e todas as despesas permitidas pela legislação). É importante ressaltar que tanto no regime de apuração do Lucro Presumido quanto na apuração do Lucro Real, ex- istem além dos impostos e contribuições IRPJ e CSLL outros tributos que são calculados mensalmente, dependendo do ramo de atividade, a saber: PIS – Programa de Integração Social; COFINS – Con- tribuição para Seguridade Social; ICMS – Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços...; ISS – Imposto sobre Serviços; IPI – Imposto sobre o Produto Industrializado; II – Im- posto sobre Importação; IE – Imposto sobre Exportação, den- tre outros... Quando se aplicar o planejamento pretendido, a ex- ecução do mesmo precisa ser avaliada, à luz de critérios objeti- vos. Novamente a contabilidade se prestará para tal, pois seus registros evidenciarão, entre outros: 1. A execução do planejamento tributário trouxe redução de impostos? Quanto? 2. Houve custos adicionais (administrativos, consultoria) nesta implantação? Quais foram estes custos e seu re- spectivo montante? 3. Baseado nos resultados já alcançados, pode-se afirmar que o planejamento fiscal foi aplicado de forma eficaz, econômica? Balancetes “velhos” ou mal conciliados podem distorcer seriamente a análise real da situação fiscal da empresa. É im- prescindível que o reconhecimento de todas as receitas e des- pesas se faça pelo chamado “regime de competência” e não pelo regime de caixa. Professor Ricardo Ribeiro Pós-graduado em Controladoria, Finanças, Planejamento Tributário e Auditoria. Professor de Contabilidade do Centro Paula Souza. Professor de Contabilidade da Faculdade de Ciências Gerenciais - FACIG. Licenciado em Contabilidade e Perito Contador Assistente do Banco do Brasil. A Contabilidade como instrumento de Economia Fiscal Empresarial Rua Maria Rosa da Silva, 151, Jardim Paraíso, São Joaquim da Barra, SP - (16) 3818-3271